Segundo turno das eleições presidenciais no Equador: crise econômica e pandemia

A campanha eleitoral para o segundo turno das eleições presidenciais no Equador no domingo, 11 de abril, chegou ao fim. O segundo turno coloca o banqueiro Guillermo Lasso, candidato da oligarquia capitalista, contra o candidato da esquerda da UNES [Unión por la Esperanza], Andrés Arauz, que representa o Correísmo e ficou em primeiro lugar no primeiro turno no dia 7 de fevereiro. Até agora, as pesquisas não sugerem um vencedor claro.

A disputa eleitoral no Equador ocorre quando a crise da Covid-19 se agrava, com um aumento exponencial das infecções desde o início do ano. As unidades de terapia intensiva na capital Quito e na cidade mais populosa do país, Guayaquil, estão a 100% de sua capacidade e os especialistas discutem se esta é a segunda onda ou se o país nunca realmente saiu da primeira onda, que atingiu Guayaquil de forma particularmente cruel. A gestão da pandemia pelo governo Moreno foi desastrosa. Oficialmente, o número de mortes ultrapassa 16.000, mas esse número está longe da realidade. De acordo com um estudo do Financial Times, o excesso de mortalidade durante a pandemia em relação a uma série de anos anteriores é de quase 40.000, segundo dados até 23 de dezembro. Isso daria ao Equador um excesso de mortalidade de 70% durante a pandemia: a segunda maior do mundo, atrás do vizinho Peru.

A pandemia agravou a pior crise econômica já registrada. Em 2020, o PIB registrou uma contração brutal de 7,8%. Em comparação, durante a crise de 1999, que obrigou milhões de equatorianos a emigrar, a contração do PIB foi menor, de 6,8%. O Banco Mundial prevê uma ligeira “recuperação” na economia este ano, de apenas 3,4%, um número que o FMI acaba de reduzir para 2,4%. Isso é totalmente insuficiente para recuperar o que foi perdido. Um crescimento atrofiado de 1,4 e 1,8% é previsto nos anos seguintes.

Catástrofe da Covid e caos econômico

No entanto, mesmo essas perspectivas sombrias realmente dependem do controle da crise da Covid-19 por meio de uma campanha de vacinação em massa, uma meta que está cada vez mais distante. Até agora, apenas 200.000 pessoas receberam a primeira dose da vacina, de uma meta de vacinar 9 milhões (60% da população). Somado a isso, temos a revelação escandalosa da vacinação preferencial dos funcionários em torno do presidente Moreno, pulando os critérios de prioridade.

Quem ganhar as eleições de domingo também herdará um país totalmente endividado. A dívida externa e interna total, que era de 15 bilhões de dólares em 2017 quando Lenín Moreno assumiu a presidência, já chega a quase 70 bilhões, representando um enorme fardo para a economia – quase 70% do PIB. Estima-se que, nos próximos cinco anos, o pagamento da dívida, entre amortizações e juros, atinja 40 bilhões de dólares.

A crise também teve um impacto muito forte nas condições de vida da maioria da população. De março de 2020 a março de 2021, 700.000 empregos foram destruídos e apenas 360.000 foram criados, segundo dados oficiais. Isso deixa um saldo negativo de 350.000 empregos no setor formal, levando em consideração o fato de que muitos dos novos empregos criados estão em piores condições do que os que foram destruídos.

O mal denominado Direito Humanitário [Ley Humanitaria] aprovado pelo governo Moreno no ano passado foi uma verdadeira contrarreforma das leis trabalhistas que facilitou não apenas as demissões, mas também permitiu a piora das condições dos trabalhadores. E, até agora, falamos sobre o emprego formal, quando cerca de 70% da população ativa está no setor informal ou subempregada, com incidência ainda maior entre as mulheres. Segundo dados oficiais, a porcentagem da população que vive abaixo da taxa de pobreza, que vive com menos de 2 dólares por dia, passou de 25% para 32,4% – atingindo 48% da população nas áreas rurais.

Este é o contexto do desastre econômico e de saúde em que se realizam as eleições presidenciais, ao qual se soma a longa sombra da insurreição de outubro de 2019: uma revolta massiva de trabalhadores e camponeses contra o governo de Lenín Moreno e seus planos de austeridade impostos pelo FMI. Essa revolta, que ameaçava derrubar o governo, acabou em concessões apenas parciais devido à traição da direção da principal organização das massas indígenas, a CONAIE, que no último momento chegou a um acordo com Moreno.

As massas trabalhadoras equatorianas, portanto, consideram as eleições como uma oportunidade para derrotar, não só o governo patronal pró-imperialista de Moreno, mas também os interesses da oligarquia capitalista, submetida a Washington, que ele representa. Assim, no primeiro turno das eleições, o partido de Moreno foi praticamente varrido do mapa com apenas 1,5% dos votos. O candidato da UNES, Andrés Arauz, obteve uma vitória clara, com 33% dos votos, representando a expressão eleitoral da rejeição de Lenín Moreno e de sua política antioperária. O resultado muito claro de Arauz, com mais de 10 pontos de vantagem sobre o segundo candidato, foi obtido apesar de uma acirrada campanha da mídia e do aparato estatal contra ele. Isso contou com a participação do Ministério Público colombiano, que levantou alegações forjadas de ligações com guerrilheiros colombianos. Por trás da campanha esteve a mão longa de Washington, que quer evitar a todo custo o retorno do Correísmo ao poder.

Sem resultado claro

O principal candidato da oligarquia, o banqueiro Guillermo Lasso (Creo-PSC) obteve apenas 19% no primeiro turno e teve que disputar voto a voto para chegar ao segundo turno com o candidato de Pachakutik, Yaku Pérez, que se apresentou como “o candidato indígena” e alcançou um resultado quase igual. Nas eleições anteriores de 2017, Pérez e seu movimento, que é formalmente o braço político da organização nacional indígena CONAIE, haviam chamado escandalosamente a votar pelo direitista Lasso no segundo turno, argumentando que preferiam “um banqueiro a uma ditadura” (referindo-se a Moreno, então candidato do movimento político de Rafael Correa). Nessa ocasião, também se falou em uma aliança aberta entre Pérez e Lasso, mas no final isso não foi possível. Sob a pressão da experiência do levante de outubro de 2019, o máximo que a direita da CONAIE conseguiu foi aprovar uma moção a favor do voto nulo no segundo turno. Embora essa decisão realmente favoreça Lasso, pelo menos não é uma chamada aberta para votar no candidato da oligarquia.

A decisão pelo voto nulo causou fortes divisões na base da CONAIE. Nos últimos dias de campanha, Jaime Vargas, um dos principais dirigentes da CONAIE, se manifestou publicamente em apoio a Arauz, e o fez em nome das organizações indígenas da região amazônica, que fazem parte da CONAIE. Isso gerou até ameaças de expulsão, mas pode ter impacto na obtenção de uma parte do voto indígena, que foi principalmente para Yaku Pérez no primeiro turno, para o candidato da UNES, Arauz.

As pesquisas de opinião não dão uma previsão clara e, embora a maioria dê à Arauz uma ligeira vantagem, a margem é muito estreita. A campanha da mídia contra Arauz foi, como no primeiro turno, acirrada. É claro que a oligarquia capitalista, os donos do agronegócio, os grandes bancos e empresas, as multinacionais e o imperialismo querem impedir a todo custo a vitória do candidato da UNES, que consideram uma ameaça aos seus interesses. Uma derrota de Lasso seria uma derrota para os donos do país e para Washington.

Antecipando a vitória de Arauz, a burguesia já está ocupada tentando limitar os poderes de seu governo por meio da chamada Lei de Proteção à Dolarização, que, entre outras medidas, consolida a “independência” do Banco Central. A medida visa retirar o controle do governo sobre a política monetária. Na verdade, o que está em jogo não é a “independência” do BCE, mas sim assegurar que ele continue sendo totalmente controlado pelos interesses dos grandes capitalistas, que se beneficiaram com a gestão de Moreno.

O programa de governo de Arauz contém, sem dúvida, todo um conjunto de medidas progressivas: a intervenção do Estado para garantir a prestação de serviços essenciais como saúde e educação, com metas de inclusão social e redução da pobreza, entre outras; além de tentar se livrar do domínio do imperialismo norte-americano. No entanto, a principal limitação de Arauz é a mesma do governo Correa da época. Eles identificam o “neoliberalismo”, o “modelo neoliberal” ou a corrupção como o problema que impede políticas a favor dos interesses da classe trabalhadora e dos camponeses pobres. Portanto, eles assumem que é possível governar de outra forma, dentro dos limites do capitalismo, como se tudo fosse uma questão de escolha política.

O governo Correa, entre 2007 e 2017, se beneficiou, como outros chamados “governos progressistas” na América Latina, de um ciclo de alta dos preços do petróleo. Com um pequeno hiato em 2008, o petróleo permaneceu acima de US $ 80 o barril, chegando a mais de US $ 100 o barril por vários anos. Esse ciclo chegou ao fim em 2014/15. Com base nesta receita do petróleo, o governo Correa pôde aplicar uma série de políticas sociais que levaram a uma melhoria geral das condições de vida das massas, à redução da pobreza etc. Mas, assim que esse ciclo acabou, o governo começou a entrar em crise e a perder o apoio popular. Enquanto em 2013 Correa venceu as eleições no primeiro turno com 57%, em 2017, o candidato da Revolução Cidadã (que era Moreno, na época se apresentando como herdeiro político de Correa) ganhou 39%, 20 pontos a menos, e ele foi forçado a ir para um segundo turno.

Aprenda as lições: rompa com o capitalismo!

Devemos esclarecer que não é possível aplicar uma política a favor da classe operária e dos camponeses pobres no marco do capitalismo e muito menos em um país atrasado, dominado pelo imperialismo, como o Equador. O problema não é a corrupção. A corrupção é inerente ao sistema capitalista. O problema é que um punhado de oligarcas (banqueiros, capitalistas, agro capitalistas e outros parasitas) tem o controle da riqueza que a classe trabalhadora cria, e atua como uma correia de transmissão dos interesses das multinacionais e do imperialismo que sangra o país através das dívidas e dos acordos de “livre comércio”.

Arauz pode ter boas intenções e um programa progressista. Mas esse programa, se ele for eleito, colidirá frontalmente com os interesses dos donos do país, os mesmos que usaram todos os meios à sua disposição para tentar impedi-lo de chegar ao poder.

Por essa razão, a tarefa é precisamente romper com os limites do sistema capitalista, através da expropriação dos ricos, da oligarquia nacional e das multinacionais, e do repúdio à dívida. O que se propôs durante a insurreição de outubro foi justamente a tomada do poder pelos operários e camponeses: que o povo governasse, em vez da oligarquia.

As lições precisam ser aprendidas. A lição do governo Correa é que não é possível governar a favor da maioria oprimida dentro dos limites do capitalismo. E as lições de todas as insurreições que os oprimidos fizeram nas últimas décadas (derrubando Bucaram, Mahuad e Gutierrez) e da revolta de outubro de 2019 são estas: não basta derrubar um governo, a classe trabalhadora deve tomar o poder, e para isso, precisa de uma liderança revolucionária à altura da tarefa.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário