EUA: caos em Iowa – apoio a Bernie mostra potencial para ideias socialistas!

Mais uma vez, a necessidade se revela através do acidente, enquanto a natureza podre da democracia capitalista americana se expunha em Iowa. A importância política do pequeno estado do centro-oeste foi elevada durante meses, enquanto incontáveis dólares e horas de candidatos eram gastos em um esforço para gerar impulso inicial para novembro. Em vez disso, o mundo foi premiado com um naufrágio de incompetência inimaginável – ou sabotagem cínica – dependendo do seu apetite por teorias da conspiração.

No entanto, deixando de lado o fato de que as “inconsistências de dados” foram o inferno da Shadow Inc. – uma empresa administrada por três associados a Hillary Clinton – não precisamos recorrer a conspirações para explicar o que aconteceu¹. Os marxistas devem sempre procurar as raízes de classe dos fenômenos contraditórios para lançar luz sobre os eventos.

Sob a pressão inexorável da crise econômica, as divisões de classe intransponíveis da sociedade estão destruindo a máquina fraudulenta que há muito tempo administra a política no interesse da classe dominante. Sem um partido de massa próprio para expressar seus interesses, milhões de trabalhadores estão buscando uma saída através dos partidos existentes, na esperança de transformá-los em veículos para a política da classe trabalhadora. No entanto, como essas instituições existem para defender os interesses do capital, muitas reviravoltas e distorções podem ser esperadas antes que essas tentativas inevitavelmente se choquem contra uma muralha de pedras.

Muitos americanos caem claramente de um lado ou de outro da linha divisória esquerda-direita: aqueles que se inclinam para o socialismo e aqueles que se inclinam para os conservadores em várias questões econômicas e sociais. Mas milhões de outros estão simplesmente indignados com o status quo. Eles podem não saber exatamente o que querem, mas sabem perfeitamente o que não querem. Eles apoiarão quem atacar o establishment, mesmo que o desafio seja meramente demagógico.

Se não se permitir que essa raiva reprimida encontre expressão através do Partido Democrata – e os desgraçados à frente do Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês) claramente não aprenderam nada de 2016 – Trump poderia muito bem ganhar outro mandato. Se ele saísse vitorioso, no entanto, não seria o resultado de uma “virada à direita” entre os trabalhadores norte-americanos, mas porque sua audaciosa bola de demolição se mostrou mais capaz de controlar a ira desfocada.

Uma prévia de sua estratégia de campanha foi exibida quando Trump se divertiu arrogantemente no discurso do Estado da União². Parte reality show, parte comício “Make America Great Again“, o presidente exultou e censurou seus rivais na véspera de sua absolvição do impeachment. No entanto, longe da narrativa do “Grande Retorno Americano” promovida por Trump, o que estamos vivendo é o pico do capitalismo norte-americano – e sua classe dominante está se precipitando cegamente no abismo.

Caos em Iowa

No primeiro concurso de indicações do país, vários democratas, incluindo o ex-vice-presidente Joe Biden, South Bend, o prefeito Buttigieg de Indiana, a senadora Elizabeth Warren de Massachusetts e a senadora Amy Klobuchar de Minnesota, estavam todos no ataque contra Bernie Sanders. Biden, que promete um retorno aos anos de Obama, explicou que ele, e não Sanders, era um “verdadeiro democrata”. Buttigieg buscou jogar com suas credenciais juvenis, militares e “moderadas” do meio-oeste. E Klobuchar se aferrou à ilusão de que o que os norte-americanos realmente querem é outro democrata conservador na Casa Branca.

Quanto a Warren – que posa de progressista enquanto rejeita explicitamente o socialismo –, ela sugeriu que, se Sanders ganhasse a indicação, ele não poderia unificar os democratas, enquanto ela sim poderia. Algumas semanas atrás, ela jogou a carta da “identidade política” em uma tentativa óbvia de descarrilar sua campanha. A senadora de Massachusetts, que não endossou Sanders em 2016, claramente pretende dividir a votação de Bernie e enfraquecer o total de seus delegados que entraram na convenção nacional do partido em julho.

E, no entanto, com 97% dos distritos de Iowa informando, o único candidato que se reivindica socialista saiu de um empate estatístico para o primeiro lugar. No momento da redação deste artigo, Pete Buttigieg tinha 26,2% dos delegados e Sanders 26,1%, com o senador de Vermont tendo a leve vantagem de chegar ao topo assim que todos os votos forem computados. Mais significativamente, Sanders foi o vencedor claro até agora nos primeiros votos emitidos, com 42.673 contra os 36.718 de Buttigieg. Ele também ganhou 44.753 votos finais contra os 42.235 de Buttigieg. Se os comitês fossem baseados nos princípios democráticos simples de uma pessoa, um voto, e pela regra da maioria, Sanders teria sido o vencedor. Warren ficou em terceiro lugar e o favorito Biden, em quarto lugar, com Klobuchar em quinto.


No momento em que publicamos esse artigo (6/2), Sanders e Buttigieg (candidato do establishment) estão tecnicamente empatados em Iowa, após um caótico caucus / Foto: Flickr, Matt Johnson

O atraso no resultado claramente rouba o centro da atenção e o impulso que são o verdadeiro prêmio para os vencedores do caucus de Iowa. As manchetes que se viram nos últimos dias eram “Buttigieg na Liderança em Iowa”. Seja por uma trama sinistra para roubar o brilho de Sanders ou não, o efeito é o mesmo. No entanto, estamos a apenas alguns dias das primárias de New Hampshire, e Sanders pode esperar receber outro grande impulso em suas credenciais de elegibilidade. Embora ele e Warren sejam de estados que fazem fronteira com New Hampshire, ele tem a vantagem de ter vencido Hillary Clinton por uma margem de mais de 22% dos votos populares em 2016.

Também inquietante para todos os que buscam desviá-lo do rumo é o fato de que ele ganhou esmagadoramente nos “caucuses satélites” de Iowa. Esses foram concursos de indicação organizados para nascidos em Iowa vivendo fora do estado – desde Phoenix, Arizona, ao caucus em Tbilisi, Georgia. Essa é uma prévia do ânimo entre muitos eleitores fora do coração agrícola tipicamente conservador.

Os caucuses de Iowa deveriam ser o momento estelar de Joe Biden. Para um candidato cujo principal “apelo” era sua suposta capacidade de derrotar Trump, ser pisoteado sem cerimônia em Iowa pode significar a morte de sua campanha. Ele próprio duvidou da integridade do processo em um esforço desesperado para explicar sua exibição menos do que estelar, ficando aquém do limite de 15% necessário para se qualificar para a segunda rodada de votação em muitos locais de votação. Como Biden é considerado por muitos como a “Hillary Clinton de 2020”, pode-se esperar que o DNC se apoie em uma de suas outras opções do tipo “qualquer um menos Bernie” – talvez Pete Buttigieg – para evitar uma repetição ignominiosa de 2016. Mas nunca se deve assumir nada quando se trata da miopia dessas pessoas!

Quanto ao apelo de Bernie, sua campanha baseia-se em pedir o Medicare for All, um salário mínimo federal de US$ 15 por hora, aulas gratuitas em todas as universidades públicas, um “New Deal Verde”, e lutar contra o “establishment” e a “classe bilionária”. Após décadas de estagnação e austeridade para os trabalhadores, reformas básicas como essas ressoam profundamente, especialmente em um país sem um partido de massas da classe trabalhadora. Nenhum candidato possui um número próximo do número de colaboradores que Bernie possui. Mais de 1,4 milhão de pessoas deram dinheiro para sua campanha e ele levantou mais dinheiro do que qualquer outro candidato – com exceção dos bilionários Trump, Steyer e Bloomberg, que financiam amplamente suas próprias campanhas com fortunas feitas através da exploração da classe trabalhadora.

E, no entanto, apesar das apostas anti-Trump, a participação no caucus de Iowa não teve sobressaltos, quase certamente refletindo uma desconfiança profunda do DNC e seu tratamento passado e presente de Bernie. As evidências anedóticas parecem indicar uma falta geral de excitação e participação geral, apesar do entusiasmo de muitos apoiadores de Sanders em particular, e os números também parecem apoiar isso.

Em 2016, 171.517 moradores de Iowa participaram dos caucuses do Partido Democrata e 653.699 votaram nos democratas nas eleições gerais daquele ano. Este ano, houve muitos novos participantes no caucus, mas a participação total do grupo permaneceu praticamente a mesma, em cerca de 173 mil. Embora Bernie tenha se saído bem entre os novos participantes, muitos que votaram nele em 2016 romperam com o Partido Democrata e não apareceram desta vez. Isso é evidenciado pelo fato de que, enquanto Sanders e Clinton empataram em primeiro lugar em 2016, as pesquisas de saída em 2020 sugeriram que apenas 35% dos participantes deste ano haviam sido apoiadores de Bernie da última vez, enquanto ex-apoiadores de Clinton representavam mais de 50%.

Resta saber se essas tendências continuam nos concursos ainda por vir – ou se os ataques intensos a Bernie atraem mais de seus apoiadores. O que é inegável é que milhões de pessoas olham para Sanders e para “The Squad” (quatro mulheres representantes democratas com credenciais de esquerda: Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova York, Ilhan Omar, de Minnesota, Ayanna Pressley, de Massachusetts, e Rashida Tlaib, de Michigan) na esperança de mudar o sistema. Mas também é evidente que muitos duvidam cada vez mais da proposição de que o caminho para uma mudança real passa pelo Partido Democrata. Qualquer que seja o resultado, as eleições de 2020 marcarão uma importante virada na vida política americana. Os socialistas precisam pensar seriamente sobre o caminho a seguir.

Sanders e os democratas

Bernie Sanders é politicamente ativo há décadas e há muito se identifica como socialista. Admirador de Eugene Debs, ele produziu um documentário sobre o grande socialista norte-americano em 1979. Antes de 2016, Sanders não apoiava os democratas e sempre concorreu através de um terceiro partido ou como independente – embora se “reunisse” com os democratas enquanto eleito. E, à véspera de sua primeira campanha presidencial, em setembro de 2014, ele declarou profeticamente: “Qualquer um que fale das necessidades da classe trabalhadora e da classe média deste país e mostre coragem suficiente para enfrentar a classe bilionária – penso que, como candidato, vai se sair muito bem”.

Antes de concorrer como democrata, Sanders considerou uma campanha independente – e foi cinicamente encorajado a fazer isso por ninguém menos que Donald Trump. Por fim, ele decidiu não o fazer e lançou sua sorte junto aos burros³ do DNC. Como se sabe, quando Hillary Clinton “ganhou” a indicação, Sanders terminou a apoiando na eleição geral – embora houvesse muitas dúvidas sobre se ele o faria ou não.

No entanto, neste ano, Sanders sequer considerou uma candidatura independente e declarou mais ou menos de forma inequívoca que apoiaria o candidato democrata, sem importar quem. Supondo que ele não consiga ganhar a indicação – embora possa superar as probabilidades no final – ele está se preparando para desempenhar mais uma vez o papel de “flautista”, canalizando aqueles que buscam uma ruptura com o sistema de volta para os democratas.

Quando os “socialistas” se associam a Pelosi, os trabalhadores não conseguem discernir nenhuma diferença entre eles e seus inimigos / Foto: Flickr, Gage Skidmore

Depois que venceu em New Hampshire há quatro anos, Sanders fez um discurso no qual explicou sua visão do “socialismo democrático”. No fundo, sua visão não é socialismo absolutamente, mas uma variante século 21 do “New Deal” de FDR [Franklin Delano Roosevelt – NdT]. No entanto, o socialismo genuíno envolve uma transformação fundamental das relações sociais e econômicas e não apenas uma mudança do cenário político no topo.

Como exemplo do escopo limitado de sua visão, Sanders parece acreditar que a Dinamarca e a Suécia são “países socialistas”, dados os seus relativamente decentes programas de bem-estar social. Não importa que esses ganhos, conquistados no passado através de uma luta de classes combinada dos trabalhadores, estejam agora sob ataques implacáveis do grande capital. Em outro exemplo crucial, ele não pede que a nacionalização das alavancas chaves da economia seja gerida no interesse público sob o controle democrático dos trabalhadores, mas sim o “desmembramento” dos grandes bancos e monopólios, deixando-os em mãos privadas.

Os socialistas devem ter uma compreensão clara da história. Franklin Delano Roosevelt era um “patrício” norte-americano que liderou os democratas desde 1932 até sua morte em 1945. As reformas keynesianas implementadas durante seu mandato – muitas delas temporárias – foram dadas sob a pressão das grandes lutas da classe trabalhadora que irromperam nos anos 1930. Elas não pretendiam transformar os EUA em uma sociedade socialista, mas precisamente o contrário – salvar o capitalismo. A quantia gasta nos programas sociais foi uma ninharia quando comparada ao gasto militar da 2ª Guerra Mundial – e os super-ricos ganharam muito dinheiro como resultado.

A classe trabalhadora necessita de seu próprio partido político para lutar contra os capitalistas e o Partido Democrata não é esse partido. Nem é democrático nem é um partido em qualquer sentido dessas palavras. Sua “grande tenda” é uma instituição comprada e paga pela e para a classe capitalista, fundida diretamente com o estado capitalista.

Em um partido dos trabalhadores administrado democraticamente, todos os membros teriam o direito de votar. Os sindicatos filiados também receberiam votos baseados em seus membros e argumentaríamos que esses votos deveriam estar sob o controle democrático dos membros dos sindicatos. O processo de seleção de candidatos seria independente do Estado e baseado em um programa acordado coletivamente, pelo qual todos os candidatos seriam obrigados a defender e lutar. Os líderes e candidatos do partido seriam eleitos diretamente pelos membros e sindicatos afiliados, e seriam revogáveis de suas posições a qualquer momento. Compare-se essa visão da política com a máquina geradora de votos dos democratas com muito dinheiro!

As regras do partido que regem a designação dos delegados são claramente contra Bernie. Como exemplo, Michigan em 2016, quando Sanders ganhou mais votos na primária – no entanto, Clinton ganhou mais delegados. E na segunda-feira à noite, no distrito eleitoral 80, em Des Moines, Iowa, Bernie tinha 101 pessoas o apoiando, enquanto o Prefeito Pete tinha apenas 66 – mas ambos terminaram com 4 delegados. E há o Colégio Eleitoral, que dá atribuição preferencial a eleitores presidenciais de estados menores e mais rurais. Como é que tudo isso pode ser “democrático”, mesmo remotamente?

Iowa é apenas um estado. Há mais 49 estados, juntamente com Washington DC, Porto Rico, Guam etc., que também selecionarão delegados. A estratégia dos democratas será certamente a de manter o maior número possível de candidatos na corrida pelo maior tempo possível, a fim de negar a Sanders uma maioria clara na convenção nacional neste verão. Se nenhum candidato ganhar mais de 50% no primeiro turno de votação, o segundo turno incluirá os chamados superdelegados – os chefes do topo do Partido Democrata com poder virtual de veto – quase todos eles opostos a Sanders.

Se Bernie surgir como o principal candidato nas próximas semanas e meses, pode esperar mais ataques – embora isso possa ser contraproducente e levar a um aumento no apoio. O que está claro é que os democratas têm muitos truques que podem utilizar para negar Sanders, incluindo Michael Bloomberg, uma arma mantida na reserva para ser utilizada como democrata ou como independente, se necessário.

Os socialistas também devem considerar o que aconteceria se Sanders ganhasse realmente a indicação e a eleição geral. Seu programa de reformas modestas teria oposição brutal, não só dos republicanos, como também da vasta maioria dos executivos do Partido Democrata. Nesse cenário, Sanders poderia capitular perante o establishment ou revidar. Para efetivamente revidar, ele necessitaria romper com seu próprio partido e mobilizar os trabalhadores numa luta independente de classe, um componente essencial do que seria a construção de um partido socialista de massas. Com essa perspectiva em mente, que sentido faz fomentar ilusões no Partido Democrata como um veículo de mudança transformadora?

Como derrotar Trump: unificando a classe trabalhadora, não os democratas!

Trump fez muitas promessas vazias durante sua campanha de 2016. Lembras-te quando ele disse que faria a economia crescer 4% ou mais ao ano, todos os anos? Ou como ele iria gastar bilhões de dólares em infraestrutura? Ou como desmantelaria o Obamacare, que é odiado por milhões de pessoas, e substituí-lo por algo muito melhor e mais barato?

Foto: Flickr, Dell Deaton

Impedidos pelo DNC de expressar sua frustração através dos democratas, muitos trabalhadores emitiram um voto de protesto em favor de Trump em 2016 – e ficaram tão surpresos quanto todos que ele tenha ganhado realmente. No entanto, apesar de Trump afirmar o contrário, a maioria dos norte-americanos não está em melhores condições do que há quatro anos, e muitos se encontram em situação muito pior. Essa é a razão subjacente à turbulência acelerada na sociedade e na política norte-americana.

Os líderes do Partido Democrata se queixam de que Bernie não poderia unificar o partido se for o seu candidato. Bem que isso pode ser verdade. Mas não deveria preocupar minimamente os socialistas. Não somos adeptos do mal menor para apoiar qualquer um, por mais vil que seja, por puro desespero para derrotar Trump. O caminho para se derrotar Trump é unir a classe trabalhadora, não os democratas! A aliança profana do Partido Democrata, que durante séculos subordinou os interesses da maioria dos trabalhadores aos interesses de um punhado de exploradores, deve ser rompida de uma vez por todas!

Muitos trabalhadores que votaram por Trump em 2016, ou que se abstiveram de votar, estariam abertos a votar por um novo partido da classe trabalhadora – mas nunca por um democrata. Os crimes e traições desse partido estão profundamente arraigados nas mentes de milhões de pessoas – mesmo daqueles que ainda se apegam a ele por falta de uma alternativa. De fato, pesquisas recentes mostram que uma grande maioria de norte-americanos – incluindo 54% de democratas, consideram que um terceiro partido de peso é necessário, e que os dois partidos que atualmente governam o país não expressam adequadamente os seus interesses.

Milhões de norte-americanos de ambos os principais partidos poderiam ganhar um programa independente da classe trabalhadora que lute por reformas significativas fazendo o rico pagar pela crise de seu sistema. Como exemplo, a assistência médica ampliada para todos não necessita ser paga através de impostos adicionais sobre os trabalhadores mais bem pagos – um componente de divisão e muito odiado do Obamacare. Existem recursos na sociedade para proporcionar uma cobertura verdadeiramente universal, bem como educação e moradia de qualidade, empregos universais com salários dignos, redução na semana de trabalho, um programa massivo de emprego para reconstruir a infraestrutura e muito mais. Tudo isso poderia ser pago através da nacionalização de Fortune 500 [as 500 maiores corporações dos EUA – NdT] sob o controle democrático dos trabalhadores.

Os socialistas não devem deixar-se afundar no pântano ou deixar-se confundir com fumaças e espelhos. O caminho a seguir é abrir o caminho para o estabelecimento de um governo dos trabalhadores nos EUA. O primeiro passo desse caminho é a construção de um partido de massas independente dos trabalhadores. Imaginem se Sanders e “The Squad” rompessem com os democratas, mobilizassem seus seguidores e apelassem aos sindicatos para formar um partido socialista de massas! O sistema bipartidário colapsaria como um castelo de cartas e uma nova época de luta de classes se abriria no “ventre da besta”.

Por candidatos socialistas independentes!

Na ausência de uma alternativa política socialista de massas, o que podem os socialistas fazer agora na frente eleitoral? Os Socialistas Democráticos da América (DSA, na sigla em inglês) são a maior organização socialista nos EUA e muitas pessoas buscam ideias e orientação nele e em sua publicação, Jacobin. Alguns de seus membros foram eleitos para cargos políticos, incluindo dois no Congresso e outros estão concorrendo a mandatos em 2020. DSA e Jacobin estão juntos com Sanders como democrata em 2020. Muitos do entorno de Jacobin defendem uma “ruptura suja” com os democratas em algum momento indefinido do futuro. Sua “estratégia” é construir um “caucus” socialista com candidatos eleitos na cédula democrata, a fim de mais tarde produzir uma “ruptura” desordenada do partido, fornecendo assim a base para uma nova formação política.

A Corrente Marxista Internacional está totalmente de acordo com a parte da “ruptura” dessa abordagem – e achamos que isso deve acontecer imediatamente. Quanto à parte “suja”, os problemas com essa estratégia são múltiplos. Em primeiro lugar, isso produz a falsa ideia de que a classe trabalhadora pode defender seus interesses de classe dentro de um partido que é controlado pela classe capitalista. No entanto, podemos estar certos de que a classe dominante dos EUA não abandonará esse partido sem lutar!

Se Sanders e o “The Squad” se separassem dos democratas, mobilizassem seus apoiadores e apelassem aos sindicatos para formar um partido socialista de massa, o sistema de dois partidos cairia como um castelo de cartas / Foto: Flickr, Lorie Shaull

Socialistas autodeclarados que agem como democratas inevitavelmente serão associados a esse partido como um todo. Isso enloda a bandeira do socialismo. Quando esses “socialistas” votam por Nancy Pelosi e outros como ela, os trabalhadores não podem ver nenhuma diferença perceptível entre os socialistas e os inimigos liberais da classe trabalhadora. Como exemplo, no discurso do Estado da União, Pelosi dramaticamente rasgou uma cópia do discurso de Trump em um gesto teatral e superficial de oposição. Mas quando Trump introduziu Juan Guaidó, o fantoche dos EUA e aspirante a ditador da Venezuela, ela jorrou aplausos e aprovação sinceros – revelando os verdadeiros interesses de classe que representa.

A “ruptura suja” também leva os socialistas a diluir seu programa, limitando-o ao que é aceitável aos liberais democratas, a fim de ganhar eleições. Como exemplo, AOC (Alexandria Ocasio-Cortez) deu um passo ousado ao se deparar com a questão da crise climática. Embora o “New Deal Verde” não vá longe o bastante para lidar com as mudanças climáticas, causou um alvoroço e pareceu marcar uma dramática ruptura com a política costumeira. No entanto, foi copatrocinado pelo senador liberal Ed Markey. Em consequência, essa legislação, que já está limitada a soluções favoráveis aos capitalistas, será destituída de qualquer coisa significativa se sair do labirinto de comissões e subcomissões do Congresso – para não mencionar os tribunais capitalistas.

Em vez disso, os socialistas deveriam propor uma legislação que pudesse nacionalizar as 100 empresas que criam mais de 70% das emissões climáticas, para serem administradas sob o controle democrático dos trabalhadores. Isso também seria morto por afogamento no atual Congresso dos EUA. Mas certamente levaria as pessoas a pensar sobre o tipo de medidas realmente necessárias para lidar com essa crise urgente e proporcionar um apelo de mobilização das pessoas nas ruas, nos locais de trabalho e nas urnas.

É por isso que acreditamos que o DSA deveria convocar uma conferência de emergência para rejeitar a política da “ruptura suja”. Todos os socialistas que se candidatarem a cargos, sejam eles postulantes ou titulares, deveriam concorrer de forma independente dos democratas com um programa socialista real que ultrapasse os limites do que é aceitável para o capitalismo. Deveriam receber somente salários de trabalhadores e doar o restante do salário ao movimento. Isso poderia começar imediatamente com as congressistas Tlaib e Ocasio-Cortez. E por último, mas não menos importante, o DSA deveria declarar publicamente que seu apoio a Sanders depende de que ele se afaste dos democratas e os ajude a formar um partido de massas.

Se o DSA fizesse isso, seria um grande passo à frente. Mesmo que Sanders não rompa com os democratas, DSA poderia ajudar a estabelecer as bases para o que, na atual situação, poderia rapidamente se transformar em um veículo de massas para a classe trabalhadora lutar por um governo socialista dos trabalhadores – a única saída para a crise sistêmica do capitalismo.

O caminho para 3 de novembro será longo e tortuoso. É impossível de se prever com antecedência se Sanders pode ou não ganhar a indicação democrata. Enquanto Trump interrompe os oradores e tuita por todos os lados com o apoio público quase unânime de seu partido, os democratas provavelmente se envolverão em uma guerra desgastante de atrito. Como explicamos antes, eles até podem preferir perder em 2020, em vez de ter Sanders como seu indicado ou presidente. E se o iminente colapso econômico ocorrer nos próximos meses, todas as apostas serão canceladas.

Donald J. Trump colocou sua marca indelével na vida norte-americana. Mas a miséria que as pessoas enfrentam nos EUA e em todo o mundo não se deve principalmente às políticas de Trump. É o resultado da crise orgânica do capitalismo e das políticas de todas as administrações capitalistas dos EUA, incluindo Trump e seu predecessor, Barack Obama.

A deterioração e o declínio do sistema excluem quaisquer reformas importantes e duradouras. De fato, uma polarização ainda maior da riqueza está na ordem do dia. E com a mudança climática se acelerando, não é exagero dizer que a humanidade enfrenta uma crise existencial. Para melhorar nossas vidas e para assegurar a sobrevivência de nossa espécie, devemos transformar a sociedade – e não temos todo o tempo do mundo.

As eleições de 2020 ajudarão a acelerar o fim do precário status quo político, que não pode continuar indefinidamente. Muito está acontecendo sob a superfície e os revolucionários não devem sucumbir à impaciência ou à busca de atalhos. Podemos ter a certeza de que quanto mais tempo levar para que esse processo se desenvolva, mais explosivo e dinâmico ele será. Devemos permanecer firmes em nossos princípios de independência de classe, explicar pacientemente a natureza real da política e da sociedade norte-americana e nos prepararmos para o potencial colossal de construção das forças do socialismo revolucionário que se abrirá em futuro não muito distante.

Notas:

¹ Depois de encerrarem as assembleias eleitorais em Iowa, o Partido Democrata de Iowa (IDP) deixou de informar os resultados alegando a necessidade de um “controle de qualidade”. O motivo é que o aplicativo para smartphones que a Shadow Inc. usou para fazer a recontagem se mostrou defeituoso e o IDP se viu obrigado a fazer uma recontagem manual.

² O discurso do Estado da União é o relatório apresentado pelo Presidente dos Estados Unidos na presença do Congresso dos Estados Unidos anualmente, geralmente na forma de um discurso. O discurso não só reporta as condições em que o país se encontra, mas também permite o presidente a apresentar sua proposta legislativa (a qual necessita da cooperação do Congresso) e as prioridades nacionais.

³ Trocadilho com o símbolo do Partido Democrata, o burro.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

ORIGINALMENTE PUBLICADO EM SOCIALISTREVOLUTION.ORG

Deixe Seu Comentário