Imagem: NDLA

Assange pode ser extraditado para os EUA

Julian Assange, jornalista e fundador da organização de denúncias WikiLeaks, agora pode ser extraditado para os Estados Unidos para enfrentar acusações de espionagem, determinou a Alta Corte de Justiça em 10 de dezembro. Esta decisão foi a favor de um apelo do governo dos Estados Unidos para anular a decisão anterior, em janeiro, do Tribunal de Magistrados de Westminster, que negou a extradição com o fundamento de que as duras e restritivas condições de prisão que Assange pode enfrentar podem piorar seu bem-estar mental, criando um risco real de suicídio.

No entanto, o governo do Reino Unido, comprovadamente, não está preocupado com o bem-estar de Julian Assange, que passou sete anos isolado na embaixada do Equador em Londres em condições semelhantes às de uma prisão. Depois disso, em resposta ao pedido de extradição dos Estados Unidos e como resultado de um acordo entre o governo equatoriano de Lenín Moreno e os Estados Unidos, ele foi preso pela Polícia Metropolitana de Londres e colocado na prisão de segurança máxima de Belmarsh, onde está mantido em confinamento solitário até hoje: um tratamento extremamente duro para uma pessoa que não representa uma ameaça para o público.

Agora ele provavelmente será extraditado para os Estados Unidos, cujo governo planejou seu sequestro e assassinato, onde enfrentará julgamento por acusações que representam uma sentença combinada que equivaleria à prisão perpétua. Durante todo o processo, o governo do Reino Unido foi cúmplice do imperialismo dos EUA.

Condições horríveis

As condições horríveis às quais Assange está sujeito obviamente prejudicaram sua saúde física e mental. Recentemente, foi revelado que ele sofreu sintomas de um derrame durante as audiências em outubro deste ano. No entanto, colocar o foco da defesa na saúde debilitada de Assange, em vez de nas acusações injustas contra ele, é um erro grave. Poderia fornecer cobertura caso algo ruim acontecesse a Assange depois de ser levado para os Estados Unidos.

E no final, para contornar essa defesa, os EUA fizeram algumas promessas vagas. Por exemplo, eles disseram que ele não estaria sujeito a “medidas administrativas especiais” nem que ficaria preso em um estabelecimento de segurança máxima. As autoridades “magnânimas” dos EUA chegaram a prometer que, no caso de Assange ser condenado, ele teria permissão para se inscrever para cumprir pena em uma prisão australiana.

Após 7 anos isolado na embaixada equatoriana em Londres, após um acordo entre o governo de Moreno e os Estados Unidos, Assange foi para uma prisão de segurança máxima / Imagem: Domínio público
O valor dessas promessas pode ser visto, por exemplo, no caso de David Mendoza, que foi extraditado da Espanha para os Estados Unidos sob acusação de tráfico de drogas, com a condição de que fosse autorizado a cumprir a pena no primeiro país. Mas seus pedidos foram rejeitados durante seis anos, rompendo as garantias diplomáticas que recebera dos Estados Unidos.

Mendoza testemunhou o tratamento severo que recebeu mesmo em uma instalação de segurança considerada como média-alta:

“Você não tem nome; você tem um número e deve repeti-lo a cada contagem. As contagens são a cada três horas nas prisões federais de segurança superior. Outra coisa que os guardas fariam é, em vez de apontar a lanterna para o teto, eles a acenderiam bem na sua cara”.

Isso pode nos dar uma ideia do tratamento a que Assange estaria sujeito em uma prisão de segurança média-alta. Mas as promessas de que ele não iria parar em uma prisão de segurança máxima durante ou após seu julgamento vieram com a condição de que ele não fizesse nada para justificar isso no futuro. O que exatamente justificaria voltar atrás nesta promessa? Isso caberia às autoridades americanas, tornando a promessa sem valor.

Culpado por enfrentar o imperialismo

E o que Assange fez para justificar o pesadelo que enfrenta atualmente, e que vem enfrentando há quase 10 anos? As acusações de espionagem levantadas contra ele dizem respeito à ajuda a Chelsea Manning na obtenção e publicação de documentos confidenciais e informações relacionadas com a brutalidade do exército dos EUA nas guerras imperialistas no Iraque e no Afeganistão.

Uma das justificativas para essa acusação era que a divulgação dessas informações colocava em risco a vida de informantes afegãos e soldados americanos. Deve ficar claro para todos que a culpa por quaisquer vidas potenciais perdidas e pelas muitas vidas inocentes que realmente foram perdidas está totalmente nas mãos dos fomentadores da guerra imperialistas, e não nas dos jornalistas e denunciantes que procuram desmascará-los!

Ironicamente, esta decisão a favor do ataque dos EUA à liberdade de expressão veio dois dias depois do anúncio de um “fundo de responsabilidade” para defender o jornalismo independente / Imagem: Domínio público
A verdadeira razão para o julgamento de Assange não tem nada a ver com a forma como esses documentos foram adquiridos, ou se eles foram publicados com os nomes das pessoas redigidos (o que eles foram). A verdadeira razão por trás da campanha contra Assange está na revelação dos crimes do imperialismo norte-americano e da classe dominante norte-americana.

Ironicamente, esta decisão a favor do ataque dos EUA à liberdade de expressão veio dois dias depois que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, anunciou um “fundo de responsabilidade” para defender o jornalismo independente e os repórteres alvos de seu trabalho. O anúncio foi feito na abertura da chamada “Cúpula pela Democracia”.

Blinken também se gabou de que o governo dos Estados Unidos “fará a maior contribuição de qualquer governo para o recém-lançado Fundo Internacional para a Mídia de Interesse Público“, um fundo com os objetivos declarados de “sustentar a mídia independente em países ao redor do mundo” e “reforçar a liberdade de imprensa apoiando jornalistas e organizações noticiosas que falam a verdade ao poder”. É seguro supor que nenhum financiamento será dado a jornalistas que falam a verdade à maior potência imperialista. A hipocrisia aqui é impressionante.

Este veredicto representa um ataque à liberdade jornalística e à liberdade de informação. Como marxistas, estamos ao lado de Julian Assange e de denunciantes como ele, em defesa da liberdade de expressão e contra a intimidação dos Estados capitalistas àqueles que expõem seus crimes.

  • Detenham a extradição e libertem Julian Assange!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

 

 

 

Deixe Seu Comentário