Foto: Ultimas Noticias

Venezuela intercepta incursão mercenária: Guaidó e Washington são responsáveis

Nas primeiras horas do último domingo, 3 de maio, a polícia e as Forças Armadas da Venezuela frustraram a tentativa de homens armados de desembarcar em Macuto, La Guaira, a 35 km da capital Caracas. Nos confrontos que se seguiram, oito mercenários foram mortos e suas armas foram apreendidas, tanto em lanchas quanto as que foram descarregadas em terra. Segundo as autoridades, o ataque teve o objetivo de sequestrar autoridades venezuelanas e provocar um golpe militar.

Os confrontos armados começaram às 3h05 em Macuto, uma cidade costeira no estado de La Guaira. O ministro venezuelano do Interior, Nestor Reverol, descreveu como uma tentativa de “invadir o país pelo mar”. As Forças Armadas venezuelanas e os agentes da Polícia Bolivariana (Faes) estiveram envolvidos na repulsão do ataque. Reverol também explicou que, de acordo com o GPS do barco, ele vinha da Colômbia.

O presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello, em uma entrevista coletiva às 11h, informou que oito agressores foram mortos e outros dois presos. Um estoque de armas foi apreendido, incluindo 10 rifles de assalto, uma pistola Glock 9mm, duas metralhadoras AFAG, seis picapes nas quais as metralhadoras estavam montadas, um barco com dois motores no mar; bem como uniformes militares, telefones via satélite e munição.

É claro que a inteligência venezuelana já havia se dado conta da operação, revelando que muitos dos grupos paramilitares mercenários ligados à oposição estão fortemente infiltrados. Enquanto o líder da oposição venezuelana e fantoche de Trump, Juan Guaidó, descreveu os eventos como uma “cortina de fumaça do regime”, é nítido que muitos dos envolvidos têm ligações diretas com o próprio Guaidó. Alguns participaram do golpe militar fracassado em 30 de abril de 2019, liderado diretamente por Juan Guaidó e Leopoldo Lopez.

Outros fizeram parte de outra incursão militar planejada do território colombiano, prevista para 23 de março, mas que foi abortada depois que a polícia colombiana apreendeu um esconderijo de armas. O líder dessa operação, que envolvia 300 homens armados, estava conspirando contra o oficial do exército Cliver Alcalá Cordones, que então se entregou às autoridades americanas, que haviam emitido um mandado de prisão contra ele por tráfico de drogas.

Ligações com Guaidó

Antes de sua prisão, Alcalá Cordones divulgou um vídeo alegando que sua operação foi resultado de um contrato assinado entre ele, o lobista político reacionário JJ Rendón e o próprio Juan Guaidó. Um dos elementos-chave na incursão militar abortada em 23 de março foi o mercenário dos EUA e o antigo “boina verde” dos EUA, Jordan Goudreau. Juntamente com outros dois ex-SEALs da Marinha dos EUA, Goudreau estava encarregado de treinar os desertores do exército venezuelano que deveriam entrar no território venezuelano. Dois dias antes do ataque de 3 de maio, a Associated Press (AP) publicou uma investigação detalhada sobre o papel de Goudreau no plano abortado de 23 de março.

Goudreau, que administra a agência de mercenários Silvercorp US, com sede na Flórida, também tem vínculos estreitos com Guaidó. Segundo o relatório da AP, em fevereiro de 2019, Goudreau trabalhou na organização da segurança no concerto de “ajuda humanitária” (Música para a Venezuela: Ajuda e Liberdade) no lado colombiano da fronteira venezuelana. O concerto, promovido por Guaidó e financiado pelo multimilionário britânico Richard Branson, serviu de cobertura para uma provocação na fronteira venezuelana, que também fracassou. Naquela época, Guaidó cruzou ilegalmente a fronteira Venezuela-Colômbia, com a ajuda da gangue paramilitar colombiana de narcotráfico Los Rastrojos.

Ontem (3/5), foi Goudreau quem divulgou uma mensagem em vídeo da Flórida, junto a outro desertor do exército venezuelano que conspirava por um golpe de Estado, assumindo a responsabilidade pela tentativa de desembarque em Macuto. Em uma entrevista com a ativista da oposição reacionária venezuelana Patricia Poleo, Goudreau mostrou uma cópia do contrato assinado entre Alcalá Cordones, Guaidó, JJ Rendón e sua própria empresa por serviços como “planejamento estratégico”, “aquisição de equipamentos” e “consultoria de execução de projetos”. O documento foi comprovado por uma gravação em áudio de uma conversa entre Guaidó, seus associados e o mercenário americano Goudreau discutindo os termos do acordo.

Juan Guaidó está intimamente ligado às diferentes tentativas de remover Maduro do cargo Foto: Ultimas Noticias

Dias antes do ataque de 3 de maio, os enviados especiais dos EUA para a Venezuela, Elliot Abrams e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, intensificaram suas declarações provocativas contra Maduro. Abrams declarou que “os dias de Maduro são contados“, enquanto Pompeo, em uma entrevista coletiva em 29 de abril , garantiu aos jornalistas que “o esforço multilateral para restaurar a democracia (sic) continua a ganhar impulso” e que ele “atualizou os planos para reabrir o Embaixada dos EUA em Caracas”. Uma coincidência? Acho que não…

De todo esse acontecido sórdido, várias conclusões podem ser tiradas. A primeira é que, apesar de todas as suas negações, Juan Guaidó está intimamente ligado às diferentes tentativas de remover Maduro do cargo. Mesmo que você desconsidere o famoso contrato, as pegadas de Guaidó estão por toda parte, como detalhamos acima. Os desertores militares envolvidos participaram de seu golpe fracassado de abril de 2019. O principal mercenário americano envolvido forneceu segurança para seu concerto de “ajuda humanitária”. Ele também participou de uma reunião entre assessores de Trump e agentes de Guaidó em Miami.

Obviamente, como a tentativa falhou, ele afirma não ter nada a ver com isso. A pergunta que realmente precisamos fazer é: por que Guaidó ainda está livre? Por que ele não foi preso? Ele tentou usurpar um cargo para o qual não tem direito. Ele solicitou uma intervenção militar estrangeira contra seu próprio país. Ele conspirou por um golpe militar. Na verdade, ele liderou um golpe militar. O que mais é necessário para que ele seja preso e julgado? Esse nível de impunidade é irritante, especialmente em um momento em que ativistas revolucionários como Alfredo Chirinos e Aryenis Torrealba foram presos e tiveram seus direitos violados, quando seu único “crime” foi denunciar a corrupção na empresa estatal de petróleo PDVSA.

O papel do imperialismo

Qual é o papel dos Estados Unidos nessa história? Deve ficar claro para todo observador informado que nada se move na oposição reacionária venezuelana sem que os serviços secretos dos EUA saibam disso. O Mercenary Goudreau, em suas declarações de ontem e o relatório da AP, reclamou que eles se aproximaram dos EUA, mas não encontraram apoio para seus planos paramilitares. Isso, no mínimo, indica que os EUA tinham conhecimento prévio desses planos – lembre-se, planos de invasão mercenária de um país terceiro – e não fizeram nada a respeito. Mas a implicação dos EUA vai além do conhecimento. Washington está encorajando aberta e publicamente essa atividade, quando o Departamento de Estado ofereceu uma recompensa de até US$ 15 milhões para informações que levem à captura de Maduro e de outras autoridades venezuelanas. Sem mencionar o fato de que, há mais de um ano, Trump incentiva ativamente as autoridades do exército venezuelano a se levantar contra o governo Maduro.

Entre os itens apreendidos estavam 10 riffles de assalto, uma pistola Glock 9mm, duas metralhadoras AFAG, seis picapes nas quais as metralhadoras estavam montadas, um barco com dois motores ao mar; bem como uniformes militares, telefones via satélite e munição Foto: Ultimas Noticias

Claramente, tanto a oposição “democrática” venezuelana quanto o imperialismo dos EUA são responsáveis por ataques como o de ontem. Por toda a conversa sobre a restauração da democracia, a oposição venezuelana, Trump e todos os outros países que reconheceram Guaidó estão com as mãos sujas por todo tipo de conspirações paramilitares envolvendo mercenários, traficantes, terroristas etc. É de notar que o líder da oposição venezuelana Leopoldo López, que foi o outro líder do golpe de 30 de abril de 2019, está sendo acolhido na embaixada espanhola em Caracas e esse acordo não foi repudiado pelo novo governo de esquerda PSOE-UP, em Madri.

Todos os democratas consistentes, todos os socialistas, devem rejeitar esses atos escandalosos de agressão imperialista contra a Venezuela e denunciar todos os governos que, apoiando a “legitimidade” de Guaidó, são cúmplices deles. Ao mesmo tempo, devemos salientar que a agressão imperialista só pode ser combatida por meios revolucionários: a prisão e o julgamento de Guaidó e seus companheiros conspiradores, a expropriação de todas as propriedades de multinacionais norte americanas na Venezuela para serem controladas pelos trabalhadores, a expropriação da oligarquia venezuelana (capitalistas, banqueiros e proprietários de terras), que financia e apoia essas conspirações contrarrevolucionárias, e o aumento de uma verdadeira milícia revolucionária de trabalhadores e camponeses.

TRADUÇÃO DE MARCELO PANCHER.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

 

Deixe Seu Comentário