Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes

Viva a greve geral na Catalunha! Liberdade para os presos políticos!

Hoje há uma greve geral planejada na Catalunha e uma mobilização maciça, com cinco colunas marchando por toda a Catalunha para convergir em Barcelona. Este dia de ação é organizado sob slogans que rejeitam o julgamento de “Procés” e apelam à liberdade dos presos políticos catalães e ao direito à autodeterminação. A Corrente Marxista Internacional no Estado espanhol, Lucha de Clases, apoia incondicionalmente este dia de luta.

Isso ocorre após quatro dias muito intensos de luta, onde centenas de milhares de pessoas, principalmente jovens, demonstram enorme coragem e determinação, apesar da repressão brutal a que foram submetidos pelas forças policiais locais, os Mossos d’Esquadra e a Polícia Nacional.

Quem cria a violência?

A mídia fez muito barulho sobre “violência”. Mas, independentemente da existência de infiltrados policiais entre os manifestantes, foi a repressão brutal e violenta de manifestações inicialmente pacíficas, por iniciativa das forças policiais, o que provocou a indignação de milhares de jovens, que não tiveram escolha a não ser defender-se. Inúmeras pessoas foram espancadas, várias foram atropeladas por veículos da polícia, dois manifestantes perderam um olho cada um, outro perdeu um testículo, outro permanece na UTI com traumatismo craniano, entre muitos outros que estão gravemente feridos. O aparato do Estado espanhol precisava dessa “violência”, juntamente com a ajuda da mídia do regime, para tentar desacreditar o movimento e reprimir as simpatias despertadas no resto do país pela luta desencadeada na Catalunha. Também quer introduzir divisão na própria classe trabalhadora catalã, a fim de impedir que ela dê uma resposta poderosa em 18 de outubro.

Uma luta democrática que envolve todo o Estado espanhol

Apesar de tudo, manifestações de solidariedade se desenvolveram em todo o país, com protestos e manifestações em Madri, Bilbao, Vitória, Valência, Maiorca, Alicante, Sevilha, Granada, Galícia, Cáceres, entre outras cidades. Mais manifestações estão programadas para este fim de semana em Málaga, Cádis, Donostia, Saragoça, Segóvia etc.

A luta da Catalunha não é pela independência, mas contra a subjugação dos direitos democráticos, políticos e sociais da população por uma minoria não eleita. Quem compõe essa minoria? Os grandes empresários e banqueiros, juízes, altos oficiais do Estado, comandantes policiais e militares e uma monarquia instalada por Franco, que decidem o que podemos votar, o que podemos pensar e que decisões podemos tomar, a fim de garantir que seus interesses e privilégios não sejam ameaçados. Seus cavalariços políticos à direita, e a liderança do PSOE, simplesmente cuidam dos estábulos de seus senhores.

A, anti, anticapitalistes! Per la república socialista catalana, espurna de la revolució ibèrica! #VagaGeneral18O

Posted by Arturo Rodríguez on Friday, 18 October 2019

O direito à autodeterminação da Catalunha é proibido – assim como um referendo sobre a monarquia é proibido, assim como a reforma trabalhista do PP e sua lei da mordaça são declaradas intocáveis, e como é proibido investigar e processar o rei emérito, apesar das evidências suficientes de seu envolvimento na cobrança de propinas financeiras e na evasão fiscal, depositando seus fundos no exterior. Sob um governo de Sánchez ou Rajoy, tudo isso continua.

Portanto, o que acontece na Catalunha afeta a todos nós. Com o julgamento de Procés como precedente, qualquer manifestação em massa por nossos direitos que atrapalhe o trabalho repressivo de juízes e policiais pode ser punida como “sedição”. Os organizadores de qualquer protesto podem ser condenados a até 12 anos de prisão, por interromper um despejo, impedir o espancamento de manifestantes pela polícia, ignorar uma solicitação judicial ou policial para despejar uma empresa ameaçada de fechamento ocupada por seus trabalhadores, ou qualquer outra ação em massa que a polícia considere um obstáculo.

Julgamento do Procés: farsa e infâmia

O caso do Procés mostra claramente o caráter autoritário do regime de 1978. A acusação de “rebelião” (em que nem os próprios acusadores acreditaram e que no final terminou caindo) serviu para “legalmente” privar os acusados ​​de seus direitos democráticos e “constitucionais” (não podendo ocupar cargos públicos, um ano de prisão provisória etc.) e assim removê-los politicamente da luta como pontos de referência para o movimento de independência. Com a acusação de “sedição”, isso não poderia ter sido realizado.

Agora que a acusação de rebelião foi descartada, quem lhes pode devolver os direitos “constitucionais” dos quais foram privados? Quem lhes pode restituir os dois anos de suas vidas que passaram na prisão?

Obviamente, o tribunal tampouco crê na acusação de sedição, ao declarar em sua decisão que nunca houve uma tentativa por parte da Generalitat de romper institucionalmente com o Estado espanhol, mas somente de forçar uma negociação.

Os únicos fatos que justificam o crime de “sedição” na sentença são, escandalosamente, os protestos e mobilizações populares de 20 de setembro e 1 de outubro de 2017 em Barcelona.

Estivadores catalãos em greve. Foto: Arturo Rodriguez

Portanto, todo o julgamento do Procés, sua investigação preliminar, bem como as sentenças, são corrompidas do começo ao fim. São uma fraude e uma farsa e, portanto, são moral e politicamente uma manipulação. Sem mencionar suas consequências para nossos direitos democráticos.

Não reconhecer e contestar esse julgamento vergonhoso é, portanto, um princípio democrático básico que vai além da questão da independência e do conflito na Catalunha.

O direito à autodeterminação

Como já dissemos inúmeras vezes, a unidade do povo não pode ser imposta, ela deve ser estabelecida de forma voluntária e em pé de igualdade, sem vantagens de um sobre o outro e decidida em um referendo democrático. O aparato estatal espanhol nunca aceitará que o povo catalão possa decidir livremente seu destino. Na Espanha, o direito à autodeterminação – como a luta por uma república democrática – é uma tarefa revolucionária, que implica desafiar um aparato estatal e o sistema capitalista sobre o qual ele é mantido.

No entanto, se a luta da Catalunha é para ser ganha, ela deve obter o apoio majoritário da classe trabalhadora catalã, com métodos de luta de massas e combinando a demanda pelo direito à autodeterminação com um discurso de classe socialista e internacionalista, que apele à solidariedade da classe trabalhadora fora da Catalunha.

Da nossa parte, no restante do país, devemos apoiar a luta na Catalunha com todas as nossas forças, porque a derrota dela será a nossa derrota. Não foi por acaso que as presas pontiagudas da reação pareceram brilhar mais intensamente após a derrota do Movimento Catalão em outubro de 2017. O desenvolvimento de Vox é um dos produtos repulsivos desse período temporário de semi-reação.

O papel desafortunado dos líderes de Unidos Podemos

A esse respeito, a posição dos líderes de Unidos Podemos é lamentável. Eles demonstraram seu desacordo com a sentença do Procés, mas pediram para cumpri-la. Em vez de usar suas declarações para desacreditar o aparato estatal e o sistema judicial, eles inclinam a cabeça impotentemente, implorando por um “diálogo” impossível. Essa posição, longe de lançar luz e claridade sobre o que está acontecendo, reduz o nível de consciência das massas, sobre as quais têm autoridade e permitem que ideias reacionárias anti-catalãs e antidemocráticas se espalhem pelo restante da população.

Protesters in Madrid forming a human tower (a Catalan tradition) in solidarity with the Catalan independence movement.

Posted by In Defence of Marxism on Friday, 18 October 2019

Ausentes das mobilizações que ocorrem em todos os lugares, quando deveriam estar à frente delas para aumentar seu tamanho, Unidos Podemos só se preocupa com a perda de votos nas eleições de 10 de novembro, quando deveria mostrar uma posição clara e corajosa em relação à rejeição do julgamento do Supremo Tribunal. Mas são a covardia e a confusão que criam a desconfiança. Clareza e firmeza de convicção são os que ganham a atenção das pessoas e o apoio popular.

Alberto Garzón, em particular, adotou uma posição escandalosa, associando os “trabalhadores violentos da independência” à direita: “os melhores aliados dos ativistas violentos da independência atualmente são Pablo Casado, Albert Rivera e Santiago Abascal. Eles precisam uns dos outros para justificar seus discursos malucos, suas expressões vergonhosas, suas histórias ultranacionalistas e suas práticas inertes”. Garzón nunca entendeu a questão nacional catalã, nem o direito democrático de autodeterminação. Sua “equidistância” entre o agredido e o agressor realmente o coloca ao lado do último. Seus aliados na Catalunha, Ada Colau e Jessica Albiach, não estão se saindo melhor. Com um cretinismo digno de um convertido zeloso, esses “ex-ativistas” censuram vergonhosamente Quim Torra por atuar como um “ativista” ao incentivar mobilizações populares (embora justifiquem isso depois da repressão dos Mossos), quando são eles que deveriam estar na vanguarda da luta.

Por uma república socialista catalã, como a centelha da revolução ibérica!

A luta pela República Catalã tem todo o nosso apoio. Uma luta bem-sucedida por esse objetivo seria a centelha que iniciaria uma luta conjunta em todo o país por uma república e pela derrubada do regime de 1978. Se a classe trabalhadora, tanto na Catalunha quanto no resto do país, estivesse na vanguarda da luta, a luta pela república poderia rapidamente expandir seus objetivos em direção ao socialismo. Uma federação voluntária de repúblicas socialistas ibéricas poderia ser estabelecida sob essas condições, a fim de espalhar a luta pelo socialismo do outro lado dos Pireneus e além.

Por isso, neste dia histórico, proclamamos:

Liberdade para os presos políticos! Mobilização contínua e massiva contra as sentenças!

Viva a greve geral na Catalunha!

Solidariedade com o povo catalão!

Para ganhar a república, você precisa de uma revolução!

Por uma república socialista catalã, como a centelha da revolução ibérica!

Tradução de Fabiano Leite.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Pela resistência dos trabalhadores ao golpe burguês na Bolívia

Os eventos que se seguiram à renúncia forçada de Evo demonstram que a saída constitucional ...