Foto: Herve Cortinant, Flickr

Eliminação da Covid-19 e o novo normal na Nova Zelândia

Aparentemente, a Nova Zelândia venceu a pandemia da Covid-19 e o governo liderado pelos trabalhistas é o mais popular da história. No entanto, os reformistas no controle ainda pensam que podem administrar o capitalismo indefinidamente. Em vez disso, deveriam estar preparando o terreno para políticas socialistas.

O ministro das Finanças da Nova Zelândia, Grant Robertson, entregou o orçamento em 14 de maio de 2020. Devido à pandemia da Covid-19, o orçamento original teve que ser descartado. O novo orçamento é apelidado de “Reconstruindo juntos” e seu foco principal é o emprego.

O principal item do orçamento, cujo custo supera todos os outros em ordem de magnitude, é o Fundo de Resposta e Recuperação da Covid (CRRF), de US$ 50 bilhões. A maior parte do dinheiro é para salvar as empresas com subsídios salariais e isenção de impostos e lançar uma série de grandes projetos de infraestrutura para criar mais empregos. Cerca de US$ 30 bilhões desse fundo já foram comprometidos. Isso também inclui os custos contínuos associados à manutenção da eliminação da Covid-19 na Nova Zelândia. Todo mundo que entra no país fica hospedado, por 14 dias, em hotéis que foram reaproveitados como instalações de quarentena. As pessoas são testadas duas vezes durante a quarentena – próximo ao início (dia três) e próximo ao final (dia 12) do período de quarentena, antes de serem liberadas para entrar no país adequadamente.

Restam cerca de US$ 20 bilhões no CRRF para investimentos futuros ou para lidar com um novo surto do vírus que poderia forçar outro bloqueio. O risco de um novo surto está sempre presente à medida que a pandemia continua no resto do mundo. Até agora a Covid-19 está sendo detido nas fronteiras. Os únicos casos novos do vírus, desde que ele foi eliminado do país em meados de junho, foram de pessoas, que estão em quarentena, que vieram ao país a partir de pontos críticos como o Reino Unido, os EUA e a Índia. Apesar de alguns erros do governo, em que vários viajantes (incluindo um que testou positivo) conseguiram escapar das instalações de quarentena, nenhum surto comunitário de Covid-19 ocorreu desde o término do bloqueio.

Depois do CRRF, os valores aproximados no orçamento são de US$ 6 bilhões em saúde, US$ 2 bilhões em defesa, US$ 1,6 bilhão em serviços sociais, US$ 1,3 bilhão em transporte e US$ 1 bilhão em educação. Gastos adicionais estão sendo pagos, aumentando a dívida nacional de US$ 58 bilhões (19% do PIB) para US$ 89 bilhões (30% do PIB) no próximo ano. De acordo com as previsões do Tesouro, o governo terá déficits nos próximos cinco anos, com a dívida nacional subindo para mais de US$ 200 bilhões (53% do PIB) até 2024.

Grant Robertson decidiu implementar políticas keynesianas, invocando o primeiro governo trabalhista e dizendo “não sou fã de austeridade“. Com as eleições gerais chegando em setembro, o governo fez questão de destacar seus gastos sociais para fortalecer o apoio. Robertson contrastou explicitamente suas políticas com as do governo trabalhista de 1984, que dizimaram o estado de bem-estar social, bem como com as do governo nacional de 1991, que esmagaram o movimento sindical e implementaram um doloroso programa de austeridade (chamado de “a mãe de todos os orçamentos“).

Apoio ao trabalhismo

O governo conseguiu ampliar seu apoio em camadas da classe média e da pequena burguesia que tradicionalmente votam na direita. Um número significativo de pequenas empresas sobreviveu ao bloqueio, graças ao subsídio salarial e a um esquema de empréstimo do governo com juros baixos, criado recentemente para ajudar pequenas empresas durante a crise da Covid-19. (Aliás, o fato de o governo ter estabelecido esse esquema de empréstimos em primeiro lugar, simplesmente destaca a natureza inútil e parasitária do sistema bancário privado.) Juntamente com a eliminação bem-sucedida da Covid-19 do país, o apoio ao governo liderado pelos trabalhistas está em níveis recordes: 55% de apoio só para o Partido Trabalhista em uma pesquisa recente.

Problemas fundamentais

Um olhar mais atento revela uma imagem menos otimista. Embora os gastos em todos os setores tenham aumentado, apenas parcialmente compensam o subfinanciamento crônico nas últimas décadas. O governo está aumentando a dívida nacional para manter a Nova Zelândia em um padrão de valores temporário. Nenhum dos problemas fundamentais ficará mais próximo de uma solução. Apenas 8 mil novas casas estatais serão construídas no país nos próximos 4-5 anos, o que dificilmente afetará a escassez crônica de moradias e a lista de espera das casas estatais. O desemprego aumentará, pois os novos projetos de infraestrutura do governo não serão suficientes para cobrir a perda de empregos em turismo e hospitalidade. Quando os subsídios salariais acabarem, um grande número de pessoas será forçado a receber o subsídio de desemprego.

Existem também milhares de trabalhadores migrantes em situação ainda pior. Os trabalhadores com visto temporário não são elegíveis para o subsídio de desemprego. Muitos deles foram abandonados no país após o término de seus contratos e passaram a depender da caridade ou queimaram suas poupanças. Além disso, mais de 60 mil trabalhadores migrantes estão detidos no exterior, já que cidadãos e residentes permanentes têm prioridade para entrar no país. Devido à capacidade das instalações de quarentena, apenas 250 pessoas podem entrar no país por dia.

Gerenciando o capitalismo

Aumentos nos gastos sociais, embora inadequados, ainda são melhores do que cortes e austeridade no atacado. O baixo nível atual da dívida coloca a economia da Nova Zelândia em uma posição melhor do que muitos outros países para realizar políticas keynesianas.

A dívida pode se acumular muito mais rápido do que o esperado. A chamada estratégia fiscal do governo, liderada pelos trabalhistas, baseia-se na previsão do FMI, em abril de 2020, de uma recuperação em forma de V da economia mundial em 2021-22 – em outras palavras, em ilusões. Prevê-se que a economia da Nova Zelândia se contraia em 4% em 2020 e um por cento em 2021, e depois se recupere, em 2022, com uma taxa de crescimento (extremamente otimista) de 8%. Mas, como apontou o Tesouro, “a natureza da crise e os desafios em prever a profundidade e a duração da pandemia da Covid-19 significam que as perspectivas econômicas são altamente incertas …“.

Ainda assim, o governo liderado pelos trabalhistas tem ilusões em gerenciar com êxito o capitalismo. A dívida nacional é baixa em comparação com outros países, e vencemos a pandemia. Como parte de sua campanha eleitoral, o Partido Trabalhista está reforçando suas ilusões reformistas entre a massa da classe trabalhadora. Na superfície, as coisas voltaram ao normal.

Embora estejamos em uma posição melhor do que os EUA, Reino Unido e outros países atingidos pela Covid-19, a crise econômica já está atingindo o país. No mês passado, houve centenas de demissões em grandes empresas, como a Air New Zealand e o Fletcher Building. A Rio Tinto anunciou recentemente o fechamento da fundição de alumínio Tiwai Point.

Grant Robertson pode ter oficialmente fechado a porta à austeridade, mas ela está entrando pela janela. Os orçamentos da austeridade estão sendo implementados no nível do governo local, para compensar a perda de receita. Por exemplo, a receita da Prefeitura de Auckland a partir de suas participações no aeroporto, porto e transporte público foi drasticamente reduzida devido ao fechamento da fronteira e ao bloqueio realizado para conter o vírus. O Conselho de Auckland, sob o prefeito Phil Goff (ex-líder trabalhista de direita), cortará fundos para programas comunitários, manutenção de estradas e caminhos, reduzirá o horário de funcionamento de instalações comunitárias, como bibliotecas, e cancelará subsídios de tarifa de transporte público para crianças.

Políticas socialistas

Dada a política atual dos trabalhistas, os marxistas fariam algo diferente? No que diz respeito à pandemia, as políticas seriam basicamente as mesmas: fechar o país para eliminar o vírus, assegurando ao mesmo tempo a disponibilidade de recursos estatais adequados para apoiar a classe trabalhadora. Mas não faríamos distinção entre cidadãos e trabalhadores migrantes. Também entendemos que a crise econômica provocada pela pandemia é uma crise do sistema capitalista em escala mundial que vem se desenvolvendo há algum tempo: a Covid-19 não é a causa, mas um gatilho. Uma liderança marxista educaria a classe trabalhadora sobre a necessidade do socialismo. As medidas atuais são temporárias; a única maneira de resolver a crise econômica é desapropriar as alavancas dominantes da economia e planejar a economia sob uma democracia operária.

O programa econômico keynesiano do governo não é suficiente para escapar das regras do capitalismo Foto: TEU, Flickr

A pandemia evidenciou a podridão do sistema atual em escala mundial. Os patrões deixaram o vírus invadir locais de trabalho sem levar em consideração a segurança dos trabalhadores. Os bancos privados continuam cobrando juros sobre empréstimos e hipotecas durante a crise, enquanto as pessoas perdem seus empregos. A preocupação com o futuro está forçando as pessoas a refletir e tentar entender os eventos atuais.

Este não é o momento de sossegar as massas com uma falsa sensação de segurança, mas de prepará-las para as tarefas futuras. De fato, na Nova Zelândia, a atual situação objetiva é muito favorável. Atualmente, nosso governo é um dos mais populares da história e dois meses de confinamento deram às massas uma experiência valiosa de ação coletiva disciplinada sob uma liderança política com visão de futuro. Uma campanha sistemática pelo socialismo, realizada pelos líderes trabalhistas e pelo movimento sindical durante o próximo mandato, aumentaria rapidamente o nível subjetivo. Dada a atual fraqueza da direita, o país entraria em uma situação pré-revolucionária em termos extremamente favoráveis ​​para a classe trabalhadora.

Mas, como a atual liderança do Partido Trabalhista e dos sindicatos é dominada pelo reformismo, a atual posição vantajosa provavelmente será perdida ao fazer concessões ao capitalismo. Isso só piorará os problemas econômicos e desacreditará os líderes trabalhistas. O governo trabalhista após a eleição será um governo de crise.

Sem volta ao normal

A normalidade é uma ilusão temporária que será destruída no devido tempo. Durante duas semanas em junho, o país não teve nenhum caso do vírus. Parecia que tínhamos vencido a Covid-19 de uma vez por todas. No entanto, como a Nova Zelândia ainda está conectada ao resto do mundo, mais e mais casos começaram a ser detectados na fronteira, lembrando-nos que a pandemia está longe de terminar.

Da mesma forma, a Nova Zelândia não está isolada da economia global. Atualmente, o governo liderado pelos trabalhistas está gastando mais dinheiro, mas é provável que os gastos sequem à medida que a crise continue em escala mundial. Em seu lugar, a classe dominante exigirá austeridade. A luta de classes estará na agenda à medida que a classe trabalhadora se mover para se defender. O padrão atual de espera está simplesmente nos dando algum tempo para nos preparar.

Por outro lado, os comentaristas burgueses e os políticos do Partido Nacional da oposição também estão se preparando. Alguns comentaristas estão tentando reabilitar os fantasmas do governo trabalhista de 1984 e do governo nacional de 1991. Isto é mais fácil dizer do que fazer. A dor daqueles anos lança uma longa sombra sobre o presente. Para piorar a situação da classe dominante, o apoio ao Partido Nacional caiu para cerca de 30%, pois o partido se envolveu em várias crises.

Os eventos nos últimos meses contrastaram as políticas de diferentes países e destacaram a diferença entre boa e má liderança em resposta à pandemia da Covid-19. A qualidade da liderança é literalmente uma questão de vida ou morte para milhares de pessoas. O mesmo acontecerá com a próxima crise social e econômica.

Portanto, todo trabalhador com consciência de classe deve perceber a importância de construir uma liderança que esteja à altura da tarefa. Tal liderança precisará entender os eventos de um ponto de vista dialético e marxista, a fim de levar a classe trabalhadora à transformação socialista da sociedade. As condições políticas para construir essa liderança na Nova Zelândia e no mundo são altamente favoráveis.

Junte-se ao Socialist Appeal na Nova Zelândia!

Junte-se à CMI!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário