Irã: o “enfermo” do Oriente Médio

O coronavírus atingiu particularmente o Irã devido aos erros do governo, à desinformação e às sanções dos EUA. Essa crise expôs toda a podridão do capitalismo iraniano e levou à raiva das massas contra o regime, que já estava sendo aquecida, perto do ponto de ebulição.

Na segunda-feira, 9 de março, o governo iraniano registrou 237 mortos e 7.161 infectados pelo coronavírus. Até o sábado, cerca de 16 mil pessoas foram hospitalizadas como casos suspeitos. Esses números “oficiais” são definitivamente uma subestimação da gravidade real do problema devido à desinformação do governo, à falta de kits de teste de coronavírus no Irã e por que a maioria das pessoas infectadas não vai ao hospital. Esses números dispararam nas últimas três semanas e continuarão a crescer exponencialmente no período imediato. Para ilustrar a gravidade acelerada da crise, 43 do total de mortes relatadas foram anunciadas nas últimas 24 horas. Entre os mortos até agora estão sete políticos e funcionários do governo, incluindo os legisladores Fatemeh Rahbar e Mohammad Ali Ramazani Dastak.

Dado o estado das coisas hoje, é difícil acreditar que há apenas três semanas, em 17 de fevereiro, o vice-ministro da Saúde tenha ido à televisão para dizer que não há coronavírus no Irã! Poucos dias depois, viajantes do Irã deram positivo para o coronavírus no Canadá e no Líbano, e quatro moradores da cidade sagrada Qom foram declarados mortos pelo vírus. No curto período que se passou desde o seu anúncio original, o próprio vice-ministro da saúde testou positivo para o vírus.

O vírus apareceu pela primeira vez na cidade sagrada de Qom, lar do santuário de Fatima-bint-Musa. De acordo com os mulás, o santuário é um centro de cura para os doentes, e milhares visitam Qom de todo o país todos os dias para receber suas bênçãos. Desta vez, no entanto, potencialmente milhares desses peregrinos em busca de uma melhor saúde contraíram o coronavírus e o levaram para suas províncias de origem e além. Com a cidade santa como fonte de origem, o vírus agora se espalhou para todas as 31 províncias do Irã. A partir daqui os viajantes iranianos espalharam o vírus para Bahrein, Canadá, Líbano, Afeganistão, Omã, Iraque, Emirados Árabes Unidos, Paquistão e Kuwait.

Não é por acaso que o coronavírus se espalhou mais no Irã do que na maioria dos outros países. Em suas tentativas de lidar com o vírus, o governo revelou sua total podridão e inépcia, cometendo um erro após o outro. Incompetência e corrupção de funcionários do governo, divisões no topo da administração e dificuldades econômicas exacerbadas pelas sanções dos EUA tornaram o governo incapaz de combater essa crise de saúde pública.

Resposta do governo: tempos de desespero, medidas estúpidas

Em 30 de janeiro, funcionários do alto escalão se reuniram para discutir as medidas para impedir a entrada e a propagação do vírus no Irã. Decidiram suspender os voos aéreos de e para a China. Muitos outros países tomaram essa medida, especialmente depois que o próprio governo chinês colocou a província de Hubei em quarentena estrita. Mas, apesar da decisão do governo, os voos não foram suspensos. A Mahan Airlines, que está intimamente ligada ao IRGC, ignorou os pedidos. Enquanto muitas outras companhias aéreas suspenderam voos de e para a China, as companhias aéreas de Mahan intensificaram os voos de conexão entre a China e Teerã, para aumentar as receitas. A clara negligência do IRGC [divisão das forças armadas do Irã] em relação à saúde pública foi principalmente um ato de desespero devido às dificuldades econômicas do Irã, que ficaram bastante exacerbadas pelas sanções dos EUA. Até Jahanpour, porta-voz do Ministério da Saúde, disse em 2 de fevereiro: “Se os voos continuarem, o Ministério da Saúde definitivamente levará o assunto ao governo“. Apesar dessas grandes palavras, 55 voos foram realizados após o anúncio, terminando apenas em 23 de fevereiro.

Parsayee, um deputado de Shiraz comentou: “apesar da decisão do governo, ainda estamos testemunhando o fluxo de passageiros para o Irã da China e o transporte de passageiros para a China de todo o mundo pela Iranian Airlines. As companhias aéreas não estão sob a lei do governo? São elas soberanas?” Para responder à pergunta de Parsayee: a incapacidade do ministério da Saúde de cumprir ordens simples mostra as divisões da classe dominante no Irã, que estão sendo exacerbadas em tempos de crise.

Dadas as viagens sem restrição entre o Irã e a China e a incompetência geral do regime, a chegada do coronavírus ao país era inevitável. A primeira morte relatada ocorreu em 12 de fevereiro, quando um jornal do Irã anunciou que uma mulher de 63 anos, que apresentava sintomas consistentes com coronavírus, morreu em um hospital de Teerã. No dia em que o artigo foi publicado (antes da conclusão da autópsia), o governo alegou que o artigo estava cheio de mentiras e a mulher em questão sequer existia. Durante semanas, o governo continuou negando qualquer relato de coronavírus no Irã. As autoridades finalmente reconheceram a presença do coronavírus em Qom em 19 de fevereiro. Nesse ponto, a verdade havia se tornado inegável. Mesmo depois disso, o governo subestimou o número de mortos e infectados no país. Em 23 de fevereiro, o chefe da Universidade de Medicina de Qom disse em uma entrevista na TV: “Existem instruções do Ministério da Saúde para não anunciar as estatísticas [sobre a disseminação do vírus]”.

Acobertamento político

O acobertamento do regime foi puramente político. Se se tornasse público que o coronavírus havia desembarcado no Irã, isso afetaria a participação em dois eventos principais: a celebração do 41º aniversário da revolução, em 11 de fevereiro, e as eleições parlamentares, em 21 de fevereiro. Apesar dos melhores esforços do regime, a participação em ambos os eventos foi a mais baixa de sua história.

Bem antes da crise do coronavírus, o regime já havia se desacreditado completamente. Até mesmo muitos membros do regime tiveram que admitir isso. Como disse o parlamentar Mahmood Sadeghi: “Depois de evitar falar sobre os terríveis eventos de novembro, depois de mentir por três dias sobre o motivo pelo qual uma aeronave de passageiros foi abatida, agora estão evitando falar sobre uma doença em expansão. Por que vocês estão fazendo de tudo para prejudicar a confiança do público?

Depois que o governo foi finalmente forçado a reconhecer que o coronavírus estava em Qom, isso causou alarme entre muitos iranianos por causa dos milhares de peregrinos que viajam para a cidade e da cidade todos os dias, de todos os cantos do país. O governo poderia ter contido o vírus ou, pelo menos, reduzido drasticamente sua propagação colocando Qom em quarentena imediatamente. Em vez disso, o regime alegou que a ideia de colocar uma cidade em quarentena é ultrapassada e inútil. Devido a essa inação, o vírus já se espalhou para todas as províncias do país.

O governo também poderia ter tomado medidas menos drásticas, como suspender as visitas ao santuário. O santuário foi a principal razão pela qual as pessoas viajaram de e para Qom, e era um local de transmissão. Os visitantes costumam tocar e beijar as pedras do santuário para aproveitar ao máximo seus “poderes de cura”. A ideia de fechar o santuário enfrentou resistência da direita religiosa e das autoridades responsáveis pelo santuário. Finalmente foi fechado em 24 de fevereiro. Isso significa que, por seis dias, as autoridades estavam plenamente conscientes do vírus em Qom e não tomaram medidas para impedir sua rápida disseminação pelo país.

Ali-Akbar Hosseini-nejad, um dos funcionários responsáveis pelo santuário, estava entre os que se recusaram a fechá-lo, dizendo: “Por que é necessário fechar o santuário? As próprias pessoas devem ter cuidado …”. Mohammad Saeedi, guardião do santuário, disse que o santuário deve permanecer aberto, pois é “a casa da cura” e que “as pessoas devem ser incentivadas a ir lá”. O ministro da Saúde, Namaki, disse à televisão estatal que as pessoas poderiam visitar o santuário depois de receberem géis higiênicos para as mãos, informações sobre saúde e máscaras faciais.

Tudo isso levou a uma onda de raiva entre os iranianos, que veem a ganância e o interesse próprio estreito da classe dominante como as principais razões pelas quais dezenas de milhares foram infectadas pelo vírus mortal.

Finalmente, o governo decidiu agir. As escolas e universidades foram fechadas, os principais eventos culturais e esportivos foram suspensos e um horário de trabalho reduzido foi introduzido em todo o país. Mas quando o governo começou a tomar medidas sérias para limitar a transmissão, era tarde demais para conter a maré.

Enquanto isso, as medidas de fechamento de mesquitas e de encorajamento das pessoas a orar em casa foram recebidas com reação do clero de direita. O arqui-reacionário Alam-Al-Hoda, representante da Liderança Suprema em Mashhad, disse: “As orações da sexta-feira não devem ser canceladas sob nenhuma circunstância“. Apesar do governo, esses linha-dura incentivaram reuniões públicas e orações quando o governo cancelou as orações de sexta-feira, em 28 de fevereiro.

Em 3 de março, o líder supremo Ali Khamenei também se pronunciou e subestimou o vírus, dizendo que “Essa calamidade não é grande coisa e que houve maiores calamidades no passado”. Ele deu conselhos específicos para as pessoas “orarem”, como o melhor meio de combater a doença. Assim, enquanto os ricos e os poderosos obtêm os melhores cuidados de saúde se revelam sinais do vírus, os trabalhadores são aconselhados a orar. Esses eventos deixarão marcas profundas na consciência das massas iranianas e enfraquecerão ainda mais o regime. Ao mesmo tempo, admitir que o santuário da cura não funciona e que as orações não são úteis em uma hora real de necessidade seria um grande golpe contra a legitimidade da teocracia.

Enquanto isso, a ala liberal do regime ficará igualmente enfraquecida se não agir. Essa situação aprofundará as divisões dentro do regime, à medida que todas as facções se atacam para manter sua legitimidade.

Crise de saúde exposta

A crise do coronavírus também revelou a fraqueza do sistema de saúde no Irã. As pessoas não confiam nos hospitais e muitos que estão potencialmente infectados não serão examinados. Eles temem que, se tiverem ou não o vírus, sem dúvida o contrairão nos hospitais. Aqueles que se internam no hospital são colocados na mesma sala com mais de uma dúzia de portadores potenciais de coronavírus, onde a transmissão é altamente provável. Além disso, devido às sanções impostas pelos EUA, os hospitais não possuem equipamento médico suficiente para lidar com a crise.

O governo cometeu erros sucessivos em sua resposta ao coronavírus, o que aprofundou a raiva entre a população. A cada dia que passa, aumentam o sofrimento das massas e o número de mortos, e o povo culpa predominantemente o regime. Eles estão completamente fartos. Eles não podem mais tolerar a crise econômica e o regime incompetente e corrupto. Quarenta anos de repressão e má administração produzem esse efeito. Dois eventos recentes, em particular, inspiraram raiva no coração do povo iraniano: o banho de sangue de novembro, onde o regime matou mais de 1.500 manifestantes, e o abate do avião ucraniano, quando o regime matou outras 176 pessoas.

As autoridades reconheceram essa crescente raiva e tentaram usar o coronavírus para ganhar simpatia. Quando os kits de coronavírus foram disponibilizados pela primeira vez no Irã, todos os funcionários importantes foram testados e aqueles que apresentaram resultado positivo o anunciaram ao público. Mas, em vez de simpatia, encontraram ainda mais raiva. Por que esses bandidos estavam sendo testados quando a maioria deles sequer apresentava sintomas, e com kits em quantidade limitada? Essa súplica de piedade saiu pela culatra, espetacularmente. Quando funcionários do governo começaram a morrer de coronavírus, mesmo assim  não receberam a simpatia do povo. A maioria das pessoas comemorou suas mortes. Tudo isso mostra o profundo ressentimento que as massas têm em relação ao regime, que perdeu o direito de existir aos olhos da maioria.

Mais do que qualquer outra coisa, eventos trágicos como esses trazem à tona a verdadeira natureza de qualquer regime. No Irã, talvez de maneira mais nítida do que em qualquer outro lugar, revelou o fracasso e a podridão do capitalismo. O regime iraniano está mais doente do que nunca. Nunca experimentou uma crise tão profunda como a que está passando hoje. As massas iranianas são mais do que capazes de derrubar esse sistema podre e mostraram sua vontade de ferro na luta por um mundo melhor mais de uma vez. No momento, o vírus tem o efeito de manter as pessoas em casa, mas a raiva e o ressentimento estão se acumulando em níveis sem precedentes. Mais cedo ou mais tarde, as massas iranianas começarão a se mover novamente. E, uma vez que o fizerem, não existe uma força na Terra que possa impedi-los de derrubar esse regime e construir em seu lugar um sistema que possa realmente impulsionar a humanidade novamente.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário