Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes

Argélia: grandes marchas do Dia da Revolução – agora, preparar uma greve geral!

A grande manifestação de 1 de novembro marca um ponto alto para o movimento argelino Hirak, que ocorre há 37 semanas sem interrupção. O regime decidiu convocar eleições presidenciais em 12 de dezembro, que as massas corretamente rejeitaram. O slogan de uma greve geral para deter as eleições e forçar a expulsão do regime está ganhando terreno.

Em 1 de novembro, o Dia da Revolução, é um feriado nacional na Argélia, marcando o início da guerra revolucionária pela independência em 1954. Centenas de milhares de pessoas foram às ruas da capital Argel em uma enorme demonstração de força, logo após o regime (agora liderado Bensalah, mas na prática liderado pelo chefe do exército Ahmed Gaid Salah) anunciou eleições presidenciais para 12 de dezembro. Os manifestantes temiam que o regime bloqueasse as entradas da cidade, como fez antes, então dezenas de milhares viajaram de todo o país no dia anterior e passaram a noite em Argel esperando o grande protesto de 1 de novembro. Ao tentar impedir o êxito da manifestação, o regime criou uma situação em que dezenas de milhares de pessoas já estavam tomando as ruas na noite anterior. O clima era de desafio e havia um sentimento de força.

O movimento de protesto Hirak recuperou, na prática, a guerra pela independência contra o domínio colonial de 1954 a 1962, privando o regime de qualquer legitimidade que pudesse reivindicar como herdeira dessa tradição. No domingo, 30 de junho, o regime prendeu o veterano de 86 anos de idade da guerra de libertação, Lakhdar Bouregaa, por causa de suas críticas ao líder do exército Salah e às suas eleições presidenciais fraudulentas. Bouregaa foi preso sob a acusação de “minar o moral do exército em tempos de paz”. Quando ele apareceu na frente do juiz, em 22 de outubro, recusou-se a responder quaisquer perguntas, dizendo que não reconhecia o sistema de poder e não estava disposto para trair o Hirak. Muitos levavam máscaras com o seu rosto na manifestação.

Salientando o divórcio entre o regime e a tradição da guerra de libertação, duas outras veteranas da FLN – Djamila Bouhired e Zohra Drif – também se juntaram ao movimento Hirak e marcharam contra o regime. O Exército Nacional dos Povos, que tentou reivindicar legitimidade como sucessor do Exército de Libertação Nacional, ficou completamente exposto.

As multidões estavam muito conscientes dessa conexão e, entre os slogans que entoavam, estavam: “Les généraux à la poubelle, wa el djazair teddi el istiqlal” (“Generais na lixeira e a Argélia recuperará sua independência”) e “Ya Ali Amar baldi fi danger, n-kemlou fiha la bataille d’Alger ”(“Hey Ali Amar, meu país está em perigo, completaremos a batalha de Argel”) em referência ao herói da luta pela independência Ali Amar, também conhecido como Ali Lapointe, e ao papel que ele desempenhou na batalha de Argel. Havia outros cânticos ligando a luta atual à revolução da independência: “Yal Haoues, el moudjahidine fel habs” (“El Haoues [comandante martirizado da FLN] os moudjahidine [combatentes] estão na prisão!”, Referindo-se à prisão de Bouregaa). Alguns enfrentaram a polícia gritando: “Hadi dawla wala istiimar” (“Este é um Estado ou um poder colonial?).

Estado de ânimo de desafio

Um artigo de repórteres presentes explica o que aconteceu na véspera de 1 de novembro:

“Manifestantes chegando de todo o país, enfrentando os postos de controle da Gendarmaria e da polícia. E foi no começo da noite que tudo começou. Um primeiro grupo de jovens do bairro Wilayas improvisou uma demonstração que atravessaria a avenida Amirouche até Grande-Poste, onde, gradualmente, dezenas e centenas de pessoas se transformaram em alguns milhares, reunidos … Eles não esperam pelas 20h. Nem pelas 23:59 horas, como sugerido no Facebook. Mehraz [morteiro de bronze tradicional] é agora! Muitos desses instrumentos míticos de bronze encontraram-se do lado de fora com a missão, ao mesmo tempo, de fazer barulho no endereço de Hirak e de fazer soar o sinal de morte do sistema. A atmosfera é festiva, alegre. Bem-humorada. Até que as forças policiais, anteriormente na espera, recebessem ordens para repelir a crescente multidão além do perímetro da Avenida Khettabi. A evacuação é brutal. Sem cuidados. Mas os manifestantes insistem e persistem. E isso vai durar uma boa parte da noite. Entre Didouche Mourad, Place Audin, Place des Martyrs. Os canhões apenas lembrarão que é meia-noite. Essa vigília resultará na prisão de cerca de 200 pessoas, segundo testemunhas oculares confiáveis, ao redor do TNA”.

Vale a pena reproduzir um relato da manifestação publicada pela Inter Lignes Algerie sob a manchete “Milhões marcham fortes em 1º de novembro: resposta histórica ao poder estabelecido”:

“… os argelinos, apegados aos ideais da gloriosa revolução, mobilizam-se maciçamente para marcar a história da pós-independência da Argélia. ‘Tsunami’, ‘maré humana’, ‘onda’ … Todos os qualificadores não serão suficientes para descrever a grande mobilização popular registrada hoje em Argel, mas também em todas as cidades do país. Milhões de cidadãos, sem risco de erro, invadiram as ruas do país para exigir a conclusão da independência, cujo curso foi desviado no dia seguinte à saída do colonizador… Não é de surpreender que a capital tenha visto uma das marchas mais mobilizadoras desde o início do movimento popular de 22 de fevereiro.

“… Mas centenas de pessoas conseguiram acessar Argel, algumas das quais passaram a noite sob as estrelas. Enfrentando o cansaço e os policiais que os perseguiam, eles foram os primeiros na rua a dar o ponto de partida para essa grande marcha. Esta última começou nas primeiras horas da manhã. A rua Didouche Mourad, a Place Audin e o Grand Poste estavam lotadas de pessoas a partir das 10 horas da manhã. Foi um precursor do sucesso da marcha.

“Por volta das 13h30, as ruas da capital geralmente usadas pelos manifestantes já estavam cheias de pessoas. Era difícil encontrar o caminho entre as multidões de manifestantes que chegavam a esses bairros, que se estendiam por vários quilômetros: rua Hassiba Ben Bouali, que leva de 1 de maio à Grande Poste, a avenida Zighout Youcef que leva da Place des Martyrs em direção a Argel-Centro e A rua Didouche Mourad, que desce para a Place Audin, estavam saturadas.

Significativamente, e em um sinal de ânimo desafiante, a bandeira Amazigh do povo berbere foi hasteada, apesar da proibição do general Gaid Salah em meados de junho. Na quarta-feira anterior à marcha, Salah havia enfatizado o banimento da bandeira Amazigh, ameaçando aos que desobedecessem com cinco anos de prisão pelo crime inventado de “lesão ao emblema nacional”. Apesar das ameaças, a bandeira Amazigh foi orgulhosamente exibida na marcha, com milhares gritando “iwa nigui imazighen” (“nós somos Amazigh”), o que levou a mais prisões.

A enorme manifestação em Argel foi o centro das atenções no dia, mas também houve grandes manifestações em todas as cidades do país. O movimento de protesto em massa, iniciado em fevereiro, conseguiu adiar e depois cancelar as eleições presidenciais, e finalmente forçou a renúncia de Bouteflika em abril. Desde então, o regime tenta reconstruir sua legitimidade com uma combinação de cenoura e pau. Houve repressão seletiva, com a prisão de ativistas e de figuras proeminentes da oposição, mas sempre que o exército tentou usar a repressão aberta contra o movimento, isso foi recebido com um protesto ainda maior pelas massas.

Acreditando que o movimento estava começando a enfraquecer após oito meses de manifestações semanais, os militares pensaram que era o momento certo para dar um passo adiante. No entanto, a convocação de eleições presidenciais pela odiada junta militar serviu de estímulo para que as pessoas saíssem para as ruas em maior número do que antes. A enorme manifestação da oposição em 1 de novembro deixa o regime em uma posição muito enfraquecida, mas ainda no poder. As eleições se tornaram um ponto focal na luta entre o poder oficial do regime militar e o poder das ruas.

A greve total dos juízes e magistrados é uma indicação de como a crise revolucionária está afetando até partes do aparato estatal. A greve, convocada pela União Nacional dos Magistrados (SNM), começou em 24 de outubro em defesa da independência dos tribunais da intervenção do governo e exigiu a renúncia do ministro da Justiça. Mais de 3.000 juízes e magistrados estiveram envolvidos no movimento. Depois de uma semana de greves, no domingo, 3 de novembro, ocorreram cenas sem precedentes, quando o governo decidiu enviar policiais contra o tribunal em Oram, que havia sido ocupado por juízes. Na terça-feira, 5 de novembro, os líderes sindicais do SNM decidiram encerrar a greve, apenas para serem recebidos por uma revolta de suas próprias fileiras, recusando-se a aceitar a chamada para voltar ao trabalho. Estamos falando aqui de juízes, não de estivadores militantes!

Completar a revolução

O movimento Hirak colocou o regime contra as cordas. O povo argelino, os trabalhadores, os pobres, os camponeses e, acima de tudo, os jovens demonstraram enorme disposição para lutar, grande coragem diante da repressão e resiliência nas 37 semanas que o movimento durou até agora. O que falta é uma estratégia clara de dar o último golpe ao regime e derrubá-lo.

A ideia da necessidade de uma greve geral está se espalhando como fogo. O poderoso Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Energia já convocou uma greve de três dias nos dias 5 e 7 de novembro por razões abertamente políticas em apoio ao Hirak. Os professores também estão em greve, os seguradores entraram em greve no último domingo e os bancários estão ameaçando uma greve nacional. Ao mesmo tempo, a cidade militante de Beijai-a foi paralisada por um movimento de greve geral em 5 de novembro, envolvendo sindicatos autônomos e afiliadas locais da UGTA oficial. O movimento de greve, que também afetou outras partes do país, coincidiu com as manifestações semanais dos estudantes na terça-feira, que acontecem paralelamente às principais manifestações toda sexta-feira. Encorajados pela demonstração de força de 1 de novembro, desta vez, as manifestações foram maiores que o normal. Um dos sindicatos que convocavam uma greve geral, o COSYFOP, anunciou que 36 Wilayas (províncias) haviam se juntado ao movimento de greve.

Este é claramente o caminho a seguir. Uma greve geral massiva paralisaria o país e colocaria o regime militar de joelhos. Não estamos falando apenas de uma greve de protesto “normal” – essa seria uma greve geral política que colocaria a questão “quem governa o país: Gaid Salah e os generais ou o movimento Hirak”?

A organização de uma greve geral política e de massas é a única maneira de derrubar o regime e pode servir de base para a convocação de uma Assembleia Constituinte Revolucionária, na qual trabalhadores e camponeses possam decidir o futuro do país de maneira democrática. Para conseguir isso, comitês de greve e ação devem ser estabelecidos em todos os locais de trabalho, escolas e universidades, em todos os bairros da classe trabalhadora e coordenados no nível das Wilayas e nacionalmente, por meio de uma rede de representantes eleitos.

As demandas democráticas e nacionais do movimento (anistia total, dissolução das forças de repressão, derrubada dos generais, respeito aos direitos nacionais da Amazigh, direito de greve sem restrições, sindicatos livres e democráticos) precisam ser combinadas com demandas econômicas e sociais (assistência médica para todos, educação gratuita, pão e moradia) que só podem ser alcançadas com a desapropriação das multinacionais, a renacionalização de empresas privatizadas e a expropriação da oligarquia capitalista, que se enriqueceu por estar dentro ou perto ao poder do regime.

Na atual situação mundial, uma vitória revolucionária na Argélia provocaria ondas de choque no norte da África e além. Seria recebida com solidariedade e simpatia pelos trabalhadores que preparam uma greve geral na França. A luta heroica da Argélia pela independência seria concluída com a abolição do capitalismo.

Abaixo os generais! Abaixo o sistema!

Por uma greve geral política contra a eleição presidencial falsa!

Comitês em todos os lugares! Por uma Assembleia Constituinte Revolucionária! Todo o poder para os trabalhadores!

Por uma Argélia socialista livre da dominação imperialista!

Tradução de Fabiano Leite.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Irã: o movimento foi reprimido, mas a luta está apenas começando

Duas semanas se passaram desde a erupção dos protestos em todo o Irã, depois que ...