A Revolução Russa como nunca se viu antes: a história real, contada por uma testemunha ocular (parte 2)

PARTE 1

Nos artigos a seguir, datados de 2 de julho de 1920 e 9 de julho de 1920, Meakin oferece um panorama da vida urbana da Rússia em 1920. Embora muito distante das histórias de terror contadas no Ocidente, Meakin foi imediatamente confrontado com a escassez e as dificuldades econômicas que os moradores urbanos da Rússia enfrentaram. Mas ele também ficou impressionado com a variedade de atitudes: da raiva histérica dos ex-membros da burguesia, à resignação e aos ardentes esforços dos comunistas para superar as dificuldades impostas à nova república soviética.

Vida urbana na Rússia

Ordem e segurança nas ruas – máscara de apatia – escassez de alimentos e falta de outros itens necessários

Por Walter Meakin

Pouco antes de deixar a Inglaterra, li uma declaração, atribuída a um dos refugiados que havia retornado da Rússia, de que Moscou era uma fossa de iniquidade, sujeira e doenças. Enquanto em Moscou, li outra declaração, atribuída a um comissário da Cruz Vermelha americana, no sentido de que em Petrogrado e Moscou as pessoas andavam até os tornozelos afundadas na sujeira. Quando alguns de meus amigos souberam que eu estava prestes a visitar a Rússia, expressaram a maior preocupação não apenas por minha saúde, mas também por minha segurança pessoal.

Enquanto caminhava pelas ruas de Petrogrado e Moscou, às vezes nas primeiras horas da escuridão da manhã, não pude deixar de lembrar essas coisas com uma alegria quase cínica, refletindo sobre o poder infinito dos boatos e da fofoca agindo sobre mentes febris ou desesperadas, para produzir distorções, de fato, surpreendentes e grotescas.

Sobre a vida das pessoas, tanto quanto pode ser observada nas ruas, igrejas, teatros ou reuniões públicas, e necessariamente de forma mais limitada nas visitas a residências particulares, recebi uma variedade desconcertante de impressões. Os fatos gerais de escassez de alimentos, falta de roupas e muitas outras necessidades são logo percebidos e compreendidos. Mas o humor interno e o comportamento externo das pessoas sob essas tribulações são infinitamente diversos, variando de resistências histéricas, como a de um pássaro enjaulado batendo contra suas grades, ao zelo e energia frenéticos dos comunistas que, apesar de seu ateísmo declarado, trabalham para alcançar sua nova ordem social com o mesmo espírito dos proselitistas religiosos, desprezando o mero conforto material e sem se importar com as adversidades físicas.

Apatia ou fortaleza

Entre esses tipos extremos, encontra-se a massa de pessoas que suportam seu destino por trás de uma máscara de apatia ou de alegre fortaleza que muitas vezes esconde um sentimento cada vez mais profundo de desesperança em relação ao futuro. Essas pessoas dão ao cotidiano das ruas da cidade um aspecto curiosamente normal e que me pareceu inicialmente estranho e inexplicável, até que refleti sobre a resiliência da natureza humana e sua adaptabilidade geral até mesmo às mais difíceis condições de existência. Quão rápida, por exemplo, foi a resposta ao calor e ao brilho do sol do início do verão em Petrogrado e Moscou!

Durante o dia, as pessoas andam absortas em suas várias tarefas – indo e vindo das fábricas, lojas ou escritórios, recolhendo alimentos nos depósitos, reunindo-se nos mercados para vender alguns pertences valiosos ou para comprar artigos de primeira necessidade que se tornaram luxos. Mas, nas noites mágicas, elas lotam os bulevares e pequenos parques. Em quadras ou praças à sombra de árvores, as mães observam seus filhos brincando e quase esquecem seus problemas no prazer de ouvir risadas alegres e descuidadas. Em lugares tranquilos, os amantes caminham de mãos dadas. Os teatros do Hermitage em Moscou estão lotados e, entre os atos, nos jardins frondosos ecoa a conversa animada dos passantes.

Dias extenuantes

Os políticos e os membros ativos dos sindicatos vivem dias e noites extenuantes. A propaganda é feita incessantemente. Todas as sedes sindicais são centros de formação de oradores e, espera o governo, de futuros administradores industriais. Nas escolas, centenas de mulheres, ex-membros da classe “burguesa”, se dedicam aos cuidados da próxima geração. Nos hospitais, equipes e enfermeiras lamentavelmente inadequadas, muitas vezes trabalhando sem sabão, desinfetantes ou drogas, lutam heroicamente contra as doenças. Em um hospital de tifo de Moscou, há apenas dois médicos, quase mortos por excesso de trabalho. Embora o número de mortes entre os pacientes tenha sido recentemente tão baixo quanto 6%, a mortalidade entre o pessoal – médicos, enfermeiras, corpo sanitário – chegou a 50%. No entanto, os médicos, mobilizados pela autoridade do Ministério da Saúde, têm enfrentado seu sacrifício com firmeza, e o corpo sanitário de Petrogrado de mil homens, inscritos para o odioso trabalho de despiolhamento etc., nunca faltou com sua cota de voluntários.

Diante de enormes dificuldades, camadas significativas da classe trabalhadora russa participaram voluntariamente da reconstrução da Rússia após a guerra civil
Se é impossível generalizar sobre a rica variedade de atividades humanas que é mantida durante a revolução, podemos ao menos ser dogmáticos sobre certos fatos simples. Fiquei agradavelmente surpreso ao encontrar as ruas de Petrogrado, Moscou, Nijhni, Saratoff e outras cidades que visitei mais limpas e iluminadas do que eu esperava. Uma grande “limpeza de primavera” após o derretimento da neve estava quase concluída no início de maio, e daí em diante um programa diário de varredura normal foi executado. A ordem exigindo que todos os chefes de família, incluindo muitas mulheres refinadas e cultas que o ressentiam amargamente, ajudassem na limpeza das calçadas perto de suas casas, foi parte de um grande esforço concertado e bem-sucedido para salvar Moscou e Petrogrado dos horrores de uma epidemia de cólera neste verão. Uma outra iniciativa, de empregar exércitos de trabalho para consertar os encanamentos sanitários que se romperam em grande escala por causa da falta de combustível no inverno passado, foi abruptamente encerrada quando a ofensiva polonesa começou.

O fato de que a ordem e a segurança normais foram restauradas há muito tempo nas ruas é indiscutível. Guardas da milícia (incluindo mulheres em Petrogrado) tomaram o lugar do Exército Vermelho ou da ex-polícia e desempenham suas funções discretamente. Na companhia de um correspondente americano, eu ficava nas ruas até tarde quase todas as noites, e nunca éramos desafiados ou obrigados a mostrar credenciais, embora conversássemos em inglês.

Embora grande parte do aspecto normal das ruas esteja preservada, a cada passo é lembrada a mudança estupenda operada pela revolução. Não há multidões alegres em compras no Nevski Prospeckt, em Petrogrado, ou no Tverskeya, em Moscou. Longe vão os restaurantes e cafés da moda. Os bancos, escritórios comerciais e a grande maioria das lojas estão fechados. Toda a vida comercial ortodoxa está destruída.

Comerciantes especulativos

Por outro lado, numerosos comerciantes especulativos, incluindo muitos camponeses e judeus, exibem em barracas ou nas barracas de rua escassos estoques de pão, peixe, vegetais, leite, roupas, rendas de algodão, roupas pequenas e muitos artigos diversos. Os mercados, especialmente o Sukharev em Moscou, e os mercados mais orientais de Samara e Saratoff, estão lotados de comerciantes semelhantes.

Em Petrogrado, onde o ressentimento comunista contra o comércio privado é mais feroz do que em qualquer outro lugar, os mercados são frequentemente invadidos e a punição dos especuladores continua sem interrupção. Em Moscou, foi demonstrada maior tolerância, mas decretos ineficazes, proibindo o comércio, exceto por autorizações especiais destinadas a controlar os preços, foram emitidos de tempos em tempos.

Nas cidades provincianas a leste de Moscou, a mesma combinação de antigos e novos aspectos da vida é vista em menor escala. A impressão mais brilhante que carreguei da Rússia foi a de Nizhni Novgorod, com suas torres brilhando suavemente sob uma luz dourada do entardecer. As pessoas passeavam alegremente pelas ruas largas e limpas e pelos calçadões arborizados do seu Kremlin. Homens treinavam em um campo ao som de uma banda de metais. No teatro, uma plateia de sindicalistas apoiou um fluxo interminável de propaganda política. As igrejas estavam apinhadas de congregações devotas – principalmente mulheres e soldados – e o som de sinos de tom profundo, tão diferente do clamor áspero e furioso de algumas das igrejas de Moscou, flutuava em cadências suaves sobre a cidade.

Trabalhadores realizando trabalho voluntário durante uma Subbotnik comunista. Subbotniks eram dias de trabalho voluntário primeiramente instituídos para os sábados na União Soviética nos anos 1920, para a realização de projetos públicos locais ou para a construção de prédios públicos

O que eu vi na rússia

Semi-inanição enfrentada com coragem estoica – REFEIÇÕES E PREÇOS – os nobres apoiam-se no racionamento

Por Walter Meakin

O espetáculo de milhões de seres humanos sofrendo as aflições da fome quase transcende a compreensão. A tarefa de descrevê-lo seria bastante difícil, mesmo se todos suportassem suas provações com o mesmo espírito, mas se torna impossível quando se encontra uma variedade infinita de atitudes mentais, que vão desde o estoicismo enfadonho dos oprimidos do antigo regime até as quase histéricas queixas daqueles que perderam todo o luxo e requinte que o poder, privilégio e riqueza lhes deram no passado.

Nem todos os expropriados que ainda permanecem na Rússia acrescentam a tortura mental às suas aflições físicas. Conheci muitos que estão trabalhando em várias funções, suportando suas provações com alegre fortaleza e esperando nos momentos mais sombrios o alívio que acreditam virá quando a guerra terminar. Embora não gostem, ou mesmo odeiem, muitas características da administração atual, eles deploram a interação da contra-revolução e da intervenção que perpetuou a repressão e retardou a recuperação econômica.

A vaca do príncipe Kropotkin

Darei três exemplos típicos. Um famoso general czarista que vive na obscuridade com sua família, subsistindo da mesma comida que uma família de operários, expressa o maior desprezo pelos emigrados. “Os infortúnios da Rússia são os meus infortúnios.” É o que ele diz de fato.

Para tomar outro tipo, a atitude de Peter Kropotkin é representativa da de milhares de outros anarco-comunistas, que desejam ver as algemas do governo central serem arrancadas. Ele é um crítico obstinado de qualquer tipo de ditadura, mas denuncia a intervenção e exige que o povo russo seja deixado livre para resolver suas próprias diferenças. Sua oposição não fez com que o governo esquecesse seus sacrifícios pela Rússia, e o próprio Lenin assinou uma ordem  de que um decreto geral de expropriação não deveria operar em relação à vaca de Kropotkin. Comida extra também foi oferecida ao velho, por causa de sua saúde, mas ele orgulhosamente recusou, alegando que não aceitaria nenhum privilégio. A Sra. Kropotkin labuta bravamente no jardim de sua casa na aldeia, a 60 quilômetros de Moscou, para complementar a escassa ração com vegetais.

Meu próximo caso é o do conde Benckendorf, filho do ex-embaixador em Londres. Suas propriedades foram expropriadas, mas ele retém a parcela de um camponês e divide seu tempo entre trabalhar nesta terra como qualquer outro camponês e ajudar nas tarefas administrativas em Moscou. Enquanto centenas da velha classe “burguesa” enfrentam as provações atuais com esse espírito, outros se lamentam em vão ansiando pela restauração de seu antigo estado, ainda incapazes de perceber que seu velho mundo entrou em colapso por causa de suas injustiças grosseiras, desigualdades e tirania implacável.

Neste artigo, datado de 9 de julho de 1920, Meakin destrói o mito hipócrita da opinião pública burguesa na Grã-Bretanha que atribui a fome e as dificuldades da vida diária na Rússia ao “comunismo” – enquanto as mesmas pessoas que denunciaram o bolchevismo permaneciam totalmente indiferentes à fome na Índia e na Irlanda. Fazendo uma descrição franca da fome que a intervenção imperialista e o bloqueio causaram na Rússia, e da inegável desigualdade que existe, Meakin descreve como o regime soviético tem feito todos os esforços para limitar a desigualdade e garantir que, acima de tudo, as crianças e os soldados do Exército Vermelho sejam alimentados em primeiro lugar.

Rússia sob os sovietes

Hostilidade britânica devido ao erro – problema alimentar – pessoas salvas pelos bolcheviques

Por Walter Meakin

A contínua negação de uma paz que deixaria o povo russo livre para elaborar seu próprio futuro político e industrial, e a política da Entente dos últimos dois anos, foram toleradas na Grã-Bretanha em grande parte porque a opinião pública foi influenciada e inflamada pela distorção da verdade sobre a Rússia, ou por críticas irracionais, baseadas em conhecimento inadequado dos fatos. Consequentemente, agora que os males imensuráveis desta política estão tomando forma na mente do público à medida que a aposta polonesa se aproxima de seu clímax, é mais necessário do que nunca que todos os esforços possíveis, mesmo que imperfeitos, sejam feitos para sondar abaixo da superfície e expor os fatos destacáveis sobre a Rússia em sua verdadeira relação.

Camponeses russos entregando milho no Volga
Exemplos notáveis ​​dessa necessidade são as questões que surgem da situação alimentar, do transporte, da produção na indústria, da atitude dos camponeses em relação ao governo soviético e da força e do espírito do Exército Vermelho. É comumente assumido, e esta suposição é arduamente explorada pelos defensores da política de intervenção, que a semi-inanição das cidades, o colapso do transporte e as queixas dos camponeses são inteiramente devidos ao governo bolchevique. Presumiu-se ainda que a administração do governo soviético, responsável por este estado de coisas, deve ser chocantemente ruim e incompetente em todos os departamentos, e que seu domínio sobre o povo foi mantido por meia dúzia de homens, exercendo, de alguma forma misteriosa e inexplicável, um poder tirânico sobre 130 milhões de pessoas descontentes e ressentidas. Daí a crença persistente de que cada ataque sucessivo dentro da campanha de intervenção derrubaria o governo soviético, e que desastres e desilusões ainda maiores se seguirão à contínua recusa de enfrentar os fatos da situação atual.

Declarações do Sr. Keeling

Agora, a questão da fome oferece um teste justo do processo de suprimir mais da metade da verdade. Parece impossível escapar dessa desconsideração das declarações justas e precisas. Mesmo na “Westminster Gazette”, de sábado, em um artigo inspirado pelo Sr. H. V Keeling, é feita uma citação do que é descrito como “uma notável peça de evidência”. Este é um panfleto dedicado à Delegação do Trabalhismo Britânico pelo Dr. Vladimir Sviatlovsky, professor de Economia em Petrogrado. O senhor deputado Keeling afirma, erradamente, que este folheto ficou pronto demasiado tarde para a delegação, uma vez que me foi entregue um exemplar há sete semanas. O efeito da declaração do Dr. Sviatlovsky é que o salário de um trabalhador agora permite que ele compre apenas cerca de um terço da comida que é necessária para ele e sua família, e que, na medida em que o déficit é compensado, é através da venda de bens ou por caridade.

Não há nada de notável nesta evidência. Os fatos nos encaram onde quer que se vá na Rússia, e nenhuma tentativa é feita pelas autoridades para disfarçar a gravidade da situação. O que é notável é que o escritor do “Westminster” usa essa citação isolada como evidência dos resultados do governo bolchevique e não dá nenhuma indicação do fato de que o objetivo principal do panfleto do Dr. Sviatlovsky era explicar à delegação os efeitos desumanos do bloqueio e o apoio da Entente na guerra civil sobre a massa da população.

“Absolutamente isolado”

O Dr. Sviatlovsky não tenta esconder ou atenuar os erros, e ele está obviamente profundamente comovido e magoado pelos terríveis acontecimentos relacionados, aos quais descreve como “a dureza, a aspereza e a dificuldade do primeiro momento” da revolução, mas ele enfatiza a enormidade da tarefa de reconstrução que os líderes bolcheviques enfrentaram quando asseguraram o poder, e as dificuldades adicionais que se amontoaram sobre eles após o início da contra-revolução. “A Rússia”, diz ele, “é obrigada a alimentar, vestir e aquecer sua população sozinha, a trabalhar e produzir nas condições de um país absolutamente isolado” – e é preciso viver na Rússia para perceber como ela está completamente isolada e sem contato com o mundo exterior.

Três das declarações do Dr. Sviatlovsky vão ao cerne da situação alimentar:

“Assim, os resultados do bloqueio e da posição hostil dos Estados vizinhos em relação à Rússia trabalhadora são bastante evidentes. Em sua luta contra a Rússia, eles pioram as condições materiais de toda a população, especialmente das classes mais pobres.”

“Não pode haver dúvida sobre o fato de que, se o comércio livre existisse e não houvesse um sistema de distribuição oficial de provisões pelo governo, as classes mais pobres da população sofreriam especialmente.”

“No sistema geral de distribuição de alimentos, as crianças foram classificadas em uma categoria separada e mais privilegiada.”

Encontrei evidências abundantes e independentes da veracidade dessas declarações. Por pior que seja a situação alimentar em todas as cidades e vilas da Rússia, você não encontrará nada mais terrível ou comovente do que as imagens da miséria, especialmente entre crianças, desenhadas pelo Sr. Gardiner e outros em suas descrições da vida entre os pobres na Alemanha e Viena.

Mas, para se chegar a um verdadeiro paralelo, seria preciso imaginar uma Alemanha que, após o armistício, se viu confrontada por poderosos assaltantes, com exércitos convergindo sobre Berlim, que, para enfrentar essa ameaça, subordinou todas as necessidades civis às militares, que criaram das ruínas do antigo exército uma nova e bem disciplinada força militar de três milhões de homens e que, depois de esmagar seus três agressores, se viu obrigada a travar outra guerra formidável. Se, como as coisas são, os filhos dos pobres nas cidades alemãs, não passam de sombras de crianças, qual teria sido seu estado nas condições postuladas? Essa comparação com a Europa Central se impõe constantemente à Rússia.

Condições melhoradas

Meu próximo artigo tratará do tipo e da quantidade de alimentos disponíveis, do método de distribuição, do mercado aberto e da especulação, da provisão especial para crianças e o exército, e da incrível energia e desenvoltura criadas entre as pessoas pela fome em algumas das cidades, especialmente em Petrogrado. Acrescentarei aqui apenas que a crença comum de que as coisas foram continuamente de mal a pior é infundada, e que mencheviques, social-revolucionários e pessoas sem partido concordaram em conversas comigo que as condições melhoraram substancialmente nos últimos meses.

Pouco antes da primeira revolução, no início de 1917, filas de pessoas clamando por pão eram as características mais comuns da vida nas ruas de Moscou e Petrogrado. “Foi, de fato”, escreveu um observador competente na época, “a escassez de alimentos que disparou o trem que destruiu a velha ordem. As pessoas estavam cansadas de passar a maior parte do dia tremendo de frio na fila do pão.”

No inverno de 1918-19, e por algum tempo depois, a ração era de apenas um oitavo de uma libra de pão por pessoa por dia. Com a restauração gradual da ordem, a reconstrução das ferrovias nas áreas da guerra civil, a paralisação do declínio dos transportes e a melhoria do sistema de distribuição, a ração agora varia de meia libra a uma libra e meia por dia , de acordo com a natureza do trabalho executado.

Mas, se não fosse pela guerra polonesa, a situação tanto no que diz respeito aos alimentos quanto ao combustível teria melhorado muito antes do próximo inverno.

Um povo estoico

A sensação entorpecente de fome constante é suportada com estoicismo surpreendente pela maioria das pessoas, e é possível nos enganarmos com a mera observação casual das multidões nas ruas, bondes, trens e teatros. Fiquei surpreso com sua aparência física até que fui lembrado de que o padrão de vida dos trabalhadores russos nunca foi alto e que, tanto pela constituição quanto pelo temperamento, a raça russa tinha mais probabilidade de emergir das provações de fome e doenças do que qualquer outra raça europeia. Eu encontrei inalterada a atitude cordial e amigável que encantou tantos visitantes à Rússia, e até mesmo referências reprovadoras à participação da Grã-Bretanha no bloqueio e na intervenção foram atenuadas por expressões da crença de que apenas um governo reacionário cruel poderia ser responsável, e que se o povo da Inglaterra conhecesse todas as circunstâncias, exigiria imediatamente o fim da contenda.

Um nível comum de sofrimento

Quanto às crianças, sua condição física e alegria tranquila se devem ao cuidado especial que recebem, e isso me leva ao ponto de que, com duas grandes exceções, as populações da cidade estão em um nível comum de sofrimento e resistência – uma circunstância que, até onde posso averiguar, diferencia inteiramente a Rússia dos outros países atingidos pela fome da Europa Central. Muitos eventos relacionados com a revolução chocam e angustiam os ingleses que leem certos episódios da Irlanda e da Índia muito levianamente, mas você, de qualquer forma, procurará em vão na Rússia exemplos de extravagância ostentosa e de vida desenfreada enquanto as famílias dos trabalhadores lutam para evitar a realidade da inanição.

Loja comunal da vila
As exceções que mencionei são o Exército Vermelho e as crianças. O governo soviético declara livremente sua política. “Devemos fazer o nosso melhor para alimentar e equipar o exército”, dizem eles, com efeito, “porque a revolução deve ser salva e os inimigos estrangeiros devem ser rechaçados. Devemos dar o nosso melhor às crianças, porque estamos construindo para o futuro. Portanto, conclamamos a nação a suportar seus sofrimentos com coragem e esperança”. Em todos os lugares se ouvem queixas e mais queixas, mas, a julgar por todas as evidências que pude reunir, descobri que é impossível duvidar de que o apelo tenha gerado uma resposta ampla e profunda. Quase todos concordam que as piores privações são devidas à necessidade imperiosa de subordinar todos os interesses civis, exceto os das crianças e dos doentes, à tarefa suprema de terminar a guerra com sucesso e obter através de uma manifestação avassaladora de força a paz que as aberturas diplomáticas, consideradas pela Entente como um sinal de fraqueza, não conseguiram. Essa é a explicação para a consolidação do poder do governo soviético.

Esse fato também explica a incrível organização de esforços voluntários para suplementar os alimentos que estão disponíveis por meio da maquinaria de distribuição do governo. Por razões que explicarei ao tratar da condição do campesinato, o governo não pode, nas atuais condições anormais, assegurar a totalidade dos suprimentos de alimentos pela distribuição oficial. Portanto, vemos multidões de habitantes nas estradas rurais ou lotando os trens locais com pacotes de comida de todos os tipos imagináveis. Indivíduos visitam amigos ou parentes no país, sindicatos enviam comitês de coleta de alimentos para comprar a granel e toda a produção é compartilhada naquele espírito comunitário tão característico do povo russo. Associações de racionamento foram formadas, e esse movimento está em uma escala impressionantemente grande em Petrogrado: trabalhou 150 horas no verão passado e dividiu entre seus amigos e parentes 700 libras de batatas, repolhos e outros produtos. No inverno, caminhava até uma vila a 20 verstas de distância nos fins de semana e carregava para casa em um saco um pood, ou cerca de 35 libras, de farinha. Pode-se multiplicar esses casos por mil. Pode ser considerado de forma ampla que a ração do governo fornece os seguintes alimentos em média:

Café da manhã: substituto do café ou chá e pão preto.

Tarde: Sopa rala com kasha (farinha de sementes de painço, que é saborosa e nutritiva quando bem cozida) e, ocasionalmente, metade de um arenque seco ou uma pequena porção de carne.

Ceia: Pão e café.

Isso é complementado pelo rendimento das coletas nas aldeias e pelas compras de acordo com a capacidade, no mercado livre ou por cartão de racionamento nas lojas do governo. As medidas para suprimir o comércio especulativo ou controlar esses preços de mercado aberto não tiveram sucesso, e acho que as autoridades perceberam que não terão sucesso até que a ração do governo seja muito aumentada e variada. Os infratores contra os decretos são presos e encarcerados de vez em quando, mas, enquanto as pessoas estão com fome e a comida extra está disponível, aberta ou secretamente, eles juntam rublos para fazer compras ocasionais. Trabalhadores que recebem bons prêmios, técnicos e certos profissionais podem comprar com mais frequência, enquanto um número muito limitado de especuladores e outros da “nova burguesia”, como são descritos com desdém – podem obter em um ou dois cafés discretos uma xícara de café de verdade e um bolo doce por 800 rublos, ou qualquer jantar de três pratos por quatro ou cinco mil rublos, que é o salário médio de um mês de um trabalhador.

120 rublos por um ovo

Os preços no mercado aberto em Moscou podem ser indicados por estes exemplos: pão, 400 rublos por libra-peso; cebolas, 250; manteiga, 2400; e peixes, 600; leite, 90 rublos o copo; e ovos, 120 cada.

Nas aldeias e cidades do Volga, os preços são apenas um quarto desses valores, de modo que o efeito da melhoria do transporte e a solução do problema dos camponeses seriam imediatamente benéficos.

As autoridades estão confiantes de que, quando for possível desviar o transporte de guerra para suprimentos civis, a situação melhorará rapidamente. Mesmo se a guerra continuar, acredito que grandes esforços serão feitos antes e depois para obter algum alívio do recém-restaurado tráfego do Volga.

A coleta e distribuição dos alimentos básicos, através da combinação de sovietes locais, dos sindicatos, do movimento cooperativo reconstituído e dos departamentos do Conselho Econômico Supremo, funciona não sem defeitos, mas com notável sucesso considerando todas as dificuldades que devem ser enfrentadas. Onde se veem filas de pão, elas são atribuídas ao enfraquecimento das equipes administrativas devido à mobilização para a frente, e a arrecadação nas várias lojas é promovida em sistema cooperativo entre os moradores de apartamentos e cortiços.

Não encontrei nenhum funcionário que fingisse que as condições existentes não são muito angustiantes, ou que existe igualdade, ou que algumas pessoas sofrem maiores privações do que outras. Mas descobri um desejo maior de remediar queixas, mesmo que apenas para diminuir o descontentamento assim que os meios para fazê-lo estiverem disponíveis. Não posso duvidar da veracidade da alegação de que existe uma certa quantidade de corrupção no serviço público (embora não seja comparável à administração czarista subjugada), e que alguns dos funcionários se aproveitam de sua posição para desfrutar de melhores condições do que a média. Mas é bem sabido que, quando descoberta, a corrupção foi cruelmente punida (um funcionário antibolchevique deu-me exemplos de seu conhecimento pessoal), e também é admitido, até mesmo por seus adversários políticos, que um grande número de chefes de departamentos e funcionários comunistas não apenas vivem em simplicidade ascética, como também trabalham duro e fervorosamente em seus esforços para estabelecer firmemente a nova ordem social.

Após a devastação de anos de guerra, revolução e guerra civil, com a economia russa em ruínas, todas as esperanças para a reconstrução econômica giravam em torno da questão de restaurar o sistema de transporte: consertar locomotivas, colocar novos trilhos e erguer pontes destruídas. Até que essas obras fossem realizadas, a indústria lutaria para conseguir o combustível de que precisava e as cidades, que foram forçadas a competir com o Exército Vermelho por grãos por causa da guerra civil, lutariam para ser alimentadas. Neste artigo, datado de 14 de julho de 1920, Meakin dá uma ampla descrição da escala assustadora do problema, das dificuldades diárias que ela acarretava e do zelo heróico com que os trabalhadores, seus sindicatos e a liderança bolchevique estavam se esforçando para completar esta tarefa vital .

A Rússia e os transportes

Reavivamento da atividade industrial – as ferrovias – esforços retardados pela ofensiva polonesa

Por Walter Meakin

Quaisquer que sejam os problemas econômicos que se buscam investigar na Rússia, a questão do transporte aparece rapidamente em primeiro plano. Como já salientei, as causas do colapso industrial são numerosas e variadas. Até certo ponto, a deterioração gradual dos serviços de transporte, o declínio da produtividade nas fábricas e a queda na produção agrícola podem ser atribuídos precisamente às mesmas causas. A desorganização nos primeiros anos da grande guerra, a mobilização de grandes massas da cidade e dos trabalhadores agrícolas, a completa mudança das fábricas das atividades pacíficas às atividades de guerra, a incapacidade de manter a eficiência tanto da fábrica quanto do equipamento de transporte, o abandono geral do esforço que precedeu e continuou após a primeira revolução [nota: a revolução de fevereiro], a deriva da Coalizão Kerensky, a turbulência da revolução de outubro e as primeiras experiências imprudentes no controle dos trabalhadores, juntamente à sabotagem dos trabalhadores administrativos e técnicos, todos desempenharam o seu papel em levar a vida económica do país quase à paralisação.

Então veio o ponto de inflexão, com a restauração de algumas medidas de disciplina e com a elaboração de reconstrução industrial. Estes foram esquemas de perturbados com o desenvolvimento da guerra civil. O abastecimento de carvão e petróleo foi interrompido, milhares de motores e vagões que estavam a ponto de quebrar na época da primeira revolução agora se deterioraram, e com o que sobrou as necessidades de quatro frentes tiveram que ser satisfeitas. Chegou-se assim a uma fase em que o problema do transporte transcendeu todos os outros. Sem os grãos dos estoques do leste e do sul, as cidades morrerão de fome. Sem o carvão da bacia do Don e o petróleo do Cáucaso, nem o transporte em si nem a indústria em geral poderiam ser revividos. Portanto, após o colapso final da contra-revolução, os esforços reconstrutivos concentraram-se principalmente em medidas para conter o declínio do transporte e aumentar o suprimento de alimentos para as cidades.

Danos ferroviários

Nos poucos meses entre o fim da guerra civil e o início da ofensiva polonesa, foram alcançados progressos notáveis em vista das dificuldades. O estudo de alguns minutos de um mapa que mostra o labirinto de ferrovias na Rússia ajudará o leitor a entender a situação.

Trabalhadores voluntários consertando as ferrovias – esforços do Dia de Maio. As ferrovias e trens foram deixados em um estado lamentável pela Primeira Guerra Mundial e a guerra civil. O jovem Estado soviético deu ênfase especial à reconstrução e modernização do sistema ferroviário
As tropas de Denikin e bandos atacantes de cavalaria haviam chegado tão ao norte quanto Tambov e Tula. Os tchecos ocuparam o curso médio do Volga, incluindo os grandes distritos produtores de grãos de Samara e Saratoff. Entre este distrito e os Urais estavam as forças de Koltchak e, a oeste, Yudenitch operava entre a Estônia e Petrogrado.

Os danos às ferrovias e ao material rodante durante todas essas operações foram enormes, e a tarefa enfrentada por Krassin, Sverdloff, Lomonasoff e Pavlovitch (todos especialistas técnicos com alta qualificação), quando iniciaram o trabalho de reconstrução após as várias forças terem sido repelidas, teria horrorizado a maioria dos homens. Centenas de quilômetros de trilhos precisaram ser reconstruídos e 3 mil pontes, grandes e pequenas, foram danificadas ou quebradas. Krassin iniciou o trabalho com extraordinária coragem e energia. Quando ele foi transferido para suas funções atuais, Trotsky foi nomeado comissário de Caminhos e Comunicações por causa da importância do transporte para a frente polonesa, mas a tarefa real de organizar a reconstrução foi atribuída a Sverdloff, o comissário em exercício, um dos exilados que se reuniram de volta da América no início da revolução.

[Entra foto com a seguinte legenda: Trabalhadores ferroviários em ação fixando as linhas ferroviárias – esforços do Dia do Trabalho. As ferrovias e os trens foram deixados em estado lastimável pela Primeira Guerra Mundial e pela Guerra Civil. O jovem estado soviético deu particular ênfase à reconstrução e modernização do sistema ferroviário. No geral, o tráfego ferroviário de cargas durante a era soviética aumentou em 55 vezes em comparação ao período czarista (antes da Primeira Guerra Mundial]

Tipicamente americano

É impossível encontrar um único traço da influência alemã nos esforços para reviver a atividade industrial. O espírito e a energia que produzem a força motriz são tipicamente americanos, e no trabalho de Sverdloff pode-se ver a maior manifestação dinâmica dessa influência americana. Muitos desses homens, que levaram consigo para a América lembranças amargas de prisão e exílio, voltaram com suas mentes cheias de esquemas grandiosos para o estabelecimento de vastas indústrias centralizadas de produção em massa em uma base socialista. Como todo o trabalho será para a comunidade, dizem eles, as objeções de que os prêmios e a gestão científica servem apenas aos fins dos capitalistas exploradores não existem aqui. Portanto, esses e outros expedientes para aumentar a produção serão empregados. O entusiasmo e a atividade pessoal deste grupo são ilimitados. Eles estão tentando modernizar com energia tempestuosa uma vasta Rússia inerte, como fez Pedro o Grande no final do século 17. Se eles obtiverem sucesso ou fracassarem no experimento, se o mesmo for realizado com total liberdade de interferências externas, será intensamente interessante tanto do ponto de vista social quanto industrial.

Sverdloff aparenta ter cerca de 30 anos. Ele é magro e pálido, mas parece absolutamente incansável e frequentemente trabalha metade da noite após um dia agitado de entrevistas e reuniões. Há uma curiosa mistura de bondade e determinação implacável refletida em seu rosto, o que ajuda a compreender suas relações com os ferroviários. No que antes era o carro do grão-duque Miguel, ele viajou por todas as principais ferrovias, encontrando os homens cara a cara, pegando seus líderes pelo braço e infundindo-lhes algo de seu próprio entusiasmo, expondo a doutrina de que está com o trabalhadores de transporte para salvar a Rússia da fome e da decadência final, elogiando o trabalhador zeloso, atacando o preguiçoso com desprezo. Os próprios sindicatos de trabalhadores ferroviários e de transporte planejaram punições para a indisciplina e a evasão, e, enquanto Sverdloff vê que essas penalidades sendo impostas, ele está igualmente interessado em reconhecer o bom trabalho com o pagamento de prêmios.

Além dessas medidas para aumentar a eficiência dos trabalhadores do transporte, os exércitos trabalhistas foram utilizados para a reconstrução das ferrovias, até que a ofensiva polonesa obrigou a uma remobilização militar. Em três meses, praticamente toda a via permanente foi restaurada e as pontes foram reparadas ou reconstruídas. Uma das realizações mais notáveis ​​foi a construção, em seis semanas, por uma seção do exército de trabalhadores de uma viga de aço e de ponte de madeira sobre o torrencial Luga em Yamberg, perto da nova fronteira russa-estoniana. É impossível para o viajante evitar um contraste mental entre esta estrutura sólida e a nova ponte de madeira sobre a qual o trem rasteja a passo de tartaruga em Narva, no lado estoniano da fronteira.

A posição atual do transporte ferroviário na Rússia é aproximadamente esta. O tráfego é possível em praticamente todas as linhas principais, de Archangel às frentes polonesa e de Wrangel, e da Estônia aos Urais, a Omsk na Sibéria e ao Cáspio e ao Cáucaso. O tráfego de passageiros é rigidamente limitado por um sistema de licenças, mas um número surpreendentemente grande de pessoas consegue as licenças. Existem agora dois longos trens diários em cada sentido entre Moscou e Petrogrado, e neles, como de fato em todos os outros trens de passageiros, multidões incríveis de trabalhadores de todos os tipos, soldados e oficiais se aglomeram.

O verdadeiro teste

Simultaneamente com o esforço de reconstruir a via permanente, um grande programa de reparos de locomotivas foi iniciado nas oficinas, particularmente na Putilloff, na Samova e em outras empresas, onde os motores foram construídos principalmente antes da guerra. Em fevereiro, cerca de 6.000 motores, ou 70% de todos, haviam parado de funcionar e lotavam as filas de todos os depósitos. Argumentou-se que, enquanto se aguarda o momento em que novas locomotivas adquiridas do exterior estariam disponíveis, seria melhor reparar o maior número possível, mesmo que superficialmente, do que reconstruir algumas. Esse trabalho também foi freado pela guerra polonesa e, como eu mesmo vi em várias das maiores obras, os melhores operativos e equipamentos tiveram de ser destinados novamente à fabricação de munições e armas.

Homens e mulheres participando da reforma das ferrovias durante os esforços especiais do Primeiro de Maio
Mas, para a guerra, o transporte ferroviário sem dúvida teria sido melhorado o suficiente neste verão para transportar para as cidades grandes estoques de alimentos e madeira para o inverno, e com a renovação do tráfego no Volga, um início poderia ter sido produzido na coleta de linho , madeira e outras mercadorias disponíveis para exportação. Do jeito que está, a louca aventura da Polônia não só tornou mais difícil a tarefa de reparar os estragos das lutas anteriores, mas adiou o momento em que a Europa Ocidental se beneficiará dos materiais da Rússia. Não é difícil entender a ânsia de Krassin em comprar locomotivas, e a produção total de uma fábrica de Estocolmo já foi planejada.

A julgar pelo comportamento dos ferroviários russos e pela disposição de seus líderes em cooperar com Sverdloff e seus assistentes, não tenho dúvidas de que, com o fornecimento de várias centenas de novos motores e com a liberação de todo o transporte de guerra, o movimento em direção a uma vida industrial e econômica restaurada será rapidamente acelerada. Em um país onde a população urbana é de apenas cerca de 15% do todo, a tarefa de supri-la de alimentos não deve ser difícil. Quando isso for alcançado, virá o verdadeiro teste da capacidade de um governo socialista de desenvolver uma indústria em grande escala e organizar um grande comércio internacional. Tratarei das perspectivas atuais e das possibilidades futuras do comércio de exportação em meu próximo artigo.

CONTINUA NA PARTE 3

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário