Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes
Foto: Libertie Algerie

A revolução argelina: “fora é fora!”

No último dia 16, milhões de argelinos tomaram as ruas na quarta sexta-feira consecutiva de protestos contra o regime de Abdelaziz Bouteflika. De acordo com estimativas iniciais, as manifestações foram ainda maiores que as do dia 8 de março, que abalaram o regime e tiveram número recorde de participantes. Há muito habituado a realizar todos os seus crimes impunemente, o regime agora é forçado a se dar conta de que as massas não vão desistir facilmente.

Apesar de todas as tentativas da camarilha dominante para sufocar e sabotar o movimento, dezenas de milhares de argelinos começaram a tomar as ruas desde a manhã. Em cada bairro, escola, universidade e local de trabalho, as massas estiveram se preparando. Em Argel e outras cidades importantes, policiais tentaram bloquear as vias principais dentro e de acesso à cidade, mas à tarde milhões de pessoas os haviam engolido. Todas as ruas principais do centro estavam lotadas e o mesmo aconteceu em outras cidades e distritos:

قسنطينة الآن

Posted by Djalel Debbah on Friday, 15 March 2019

O regime ficou paralisado pela força do movimento de massas. De Argel a Constantina, de Oran a Tamassat no extremo sul, os imensos protestos ocorreram em todos os cantos do país exigindo a renúncia de Bouteflika, o fim da corrupção e do nepotismo. Os manifestantes entoavam palavras de ordem tais quais “Não à prorrogação [do quarto mandato presidencial]”, “A escolha é do povo”, “Fora é fora”, “Por um estado de direito baseado na legitimidade”, “Desrespeitar a Constituição é crime”, “Nem Bedoui, nem Said, não à prorrogação!”. Em Tamassat, uma grande faixa na rua dizia “Não a Washington, não a Paris, nós escolhemos o presidente!”:

As massas perdem o medo

O movimento amadurece a cada instante. Enquanto inicialmente as reivindicações estavam centradas na candidatura de Bouteflika, mais e mais palavras de ordem são direcionadas ao regime como um todo. Uma grande faixa em Argel trazia a imagem de diversos figurões do regime e os dizeres “Todo traidor terá seu fim”. Outra dizia “Eu testei esse regime e não perdi peso, então eu vou mudar o meu regime”. Ao mesmo tempo, palavras de ordem em referência à luta revolucionária anticolonial estão sendo relembrados, embora dessa vez dirigidas contra aquela que um dia foi a principal organização do movimento, a Frente de Libertação Nacional (FLN).

Na quinta-feira, o exército fez uma declaração ameaçadora àqueles que estivessem planejando ir às manifestações, dizendo que manteria a segurança “em qualquer condição e circunstância”. Mas ficou claro que o movimento hoje representa um desafio grande demais e as forças armadas foram obrigadas a se conter. Está claro que, se os generais tivessem intervido diretamente contra o movimento, correriam o risco de romper as suas fileiras em linhas de classe. Sintomaticamente, o vídeo de um policial se juntando ao movimento na cidade industrial de Bejaia foi compartilhado dezenas de milhares de vezes durante o dia.

Ao mesmo tempo, o movimento grevista que se iniciou no domingo anterior parece continuar. Ao longo da semana, professores e estudantes de todos os níveis educacionais e de todo o país entraram em greve juntamente com diversas outras categorias, como os magistrados, pequenos comerciantes, servidores públicos etc. Mais importante, no entanto, é o setor de gás e petróleo, que representa 35% do PIB da Argélia. Aqui, a empresa estatal Sonatrach – que é também a maior empresa africana – ameaçou todos os seus trabalhadores com graves consequências na eventualidade de “reunião de qualquer espécie ou paralisação [coletiva] do trabalho, [mesmo que] brevemente”. No entanto, trabalhadores de todo o setor, em bases de gás e petróleo de lugares como Hassi Alramel, Hassi Messaoud e outros pólos petroquímicos, teriam entrado em greve em desobediência expressa:

Há diversos vídeos de Hassi Martin e Hassi Ramel circulando online, mostrando protestos de massas nas ruas: os maiores que essas regiões já viram. Este é um acontecimento-chave:

#Grève dans les compagnies pétrolières contre le prolongement du 4e mandat. #algérie #manifestations

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

Malgré les menaces ils font grève pour sauver l'Algérie.

Posted by Isallen on Friday, 15 March 2019

Posted by Isallen on Friday, 15 March 2019

Uma revolução se deflagra

O movimento estourou em 22 de fevereiro, quando Bouteflika anunciou que iria concorrer a um quinto mandato como presidente da república. Além da natureza corrupta e autoritária de seu regime, o descontentamento das massas é inflamado pelo fato de que Bouteflika está mais ou menos vegetativo desde que sofreu um derrame em 2013. No entanto, embriagados por uma falsa confiança, a camarilha de generais, empresários e burocratas que usam ele como uma marionete para seu domínio pensou que poderia prosseguir com seus planos habituais impunemente.

#شرطي ينضم إلى جانب #الشعب 😍 كيف لا و هم جزء منه 👏⁦⁦🇩🇿

Posted by ‎الجزائر اليوم L'Algérie aujourd'hui‎ on Friday, 15 March 2019

Dialeticamente, no entanto, esse foi um insulto grande demais, e décadas de raiva e frustração acumuladas contra o degenerado regime efervesceram à superfície. Inicialmente, esses senhores acreditaram que poderiam lidar com a revolta da maneira usual, ameaçando afogar o país em uma sangrenta guerra civil igual à da Síria ou mesmo a que a própria Argélia viveu nos anos 1990. Mas a desafiadora juventude nas ruas respondeu com a palavra de ordem “aqui não é a Síria”. Eles estavam fartos.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores Argelinos (UGTA), Abdelmadjid Sidi Said, que é próximo de Bouteflika, advertiu (a classe dominante) sobre o crescente sentimento de raiva entre a classe trabalhadora. Isso também se refletiu em uma declaração dos ramos da UGTA nos grandes subúrbios industriais de Argel, Rouiba e Reghaia, afirmando que “os membros não desejam um sistema ligado aos oligarcas”.

Tudo isso veio à tona na semana passada, começando por um dia de protestos que reuniu milhões em 8 de março, seguido por um amplo chamado à greve geral. Este movimento grevista começou a se materializar no domingo, 10 de março. Primeiramente, grupos isolados de trabalhadores entraram em greve, organizando-se apenas em nível individual e pelas redes sociais. Mas durante o domingo e a segunda-feira, a grande maioria das seções locais da UGTA se juntaram à greve, desafiando sua liderança aliada ao regime. A greve se espalhou por todo o país, atingindo portos, fábricas automotivas, trens, metrôs, agronegócio, lojas, escolas e, o mais importante, o setor de gás e petróleo, onde houve grandes agitações.

#Alger

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

Conforme a confiança das massas crescia, a classe dominante começou a balançar. Veteranos da luta anticolonial da FLN, organizados na Organização Nacional de Mujahideens afirmaram que “é dever da sociedade argelina, em todos os seus setores, ir às ruas”. Imãs por todo o país se negaram a realizar sermões em defesa do regime e mil juízes afirmaram que não irão legitimar uma eleição se ela ocorrer com a participação de Bouteflika. Até mesmo o chefe do Estado-Maior do Exército, Ahmed Gaid Salah, que rapidamente se colocou contra o movimento ameaçando-o em todas as oportunidades, afirmou no sábado que “o povo e o exército têm uma visão comum para o futuro”.

O fator decisivo em tudo isso foi a entrada em cena da classe trabalhadora como força organizada. Nas revoluções egípcia e tunisiana, foi exatamente o desenvolvimento das greves gerais que lançou o golpe final contra os moribundos ditadores. Vendo que a classe trabalhadora argelina estava se movendo na mesma direção, o regime rapidamente recuou. O que esses senhores mais temem é que a classe trabalhadora perceba sua própria força e potência. Isto é, que ela perceba que não precisa de capitalistas, oligarcas, burocratas e generais para governar a sociedade.

As manobras do regime

Manobrando para conseguir tempo, Bouteflika (ou melhor, aqueles que falam em seu nome) anunciou que não iria mais concorrer a um quinto mandato. Em vez disso, as eleições seriam adiadas (indefinidamente) enquanto uma “conferência” nacional é organizada para propor uma nova constituição. Ele também demitiu o então primeiro-ministro Ahmed Ouyahia e nomeou um novo, Noureddine Bedoui, bem como um vice-primeiro-ministro, Ramtane Lamamra.

#Setif

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

Buscando embotar a vista do movimento, essas medidas não mudam nada. Noureddine Bedoui supostamente é um rosto mais “humano” e agradável que Ouyahia, mas isto é ridículo considerando-se que o ex-Ministro do Interior também é conhecido como “Ministro da Opressão” devido ao tratamento brutal dado aos manifestantes e grevistas quando estava em seu antigo cargo. Essa é também uma tentativa de compartilhar o poder no topo, com Bedoui representando as agências de inteligência e a burocracia estatal enquanto Lamamra, que também é próximo d Bouteflika, representa a comunidade empresarial “liberal-democrática”. Bedoui prometeu um governo novo e “inclusivo” em alguns dias, afirmando que esse governo incluirá jovens – como se a principal queixa das massas fosse a idade dos ministros. A questão é que aqui há um abismo intransponível separando os interesses dos trabalhadores, dos pobres e dos desempregados dos interesses dos parasitas oligarcas, dos burocratas e dos generais. Nenhuma reconfiguração do gabinete, independente de idade, poderá mudar isso.

A tal “conferência nacional” deve ser liderada por Lakhdar Brahimi, que não detém qualquer posição oficial, mas que há anos tem sido um diplomata de carreira na ONU. Um manifestante, refletindo o sentimento geral com relação a Brahimi, levantou uma placa com os dizeres “Quem é você?”.

Na verdade, nenhuma das medidas muda nada. Como muitos afirmaram, agora em vez de um quinto mandato Bouteflika entra em um quarto mandato sem fins à vista mesmo que, de acordo com a constituição, ele não possa governar legalmente após 28 de abril.

Radicalização

O único objetivo dessas manobras era, por um lado, dividir e desorientar o movimento e por outro ganhar tempo para que o regime possa se reagrupar para contra-atacar. Mas assim como em todas as outras ocasiões deste movimento, o regime calculou mal. As massas ficaram indignadas com a manobra descarada da classe dominante. Ao mesmo tempo, o movimento ganhou um gigantesco grau de confiança ao ver como fez o regime se curvar a ele quando tomou medidas radicais e coletivas.

Enquanto o movimento grevista teve um leve refluxo, os protestos não se acabaram – longe disso. Ao longo da semana, dezenas de milhares de professores e estudantes entraram em greve e foram às ruas diariamente. Na verdade, para evitar que os estudantes se encontrem, o regime anunciou férias universitárias até 4 de abril. Juntando-se à juventude nas ruas, novas categorias surgiram a cada dia. Como disse um manifestante:

“Nós não queríamos uma eleição que fosse, inevitavelmente, levar Bouteflika a um quinto mandato, e agora nós temos Bouteflika sem nenhuma eleição.”

A manobra do regime teve efeito oposto ao pretendido. Ela radicalizou as massas que antes estavam preocupadas principalmente com Bouteflika, mas que agora cada vez mais direcionam sua ira ao sistema como um todo. O regime, em contraste, está lutando para encontrar um ponto de apoio, com mais e mais aliados desertando a cada dia. Hocine Kheldoun, um aliado do regime e ex-ministro, supostamente se posicionou contra Bouteflika dizendo: “Fim do jogo. Bouteflika não tem outra escolha senão renunciar agora”. Está claro que o pânico domina os bastidores.

No alto escalão, a classe dominante busca desesperadamente restaurar algum tipo de estabilidade, mas enfrenta dois grandes problemas. Primeiramente, qualquer candidato que substituísse Bouteflika iria romper o equilíbrio dos arranjos de poder por trás do seu cadáver morto-vivo. Em segundo lugar, qualquer recuo mair na atual situação irá imbuir as massas de confiança, o que iria ser um obstáculo para que o regime siga adiante.

O imperialismo francês

Além dos capitalistas locais, o imperialismo francês está igualmente preocupado. Emmanuel Macron, que há poucas semanas apoiava a oposição reacionária venezuelana por razões “democráticas”, não parece ter qualquer escrúpulo em apoiar a degenerada ditadura civil-militar na Argélia. Inicialmente, ele se mostrou um apoiador tácito de Bouteflika ao se negar a comentar as irregularidades da campanha eleitoral e da repressão contra os manifestantes. No entanto, após o anúncio de Bouteflika, ele elogiou a medida, ao mesmo tempo em que apelava para uma “transição de duração razoável (!)”, o que vai exatamente contra o desejo do povo argelino e se alinha à classe dominante do país.

As massas argelinas responderam com palavras de ordem como “Fora, Macron”, com uma opinião geral do tipo: “nós não pedimos à França e aos EUA para nos acompanhar ou para nos dar lições e direcionamento, nós só exigimos da França que nos forneça a lista de contas bancárias e bens ilegalmente adquiridos por seus agentes, para que possamos reaver os valores e julgá-los adequadamente”. Ao mesmo tempo em que dezenas de milhares de argelinos foram às ruas na França, o movimento na Argélia declarou seu apoio aos coletes amarelos franceses. Dessa maneira, as fileiras da classe estão sendo alinhadas em nível intercontinental.

É uma severa condenação à FLN, antes porta-estandarte da luta anticolonial na Argélia, que ela hoje seja pouco mais que agente do imperialismo francês. Isso mostra os limites da luta revolucionária por direitos democráticos quando esta não é dirigido em direção a uma luta pelo socialismo.

#Bordj_bou_Arriridj

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

O regime num beco sem saída

A Argélia costuma ser descrita como país que, magicamente, evitou a Primavera Árabe. Na verdade, a Argélia foi um dos primeiros países a entrar em um rumo revolucionário no final de 2010, quando milhares de jovens tomaram as ruas contra as miseráveis condições de vida. A isto se seguiu uma onda de greves na primavera de 2011. Mas o regime conseguiu recuperar o controle devido a uma variedade de fatores. Primeiramente, o regime mantinha certa legitimidade devido ao seu passado revolucionário. Em segundo lugar, o regime usou a memória da terrível guerra civil dos anos 1990 para ameaçar as massas, principalmente as gerações mais antigas. Terceiro, e mais importante, o regime podia se apoiar nos altos preços do petróleo para comprar a paz social oferecendo concessões econômicas. De fato, os gastos públicos aumentaram em 25%! Com o aumento da população e a queda acentuada dos preços do petróleo em 2014, no entanto, essa economia rentista não pôde se manter. Cortes e austeridade voltaram para a agenda. Cerca de 90% das famílias argelinas declaram ter visto seus padrões de vida cair desde 2014. Isso levou a uma onda de greves e manifestações nos últimos dois anos.

#Tipaza #manifestations #marche_populaire

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

O que tudo isso realmente mostra é o beco sem saída do capitalismo argelino. Em um país repleto de recursos humanos e naturais, um terço da população ganha menos que US$ 1,25 por dia. O poder de compra médio caiu cerca de 60% desde 2014. Enquanto isso, o desemprego, oficialmente, permanece acima dos 10%, enquanto chega a 30% entre os jovens. Tudo isso é potencializado pela corrupção interminável, pela ganância e pela arrogância da camarilha dominante, que já acumulou enormes fortunas.

Por anos ela aterrorizou a Argélia, criando intrigas, roubando e assassinando a seu bel prazer. Mas agora ela foi longe demais. Todas as contradições acumuladas no período anterior estão agora subindo à superfície. As massas estão entrando na cena política e, como o regime percebe a cada dia, as leis que se aplicavam ao período anterior não servem mais. Sob o martelo dos acontecimentos, a consciência das massas está se elevando rapidamente.

متابعة خاصة وآنية لمسيرات اليوم الجمعة عبر قناة البلاد

متابعة خاصة وآنية لمسيرات اليوم الجمعة عبر قناة البلاد

Posted by Journal el Bilad on Friday, 15 March 2019

O regime tenta ganhar tempo e minar o ímpeto do movimento. Desta maneira, está buscando tempo para contra-atacar. A única maneira de fazer frente a isso é o movimento dar passos decididos adiante. Para isso, a entrada em cena da classe trabalhadora é decisiva. O movimento grevista que tem borbulhado precisa ser intensificado. Comitês de greve devem ser estabelecidos com delegados eleitos em cada escola, fábrica e local de trabalho. Eles precisam estar conectados em nível regional e nacional para dar o golpe final no regime. Uma vez que a classe trabalhadora começa a se mover, nenhuma força no mundo pode pará-la. Na Revolução Tunisiana, o regime caiu após três dias de greves nacionais. No Egito, levou dois dias de greves nacionais para que Mubarak fosse derrubado. Estes são os exemplos a seguir.

#Mostaganem #manifestations #marche_populaire

Posted by Presse-Algerie.net on Friday, 15 March 2019

A revolução chega em um momento em que todos os países da região estão mais uma vez à beira de uma explosão revolucionária. Se o regime de Bouteflika for derrubado, isso fará irromper uma onda de choque na região, reacendendo a Revolução Árabe.

O regime não tem mais qualquer legitimidade. Ele não passa de um pequeno grupo de parasitas que não desempenha qualquer papel produtivo. A chamada oposição não passa de um grupo de parceiros menores dessas mesmas pessoas. Os únicos que labutam diariamente para fazer funcionar a sociedade argelina são os trabalhadores e camponeses. Somente derrubando a classe capitalista e tomando o poder em suas próprias mãos eles poderão por um fim ao seu jugo e levar a sociedade adiante.

Tradução de Felipe Libório.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

Porto Rico: a classe trabalhadora pode derrotar La Junta

Depois de dez dias de protestos tempestuosos e de uma greve geral que paralisou toda ...