Dinamite nas fundações: Alan Woods sobre a crise do capitalismo mundial

Em uma reunião dos principais membros da Corrente Marxista Internacional (CMI) no final de janeiro, Alan Woods (editor de marxist.com) forneceu uma visão geral dos acontecimentos dramáticos que se desenrolaram no início de 2021. A crise do capitalismo mundial está causando rupturas, deslocamentos e polarização de classes em um país após o outro.

A pandemia Covid-19 continua a infligir miséria e privações às pessoas comuns, enquanto os ricos se enriquecem ainda mais. A classe dominante está injetando trilhões no sistema para mantê-lo à tona, mas mesmo que haja recuperações de curto prazo, isso garantirá um colapso ainda mais profundo.

O novo ano mal começava e uma multidão de extrema direita invadiu o edifício do Capitólio dos EUA em Washington a pedido do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, transformando o centro do imperialismo ocidental na imagem de um estado falido. Esses eventos, juntamente com os protestos muito maiores do Black Lives Matter (BLM) no verão passado, mostram o quão profunda se tornou a polarização da sociedade norte-americana.

Em outros lugares, grandes protestos na Índia e na Rússia demonstram o mesmo processo: o ressentimento das massas está crescendo, e a classe dominante está falhando em governar da maneira antiga. Como Alan explica, todos os caminhos levam a uma explosão sem precedentes da luta de classes no cenário mundial.

Neste contexto, a tarefa dos marxistas é apresentar uma alternativa socialista revolucionária aos milhões de trabalhadores e jovens radicalizados que testemunham com seus próprios olhos o fracasso total do capitalismo em proporcionar-lhes uma existência decente.

Leia abaixo a transcrição do vídeo:

Essas perspectivas de mundo são diferentes de qualquer outra sobre a qual já falei, como uma nuvem negra pairando sobre a situação, a partir desta pandemia sem paralelo, sujeitando milhões à miséria e à morte. Existem quase 100 milhões de casos em todo o mundo e mais de 2 milhões de mortes.

Esses números não têm precedentes fora de uma terrível guerra mundial.

A situação é especialmente ruim nos países pobres, na África, Ásia, América Latina; mas também afeta alguns dos países mais ricos. Nos EUA, há mais de 25 milhões de casos, e o número de mortes está avançando inexoravelmente para meio milhão. Moro em Londres, onde a Grã-Bretanha tem o pior número de mortes per capita: 3,5 milhões de casos, e eles acabaram de admitir oficialmente mais de 100.000 mortes.

Em outras palavras, a crise atual não é como uma crise econômica comum. Esta é uma situação, literalmente, de vida ou morte para milhões de pessoas. O ponto de partida de nossa análise é que o capitalismo não pode resolver o problema: ele mesmo é o problema.

Este terrível flagelo serve para expor as profundas divisões entre ricos e pobres. Ele expôs as profundas linhas de falha que dividem a sociedade. Entre aqueles que estão condenados a adoecer e morrer e aqueles que não estão.

Ele expôs o desperdício do capitalismo, seu caos e ineficiência, e está preparando a luta de classes em todos os países do mundo. Os governos gostam de analogias militares ao descrever a situação atual. Dizem que estamos em guerra com um inimigo invisível, esse vírus terrível. A solução deles é que todas as classes e partidos devem se unir – por trás do governo existente.

Sim, mas um enorme abismo separa as palavras das ações. Esse abismo está entre as necessidades urgentes da sociedade e os mecanismos da economia de mercado. Se estivéssemos realmente em guerra com o vírus, todos os governos deveriam mobilizar todos os seus recursos para uma única tarefa: mobilizar-se para um plano de ação global.

A questão de uma economia planejada, do internacionalismo e do planejamento internacional é incontestável. Apesar das idéias de Trump, o vírus não respeita fronteiras ou controles de fronteira.

De um ponto de vista puramente racional, alguém poderia pensar que a resposta seria aumentar a produção de vacinas. Em vez disso, temos o espetáculo repugnante da disputa entre a Grã-Bretanha e a União Europeia por causa da escassez de vacinas, enquanto aos países mais pobres é, praticamente, negado o acesso a qualquer vacina.

Surge a pergunta: por que existe uma escassez de vacinas? A capacidade de produção precisa ser expandida com a instalação de novas fábricas. Por que isso não é feito? Pela simples razão de que as grandes empresas farmacêuticas não têm interesse em expandir maciçamente a produção, porque ficariam em situação pior. Se eles aumentassem a capacidade de produção, de modo que todo o mundo fosse abastecido em seis meses, o que é perfeitamente possível, as fábricas recém-construídas ficariam vazias imediatamente depois – pensem nisso!

Os lucros seriam, portanto, muito mais baixos do que na situação atual, em que as fábricas existentes podem produzir dentro de sua capacidade nos próximos anos. O que significa que as empresas farmacêuticas obtêm grandes lucros e, claro, com problemas constantes de produção e abastecimento. Isso significa escassez em todos os lugares, com milhões de doses não utilizadas e milhões morrendo como resultado.

Por outro lado, a classe capitalista de todos os países pressiona para que as pessoas voltem ao trabalho, para que a produção seja reiniciada.

Os trabalhadores são forçados a voltar para locais de trabalho lotados, sem meios adequados de proteção, e isso equivale a condenar muitos trabalhadores e suas famílias à morte.

Por outro lado, a crise econômica é a mais severa em 300 anos, afirmam. Apenas entre abril e junho do ano passado, 400 milhões de empregos foram perdidos em todo o mundo. Se você considerar apenas o turismo, que é importante para muitos países pobres, 120 milhões de empregos serão eliminados, eles preveem. As chamadas economias emergentes estão sendo arrastadas para baixo com as demais. Índia, Brasil, Rússia, Turquia estão todos em crise. A economia da Coreia do Sul afundou no ano passado pela primeira vez em 22 anos. Apesar dos subsídios estatais no valor de cerca de US $ 283 bilhões.

Não dedicarei muito tempo à economia, embora o faça mais tarde, se tiver tempo. Do ponto de vista marxista, o estudo da economia não é uma questão abstrata, não é uma questão acadêmica. Mas isso tem um efeito profundo no desenvolvimento da consciência de todas as classes, esse é o ponto. A principal coisa que notamos em todos os lugares agora é uma crise, não apenas de governos, uma crise política, mas uma crise do regime. Particularmente, na Europa e nos EUA, eu diria.

Há indícios claros de que a crise é tão severa, tão profunda, que a classe dominante está perdendo o controle dos instrumentos tradicionais que usava no passado para governar a sociedade; e os políticos burgueses perderam totalmente o controle.

A começar pelos EUA, o país mais rico e poderoso, a crise econômica mundial atingiu fortemente os EUA. 40 milhões de americanos pediram auxílio-desemprego durante a pandemia, pois sempre são os mais pobres os que mais sofrem, e os jovens. Um quarto dos menores de 25 anos perdeu o trabalho. Isso, sem dúvida, causou sérios alarmes nos círculos da classe dominante nos EUA.

O Estado não deveria desempenhar qualquer papel na vida econômica; lembram-se desta teoria? Mas, alarmada com o perigo imposto pela situação, a classe dominante foi obrigada a tomar medidas emergenciais. Eles abandonaram todas as velhas teorias de que o Estado não deve interferir na economia, e agora em todos os países, começando pelos EUA, a chamada economia de mercado livre, o capitalismo, está realmente em uma unidade de terapia intensiva, como um paciente com coronavírus. Só sobrevive por causa dos apoios do Estado.

A maior parte desse dinheiro foi direto para o bolso dos ricos. Mas, inicialmente, teve o efeito de amortecer os efeitos da crise nas camadas mais pobres. Agora esses apoios estão sendo retirados. E temos, como resultado, a pobreza mais terrível no país mais rico do mundo.

Apresentei os números em um artigo recente que escrevi. Estatísticas horríveis. As famílias norte-americanas agora, muitas delas, não têm dinheiro suficiente para colocar comida na mesa. Os bancos de alimentos estão proliferando e milhões estão afundando na mais terrível pobreza. Muitos estão ameaçados de perder suas casas, porque não podem pagar o aluguel.

Em outras palavras, o abismo entre ricos e pobres se transformou em um abismo intransponível.

E isso tem um efeito. Toda essa demagogia sobre o interesse nacional, de que devemos lutar juntos, de que estamos todos no mesmo barco, etc. Bem, deixemos as coisas claras. As massas estão preparadas para fazer sacrifícios sob certas circunstâncias. Em tempo de guerra, as pessoas estão preparadas para se unir para lutar contra um inimigo comum, isso é verdade. Elas estão preparadas, por um período pelo menos, para aceitar padrões de vida mais baixos; e também restrições aos direitos democráticos, até certo ponto, por um período.

Mas a existência de uma desigualdade sem precedentes, as riquezas escandalosas acumuladas pelos ricos… Enquanto, por exemplo, o FMI estima que cerca de 90 milhões de pessoas cairão abaixo do nível de US $ 1,90 por dia: o limiar da privação extrema.

No entanto, em 2020, a riqueza total dos bilionários cresceu US $ 1,9 trilhão. Isso durante a pandemia, durante a crise. O exemplo de Jeff Bezos se destaca. Ele agora ganha mais por segundo do que um trabalhador americano típico ganha em uma semana.

O abismo que separa os que têm dos que não têm se ampliou até um abismo intransponível, como já disse. E isso está aprofundando a polarização social e política. Este é o ponto. Isso está criando um clima explosivo de raiva na sociedade. Para onde quer que você olhe, em todos os países, há um ódio ardente contra os ricos e poderosos: os banqueiros, Wall Street e o sistema em geral.

Esse ódio foi habilmente canalizado pelo demagogo de direita Donald Trump. E isso tem horrorizado os representantes sérios do capital. Eles acertadamente viam Donald Trump como uma ameaça, porque ele estava deliberadamente dinamitando a base do consenso, de todas as políticas centrais que eles construíram meticulosamente durante décadas.

A classe dominante está desesperada para evitar essa polarização e reconstruir o centro. Mas todas as condições objetivas militam contra o seu êxito. E os acontecimentos de 6 de janeiro são uma demonstração notável disso. Agora eles estão dizendo que foi uma insurreição, eles estão tentando comprometer Trump, que é acusado de organizar uma insurreição. Se foi uma tentativa de insurreição, foi muito pobre! Mais do que isso, foi uma grande bagunça. Mesmo assim, foi perigoso para a classe dominante e claramente expôs profundas fissuras no próprio Estado.

Os acontecimentos de 6 de janeiro em Washington indicam que a polarização da sociedade atingiu um ponto insuportável, um ponto de ruptura. As instituições da democracia burguesa estão sendo testadas até o ponto da destruição. É uma crise do regime, não uma crise política normal. Apesar de uma posterior enxurrada de hostilidade da mídia, 45% dos republicanos registrados pensavam que a tomada do Capitólio fosse justificada. Você está falando de milhões de pessoas! Isso é bastante significativo, mas mais significativo é o fato de que 54% de todos os americanos pensaram que o incêndio da delegacia de polícia de Minneapolis foi justificado. E não podemos esquecer que 10% da população dos Estados Unidos participaram dos protestos BLM, o que é muitas vezes mais do que aqueles que invadiram o Capitólio.

O movimento espontâneo que varreu o país após o assassinato de George Floyd e os eventos sem precedentes que se seguiram às eleições nos Estados Unidos, se considerados em conjunto, representam uma virada em toda a situação. Claro, o movimento é confuso, para dizer o mínimo. Tem alguns elementos reacionários, mas não é apenas uma maré negra de reação. Essa é uma bobagem dos observadores liberais que não entendem nada.

Os marxistas devem ser capazes de determinar o que é progressista do que é reacionário. Devemos entender que aqui, em embrião, temos desenvolvimentos revolucionários futuros. Os estúpidos liberais não entendem nada, gritam sobre o fascismo, do qual nada sabem. Citarei mais tarde um artigo muito perspicaz que mostra que os burgueses clarividentes entendem o que entendemos: em toda parte, em cada país, abaixo da superfície, há um clima de raiva e ressentimento contra a ordem estabelecida. Esse sentimento se expressa no colapso da confiança nas instituições oficiais, nos partidos, nos governos, nos líderes políticos, banqueiros, pessoas ricas, na polícia, no judiciário, nas leis existentes, na tradição, na religião, na moralidade do sistema existente.

As pessoas não acreditam mais no que dizem os jornais e a TV; elas comparam a enorme diferença entre o que é dito e o que acontece e percebem que está sendo vendido um monte de mentiras. Nem sempre foi assim. No passado, a maioria das pessoas não prestava muita atenção à política, o que vale também para os trabalhadores. As conversas nos locais de trabalho geralmente eram sobre futebol, filmes, programas de televisão. A política raramente era mencionada, exceto talvez na época das eleições.

Agora, tudo isso mudou. As massas estão começando a se interessar pela política, porque estão começando a perceber que isso afeta diretamente suas vidas e as vidas de suas famílias. Isso por si só é um reflexo de um estado de ânimo revolucionário. As instituições da democracia burguesa baseavam-se no pressuposto de que o abismo entre ricos e pobres poderia ser disfarçado e contido dentro de limites administráveis. Mas este não é mais o caso. Essa é precisamente a razão do colapso do centro político.

É verdade que, por causa da completa falência dos reformistas, incluindo os reformistas de esquerda, esse clima foi capitalizado por demagogos de direita, os chamados populistas. Claro, a natureza abomina o vácuo. Isso está sendo interpretado pelos estúpidos liberais e reformistas como fascismo. Mas os estrategistas do capital o entendem, muito claramente.

Na época do Natal, o Financial Times (FT) publicou um artigo, assinado pelo conselho editorial, que mostrava uma avaliação bem diferente do processo e para onde ele iria. Com vossa permissão, citarei algumas linhas:

“Grupos deixados para trás pela mudança econômica estão cada vez mais concluindo que os responsáveis não se importam com sua situação.”

É verdade, essas pessoas – apoiadoras de Trump – quando são entrevistadas dizem “Washington não se importa conosco! Nós somos as pessoas esquecidas!”

O artigo continua …

“[Ou] o que é pior, manipularam a economia para o seu próprio benefício contra aqueles que estão marginalizados. De forma lenta, mas segura, isso está colocando o capitalismo e a democracia em rota de colisão um com o outro. Desde a crise financeira global, este sentimento de traição alimentou uma reação política contra a globalização e as instituições da democracia liberal… [esta é a parte fascinante!] “O populismo de direita pode prosperar com esta reação, deixando os mercados capitalistas no lugar. [E este é o ponto] (…) “Mas como o populismo não pode cumprir suas promessas aos economicamente frustrados, é apenas uma questão de tempo até que os forcados saiam para o próprio capitalismo… e para a riqueza daqueles que se beneficiam dele.”

Bem, isso é conversa séria, não é? Mostra uma compreensão perfeita da dinâmica da luta de classes. Como o chamado populismo de direita pode ser apenas o primeiro estágio antes de uma explosão revolucionária. Eles entendem isso perfeitamente bem. Até a linguagem é significativa. Armar-se com forcados sugere uma analogia com a Revolução Francesa, ou com a Revolta dos Camponeses de 1381, quando os camponeses tomaram Londres. Essa tremenda volatilidade pode ser observada em muitos países, senão em todos os países.

Vimos isso recentemente na Rússia, onde o retorno de Navalny foi o sinal para uma explosão de protestos em Moscou e outras 110 cidades. Lugares como Vladivostokin, nas províncias. O que isso representa? Ainda não é a Revolução Russa, é verdade. Também são manifestações muito heterogêneas, muita gente de classe média, intelectuais, liberais – mas também um número crescente de trabalhadores. Mas essas foram grandes manifestações no contexto russo. Devem ser consideradas no contexto da queda dos padrões de vida. Entre 2013 e 2018, antes da pandemia, o crescimento econômico anual foi de 0,7%, basicamente estagnado. No final do ano passado, se viu um crescimento negativo de cerca de 5%.

Putin no passado podia se orgulhar de algum sucesso no campo econômico, mas não mais. O desemprego está crescendo rapidamente e muitas famílias estão perdendo suas casas. Portanto, a questão de Navalny é apenas um elemento a mais nesta situação. Tudo indica também que o apoio de Putin está entrando em colapso. Dois dias após sua prisão, Navalny divulgou um vídeo muito interessante, visto por milhões, expondo a corrupção pessoal de Putin, mostrando que ele construiu um grande palácio no Mar Negro, e tudo isso está criando um clima explosivo. Como eu disse, a Rússia ainda não está em uma situação pré-revolucionária, mas os eventos estão acontecendo muito rápido agora.

Agora, do outro lado do mundo, na Índia, enquanto falo, vemos eventos que equivalem a um movimento insurrecional: dos fazendeiros, que organizaram uma marcha de trator para Delhi em 26 de janeiro, há alguns dias, no Dia da República, quando Modi estava comemorando com um grande desfile militar. Foi impressionante ver isso na TV, surpreendente ver milhares de fazendeiros lutando com a polícia para chegar ao Forte Vermelho, lutando com policiais fortemente armados, sendo agredidos e espancados. Modi foi claramente abalado por essa revolta, que deu uma ideia da fúria reprimida das massas.

Mas a fraqueza do movimento na Índia é a ausência de uma resposta séria da poderosa classe trabalhadora indiana.

A luta dos agricultores teve um impacto poderoso nas fábricas, mas os poderosos líderes sindicais stalinistas estão tentando freá-la. Agora o fogo está no traseiro deles, agora eles estão falando sobre uma greve geral de quatro dias, o que é significativo. No passado, eles tentaram cansar os trabalhadores, como fizeram na Grécia, convocando uma série de greves gerais de um dia. Este é um truque para dissipar o vapor e evitar um movimento generalizado.

Anteriormente, estávamos discutindo no SI sobre os slogans propostos por camaradas no Paquistão e na Índia para uma greve geral: espero ter tempo para lidar com isso mais tarde.

Não vou demorar muito nas perspectivas para a administração Biden, mas claramente Wall Street está depositando todas as suas esperanças na administração e nos esforços de vacinação, mas Biden presidirá uma nação dividida e em declínio. Suas tentativas de encontrar uma saída apenas aumentarão a dívida do sistema, o que preparará uma crise maior no futuro.

Não tenho muito tempo para lidar com a China, mas a China é a única grande potência econômica que teve algum tipo de crescimento positivo. Isso porque o Estado chinês interveio decisivamente para neutralizar a pandemia e a crise econômica. Uma espécie de capitalismo de estado, se você quiser usar essa expressão. E para sermos justos, tem dado resultados até agora.

É verdade que o crescimento da China é de cerca de 2 por cento, o que é muito ruim a partir da perspectiva chinesa, mas agora eles estão prevendo um crescimento de 8% para este ano. Se isso for verdade, a China terá um desempenho superior ao do resto do mundo. Mas esse êxito será sua ruína. Este crescimento econômico é baseado excessivamente nas exportações. A China está intervindo de forma agressiva no mercado mundial e terá que intervir de forma ainda mais agressiva. Isso inevitavelmente significará tensões entre a China e os EUA, que veem a China como o principal perigo – não apenas Trump, mas Biden também, concordam os democratas.

Antes, a China era uma grande parte da solução para o capitalismo mundial, agora é uma grande parte do problema. E o conflito particular entre os EUA e a China ameaça provocar uma guerra comercial ainda mais séria, que é a maior ameaça possível que existe para o capitalismo mundial, porque foi o crescimento do comércio mundial o que explica o desenvolvimento do capitalismo no último período. A chamada globalização. É claro que isso se transformará em seu oposto, com resultados muito negativos para o capitalismo.

Isso, por sua vez, terá um efeito dentro da China. Já houve fechamentos de fábricas e desemprego, que foram dissimulados, mas existem. Isso explica a razão de Xi Jinping reprimir Hong Kong. Esta não foi uma expressão de força, mas de medo e fraqueza. A classe dominante chinesa temia que esse tipo de movimento se espalhasse para o continente, e isso acontecerá, já que a noite segue o dia. Como uma Internacional, devemos estar preparados para grandes eventos na China, que vão acontecer quando ninguém esperar, visto que é um regime totalitário e não sabemos o que está acontecendo por lá. Embora o Estado chinês possa suprimir um pequeno estado como Hong Kong, não será tão fácil controlar 100 Hong Kongs na China continental. Portanto, devemos acompanhar a situação na China com cuidado.

Não tenho tempo para discutir extensamente a economia. Mas é importante sublinhar o que disse anteriormente: quando a burguesia se deparar com a perda de tudo, recorrerá aos métodos mais extremos para defender o seu sistema. Em todos os lugares agora, eles abandonaram seus velhos argumentos sobre o mercado e optaram pelo keynesianismo. Eles cambalearam como um homem bêbado de um poste para outro.

Agora dependem, quase exclusivamente, das doações do Estado. Ted Grant costumava descrever o keynesianismo como economia vodu, acho que é uma descrição justa. A ideia de que o Estado tem fundos ilimitados não faz sentido. Essa é realmente uma política desesperada que eles adotaram em todos os lugares, e isso levou a dívidas astronômicas e impensáveis. Este é o maior perigo que o sistema capitalista enfrenta neste momento.

Eu tenho os números aqui, vamos produzir isso em um documento mais tarde. Mas, mais cedo ou mais tarde, essas dívidas serão cobradas. Há uma bomba-relógio da dívida, que agora está embutida nas bases da economia. No longo prazo, os efeitos serão mais devastadores do que qualquer bomba terrorista. Mas, no curto prazo, eles estão muito felizes em continuar com isso. E até publicam artigos prevendo uma recuperação segura.

Agora, como pessoas sérias, devemos considerar esses argumentos com seriedade. É possível algum tipo de recuperação? Bem, em primeiro lugar, devemos entender que as previsões econômicas do FMI e do Banco Mundial devem ser tomadas com uma pitada de sal. Em primeiro lugar, a crise atual é diferente das crises do passado porque está inseparavelmente enredada à pandemia do coronavírus, e ninguém pode prever com algum grau de certeza quanto tempo isso vai durar. Por isso, as previsões dos economistas não podem ser consideradas mais do que mera conjectura. A única certeza é que todos os principais indicadores estão apontando para baixo, isso está claro.

Mas isso significa que algum tipo de recuperação está completamente descartado? Não, não se pode tirar essa conclusão. Na verdade, a certa altura, algum tipo de recuperação é inevitável. O sistema capitalista sempre se moveu entre altas e baixas. Mais cedo ou mais tarde, eles encontrarão uma maneira de sair dessa também. Mas temos que olhar para o tipo de recuperação de que estamos falando. Estamos falando sobre o início de um longo período de crescimento e prosperidade, ou apenas um interlúdio temporário entre uma crise e outra?

O prognóstico mais otimista se baseia na existência, pelo menos nos países capitalistas avançados, do que eles chamam de “demanda reprimida”. Muitos estão enfrentando um empobrecimento genuíno, mas também há milhões de famílias em melhor situação que agora têm dinheiro para gastar – isso é um fato. No final da pandemia, eles estarão ansiosos para gastar em restaurantes, bares, férias no exterior etc. Isso pode significar um aumento imediato na economia após a pandemia, que não está descartado, junto com novas e enormes injeções de dinheiro do Estado.

Agora sejamos claros: às vezes os camaradas têm uma ideia muito dicotômica sobre esta questão. Do nosso ponto de vista, uma recuperação temporária não seria uma coisa ruim. A pandemia e o consequente aumento do desemprego chocaram a classe trabalhadora e a levou a uma certa paralisia, isso é fato. Mas mesmo uma recuperação modesta e pequena da atividade econômica, uma ligeira queda no desemprego, teria o efeito imediato de reativar a luta econômica, na medida em que os trabalhadores lutam para recuperar tudo o que perderam no período anterior.

E vamos ser absolutamente claros sobre isso. Essa recuperação seria temporária e extremamente instável, porque é artificial e doentia. Ela conteria em si as sementes de sua própria destruição. E quanto mais alto subir, mais severa será a queda.

Mas, como disse antes, de nosso ponto de vista, a questão da economia só interessa na medida em que afeta a consciência das massas. E aqui devo confessar que me sinto um pouco desconfortável com a maneira como alguns camaradas colocam a questão das perspectivas. Parece-me um pouco mecânico. Um camarada escreve um artigo, faz uma lista de estatísticas muito interessantes sobre fome, miséria, desemprego etc., e então imediatamente conclui: o capitalismo acabou, viva a revolução socialista!

Camaradas, as coisas não são tão simples assim, receio dizer; e, de uma perspectiva dialética, esse método é bastante questionável. Você não introduz conclusões em uma situação, não pode assumir o que não está provado. Não presuma que as pessoas que leem esses artigos concordam com o que defendemos. As conclusões devem fluir da análise, e deve ser uma análise séria.

Não é difícil descrever a crise do capitalismo. O que não é tão fácil, e o que temos que estabelecer, é explicar como você vai de A para B. E isso precisa ser explicado. O principal problema é a ausência do fator subjetivo. A crise é um fato, e o fato é que os trabalhadores estão aprendendo, mas leva tempo – é um processo de aprendizagem. E as massas não irão tirar as mesmas conclusões que tiramos, por razões teóricas, anos atrás. As massas só podem aprender com uma coisa, que é a experiência. Como Lenin costumava dizer: “A vida ensina”.

Mas aprender com o grande livro da experiência é um processo lento e doloroso. Seria muito mais rápido se existisse um partido revolucionário de massas como os bolcheviques. Uma organização com número suficiente para estar presente e com autoridade suficiente para ser ouvida pelos trabalhadores.

Lenin citou Hegel, disse que a verdade é sempre concreta. Às vezes, os marxistas mais eruditos se esquecem disso. Camaradas, devemos mostrar concretamente como passar de A para B, de B para C e de D para E. Para tanto, devemos criar uma série adequada de demandas transitórias que protejam a saúde e o sustento dos trabalhadores e coloquem o fardo da crise nas costas dos patrões. Devemos apresentar demandas adequadas, não apenas para os trabalhadores da saúde e dos serviços de linha de frente, mas para todos os trabalhadores, pagos pelos empregadores. Se os patrões disserem que não podemos pagar por essas coisas, que abram os livros e exponham as enormes quantias de dinheiro que esconderam e as enormes injeções de dinheiro que receberam do Estado!

É somente por meio do fracasso dos patrões em atender a essas demandas que os trabalhadores verão a necessidade de uma transformação da sociedade.

O principal problema é de liderança. O humor raivoso das massas não consegue encontrar uma expressão nas principais camadas da classe. Os líderes sindicais estão segurando o movimento. Mas, com ou sem eles, os trabalhadores encontrarão uma maneira de se expressar. Na Itália, não há partido de massa dos trabalhadores, mas o humor dos trabalhadores fica mais irritado e impaciente a cada dia. Os repetidos fracassos do governo estão inevitavelmente levando a uma explosão da luta de classes.

Esse sentimento não está se expressando no parlamento, mas nas ruas. Novas camadas estão sendo atraídas para a luta. Vimos isso na França com os gilets jaunes, vimos isso na Índia com os fazendeiros e, de uma forma peculiar, vimos isso na invasão do Capitólio.

Quais seriam os slogans apropriados agora na Índia? Falando objetivamente, existem todas as condições para uma greve geral total. O problema é que os líderes stalinistas, como sempre, estão arrastando os pés. Eles são irremediavelmente corruptos, contrarrevolucionários, mas deve-se entender que mesmo os líderes mais corruptos e contrarrevolucionários podem ficar sob a pressão da classe trabalhadora quando ela começar a se mover.

Agora, os líderes sindicais na Índia estão discutindo a ideia de uma greve geral de quatro dias. Nossa posição é por uma greve geral total. Então, o que fazemos? Não somos a liderança do movimento, mas esses caras são. Devíamos dizer a eles: “muito bem, vamos fazer uma greve de quatro dias – mas menos conversa e mais ação! Primeiro: diga o dia! Comece uma campanha nas fábricas, convoque reuniões de protesto em massa, monte comitês de greve e atraia agricultores, mulheres, jovens e desempregados – e todos os setores oprimidos da sociedade. E vinculem esses órgãos de luta em nível local e nacional. Em outras palavras, sovietes!” Se isso fosse feito – não digo que será – mas se fosse, uma greve de quatro dias seria transformada em uma greve geral de quatro dias, o que coloca a questão do poder. Uma vez que as massas na Índia estejam organizadas para isso, nenhuma força na terra irá detê-las.

Devo resumir minhas observações. Mas há um ponto que devemos entender: esta será uma crise profunda, uma crise prolongada. Vai durar anos, ou mesmo décadas, com altos e baixos. Será mais longo devido à ausência do fator subjetivo.

No entanto, este é apenas um dos lados da moeda. O fato de que será profunda e prolongada não significa que será menos turbulenta, muito pelo contrário. A perspectiva atual é para mudanças bruscas e repentinas. Processos que levavam muitos anos para se desenvolver no passado agora podem ocorrer da noite para o dia, colocando questões muito sérias diante de nós. E devemos estar preparados, camaradas! O ano de 2021 será como nenhum outro, a classe operária entrou em uma escola muito dura, haverá muitas derrotas e retrocessos, mas dessa escola os trabalhadores tirarão as lições necessárias.

Os líderes sindicais estão completamente desorientados – refletem o passado, os dias em que tinham uma vida fácil com os patrões, quando podiam facilmente obter pequenas concessões para os trabalhadores. Agora as coisas são muito diferentes. Eles terão que lutar por todas as demandas. E os trabalhadores encontram-se em condições intoleráveis, onde suas vidas e as de suas famílias estão em perigo.

Os sindicatos serão transformados no decorrer da luta. Um por um, os antigos líderes de direita estão desaparecendo, se aposentando ou sendo substituídos. Uma nova geração de lutadores da classe jovem está começando a desafiar a liderança. O cenário está armado para a transformação dos sindicatos em organizações de luta.

E mesmo os sindicatos mais reacionários e aparentemente inertes serão arrastados para essa luta. E nós, os marxistas, devemos estar na linha de frente dessa luta, da qual, em última análise, depende o sucesso da revolução socialista. A dialética nos diz que as coisas podem se transformar em seus opostos e devemos estar preparados para isso.

Temos as ideias, os métodos e as perspectivas corretas. Nossa tarefa agora é transformar isso em crescimento, criar um poderoso exército revolucionário de quadros, que seja capaz de liderar um exército revolucionário, capaz de liderar os trabalhadores na luta pelo poder.

Não há nada mais importante em nossas vidas. E juntos, podemos definitivamente alcançá-lo.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário