Foto: joanbrown51, Pixabay

EUA: Os protestos de Portland e a “Gestapo” de Trump

Por semanas a fio, os protestos de George Floyd contra o racismo e a violência policial sacudiram os Estados Unidos. O apoio ao movimento ultrapassou todas as fronteiras demográficas, já que cerca de 10% de todos os adultos americanos – cerca de 25 milhões de pessoas – participaram de pelo menos um protesto. No entanto, embora as reuniões de massa continuem inabaláveis ​​em algumas cidades, na maior parte do país o rio torrencial inevitavelmente recuou para suas margens, pois foi privado de uma saída revolucionária – por enquanto.

O revivido movimento Black Lives Matter (BLM) tem sido um tesouro de experiência prática para os milhões que o impulsionaram. Eles não apenas sentiram o poder das massas mobilizadas, mas também testemunharam um grau de violência policial nunca antes desencadeado sobre uma faixa tão grande da população. Desequilibrada pela profundidade e amplitude do movimento, em um ambiente de crise econômica e social, a classe dominante está desesperada para restaurar a ordem.

Diversas jurisdições renunciaram às restrições de quanto tempo os manifestantes podem ser detidos sem acusações. Surgiram vídeos de ativistas em Portland sendo puxados para dentro de vans sem identificação por agentes armados sem crachás ou identificação. As investigações jornalísticas subsequentes revelaram que muitos deles eram agentes federais, do Departamento de Segurança Interna (DHS) e da Patrulha de Fronteira, possivelmente até com o apoio de mercenários. Em 28 de julho, combinado com essas táticas, o esquadrão da ordem do Departamento de Polícia de Nova York (NYPD) usou uma van sem identificação e policiais à paisana para sequestrar  uma mulher em uma manifestação. Eles afirmam ter cumprido apenas um mandado de prisão pendente por “destruição de propriedade policial“.

O movimento Black Lives Matter tem sido um tesouro de experiência prática para os milhões que o impulsionaram Foto: joanbrown61, Pixabay

Portland, Oregon, onde os protestos duraram quase 70 noites consecutivas, estava no centro do redemoinho depois que Donald Trump enviou agentes federais anônimos para “restaurar a ordem”. Na realidade, no entanto, esses provocadores apenas aumentaram a violência, fornecendo material midiático para a narrativa de Trump de que “anarquistas e saqueadores” estão enlouquecidos em cidades controladas pelos democratas e que, portanto, um presidente da “lei e ordem” é necessário à medida que novembro se aproxima. Da mesma forma, o prefeito democrata de Portland, Ted Wheeler, usou o confronto com Trump puramente para uma postura política partidária.

No entanto, cenas do agora famoso “muro das mães” e “muro dos veteranos” sendo violentamente atacados por policiais camuflados e sem nome expõem a mentira e mostram quem são os verdadeiros instigadores da violência. Sob enorme pressão de vários lados, parece que agora esses agentes foram removidos da cidade. E surpresa, os protestos têm sido virtualmente livres de violência desde então.

Democracia burguesa

A escalada da repressão levanta muitas questões sobre a natureza da democracia burguesa e o futuro que o movimento encara. Alguns preveem o fim dos direitos democráticos por completo. Mas o que são direitos democráticos em primeiro lugar?

No fim das contas, a sociedade é um grupo de pessoas organizadas para atender a certas necessidades. Hoje isso é feito sobre a base do capitalismo, um sistema de propriedade privada dos meios de produção. No coração deste sistema explorador está a luta entre a classe trabalhadora e a classe capitalista pelo excedente de riqueza produzido pelos trabalhadores. Essas relações são codificadas em benefício da classe dominante na Constituição dos Estados Unidos e nas inúmeras leis que entraram em vigor desde sua adoção. Mas as constituições e leis meramente refletem o equilíbrio de forças entre as classes no momento em que são escritas – um acordo incômodo entre aquilo pelo que as massas lutam e o que os governantes são forçados a conceder.

Trump e seu conluio republicano são inimigos da classe trabalhadora, mas os ataques aos nossos direitos democráticos não são de forma alguma novidade – embora os defensores liberais do capitalismo raramente mencionem isso. Como exemplo, o prefeito Michael Bloomberg, democrata que virou republicano que virou democrata, prendeu milhares de manifestantes pacíficos durante a Convenção Republicana de 2004 na cidade de Nova York. Eles foram detidos sem acusações até o fim da convenção antes de serem libertados. Já que Bloomberg agora se opõe a Trump, esta violação flagrante dos direitos básicos não é mencionada na mídia burguesa neste momento.

Cenas do “muro das mães” sendo violentamente atacado por policiais camuflados e sem nome mostram quem são os verdadeiros instigadores da violência Foto: Tony, Flickr

À luz dos eventos recentes, muitos na esquerda veem “fascismo rastejante” ou “autoritarismo”. A força-tarefa de Trump já foi comparada à Gestapo nazista. É absolutamente verdade que Trump gostaria de governar sem os entraves da Constituição e alegremente soltaria seus bandidos contra todos aqueles que se opõem a ele – se pudesse escapar impune. Mas o equilíbrio de forças das classes, que é esmagadoramente a favor da classe trabalhadora, significa que é mais fácil falar isso do que fazer. A realidade é que essa demonstração de intimidação por um punhado de órgãos federais é um sinal de fraqueza, não de força do Estado burguês.

Sob a pressão das massas vinda de baixo, existem tremendas divisões na classe dominante, tanto entre quanto dentro de seus partidos, começando com qual a melhor forma de conter o movimento de massas. Mas também existem divisões dentro das próprias forças da Polícia Federal. Na década de 1960, o FBI era uma agência totalmente centralizada sob o comando do notório J. Edgar Hoover. Agora está repleto de elementos pró e anti-Trump.

Além disso, nem todas as forças do Estado podem ser utilizadas para reprimir a população. Em lugares como Washington, DC, a Guarda Nacional foi totalmente desmoralizada e acabou confraternizando com os manifestantes, muitas vezes se recusando a fazer muito mais por seus oficiais comandantes do que ficar por perto. Tanto as divisões no aparato estatal quanto a falta de confiabilidade da Guarda Nacional contribuíram para a necessidade dessa mistura confusa de forças federais para realizar seu trabalho sujo.

O tamanho colossal e o poder potencial da classe trabalhadora é um fator imensamente complicador para a classe dominante se ela se mover para passar por cima da democracia burguesa formal. Nas últimas semanas, vimos como os toques de recolher propostos em várias grandes cidades foram rapidamente rescindidos quando as massas não obedeciam. Tudo isso foi alcançado com pouco, ainda no caminho de uma estratégia unificada e um programa de resistência.

Nenhum direito é sagrado ou eterno, e quando as massas vão além do que é confortável para os capitalistas, eles se moverão para restabelecer a “ordem”, ou seja, para garantir que a exploração de classe possa continuar dentro de seus limites preferidos. Enquanto os capitalistas dirigirem a sociedade, o movimento dos trabalhadores não deve ter ilusões quanto à permanência até mesmo dos direitos mais básicos. Diferentemente dos liberais, no entanto, os marxistas vêem esses direitos como um meio para um fim, não o fim em si mesmo. Embora seja uma parte essencial da luta, o combate para preservar nossos direitos democráticos básicos é apenas uma parte da luta mais ampla pela revolução socialista.

A classe trabalhadora e suas organizações, a começar pelos sindicatos, devem defender e ampliar tenazmente nossos direitos. Mas não há razão para desespero – e nenhuma razão para permanecermos na defensiva. Mesmo sem um partido socialista de massas próprio, sindicatos de luta de classes, ou um programa e liderança revolucionários, os trabalhadores foram capazes de repelir os esforços da classe dominante para nos aterrorizar. Se nos propusermos a tarefa e conseguirmos construir tais ferramentas de luta no próximo período histórico, teremos muitas chances de vitória antes que qualquer tipo de ditadura policial ou militar possa ser estabelecida.

A unidade da classe trabalhadora

O imperialismo dos EUA é a força mais violenta e destrutiva do planeta, responsável por incontáveis ​​milhões de mortes em todo o mundo. Mas enquanto nações inteiras vivem sob a sombra do Tio Sam, no front doméstico, este tipo de violência desenfreada é normalmente reservada para a população pobre, negra, latina, indígena e imigrante. Agora, porém, em face de um movimento de massas sem precedentes, a repressão está sendo generalizada – e a verdadeira natureza da democracia burguesa está exposta para todos verem.

Diante de um movimento de massa sem precedentes, a repressão brutal está sendo generalizada e a natureza real da democracia burguesa exposta Foto: Kelly Kline

Tendências populares de pensamento entre os liberais e a esquerda veem a opressão dos negros, imigrantes, pessoas LGBTQ etc., como “estruturas” separadas que podem ou não “interseccionar” no nível dos indivíduos. Para eles, a violência do imperialismo no exterior é um mal necessário ou o resultado de más decisões de governantes eleitos.

A conclusão lógica de tal abordagem atomizada é que cada indivíduo é, em termos pessoais, um opressor ou oprimido. Da mesma forma, toda luta é hermeticamente fechada e específica, com outros indivíduos e grupos oprimidos capazes de agir, na melhor das hipóteses, como “aliados”. A essência reacionária dessa abordagem era evidente entre aqueles que defendiam a limitação do papel dos brancos nos protestos do BLM – que caiu como uma luva nas mãos da política de “dividir para governar” da classe dominante, bem como o discurso do governo sobre “agitadores de fora”.

Em contraste, os marxistas entendem que a opressão de vários grupos, embora concreta, está organicamente enraizada nas relações sociais do capitalismo – o motor crepitante da sociedade como um todo. É por isso que os marxistas se concentram no papel-chave da classe trabalhadora. É o trabalho dos trabalhadores que é a chave dos lucros capitalistas, a base de todo o poder em nossa sociedade. Bens e serviços podem ser produzidos sem os capitalistas – mas não sem os trabalhadores.

Ao contrário de muitas formas de opressão, a classe nem sempre aparece na superfície como uma identidade. Nem toda parte da classe trabalhadora tem a mesma história, é explorada da mesma forma ou no mesmo grau, ou tem que lidar com os mesmos tipos de “opressão”. O capitalismo é conduzido por forças que não são conscientemente controladas, e as estruturas econômicas subjacentes não são imediatamente óbvias. É por isso que, em tempos normais, parece haver uma variedade quase infinita de experiências individuais, junto com diversas ideias sobre o lugar de cada pessoa no mundo. As muitas divisões e tensões que surgem disso são extremamente úteis para aqueles que estão no topo.

Um desses usos é que a classe dominante tem carta branca para experimentar e refinar as ferramentas de repressão contra certas partes da população, sem medo de uma reação generalizada. Ferramentas como balas de borracha, com as quais cada vez mais camadas da classe trabalhadora americana estão agora se familiarizando, foram desenvolvidas em ocupações coloniais. E o precedente para o desaparecimento de pessoas pelo Estado fora do alcance do sistema legal foi estabelecido pelo tratamento dado aos “inimigos estrangeiros” e imigrantes sem documentos. Mas uma vez que as ferramentas projetadas para manter o status quo surgem, elas não ficam para sempre restritas a uma parte limitada da população.

É por isso que a luta pela liberdade de todas as pessoas oprimidas, nos Estados Unidos e internacionalmente, é uma questão de vida ou morte para todos os trabalhadores – sejamos individualmente afetados no momento atual ou não – e só pode ser alcançada através da revolução. Em tempos de crise generalizada, o privilégio relativo de que poucos desfrutam é tão passageiro quanto nossos empregos e lares. Nesses tempos, nossos interesses mútuos de classe também vêm à tona e somos compelidos a reconhecer que, para ganhar uma nova sociedade, precisamos de uma luta unificada que não deixe pedra sobre pedra do sistema atual. A solidariedade exibida nas cidades grandes e pequenas nas últimas semanas é apenas uma dica do que está por vir e deve nos encher de esperança para um futuro revolucionário.

TRADUÇÃO DE TAISA LEONARDO.

PUBLICADO EM SOCIALISTREVOLUTION.ORG

Deixe Seu Comentário