A Revolução Gráfica do Maio Francês de 68: A beleza está nas ruas

No último dia de junho (30), realizamos a atividade “A Revolução Gráfica do Maio Francês de 1968”, a partir do artigo de mesmo nome da última edição da revista “América Socialista”.

A condução da atividade foi feita por Taisa Leonardo que também apresentou a revista aos 23 participantes, entre militantes e contatos, marcando a importância deste material para a Campanha Financeira da organização, que tem por finalidade manter sua independência política e financeira. Ao final, foi reforçado o convite ao Encontro Nacional de Lutas Abaixo Bolsonaro por um governo dos trabalhadores sem patrões nem generais!

O informe ficou por conta de Evandro Colzani, responsável pela arte da capa da revista América Socialista, inspirada, nesta edição, nos Ateliers Populaires. Abordando inicialmente o contexto político e o que significou o Maio Francês de 1968, Evandro apresentou os cartazes produzidos por estudantes, trabalhadores durante a ocupação da Escola Superior de Belas Artes de Paris. Com isso, o camarada conseguiu, em uma linha do tempo ilustrada, contar sobre todo o processo de avanço e amadurecimento da luta em curso, assim como a revolta e o desapontamento das massas com o sufocamento do seu impulso revolucionário. Nesse sentido, foi chamada à atenção a ausência de orientações que permitiriam à classe trabalhadora, em um momento como aquele, de completo controle de um país em greve geral, avançar para a tomada de poder, o que, na sua falta, se converteu em desmobilização e no desenvolvimento de acordos por parte das lideranças tradicionais, fatos que também ficaram impressos nos cartazes. Assim como essa luta ganhou expressão nos cartazes do Maio Francês, ela também nos ofereceu ensinamentos, e tal qual a cunha vermelha – logo do jornal da Esquerda Marxista, “Tempo de Revolução”  – contam, por meio da arte, sobre o avanço da nossa luta ao longo da história.

Marca-se, com isso, a importante tarefa dos comunistas de compreender as expressões das massas em sua necessidade de ruptura com o modelo de sociedade atual – formada e mantida pela exploração e opressão – oferecendo-lhes, para tanto, o suporte do método revolucionário para construção de uma sociedade livre, das amarras deste sistema, e verdadeiramente socialista!

  • Leia o texto-base desta atividade na revista América Socialista n.18. Adquira aqui!
  • Inscreva aqui  e participe do Encontro Nacional de Lutas Abaixo Bolsonaro por um governo sem patrões, nem generais no dia 10 de julho de 2021.
Deixe Seu Comentário