Segunda Guerra Mundial: da guerra à revolução

A Covid-19 está produzindo deslocamentos econômicos e sociais sem paralelo desde a Segunda Guerra Mundial. É um fardo enorme para as pessoas da classe trabalhadora e uma preocupação real para os estrategistas do capital.

A Segunda Guerra Mundial teve um efeito radicalizador na consciência das pessoas da classe trabalhadora e terminou em revoluções por todo o mundo. Condições semelhantes produzem resultados semelhantes. A classe dominante está tentando nervosamente aprender as lições da experiência da guerra para evitar uma repetição dessa radicalização.

Os marxistas também devem estudar as lições da guerra e da revolução, à medida que uma camada de trabalhadores avança em direção a idéias radicais e até revolucionárias no próximo período.

A eclosão da guerra

A Segunda Guerra Mundial foi um massacre bárbaro em que, sob o pretexto de defender a pátria etc., as classes dominantes enviaram milhões de pessoas pobres e da classe trabalhadora para morrer pelo que, na realidade, era apenas a defesa do capital da pátria. A destruição e o sofrimento inimagináveis causados pela guerra foram um reflexo direto do beco sem saída que a humanidade enfrenta no capitalismo.


125/5000
Ted Grant caracterizou o apoio temporário e “cauteloso” dos trabalhadores ao esforço de guerra, como eles viam, contra o fascismo

No entanto, em muitos países, a classe trabalhadora apoiou o esforço de guerra, não em defesa de sua própria classe dominante, mas como um meio de combater o fascismo. Foi o caso da Grã-Bretanha, onde a entrada na guerra recebeu apoio crítico da maioria das camadas da classe trabalhadora, que entendeu a ameaça que o fascismo representava para sua classe.

De 1936 a 1938, pouco depois de políticos e jornais conservadores, como o Daily Mail, bajularem o fascismo na Itália e na Alemanha, milhares de trabalhadores britânicos viajaram para a Espanha para combater Franco como parte das brigadas internacionais na Guerra Civil Espanhola. Muitas centenas de milhares mais doaram para campanhas de arrecadação de fundos que financiavam a luta contra o fascismo. A classe trabalhadora estava ideologicamente preparada para combater Hitler em seus próprios termos.

Na medida em que grandes camadas da classe trabalhadora apoiaram a guerra em seu início, isso se deveu principalmente a esse instinto de classe saudável, e não ao patriotismo que agitava bandeiras que prevalecia entre as classes médias. A memória da guerra anterior, que havia revelado os métodos imperialistas de massacre em massa para obter lucro, permaneceu na mente de muitos trabalhadores. Eles eram céticos quanto aos objetivos e motivações reais dos políticos que os levavam à guerra.

Em junho de 1943, Ted Grant, da Liga Internacional dos Trabalhadores, escreveu um artigo que contava um episódio em particular que ilustra o humor da classe trabalhadora no início da guerra:

“Um episódio instrutivo ocorreu nos estágios iniciais da guerra, em 1939, antes da queda da França. Os stalinistas, durante o período ‘anti-guerra’, lançaram uma campanha em seu reduto no sul de Gales. Eles conseguiram um referendo entre os mineiros de Gales do Sul sobre a questão da guerra. Esta é uma das seções mais militantes e conscientes de classe trabalhadora na Grã-Bretanha. Havia uma grande quantidade de descontentamento e mal-estar entre os mineiros sobre a questão da guerra. Eles suspeitavam dos objetivos da classe dominante. Sob essas condições, os burocratas trabalhistas e reformistas tiveram que executar uma manobra para impedir que o Partido Comunista ganhasse grande apoio entre os mineiros na votação. Eles colocaram a questão na seguinte base: ‘Contra a guerra’ ou ‘Pela guerra com um governo trabalhista’. Como era de se esperar, eles conseguiram uma esmagadora maioria dos votos para a última proposta. E isso foi numa época em que Hitler ainda não havia conquistado suas tremendas vitórias e as massas não se sentiam diretamente ameaçadas pelo calcanhar totalitário dos nazistas”.

Esse tipo de apoio crítico também caracteriza a abordagem de muitos trabalhadores em relação às políticas do governo quanto ao coronavírus atualmente. De fato, muitos trabalhadores têm exigido que a política governamental de fechamento econômico e distanciamento social lhes seja aplicada, contra a resistência de seus patrões. Um total de 93% das pessoas entrevistadas no dia seguinte ao anúncio de Boris Johnson sobre o fechamento de empresas não essenciais no Reino Unido disseram que aprovaram a medida. E, pela primeira vez como primeiro-ministro, os índices de aprovação de Johnson se tornaram positivos.

Mas dizer que as pessoas da classe trabalhadora suspeitam do governo Johnson seria um eufemismo. O próprio Boris é amplamente visto como profundamente indigno de confiança e descaradamente oportunista. A pesquisa do YouGov de dezembro de 2019 revelou que 54% das pessoas entrevistadas achavam que Johnson era alguém que quebrou suas promessas, com apenas 19% dizendo que confiariam nele para manter uma promessa. Dos entrevistados, 60% consideraram que ele era um mau exemplo, com apenas 16% dizendo que ele poderia ser considerado um bom exemplo.

Na medida em que os trabalhadores apoiam as políticas atuais de Johnson, é por conta do senso de autopreservação, e não por confiar que o governo agirá em nome de seus melhores interesses. Assim, como em 1939, essa é uma base frágil de apoio com a qual a classe dominante britânica está entrando em um período de deslocamento econômico e social sem precedentes.

Mudança na consciência

À medida que a Segunda Guerra Mundial progredia, as atitudes começaram a mudar. Não há nada melhor do que pedir aos trabalhadores que sacrifiquem suas vidas para fazê-los questionar a legitimidade do sistema e a sociedade pela qual estão sacrificando. Os golpes dos acontecimentos eliminaram todos os vestígios de patriotismo e abriram o caminho para a radicalização em massa. Este é geralmente o caso das guerras, que tendem a se iniciar como um período de unidade nacional, mas que levam ao aumento da polarização de classe. É por isso que a guerra muitas vezes leva à revolução.

Os trabalhadores britânicos queriam derrotar o fascismo, mas estavam cada vez mais descontentes com a forma como o governo o estava fazendo. Os patrões estavam obtendo lucros enormes, enquanto os direitos dos trabalhadores estavam sendo corroídos; as rações eram inadequadas e a proteção contra ataques aéreos estava abaixo do padrão normal.

Essa mudança na consciência se expressou politicamente ao longo dos anos 1942 e 1943, durante os quais um partido de esquerda chamado Partido da Riqueza Comum apresentou candidatos nas eleições parciais contra o governo de coalizão de todos os partidos. Conseguiu conquistar assentos em áreas controladas pelos conservadores, como Eddisbury, Skipton e Chelmsford, o que abalou os comentaristas burgueses que usavam as páginas do The Times e de outros jornais para alertar sobre o descontentamento das massas.

Na frente industrial, o número de greves na Grã-Bretanha aumentou ano a ano, de 1939 a 1944, ao ponto em que mais de 3,7 milhões de dias úteis foram perdidos devido às greves – o número mais alto em uma década e que não seria igualado durante mais uma década. Isso ocorreu apesar da existência das Condições de Emprego e da Ordem Nacional de Arbitragem do governo, conhecida como Ordem 1305, que efetivamente proibiu a greve durante a guerra e que foi amplamente aceita pela liderança sindical.

Em 1941, os aprendizes de engenharia buscaram melhores salários no Clydeside e em Coventry, Lancashire e Londres. Esses trabalhadores não eram sindicalizados e tinham pouca reputação de ação militante, e ainda assim foram os primeiros a desafiar o governo e os empregadores.

Em janeiro de 1942, uma greve de 19 dias dos mineiros da mina Betteshanger, em Kent, por melhores salários e condições de trabalho, foi recebida com o processo judicial de 1.050 mineiros e a prisão de três funcionários sindicais. Em resposta, mais minas se apresentaram em solidariedade aos grevistas e, no final, o governo recuou, libertando os funcionários do sindicato e retirando o processo judicial. Os mineiros eram trabalhadores-chave do esforço de guerra, o que, juntamente com a boa organização e militância, lhes dava o poder de defender seus salários e condições.

À medida que a guerra se arrastava, a consciência se tornou mais radical e a unidade nacional desapareceu

No início de 1943, os trabalhadores do estaleiro de reparos de navios Netuno, em Tyneside, fizeram greve por seis semanas em defesa do acordo de “oficina fechada”, fortalecendo as organizações da classe trabalhadora. Os engenheiros em Barrow também entraram em greve naquele ano no estaleiro Vickers Armstrong por questões do pagamento, que não havia aumentado há 29 anos, apesar dos enormes lucros da empresa graças à produção de armamentos.

A greve de Barrow não foi oficial, mas teve o apoio do ramo local do Sindicato de Engenharia Amalgamada, o que assustou os líderes sindicais nacionais que tentavam manter uma trégua industrial com os patrões. Lutas industriais como essa durante a guerra fizeram muitos trabalhadores criticarem, não apenas os patrões e o governo, mas também os líderes do movimento trabalhista.

Também em 1943, os trabalhadores da fábrica da Chrysler em Londres, que havia sido convertida para a produção de guerra, combinaram-se para exigir um melhor tratamento no trabalho e um aumento no salário mínimo, que eles ganharam. Muitos desses trabalhadores eram mulheres cujos maridos estavam no exército. Eles viam sua luta, como famílias da classe trabalhadora, se desenrolando em duas frentes – uma contra os nazistas e outra contra os patrões, que aproveitavam a situação da guerra. Uma dessas trabalhadoras da Chrysler disse durante a disputa: “Se eu não lutar por condições e salários ou deixá-los piorar, meu marido me matará quando voltar para casa“.

Os “trabalhadores de uniforme” que faziam parte do exército tinham claro de que lado estavam na luta de classes. Na primavera de 1943, na sequência de uma greve dos mineiros de carvão galeses, a manchete do jornal produzido pelo Oitavo Exército, então estacionado no norte da África, era “O direito de greve faz parte da liberdade pela qual lutamos”. Incluída nessa edição do jornal do exército, havia uma petição ao Secretário do Interior assinada por 82 soldados do Royal Engineers, protestando contra a prisão de quatro trotskistas. Apesar dos melhores esforços do governo e da imprensa burguesa para colocar grevistas contra soldados durante a guerra, foi a solidariedade de classe que frequentemente triunfou.

Em 1944, 180 mil mineiros de carvão entraram em greve devido a salários e condições de trabalho nas minas. O salário mínimo industrial era de 6 libras por dia, mas os mineiros deveriam se contentar com apenas 5 libras. Além disso, os padrões de segurança haviam se erodido tanto que, em 1944, era mais provável que você fosse ferido como mineiro do que no exército.

Em resposta à greve, e dada a importância do carvão para o esforço de guerra, o governo tentou recrutar aprendizes de outros ofícios e enviá-los para as minas. Isso provocou uma enorme oposição e, em março de 1944, 26 mil aprendizes estavam em greve no Tyne, em Glasgow, Huddersfield e Teesside, exigindo o fim do recrutamento e a nacionalização das minas. Tal era o nível de raiva de classe que, para onde se voltasse o governo, era recebido por uma camada organizada e militante de trabalhadores prontos para violar a lei para defender seus salários e condições.

O exposto acima é apenas uma fração das disputas industriais que ocorreram durante os anos da guerra. Levou alguns anos para a fúria contra os lucros e a má administração do esforço de guerra da classe capitalista encontrar uma expressão na ação de greve, e mais alguns para encontrar sua primeira expressão política confusa. Mas, uma vez em movimento, o fluxo das disputas industriais logo se tornou caudaloso.

Hoje, ainda estamos nos estágios iniciais da crise, mas já ouvimos relatos de ações não oficiais nos locais de trabalho de todo o país por violações graves à segurança dos trabalhadores. Os trabalhadores da fábrica da Linden Foods, na Irlanda do Norte, foram embora por conta da falta de medidas de distanciamento social no trabalho. Os trabalhadores das unidades de entrega da Royal Mail em todo o país discutiram questões de saúde e segurança, com o apoio da liderança do Sindicato dos Trabalhadores da Comunicação. Os trabalhadores da coleta de lixo em Wirral e em outros lugares se recusaram a trabalhar pelo mesmo motivo.

Mesmo onde as ações de greve ainda não foram realizadas, um clima de raiva entre os trabalhadores está claramente se formando. Os que foram tratados até ontem como não qualificados, mal remunerados e facilmente substituíveis, agora são aclamados como trabalhadores-chave sem os quais o país pararia. Esses trabalhadores de supermercados, caminhoneiros e coletores de lixo estão começando a perceber o que eles estão fazendo e a quantidade de poder potencial que eles têm. Por que os donos dos supermercados devem obter mega lucros enquanto seus trabalhadores ainda recebem uma ninharia? Com esta crise e a mudança de consciência que ela trará, temos uma receita pronta e acabada para a intensificação da luta de classes. Os paralelos com uma situação de guerra são impressionantes, em todos os sentidos da palavra.

Da guerra à revolução

O fim da guerra revelou a acentuada virada à esquerda que muitos trabalhadores haviam dado durante o conflito. Uma onda revolucionária varreu a Europa, com The Economist escrevendo na época que “O colapso dessa Nova Ordem deu um grande impulso revolucionário na Europa. Ele estimulou todos os impulsos vagos e confusos, mas mesmo assim radicais e socialistas das massas”.

Na Grã-Bretanha, o número de membros de sindicatos aumentou de 6,053 milhões em 1938 para 7,8 milhões em 1945. O crescimento não foi apenas numérico, também foi acompanhado por um aumento da militância. Isso se refletiu no congresso do Trades Union Congress (TUC)1 de 1944, que adotou um programa radical de reconstrução pós-guerra, posteriormente ecoado no programa eleitoral do Partido Trabalhista de 1945, que afirmava que o principal objetivo do partido era “o estabelecimento da Comunidade Socialista“.

Com um programa socialista radical para romper com a pobreza, a miséria e o desemprego dos anos da guerra, o Partido Trabalhista chegou ao poder em 1945. A classe trabalhadora, recém-organizada e radicalizada na Grã-Bretanha, colocou o Partido Trabalhista no poder com sem precedentes 393 cadeiras na Câmara dos Comuns, e com grandes expectativas sobre as mudanças fundamentais que o trabalhismo traria.

Infelizmente, os líderes deste governo trabalhista se limitaram a modificar o capitalismo, em vez de desenraizá-lo e substituí-lo por uma sociedade socialista. Desperdiçaram o ânimo e a energia das massas que teriam apoiado um governo trabalhista que lançasse golpes fundamentais contra o sistema capitalista, que causou tanta morte e destruição. Foi esse fracasso que lançou as bases para a vitória conservadora das eleições em 1951. Mas, embora os líderes trabalhistas não tenham demonstrado vontade de violar as regras do sistema capitalista, a atitude dos “trabalhadores uniformizados”, após o fim da guerra, oferece um forte contraste e uma indicação do ânimo da classe trabalhadora britânica neste momento.

Os homens da classe trabalhadora que serviam no exército britânico no sudeste da Ásia não tiveram permissão para voltar para casa após o fim da guerra, pois os imperialistas britânicos tentaram reter parte da influência e dos ativos do Império na região. Enfurecidos com isso, os soldados sentiram que estavam se perdendo o entusiasmo pelo novo governo trabalhista radical de 1945 e tudo o que prometia em termos de novos empregos e ensino superior, simplesmente para continuar lutando por algo em que não acreditavam.

O resultado foi que, na Malásia, as tropas britânicas estavam participando abertamente de comícios comunistas. Em janeiro de 1946, a Força Aérea Real (RAF, sigla em inglês) entrou em greve em Karachi. Em seguida, 4 mil soldados, incluindo oficiais, entraram em greve na base aérea de Seletar, em Cingapura. E outros 5 mil ficaram caminhando pela base aérea de Cawnpore, na Índia.

A greve da RAF logo se estendeu para além do sudeste da Ásia, passando pelo Oriente Médio, até o Egito e o norte da África, até o oeste de Gibraltar. No auge, 50 mil militares da RAF estavam em greve.

Diante da repressão das autoridades militares, a greve se espalhou para a marinha, quando o HMS Northway, no porto de Cingapura, recusou cumprir as ordens e a Marinha Real Indiana de Mumbai se amotinou. Em maio de 1946, se espalhou para o exército, quando o Regimento de Paraquedistas na Malásia se rebelou contra as ordens. A princípio, 240 soldados foram condenados à prisão, mas o clamor na Grã-Bretanha fez com que as condenações fossem anuladas.

O humor dos soldados na linha de frente era de tanta raiva e frustração que não viam nenhum dos benefícios pelos quais supostamente lutavam, e estavam dispostos a violar a lei militar através de motins. Tão poderoso foi esse movimento que as autoridades militares britânicas não puderam punir os soldados, em vez disso simplesmente aderiram às suas demandas o mais rápido possível por meio da rápida desmobilização. Não foi apenas uma vitória para os homens da classe trabalhadora que participaram dos motins, mas também deu um grande golpe no poder do imperialismo britânico, que havia sido um flagelo para as massas do sudeste da Ásia durante décadas.

É impossível prever como será a sociedade, em detalhes, depois dessa crise de coronavírus. Mas o que parece inevitável é uma radicalização semelhante à de uma situação de guerra, que produzirá um movimento poderoso à esquerda para milhões de pessoas da classe trabalhadora.

O questionamento de toda a estrutura da sociedade e o desejo ardente de uma mudança fundamental já estão se instalando para muitas pessoas. As condições nas quais as idéias socialistas radicais podem obter um eco estão se tornando mais favoráveis a cada dia. Como aconteceu em 1945, é altamente provável que esse estado de ânimo encontre eco de alguma forma dentro do Partido Trabalhista, onde muitos membros e eleitores aprenderam muito sobre a luta por políticas socialistas nos últimos anos através da liderança do partido por Jeremy Corbyn.

E podemos prever que o estado de ânimo será particularmente radical e aguçado entre aqueles que estiveram na linha de frente, assim como as tropas britânicas no sudeste da Ásia em 1946. Esses funcionários do Sistema Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) e outros trabalhadores fundamentais, que se viram obrigados a arriscar suas vidas e a vida das pessoas que amam continuando a trabalhar ao longo desta crise serão, com razão, os primeiros a exigir melhorias no padrão de vida e nas condições de trabalho para os trabalhadores mal remunerados.

Eles exigirão investimento adequado no NHS, uma reversão da austeridade e da privatização impostas à assistência social e outros serviços públicos nos últimos 10 anos, e apoio aos amigos e colegas que perderam o emprego como resultado dessa crise. Quando a classe capitalista e seus representantes conservadores apontarem para as enormes pilhas de dívidas e uma economia em dificuldades para afirmar que isso não é possível, é provável que explodam o clima de radicalismo e a vontade de lutar para derrubar todo esse sistema podre, ineficiente e corrupto.

O papel da liderança

Os trabalhistas não se basearam nas massas para romper com o capitalismo. Em vez disso, acabaram devolvendo o poder aos conservadores em 1951

Apesar de toda a luta industrial durante a guerra, os líderes do Partido Trabalhista mantiveram uma coalizão de guerra com os conservadores. Foi um ministro do Trabalhismo que processou judicialmente trabalhadores em greve! Enquanto isso, os líderes sindicais estavam determinados a manter uma trégua industrial para manter a produção funcionando a fim de ajudar no esforço de guerra, levando-os a se organizar contra trabalhadores em greve.

Após a guerra, apesar do desejo de uma mudança fundamental na sociedade, o governo trabalhista de 1945 não se baseou nas massas radicalizadas para romper com o capitalismo. Em vez disso, acabou devolvendo o poder aos conservadores em 1951.

Até que ponto os líderes do movimento trabalhista estavam desconectados da classe trabalhadora radicalizada durante e após a guerra deve ser uma lição para nós hoje. Especialmente quando Sir Keir Starmer2 começa a procurar assento em uma coalizão de governo nacional com os conservadores e a falar sobre “comportar-se com responsabilidade”, deixando para criticar o manejo simbólico pelo governo da crise dos coronavírus “quando for a hora certa”. Essa atitude não será bem sucedida à medida que a crise se desenvolver.

O impacto dessa crise de coronavírus levará muito mais pessoas do que no passado a tirar conclusões radicais e até revolucionárias. Somente com uma liderança disposta a romper com o capitalismo e a iniciar a construção de uma nova sociedade socialista é que poderemos aproveitar o enorme potencial para melhorar drasticamente a vida de milhões de pessoas da classe trabalhadora. Educar-nos na teoria política revolucionária, agitar por idéias socialistas e organizar-nos para estabelecer essa liderança, no Partido Trabalhista e nos sindicatos, são as tarefas diante de todo ativista socialista hoje.

Nota:

1 O Trades Union Congress é uma federação de sindicatos do Reino Unido, fundado em 1868, e a maior parte dos sindicatos.

2 Atual líder do Partito Trabalhista (Labour Party)

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário