Imagem: Flickr

O boom do mercado de ações e a insanidade do capitalismo

O capitalismo entrou na pior crise da história de sua existência. O dano econômico desencadeado pela pandemia não tem precedentes em seu tamanho e escala. Dezenas de milhões de trabalhadores em todo o mundo perderam seus empregos. Indústrias inteiras, como turismo, hotelaria e aviação, foram dizimadas. Não haverá retorno à “normalidade”.

E, no entanto, apesar dessa situação terrível, os mercados de ações têm apresentado forte expansão nos últimos meses. Os preços globais das ações aumentaram 6,7% entre julho e o início deste mês. Este é o maior avanço em mais de três décadas.

No início de agosto, o Dow Jones Industrial Average estava sendo negociado quase no mesmo nível do ano anterior. E, em 18 de agosto, o S&P 500 não só havia recuperado suas perdas desde o início da pandemia global, mas também havia atingido um novo recorde histórico.

Por que, então, em um período de crise tão profunda, os investidores estão injetando dinheiro em ações e participações? Essa alta do mercado de ações significa que há uma verdadeira recuperação econômica ocorrendo?

Preocupações

No entanto, há sinais antecipados de alerta do fim dessa recente animação. Muitos investidores estão justamente preocupados com o potencial de estouro de bolhas. Estão crescendo os temores de uma queda poderosa nos mercados de ações em termos internacionais.

Depois da ascensão do verão a níveis históricos, as ações dos EUA despencaram na semana passada. Na quinta-feira, 3 de setembro, em particular, as ações caíram fortemente. No final das negociações do dia, o Dow Jones caiu 2%; o S&P 500 caiu mais de 3%; e o Nasdaq caiu 5%.

Essas perdas recentes podem ser o início de um colapso mais amplo – como seria de se esperar após uma bolha de investimento especulativo. Isso apenas sublinha como os movimentos na bolsa de valores estão em grande parte divorciados do estado da economia real.

Especulação

A base da economia real, sob o capitalismo, reside na produção e troca de mercadorias – bens e serviços produzidos através da aplicação de trabalho, para serem vendidos no mercado.

É apenas na produção que o valor é criado, e não na troca ou na distribuição. Estes podem apenas redistribuir o valor que já foi criado pela aplicação do trabalho na produção.

A compra e venda de ações e participações é o que Karl Marx descreveu como “capital fictício“. É aqui que o dinheiro é posto em circulação sem qualquer equivalente em valores – isto é, sem qualquer produção de mercadorias ou atividade produtiva genuína.

Afinal, a negociação de ações não representa uma troca de mercadorias (ou seja, de valores). Em vez disso, as ações são um direito a valores futuros; uma reivindicação de lucros que ainda não foram realizados.

Marx descreveu como a maior fantasia dos capitalistas era ganhar dinheiro com dinheiro: uma alquimia financeira, sem o aborrecimento do trabalho humano, do investimento em maquinário ou mesmo da própria produção.

É isso que o mercado de ações reflete – não a saúde da economia, mas um cassino corrupto para os capitalistas apostarem.

Superprodução

No fundo, a alta nos mercados de ações globais é outro sintoma da enorme crise de superprodução; da saturação do mercado mundial.

Os capitalistas estão sentados sobre pilhas de dinheiro. Mas, em vez de investir na produção, os investidores estão especulando em quaisquer ativos que estejam na moda – sejam ações, propriedades ou até mesmo ouro e criptomoedas.

Já em declínio devido à crise de 2008, aos anos de austeridade e ao aumento do protecionismo, os mercados encolheram ainda mais devido à pandemia da Covid-19.

Enquanto isso, investimentos anteriormente seguros e confiáveis, como títulos do governo, estão efetivamente rendendo 0% de retorno, graças aos trilhões injetados na economia mundial pelos bancos centrais dos países capitalistas avançados.

E até mesmo deixar seu dinheiro no banco não é uma opção. As taxas de juros estão no fundo do poço há anos e mesmo negativas em muitos lugares agora.

Tudo isso pode parecer absurdo e irracional. Mas este é o resultado lógico do capitalismo – um sistema baseado no lucro e na competição.

Monopólio

Investigando mais a recente alta, podemos ver a natureza desequilibrada e contraditória desse “boom”.

No geral, os índices de ações foram realmente empurrados para cima por apenas um punhado de grandes empresas – em particular, os grandes gigantes da tecnologia, como Amazon e Apple. A maioria das outras ações, de fato, sofreu nos últimos meses.

A influência dessas grandes empresas de tecnologia também ficou evidenciada no sentido inverso pelas quedas do mercado de ações da semana passada. Temendo uma bolha, uma liquidação em pânico de ações de tecnologia puxou o Nasdaq para sua pior semana desde março. O câmbio caiu 5% na manhã de quinta-feira e mais 5% na manhã de sexta-feira.

A Fidelity International calcula que, em média, as “Cinco Grandes” empresas de tecnologia respondem por quase um quarto do valor de todo o índice S&P 500. E essas mesmas empresas devem gerar ganhos 41% maiores em 2021 do que no ano anterior.

Este é outro reflexo da tendência ao monopólio sob o capitalismo. Enquanto as pequenas empresas vão à falência, as maiores multinacionais estão aumentando em tamanho e força. Na verdade, a Apple atingiu recentemente uma capitalização de mercado de US $ 2 trilhões, dobrando de valor no espaço de dois anos.

Nacionalização

Em suma, enquanto as comunidades da classe trabalhadora experimentaram uma década de austeridade e cortes nos padrões de vida, a classe capitalista só aumentou sua riqueza e lucros. E tudo isso em meio a uma devastadora crise de saúde pública.

O jogo e a especulação na bolsa de valores de nada servem à sociedade. Em vez disso, o mercado de ações é apenas um cassino gigante, onde a riqueza produzida pela classe trabalhadora é sugada pelos parasitas e gatos gordos.

Devemos acabar com este sistema podre. Isso significa nacionalizar os grandes bancos e firmas financeiras e expropriar os principais monopólios da bolsa de valores – sem compensação – para utilizar essa riqueza para o bem da sociedade; para os muitos, não para os poucos.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM SOCIALIST.NET

 

Deixe Seu Comentário