Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes

Catalunha: o chicote da reação reacende protestos republicanos

Nesta segunda-feira (14/10), a Suprema Corte espanhola proferiu sentenças contra doze presos políticos catalães envolvidos no referendo de outubro de 2017, incluindo nove ex-ministros, o presidente do parlamento catalão e dois líderes populares da sociedade civil. O processo continuou por quase dois anos, durante os quais nove deles foram mantidos em prisão preventiva. Como esperado, as sentenças foram duras: entre nove e 13 anos de prisão pelos nove detidos em prisão preventiva e multas e desqualificação do cargo público para os outros três.

Eles foram acusados, entre ofensas menores, de sedição: um crime grave que envolve um levante “tumultuado” contra o Estado. No entanto, em nenhum momento esses líderes promoveram uma revolta de qualquer tipo – de fato, quando o movimento de 2017 atingiu um tom insurrecional, eles não pouparam esforços para contê-lo. Mas este não é um processo judicial comum – é um julgamento político pelo qual o Estado deseja reafirmar sua autoridade manchada através de uma punição exemplar.

As sentenças desencadearam uma reação imediata das massas catalãs, que foram às ruas em grande número. Embora esses protestos tenham sido amplamente espontâneos, a frente unida do Tsunami Democrático forneceu coordenação geral. Ao meio-dia, o centro de Barcelona havia sido paralisado quando as principais estradas foram bloqueadas (começando com a barricada da via Laietana por motoristas de táxi). Os alunos deixaram a aula assim que as sentenças foram emitidas e se juntaram aos protestos.

Dezenas de milhares de pessoas se reuniram no aeroporto de Barcelona, ​​provocando mais de 100 cancelamentos de voos e vários atrasos. A polícia cortou as conexões de trem e metrô para o aeroporto, mas muitas pessoas marcharam pela estrada que o conecta à cidade. A polícia, espanhola e catalã, reprimiu a ocupação do aeroporto com brutalidade sem precedentes, usando gás lacrimogêneo, balas de borracha (tecnicamente ilegais na Catalunha) e dispositivos de choque. Vans da polícia atacaram os manifestantes em alta velocidade. Um jovem de 22 anos perdeu o olho depois de ser atingido por uma bala de borracha e 131 pessoas ficaram feridas.

Na cidade, houve confrontos com a polícia à noite em torno da delegacia central espanhola. Em outras locais, estradas, ferrovias e estações de trem foram ocupadas ou bloqueadas. Houve manifestações em massa nas praças da cidade em toda a Catalunha. Também houve grandes manifestações no resto da Espanha, pois as sentenças geraram protestos entre uma parte significativa da sociedade espanhola. Em Madri, os manifestantes tentaram imitar Barcelona, ​​bloqueando o acesso ao aeroporto de Barajas com mais de mil carros.

O chicote da reação deu um forte impulso ao movimento republicano catalão. A ocupação de um dos maiores aeroportos da Europa é uma amostra do que pode ser alcançado através da mobilização em massa. Após meses de declínio nos protestos republicanos, as massas agora flexionaram seus músculos e recuperaram sua confiança. As sentenças não apenas enfureceram os secessionistas, como também muitos democratas sindicalistas – na Catalunha e além.

Ressurge a luta republicana

As tradições insurrecionais de outubro de 2017 estão voltando à tona mais uma vez com força (enriquecida pela experiência internacional dos coletes amarelos, Hong Kong, Equador etc., que não passou despercebida). Uma greve geral foi convocada para a sexta-feira, e manifestações em massa, greves de estudantes e protestos estão programados durante a semana. Esta noite, as organizações em torno da CUP (Listas Populares da Unidade), a extrema esquerda do movimento pró-independência, pediram manifestações contra a repressão no aeroporto. Essas mobilizações devem ser desenvolvidas através de assembleias de massa e comitês de luta. Já vemos os embriões de tais órgãos da organização de base.

Milhares ocuparam o Aeroporto de Barcelona, provocando cerca de 100 cancelamentos de avião.

A deficiência básica do movimento de outubro de 2017, no entanto, não foi superada: a ausência de uma liderança revolucionária que possa levar o movimento à vitória. Os mesmos nacionalistas pequeno-burgueses que descarrilaram o referendo de 2017 permanecem à frente do movimento hoje – agora ainda mais desorientados e assustados do que há dois anos. De fato, enquanto lamentam as sentenças, o governo catalão pediu “diálogo e negociação” com o Estado e jogou a polícia catalã contra os manifestantes no aeroporto ontem.

Por um lado, acenam a bandeira catalã e, por outro, o cassetete com o qual golpeiam os jovens que lutam pelos direitos democráticos mais básicos. Na Espanha, o direito à autodeterminação, juntamente com outras grandes demandas democráticas, é uma tarefa revolucionária que não pode ser cumprida por políticos pequeno-burgueses com medo de sua própria sombra. A tarefa é usar esse movimento para construir uma nova liderança revolucionária no calor da luta. Cabe à CUP assumir essa responsabilidade, explicando claramente entre as massas insurgentes as limitações da atual liderança republicana, vinculando essas deficiências ao seu caráter de classe e propondo uma alternativa política.

Em termos práticos, é necessário estimular a formação de comitês populares de luta, inculcar-lhes um programa de transformação social radical e centralizá-los através da eleição de delegados e de um comitê totalmente catalão. Isso pode se tornar o bastião revolucionário que o movimento precisa para triunfar.

Tradução de Fabiano Leite.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Pela resistência dos trabalhadores ao golpe burguês na Bolívia

Os eventos que se seguiram à renúncia forçada de Evo demonstram que a saída constitucional ...