A Revolução Russa como nunca se viu antes: a história real, contada por uma testemunha ocular (parte 3)

PARTE 1 | PARTE 2

Após a Revolução de Outubro de 1917, o exército do antigo império czarista estava em processo de dissolução e a nova República Soviética estava efetivamente sem exército. No entanto, nos primeiros meses da Guerra Civil e da intervenção imperialista, um novo Exército Vermelho foi construído sob a liderança de Leon Trotsky. Foi um empreendimento monumental, cujo sucesso ainda não havia sido totalmente compreendido pelos imperialistas em 1920. As rápidas vitórias que os soviéticos conquistaram contra a invasão lançada pelo ditador polonês Piłsudski, portanto, os deixaram em estado de choque.

Abaixo estão dois artigos sobre o estado do Exército Vermelho em 1920. O primeiro, simplesmente intitulado “O Exército Vermelho” é de Walter Meakin e a data de 16 de julho de 1920. O segundo, intitulado “Características Salientes do Exército Vermelho” foi publicado no jornal americano, o Christian Science Monitor. Ambos os autores expressam admiração particular pelo brilhante general Mikhail Tukachevsky, que desempenhou um papel fundamental na Guerra da Polônia. Em 1937, Tukhachevsky seria vítima dos julgamentos de expurgo stalinistas, nos quais os oficiais mais brilhantes do Exército Vermelho foram expurgados por Stalin, privando a União Soviética de seus líderes militares mais capazes às vésperas da eclosão da Segunda Guerra Mundial.

O Exército Vermelho

Por Walter Meakin

As vitórias russas na frente polonesa finalmente dissiparão muitas lendas sobre o Exército Vermelho que sobreviveram até mesmo às sucessivas derrotas esmagadoras de Koltchak, Denikin e Yudenitch. Por muito tempo o mundo acreditou que se tratava de um exército de bandidos sanguinários, e ainda outro dia um jovem oficial britânico me perguntou se era realmente verdade que se podia andar por Moscou ou Petrogrado sem medo de rufiões que brandiam revólveres e atiravam em pessoas à queima-roupa.

Não tenho dúvidas de que o exército agora conta com 3 milhões de homens. É principalmente um jovem exército, oriundo das classes operária e camponesa. É liderado por oficiais operários e oficiais do exército czarista em números aproximadamente iguais. O comandante-em-chefe é o general Kameneff, que estava no estado-maior do czar e que se assemelha muito a Kitchener não apenas na aparência, mas também no porte reservado. Seu uniforme azul simples e bem ajustado está de acordo com a informalidade e a ausência de ornamentos militares do Ministério da Guerra. Ele trabalha em cooperação com os oficiais do estado-maior operário e com um pequeno conselho militar e político, no qual dois comunistas não militares devem ter assento.

Tukashevsky, o jovem comandante da frente polonesa, é um “produto” da campanha contra Koltchak, e sua organização da última fase de resistência e a retomada sucessiva da Sibéria conquistaram para ele o comando dos exércitos concentrados contra os poloneses. Ele vem de uma família nobre e foi um subtenente do exército do czar. Ele é um comunista e um líder nato. Ele combina excepcional habilidade de organização com habilidade militar, grande coragem pessoal e o dom de inspirar as bases com seu próprio ardor. Os homens mais velhos falam de seus dons como napoleônicos.

Considerando todas as circunstâncias, o Exército Vermelho está bem vestido e calçado; embora a variedade de seus uniformes testemunhe a improvisação. Em um desfile, observei blusas de linho de várias cores e calças ou calções de montaria em azul, marrom e verde, com alguns resquícios vermelhos que brilharam em um velho dia. Falando de forma ampla, o espírito e a postura da base do exército não diferenciam o Exército Vermelho de qualquer outra força europeia bem treinada. Tem um elemento preponderante, que se assemelha a todas as tropas conscritas, mas, ultimamente, o efeito de um furacão de propaganda política e educacional tornou-se cada vez mais perceptível, e é esta propaganda, combinada com o entusiasmo, a coragem e o sacrifício de unidades comunistas especialmente organizadas, que dá ao Exército Vermelho seu caráter e significado únicos.

A propaganda do exército é um departamento especial e fecundo da vasta organização pela qual os dirigentes bolcheviques procuram consolidar o apoio do povo e incutir ideias e aspirações comunistas. Professores, artistas, cantores, atores e professores são atraídos para a organização. Sermus, o violinista que foi deportado da Inglaterra, tornou-se um famoso propagandista no front.

Os batalhões comunistas se submetem à disciplina mais drástica. Eles constituem as tropas de choque e, por sua bravura e prontidão para enfrentar qualquer perigo, devem inspirar e elevar o moral do restante dos destacamentos. Em Borisoff, em junho, um batalhão comunista restaurou uma linha de ruptura e deixou quatrocentos mortos. Nas escolas de formação de oficiais encontram-se milhares de jovens operários, escolhidos pelos sindicatos. Destes, 25% são comunistas, 59% simpatizantes, e o restante mencheviques, socialistas revolucionários ou sem partido.

Recursos notáveis do Exército Vermelho

O general Tukashevsky, no comando da frente polonesa, é descrito como um novo Napoleão sem ambições imperialistas

De The Christian Science Monitor

Em maio, muitos escritores europeus sobre a Rússia ainda alimentavam a crença de que o Exército Vermelho era um caniço muito fino, do qual o governo soviético dependia do apoio. Nenhuma informação precisa sobre seus números, equipamento, composição ou disciplina foi filtrada. Até mesmo o nome do comandante na frente polonesa era desconhecido, e a crença geral era de que o general Brusiloff, o antigo comandante czarista, estava dirigindo as operações. Consequentemente, as recentes vitórias sobre os poloneses causaram muita mistificação.

O escritor teve muitas oportunidades de descobrir os fatos mais importantes sobre o Exército Vermelho. O comparecimento a várias manifestações militares importantes, incluindo um juramento cerimonial feito por mil jovens trabalhadores que haviam acabado de concluir o curso na escola de treinamento de oficiais, conversas casuais com soldados em várias cidades e a observação das várias etapas da imensa mobilização que ocorreu no avanço durante os estágios iniciais das batalhas polonesas, além de conversas com certos líderes militares e políticos do exército, deram uma visão abrangente do poder militar do governo soviético.

Origem do Exército Vermelho

O assunto não tem apenas um interesse atual no que diz respeito à Polônia e ao resto da Europa, mas está relacionado aos principais problemas que a Rússia soviética enfrenta – transporte, alimentação, reorganização industrial e assim por diante. Essas questões podem, portanto, ser melhor compreendidas à luz dos fatos sobre o exército e a situação militar geral, porque desde o início da Guerra Civil e da intervenção das Potências da Entente todos os outros interesses na Rússia foram subordinados às necessidades militares. O Exército Vermelho teve seu início nas relativamente poucas unidades que se aliaram aos bolcheviques em outubro de 1917, e que mantiveram alguma aparência de organização. A primeira tarefa era suprimir os bandos de saqueadores nos quais muitas outras unidades do antigo exército haviam degenerado. Pode ser verdade, como foi alegado que no início os oficiais do antigo regime foram obrigados a se juntar porque suas famílias eram mantidas como reféns, mas o escritor não conseguiu encontrar nenhuma prova disso. Certamente não é verdade agora, e é um fato que uma grande proporção dos oficiais czaristas, que agora estão no Exército Vermelho, não se juntou a ele até relativamente pouco tempo.

A força do exército cresceu à medida que aumentava a ameaça do avanço de Koltchak e Denikin, e um exemplo típico pode ser encontrado na famosa cavalaria de Budienny. Budienny era um soldado camponês e suas qualidades como líder não foram reveladas até que ele levantou um pequeno bando de cerca de 20 cavaleiros para resistir aos ataques da cavalaria de Mamontoff durante a incursão de Denikin na direção de Moscou. Mais e mais camponeses se juntaram a Budienny à medida que seus sucessos se tornaram conhecidos, e durante os últimos seis meses ele recrutou um número imenso de cavaleiros no Cáucaso, de onde alcançou a frente do sul da Polônia após uma marcha de seis semanas.

Mais de 3 milhões

O exército está organizado com base no recrutamento e, após o início da ofensiva polonesa, uma imensa remobilização foi imediatamente ordenada. Parte do exército havia sido dissolvida e os jovens camponeses estavam de volta às aldeias. Outros destacamentos haviam se transformado em exércitos de trabalho e estavam empenhados na reconstrução das ferrovias, na limpeza das cidades e em outras tarefas onde pudessem ser empregados em massa. Eles receberam imediatamente a ordem de retomar os deveres militares, e muitos outros jovens, tanto da cidade como do campo, foram chamados a se alistar. Em maio e no início de junho, todas as cidades russas apresentaram as mesmas cenas de soldados marchando e de despedidas em estações ferroviárias, como as testemunhadas na Grã-Bretanha no auge dos preparativos de Kitchener.

Em vários discursos recentes, (Nicholas) Lenine, referiu-se ao exército como uma organização poderosa de 3 milhões de homens. No momento, isso é provavelmente uma subestimação. Apesar de todas as dificuldades das manufaturas, os homens estão razoavelmente bem equipados, vestidos e calçados. Seus uniformes apresentam uma variedade interessante, e muitos usam vestimentas britânicas capturadas em Arcângel e na Sibéria. As armas, munições e equipamento geral capturadas do Almirante Koltchak e dos generais Denikin e Yudenitch também fortaleceram o Exército Vermelho consideravelmente.

Disciplina rígida

A disciplina é tão rígida como em qualquer outro exército, e os batalhões comunistas, especialmente organizados para as tarefas mais perigosas e difíceis, submetem-se à disciplina mais rígida que se possa imaginar. O governo soviético conta com esses batalhões, de fato, para definir o ritmo do resto do exército, para inspirar os soldados camponeses com um exemplo de coragem e senso de dever e para atuar como unidades de choque em qualquer estágio crítico da guerra. A esse respeito, eles sem dúvida têm um histórico notável, e em uma ação em junho, quando a linha antes de Borisoff estava em grande perigo, a mesma foi salva por um batalhão comunista que perdeu grande número de homens. Além dessas unidades especiais, a base do exército apresenta as características usuais de uma força conscrita. Sempre foi comum que os soldados camponeses russos desertassem em grande número para trabalhar por algumas semanas em suas propriedades, e a mesma coisa aconteceu no Exército Vermelho; mas ultimamente as autoridades instituíram medidas severas contra esta prática.

O controle do Exército Vermelho é exercido conjuntamente por representantes das organizações políticas e militares. Leon Trotsky, o comissário do povo, o Sr. Skliansky, seu vice, e o Sr. Smilga, o presidente do Tribunal Militar Revolucionário, são os homens de destaque no lado político. O Sr. Smilga foi anteriormente um jornalista no Cáucaso. No lado militar, estão o general Kameneff, o comandante-chefe de todo o exército, o general Lebidiev, seu chefe de estado-maior, e o general Tucashevsky, o comandante-chefe da frente polonesa. Kameneff, que é um homem alto, de pele pálida, de meia-idade, de maneiras agradáveis, mas quieto e reservado, estava no estado-maior do exército tzarista. Ele trabalha aparentemente nas melhores condições com seus colegas oficiais e afirma que o exército agora está tão completamente sujeito à disciplina que se encontra sob controle absoluto no território ocupado.

Um Novo Napoleão

O general Tucashevsky é descrito por alguns dos oficiais mais velhos como um novo Napoleão sem as ambições imperialistas do conquistador francês. Ele tem apenas 27 anos de idade. Ele foi um subtenente do Exército Czarista e se confessa um comunista convicto, embora venha de família nobre. Ele é creditado com o notável poder de despertar o entusiasmo e a devoção dos soldados, e os oficiais mais velhos elogiam sem reservas sua estratégia e capacidade de organização.

Atualmente, os oficiais operários e aqueles que pertenciam ao antigo exército são quase iguais em número, mas a política do governo é limitar todas as futuras comissões aos graduados das escolas de treinamento de oficiais, com os alunos sendo escolhidos pelos sindicatos. O jovem oficial repete depois do chefe da autoridade civil uma promessa que começa assim: “Eu, filho dos trabalhadores, cidadão da República Soviética, tomo para mim o nome de guerreiro do Exército dos Trabalhadores e dos Camponeses”. Ele se compromete a “abster-se e impedir meus camaradas de qualquer ato que desonre o nome de cidadão da República Soviética, e direcionar todos os meus atos e pensamentos para o grande objetivo da libertação de todos os trabalhadores.” Depois de se comprometer a obedecer a todas as ordens para a defesa da República, a não poupar “nem a força nem a própria vida” na “luta pela República Soviética, pelo socialismo e pela fraternidade das nações”, acrescenta: “Se não cumprir esta promessa solene, deixe-me ser universalmente desprezado e punido pela mão dura da lei revolucionária.”

Propaganda notável

Esta promessa está de acordo com a notável propaganda que é feita incessantemente no Exército Vermelho. Os homens e mulheres mais capazes do Partido Comunista, professores, administradores, conferencistas, atores, cantores, escritores, são chamados a tomar parte desta organização.

Uma sessão de leitura de literatura de propaganda durante uma pausa nas caravanas de abastecimento do Exército
Mais de 3 mil escolas, 2 mil bibliotecas, 472 teatros e 220 cinemas foram instalados nos acampamentos e depósitos militares. Circulam meio milhão de folhetos e panfletos por dia, e a propaganda política (destinada a influenciar os jovens camponeses e, por meio deles, a vida das aldeias depois da guerra) é combinada com o trabalho educativo com o objetivo de eliminar o analfabetismo. Também são ministradas palestras sobre administração local, na convicção de que, por esse meio, o interesse pelas instituições soviéticas locais será acelerado quando o exército for dissolvido. O Exército Vermelho, como todo o país, está absolutamente “seco” e as infrações aos regulamentos relativos às bebidas intoxicantes são punidas impiedosamente. Na verdade, exceto pelo incentivo dado à arte dramática, a disciplina do exército é notavelmente puritana. O Pequeno Palácio no Kremlin de Moscou agora é um clube de oficiais e, quando o escritor fez uma visita inesperada, encontrou os jovens oficiais lendo calmamente ou jogando damas e xadrez. enquanto um grupo ensaiava uma peça de Maxim Gorky.

A irrupção e a destruição da guerra civil, além da destruição da Primeira Guerra Mundial, devastaram a indústria russa. Como parte da delegação trabalhista, Meakin pôde ver isso por si mesmo ao visitar várias obras em Moscou, Petrogrado e em outros lugares. No artigo a seguir, datado de 19 de julho de 1920, ele relata fielmente o que viu nas oficinas da Rússia, mas também faz uma avaliação honesta das causas da desordem que encontrou. Como os brancos cortam regiões produtoras de matéria-prima, o bloqueio estrangulou a economia, os especialistas estrangeiros foram retirados do país e os trabalhadores voltaram ao campo para escapar da fome que rondava as cidades; com isso, o governo foi forçado a tomar medidas rígidas para reverter o declínio da indústria na sitiada república soviética.

A Rússia nas oficinas

GRAVE FALTA DE MATÉRIA-PRIMA – O BLOQUEIO – MAIS RECLAMAÇÕES DE FOME

Por Walter Meakin

Embora, em termos gerais, possa ser dito que a indústria em toda a Rússia está em uma condição muito doente, essa generalização não cobre todos os fatos. Em muitas das obras, uma recuperação lenta, mas real, das piores condições está sendo feita e em algumas um padrão muito mais alto de eficiência e produção foi alcançado do que eu esperava encontrar. Em todos os lugares, um avanço definitivo foi feito a partir do caos produzido pelas greves e revoltas de fábrica que marcaram a administração Kerensky, e pela sabotagem dos especialistas e as primeiras experiências malsucedidas no controle dos trabalhadores que se seguiram à segunda revolução [Nota: Revolução de Outubro].

No entanto, uma enorme margem de manobra deve ser tomada antes que a produtividade total possa ser restaurada, e ainda está por ser provado se a manufatura em grande escala pode ser organizada com sucesso em uma base nacionalizada. Esquemas ambiciosos e de longo alcance foram promulgados, e é impossível dizer que os criadores dos esquemas não conseguiram colocá-los em prática, porque nunca tiveram uma chance. Com as minas da bacia do Don parcialmente destruídas e o abastecimento de carvão daquela região absolutamente cortado, com os campos petrolíferos do Cáucaso igualmente isolados, com a totalidade dos trabalhadores subnutridos e com a retirada de todos os técnicos estrangeiros, que eram os principais responsáveis ​​pela direção das fábricas russas, não é surpreendente que todos os esforços para restaurar a produção para as necessidades civis tenham sido fortemente prejudicados.

Achei significativo que as oficinas mais eficientes, além de um grande moinho de farinha em Samara, fossem as dedicadas à fabricação de munições, e que a mais movimentada e mais alegre fosse uma grande fábrica de aviões em Moscou. O fato é que, há mais de dois anos, as energias dos experts nativos e dos melhores artesãos têm se voltado quase inteiramente para a produção de guerra. As adaptações de fábricas tiveram de ser feitas em todos os lugares, para que a lenha pudesse ser substituída por carvão e óleo, e qualquer engenheiro apreciará o que isso significa em grandes estabelecimentos como a fábrica Putilov em Petrogrado ou a fábrica de Samova em Nijni-Novgorod.

Disciplina nas oficinas

Com o desenvolvimento de novas organizações de trabalhadores nas linhas do sindicalismo industrial, a disciplina nas oficinas foi restaurada, quase todos os gerentes e especialistas nativos, que permaneceram no país, estão de volta ao trabalho. As necessidades pendentes são transporte, combustível, alimentos para os trabalhadores e matérias-primas nas indústrias que dependem de importações.

Examinei a maior parte das imensas obras da Putilov. Nenhuma tentativa foi feita para esconder o fato de que departamentos importantes, como o magnífico equipamento para a fabricação de máquinas marítimas, estão parados. Em vez das 40 mil pessoas que trabalharam aqui ao mesmo tempo, existem agora apenas 7 mil, muitos milhares tendo ido para o restante do país quando Petrogrado foi parcialmente evacuada. No departamento de construção de locomotivas, apenas o trabalho de reparo é feito agora, e observei as atividades dos homens em cerca de 30 motores. A seleção dos trabalhadores estava nas seções de armas e munições. Na fábrica de Samova, cerca de 5 mil homens são retidos, e aqui também a construção das locomotivas foi substituída. A siderúrgica, pela qual Samova era famosa, está parcialmente paralisada por falta de combustível, e na fundição foram feitos esforços patéticos para continuar funcionando com madeira. Na época de minha visita, o primeiro suprimento de óleo de Baku estava se aproximando e, portanto, esperava-se que uma ameaça de suspensão do trabalho em todos os departamentos, exceto no departamento de munições, fosse evitada.

O trabalho das mulheres

As fábricas de lã em Petrogrado operavam com cerca de um terço de sua capacidade, mas as máquinas permanentes eram mantidas em boas condições. As grandes fábricas de algodão de Moscou estão praticamente paradas por falta de matéria-prima, mas algumas das fábricas menores estão funcionando bem e muitas máquinas foram adaptadas para o uso do linho. Essas fábricas e usinas são bastante típicas das indústrias em geral, mas há um lado mais positivo do quadro. Grandes esforços foram feitos recentemente para restaurar a atividade da metalurgia dos Urais. As fábricas de roupas em Petrogrado, onde vários milhares de meninas e mulheres trabalham, estão trabalhando sob alta pressão, e é digno de nota que, quando Yudenitch estava nos muros da cidade, essas mulheres aumentaram sua produção em um terço para vestir os voluntários que se uniram em apoio ao Exército Vermelho.

O trabalho nas várias padarias comunitárias tem melhorado de forma constante e nos distritos de Samara e Saratov a produção de farinha foi concentrada em metade das fábricas, para facilitar a transferência de lenha. Visitei primeiro um grande moinho, equipado com as máquinas mais modernas. Estava totalmente ocioso, esperando por um suprimento de óleo combustível, mas uma pequena equipe mantinha o maquinário em funcionamento. Em seguida, visitei uma fábrica ainda maior, onde toda a fábrica estava funcionando a plena pressão sob a direção de um dos antigos gerentes “burgueses”.

Na fábrica de aviões em Moscou, por outro lado, a direção ainda é mantida por um comitê de três pessoas – dois operários e um especialista técnico. Aqui, homens e mulheres estavam trabalhando duro sob o sistema de premiação em todos os processos de artesanato em madeira, indústrias de acessórios e montagem.

Eletricidade da Turfa

Em Shatura, a alguns quilômetros de Moscou: uma experiência bem-sucedida em pequena escala foi feita na geração de eletricidade pela queima de turfa em motores e caldeiras marítimas adaptadas, e um esquema para a construção de grandes estações geradoras nos distritos de turfa foi agora preparado.

Em Razen, a 60 milhas de Moscou, um assentamento comunitário, organizado pelo sindicato dos marceneiros, está trabalhando com sucesso e com produtividade em linhas novas e independentes. Suas oficinas, esquema habitacional, creches escolares e indústrias subsidiárias têm despertado grande interesse e forte desejo de copiar o empreendimento. Esses são exemplos de esforços vigorosos que se destacam contra a depressão da industrial geral.

Seria um absurdo sugerir que esses trabalhadores estão felizes nas condições existentes. “Como podemos esperar que os homens coloquem seu coração no trabalho”, disse-me um gerente, “quando estão constantemente com fome?” Repetidas vezes, os homens me diziam em um tom calmo de resignação, que era mais atraente do que se queixar amargamente: “É muito difícil continuar. Quanto tempo vai demorar até que os trabalhadores britânicos parem a guerra e obriguem seu governo a levantar o bloqueio?” Todas as evidências que consegui reunir indicavam que a principal causa da reclamação era econômica, ou seja, falta de alimentos e roupas. Ao mesmo tempo, achei alguns dos trabalhadores não bolcheviques muito magoados por causa de suas queixas políticas, e não raramente eram feitas acusações de tirania mesquinha, favoritismo para com os comunistas e assim por diante. Sob qualquer sistema industrial, trabalhadores prejudicados serão encontrados, mas, obviamente, se o controle bolchevique sob condições mais normais e pacíficas fosse de tal natureza que criasse centros de inquietação e descontentamento nas oficinas, a estabilidade do governo mais cedo ou mais tarde seria minada. As atuais condições permitem-lhe justificar medidas rígidas e mesmo duras, que são aceitas sem resistência pela maioria dos trabalhadores porque acreditam que a segurança do país e da revolução está sob risco.

CONCLUI NA PARTE 4

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário