Coronavírus na África: expulsar o imperialismo!

A pandemia de coronavírus é um ponto de virada na história. A economia mundial está recebendo um golpe selvagem após outro. Os sistemas de saúde estão totalmente sobrecarregados nos países capitalistas avançados como resultado de décadas de ataques aos padrões de vida. A natureza ineficiente e horripilante do capitalismo está em plena exibição no ocidente, onde as pessoas até recentemente desfrutavam pelo menos de uma existência semicivilizada. Na África, Ásia e América Latina, as consequências de um surto em grande escala serão catastróficas.

Não é difícil prever as consequências catastróficas totais da Covid-19 na África, onde a maioria dos países não possui sistemas de saúde em funcionamento e onde milhões de pessoas vivem à beira da fome em favelas e campos de refugiados sem moradia adequada, saneamento e água. Depois, há o desastre econômico iminente, que pode ser ainda mais devastador que o próprio vírus, levando à fome em massa que afeta dezenas de milhões de pessoas.

Esse estado de coisas é um resultado direto do imperialismo. A subjugação colonial da África e a pilhagem dos recursos de todo o continente durante séculos pelos países imperialistas “civilizados” são as razões diretas para o atraso estrutural do continente. A catástrofe iminente deve ser colocada aos pés das classes dominantes em Paris, Londres, Bruxelas, Lisboa, Nova Iorque, Pequim, bem como de seus lacaios no continente africano e no sistema capitalista que defendem.

Ponto de apoio do coronavírus

Embora o surto de coronavírus tenha um ponto de apoio em um continente de 1,2 bilhão de pessoas, os países africanos ainda não viram os piores efeitos desse surto. A razão pela qual os países do Ocidente e a China estão relatando números mais significativos do que os países africanos se deve principalmente à disponibilidade de testes e informações em tempo real. Na ausência de rastreamento em massa, testes e rastreamento de contatos, os números oficiais são bastante inúteis.

A África do Sul, que possui o sistema de saúde mais avançado do continente, realizou 60 mil testes nas três primeiras semanas do surto, mais de 87 mil atualmente, e examinou mais de 438 mil pessoas. O Serviço Nacional de Laboratórios de Saúde informou que, até o final de abril, terá capacidade para processar aproximadamente 36 mil exames por dia (isso não significa que eles farão 36 mil testes diários). Ainda é baixo em comparação com os países capitalistas avançados, mas é muito mais alto do que em outros países africanos. Durante o mesmo período de três semanas, a Nigéria, com uma população de 200 milhões, realizou menos de 5 mil testes. O Quênia também realizou menos de 5 mil testes. O Zimbábue e a Namíbia fizeram cerca de 300 testes cada um no mesmo período.

Muitos países africanos simplesmente não têm capacidade para tratar pacientes com Covid-19 gravemente doentes. O Quênia, com uma população de 50 milhões de pessoas, possui apenas 130 leitos de terapia intensiva e apenas cerca de 200 enfermeiros de terapia intensiva. O Mali possui apenas 37 camas de terapia intensiva. A Somália tem 15. Dezessete governos, incluindo Angola, Costa do Marfim, Moçambique e Sudão do Sul disseram à Organização Mundial de Saúde (OMS) que não têm capacidade de unidades de terapia intensiva para tratar casos graves do coronavírus. A situação em muitos outros países é semelhante. A Serra Leoa possui 13 ventiladores. A República Centro-Africana e a Libéria têm três ventiladores cada. Esses números, além da falta de moradia e saneamento adequados, tornam absurda a estratégia de “achatar a curva” em muitos países africanos.

Agravando a miséria

A pandemia de coronavírus não introduzirá nada de novo no continente africano. Antes do coronavírus, algumas das taxas mais altas de doenças infecciosas do mundo, resultando em morte, foram encontradas na África. Todos os anos, milhões de pessoas morrem de problemas de saúde evitáveis e doenças como HIV, tuberculose, malária, sarampo e cólera.

As taxas mais altas estão nos países da África Subsaariana, onde, segundo a OMS, quase 62% das mortes são resultado de doenças transmissíveis e problemas nutricionais. Em comparação, a taxa global de mortes por essas causas é de cerca de 23%. Isso significa que, embora a África tenha uma população muito jovem em comparação com o resto do mundo, a exposição a essas doenças e a problemas com desnutrição resultam em sistemas imunológicos enfraquecidos e problemas de saúde subjacentes. Isso poderia levar a uma situação em que um número desproporcional de jovens africanos, em comparação com o resto do mundo, poderia ficar doente ou morrer de Covid-19.

A pandemia do novo coronavírus não introduzirá nada de novo no continente africano em termos de doença e sofrimento / Foto: WP

 

Em 2015, houve cerca de 212 milhões de casos relatados de malária no mundo, resultando em cerca de 429 mil mortes. Cerca de 90% desses casos e 92% dessas mortes ocorreram na África. Nos Estados Unidos, a diarreia não causa mortes. Mas, na África as doenças diarreicas são uma das principais causas de morte. Outro dos principais assassinos da África são infecções do trato respiratório inferior, principalmente pneumonia, gripe, bronquite e tuberculose. Essas infecções virais ou bacterianas dos pulmões foram a segunda causa de morte na África Subsaariana.

Milhões de pessoas na África morrem todos os anos com essas doenças. Mas essas mortes são totalmente evitáveis. As doenças diarreicas, por exemplo, são causadas por parasitas encontrados em alimentos ou água impuros. A malária pode ser evitada com spray de inseticida direcionado para matar larvas de mosquitos e com redes de mosquito. O acesso a medicamentos para tratar os sintomas da malária também pode salvar milhões de vidas. Mas o acesso a medicamentos que salvam vidas é bloqueado por produtos farmacêuticos com fins lucrativos, que simplesmente não veem essas pessoas pobres como um mercado viável. Além disso, as condições em que grandes partes da África estão sendo mantidas pelo imperialismo significam que, para muitas pessoas, coisas simples como água potável, alimentos e saneamento adequado são inacessíveis. Consequentemente, as doenças que foram eliminadas no Ocidente ainda matam milhões de pessoas todos os anos na África.

É nessas condições que o surto de Covid-19 ocorre na África. Simplesmente agravará a miséria do povo. A República Democrática do Congo (RDC), por exemplo, está atualmente sofrendo seu centésimo surto de Ebola. Isso por si só devastou o país. O atual surto é o segundo pior da história. A RDC já está devastada por um surto simultâneo de Ebola e sarampo, sendo o sarampo de longe o mais mortal. Agora, com o surto de Covid-19, mesmo níveis moderados de infecção por coronavírus sobrecarregariam o sistema de saúde quase inexistente. O custo humano será terrível.

Uma das principais razões pelas quais a propagação inicial do vírus parece lenta em seu desenvolvimento na África é simplesmente a enorme ausência de volume de viagens internacionais em comparação com outros países. As pessoas se movimentam muito menos. Mesmo onde a transmissão começa em determinada comunidade, ela pode se mover mais lentamente inicialmente porque o tráfego entre cidades, vilas e aldeias é menos frequente do que em outras partes do mundo. Alguns países, como a República Centro-Africana, por exemplo, não possuem serviço doméstico de linhas aéreas ou ferroviárias, nem mesmo uma rede de ônibus doméstica. Mas, embora isso possa atrasar temporariamente a propagação inicial do vírus, terá apenas o efeito de atrasar o inevitável. O vírus pode devastar favelas densamente povoadas e áreas lotadas, mas pode se espalhar lentamente entre aldeias, vilas e cidades. Isso significaria que a pandemia poderia durar muito mais tempo na África, causando estragos muito tempo depois que os piores efeitos médicos forem reduzidos no resto do mundo. Vai se tornar mais uma doença mortal que assola o continente, matando milhões de pessoas ano após ano, com o resto do mundo mal percebendo.

As atitudes racistas habituais e os cálculos frios

Os comentários de dois proeminentes cientistas franceses durante um debate na televisão sugerindo que a África é o local ideal para testes de vacinas contra o coronavírus por causa da fraca infraestrutura de saúde, causaram indignação em todo o continente.

Falando durante o debate, Jean-Paul Mira, chefe da unidade de terapia intensiva do Hospital Cochin em Paris, sugeriu:

“Se posso ser provocativo, não deveríamos estar fazendo este estudo na África, onde não há máscaras, tratamentos ou reanimação? … Um pouco como é feito em outros lugares para alguns estudos sobre aids? Nas prostitutas, tentamos as coisas porque sabemos que elas são altamente expostas e que não se protegem. ”

Camille Locht, diretora de pesquisa do instituto nacional de saúde da França, Inserm, concordou:

“Você está certo. E, a propósito, estamos pensando em paralelo em um estudo na África usando essa mesma abordagem”.

A reação de toda a África foi de indignação e raiva. “A África não é um laboratório de testes” e “Os africanos não são ratos de laboratório” ficaram em alta por dois dias nas mídias sociais. A reação forçou o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, a condenar essas declarações racistas.

Dada a terrível história da experimentação médica ocidental na África no último século, a reação de muitos africanos não é surpreendente. Durante décadas, os países africanos foram locais de ensaios clínicos de grandes empresas farmacêuticas com resultados devastadores.

Alguns exemplos incluem o seguinte:

Nos anos 90, a Pfizer usou o medicamento Trovanin em um ensaio clínico contra meningite em Kano, na Nigéria, que resultou na morte de 11 crianças e causou cegueira, surdez e danos cerebrais em um número não revelado de crianças. Mais tarde, uma investigação concluiu que o medicamento havia sido administrado ilegalmente sem autorização do governo nigeriano ou consentimento dos pais das crianças. O efeito desse comportamento criminoso por essa gigante multinacional foi um aumento geral de outras doenças tratáveis, como os casos de poliomielite em Kano, porque as pessoas simplesmente não confiam no sistema de saúde e se recusam a ser vacinadas.

Em outro caso, em 1994, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos financiou os testes do medicamento antirretroviral AZT em 17 mil mulheres HIV-positivas no Zimbábue, sem explicar os possíveis perigos ou efetividade do tratamento. O resultado foi que cerca de mil bebês contraíram HIV/AIDS.

Houve também os experimentos de esterilização conduzidos pelo médico alemão Eugen Fischer em mulheres Herero na Namíbia para evitar casamentos de “raça mista”. Mais tarde, ele se juntou aos nazistas e continuou suas experiências em campos de concentração judaicos. Houve muitos outros casos nos últimos 100 anos no continente africano.

Depois, houve os comentários de David Malpass, chefe do Banco Mundial, que apoiou a suspensão de todos os pagamentos de dívidas dos países mais pobres, com a condição de que eles implementassem políticas econômicas totais de livre mercado, como a remoção de regulamentos e subsídios. A ironia é que os países do Ocidente estão se voltando mais para os métodos de intervenção estatal para lidar com as crises, enquanto os países menos desenvolvidos recebem as maravilhas do sistema de livre mercado precisamente quando fracassou de maneira espetacular! Mas, dada a história do Banco Mundial na África, essa sugestão não é uma surpresa. Esta é uma das primeiras instituições imperialistas que devem ser expulsas do continente africano.

A dominação imperialista é a razão da catástrofe na África

A luta contra o coronavírus na África é uma luta contra o imperialismo. Os estragos de séculos de dominação imperialista deixaram todo o continente africano vulnerável a ainda mais sofrimento.

Com a crise econômica mundial de 1974 e a queda posterior dos preços das commodities, muitos países viram suas economias encolherem e suas dívidas aumentarem. As políticas representadas por figuras como Thatcher, no Reino Unido, e Reagan, nos EUA, resultaram na entrada do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial e na imposição de seus “Programas de Ajuste Estrutural” nesses países. Essas políticas econômicas, longe de beneficiarem a maioria das pessoas, eram apenas outra maneira de liberalizar ainda mais os mercados para os interesses das empresas multinacionais.

Nas últimas quatro décadas, os chamados programas de ajuste estrutural dessas instituições estabeleceram limites muito estreitos para os gastos públicos nesses países, deixando pouco dinheiro para “luxos” como saúde. Em troca de empréstimos, esses países em apuros foram forçados a executar medidas de austeridade extrema e de privatização em grande escala de qualquer instituição de bem-estar público existente. Essas “condicionalidades”, como são chamadas, também colocaram esses países em uma armadilha da dívida da qual nunca escaparão enquanto o capitalismo existir.

Os programas do FMI e do Banco Mundial frequentemente impunham condições que especificavam limites máximos para os salários do setor público, o que obrigava a cortes do governo em salários e no número de trabalhadores no setor de saúde. Mas os salários reduzidos e a falta de segurança no emprego muitas vezes levavam os profissionais de saúde a se mudarem para outro lugar, produzindo uma “fuga de cérebros”. Essas medidas tiveram um efeito negativo na força de trabalho em saúde, alterando a qualidade e a quantidade de profissionais de saúde. Em 2007, o FMI mudou sua política de teto de salários em reconhecimento aos seus efeitos adversos e argumentou que esse problema não é mais válido. No entanto, os limites máximos de salários continuam sendo uma característica persistente dos programas recentes.

O FMI também endossou a chamada redução do Estado na prestação de serviços de saúde, outra maneira de dizer que o Estado foi forçado a abandonar esses e outros setores de serviços e deixá-los nas mãos de entidades controladas pelo ocidente. Em muitos casos, os serviços de saúde são frequentemente administrados por Organizações não Governamentais (ONGs) ocidentais e organizações internacionais de “ajuda”, com governos africanos dificilmente desempenhando qualquer papel. Mas o que é frequentemente descrito como “ajuda” para a África é, de fato, parte integrante do ciclo de dependência do imperialismo. Esses programas de ajuste estrutural foram implementados como parte da condicionalidade da ajuda na África e na América Latina desde os anos 1980.

Consequências devastadoras

Um exemplo claro das consequências devastadoras desses programas imperialistas impostos à África foi o surto mortal da epidemia de cólera no Zimbábue em agosto de 2008.

O surto apareceu pela primeira vez no empobrecido município de alta densidade Chitungwiza, na área metropolitana de Harare. Em seguida, espalhou-se rapidamente pelas áreas semiurbanas e rurais do Zimbábue antes de cruzar as fronteiras do país para a África do Sul, Botsuana, Zâmbia e Moçambique. Ao longo de 10 meses, a doença infectou mais de 98 mil pessoas, matando milhares. A alta taxa de letalidade no auge da epidemia fez do surto de cólera de 2008 o maior e mais extenso da história africana registrada.

A África tem estado sob o controle de organismos imperialistas como o FMI, que lançou as bases para uma miséria incalculável / Foto: Megan Munoz

 

O cólera é uma das doenças infecciosas mais temidas da África. É uma infecção bacteriana aguda do intestino causada pela ingestão de alimentos ou água contaminada por certas cepas do organismo vibrio cholerae. A doença é caracterizada por diarreia aquosa aguda e vômito. Nos casos mais graves, pode ser fatal devido à desidratação rápida ou à perda de água. Quando não tratada, a mortalidade por cólera pode chegar a 50%.

O surto da epidemia é uma consequência direta do Programa de Ajuste Estrutural do FMI, que foi implementado pelo regime de Mugabe na década de 1990. As reformas econômicas da década de 90 levaram a uma deterioração das condições de vida urbana. Por causa do desemprego devido a cortes em massa, os municípios de Harare acomodaram um número crescente de pessoas, em espaço limitado, que se voltaram para o comércio informal para escapar à pobreza extrema. O agravamento dos padrões de saúde pública, a superlotação de moradias e o acesso limitado a instalações de água potável e saneamento se espalharam pelos municípios. Houve um colapso do suprimento de água e, com ele, um colapso da higiene básica. Na falta de força de trabalho e sistemas para lidar com a pandemia, o sistema de saúde entrou em colapso, permitindo que a doença se espalhasse incontrolavelmente por 10 meses. Em seguida, foi acompanhada por uma segunda onda de infecções que durou até junho de 2011.

As mortes e infecções eram totalmente evitáveis. Com a substituição eficaz de líquidos e eletrólitos, por meio de terapia simples de reidratação oral, a mortalidade pode ser reduzida para menos de um por cento. Mas a privatização e desregulamentação das instalações de água e saneamento produziram tarifas inacessíveis pelo acesso à água, levando os pobres a depender de fontes de água degradadas. Isso levou ao colapso do abastecimento de água juntamente com o colapso do setor da saúde, facilitados pelas políticas impostas pelos imperialistas do FMI.

A luta contra o coronavírus é uma luta contra o imperialismo

A dominação esmagadora do imperialismo significa maior exploração de países da África, Ásia e América Latina, tornando inevitáveis coisas como pandemias, guerras, catástrofes climáticas, surtos de gafanhotos e fome. Quantidades astronômicas de riqueza são transferidas desses países para os países imperialistas. A dominação do imperialismo é agora ainda maior do que no passado. O antigo domínio militar-burocrático direto dos amos coloniais individuais foi substituído pelo domínio por um punhado de estados imperialistas no mercado mundial.

Na África vemos a verdadeira e feia face do capitalismo. A luta contra a Covid-19 também é contra o imperialismo / Foto: Proteção Civil da União Europeia

 

A única saída deste pesadelo bárbaro para os 1,2 bilhão de pessoas na África é lutar contra o imperialismo. Mas a luta contra o imperialismo é a mesma que a luta contra o capitalismo como um todo. Na África e em outros lugares do mundo ex-colonial, vemos a verdadeira face do sistema. Deve ser derrubado por uma revolução socialista. Essa tarefa recai sobre os ombros da classe trabalhadora, em particular os da África do Sul, Nigéria e Egito. O papel especial dos trabalhadores no processo de produção coletiva significa que somente a classe trabalhadora é capaz de desenvolver uma consciência socialista. A burguesia fraca e degenerada da África depende muito do capital estrangeiro e do imperialismo para levar a sociedade adiante. Está amarrado da cabeça ao pé, não apenas ao capital estrangeiro, mas à classe dos proprietários de terras, com a qual forma um bloco reacionário que representa um baluarte contra o progresso.

É inteiramente possível que o proletariado seja vitorioso em um país africano e, começando pelas tarefas democrático-burguesas da revolução, passe imediatamente para as tarefas socialistas. Mas, no final, a condição necessária para manter o poder é estender a revolução aos países capitalistas avançados. A atual crise do capitalismo está criando condições favoráveis para a extensão da revolução em todo o mundo. Em última análise, a vitória final contra o imperialismo só pode ocorrer com a derrubada do capitalismo nos países imperialistas.

Deixe Seu Comentário