Início / Artigos / Internacional / Paquistão: outro marxista desaparecido

Paquistão: outro marxista desaparecido

[Atualização 26/04/18: Acabamos de receber a informação de que 4 dos 7 ativistas marxistas sequestrados no último domingo por esquadrões da morte no Paquistão foram libertados! É evidente que a campanha internacional pressionando as embaixadas paquistanesas em dezenas de países teve um grande impacto. As autoridades do regime autoritário do Paquistão se deram conta de que não poderiam desaparecer com mais estes 7 sem que houvesse uma repercussão internacional muito forte. Esta é uma primeira vitória que deve ser comemorada e queremos agradecer a cada um que fez a sua parte. Isso salvou vidas! Mas não devemos parar. Pelo contrário! Devemos intensificar a pressão sobre a embaixada paquistanesa no Brasil para que libertem com vida os outros 3 camaradas que seguem desaparecidos!]

[Atualização 25/04/18: Recebemos informações de que foram libertados dois dos quatro militantes da seção paquistanesa da CMI sequestrados pelos Rangers nesta terça-feira. Eles estavam manifestando-se pacificamente com outros ativistas e grupos de esquerda em frente ao Clube da Impressa de Karachi, contra os sequestros ocorridos anteriormente, quando foram atacados por militares. Os libertados foram Faras Raj e Jalal Jan, e permanecem presos Yasir Irshad e Shay Razai. Esses dois somam-se aos outros 7 camaradas presos no dia anterior. Os documentos abaixo foram atualizados com essas informações.]

[Atualização 24/04/18: Mais quatro camaradas nossos foram presos nesta terça-feira (24/4) enquanto participavam de uma manifestação em Karachi, no Paquistão, pela reaparição com vida dos 7 camaradas que foram sequestrados pelas forças armadas paquistanesas no último domingo! O modelo de mensagem de repúdio abaixo já inclui o nomes desses novos quatro camaradas. Chega-se assim ao número de 11 camaradas presos ou desaparecidos.]

Suspeita-se que o camarada Bilawal Baloch, de Quetta, também foi sequestrado pelas forças armadas do Paquistão. Neste domingo (22/4), seis camaradas da CMI foram levados pelo Exército e pelos Rangers Sindh [Leia para entender o caso completo], um infame departamento estatal paramilitar destinado a assassinatos extrajudiciais. Bilawal compareceu ao protesto realizado ontem em frente ao Clube da Imprensa de Karachi, que foi convocado pelo Movimento de Defesa Pashtun (PTM), e estava voltando dali para sua residência em Quetta. Mas seu telefone celular está desligado e ninguém conseguiu entrar em contato com ele.

Parece que ele foi sequestrado como parte da repressão aos participantes desse protesto, em que os manifestantes estavam exigindo um fim às atrocidades cometidas pelo exército paquistanês nas áreas tribais e em outras partes do país. Da mesma forma que os Pashtuns, os Balochis do Paquistão também viram operações militares brutais cometidas contra eles.

O camarada Bilawal é um Marxista que recentemente se graduou pela Universidade do Balochistão, em Quetta. Ele é dirigente da Aliança Progressista da Juventude (PYA, em suas siglas em inglês) no Balochistão, como vice-secretário geral, e esteve ativo em vários protestos e movimentos estudantis nos anos recentes. Junto à luta pelos direitos dos estudantes no front político, ele também travou uma batalha ideológica com os nacionalistas e vários grupos guerrilheiros. Ele tem uma firme crença na emancipação das nacionalidades oprimidas e das massas trabalhadoras através de uma revolução socialista liderada pelo proletariado.

Condenamos as táticas covardes do Estado paquistanês, que agora tem como alvo ativistas políticos envolvidos na luta pelos direitos do povo oprimido do Paquistão.

Exigimos a imediata libertação do camarada Bilawal Baloch e dos outros seis camaradas que foram sequestrados pelo exército paquistanês por levantarem suas vozes contra a injustiça do Estado paquistanês e por apoiarem o PTM em sua luta.

Apelamos aos trabalhadores do mundo para oferecer sua solidariedade aos Marxistas no Paquistão; para condenar e protestar contra este ato de injustiça cometido pelo Estado paquistanês.

Lal Salaam!

Por favor, leve este caso ao seu sindicato, partido, entidade estudantil e grupos e envie mensagens de protesto:

Para:

Gabinete do Primeiro-Ministro, Shahid Khaqan Abbasi: info@pmo.gov.pk
Embaixada do Paquistão em Brasília: pakistanembassy84@yahoo.com, parepbrasilia@mofa.gov.pk
Consulado do Paquistão em São Paulo: abdouni@pakistan.org.br

Com cópias para: editor@marxist.pk, editor@marxist.com, sorg@marxismo.org.br

Abaixo um modelo de moção a ser usada no envio de mensagens (Atualizado):

Ao Embaixador do Paquistão no Brasil
Ao Primeiro-Ministro, Shahid Khaqan Abbasi, ao escritório do primeiro-ministro Islamabad

Vimos, por meio desta, solicitar a aparição com vida e a libertação dos seguintes ativistas presos pelo Exército do Paquistão ou desaparecidos. Todos tem direito a livre manifestação e não devem ser presos ou mortos por isso.

1. Umer Riaz, organizador de PYA em Islamabad
2. Mohammed Gulbaz, organizador de RWF da Cachemira
3. Bilawal Baloch, de Quetta, vice-secretário geral do PYA, no Balochistão

To the Ambassador of Pakistan in Brazil

Prime Minister Shahid Khaqan Abbasi at the office of Prime Minister Islamabad

We have seen, through it, to call for the appearance and freedon of the following activists imprisoned by army of the Pakistan or disappeared. Everyone has the right to free expression and must not be arrested or killed for it.

1. Umer Riaz, organizador de PYA em Islamabad
2. Mohammed Gulbaz, organizador de RWF da Cachemira
3. Bilawal Baloch, de Quetta, vice-secretário geral do PYA, no Balochistão

Atenciosamente
(nome e assinatura)

Tradução Fabiano Leite

Deixe seu comentário

Leia também...

Eleição presidencial venezuelana: entre a agressão imperialista e a crise econômica

À medida que se aproxima a eleição presidencial venezuelana de 20 de maio, a campanha …