Grã-Bretanha: as tensões no Partido Conservador e a aproximação da “segunda onda”

O governo conservador está cambaleando de um desastre a outro. A taxa de infecções está aumentando. E, com a reabertura da economia e os alunos voltando para a escola, uma segunda onda é quase certa. Precisamos de uma oposição militante a este governo do caos.

Foi um verão escaldante e um começo de outono úmido e miserável. Mas pensemos em Boris Johnson. O clima é, sem dúvida, a menor das preocupações de Boris, enquanto enfrenta o temido retorno do parlamento. Na (prolongada) ausência de verão de Boris, seu governo sofreu uma sequência de desastres.

Caos e crise

O governo foi forçado a dar viradas abruptas após viradas abruptas: primeiro durante as refeições escolares; em seguida, sobre os resultados do Nível A; e mais recentemente sobre os despejos. E está cada vez mais se envolvendo nos bloqueios locais.

A última jogada dos conservadores é começar a aliviar o bloqueio no Noroeste e em outros lugares, justo quando novos casos COVID-19 começaram a disparar. Seu grande medo é que os centros vazios das cidades signifiquem cofres vazios para seus amigos ricos.

Mas, por outro lado, há sérias preocupações com o aumento rápido da taxa de infecção nas próximas semanas, à medida que a economia se abre ainda mais e os jovens voltam às escolas e universidades. Já foram levantadas dúvidas sobre a reabertura das escolas sem a adoção de medidas de proteção adequadas.

Após o abordagem catastrófica da primeira onda do vírus, o governo conservador está agora, por meio de suas políticas, preparando uma segunda onda. De acordo com o próprio comitê consultivo do governo, SAGE, uma segunda onda no inverno pode matar até 85.000 pessoas em todo o Reino Unido.

Durante a primeira onda, o governo evitou o colapso do NHS [Serviço Nacional de Saúde, em inglês National Health Service] descarregando pacientes idosos e doentes da Covid-19 em asilos, onde o vírus se espalhou como um incêndio. Em outras palavras, eles massacraram dezenas de milhares de idosos da Grã-Bretanha para fins de ganho político.

Se houver uma segunda onda neste inverno – apesar de um truque diabólico semelhante – o NHS pode muito bem entrar em colapso sob o impacto de uma década de austeridade, da gripe sazonal e da Covid-19.

Segurando as pontas

Economicamente, a previsão também é sombria. Rishi Sunak, o menino dourado Tory [Partido Conservador], perdeu seu brilho. O chanceler foi anteriormente saudado como um herói por protelar um colapso econômico completo preenchendo cheques à esquerda, à direita e ao centro para os grandes negócios.

Mas agora que o esquema do licenciamento da mão-de-obra está chegando ao fim, o desemprego em massa se aproxima e a questão é colocada: quem vai pagar a conta?

A nova coorte de deputados conservadores da chamada Parede Vermelha foi eleita com base no “fim da austeridade”. Uma nova onda de cortes garantirá que o governo perca esses assentos recém-adquiridos quando a próxima eleição ocorrer.

Os membros do Parlamento dos condados conservadores tradicionais que não têm cargos no governo, entretanto, estão em pé de guerra com a perspectiva de impostos mais altos e de ataques às pensões para que as brechas sejam preenchidas. Quanto aos patrocinadores dos grandes negócios do partido, não estão com humor para discutir o aumento dos impostos corporativos.

Em suma: as contradições dentro do Partido Conservador estão voltando ao primeiro plano.

Luta contra a direção

À medida que a raiva começa a borbulhar na sociedade, o apoio ao governo diminui.

Boris teve um breve aumento de apoio em março. Naturalmente, o público se reuniu em torno do governo em exercício em um momento de crise aguda. Agora as coisas estão começando a escorregar, com as pesquisas de votação do Partido Trabalhista mais altas do que as dos conservadores pela primeira vez desde 2019.

Isso se deve muito pouco à chamada “oposição” de Keir Starmer. O trabalhismo está subindo atualmente devido à omissão.

À medida que a raiva contra os conservadores se transforma em fúria e eles caem nas pesquisas, as facas estão sendo afiadas para Boris. Esfaqueamentos pelas costas e intrigas estão se intensificando dentro do Partido Conservador.

Com as divisões emergindo no topo, não é suficiente esperar até que o governo de Boris expire. A abordagem conservadora de Starmer não oferece alternativa ao inferno que o capitalismo criou para nós.

Precisamos lutar por uma direção combativa nos sindicatos e no movimento operário, comprometida com a derrubada deste sistema econômico assassino.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM SOCIALIST.NET

Deixe Seu Comentário