Foto: US Army photo by Pfc. Kang, Min-ji

Capitalismo americano à beira do abismo

A pandemia da Covid-19 mergulhou a sociedade norte-americana em pânico e consternação. Todos os cinquenta estados dos EUA e Washington, DC, já confirmaram casos do novo coronavírus, e o número de mortes está aumentando a cada hora, após ultrapassar as 150 mortes em 18 de março. As autoridades de saúde pública temem que os EUA tenham atingido um ponto crítico e que possam se aproximar rapidamente da situação vista na Itália, onde os hospitais estão sobrecarregados e o país inteiro está fechado. O Dr. Carlos Del Rio, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Emory de Atlanta, disse recentemente à CNN: “Estou realmente preocupado com … ter a pior combinação possível: muitos pacientes; (poucos) médicos, enfermeiros … para cuidar deles.

As coisas estão se desenrolando rapidamente, à medida que uma tempestade perfeita de crise econômica, crise política e de saúde pública confunde a classe trabalhadora – e os capitalistas. Com a economia em colapso e as bolsas caindo, a gravidade da situação – e o risco que isso representa para suas chances de reeleição – gradualmente foi penetrando na consciência do presidente. Apenas algumas semanas depois de chamar o surto mundial de “fraude” e depois afirmar que ele havia sido “contido”, Trump foi obrigado a engolir suas palavras e declarar uma emergência nacional sob a Lei Stafford.

Em 13 de março, em uma das coletivas de imprensa mais surreais já realizadas por um governo famoso por distorcer a realidade além de qualquer reconhecimento, Trump exibiu um “quem é quem” da América corporativa e anunciou uma “histórica parceria público-privada” para enfrentar a crise. Com apenas um “vírus estranho” para servir de bicho-papão, Trump parecia chocado e ainda mais desgrenhado do que o habitual. Remexendo em suas anotações mal preparadas, ele murmurou e balbuciou sua mensagem de “esperança e inspiração” para a nação:

“Estamos trabalhando muito nisso. Fizemos um tremendo progresso. Quando você compara o que fizemos com outras áreas do mundo, é incrível. Muito disso teve a ver com a identificação precoce e o fechamento das fronteiras. E, como se sabe, a Europa acabou de ser identificada como área de risco no momento, e fechamos essa fronteira há pouco tempo. Então, isso foi afortunado ou por talento ou por sorte. Chame como quiser. Mas através de uma ação muito coletiva e sacrifício compartilhado e determinação nacional, superaremos a ameaça do vírus”.

Apenas algumas semanas depois de chamar o surto mundial de “fraude”, Trump foi obrigado a engolir suas palavras e declarar uma emergência nacional. / Foto: Casa Branca, Domínio Público

 

Fracasso coletivo

Então, em 16 de março, Trump dobrou sua rápida resposta, afirmando que “Temos um problema que, há um mês, ninguém imaginava” – uma mentira descarada. Os críticos apontaram corretamente que Trump aboliu o escritório da Casa Branca de preparação para pandemias em 2018. Mas os cortes no sistema de saúde pública são constantes há décadas nas administrações Democrata e Republicana. Em 2012, Obama assinou um projeto de lei que desviou mais de US$ 6 bilhões do Fundo de Prevenção e Saúde Pública, que fornece às agências de saúde estaduais e locais a maior parte de seu financiamento para esse tipo de crise. Os cortes de impostos de Trump, em 2017, para os ricos roubaram o fundo com mais US$ 750 milhões. Além disso, o sistema de saúde privado dos EUA fecha hospitais e lucra sempre que possível. Manhattan costumava ter um grande hospital chamado St. Vincent’s, mas esse imóvel valioso foi transformado em condomínios caros, cortando leitos hospitalares disponíveis que são hoje desesperadamente necessários. Tudo isso preparou o terreno para a resposta das “galinhas degoladas” do governo a mais grave crise de saúde desde o surto de gripe espanhola em 1918 – que infectou 27% da população global e matou cerca de 50 milhões de pessoas no mundo todo.

Compare as palavras com que Trump tenta salvar sua cara com a franca honestidade de Anthony Fauci, diretor do Instituto de Doenças Alérgicas e Infecciosas, cujo interesse é proteger a saúde pública, e não o presidente:

“O sistema não está realmente voltado para o que precisamos agora … Isso é uma falha. Vamos admitir. A ideia de alguém fazer o teste com a mesma facilidade com que as pessoas de outros países fazem, não estamos preparados para isso. Eu acho que deveríamos estar? Sim. Mas nós não estamos”.

Os números relativamente baixos relatados até agora devem-se inteiramente à falta de kits de teste. Centenas de milhares de pessoas – talvez milhões – foram expostas e possivelmente infectadas. Se não fosse o desafio de pesquisadores independentes, como a Dra. Helen Chu, em Seattle, que testou a Covid-19 sem autorização, estaríamos ainda mais no escuro quanto ao alcance real da pandemia. Como ela percebeu com horror, quando seus resultados de testes atrasados finalmente começaram a aparecer: “Deve estar aqui o tempo todo. Já está em todo lugar”.

Os números relativamente baixos relatados até agora devem-se inteiramente à falta de kits de teste. Centenas de milhares – talvez milhões – foram expostos e possivelmente infectados / Foto: Governador Tom Wolf, Flickr

 

O dilema que a burguesia enfrentava era o seguinte: deslocar ainda mais a economia para tentar conter o vírus ou simplesmente cruzar os braços e esperar que as coisas melhorassem magicamente. Eles fizeram todo o possível para evitar restringir o movimento de pessoas e bens, pois isso significaria um declínio no comércio. Se você fechar o mercado, afinal, como o capitalismo pode funcionar? Perdeu-se um tempo precioso com a indiferença, negação, burocracia e a boa avareza à moda antiga, enquanto o vírus se estabelecia lenta, mas seguramente nos Estados Unidos.

Por vários dias críticos, a classe dominante ficou paralisada, com medo de tomar medidas para impedir a propagação do vírus, mas também aterrorizada com a instabilidade social aumentada que resultaria em um atraso na ação decisiva. Apenas alguns dias após a incoerente conferência de imprensa de Trump, a área da baía da Califórnia foi trancada sob uma ordem de “refúgio local”, e Nova York pode ser a próxima da fila.

À medida que as infecções se espalhavam por toda a cidade, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, se recusou a fechar o sistema escolar e sua equipe de segurança, como de costume, continuou a acompanhá-lo diariamente no lado leste de Manhattan até sua academia no Brooklyn. Somente depois que vários assessores ameaçaram demitir-se e os professores começaram a organizar um protesto, ele finalmente cedeu à crescente pressão pública. Quando finalmente ele se decidiu a limitar severamente as reuniões e fechar as escolas, restaurantes, teatros e muito mais, isso já era muito pouco e muito tarde.

Vastas áreas da cidade se assemelham a uma cidade fantasma, e seus moradores foram aconselhados a assumir que toda a população foi exposta a um vírus com uma taxa de mortes que poderia superar as doenças cardíacas e o câncer combinados. Como o New York Times colocou: “A vida na cidade de Nova York, um colosso de 8,6 milhões de pessoas e um motor econômico para o país, está sofrendo uma parada chocante“.

Os residentes de Nova York foram aconselhados a assumir que toda a população foi exposta ao vírus / Foto: Andrew Cashin / MTA New York City Transit, Flickr

 

Pandemônio na economia

A apreensão se transformou em medo e depois em pânico total à medida que as bolsas de valores perdiam trilhões de dólares. O ex-secretário do Trabalho, Robert Reich – um queridinho dos apologistas liberais do capitalismo – apontou o óbvio quando observou que “nossa economia está se fechando“. E embora ele pretendesse falar por “todos os americanos”, o que ele quis dizer com “nosso” era “a burguesia”.

Em um movimento sem precedentes, o Federal Reserve baixou as taxas de juros para zero. Ele disse que compraria pelo menos US $ 700 bilhões em títulos do governo relacionados a hipotecas para tentar manter as coisas unidas. Os mercados ignoraram essas medidas drásticas e continuaram sua queda livre. O VIX, um indicador de volatilidade do mercado de ações, subiu 43% para 86,69 na segunda-feira, 16 de março, superando o recorde estabelecido em 24 de outubro de 2008.

Longe de inspirar confiança, os dramáticos cortes nas taxas de juros sinalizaram apenas que o próprio Fed está em pânico e que as coisas estão muito piores do que estão deixando transparecer. Inundar a economia com dinheiro barato não estimulará os gastos quando os ricos já estão sentados em trilhões, milhões de pessoas estão escondidas em casa, demissões em massa já começaram e uma avalanche de despejos e execuções hipotecárias certamente virá. Agora, a economia dos EUA está pronta para sua pior contração trimestral da história.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, alertou que as ramificações econômicas da pandemia poderiam ser piores que as da Grande Recessão e que o desemprego poderia subir rapidamente para 20% em pouco tempo. De acordo com a empresa de recolocação global Challenger, Gray & Christmas, até 7,4 milhões de trabalhadores podem perder seus empregos apenas no setor de restaurantes, bares e hotéis. Sem contar os efeitos que tudo isso terá sobre as companhias aéreas, a manufatura, o varejo, entretenimento e outros setores afetados.

Após inicialmente prometer insignificantes US$ 50 bilhões para combater o surto do vírus, agora estão sendo propostos quase US$ 1,5 trilhão a mais para impedir o colapso total da economia. Mas mesmo isso não será suficiente para conter a hemorragia. Se o governo cumprir sua proposta de enviar cheques diretamente a todos os adultos abaixo de uma determinada faixa de renda, numa tentativa de manter as coisas solventes, como isso será pago? Se o dinheiro for simplesmente impresso, a inflação acabará se afirmando, corroendo o valor do dólar e o efeito do estímulo.

Mnuchin insiste que “não é hora de se preocupar com [o déficit]“. Mas aumentar a dívida nacional, que já está gemendo, não é um jogo insignificante. US$ 24 trilhões já é mais do que toda a produção anual da economia dos EUA. Só os pagamentos de juros da dívida existente consomem quase meio trilhão de dólares por ano e representam 10% do orçamento federal.

Esse dinheiro terá que ser reembolsado pela classe trabalhadora na forma de impostos mais altos ou de austeridade futura – tudo para pagar juros a credores privados. E, embora esses cheques e empréstimos estejam sendo supostamente propostos para ajudar “americanos trabalhadores e proprietários de pequenas empresas”, a verdadeira intenção é garantir que os bancos e outros credores recebam aluguel, hipoteca, cartão de crédito, automóvel, taxas estudantis e outros pagamentos de empréstimos. Em outras palavras, essa é mais uma fraude colossal e uma esmola para os ricos, disfarçada de renda básica universal de emergência. E o que acontece quando os cheques se esgotarem, mas os empregos não retornarem?

Compras em pânico, açambarcamento, preço alto e prateleiras vazias de lojas encheram as manchetes, à medida que os americanos comuns procuram desesperadamente alguma aparência de estabilidade e conforto em um mundo aparentemente enlouquecido. Criada em um mundo de escassez artificial, com suas economias inexistentes ou destruídas, e dominada pelo medo do futuro, a maioria das pessoas está estressada demais no momento para notar o jogo de casca vazia se desenrolando bem debaixo de seus narizes, enquanto a economia é reorganizada novamente para proteger a propriedade privada dos meios de produção.

Uma foto da América no precipício

Covid-19 não é a causa da crise. Apenas expôs a estrutura podre do sistema e lhe deu um pontapé. Um organismo saudável poderia ter sobrevivido ao choque de forma relativamente incólume. Mas a incapacidade do capitalismo de lidar com esse estresse adicional prova que ele é fundamentalmente doentio – e incompatível com qualquer coisa remotamente semelhante a uma existência humana digna para a maioria.

COVID-19 não é a causa da crise. Apenas de um empurrão ao expôs a estrutura podre do sistema / Foto: NIAID-RML, domínio público

 

Os democratas estão unidos a Trump e seus comparsas em culpar o vírus, não o capitalismo, pela miséria que enfrentam milhões de pessoas. Segundo eles, “a América já está ótima!” Mas para milhões de trabalhadores, o “maior boom da história dos EUA” não pareceu uma recuperação. Diante de uma crise de proporções épicas, os capitalistas e seus representantes políticos já sentem a nostalgia da relativa estabilidade do último período. Mas vale a pena elaborar um balanço do estado do capitalismo dos EUA antes do início da pandemia.

Durante a última década, enquanto os lucros disparavam e o mercado de ações estava em expansão, a grande maioria da riqueza criada pelo trabalho da classe trabalhadora foi para enriquecer um punhado de parasitas degenerados no topo. A parte da riqueza mantida pela Forbes 400 mais que dobrou de US$ 1,27 trilhão em 2009 para quase US$ 3 trilhões em 2019 – mas suas taxas de impostos caíram. Nas últimas três décadas, a riqueza do 1% superior subiu US$ 21 trilhões, enquanto os 50% mais pobres viram seu patrimônio líquido cair em US$ 900 bilhões. O 1% dos lares americanos – cerca de 1,2 milhão de famílias – tinha um patrimônio líquido agregado de US$ 35 trilhões. Isso representa 32% do total, contra 27% no final da Grande Recessão em 2009.

No final do ano passado, os 0,1% mais ricos dos norte-americanos possuíam tanta riqueza quanto os 90% inferiores. Os lucros corporativos em 2018 totalizaram US$ 2,3 trilhões – o dobro de todo o PIB do México. Três indivíduos – Jeff Bezos, Bill Gates e Warren Buffett – coletivamente possuem mais riqueza do que 160 milhões de americanos. Isso equivale à metade da população do país ou às populações combinadas dos 40 estados menores. Essa transferência grotesca de riqueza é um segredo aberto e explica a crescente demanda por “bunkers bilionários”, onde muitos dos super-ricos já se abrigaram confortavelmente – muito antes do que esperavam.

A remuneração média dos trabalhadores aumentou apenas 12% desde 1978. Em comparação, a remuneração dos CEOs cresceu 940% no mesmo período. Um quinto dos americanos tem patrimônio líquido zero ou negativo, quase 80% vive de salário em salário, 44% dos trabalhadores estão em empregos de baixo salário, com média de US$ 18 mil por ano.

O salário mínimo federal permanece apenas em US$ 7,25 por hora. Um trabalhador de salário mínimo precisaria manter 2,5 empregos em período integral para comprar um apartamento de um quarto na maioria das cidades dos EUA. Uma de cada seis criança vive na pobreza. Metade delas vive em extrema pobreza. São seis milhões de crianças cujas famílias representam menos da metade do nível oficial de pobreza.

Depois, há o caso das mulheres e das mães trabalhadoras em particular. Desde a década de 1970, o gasto por criança com cuidados infantis aumentou mais de 2.000%. Desde os anos 1990, os custos com cuidados infantis cresceram duas vezes mais rápido que a inflação geral. Na Califórnia, o custo de uma creche típica agora é igual a quase metade da renda mediana de uma mãe solteira.

As overdose de drogas, tabagismo, álcool e suicídios contribuíram para uma queda na expectativa de vida das mulheres brancas, que historicamente tiveram uma qualidade de vida mais alta em comparação às mulheres negras e latinas. Não é de admirar que os nascimentos nos EUA tenham caído por quatro anos seguidos com o menor número de nascimentos em 32 anos.

Isso significa que a imigração é mais importante do que nunca como fonte de trabalho explorável. No entanto, por razões políticas domésticas de “dividir e governar”, esses trabalhadores estão sendo aterrorizados e transformados em bodes expiatórios, lançados ainda mais profundamente nas sombras da exploração e da opressão. Enquanto cidades em todo o país se trancavam para enfrentar a pandemia, o ICE estava ocupado invadindo hospitais e transportando imigrantes indocumentados potencialmente infectados para centros de detenção. O horror dos campos de concentração de imigrantes é mais um exemplo da natureza vil do capitalismo, que não pode conter toda a humanidade dentro de suas fronteiras artificiais.

Enquanto cidades em todo o país estavam trancadas para enfrentar a pandemia, o ICE estava ocupado invadindo hospitais e transportando imigrantes potencialmente infectados para centros de detenção / Foto: US Department of Homeland Security, Public Domain

 

Quanto aos negros americanos na era pós-BLM [Black Lives Matter], na Filadélfia, os homens negros são dez vezes mais propensos a morrer por homicídio do que os brancos. Bebês negros têm três vezes mais chances de morrer antes do primeiro aniversário do que bebês brancos. Na cidade de Nova York, que é altamente segregada por raça e etnia, as pessoas que vivem no East Harlem vivem uma média de 71,2 anos, enquanto as que vivem no Upper East Side, a apenas alguns quarteirões de distância, vivem 89,9 anos. A maioria dos estados aprisiona negros em cinco vezes a taxa de brancos. Os ganhos médios semanais típicos para os funcionários negros em período integral eram de apenas US$ 727, de julho de 2019 a setembro de 2019, contra US$ 943 para brancos – uma diferença de 30% que mudou a vida de todos. À medida que a economia implode, podemos ter certeza de que essas disparidades se aprofundarão ainda mais.

Depois, há a crise da saúde. Mesmo antes da era do coronavírus, o absurdo de basear um sistema de saúde em torno dos interesses de maximizar lucros para as companhias de seguros, redes hospitalares e grandes empresas farmacêuticas tem sido um fator na mudança anti-status quo na opinião pública. Agora isso está se multiplicando por dez. Milhões de norte-americanos lutam para pagar o seguro de saúde em primeiro lugar, e aqueles que o possuem não estão isentos de dívidas médicas incapacitantes. Um de cada seis habitanets dos EUA tem uma conta médica não paga em seu relatório de crédito, totalizando US$ 81 bilhões. Cerca de 530 mil falências são apresentadas anualmente devido a uma dívida induzida por crises médicas. Os testes Covid-19 podem ser feitos de graça – se você puder encontrar um -, mas os custos do tratamento podem levar à falência um número incontável de americanos já pobres.

Depois de mais de uma década de “recuperação”, dois em cada cinco adultos norte-americanos teriam dificuldade para chegar com US$ 400 em uma emergência, e um em cada três domicílios seria classificado como “financeiramente frágil”. A rede de segurança social, já em frangalhos após décadas de cortes Democratas e Republicanos, está sob novo ataque. Antes do caos mais recente, Trump havia proposto centenas de bilhões em cortes em cupons de alimentos, Medicare, Medicaid, invalidez, empréstimos estudantis subsidiados e outros programas e incentivos fiscais dos quais dependem milhões de norte-americanos pobres.

Como é que milhões de pessoas vão comprar itens essenciais para uma quarentena de duas semanas ou mais está além da compreensão de qualquer pessoa. Mesmo que os cheques de mil dólares propostos sejam enviados, eles só podem manter as pessoas flutuando temporariamente – antes de mergulharem ainda mais no poço que o capitalismo cavou para elas.

Após mais de uma década de “recuperação”, a pobreza, a falta de moradia, o subemprego e a instabilidade permanecem desenfreados na sociedade norte- americana / Foto: Public Domain

 

Quanto aos jovens, eles são um barômetro sensível do crescente descontentamento social e estão particularmente afetados pela crise. Agora, o suicídio é a segunda principal causa de morte para pessoas entre 10 e 17 anos de idade. Dez anos atrás, o suicídio era a quarta principal causa de morte para essa faixa etária. A ansiedade é a doença mental mais comum nos Estados Unidos, e estima-se que 32% dos adolescentes tenham pelo menos um transtorno de ansiedade. Somente na cidade de Nova York, 114 mil estudantes estão desabrigados, um aumento de 70% durante a última década. Existem taxas semelhantes em outras grandes cidades como Chicago e Los Angeles – cidades controladas pelo Partido Democrata.

Essa é a situação real no país mais rico do mundo. Mesmo antes da Covid-19 levar as coisas completamente além do limite, milhões de americanos não ganharam o suficiente em um ano para cobrir as despesas mais básicas de moradia, assistência médica, transporte e educação, sem falar em “extravagâncias” como comida, roupas, entretenimento e economia. As epidemias em curso de obesidade, opioides, heroína, ansiedade, suicídio, HIV e muito mais, especialmente nas partes rurais do país, não são um acidente.

Eleição 2020

No meio de tudo isso, as eleições de 2020 continuam a se desenrolar. Como explicamos anteriormente, a classe dominante fechou fileiras contra Sanders e fez todas as suas apostas em Biden. Embora Ohio tenha adiado sua primária devido à pandemia, a votação na Flórida, Illinois e Arizona foi em frente e Biden recebeu o que agora pode ser uma liderança insuperável de delegados. Para fechar o déficit, Sanders teria que vencer todas as disputas restantes por aproximadamente 40 pontos. A pressão está aumentando rapidamente para Sanders ajudar a “unir o partido” e sair da corrida. Desesperado para conquistar a base comprometida de jovens eleitores de seu rival, Biden estendeu um ramo de oliveira e agradeceu a Sanders e seus apoiadores “apaixonados e tenazes” por “mudar a conversa fundamental” no país. Embora Bernie ainda esteja formalmente na corrida, o cenário está pronto para mais uma clássica mesmice.

Todos aqueles que alegaram que apoiar Bernie como democrata fazia parte de uma “nova estratégia” e não apenas de uma variante do mal menor, em breve serão confrontados com uma questão muito concreta – apoiar Joe Biden ou não – começando pelo próprio Bernie. Foi a esse ponto que todo o entusiasmo, dinheiro e tempo que foram gastos na campanha de Sanders levaram. Este é o beco sem saída do Partido Democrata – este pântano podre de todos os movimentos progressistas. Se todos esses recursos e toda essa energia tivessem sido canalizados para a construção de um novo partido socialista que desafiasse o monopólio dos dois partidos, estaríamos em uma situação muito diferente hoje.

As eleições de 2020 continuam se desenrolando, com Biden ganhando o que agora pode ser uma liderança insuperável de delegados contra Sanders / Foto: Lorie Shaull, Flickr

 

Com tudo virado de cabeça para baixo pela Covid-19, milhões de pessoas estariam abertas a uma visão diferente para o governo, e as comportas poderiam ser abertas para uma mudança fundamental na política e na sociedade. Dada a volatilidade social e política do período atual, é impossível identificar com precisão qual será a forma de um futuro partido de massa, e as comportas ainda podem ser mais abertas através do peso da crise. Ainda há uma mínima possibilidade de que Sanders ajude a lançar algo novo. Mas ele quase perdeu a oportunidade de desempenhar um papel decisivo nesse processo. Para estar seguro, Bernie “mudou a conversa” e, sozinho, lançou um debate nacional sobre o que o socialismo é e não é. Mas ele não mudou os trilhos e se limitou aos limites do campo de jogo e às regras dos capitalistas.

Pesquisas recentes indicam que Biden tem uma boa chance de derrotar Trump nas eleições gerais. Mas, se uma semana é uma eternidade na política em tempos normais, é impossível descrever o que vários meses representam em momentos como esses. O acesso reduzido de Trump a grandes multidões turbulentas tirará o brilho de seu apelo? Ficará ele tão desacreditado por seu abjeto fracasso em lidar com a pandemia e o colapso econômico até o ponto de ser facilmente dispensado? Ou ele conseguirá uma saída para a crise, tornando a China e a Europa bodes expiatórios? Os eleitores decidirão “mudar de cavalo no meio do caminho” – ou não? Só o tempo irá dizer. De qualquer maneira, os capitalistas terão um firme defensor de seus interesses na Casa Branca, e os trabalhadores dos EUA serão os perdedores. Como em 2016, outra oportunidade de se usar uma eleição politicamente carregada para estabelecer as bases para um novo partido da classe trabalhadora em massa foi perdida.

E, no entanto, o potencial de um partido de trabalhadores em massa para lutar por políticas socialistas genuínas nunca foi tão grande. A política eleitoral não é a única arena para a luta de classes, e a crise está corroendo todos os aspectos da ordem social a começar pelo sistema bipartidário dos dois partidos. Com os eventos em alta velocidade, não podemos descartar que outras formas de luta e organização possam surgir nos próximos meses, colocando a questão do poder político e econômico da classe trabalhadora na ordem do dia muito antes do que se espera.

Por um governo dos trabalhadores!

Mesmo no “melhor dos tempos”, nenhum dos problemas que a maioria dos trabalhadores enfrenta – falta de empregos de qualidade, cuidados de saúde, moradia e educação – pode ser resolvido no capitalismo. E agora nos disseram que o sistema pode lidar com essa convergência sem precedentes de crises e melhorar nossa vida?

O coronavírus é apenas o mais recente – e mais contagioso – em uma recente onda de epidemias em todo o mundo, um padrão que se origina dos métodos de produção do agronegócio industrial com fins lucrativos. Um efeito da criação, em alta densidade, de gado em condições de aglomeração é que reduz as respostas imunes dos animais a patógenos e aumenta a frequência da transmissão viral aos seres humanos. A matança ilegal e o comércio de animais raros é outro vetor possível para o surgimento de novas doenças que representam um perigo para os seres humanos. O pangolim em risco de extinção, em particular, é o principal suspeito no caso da Covid-19.

Portanto, dentro dos limites dos métodos capitalistas de produção e distribuição – legais e ilegais – esse coronavírus em particular poderia ou não ter sido impedido de penetrar na população humana, mas a escala de sua disseminação e devastação poderia ter sido facilmente tratada se a saúde humana e não a riqueza privada fossem a prova decisiva de como alocamos nossos recursos coletivos.

Cientes dos tremendos recursos que serão necessários para enfrentar a tempestade, muitos em posições de poder declararam que a luta contra a Covid-19 deve ser enfrentada como se estivéssemos em guerra. Concordamos de todo o coração – com o adendo de que deve ser enfrentado com base na guerra de classes. Os interesses dos trabalhadores e dos capitalistas são diametralmente opostos. A política dos capitalistas em tempo de guerra é a mesma que em tempos de paz: maximizar lucros e defender seus direitos de propriedade. Não podemos confiar nosso destino nas mãos daqueles que permitiram que essa doença subisse a esse nível por ganância e inação.

Os capitalistas propõem gastos estatais insustentáveis em uma escala sem precedentes para reforçar seu sistema em colapso. Alguns deles chegam ao ponto de exigir a nacionalização parcial e temporária de elementos essenciais do sistema de saúde para tirar o país da crise. Até a Guarda Nacional e elementos das forças armadas ativas estão sendo mobilizados. Trump também invocou a Lei de Produção de Defesa da época da guerra para expandir a produção de máscaras hospitalares e outros itens essenciais.

Depois de sermos informados durante décadas que o “governo forte” é o inimigo, essa é uma admissão tácita de que, quando se trata de pressionar, apenas o Estado e sua capacidade de aprovar um plano central podem lidar com crises graves de maneira rápida e eficiente. Mas que tipo de Estado pode ser confiável para agir no melhor interesse da maioria? Pode-se confiar no governo Trump para defender os interesses dos trabalhadores? A pergunta quase se responde sozinha.

Os marxistas têm uma visão diferente do que é possível: um Estado dos trabalhadores para fazer a transição da humanidade para fora do capitalismo, começando com a expropriação de todas as empresas essenciais com fins lucrativos, para serem operadas no interesse público e sob o controle democrático dos trabalhadores. Um governo dos trabalhadores mobilizaria toda a classe trabalhadora para enfrentar esse desafio de frente.

Juntamente com toda a gama de demandas transitórias do programa da Corrente Marxista Internacional (CMI) dos EUA, abaixo estão algumas medidas que um governo da classe trabalhadora implementaria – o que já deveria ter sido feito há muito:

  • Dobrar imediatamente os salários e conceder reconhecimento e proteção sindical aos “trabalhadores essenciais” nas linhas de frente da luta contra a Covid-19, nos setores de supermercado, logística, trânsito, saúde e outras indústrias. Quadruplicar suas fileiras e combater o desemprego treinando mais outros milhões para ajudar a enfrentar a pressão. “Não poupar despesas” para garantir a todos os trabalhadores o equipamento de segurança e as proteções necessárias para conter a propagação do vírus!
  • Por um salário mínimo nacional de mil dólares por semana – se você está ou não empregado no momento e se pode ou não trabalhar no momento. Por que trabalhadores individuais e pobres devem ser obrigados a pagar por uma crise coletiva? As empresas que choram pobreza e incapacidade de cobrir isso devem ser forçadas a abrir seus livros. Se elas realmente não puderem pagar, seus proprietários devem ser aliviados do ônus de possuí-las e devem ser nacionalizados sob controle e gestão dos trabalhadores democráticos e integrados a uma economia planejada racionalmente para garantir que o trabalho de todos seja seguro e com seus salários cobertos;
  • As fábricas, ou qualquer outro local de trabalho essencial, fechadas ou demitindo trabalhadores devem ser nacionalizadas e administradas sob controle democrático dos trabalhadores! Por um plano racional de produção que garanta que não interrupções na cadeia de suprimentos de alimentos, suprimentos médicos e outros itens essenciais!
  • Trump declarou demagogicamente que “removeremos ou eliminaremos todos os obstáculos necessários para fornecer ao nosso pessoal os cuidados de que precisam e aos quais têm direito. Nenhum recurso será poupado. Nada mesmo”. No entanto, o presidente deixou de fora os pequenos detalhes de que o principal obstáculo para garantir algo remotamente parecido é o próprio sistema capitalista – e é isso que os capitalistas não podem e não removerão voluntariamente. É por isso que exigimos um sistema de saúde socializado e gratuito no ponto de serviço. Nacionalizar o seguro de saúde, os equipamentos médicos e as indústrias farmacêuticas, as redes hospitalares e as clínicas relacionadas e os integrar a um provedor de saúde pública unificado e administrado democraticamente. Nacionalizar todos os espaços comerciais não utilizados e essenciais e converter os mais adequados em hospitais e “clínicas da febre” o mais rápido possível. As propostas de “pagador único” ou “Medicare for all” deixam a maior parte do sistema de saúde nas mãos de particulares e não vão longe o suficiente para garantir o melhor atendimento possível ao melhor preço possível para o tesouro público;
  • Pelo controle imediato de preços de todos os itens essenciais, a ser aplicado pelos comitês eleitos nos bairros da classe trabalhadora! Qualquer um que seja flagrado aumentando preços ou especulando com a miséria alheia seria imediatamente despojado de seus bens para serem distribuídos aos mais necessitados;
  • Por uma moratória imediata e indefinida sobre os pagamentos de aluguel e hipoteca. Reduzir as taxas de empréstimos hipotecários existentes a zero e renegociar os termos para as famílias trabalhadoras. O aluguel disparado é um dos principais elementos de estresse, mesmo em tempos de “pleno emprego”. Converter casas desocupadas em propriedade pública e usá-las para fornecer moradia para os desabrigados e aliviar a superlotação que nos deixa como ratos em grandes cidades. Como as pessoas podem “ficar em casa” quando não têm casas para ficar?
  • Embora observemos voluntariamente o distanciamento social no interesse da saúde pública, exigimos que nossas necessidades básicas sejam garantidas e não aceitemos nenhuma limitação de nossos direitos da Primeira Emenda em nome da emergência nacional!
  • Nacionalizar as principais alavancas da economia: as principais indústrias, bancos e corporações! Romper com o caos irracional do mercado livre capitalista. Não à austeridade – faça os ricos pagarem pela crise! Nenhuma compensação para os milionários e bilionários, apenas para aqueles que realmente precisam. Consolidar os bancos nacionalizados em um banco unificado, de propriedade pública e administrado para proteger a economia dos trabalhadores e garantir empréstimos acessíveis a todos. Todas as empresas nacionalizadas devem ser administradas sob controle e gestão democráticos dos trabalhadores, integradas a um plano socialista de produção para atender às necessidades da sociedade. Dar um fim imediato ao fardo insustentável das dívidas estudantis, do cartão de crédito e do empréstimo para aquisição de automóveis!

São essas as medidas ousadas necessárias – medidas que nem os Republicanos nem os Democratas podem cumprir. Tudo isso pode parecer inatingível – e no capitalismo isso é verdade. Mas os marxistas revolucionários baseamos nossas demandas nas necessidades objetivas da classe trabalhadora e no potencial objetivo de atender a essas necessidades – e não na suposição de que essas coisas são ou não “práticas” ou “realistas” com base no capitalismo.

É hora de acabar com a incerteza, o desperdício e a concorrência artificial do mercado. O mundo tem mais do que suficiente riqueza acumulada e capacidade produtiva para transformar o planeta e lidar com crises como a Covid-19 e as mudanças climáticas, com perda mínima de vidas e perturbações. As 500 maiores empresas do país representam a grande maioria do PIB. Muitas dessas empresas são consideradas “grandes demais para falir” pela classe dominante. Os marxistas as consideramos “grandes demais para serem deixados em mãos particulares“.

O mundo em que vivíamos há apenas uma ou duas semanas atrás está morto e enterrado. As normas e a visão de mundo que fluíam daquele mundo não são mais sustentáveis. A sociedade está em processo de reestruturação. A questão é se ela será reestruturada em termos favoráveis aos capitalistas ou se a classe trabalhadora tomará seu destino em suas mãos no próximo período histórico.

Embora muitos trabalhadores fiquem cabisbaixos por um tempo, haverá eventualmente uma onda de greves, protestos e movimentos sociais de massa à medida que os trabalhadores se organizem e entrem em ação para proteger seus meios de subsistência e condições de vida. As ocupações e comitês no local de trabalho também estão em jogo, pois milhões perdem o emprego e as cerimônias. E não devemos descartar o surgimento de ações de defesa nos bairros para garantir a segurança e o bem-estar dos moradores de bairros populares e pobres. Tudo isso pode potencialmente lançar as bases para o tipo de situações de duplo poder que vimos nos últimos meses em lugares como Equador e Sudão.

O ritmo de tais desenvolvimentos é impossível de prever. Os marxistas não têm uma bola de cristal e entendemos que, mesmo em um período de profunda crise, pode haver mudanças temporárias. É possível que as medidas de estímulo que estão sendo consideradas possam estabilizar as coisas e interromper, temporariamente, o surgimento de tais fenômenos. Mas nada de fundamental terá sido resolvido e a confiança da classe trabalhadora ficou profundamente abalada.

Uma “nova normalidade” está sendo imposta aos trabalhadores pela segunda vez em pouco mais de uma década. A sensação de que “não dá mais” quando se trata da instabilidade e precariedade do sistema, mais cedo ou mais tarde, obrigará milhões a entrar em ação. Podemos, portanto, prever razoavelmente que o período em que estamos entrando será mais tumultuado que 2008, a década de 1970 e até a década de 1930. Haverá muitas consequências imprevisíveis. Mas uma consequência que podemos prever é que, em um certo momento, uma situação pré-revolucionária surgirá bem aqui no ventre da própria besta.

Infelizmente, os atuais líderes trabalhistas não fizeram nada de significativo para mobilizar o enorme potencial de poder de seus membros nessa direção. Em vez disso, o chefe AFL-CIO, Richard Trumka, apelou aos 13 milhões de membros da federação para “ligar para o seu representante” a fim de exigir que a OSHA [Occupational Safety and Health Administration, agência do governo] implemente melhores padrões de segurança. É como pedir aos seus vizinhos que solicitem ao conselho da cidade que peça novas calçadas depois que um tornado destruiu as casas e as ruas!

A classe trabalhadora está desorientada e impressionada com a enorme escala do que os atinge. O efeito é multiplicado pela falta de uma liderança clara da luta de classes. Mas a atual atomização e dispersão acabará se transformando em seu oposto, pois milhões de americanos percebem que soluções individuais não serão suficientes. É necessária solidariedade e ação coletiva, e estamos confiantes de que a energia ilimitada e a criatividade da classe trabalhadora encontrarão maneiras de tornar isso realidade.

Depois de borbulhar em fogo lento na última década, todas as contradições do sistema estão agora fervendo. De fato, estamos no meio de uma guerra – e dizem que a guerra é a serva da revolução. A interrupção da vida “normal” causada por eventos como guerras, crises econômicas e políticas desencadeia saltos dramáticos na consciência. Milhões estão sendo empurrados por um caminho que leva inexoravelmente à revolução.

A curva de desenvolvimento entre o potencial revolucionário e a realidade pode ser significativamente acelerada se um catalisador na forma de uma organização revolucionária estiver presente. Essa é a perspectiva para a qual a CMI está se preparando. Precisamos de “todas as mãos no convés” e convidamos você a se envolver em uma das muitas teleconferências de grupos e dos grupos de discussão que organizamos todas as semanas, à medida que ultrapassamos as restrições temporárias de movimento e reuniões e nos preparamos para nos lançarmos à luta real do mundo que se descortina no horizonte.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM SOCIALISTREVOLUTION.ORG

Deixe Seu Comentário