Foto: Knorring, Wikimedia Commons

A guerra de Hitler na União Soviética e como Stalin preparou o caminho para ela (parte 1)

O dia 22 de junho deste ano foi o 80º aniversário da Operação Barbarossa, a invasão alemã da União Soviética na Segunda Guerra Mundial. Essa catástrofe sangrenta, que ceifou a vida de quase 5 milhões de soldados soviéticos e viu os nazistas mergulharem profundamente no território soviético, foi facilitada pelo comportamento destrutivo de Stalin e da burocracia. A decapitação do Exército Vermelho nos infames Julgamentos de Expurgo e a total má administração do esforço de guerra foram pagos com sangue pelo povo soviético, que finalmente foi capaz de mudar as coisas por meio de seus esforços e sacrifícios heroicos – apesar de seus líderes.

Este artigo é dedicado às dezenas de milhões de cidadãos soviéticos, soldados do Exército Vermelho, guerrilheiros e combatentes da resistência comunista que tanto se sacrificaram para derrotar o nazismo.

Há 80 anos, no domingo, dia 22 de junho de 1941, os nazistas desencadearam a maior invasão jamais vista sobre o povo da União Soviética. Em novembro daquele ano, os exércitos de Hitler chegaram aos umbrais de Moscou, ocuparam praticamente toda a Ucrânia e a Bielo-Rússia e sitiaram Leningrado, o coração da Revolução de Outubro. Até 4,5 milhões de soldados soviéticos – de um exército pré-guerra de mais de 5,3 milhões – foram vitimados no final de 1941. Aproximadamente 40% da população soviética caiu sob a ocupação nazista, junto com muitas das regiões industriais e agrícolas mais produtivas do país.1

Escrevendo para os trotskistas britânicos em julho de 1941, Ted Grant explicou:

“O maior enfrentamento da história do mundo em uma front de 1.800 milhas jogou toda a situação internacional em um estado de tensão. O ataque do imperialismo mundial ao primeiro Estado dos trabalhadores não é mais uma perspectiva marxista, mas uma realidade sombria”.2

Essas perdas catastróficas prepararam o palco para uma longa e brutal “guerra dentro da guerra” que moldou o curso do século XX. A luta de 1941-1945 entre a Alemanha nazista e a União Soviética foi o teatro decisivo da Segunda Guerra Mundial, que foi uma continuação e uma intensificação sangrenta da Primeira Guerra Mundial interimperialista de 1914-1919. Dos 13 milhões de baixas militares nazistas, 10,7 milhões ocorreram lutando contra os soviéticos.3

Desde os primeiros dias da guerra, o povo soviético nos territórios ocupados travou uma vasta e heroica luta guerrilheira contra os invasores. O Exército Vermelho desferiu golpes paralisantes nas forças fascistas em Stalingrado, Kursk e durante a Operação Bagration, que provou ser o maior avanço militar da história. Esses esforços culminaram na captura de Berlim, Varsóvia, Praga e Budapeste pelos soviéticos, estabelecendo as bases para o poder stalinista na Europa Oriental até 1989. O Exército Vermelho também foi responsável pela libertação de dezenas de milhares de prisioneiros dos campos de extermínio nazistas, incluindo aqueles em Auschwitz.

O povo soviético foi o responsável pela vitória sobre Hitler, que, antes de voltar seus olhos para eles, conquistou as principais potências capitalistas da Europa Ocidental e colocou o Império Britânico de joelhos. A economia planejada e nacionalizada da União Soviética foi a espinha dorsal da luta contra o nazismo, ultrapassando a produção de guerra alemã em 1943 e fornecendo ao Exército Vermelho enormes quantidades de armas e material.

No entanto, o mesmo crédito não se estende a Stalin. Em cada etapa do processo de consolidação do poder da burocracia termidoriana na URSS, até e incluindo a invasão e ocupação nazista, o stalinismo facilitou os êxitos de Hitler – incluindo sua ascensão ao poder, seu domínio da Europa e sua marcha para o interior soviético. Os golpes devastadores que caíram sobre a URSS em 1941 foram o resultado de mais de duas décadas de bancarrotas políticas, diplomáticas e militares realizadas por Stalin, seu regime estatal e os círculos dirigentes da Internacional Comunista. Quatro anos de guerra brutal e mais de 20 milhões de mortos foram o custo pago pelo povo soviético pelos fracassos do stalinismo e pelos erros cometidos pelo próprio Stalin em seu papel de líder.

Defendendo a revolução: a revolução mundial ou o “socialismo em um só país”?

Quando o Partido Bolchevique de Lenin e Trotsky conduziu a classe trabalhadora russa ao poder em novembro de 1917, eles entenderam bem os desafios de defender o poder soviético contra o imperialismo mundial. Embora a União Soviética tenha construído um poderoso Exército Vermelho durante a Guerra Civil, sob a orientação de Trotsky, o principal meio da revolução para se defender foi sua atitude revolucionária internacionalista para com a classe trabalhadora das potências imperialistas. Toda a perspectiva dos bolcheviques de manter o poder dependia da perspectiva de revoluções proletárias vitoriosas nos países imperialistas, acima de tudo na Alemanha.

Dirigindo-se aos soviéticos em julho de 1918, Lenin disse:

“Nunca alimentamos a ilusão de que as forças do proletariado e do povo revolucionário de qualquer país, por mais heroicos e organizados e disciplinados que sejam, poderiam derrubar o imperialismo internacional. Isso só pode ser realizado pelo esforço conjunto dos trabalhadores do mundo… Nunca nos enganamos pensando que isso poderia ser realizado pelos esforços de um único país. Sabíamos que nossos esforços estavam levando inevitavelmente a uma revolução mundial e que a guerra iniciada pelos governos imperialistas não poderia ser interrompida pelos esforços desses próprios governos. Ela só pode ser interrompida pelos esforços de todos os trabalhadores; e quando chegamos ao poder, nossa tarefa como Partido Comunista proletário, em uma época em que o domínio da burguesia capitalista ainda permanecia nos outros países – nossa tarefa imediata, repito, era manter esse poder, essa tocha do socialismo, para que possa espalhar tantas faíscas quanto possível para adicionar às chamas crescentes da revolução socialista”.

O jovem Estado soviético direcionou sua diplomacia para esse objetivo. Trotsky dirigiu seus discursos nas negociações do tratado de Brest-Litovsk mais aos trabalhadores na Alemanha, Áustria-Hungria e ao redor do mundo do que aos generais sentados à mesa de conferência em frente a ele. A propaganda vermelha influenciou uma onda de motins que paralisou os exércitos e marinhas enviados pelas potências imperialistas para esmagar a revolução. Greves de trabalhadores simpatizantes em todo o mundo interromperam os embarques de armas com destino aos exércitos brancos e fizeram com que os governos imperialistas reconsiderassem a intervenção, temendo a revolução em casa.

Durante a Guerra Civil, revoluções eclodiram na Finlândia, Hungria, Alemanha, Itália e Mongólia. A classe trabalhadora mundial se radicalizou e se organizou, inspirando-se na vitória de seus camaradas na Rússia. Os bolcheviques fundaram a Internacional Comunista em 1919 para ajudar neste processo, ajudando os trabalhadores do mundo a desenvolver seus próprios partidos comunistas revolucionários e a coordenar a luta contra o imperialismo e o capitalismo em escala global.

As potências imperialistas do mundo, incluindo os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Japão, Alemanha e outros enviaram exércitos para esmagar a revolução e apoiar os exércitos brancos reacionários. Em resposta, os soviéticos criaram o Exército Vermelho Operário e Camponês para se defender. O Exército Vermelho era uma força totalmente proletária, camponesa e internacionalista, baseada inicialmente em bandos de guerrilha e nas milícias de trabalhadores da Guarda Vermelha construídas em 1917.

Trotsky recebeu a tarefa de transformar o Exército Vermelho em uma força de combate moderna e profissional. Incluía voluntários e recrutas da classe trabalhadora e camponesa soviética, bem como lutadores internacionalistas de todo o mundo. Crucialmente, o Exército Vermelho fez uso habilidoso de “especialistas militares” profissionais – ex-oficiais das forças armadas czaristas que a revolução colocou em serviço sob a supervisão política de comissários nomeados pelos soviéticos. Da Guerra Civil surgiram muitas figuras importantes do período entre guerras e da Segunda Guerra Mundial, incluindo Tukhachevsky, Zhukov, Budyonny, Voroshilov e outros.

Em 1919, discursando no Primeiro Congresso Mundial da Internacional Comunista na qualidade de Comissário do Povo da Guerra, Trotsky declarou:

Se você traçar uma linha reta no mapa que irradia de Moscou em qualquer direção, você encontrará em toda parte na frente – um camponês russo, um trabalhador russo de pé nesta noite fria, arma na mão, nas fronteiras da República Socialista e defendendo-a. E posso assegurar-lhes que os operários comunistas que constituem o núcleo duro deste exército sentem que não são apenas o Regimento de Guardas da República Socialista Russa, mas também o Exército Vermelho da Terceira Internacional”.4

Os soviéticos conseguiram derrotar os exércitos brancos e as intervenções imperialistas, mas só a um grande custo. O que agora era a União Soviética esteve em guerra continuamente de 1914 a 1922, e a destruição causada pela Primeira Guerra Mundial e pela Guerra Civil levou a um colapso severo da economia, da sociedade e da própria classe trabalhadora. Os avanços revolucionários esperados nos países imperialistas falharam devido à liderança colaboracionista de classes dos partidos operários, e a esperança de ajuda externa se desvaneceu. Nessas condições, a vibrante democracia operária que caracterizou o período inicial da Revolução Russa degenerou. A exausta classe trabalhadora não foi mais capaz de se afirmar no governo soviético depois de anos de sacrifício e sofrimento.

Após a morte de Lenin em 1924, o poder soviético deu lugar ao domínio da burocracia estatal, grande parte da qual foi herdada diretamente do czarismo. Cautelosamente no início, mas com confiança crescente, Joseph Stalin passou a representar os interesses dessa burocracia à frente do governo. A burocracia conservadora não queria participar dos planos dos bolcheviques para a revolução mundial. Em vez de buscar um caminho revolucionário para sair do impasse que o país enfrentava, a burocracia se contentou em administrar a economia planejada e nacionalizada nas costas dos trabalhadores e camponeses soviéticos, extraindo a nata do topo para sustentar sua posição privilegiada na sociedade.

Os elementos proletários internacionalistas do Partido Comunista enfrentaram dura repressão quando Stalin consolidou seu controle. No final das contas, dezenas de milhares foram expulsos do partido, demitidos de seus empregos, presos, exilados ou assassinados. Trotsky, o líder da Oposição de Esquerda e o oponente mais formidável de Stalin no Partido Comunista, foi exilado da União Soviética em 1929 e assassinado por agentes stalinistas em agosto de 1940.

O imperialismo mundial passou a década de 1920 se recuperando da devastação e do esforço da guerra mundial, e isso deu à União Soviética algum espaço para respirar. Apesar da degeneração do partido na URSS, os trabalhadores organizados na Internacional Comunista ainda estavam preparados para lutar para mudar a sociedade. Oportunidades revolucionárias surgiram em um país após o outro durante as décadas de 1920 e 1930, mas a liderança stalinista se mostrou inadequada para a tarefa. A derrota da Revolução Chinesa de 1926-27, na qual o aliado de Stalin, Chang Kai-Shek, traiu e massacrou os comunistas chineses, foi um golpe severo no moral da classe trabalhadora soviética, reforçando seu senso de isolamento. Mas nada preparou o caminho para uma nova agressão imperialista contra a União Soviética como as repetidas derrotas da Revolução Alemã.

Derrotas do stalinismo na Alemanha

Os marxistas analisaram extensivamente a Revolução Alemã em outros lugares. Entre 1918 e 1933, surgiram inúmeras oportunidades para os trabalhadores alemães derrubarem o capitalismo, esmagarem o incipiente movimento nazista e reacenderem a revolução europeia. No entanto, a liderança stalinista da Internacional Comunista adotou políticas desastrosas a cada passo.

Na Revolução Alemã de 1923, a ocupação francesa do Vale do Ruhr induziu uma crise que deu ao Partido Comunista a oportunidade de organizar uma insurreição. Em meio à inflação em espiral, a classe trabalhadora alemã ficou indignada com as tentativas do imperialismo francês de requisitar à força as obrigações de pagamento impostas em Versalhes, que o governo foi incapaz de pagar. Surgiram milícias de trabalhadores e uma onda de greves tomou conta do país. Trotsky pediu aos comunistas alemães que aproveitassem a oportunidade e marcassem uma data para uma insurreição.

Os líderes comunistas alemães começaram a preparar manifestações de rua e buscaram o conselho da Internacional Comunista. No entanto, com a saúde de Lenin se deteriorando, Trotsky e outros líderes bolcheviques enfermos, apenas alguns dos líderes da Internacional estavam disponíveis para decidir um curso a seguir nesta questão vital. Em uma carta a Zinoviev, Stalin expressou sua desconfiança conservadora nas forças revolucionárias na Alemanha: “Em minha opinião, os alemães devem ser controlados e não estimulados”.5

Essa atitude acabou levando o debate à liderança da Internacional Comunista, mesmo quando as condições para uma ofensiva revolucionária estavam amadurecendo rapidamente. Os líderes comunistas alemães foram aconselhados a cancelar a greve geral planejada e a insurreição no último minuto, e o episódio se transformou em um fiasco desmoralizante.

A crise econômica e política na Alemanha de Weimar destruiu as bases para uma democracia burguesa estável. Os trabalhadores alemães repetidamente tomaram o caminho da luta, travando muitas greves e dando apoio massivo aos social-democratas e comunistas durante este período. Os partidos burgueses alemães tradicionais não conseguiram conter a energia militante da classe trabalhadora. Temendo uma revolução no coração da Europa, a classe dominante procurou alternativas. Os nazistas, antes um grupo perseguido à margem da sociedade alemã, surgiram como a melhor esperança dos capitalistas para destruir o potencial revolucionário do proletariado alemão. Amparado por dinheiro e patrocínio de capitalistas de toda a Europa e do mundo, o partido de Hitler ganhou apoio dramaticamente no final dos anos 1920 e início dos anos 1930, mobilizando a pequena burguesia arruinada e frenética por trás dele.

Tragicamente, as forças da classe trabalhadora se dividiram diante dessa ameaça. Os reformistas social-democratas não conduziriam a classe trabalhadora ao poder e, portanto, não deteriam os nazistas, então cabia aos comunistas. Mas a essa altura, a Comintern totalmente stalinizada havia adotado a tese do “Terceiro Período”, que antecipava uma iminente “crise final do capitalismo”. Essa falsa ideia justificou a conclusão errônea de que as organizações reformistas de trabalhadores, como o Partido Social-Democrata Alemão, eram “social-fascistas”. Os comunistas alemães, sob a direção de Moscou, adotaram a posição de que os social-democratas eram o principal inimigo do Partido Comunista.

Embora fosse verdade que os líderes reformistas sempre desempenharam um papel podre e contrarrevolucionário e serviram como um dos principais pilares da estabilidade capitalista, a política stalinista serviu apenas para abrir uma divisão mais profunda entre os próprios trabalhadores comunistas e socialistas. A única saída para o desastre iminente era uma revolução proletária. No entanto, isso só é possível se os comunistas conquistarem a confiança de uma parte decisiva das massas em luta.

Uma frente única entre comunistas e socialistas era necessária para derrotar Hitler. Juntos, os dois partidos contavam não apenas com um forte apoio da classe trabalhadora, mas também com suas próprias milícias, que estavam preparadas para resistir aos nazistas por todos os meios necessários. À medida que a ameaça de Hitler crescia, Trotsky e a Oposição de Esquerda Internacional pediam aos comunistas que invertessem o curso e lutassem ombro a ombro com os trabalhadores socialistas contra o fascismo. A luta contra o nazismo poderia ter sido uma oportunidade para os comunistas ganharem os trabalhadores social-democratas para uma política revolucionária.

Os stalinistas seguiram o curso oposto. Depois de pintar os social-democratas como o “principal inimigo”, o Partido Comunista formou um bloco de fato com os nazistas. Em 1931, os comunistas apoiaram um referendo iniciado pelos nazistas contra o governo social-democrata no Estado da Prússia, escandalizando os trabalhadores social-democratas. Usando slogans como “tire os sociais-fascistas de seus empregos nas fábricas e nos sindicatos!” e “expulsá-los das fábricas, bolsas de trabalho e escolas profissionais”, militantes comunistas colaboraram ativamente com os hooligans nazistas para atacar fisicamente e desbaratar o partido social-democrata e suas reuniões sindicais.

Essa política autodestrutiva condenou a classe trabalhadora alemã enquanto Hitler subia metodicamente ao poder. Com os partidos dos trabalhadores lutando entre si e a classe média arruinada, os camponeses tinham apenas Hitler e sua promessa de “salvação” nacional para olhar. Quando Hitler se tornou chanceler, ele primeiro atacou os comunistas, socialistas e sindicalistas, decapitando e atomizando o outrora poderoso proletariado alemão. Os nazistas usaram o incêndio do Reichstag como pretexto para banir o Partido Comunista de uma vez, e, em março de 1933, Hitler era o ditador indiscutível da Alemanha. Devido à paralisia dos partidos operários, Hitler pôde se gabar de que havia chegado ao poder sem quebrar uma única vidraça.

Política externa de Stalin

A ascensão de Hitler tornou a guerra entre a União Soviética e a Alemanha nazista inevitável. O anticomunismo era fundamental para o propósito dos nazistas, e não era segredo que Hitler buscava cinzelar grandes áreas da Europa Oriental como território colonial para os alemães – Lebensraum ou “espaço vital”.

A política do stalinismo de “socialismo em um só país” levou a uma derrota depois de outra para o movimento comunista em todo o mundo. O abjeto fracasso do “Terceiro Período” deu lugar à política do frontismo popular, a subordinação da classe trabalhadora aos liberais burgueses. A Internacional Comunista desempenhou um papel completamente reacionário quando os trabalhadores espanhóis se levantaram contra o golpe militar de Francisco Franco em 1936.

Em vez de mobilizar a classe trabalhadora para derrubar o capitalismo na Espanha como meio de minar a base de apoio do fascismo, os estalinistas fizeram tudo o que puderam para impedir que a luta transbordasse os limites do republicanismo burguês. Stalin viu uma aliança com as democracias capitalistas da França e da Grã-Bretanha – e não a revolução socialista internacional – como a melhor maneira de limitar a expansão do fascismo. Portanto, os comunistas precisavam se comportar da melhor maneira possível para não assustar os pretensos aliados soviéticos. No entanto, enquanto Hitler e Mussolini despejavam tropas e equipamentos na Espanha, os imperialistas franceses e britânicos permaneciam “neutros”.

Os stalinistas foram reduzidos a policiar a classe trabalhadora, como se viu em seu papel em esmagar os anarco-sindicalistas e o POUM em nome da República capitalista durante os dias de maio de 1937. Com a classe trabalhadora subjugada, a iniciativa revolucionária necessária para derrotar Franco se dissipou, e mais uma ditadura fascista se estabeleceu na Europa.

Apesar das inúmeras oportunidades, a liderança stalinista da União Soviética privou o país da presença de governos operários amigáveis ​​em qualquer outro lugar do mundo. Enquanto Hitler reunia suas forças, Stalin depositava suas esperanças no pacifismo burguês, na Liga das Nações e nos “amigos da paz”, que ele via no imperialismo britânico, francês e americano. Quando a Alemanha nazista ameaçou absorver a Tchecoslováquia em 1938, Stalin tentou novamente formar uma aliança com o imperialismo anglo-francês, chegando a mobilizar parcialmente o Exército Vermelho em uma demonstração de força. A loucura dessa abordagem logo se revelou, quando os “democratas” imperialistas ouviram Stalin educadamente e, em seguida, simplesmente aceitaram as demandas de Hitler.

Em 1939, o curso da Europa em direção à guerra era evidente para todos. Stalin cometeu outro crime grave ao assinar o infame Pacto Molotov-Ribbentrop com Hitler no final de agosto de 1939. Privado de apoio de qualquer outra parte do cenário internacional, Stalin decidiu que seria melhor garantir uma paz temporária – e o flanco oriental de Hitler – dividindo a Europa Oriental. Mas essa manobra simplesmente eliminou a União Soviética como uma ameaça potencial aos planos de Hitler, abrindo caminho para a conquista nazista de seus rivais europeus, sobretudo a França, entre 1939 e 1941.

Marx entendeu, em 1871, que uma conquista prussiana da França abriria a porta para uma “guerra de raças” entre alemães e eslavos.6 Essa ideia elementar se perdeu na cabeça do empirista Stalin, que não tinha um grama de marxismo genuíno em seu corpo. Comentando o pacto na imprensa, um Trotsky exasperado disse:

“Stalin acima de tudo tem medo da guerra… Stalin não pode fazer uma guerra com trabalhadores e camponeses descontentes e com um Exército Vermelho decapitado… O Pacto Germano-Soviético é uma capitulação de Stalin perante o imperialismo fascista com o fim de preservar a oligarquia soviética”.

O Pacto criou uma onda de dissensão e dúvida nas fileiras dos comunistas em todo o mundo, que, da noite para o dia, tiveram que dar uma guinada de 180 graus desde o anti-hitlerismo a considerar a Alemanha nazista um “aliado” da União Soviética.

Nos anos anteriores à Operação Barbarossa, Stalin concluiu uma série de acordos comerciais com Hitler em outra tentativa ingênua de comprar a “paz”. Ele teve sucesso apenas em armar e abastecer aos açougueiros fascistas enquanto eles subjugavam a classe trabalhadora da Polônia à Bretanha. Em 1941, a madeira, a borracha, os fosfatos, o amianto, o cromo, o manganês, o níquel e o petróleo soviéticos eram componentes importantes da indústria de guerra alemã.7 Os últimos carregamentos desses recursos chegaram ao território alemão apenas horas antes de as bombas e projéteis nazistas começarem a chover sobre as cidades e tropas soviéticas em 22 de junho.8

O desenvolvimento do Exército Vermelho

No final da década de 1930, o Exército Vermelho havia se tornado uma das forças militares mais poderosas da Terra. Os planos quinquenais soviéticos enfatizavam a indústria pesada e a produção de defesa. O objetivo era defender o país da invasão imperialista – e a burocracia privilegiada das próprias massas soviéticas. Com base na economia planejada, a aviação soviética tornou-se a inveja do mundo. Tanques, aviões e artilharia saíam dos novos complexos industriais em grandes quantidades. Em 1941, mais de 14 milhões de cidadãos soviéticos haviam recebido treinamento militar básico e estavam prontos para a mobilização em caso de guerra.9

Anos de uma dura guerra no período logo após a revolução produziram um corpo de oficiais do Exército Vermelho que incluía alguns dos principais teóricos militares de seu tempo. O principal deles foi Mikhail Tukhachevsky, o general vermelho mais bem-sucedido da Guerra Civil. No final da década de 1920 e início dos anos 30, Tukhachevsky e seus co-pensadores desenvolveram e codificaram o conceito de Batalha Profunda, que mais tarde evoluiu para o esquema mais grandioso de Operações Profundas. Operações profundas enfatizavam a concentração de força, a mobilidade, o combate de armas combinadas e um sistema de escalão para subjugar o inimigo em pontos-chave, invadir suas áreas de retaguarda, interromper a logística e os reforços e cercar suas forças. Esse método se baseou na experiência do período final da Primeira Guerra Mundial e na Guerra Civil Russa, e foi uma adaptação totalmente moderna à nova era de operações militares mecanizadas e industrializadas. A nova doutrina provou sua eficácia após o primeiro período da guerra nazi-soviética e foi a base para todas as principais ofensivas do Exército Vermelho no conflito.

Sem dúvida, esse corpo de oficiais desempenhou seu próprio papel na degeneração burocrática da Revolução Russa. Durante a própria Guerra Civil, desenvolveu-se uma chamada “oposição militar” que foi crítica – às vezes, até mesmo perturbadora – às políticas de Lênin e Trotsky. Embora incluísse uma variedade de figuras e pontos de vista, a Oposição Militar geralmente contrapunha métodos de guerrilha e uma extrema dependência às táticas “ofensivas” e “manobristas” contra o comando militar centralizado baseado em ex-militares czaristas.10 Essa foi uma tendência principalmente intelectual nas fileiras superiores do exército; no entanto, também incluiu uma camada de comissários e comandantes em torno de Stalin que estavam ativos na área perto de Tsaritsyn (mais tarde renomeada Stalingrado) durante a Guerra Civil Russa.

Depois da guerra, este corpo de oficiais assumiu cada vez mais uma posição privilegiada dentro do exército e do próprio Estado soviético, em linha com o restante da burocracia. A maioria se tornou “especialista militar”. Em 1935, o Exército Vermelho introduziu uma hierarquia estratificada no corpo de oficiais, elevando figuras importantes como Tukhachevsky, Voroshilov, Budyonny e outros ao posto de Marechais da União Soviética.

Stalin decapita o Exército Vermelho

Embora agora totalmente montado na sela, Stalin permaneceu desconfiado dos especialistas militares. Após sua vitória sangrenta sobre as correntes de oposição no Partido Comunista, Stalin identificou o corpo de oficiais do Exército Vermelho, que mantinha uma certa independência do governo civil e tinha acesso direto às forças armadas, como a ameaça mais imediata ao seu governo. Ao contrário do espírito de livre debate e crítica que existia no Exército Vermelho durante a Revolução, Stalin procurou colocar o aparelho militar firmemente sob seu controle.

No início de 1937, a NKVD começou a prender oficiais juniores do Exército Vermelho, alegando “pontos de vista trotskistas contra-revolucionários”. Em junho, os expurgos atingiram a cúpula do Exército Vermelho, reivindicando Tukhachevsky, que era visto como intimamente associado a Trotsky devido ao seu papel durante a Guerra Civil, junto com muitos outros oficiais superiores. Voroshilov, um marechal soviético que tinha estado próximo de Stalin desde seus dias juntos em Tsaritsyn, alegou que uma “organização militar fascista contrarrevolucionária e traidora” existia no Exército Vermelho e que operava de forma “estritamente conspirativa”, cometendo “destruição subversiva e trabalhos de espionagem”.11

Entre 1937 e 1941, os expurgos causaram estragos em todo o Exército Vermelho. Na verdade, a dizimação continuou nos primeiros meses da invasão nazista. Enquanto uma minoria relativa dos oficiais expurgados foi realmente executada, dezenas de milhares foram para a prisão ou enfrentaram trabalhos forçados, enquanto outros foram censurados ou forçados a se aposentar. Alguns se suicidaram. A Força Aérea Soviética, os serviços de inteligência, os escritórios de planejamento industrial e a próprio NKVD também sofreram expurgos extensos durante esse tempo. A Suprema Corte da URSS mais tarde chegou à cifra de 54.714 vítimas totais dos expurgos do Exército Vermelho, mas o número final permanece desconhecido.12

Os bajuladores que eram próximos de Stalin desde seus dias juntos em Tsaritsyn, como Budyonny e Voroshilov, evitaram o expurgo e assumiram funções importantes. Esta foi uma guerra civil unilateral contra as forças armadas soviéticas, travada por razões políticas puramente cínicas. Durante os meses desesperados que se seguiram à invasão nazista, o Exército Vermelho rapidamente retornou muitos oficiais expurgados de volta às suas fileiras, entre eles K.K. Rokossovsky, que passou a desempenhar um papel importante na guerra. Isso ilustra como as acusações de deslealdade e traição não tinham base de fato, e que os ataques de Stalin aos comandantes do Exército Vermelho foram de caráter frenético e arbitrário.

No final das contas, três dos cinco marechais da União Soviética, 80% dos comandantes de divisão e de corpos de exército, todos os 16 comandantes de distrito militar e muitos outros oficiais importantes foram vítimas dos expurgos na véspera da invasão.13 Oficiais eram presos com base em qualquer tipo de associação com outro oficial expurgado. Muitas unidades experimentaram uma porta giratória contínua de novos oficiais comandantes nos anos que antecederam a guerra, cada um substituindo o último comandante “desleal”. Isso levou a um colapso previsível da disciplina e da coordenação. No caos que se seguiu, as fileiras do Exército Vermelho sofreram enormemente. O moral e a prontidão para o combate despencaram, com taxas de suicídio, embriaguez e acidentes aumentando drasticamente.14

Tudo isso aconteceu à vista das potências imperialistas. O chefe do Estado-Maior alemão, von Beck, escreveu em 1938 que o exército soviético “não podia ser considerado uma força armada” porque os expurgos “minaram o moral e o transformaram em uma máquina militar inerte”.15 Durante o planejamento da Operação Barbarossa, Hitler acalmou as preocupações de seus generais sobre o tamanho do Exército Vermelho simplesmente afirmando que “o exército não tem líder”.16 Os expurgos tornaram a União Soviética um alvo convidativo para a agressão nazista.

A prática militar soviética também se curvou perante os expurgos. Embora continuasse sendo a doutrina oficial dos militares, as Operações Profundas estavam intimamente associadas a Tukhachevsky e à camada de oficiais ao seu redor, que ajudaram a desenvolvê-la. Após sua queda em desgraça, Tukhachevsky foi interrogado, torturado, sentenciado por um tribunal desonesto e baleado sem cerimônia na nuca. Os expurgos destruíram em grande parte o corpo de oficiais responsável pelo treinamento do exército no método das Operações Profundas. Nesse ambiente, os planejadores de guerra soviéticos começaram a desmontar as dedicadas formações mecanizadas que as Operações Profundas exigiam para o sucesso, escolhendo distribuir as forças blindadas soviéticas de maneira mais uniforme entre as unidades de infantaria. Isso, combinado à falta de oficiais treinados no método, dificultou a aplicação efetiva das Operações Profundas em 1941.17

Como David Glantz, um importante historiador da guerra nazi-soviética, explica:

Nada teve um efeito mais debilitante no Exército Vermelho antes da guerra do que os expurgos militares que começaram em 1937 e continuaram inabaláveis ​​até 1941”.18

O Exército Vermelho tentou preencher o vazio deixado para trás, promovendo rapidamente oficiais subalternos não qualificados e graduando cadetes militares com antecedência. A idade média dos oficiais comandantes caiu consideravelmente nos anos anteriores à invasão nazista.19 Em contraste com o corpo de oficiais da era da Guerra Civil, que havia construído o exército do zero, relativamente poucos comandantes que enfrentaram o ataque nazista tinham qualquer experiência de combate. Em junho e julho de 1941, eles foram à batalha contra os generais nazistas que passaram os dois anos anteriores derrotando os melhores exércitos da Europa Ocidental.

O Trotskismo e a defesa da União Soviética

Até hoje, alguns na esquerda stalinista continuam a repetir a mentira de que Trotsky estava envolvido em uma conspiração com a Alemanha nazista e o Japão imperial contra a União Soviética. Essa também foi a essência das acusações contra muitos dos oficiais do Exército Vermelho perdidos nos expurgos de Stalin. Nada poderia estar mais longe da verdade. O fato de que nenhuma evidência jamais foi recuperada em arquivos japoneses ou alemães é um testemunho mudo contra essa afirmação absurda. Depois da guerra, o Partido Comunista Revolucionário Britânico organizou uma campanha internacional enérgica para usar os julgamentos de Nuremberg como uma oportunidade para interrogar publicamente figuras importantes nazistas sobre a questão da suposta “conspiração” de Trotsky com eles.20 No entanto, as potências imperialistas não o fizeram.

Na verdade, Trotsky passou grande parte do período final de sua vida trabalhando diligentemente para convencer alguns de seus próprios partidários da necessidade de defender a União Soviética em caso de guerra com as potências imperialistas.

Escrevendo em setembro de 1939, Trotsky disse:

“Suponhamos que Hitler aponte seus canhões para o Leste e invada os territórios ocupados pelo Exército Vermelho. Nessas condições, os partidários da IV Internacional, sem modificar de forma alguma sua atitude frente à oligarquia do Kremlin, colocarão como a mais urgente tarefa do movimento, a resistência militar contra Hitler. Os trabalhadores dirão: ‘não podemos deixar que Hitler derrote Stalin; essa é a nossa tarefa’”.

A análise de Trotsky, que o processo histórico comprovou, foi que o papel subjetivo de Stalin e da burocracia soviética tornou a União Soviética menos, não mais, segura em face da agressão nazista. Os trotskistas colocaram a derrubada revolucionária da burocracia bonapartista pela classe trabalhadora soviética e a regeneração do movimento comunista internacional como condições necessárias para a defesa bem-sucedida da União Soviética. Mas, no caso de um ataque, os trotskistas permaneceriam incondicionalmente em defesa da URSS e de sua economia planejada e nacionalizada contra a barbárie nazista.

Durante a guerra, os trotskistas lutaram na resistência contra a ocupação nazista. Aqueles que se viram convocados para as fileiras dos exércitos imperialistas conduziram propaganda e agitação revolucionárias contra seus governos, lutando para transformar o conflito em uma guerra revolucionária dos trabalhadores contra o fascismo e o capitalismo. Os trotskistas argumentaram que um governo dos trabalhadores era necessário para derrotar os nazistas e que os partidos e sindicatos da classe trabalhadora rompessem suas “alianças” com “sua” classe dominante, a fim de lutar por tal governo. Uma abordagem internacionalista poderia ter conquistado algumas partes do exército alemão e fomentado a revolução na própria Alemanha.

Quando os nazistas atacaram o Leste em junho de 1941, o decapitado Exército Vermelho lutou bravamente contra enormes adversidades, muitas vezes até o último soldado. Mas milhões de soldados do Exército Vermelho foram colocados em posições verdadeiramente impossíveis de ganhar pela incompetência e inexperiência de seus oficiais comandantes.

De acordo com David Glantz:

“Muitas das derrotas soviéticas iniciais foram resultados diretos da inexperiência do corpo de oficiais soviéticos sobreviventes [aos expurgos]. Os comandantes de campo careciam de experiência prática e confiança para se ajustar à situação tática e tendiam a aplicar soluções estereotipadas, como distribuir suas unidades subordinadas conforme os diagramas livrescos, independentemente do terreno real. O resultado foi o de forças que não estavam focadas e concentradas nas vias mais prováveis do avanço alemão e atacaram e defenderam de maneira tão estereotipada e previsível que os experimentados alemães acharam fácil contra-atacar e evitar os golpes soviéticos [grifo nosso]”.21 

Mais tarde, em 1941, o Estado-Maior Soviético sentiu a necessidade de dar ordens aos comandantes subordinados para não simplesmente distribuir suas peças de artilharia igualmente entre os setores pelos quais eram responsáveis. O chefe do Estado-Maior soviético, Georgy Zhukov, teve que proibir explicitamente ataques frontais aos dentes das defesas inimigas.22 A falta de competência de comando deixada na esteira dos expurgos tornou necessárias essas instruções básicas do alto escalão. Além da ausência física de comandantes qualificados, os expurgos também geraram uma atmosfera de medo e resignação entre os oficiais sobreviventes. Com os expurgos continuando durante a invasão nazista, os oficiais soviéticos estavam compreensivelmente relutantes em se desviar das ordens permanentes inflexíveis ou dos esquemas dos manuais por medo de serem denunciados à NKVD, cujos agentes procuravam qualquer desculpa para agradar seus chefes em Moscou. Milhões de combatentes do Exército Vermelho deram suas vidas servindo nessas circunstâncias trágicas.

Em nome da eliminação de uma inexistente “conspiração trotskista contrarrevolucionária”, a própria mão de Stalin deu os primeiros golpes devastadores no Exército Vermelho, começando em 1937. Na verdade, nenhuma conspiração jamais concebida poderia ter prejudicado o esforço de guerra soviético contra o nazismo mais do que os expurgos de Stalin.

PARTE 2

Notas e referências:

1 David M. Glantz. Operation Barbarossa. Página 200.

2 Ted Grant. “Defend the Soviet Union—Fascism Can Only be Defeated by International Socialism”. Julho de 1941.

3 David M. Glantz. and House, Jonathan M. When Titans Clashed: How the Red Army Stopped Hitler. Página 284.

4 Leon Trotsky. “Report on the Communist Party of the Soviet Union and the Red Army.” The First Five Years of the Communist International. Página 59.

5 Rob Sewell. “The German Revolution of 1923.” Publicado in Socialist Appeal. https://www.socialist.net/the-german-revolution-of-1923.htm

6 Karl Marx. The Civil War in France. Wellred, 2021. Página 13.

7 Richard J. Evans. The Third Reich at War. Página 165.

8 David M. Glantz. Operation Barbarossa. Página 26.

9 Glantz & House. When Titans Clashed: How the Red Army Stopped Hitler. Página 68.

10 Leon Trotsky. The Revolution Betrayed. Capítulo 8.

11 David M. Glantz. Stumbling Colossus: The Red Army on the Eve of World War. Páginas 28-29.

12 Ibid. Página 31.

13 Ibid. Página 30.

14 Ibid. Páginas 31-32.

15 Ibid. Página 32.

16 Richard J. Evans. The Third Reich at War. Página 161.

17 Glantz & House. When Titans Clashed: How the Red Army Stopped Hitler. Página 13.

18 David M. Glantz. Stumbling Colossus: The Red Army on the Eve of World War. Página 26.

19 Ibid. Página 29.

20 Ted Grant. History of British Trotskyism. Páginas 159-161.

21 Glantz & House. When Titans Clashed: How the Red Army Stopped Hitler. Página 64.

22 Ibid. Páginas 66-67.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário