Sri Lanka: o panorama do que está por vir

No sábado, 9 de julho, dezenas de milhares de cidadãos comuns do Sri Lanka superaram o caos do transporte para chegar à capital, Colombo. As barricadas da polícia foram varridas como caixas de fósforo, e as massas ficaram diante dos degraus da residência oficial do presidente. E então, elas avançaram. As massas, na enxurrada de sua “aragalaya” (luta), de repente transbordaram os canais seguros que a classe dominante havia erguido para mantê-las fora da política. Em poucos minutos, milhares de pessoas tomaram conta da residência presidencial. Em poucas horas, o presidente, escondido, foi forçado a marcar a data de sua renúncia.

Três meses após a eclosão de protestos espontâneos exigindo a queda do presidente, e exatamente dois meses depois que as massas derrubaram seu irmão, o ex-primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, a luta está prestes a alcançar seu principal objetivo: expulsar o odiado presidente Gota Rajapaksa.

Esta é uma tremenda vitória que mostrou às massas seu imenso poder – não apenas no Sri Lanka, mas em todo o mundo. Agora, a classe dominante está lutando para colocar em prática um governo de “unidade nacional” para substituir a dinastia Rajapaksa. Seu objetivo será usar rostos sorridentes para enganar as massas e roubar-lhes sua vitória.

A questão será colocada rapidamente: com Gota fora, para onde vai a aragalaya?

Meses de luta

Nos últimos meses, o Sri Lanka passou por um terrível colapso econômico. A combinação da crise do capitalismo, que eclodiu com a pandemia, com a estúpida má gestão da arrogante camarilha de Rajapaksa mergulhou a nação no caos.

As reservas de moeda estrangeira do país praticamente evaporaram. Sem dinheiro para importar bens básicos, o Sri Lanka ficou sem combustível para operar geradores, além de óleo de cozinha, leite para bebês e até medicamentos básicos e papel. No clima quente do verão, longos apagões se tornaram a norma. A inflação está oficialmente acima de 50%, mas para os bens mais básicos é muito, muito mais alta.

O sofrimento intolerável das massas foi o que levou à erupção espontânea de raiva no final de março exigindo a remoção de Gota e de toda a dinastia Rajapaksa. Em abril, a luta escalou para a ocupação permanente de Galle Face Green, em frente ao gabinete do presidente e sua residência oficial. Durante um mês inteiro, o povo ocupou pacificamente os jardins verdes do lado de fora da residência presidencial, sem atingir seus objetivos. E então, em 9 de maio, após um mês de luta contra o cansaço, o primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa tentou usar gangues de lúmpens para expulsar as pessoas das ruas. Mas o chicote da contrarrevolução apenas estimulou a revolução. Naquele dia, o povo tirou o primeiro escalpo de um Rajapaksa quando Mahinda foi forçado a renunciar.

Mas se Gota pensava que sacrificar seu irmão resolveria a situação, estava enormemente enganado. Dois meses se passaram desde que Ranil Wickremesinghe assumiu o cargo de chefia no lugar de Mahinda Rajapaksa, e a situação das massas só se tornou mais grave.

Em meados de maio, o governo anunciou que deixaria de pagar sua dívida. Apesar de um aumento de preços atrás do outro, em junho, o governo anunciou que o país estava essencialmente sem combustível. A venda de combustível para todos, exceto para veículos de emergência, foi proibida. Para comer, as pessoas devem trabalhar. Mas como as pessoas podem trabalhar sem poder se dirigir aos seus empregos? Para muitos, a proibição foi uma exigência para que passassem fome.

O menor boato de que o combustível seria entregue em um posto de gasolina levava à formação de filas de quilômetros de extensão. Fila por um dia ou mesmo por vários dias tornou-se a norma. Essas filas tornaram-se os locais habituais de explosões espontâneas de raiva e de confrontos entre o exército e o povo no último mês.

As massas chegam aos milhares

Embora os protestos estabelecidos permanentemente tivessem diminuído, era inevitável que a raiva latente na sociedade transbordasse em algum momento. As massas simplesmente não podem continuar como antes. Em 9 de julho, um ponto de ebulição foi atingido com uma manifestação gigantesca em Colombo.

Dezenas de milhares de pessoas ignoraram o último toque de recolher de Gota para chegar à capital. Eles superaram severas dificuldades de transporte para chegar a Colombo por qualquer meio necessário: de bicicleta; na traseira de caminhões de combustível; ou agarrar-se à parte externa dos trens (uma visão cada vez mais comum à medida que o transporte público ficou sobrecarregado pela falta de combustível). Havia cenas de júbilo enquanto os trens passavam uns pelos outros, cada um carregado com milhares de homens e mulheres, agitando bandeiras, todos indo para Colombo.

Milhares de outras pessoas que não puderam fazer a viagem a Colombo protestaram em cidades de todo o país, de Kandy e Kotagala, na Província Central, a Kurunegala, na Província Noroeste, e a Jaffna, no Norte de maioria tâmil.

Enquanto, em outros locais, os protestos foram recebidos com gás lacrimogêneo, canhões de água e ataques ferozes das forças de segurança – particularmente do odiado STF que realizou um ataque brutal contra um grupo de jornalistas –, ficou claro que o clima de raiva havia contagiado alguns setores da polícia e do exército. Em um local, um policial foi visto tirando o capacete e se juntando aos manifestantes que cantavam, enquanto em outros lugares um grupo de soldados foi visto marchando em meio a uma multidão exultante com bandeiras hasteadas ao alto.

Eventos dramáticos

Essas cenas foram o prelúdio de eventos dramáticos quando as massas invadiram a residência presidencial na tarde de sábado. Em toda revolução, chega um ponto em que as massas perdem o medo. Tendo enfrentado a humilhação e as balas, os bastões e o gás lacrimogêneo do regime, elas agora estavam na soleira do prédio onde estavam proibidos de entrar. Em uma onda poderosa, eles invadiram a residência presidencial.

Após um período de júbilo e de cânticos, as massas olharam ao redor e se viram no colo do luxo. Um policial aparentemente em serviço sentou-se ao piano do presidente para tocar uma música. No pátio aberto, dezenas de manifestantes se refrescaram na piscina privada do presidente.

Outros se revezaram pulando na cama de dossel em que o presidente provavelmente dormiu até muito recentemente. Na garagem, o povo encontrou toda uma frota de carros de luxo – todos, claro, com tanques cheios de gasolina que as massas estavam proibidas de comprar mesmo a preços exorbitantes. Em uma sala, as pessoas até encontraram pilhas de várias dezenas de milhões de rúpias [moeda do Sri Lanka], que Gota presumivelmente havia deixado para trás enquanto fugia apressadamente das massas!

 

 

Enquanto isso, dezenas de cidadãos comuns se revezavam para tirar fotos na cadeira de Gota. O próprio Gota não estava à vista, embora circulassem rumores de sua tentativa de fuga do país.

Na estrada, outra grande multidão invadiu a residência oficial das Árvores do Templo do primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe, enquanto sua própria residência particular era incendiada sob estranhas circunstâncias algumas horas depois.

Em estado de pânico, os líderes de todos os partidos – do SLPP governante aos partidos da oposição, incluindo o SJB – se uniram para resolver a crise. A pedido deles, o primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe se ofereceu para apresentar sua renúncia em favor de um “governo de todos os partidos”. À noite, o próprio Gota havia prometido renunciar na quarta-feira, 13 de julho.

Naquela noite, do lado de fora do prédio ocupado das Árvores do Templo, as massas cantaram “Bella Ciao” ​​ a música do movimento partidário antifascista italiano da década de 1940, que hoje está sendo revivida como uma música de revolta em todo o mundo.

“Unidade nacional”

Esta é claramente uma gigantesca vitória para as massas em luta. Mas se Gota de fato renunciar amanhã, como prometeu, isso apenas levanta novas questões para a aragalaya: a primeira delas é, quem ou o que o substituirá? Agora, estão em andamento discussões entre os políticos sobre essa questão. O nome do presidente da câmara foi silenciado como presidente interino, assim como o do líder da oposição oficial, Sajith Premadasa, do SJB.

Alguns de dentro do movimento, como a Ordem dos Advogados, tentaram semear ilusões em um governo de “unidade nacional” para superar a crise: reformar a constituição; negociar um resgate do FMI; e preparar novas eleições.

Mas quem quer que o parlamento escolha, com base no sistema capitalista ao qual todos os partidos no parlamento estão intimamente ligados, a crise no Sri Lanka só vai se aprofundar. As massas mostraram um ceticismo saudável com todos os partidos desde o início da Aragalaya. Desde o início, o slogan “Vão para casa os 225” foi levantado – ou seja, vão para casa todos os 225 deputados do parlamento, que são vistos pela maioria como tão podres quanto a camarilha governante.

A crise que o Sri Lanka atravessa é, no fundo, uma crise capitalista. E longe de diminuir, está apenas se tornando mais profunda. Dois anos após a crise mais grave da história do capitalismo, o mundo caminha mais uma vez para uma profunda recessão. Combinado com a inflação em espiral, que está aprofundando o fardo da dívida das economias pobres e chamadas “emergentes”, um novo colapso das exportações só agravará ainda mais o esgotamento das reservas em moeda estrangeira. E isso acontecerá não em um ou dois países, mas em áreas inteiras do globo.

Como explicou um analista do Financial Times:

“O Sri Lanka agora está se tornando o canário na mina de carvão para o que pode se tornar uma crise global de um grande número de países em desenvolvimento sobrecarregados por muitas dívidas, incapazes de pagar essa dívida…”

Países tão distantes como Argentina e El Salvador, Egito e Gana, Paquistão e Laos estão enfrentando uma falência potencial.

A Bloomberg alertou que uma “cascata histórica de inadimplência está chegando para os mercados emergentes” e nomeou 19 países onde os rendimentos dos títulos do governo são superiores a 10%, uma indicação de que esses países estão em profundo endividamento.

Esses países abrigam 900 milhões de habitantes e devem um total combinado de US$ 237 bilhões a detentores de títulos estrangeiros, ou quase um quinto da dívida dos mercados emergentes denominada em dólares, euros ou ienes. Esta é uma banana de dinamite nos mercados de dívida que está prestes a explodir no momento em que o mundo desliza para a recessão.

O aprofundamento da crise em todo o mundo forçará as massas a seguir o caminho da revolução em um país após o outro. As massas do Sri Lanka deram um exemplo em termos de luta. Seu exemplo será replicado em um país após o outro no próximo período. Mas embora Gota se vá, a classe dominante do Sri Lanka permanece no comando.

Um governo de “unidade nacional” governará em nome de seus interesses. Trabalhará de mãos dadas com o FMI na tentativa de restaurar o equilíbrio econômico às custas das classes trabalhadora e média. Deste governo, todos os partidos e instituições do capitalismo do Sri Lanka sairão totalmente desacreditados. As massas serão forçadas a levar sua aragalaya para as ruas mais uma vez. No curso de sua luta, por meio de suas conquistas e retrocessos parciais, camadas cada vez mais amplas começarão a concluir que seu sofrimento só pode terminar com a derrubada do próprio capitalismo.

Mas para conseguir isso, as massas de trabalhadores no Sri Lanka precisam de sua própria voz política, de seu próprio partido que possa explicar que o que é necessário é uma revolução socialista. A fortuna dos ricos deve ser tomada em benefício dos trabalhadores. As massas que tomaram conta do luxuoso palácio do presidente viram que a riqueza está lá. O problema é que está nas mãos erradas.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário