Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes
Rawal Asad entoando palavras de ordem em solidariedade a um ativista estudantil assassinado

Paquistão: rejeitado pedido de liberdade sob fiança de marxista preso, protestos continuam

Neste dia 19, o juiz da Sessão Adicional de Multan rejeitou o pedido de liberdade sob fiança de Rawal Asad, embora a ordem escrita seja emitida amanhã. O advogado de Rawal, Azhar Bukhari, apresentou uma sólida defesa diante do juiz e argumentou que o caso é fabricado do início ao fim. Ele também citou precedentes de muitas decisões de vários tribunais do Paquistão nas últimas décadas e assinalou que unir-se a um protesto é um direito democrático básico de todos os cidadãos, como garantido na Constituição (até agora).

Todos os advogados de Multan são da opinião de que o tribunal é totalmente tendencioso nesse caso e se encontra sob a influência de forças externas, pressionando os juízes.

Amanhã, os detalhes do julgamento serão divulgados e o recurso será arquivado na Suprema Corte. Entretanto, parece improvável que se consiga algum alívio de um judiciário corrupto, apodrecido e obsoleto como o do Paquistão.

Entrementes, foram realizados protestos em Lahore e Faisalabad, enquanto mais protestos estão programados em Multan, Bahawalpur e em outras cidades nos próximos dias. Estudantes da PYA também estão sendo ameaçados diretamente pela administração da universidade e pelas agências secretas para se afastarem da campanha para libertar Rawal Asad. Mas, contra todas as possibilidades, os estudantes estão comprometidos em realizar essa campanha até que Rawal seja libertado.

A Escola de Inverno 2019 da Fightback, em Montreal. Foto: Fightback

O sindicato dos trabalhadores ferroviários de Multan também expressou solidariedade com Rawal Asad e exigiu sua imediata libertação. Mais sindicatos e organizações dos trabalhadores estão expressando solidariedade e, nos próximos dias, essa campanha se tornará cada vez maior, envolvendo mais camadas de estudantes e da classe trabalhadora.

Enquanto isso, internacionalmente, vários eventos de solidariedade foram organizados nos EUA, Canadá, Grã-Bretanha e Suécia, com outros a caminho. No Canadá, na Escola de Inverno 2019 de Fightback, realizada em Montreal, estudantes, trabalhadores e ativistas de distintas cidades dos EUA e do Canadá mostraram seu forte apoio e solidariedade aos revolucionários paquistaneses que enfrentam as piores condições sob o atual regime de direita, sofrendo perseguição estatal e brutalidade.

Conferência da Federação de Estudantes Marxistas, em Londres. Foto: MSF

Na Grã-Bretanha, foi aprovada uma resolução na Conferência da Federação de Estudantes Marxistas, em Londres, no sábado, 16 de fevereiro, mostrando apoio aos camaradas paquistaneses e também exigindo a libertação de Rawal Asad da custódia policial. A Federação de Estudantes Marxistas também anunciou a realização de um protesto diante do Alto Comissariado Paquistanês em Londres na quarta-feira, 20 de fevereiro, às 13 horas. Todos os estudantes e trabalhadores estão convidados a se unir a esse protesto para exigir a libertação de Rawal Asad e impedir que o estado vitimize e prenda ativistas sob acusações de sedição.

Na Suécia, ativistas estudantis e trabalhistas de Gotemburgo, assim como de Umea, enviaram mensagens de solidariedade ao Paquistão. Também foram recebidas mensagens individuais e de grupos dos EUA, Canadá, Suécia e Rússia. Mais eventos foram anunciados em todo o mundo.

Camaradas na Suécia. Foto: Revolution (Suécia)

Apelamos a todos os nossos leitores a apoiar a luta pela libertação de Rawal Asad seguindo as sugestões aqui descritas, bem como para chamar as Embaixadas e Consulados paquistaneses em suas áreas para solicitar informações sobre esses procedimentos, além de exigir sua imediata libertação e a retirada das acusações contra ele.

#LibertemRawalAsad

Camaradas suecos na Embaixada Paquistanesa em Estocolmo:

Vi sänder live från manifestation mot gripandet av vår kamrat Rawal Asad!

Posted by Marxistiska Studenter Stockholm on Monday, 18 February 2019

Tradução de Fabiano Leite.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Como se trai uma revolução? – Parte 2

Apesar do fracasso do imperialismo no dia 23 de fevereiro em forçar a entrada da ...