Alemanha: era de estabilidade acabou

Os resultados da 20ª eleição federal alemã em 26 de setembro mostram um processo contínuo de polarização na Alemanha. A opinião pública nunca esteve tão volátil, os eleitores nunca estiveram tão indecisos e o parlamento nunca esteve tão fragmentado. O sistema político democrático-burguês da Alemanha está em crise, mas nenhuma alternativa de luta de classes foi encontrada nesta eleição.

Os maiores perdedores desta eleição são os democratas-cristãos conservadores (CDU / CSU) e seu candidato a chanceler, Armin Laschet. A CDU alcançou seu pior resultado em uma eleição federal de todos os tempos. Acabou com apenas 18,9% dos votos. Com 5,2%, a CSU apenas superou a barreira de 5%. A coalizão CDU/ CSU recebeu 24,1% dos votos, uma queda de 8,9 pontos.

A Social Democracia (SPD) conseguiu aumentar sua participação em 5,2% em comparação com a eleição anterior, mas, mesmo assim, este foi o seu terceiro pior resultado em uma eleição federal. Agora, o SPD pode nomear mais uma vez um chanceler após quatro períodos legislativos. O Partido Verde, liberal, também obteve fortes ganhos, embora não tenha chegado perto de seu pico de 28% nas pesquisas de opinião. Com 14,8% (+ 5,8%) dos votos, surge como a terceira força mais forte. O liberal Partido Democrático Livre (FDP) também saiu um pouco mais forte da eleição, com 11,5%.

Além da CDU, o partido racista Alternative für Deutschland (AfD) e o partido de esquerda DIE LINKE, em particular, perderam votos. A AfD alcançou 10,3% (-2,3%), mas conseguiu estabilizar sua base de eleitores. O DIE LINKE, por sua vez, ficou aquém da barreira de 5%, com 4,9%. Quase reduziu pela metade seu resultado eleitoral em comparação com a última eleição geral. Ele só foi capaz de reentrar no Bundestag (parlamento) como um grupo parlamentar graças à conquista de três mandatos diretos.

8,7% votaram em outros partidos que não ingressaram no Bundestag. Com 76,6% de comparecimento, a participação eleitoral foi a mesma da última eleição. Quase 15 milhões de eleitores válidos não foram votar. Os abstencionistas são, portanto, o maior “partido”. Além disso, há 9,5 milhões de pessoas em idade de votar, com cidadania estrangeira ou apátridas na Alemanha, que não tiveram permissão para fazê-lo.

Uma vitória instável para o SPD

Esta campanha eleitoral foi mais apolítica do que nunca. No entanto, não faltaram questões que precisavam ser discutidas, por exemplo, a mudança climática, especialmente após as desastrosas enchentes de julho, a pandemia da Covid-19, a crise econômica etc. O foco foi, em vez disso, uma disputa de personalidade entre os partidos, já que nenhum deles poderia oferecer à população uma solução real. Seus programas diferiam apenas marginalmente uns dos outros. Os índices de aprovação pessoal dos candidatos a chanceler foram, portanto, decisivos para o desempenho de seus partidos.

Durante um bom período de tempo, parecia que essas eleições iriam se transformar em uma disputa entre os Verdes e a CDU/ CSU, com várias facções do capital lançando o seu peso a esses partidos. Seguiu-se uma batalha suja da mídia pelo primeiro lugar. Por exemplo, houve discussão na mídia sobre questões como erros nos currículos dos candidatos; um livro da candidata verde Annalena Bareback; e a maneira como Laschet riu enquanto o presidente federal Steinmeier, do SPD, fazia um discurso após as desastrosas enchentes de julho. Mas os estrategistas burgueses obviamente superestimaram o quão estável era o apoio aos verdes e à CDU/ CSU. Esta campanha na mídia foi recebida com ressentimento geral e desconfiança da população em relação aos partidos e aos políticos, alimentada por anos de falsas promessas. Laschet e Baerbock acabaram sendo queimados pela mídia.

Ao mesmo tempo, o candidato a chanceler Olaf Scholz (SPD) conseguiu ganhar popularidade, fortalecendo o SPD. Ele se beneficiou simplesmente por não ser um dos outros dois candidatos e do fato de que, após quatro períodos legislativos com a CDU no comando, o clima geral era evitar outro governo liderado pela CDU. Scholz era o mal menor com a maior chance de vitória.
No entanto, a recuperação do SPD nas eleições não significa uma reversão da crise em que está mergulhado há décadas. Scholz não ganhou por causa do programa do SPD. Não houve movimento em direção ao SPD na forma de um aumento no número de membros. Não havia entusiasmo como houve, por exemplo, na campanha de 2017 de Martin Schulz (SPD), quando as questões sociais ocuparam o centro do palco. O SPD terá apenas uma breve trégua em sua crise em curso.

Quem ficará com o maior pedaço da torta?

Uma etapa prolongada de formação do governo está provavelmente à frente. Os dois partidos liberais, os Verdes e o FDP, querem “pré-negociar” depois que seu desacordo em 2017 os impediu de ter uma fatia do bolo do governo. Os partidos estão agora expondo suas posições centrais para negociações sobre cargos ministeriais. Scholz conta com uma “coalizão de semáforos” (por conta das cores partidárias do SPD, FDP e Verdes). Como vencedor da eleição, o SPD goza formalmente do direito de assumir a chancelaria. Mas uma coalizão dos Verdes e do FDP com a CDU/ CSU também não pode ser descartada, em teoria. Os Verdes e o FDP, portanto, mantêm uma posição forte de negociação.

Por sua vez, a CDU/ CSU não descarta a possibilidade de liderar um governo. Ela está flertando com a chamada “coalizão Jamaica” (CDU/ CSU-FDP-Verdes). Na verdade, um governo liderado pela CDU é muito improvável. Outro período legislativo em que introduzirá medidas impopulares mergulharia a CDU/ CSU em uma crise muito mais profunda. Do ponto de vista do capital, seria melhor que o partido tivesse tempo para “se recuperar”, na oposição.

Além disso, uma “coalizão Jamaica” não conseguiria dar a impressão de que o progresso social está na ordem do dia. Tornaria mais difícil para ambas as partes envolvidas e para a classe capitalista garantir o apoio social de que necessita para as medidas vindouras em favor da classe dominante. Tal coalizão seria extremamente impopular e indigna de confiança para trabalhadores e jovens desde o primeiro dia.

Com toda a probabilidade, veremos um novo governo formado por uma “coalizão de semáforos”, composta pelo SPD, Verdes e FDP. Para o público, ele será vendido como um bloco “social-ecológico-liberal” com o objetivo de abordar os problemas sociais urgentes. Na realidade, este governo recorrerá a medidas impopulares, assim como o governo vermelho-verde o fez no início dos anos 2000.

No entanto, de início, seria mais prudente para essa coalizão manter a ilusão de que formaria um governo que proporcionaria proteção climática, reforma social e progresso tecnológico. Um governo em que a maioria da população tenha ilusões é exatamente o que a classe dominante precisa, e é por isso que representantes da burguesia alemã, como o chefe da empresa têxtil Trigema, Wolfgang Grupp, querem dar a liderança ao SPD e assumir que ele vai agir “responsavelmente”, ou seja, no interesse da burguesia. A inclusão do FDP em particular, como o partido mais diretamente representativo dos interesses do capital, asseguraria que melhorias substanciais nas condições de vida da classe trabalhadora fossem eliminadas do programa de tal “coalizão de semáforos”.

Crise em todos os partidos

Enquanto isso, na CDU/ CSU, o conflito que já havia chegado ao clímax na luta pelo poder entre Laschet (CDU) e Söder (CSU) pela candidatura a chanceler há alguns meses volta a ganhar velocidade. Vários rumores estão surgindo. Por exemplo, surgiu a ideia de que Söder deveria liderar as negociações da coalizão e buscar se tornar chanceler. Mais uma vez, o primeiro-ministro da Saxônia, Kretschmer (CDU), se manifestou contra qualquer reivindicação da CDU ao governo. Norbert Röttgen (CDU), por sua vez, aludiu à ideia de renovar o pessoal do partido. Quanto tempo Laschet pode aguentar como líder federal da CDU? Quanto tempo vai levar para explodir a luta latente pelo poder dependerá de quanto tempo essas negociações de coalizão se arrastem e de quão realista seja uma coalizão envolvendo a CDU, em primeiro lugar. De qualquer forma, um aprofundamento da crise da CDU está se aproximando.

A AfD conseguiu se consolidar de maneira geral e reunir em torno de si uma base de eleitores que aprovam a direção demagógica e racista do partido. Na Turíngia, Saxônia e Saxônia-Anhalt, ela ganhou um total de 16 mandatos diretos. Mas a AfD também sofreu perdas e isso está intensificando o conflito entre suas diferentes alas. O conflito sobre o curso do partido vai continuar e vai enfraquecê-lo. Jörg Meuthen já criticou a trajetória do partido em entrevista coletiva com a dupla de candidatos principais, Alice Weidel e Tino Chrupalla. Além disso, o resultado da AfD mostra que não tem nada a oferecer exceto demagogia e racismo e, portanto, não pode atualmente alcançar um sucesso comparável ao FPÖ na Áustria ou ao Rassemblement National na França.

Acima de tudo, o FDP e os Verdes conseguiram vencer entre os jovens e os novos eleitores. Para grande parte da juventude, a crise climática é uma questão crucial para as eleições. Muitos ainda têm esperanças e ilusões entre os Verdes. Mas os Verdes não serão capazes de deter a crise climática com seu programa. O FDP, por outro lado, com o foco na “liberdade”, “digitalização” e “inovação”, conseguiu marcar pontos com muitos jovens e novos eleitores. A pandemia da Covid-19 expôs os problemas que existem apenas nas escolas e universidades. O FDP não poderá alterar isso, porque se baseia em isenções fiscais para os ricos e, ao mesmo tempo, pretende reduzir a dívida do Estado. Não contribuirá para investimentos na escala necessária na educação ou em qualquer outro setor. As ilusões da juventude nestes dois partidos não durarão muito. E, à medida que essas ilusões forem sendo destruídas, também o será o êxito eleitoral desses partidos.

O centro fortalecido?

O Parlamento está ainda mais fragmentado do que era depois das últimas eleições. Se olharmos para a migração de eleitores entre os partidos, a base social da CDU/ CSU e do SPD está diminuindo. Uma grande parte dos votos do SPD é composta por eleitores que mudam de outros partidos. A CDU/ CSU, por outro lado, ainda detém uma parcela um pouco maior dos eleitores centrais, embora tenha perdido muitos para outros partidos. Ambos os partidos também têm um eleitorado envelhecido, minando ainda mais sua base social.

Até a década de 1990, a CDU/ CSU e o SPD conseguiam mais de 80% dos votos. As coalizões eram formadas, principalmente com o FDP, por um ou outro desses partidos. Foi só nas eleições federais de 1998 que uma coalizão foi formada entre o SPD e os Verdes. O processo de fragmentação do chamado “centro” político começou para valer na Alemanha nos anos 2000.

O aumento da migração eleitoral mostra que a sociedade está se politizando e que a CDU / CSU e o SPD não são mais os únicos pontos de referência para quem busca respostas para os problemas sociais. Os partidos que atualmente estão obtendo ganhos – os Verdes e o FDP – não fornecerão respostas para a crise do capitalismo e, como tal, encontrarão enormes problemas para construir uma base social forte.

As chamadas “franjas” podem ter perdido esta eleição, mas o centro não foi fortalecido. A AfD, à direita, e o partido de esquerda, DIE LINKE, não conseguiram provar que eram alternativas ao status quo. O centro, entretanto, está se desintegrando. Enquanto o SPD e a CDU/ CSU estão em declínio, o FDP e os Verdes são apenas estações intermediárias no processo de politização e polarização.

Por que esse desenvolvimento?

A base da crise do sistema político é a crise geral mundial do capitalismo e suas consequências sociais. Essa crise começou na década de 1970 e foi avançando lentamente. A partir da década de 1970, na Alemanha, o desemprego começou a crescer e atingiu 11% em 2005, a maior taxa de desemprego de todos os tempos. Ao mesmo tempo, o investimento diminuiu como proporção do produto interno bruto. A classe capitalista na Alemanha e seu aparato estatal seguem uma política de cortes para proteger seus interesses, sufocar a crise de superprodução e aumentar seus lucros.

Um ponto de viragem decisivo foi a chamada “Agenda 2010” e outras contra-reformas no início dos anos 2000, que foram aprovadas sob o governo vermelho-verde então liderado por Gerhard Schröder (SPD). Esses ataques tiveram consequências drásticas para as condições de vida e de trabalho da classe trabalhadora e, acima de tudo, aumentaram a exploração.

Como resultado, o setor de baixa remuneração cresceu, afetando consistentes 24% dos empregados segurados desde 2011. O emprego atípico aumentou: mais de 8 milhões de trabalhadores trabalham em tempo parcial. Outros 7 milhões estão empregados marginalmente. O trabalho temporário, o falso trabalho autônomo, os contratos zero hora e o emprego a prazo aumentaram enormemente. Mais de 60% dos empregados com menos de 35 anos de idade estão empregados com contratos de duração determinada.

A expansão desse emprego atípico reduziu o desemprego – havia emprego recorde de 45 milhões registrado em 2019 – mas, ao mesmo tempo, a participação dos salários ficou no mesmo nível de 2000. Isso significa que os salários como parte do PIB não foi maior em 2019 do que no início do milênio, apesar de um aumento significativo do número de pessoas empregadas. A exploração aumentou drasticamente.

A consequência é o aumento da desigualdade. Na Alemanha, a desigualdade, medida pelo coeficiente de Gini, cresceu 19,3% entre 2010 e 2019 e, de acordo com o 6º Relatório de Pobreza e Riqueza do governo, já está em 0,81. A Alemanha é, portanto, um dos países mais desiguais do mundo.

Essa polarização de classes entre os trabalhadores – que tem cada vez menos embora trabalhe e produza cada vez mais – e os capitalistas – que está cada vez mais rica porque a exploração está aumentando tanto – é a base para a instabilidade social e política que finalmente chegou à Alemanha. A polarização de classes também leva à polarização política, pois as pessoas começam a questionar a ordem existente e procuram uma solução para seus problemas pessoais e sociais.

O fim da era Merkel

Houve muitas crises desde os anos 2000, embora a era Merkel, começando com sua ascensão à chancelaria em 2005, seja geralmente apresentada como um período de estabilidade. As maiores crises foram a crise financeira, a crise do euro, a crise dos refugiados e a pandemia da Covid-19. Ela só foi capaz de suportá-los por ser muito ágil em adaptar suas posições sobre várias questões de acordo com as circunstâncias e, acima de tudo, de acordo com os interesses e necessidades dos capitalistas.
Na crise do euro, o governo alemão estava particularmente interessado em fazer da Grécia um exemplo para consolidar o domínio político da Alemanha e manter a UE unida. Na crise dos refugiados, ela repentinamente adotou um tom humanista e falou a favor do resgate de alguns dos refugiados. Isso foi necessário devido, em primeiro lugar, à solidariedade que a grande maioria da população sentia pelos refugiados, mas um influxo de refugiados também foi considerado muito conveniente pelos capitalistas como potenciais depressores salariais em uma época de relativa ascensão. Até aquele ponto, Merkel havia assumido a posição de que “a sociedade multicultural fracassou”, que os muçulmanos não estavam dispostos a se integrar e que a integração na “cultura alemã” era obrigatória para os migrantes. Após a resolução temporária da crise dos refugiados, ela voltou a adotar uma política xenófoba.

Com grandes e iminentes convulsões na política internacional: com o conflito econômico entre EUA, China e UE; a competição pela digitalização industrial; as tensões crescentes na UE; a crise climática, bem como as consequências econômicas das políticas pandêmicas, o próximo governo federal se verá com muito menos pilares estáveis ​​sobre os quais se apoiar. Isso destruirá quaisquer ilusões que existam com relação a ele, e as massas ficarão com um sentimento amargo de que todos os partidos são tão maus quanto os outros. Isso só vai agravar a crise de todos os partidos e de todo o sistema político.
Enquanto não houver uma ruptura com o capitalismo, o curso dos acontecimentos será determinado pela crise do capitalismo e pelos interesses da classe dominante. Os ataques à classe trabalhadora e à juventude aumentarão. As políticas adotadas pelo governo cessante durante a pandemia apenas reforçaram esse desenvolvimento. A maior parte do dinheiro distribuído pelos bancos centrais e pelo governo foi para salvar os lucros das grandes corporações. Até agora, essas medidas representaram 39% do PIB. A classe trabalhadora terá que pagar por isso em algum momento, sem falar no custo da crise climática.

A crise dos sindicatos

Esses problemas só podem ser resolvidos derrubando o capitalismo. Mas as organizações de massa do movimento operário não estão interessadas nisso. As direções dos grandes sindicatos – Deutscher Gewerkschaftsbund (DGB) – ajudaram a administrar a crise nas últimas décadas. Quase não há greves na Alemanha. Cortes de empregos, fechamentos de fábricas, evasão de negociações coletivas e outros ataques da classe capitalista e dos governos mal são resistidos.

Durante a pandemia da Covid-19, essa fraqueza dos sindicatos tornou-se particularmente evidente. A direção sindical quase não expressou qualquer crítica perceptível às medidas do governo e não apresentou qualquer alternativa no interesse da classe trabalhadora que pudesse ter superado as divisões entre os trabalhadores. Na campanha eleitoral, eles não declararam lealdade a nenhum partido, nem explicaram como iriam implementar as demandas que fariam ao próximo governo.

Assim, os sindicatos da DGB também têm sua parcela de responsabilidade pelo resultado desta eleição. Sem uma perspectiva e sem uma direção de luta de classes dos sindicatos, a polarização da sociedade se desdobrou principalmente ao longo dos limites dos partidos burgueses do chamado “centro”.

Derrota pesada para DIE LINKE

DIE LINKE (“A ESQUERDA”) desempenhou um papel semelhante e, portanto, trouxe para si um resultado desastroso. A co-presidente do DIE LINKE, Susanne Hennig-Wellsow, comentou, no mesmo sentido, que os resultados do partido foram uma consequência de seus erros passados. Certamente podemos concordar com esta avaliação. O fato de a Sra. Hennig-Wellsow estar à frente do partido é em si uma expressão dos erros do partido. Com ela no comando, o curso de colaboração de classe do DIE LINKE foi claramente acelerado.

A derrota do DIE LINKE é o resultado do severo enfraquecimento de suas raízes no movimento operário e especialmente nos sindicatos. Isso foi acompanhado por um flerte consistente do partido com o SPD e os Verdes, e uma mudança para a direita no programa do partido. Isso é particularmente ilustrado no “programa imediato” dos dois principais candidatos, Dietmar Bartsch e Janine Wissler. O programa eliminou todas as características que distinguiam o DIE LINKE com antecedência, na esperança de se tornar parte de uma coalizão vermelho-vermelho-verde (SPD-LINKE-Verdes). A renúncia do partido a qualquer programa de verdadeiras reformas sociais no interesse da classe trabalhadora no curso desta campanha eleitoral foi o fator decisivo para garantir tal derrota para o DIE LINKE.

A questão agora é: como essa derrota eleitoral será discutida e avaliada em nível de base? A crise do DIE LINKE chegará ao ápice após este desastre eleitoral, e por enquanto não existe nenhuma facção da oposição capaz de assumir a luta por um programa socialista genuíno. A base do partido é amplamente inativa e carece de perspectiva. As correntes reformistas, de vários matizes e cores, são tudo o que existe na direção e no aparelho do partido – e todas elas são responsáveis ​​pelo resultado eleitoral e pela trajetória geral do partido. Um partido de esquerda que se abstém de se apresentar como uma alternativa séria e radical, e que programaticamente se alinha com o partido social-democrata mais amplo, é supérfluo e necessariamente não convincente.

O que é necessário é um programa socialista – uma orientação firme para a classe trabalhadora e suas lutas, e a construção de estruturas reais nos locais de trabalho, sindicatos e bairros. Em suma, é preciso um partido que realmente defenda as melhorias sociais, contra as políticas de austeridade e os ataques do capital e do governo, ou seja, um partido que realmente defenda uma alternativa, que se veja como tal e que possa conquistar a maioria de trabalhadores ao seu programa.

Luta de classes pela frente

Uma das lutas mais importantes que poderiam ser facilmente conectadas a um programa socialista geral é o bem-sucedido referendo “Deutsche Wohnen & Co. Enteignen”, no qual os residentes votaram por expropriar a propriedade de empresas imobiliárias privadas em Berlim. Este referendo foi construído por mais de dois anos por um movimento popular e obteve 56% dos votos a favor, em comparação com 38% dos votos contra. Esta é uma expressão inovadora do estado de ânimo em Berlim. Mas também revela o estado de ânimo da sociedade em geral. A maioria está aberta a uma posição da classe trabalhadora sobre a propriedade privada e é a favor da expropriação dos proprietários e de oferecer albergues aos gatos gordos.

As consequências da crise da Covid-19 e da mudança climática exigem uma solução revolucionária da classe trabalhadora. Mais de 40% da população deseja mudanças fundamentais. Eles têm medo das mudanças climáticas e temem que seu padrão de vida esteja ameaçado. A maior parte da população considera injusta a distribuição da riqueza na Alemanha. Com base nesse clima, uma alternativa real da classe trabalhadora deve ser construída. Somente um programa socialista pode resolver os problemas enfrentados pelos trabalhadores e jovens.

O próximo governo será um governo em crise. Tem a tarefa de unir a maioria da população em um programa de crise que vai contra os interesses da classe trabalhadora. Os partidos já são impopulares ou gozam de pouca confiança entre o povo. Isso levará a explosões de protesto e ao enfraquecimento do governo, dos partidos burgueses e do sistema político como um todo.

A luta de classes no próximo período, portanto, se intensificará, e muitos tirarão conclusões anticapitalistas. Convidamos todos os que veem a necessidade de uma alternativa de luta de classes a se juntar a nós e construir a Corrente Marxista Internacional conosco. Estamos construindo uma forte corrente revolucionária marxista no movimento trabalhista e na juventude para derrubar definitivamente este sistema.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário