Imagem: In Defence of Marxism

Guiné em turbulência após golpe militar

A turbulência tomou conta do empobrecido país da África Ocidental, a Guiné, desde que uma unidade de operações especiais do exército anunciou que havia capturado o presidente Alpha Condé e dissolvido seu governo no domingo. O líder do golpe e chefe das forças especiais do país, coronel Mamadi Doumbouya, anunciou na emissora estatal no domingo que a constituição do país havia sido suspensa e as fronteiras fechadas. Ele também anunciou um toque de recolher de 24 horas em todas as áreas, exceto nas áreas de mineração.

A causa imediata do golpe parece ter sido a demissão de um comandante das forças especiais, o que fez com que oficiais subalternos se rebelassem e ocupassem o palácio presidencial. Mas seja qual for o caso, este foi apenas um gatilho que trouxe profundas contradições à tona. O golpe ocorre em meio a um longo período de crise política na Guiné, após a candidatura altamente impopular de Condé a um terceiro mandato presidencial no ano passado.

Luta pelo poder

Existem profundas divisões dentro do aparelho de Estado na Guiné, à medida que diferentes facções com interesses conflitantes disputam o poder. Isso era claramente visível nas horas após o anúncio do golpe. O exército regular, por meio do Ministério da Defesa, inicialmente negou que um golpe tivesse ocorrido, mas depois jurou que qualquer “ataque” por “forças amotinadas” seria reprimido.

A guarda presidencial, apoiada pelas forças de defesa e segurança leais e republicanas, conteve a ameaça e repeliu o grupo de agressores”, disse o Ministério da Defesa em um comunicado.

Pouco tempo depois, um tiroteio pesado começou perto do palácio presidencial em Conakry. Na segunda-feira, ficou claro que Alpha Condé e seu governo foram removidos e substituídos por um comitê de oficiais do exército. No entanto, a situação ainda é muito, muito instável. As divisões no Estado significam que a possibilidade de um contra-golpe em algum momento não pode ser descartada.

Veículos militares patrulhavam as ruas de Conakry e a ponte que liga o continente ao bairro de Kaloum, que abriga o palácio e a maioria dos ministérios do governo, foi fechada. Muitos soldados, alguns fortemente armados, foram vistos ao redor do palácio.

A queda de Alpha Condé

Esta não foi a primeira tentativa de golpe contra Alpha Condé. Um dia antes da eleição presidencial do ano passado, uma seção dos militares bloqueou o acesso ao distrito de Kaloum após uma suposta rebelião militar a leste da capital. Condé ganhou um polêmico terceiro mandato naquela eleição, mas só depois de forçar uma nova constituição profundamente impopular em março de 2020, que lhe permitiu contornar o limite presidencial de dois mandatos do país. Dezenas de pessoas foram mortas durante manifestações contra um terceiro mandato do presidente em confrontos com as forças de segurança. Centenas de pessoas também foram presas.

Ele foi então proclamado presidente em 7 de novembro do ano passado, apesar de seu principal adversário, Cellou Dalein Diallo, e outras figuras da oposição denunciarem a eleição como uma farsa. Condé também sobreviveu a uma tentativa de assassinato em 2011.

Após a votação, o governo lançou uma ofensiva e prendeu vários membros proeminentes da oposição por seu suposto papel na cumplicidade da violência eleitoral no país. Ele se tornou profundamente impopular ao longo dos 11 anos de seu governo. Não é surpresa, então, que a confirmação de sua derrubada no domingo tenha sido recebida com grandes comemorações nas ruas de Conakry.

Facções diferentes

Quando Condé chegou ao poder em 2010, a constituição da Guiné limitava o presidente a dois mandatos de cinco anos. Em dezembro de 2019, no entanto, ele anunciou um plano para um novo projeto de constituição que, segundo seu partido, permitiria que ele concorresse às próximas eleições. Apesar da oposição feroz, esta nova constituição altamente controversa foi submetida a um referendo em março. A crise resultante exacerbou as tensões políticas e étnicas de longa data na Guiné.

A Guiné tem uma longa história de regime militar desde que conquistou a independência formal da França em 1958. O Estado que surgiu na Guiné depois que a França renunciou ao controle militar e burocrático era extremamente instável. A fraqueza da burguesia guineense deu uma certa independência à casta militar. Isso explica os muitos golpes e contra-golpes que atormentaram o país desde então.

O país não realizou eleições democráticas até 1993, quando o general Lansana Conte (chefe do governo militar) foi eleito presidente do governo civil. Ele foi “reeleito” em 1998 e novamente em 2003, embora todas as votações tenham sido marcadas por fraude eleitoral.

A história se repetiu em dezembro de 2008 após a morte do presidente Conte, quando o capitão Moussa Dadis Camara liderou um golpe militar, tomando o poder e suspendendo a constituição e a atividade política.

Pressão a partir de baixo

No entanto, entre 2005 e 2007, a Guiné foi abalada por uma série de mobilizações de massa e greves gerais. Esta magnífica luta dos trabalhadores e da juventude guineense causou pânico, não só ao ditador Lansana Conté, mas também às fileiras do imperialismo francês. A classe dominante francesa é uma das principais causas da miséria em que vive a maioria dos 13 milhões de guineenses. Durante décadas, eles pilharam o país, que é o maior produtor mundial de bauxita, o minério do alumínio.

As muitas greves e greves gerais forçaram a elite do país a conceder reformas democráticas mínimas. A partir dessa manobra, Alpha Condé se tornou o primeiro presidente eleito da Guiné em 2010. Condé venceu facilmente um segundo mandato em 2015 depois que a oposição boicotou as eleições e em 2020 o referendo constitucional abriu caminho para ele buscar um terceiro mandato, que ele “ganhou” nas eleições de outubro. Seguiu-se um período de violenta repressão e a prisão de líderes de partidos da oposição. As manobras de Condé para permanecer no poder levaram a protestos periódicos nos quais centenas de guineenses foram mortos ao longo dos anos.

A Guiné, um dos países mais pobres do mundo, tem os maiores depósitos de bauxita do mundo e é um dos maiores produtores mundiais. Também possui enormes reservas de minério de ferro. O governo de Alpha Condé transformou a Guiné em um grande exportador global. A China recebe cerca de metade de seu suprimento de bauxita da Guiné. A bauxita é usada para produzir alumínio, que é usado em qualquer coisa, desde peças de automóveis e aviões até produtos de consumo, como latas de bebidas e papel alumínio.

A região de Boké, no noroeste da Guiné, tem sido o centro de grande parte do crescimento recente do setor da bauxita. A região agora possui dezenas de pedreiras de bauxita a céu aberto. Embora o boom da bauxita na Guiné forneça lucros para as empresas de mineração e seus acionistas e uma fatia para a elite gananciosa de Conakry, a população local dificilmente se beneficia. As mineradoras expropriaram terras agrícolas sem pagar indenizações adequadas aos moradores. Eles danificaram e poluíram as fontes de água e reduziram o acesso das comunidades à água para beber, lavar e cozinhar.

Tumultos eclodiram em Boké em setembro de 2017 devido à raiva pelos serviços locais inadequados, especialmente a falta de água e eletricidade, ao ressentimento com a rápida expansão da mineração e às preocupações mais amplas sobre os impactos da mineração nas comunidades locais. Esses distúrbios se transformaram em uma série de revoltas e têm sido uma constante desde então. Milhares de jovens saquearam prédios do governo e ergueram postos de controle informais, impedindo por curto período de tempo as empresas de mineração de operar. A população local pode ver os enormes benefícios financeiros que uma empresa está obtendo, eles vêem impostos sendo cobrados, caminhões levando bauxita de suas terras agrícolas ao exterior, mas dificilmente vêem qualquer benefício para eles.

Os anos Condé não foram diferentes dos do passado. A corrupção e a má gestão estavam na ordem do dia, à medida que as diferentes facções da elite governante competiam por negócios lucrativos com empresas internacionais de mineração. Sua administração se tornou péssima e extremamente impopular. As facções da oposição no regime decidiram agora removê-lo antes que ele pudesse ser derrubado por um levante popular.

Instabilidade

A situação é extremamente volátil na Guiné. Os próximos dias e semanas determinarão se o novo regime militar tem uma base firme o suficiente para se firmar ou se será substituído por uma facção oposta do exército. Mas seja qual for a facção que assuma o controle, um retorno imediato ao governo civil é improvável. Os líderes do golpe ordenaram que todos os governos regionais se retirassem e fossem substituídos por oficiais do exército. Isso significa que o exército está se preparando para um período de regime militar.

O que está claro é que qualquer facção que assumir, será um regime de crise. O Estado está dividido enquanto diferentes grupos competem pelo poder e pelo acesso às lucrativas migalhas que caem da mesa das mineradoras internacionais. No entanto, a pressão a partir de baixo está aumentando. As revoltas do povo, que podem ver a riqueza mineral do país sendo drenada sem muito benefício para os locais, continuarão seja qual for a facção que esteja no comando. Os trabalhadores, os jovens e os pobres devem confiar nas suas próprias forças e não apoiar esta ou aquela facção deste regime corrupto, ganancioso e degenerado. Nos últimos anos, a África Ocidental viu revoltas maravilhosas das massas contra regimes igualmente corruptos em Burkina Faso, Mali, Senegal, Togo e Gabão. Este é o caminho que as massas guineenses devem seguir. O caminho a seguir é uma luta unida do povo da região contra os regimes corruptos e seus senhores imperialistas.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário