Foto: Ninjastrikers

O que está acontecendo em Mianmar e por quê?

O golpe militar realizado em Mianmar por Min Aung Hlaing, comandante em chefe do exército, em 31 de janeiro, desencadeou um movimento que os militares claramente não esperavam. O golpe pegou muitos de surpresa. Ninguém em Mianmar esperava por isso, e ele também não parece se adequar às necessidades do momento. Então, por que isso aconteceu? Neste artigo, tentamos delinear alguns dos fatores que levaram a essa mudança repentina e acentuada na situação.

É uma norma estabelecida da estratégia burguesa que um golpe militar seja geralmente uma medida de último recurso. E, o que é mais importante, para que um golpe tenha sucesso, é um passo que se dá apenas quando o movimento dos trabalhadores, camponeses e jovens já foi desmoralizado por seus próprios líderes.

Foi o que aconteceu em 1922 na Itália, quando Mussolini subiu ao poder, e foi o caso de Pinochet em 1973 no Chile. A balança do equilíbrio de forças para uma repressão reacionária já havia se inclinado em favor da classe dominante por conta dos líderes vacilantes da classe trabalhadora, que não estavam preparados para mobilizar todas as forças dos trabalhadores, camponeses e jovens quando chegasse o momento.

Há momentos na história, porém, em que os conflitos entre as diferentes alas da classe dos proprietários também levam a uma situação em que o impasse exige o uso da força. Aqui, além do crescente descontentamento social nas profundezas da sociedade, também temos um conflito em curso entre duas alas da classe dominante em Mianmar: de um lado os oligarcas militares enriquecidos e do outro os burgueses liberais emergentes apoiados pelo imperialismo.

Um ponto importante que devemos lembrar, entretanto, é que os conflitos no topo, ou seja, as divisões na classe dominante, podem abrir as comportas da luta de classes por baixo. O entendimento geral dos estrategistas sérios do capital é que não se pode esmagar um movimento da classe trabalhadora apenas pela força bruta quando ele está em seu auge. Isso explica por que o método preferido da classe capitalista em todos os lugares é usar primeiro, por um período, os próprios líderes reformistas dos trabalhadores. Esses líderes têm autoridade para conter os trabalhadores o suficiente para permitir que o sistema sobreviva e se recupere.

Em Mianmar, estávamos nos estágios iniciais, onde uma figura como ASSK [Aung San Suu Kyi] ainda tinha amplo apoio e, embora certas camadas estivessem perdendo as ilusões que tinham nela, muitos ainda estavam depositando suas esperanças em sua capacidade de alcançar uma mudança genuína para a massa da população.

A perspectiva para o próximo período em Mianmar é de crescente luta de classes, não de desmoralização e paralisia. Isso é confirmado pela reação ao golpe, que não é de desânimo e desmoralização, mas de raiva e vontade de revidar.

Então, por que o golpe aconteceu? Para entender isso, é necessário olhar para a natureza da casta de oficiais militares em Mianmar, sua posição na sociedade, suas raízes e seu anterior período de dominação. E, às vezes, é mesmo necessário olhar para determinados indivíduos poderosos que podem desempenhar um papel-chave dentro da situação objetiva, neste caso um papel reacionário.

Contexto histórico

Mianmar, então conhecido como Birmânia, ganhou a independência formal do domínio britânico em 1948. Os nascentes burgueses e latifundiários locais foram incapazes de desenvolver o país após a Segunda Guerra Mundial. Eles não foram capazes de resolver a complexa questão nacional da Birmânia, com as minorias nacionais travando lutas armadas pela autodeterminação, como os Kachins, os Shans etc., que fermenta entre todos os diferentes povos que constituem o país.

Mianmar, então conhecido como Birmânia, ganhou a independência formal em 1948 do domínio britânico. A nascente burguesia e os latifundiários locais foram incapazes de desenvolver o país após a 2ª Guerra Mundial Foto: Domínio público
Mianmar tem 135 grupos étnicos oficialmente reconhecidos, mas com muitos mais subgrupos. Os Bamars são o grupo majoritário, com 68% da população, seguidos pelos Shan (9%), os Kajin (7%) e os Rakhine (3,5%). Ainda por cima existe a divisão religiosa, com 88% da população sendo budista, mas com pequenas minorias cristãs (6%) e muçulmanas (4%). Entre os muçulmanos estão os Rohingyas, que não são oficialmente reconhecidos, nem mesmo incluídos no censo, e são terrivelmente oprimidos tendo sofrido ataques genocidas por parte dos militares.

Após a independência, o novo regime também enfrentou o problema de ter que lidar com um Partido Comunista forte, cuja autoridade havia sido enormemente reforçada por seu papel na guerra contra os japoneses e na luta pela independência. Infelizmente, os dirigentes do Partido Comunista adotaram a política da Frente Popular, baseada na ideia de que a revolução em Mianmar seria democrático-burguesa, lançando as bases para o desenvolvimento capitalista.

Depois de ter participado de uma frente popular com a burguesia nacional birmanesa local, antes de 1948, e depois de ser reprimido pela mesma burguesia, o partido optou pela luta armada, abandonando as cidades e voltando-se para o campesinato. Em 1953, o partido foi proibido em consequência disso.

Enquanto isso, sucessivos governos instáveis ​​se mostraram incapazes de resolver qualquer um dos problemas que o país enfrenta. A fraca burguesia mostrou-se incapaz de cumprir qualquer uma das tarefas básicas da revolução democrática burguesa. Os camponeses queriam terras e o povo como um todo desejava a libertação do jugo do imperialismo.

Ao mesmo tempo, a União Soviética emergia como uma grande potência mundial, desenvolvendo-se economicamente e espalhando sua influência para a Europa Oriental. E, na China, a revolução de 1949 eliminou o capitalismo e o latifúndio, seguida, uma década depois, pela revolução cubana.

A Rússia stalinista e a China maoísta deram grandes passos à frente em termos de desenvolvimento econômico e reformas reais e concretas para as massas, com base na economia estatal de planejamento central. Mas a classe trabalhadora não estava no poder. No topo da sociedade havia uma burocracia privilegiada, governando com métodos repressivos. No entanto, naquela época, em comparação com o que o capitalismo tinha a oferecer aos antigos países coloniais, o sistema da União Soviética e da China parecia uma alternativa muito mais viável.

Foi nesse contexto, com o modelo chinês em sua fronteira, que, em 1962, um grupo de oficiais radicais, liderados por Nay Win, deu um golpe. A casta de oficiais se via como a única camada que poderia impedir o país de se desintegrar, e eles adotaram uma “estrada birmanesa-budista para o socialismo”. Um regime totalitário de partido único foi criado, com a nacionalização de interesses estrangeiros de propriedade, e até mesmo da burguesia birmanesa local. Adotar o modelo da União Soviética e da China, no entanto, significou que uma casta burocrática privilegiada foi criada.

Inicialmente, nos anos imediatamente posteriores ao golpe de 1962, com base na economia estatal, o país se desenvolveu a um ritmo bastante acelerado, com altos e baixos, mas em alguns anos chegou a atingir um crescimento percentual anual de dois dígitos do PIB, atingindo 10-13%, e isso deu ao regime um certo grau de estabilidade e legitimidade.

Durante este período, embora o regime tenha declarado o status de “não alinhado”, eventualmente o país caiu de fato na esfera de influência da China maoísta. E este foi o regime que permaneceu no poder até que uma grave crise econômica levou aos protestos de 1988, quando Nay Win foi forçado a renunciar. Nos anos 1986-88, o PIB contraiu acentuadamente, somente em 1988 em -11%.

Para compreender a próxima fase dos desenvolvimentos em Mianmar, temos que olhar para a arena internacional. A União Soviética estava em crise e, em 1989, os regimes da Europa Oriental, que estavam sob seu controle, entraram em colapso, seguidos dois anos depois pelo colapso da própria União Soviética. Poucos anos antes, a China, sob Deng, havia iniciado o processo de abertura ao investimento estrangeiro e estava se movendo cada vez mais em direção a uma economia de mercado.

A economia planejada, e o que era visto por muitos como “socialismo”, apareceu como um sistema falido. Enquanto isso, o capitalismo havia se recuperado temporariamente da crise dos anos 1970. Isso inevitavelmente afetou o pensamento da casta de oficiais que governava Mianmar na época. Sua própria confiança no sistema que presidiam ficou abalada.

8888

Mianmar também enfrentou agitação crescente nesse período. Em meados da década de 1980, surgiram protestos estudantis generalizados, que culminaram no que ficou conhecido como o Levante 8888 de Poder Popular. O nome veio do fato de que o movimento começou em 8 de agosto de 1988 como um protesto estudantil, que então se espalhou para a população em geral.

Esse movimento foi derrotado por um golpe sangrento em setembro do mesmo ano, quando milhares de pessoas foram assassinadas indiscriminadamente pelo regime militar que assumiu o poder. Foi nesse período que Aung San Suu Kyi (também conhecida como ASSK) emergiu como uma figura icônica, falando em um grande comício de cerca de meio milhão de pessoas no final de agosto.

ASSK se tornou um ponto focal de oposição ao regime e, apesar da repressão militar, as coisas não poderiam ser as mesmas de antes. Os militares estavam sentindo a pressão e, em 1990, foram forçados a convocar eleições. O NLD, a Liga Nacional para a Democracia, com ASSK como candidato, levantou-se e obteve uma vitória esmagadora com 81% dos votos e 392 dos 492 deputados.

Em meados da década de 1980, surgiram protestos estudantis generalizados, que culminaram no que ficou conhecido como levante de poder do povo 8888 Foto: Kwantonge
Na época, porém, os militares se recusaram a reconhecer o resultado da eleição e bloquearam o processo de democratização, colocando a ASSK em prisão domiciliar. Em 2007, as tensões aumentaram novamente, com a eclosão de um grande movimento conhecido como “Revolução do Açafrão”, que também foi reprimido pelos militares, mas a pressão vinda de baixo não poderia ser contida simplesmente com a força bruta.

Assim, em 2008, os militares foram forçados a permitir um referendo sobre se o povo queria eleições parlamentares, o que mostrou um desejo massivo e generalizado de acabar com o regime militar. Portanto, em 2010, eles foram forçados a suspender a prisão domiciliar de ASSK e permitir que novas eleições ocorressem.

O NLD, no entanto, boicotou essas eleições porque muitas de suas reivindicações não foram atendidas, como a libertação de presos políticos, e o Partido da União para o Desenvolvimento e Solidariedade (USDP), o partido dos militares, portanto, conquistou a grande maioria dos assentos disputados nas câmaras alta e baixa.

Os militares, ao mesmo tempo, certificaram-se de que não havia perigo de perderem as principais alavancas do poder. Eles redigiram a constituição que lhes dá automaticamente 25% dos deputados no parlamento e garante-lhes o controle dos principais ministérios: defesa, interior e controles de fronteira. Eles também incluíram uma cláusula que lhes dá a maioria dos assentos no Conselho de Defesa e Segurança Nacional, que pode declarar uma situação de emergência.

Depois de preparadas essas salvaguardas, em 2011 os militares renunciaram ao regime militar direto e o USDP governou o país. Mas, nas eleições de 2015, o NLD com ASSK como sua figura de proa ganhou a maioria em ambas as casas. Ela foi saudada como uma heroína, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 1991 e um símbolo de democracia e liberdade. Mas, uma vez no cargo, as coisas mudaram muito rapidamente.

Os chefes militares promoveram o chauvinismo budista entre a maioria da população Bamar como um meio de desviar a atenção dos verdadeiros problemas econômicos e sociais. No último período, eles concentraram a atenção na minoria da população muçulmana, os Rohingyas, muitos dos quais foram forçados a deixar o país para campos de refugiados na fronteira com Bangladesh. Em 2017, os militares, apoiados por gangues budistas reacionárias, queimaram vilas inteiras de Rohingyas e mataram milhares.

ASSK, em vez de condenar essas ações dos militares, as encobriu, em favor deles, na arena internacional. Na verdade, ela tem se apoiado cada vez mais na maioria de Bamars, depois de ter prometido às minorias étnicas que defenderia seus direitos e acabaria com as inúmeras pequenas guerras locais em andamento.

Sua máscara “democrática” escorregou quando ela assumiu o cargo. E sua agenda econômica nunca foi tão progressista quanto a mídia procurava que parecesse. Por “progressista” o que eles realmente queriam dizer era um programa liberal de privatizações e uma maior abertura ao capital estrangeiro. Um exemplo foi seu Plano de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Mianmar, que permite que capitalistas estrangeiros invistam até 35% em empresas locais, bem como detenham participações de até 35% em empresas de Mianmar negociadas na Bolsa de Valores de Yangon.

Com esse programa, há pouco espaço para reformas genuínas para os trabalhadores e camponeses de Mianmar. Pelo contrário, significa passar do controle da economia pelas mãos dos oligarcas militares para o controle do capital estrangeiro. Nenhum deles tem em mente os interesses do povo de Mianmar.

O que foi uma vantagem para ASSK, quando ela assumiu o cargo pela primeira vez em 2015, foi a forte conexão da economia de Mianmar com a da China. No período 2015-19, o país teve um crescimento médio anual de 6,5%. No entanto, os números para 2020 mostravam um abrandamento significativo para cerca de 2%, juntamente com o agravamento das finanças públicas devido ao impacto da pandemia.

Como The Economist (7.11.20) apontou em novembro do ano passado:

“Muitos birmaneses ainda não viram a prosperidade que a Sra. Suu Kyi prometeu. Um em cada quatro permaneceu pobre em 2017, de acordo com o Banco Mundial. O emprego precário está crescendo. Quase metade dos entrevistados pelo ABS no ano passado estavam preocupados em perder seus meios de subsistência, mais do que o dobro de 2015. Cerca de 54% disseram que não conseguiram acessar serviços básicos, como água, transporte público e saúde, acima de 48% há cinco anos. ‘Os ganhos com as reformas econômicas e o crescimento sob o governo do NLD ainda precisam ser amplamente percebidos pelos cidadãos comuns’, escreveram os autores da pesquisa.”

Para o trabalhador comum, a democracia não é um princípio abstrato, mas uma questão muito concreta. A democracia para os trabalhadores é vista como um meio para se obter uma vida melhor, mais empregos, melhores salários e melhores serviços. As pessoas vinham sofrendo durante décadas sob os militares e esperavam mudanças mais genuínas sob ASSK.

Ela manteve sua base de apoio entre os Bamars e algumas das minorias étnicas, em parte porque o governo dos militares ainda está fresco na mente das massas, mas ela também fez concessões significativas ao chauvinismo budista/Bamar incitado pelos militares, o que também explica sua posição sobre as minorias étnicas.

A natureza da casta militar

Para voltar à questão das razões por que os militares realizaram um golpe, temos que olhar tanto para a natureza da casta de oficiais de Mianmar quanto para a instabilidade geral dentro do país. Em Mianmar, a casta de oficiais não é apenas “órgãos armados de homens” (para citar Engels) a serviço da classe proprietária. A casta de oficiais militares também é uma força econômica muito grande e poderosa dentro do país, com uma história recente de governo direto. Muitos ex-oficiais militares de alta patente se tornaram as pessoas mais ricas do país.

Durante o regime de 1962-88, o poder e os privilégios dos chefes do exército foram garantidos por seu controle do Estado, que, por sua vez, controlava a maior parte da economia. Mas o regime militar que chegou ao poder em 1988 sob Saw Maung revelou que a casta de oficiais havia perdido a confiança no sistema econômico que os servia bem até então. O novo regime olhou para o mercado, ou seja, o capitalismo, para fornecer uma solução para a crise que levou à convulsão social, e assim desencadeou um processo que visava quebrar a velha economia estatal e caminhar para uma maior e maior mercantilização . Ao adotar essa política, eles esperavam alcançar o desenvolvimento econômico e, ao mesmo tempo, proteger sua própria posição privilegiada na sociedade.

O papel da China

A China desempenhou um papel nisso, pois este era o mesmo caminho que eles estavam trilhando. Mianmar compartilha uma longa fronteira com a China, que tem grandes interesses econômicos no país. Após o golpe de 1988, a China desempenhou um papel importante na atração das forças comunistas birmanesas que operavam no país.

De acordo com o Monitor Geopolítico:

“O vice-presidente do PCB [Partido Comunista da Birmânia] e outros líderes centrais foram detidos durante o golpe e todos foram enviados para o condado de Menglian, na China. Acredita-se que a China desempenhou um papel neste levante e à toda a liderança do PCB foi oferecida a aposentadoria na China. O que a China queria fazer era pressionar os líderes comunistas a renunciarem. A principal razão é que a China não pretendia mais exportar ideias revolucionárias para Mianmar. Em vez disso, devido às políticas de abertura, a China esperava abrir o comércio de fronteira com Mianmar para explorar seus ricos recursos.”

O mesmo artigo continua explicando que após o golpe de 1988:

“Os militares de Mianmar foram condenados pelo Ocidente por meio de sanções e o governo não tem escolha a não ser se envolver intimamente com a China. Portanto, Mianmar contou com o apoio do governo chinês, tanto econômica quanto politicamente, e desenvolveu uma relação amigável com a China. Por exemplo, a China construiu usinas hidrelétricas, bem como oleodutos e gasodutos do porto de águas profundas da Baía de Makasar, em Mianmar, até Kunming, na China.”

A burocracia chinesa não estava interessada em promover qualquer tipo de revolução liderada pelos comunistas, mas em criar um ambiente em Mianmar que fosse amigável para os negócios, e em particular os negócios com a China, permitindo-lhe penetrar no mercado de Mianmar e também obter vantagem sobre seus recursos naturais.

Esse relacionamento próximo com a China sob Deng atendeu às necessidades dos aspirantes a oligarcas militares que estavam emergindo. O governo que tomou posse após as eleições de 2010 era controlado diretamente pelos militares; foi o partido deles que “ganhou” as eleições. Em 2011, eles anunciaram que iriam privatizar 90% das empresas estatais dentro de um ano. Mas, como a BBC se queixou na época:

“Uma hipótese é que o programa de privatizações fornecerá uma espécie de paraquedas de ouro para quem está deixando o poder.

“Isso sugere que a maioria dos ativos privatizados será adquirida a preços reduzidos por pessoas que ocuparam cargos no governo e por suas famílias e amigos.

“’Creio que o que realmente está acontecendo é que haverá um tipo de venda incerta, se você preferir, desses ativos para pessoas intimamente ligadas ao regime atual’, disse Sean Turnell, professor de economia da Universidade Macquarie em Sydney, Austrália.

“‘E realmente a motivação para eles é garantir que essa riqueza permaneça em suas mãos, independentemente do que aconteça com a situação política’, disse Turnell.” (“A Birmânia vai privatizar 90% de suas empresas”, 14 de janeiro de 2011).

Esse plano foi executado apenas parcialmente, como podemos ver em algumas estatísticas da economia de Mianmar. A agricultura e a indústria leve estão agora principalmente no setor privado, mas o grosso da grande indústria permaneceu sob controle estatal.

Seu plano não era o de vender a capitalistas privados, mas o de se transformarem em donos dos meios de produção. Eles iniciaram uma onda de grilagem de terras, junto com a obtenção de todos os recursos que puderam colocar em suas mãos, mesmo ilegalmente, tudo a preços reduzidos, antes das eleições de 2010. Esse tipo de atividade ainda está em andamento e tem provocado muitos protestos locais por parte das pessoas que estão sendo despejadas de suas propriedades.

Novamente, seu modelo foi a China. A burocracia militar, assim como a burocracia do Partido Comunista Chinês, não ia abrir mão do controle da economia nacional e, portanto, adotou uma política dupla. Prosseguiram com a privatização de um setor da economia, enquanto mantinham setores-chave por meio de seu controle do setor estatal.

Muitas das empresas mais lucrativas foram colocadas sob o controle de dois conglomerados comerciais controlados pelos militares, a Myanmar Economic Corporation (MEC) e a Myanmar Economic Holdings Limited (MEHL). Como comandante-em-chefe, Ming Aung Hlaing também tem autoridade sobre esses conglomerados, além dos negócios que são controlados diretamente por sua família.

Os militares estão determinados a não ceder o controle de suas atividades mais lucrativas a civis que representam os interesses imperialistas ocidentais, e isso é um fator adicional para manter boas relações com a China. Isso explica por que eles são vistos como um obstáculo pelas potências imperialistas ocidentais. As corporações multinacionais gostariam de penetrar na economia de Mianmar, mas os militares têm resistido a isso. E o fato de a principal potência estrangeira em Mianmar ser a China amplia ainda mais o problema.

O que havia começado sob os militares em 1988 precisava de um forte impulso, pois os recursos naturais e a indústria pesada permaneceram sob controle do Estado. Em 2016 ainda existiam 50 empresas públicas e 500 fábricas estatais pertencentes a vários ministérios e órgãos do Estado, necessitando de grandes investimentos que só poderiam vir do exterior.

As empresas estatais ainda desempenham um grande papel na economia. Elas geram 50% das receitas fiscais; estão envolvidos em quase todos os setores, do transporte ao têxtil, da banca aos recursos naturais, e ainda empregam cerca de 150.000 trabalhadores. E os gerentes dessas empresas são livres para conceder contratos a parceiros do setor privado, que muitas vezes são empresas pertencentes a militares.

Isso também explica por que o Ocidente apoiou a ASSK, que eles veem como uma alavanca para abrir a economia de Mianmar e enfraquecer o domínio da casta de oficiais militares. Sua tarefa era impulsionar o programa de privatização e ela prometeu construir uma “economia de mercado saudável”.

Na pressão para a privatização, no entanto, em 2016, de acordo com o Nikkei Asia, “a resistência dos militares era esperada”, e passou a dar um aviso muito profético: “Se o governo liderado por Suu Kyi continuar a empurrar a privatização, eventualmente entrará em conflito com os interesses militares.” (Nikkei Asia, 22 de maio de 2016). E é exatamente isso que vimos com o recente golpe militar.

E ainda, como vimos, os militares tinham muitas garantias do sistema político que protegia seus interesses. ASSK até tinha Myent Swe, um ex-oficial militar de alto escalão, como vice-presidente, que também servia como presidente do comitê que supervisiona a privatização, um compromisso óbvio com os militares.

Então, por que o General Min Aung Hlaing interveio? Ele é o atual comandante-em-chefe das forças armadas de Mianmar, mas está prestes a se aposentar, como é exigido por lei ao completar 65 anos de idade em julho. No entanto, ele tem suas próprias preocupações pessoais. Ele é considerado o responsável pelo genocídio cometido contra os Rohingyas. Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha já impuseram sanções pessoais a ele. Portanto, ele tem boas razões para acreditar que seu sustento pessoal pode ser ameaçado pelo direito internacional, uma vez que ele perca sua atual posição de poder. Ele teme ser julgado como criminoso de guerra. Ele e sua família se beneficiaram enormemente com o processo de privatização descrito acima. Ele é um chefe militar que se enriqueceu às custas do povo de Mianmar.

De acordo com o Justice for Myanmar, um grupo de campanha citado pela Al Jazeera: “Se a democratização progredir e houver responsabilização por sua conduta criminosa, ele e sua família perderão suas fontes de receita …” E isso explica suas ambições de se tornar presidente de Mianmar, pois ele vê isso como uma forma de se proteger de qualquer movimento para indiciá-lo por atos criminosos.

Para se tornarem presidente, no entanto, os militares, que já haviam nomeado 166 dos membros do Parlamento, também precisavam ganhar mais 167 nas eleições, no que fracassaram miseravelmente, conquistando apenas 33 dos 498 assentos disputados. Frustrado na frente eleitoral, o alto escalão dos militares percebeu que a única saída para eles era dar um golpe e retomar o controle direto.

O resultado das eleições de novembro de 2020 também foi uma indicação clara de quão pouco apoio os militares têm entre a população em geral. Dada a vitória esmagadora de ASSK e do NLD, eles temiam que as massas pudessem ser encorajadas a ir mais longe e empurrar ASSK além do que ela mesma gostaria de ir.

Em março do ano passado, o NLD apresentou algumas emendas constitucionais provisórias. Uma delas visava reduzir gradualmente o número de assentos no parlamento reservados aos militares. O problema que o NLD enfrentou o tempo todo é que os generais escreveram a Constituição de forma a se garantirem contra tais tentativas. Qualquer mudança na Constituição requer o apoio de mais de três quartos dos deputados. Mas, com um quarto dos assentos no parlamento reservados aos militares, eles podem bloquear tais tentativas, e no ano passado eles fizeram exatamente isso.

Maior movimento de protesto desde 1988

O ASSK e o NLD são incapazes de enfrentar os militares e remover todas as alavancas de poder que eles controlam, porque em última análise, tanto ASSK quanto os chefes militares apoiam a economia de mercado, ou seja, o capitalismo. A única maneira de realmente derrotar os chefes militares e retirá-los do poder é mobilizar toda a força dos trabalhadores e camponeses, mas isso seria muito perigoso para a burguesia liberal, já que tal movimento de massa poderia desenvolver uma lógica própria. Se as massas se mobilizarem em grande número e começarem a ter um gostinho de seu próprio poder, elas podem começar a colocar suas próprias demandas de empregos, habitação, salários etc., o que iria muito além dos interesses dos liberais burgueses por trás de ASSK, e potencialmente representam uma ameaça para o sistema como um todo.

Os militares estavam cientes desses riscos e desejavam acabar com a crescente instabilidade social. Este foi um fator adicional que os levou a intervir diretamente. No entanto, eles também estão cientes do fato de que não podem governar por meio do regime militar direto por muito tempo. Sua base de apoio social é muito estreita para isso. Isso explica por que assumiram o poder, mas anunciaram que dentro de um ano convocariam novas eleições. Enquanto isso, eles estão tentando envolver ASSK em acusações criminais – acusando-a de importação ilegal de walkie-talkies! – para eliminá-la como candidata.

Seu objetivo é alcançar um governo civil mais aceitável e controlado, o que equivaleria a um regime militar camuflado com a folha de parreira da democracia. Mas as massas podem ver através de tudo isso e não estão aceitando. O movimento de protesto que irrompeu a partir do golpe é o maior desde 1988. Esse não era o objetivo dos militares quando entraram em ação. A ironia da situação é que, em 1988, um golpe militar pôs fim ao movimento, enquanto em 2021 o golpe desempenhou o papel de “chicote da contrarrevolução” que impulsiona a revolução.

Protestos estudantis, protestos trabalhistas e conflitos de rua surgiram nos últimos dias. Os militares acham que podem dar ordens à sociedade como faziam no passado. Mas, em vez de acabar com a oposição de massa aos generais, o golpe apenas trouxe à tona as contradições subjacentes na sociedade de Mianmar.

Os estrategistas sérios do capital já estão considerando que a única maneira de impedir que esse movimento saia do controle é trazer ASSK de volta. É difícil dizer se isso acontecerá no curto prazo. No entanto, uma coisa é certa: em Mianmar o movimento em direção à revolução está apenas em seus estágios iniciais, não em seu fim.

P.S.: Este artigo é parcialmente baseado em um diálogo com simpatizantes da CMI em Mianmar. No próximo artigo que publicaremos sobre Mianmar, veremos mais de perto o movimento que eclodiu, quais camadas estão participando, como a elite dominante está manobrando, como as grandes potências, em particular a China e os EUA, veem a situação, e quais são as tarefas dos marxistas em Mianmar hoje.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário