Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes
Manifestação de 15/5 na Av. Paulista, São Paulo

15 de Maio: Fora Bolsonaro ganha as ruas

As belas, combativas e massivas manifestações de ontem, 15 de maio, atingiram fortemente o já instável governo Bolsonaro. Atos ocorreram em mais de 200 cidades pelo país e, segundo a CNTE, cerca de 2 milhões de jovens e trabalhadores foram às ruas.

Um grito bastante ouvido em diferentes manifestações foi o “Fora Bolsonaro” (ver vídeos e fotos abaixo). Vale lembrar que a Esquerda Marxista tem apresentado já há algum tempo a necessidade de se levantar esta palavra de ordem, enquanto dirigentes de esquerda de diferentes matizes se colocaram (pelo menos até ontem) contra esta linha (ver o artigo Por que alguns ainda sustentam o governo Bolsonaro, publicado no Foice&Martelo 133, de 29 de março de 2019).

Em uma subsede do sindicado de professores da rede estadual de SP (APEOESP), os militantes da EM defenderam incluir o Fora Bolsonaro junto ao combate contra a Reforma da Previdência. Militantes do PSTU, do PCB, da Resistência (corrente do PSOL) e da Articulação Sindical (PT), defenderam contra. No dia 14 de maio, véspera das manifestações, Valerio Arcary, dirigente da corrente Resistência, avaliava em um post no Facebook: “ainda é cedo para agitar Fora Bolsonaro”. Mais uma vez, as massas se colocaram à esquerda das direções.

A Esquerda Marxista, antes da posse de Bolsonaro, já dizia que este seria um governo instável: “O candidato a Bonaparte chega ao governo numa situação de crise econômica que ele não tem como resolver e que vai provocar uma explosão de lutas” (16/11/2018, primeira parte do Informe Político à Conferência Nacional da EM).

Menos de cinco meses de Bolsonaro à frente do país foram necessários para provar o acerto destas análises. A popularidade de Bolsonaro derrete. As fissuras no interior do governo se acentuam, com conflitos abertos entre a ala militar e “olavistas”. Os militares entraram no governo emprestando a ele certa legitimidade política, uma eventual saída deste grupo seria desastrosa para Bolsonaro. O mesmo se deu com a entrada de Sérgio Moro como super-ministro da Justiça, e para não perder o ex-juiz da Lava Jato, Bolsonaro se adiantou e garantiu a ele a primeira vaga que surgir para o STF.

A própria burguesia, que já vinha impaciente com as seguidas trapalhadas e incompetências do novo governo, toma mais distância e eleva a crítica ao talento de Bolsonaro em gerar confusões.

Quando os protestos já se mostravam massivos, Bolsonaro declarou dos EUA que os manifestantes eram “idiotas úteis” e “massa de manobra”. Hoje, contrariando vídeos e fotos, mesmo da grande mídia, disse que nos atos só tinha visto “faixa de Lula Livre”. Tenta convencer o seu séquito de que as grandes manifestações não passaram de uma manipulação do PT. Só que não… a realidade é mais incômoda para Bolsonaro, para a burguesia e para as direções conciliadoras do proletariado.

O que se viu ontem foi mais uma explosão do descontentamento presente na base da sociedade. Foi desatado pelo corte de 30% na educação pública, mas, para lembrar um lema de Junho de 2013, ontem não foi só pelos 30%. Ainda não estamos vivendo a mesma situação de 2013, mas os desenvolvimentos nos próximos dias são imprevisíveis. O certo é que o que começou ontem, definitivamente, não terminou.

O mundo está em ebulição e o Brasil está em sintonia. Como parte da crise internacional do capitalismo, a economia nacional está estagnada. O desemprego segue crescendo, com mais de 13 milhões de pessoas em busca de trabalho. O governo Bolsonaro, servil ao capital financeiro, aos banqueiros e ao imperialismo, avança nas privatizações, quer destruir a previdência, ataca a educação e a ciência, prega o obscurantismo e a ignorância. Isto é o que pode oferecer o capitalismo em decadência, isto é o que gera a indignação e o mal-estar presentes entre a maioria cotidianamente oprimida, explorada e humilhada por este sistema.

Mas, é possível derrubar Bolsonaro e abrir uma situação revolucionária neste país. Pressionada pela base, a UNE convocou novas mobilizações para 30 de maio, as centrais já tinham convocado a greve geral de 14 de junho que agora ganha novo impulso. Apesar do bloqueio das direções, a disposição de luta da base pode fazer a situação transbordar, como aconteceu no dia 15. A luta e os debates seguem em escolas e universidades, assembleias estão ocorrendo para organizar a continuidade do combate contra os cortes, a classe trabalhadora pode entrar decididamente em cena na luta contra a Reforma da Previdência. É preciso fortalecer a organização revolucionária capaz de ajudar o proletariado a encontrar o caminho da vitória. Venha discutir conosco, junte-se à Esquerda Marxista.

Educação pública e gratuita para todos! Contra os cortes na educação e na ciência!
Abaixo a Reforma da Previdência!
Não pagamento da dívida!
Preparar a Greve Geral!
Fora Bolsonaro!

Campinas (SP):

 

São Paulo (SP):

 

 

Florianópolis (SC):

 

Curitiba (PR):

Manaus:

Espírito Santo:

 

Rio Claro (SP):

 

Rio de Janeiro (RJ):

 

Joinville (SC):

 

Bauru (SP)

Cuiabá (MT)

Distrito Federal

Florianópolis (SC)

Joinville (SC)

Manaus (AM)

Rio de Janeiro (RJ)

Rio de Janeiro (RJ)

Vitória (ES)

Rio Claro (SP)

 

Juazeiro (CE)

São Paulo (SP)

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Seminário histórico em Havana discute as ideias de Leon Trotsky

Apesar de todas as dificuldades, celebrou-se em Cuba um seminário internacional sobre Leon Trotsky convocado ...