Imagem de skeeze por Pixabay

Terror capitalista nos campos de concentração de imigrantes

Na semana passada, as revelações de uma enfermeira empregada em uma prisão de imigrantes sobre a esterilização forçada de mulheres sob custódia federal dos Estados Unidos se espalharam como um incêndio. A enfermeira que denunciou o fato revelou que mulheres imigrantes estavam recebendo histerectomias e outros procedimentos ginecológicos sem o devido consentimento, enquanto presas em uma prisão privada de Immigration and Customs Enforcement (ICE).

A revelação é mais um exemplo dos ataques racistas e misóginos às mulheres e imigrantes da classe trabalhadora e dos terríveis horrores do sistema capitalista. Este é um exemplo gráfico do que os marxistas querem dizer quando afirmamos que a escolha que a humanidade enfrenta é “socialismo ou barbárie“.

A enfermeira, Dawn Wooten – que por acaso é negra, trabalhadora e mãe solteira de cinco filhos – revelou que, enquanto estavam sob custódia do ICE, mulheres imigrantes foram enviadas a um ginecologista perto do Irwin County Detention Center, uma prisão do ICE na Geórgia de propriedade da empresa prisional privada LaSalle Corrections. De acordo com suas revelações, o ginecologista realizava histerectomias totais ou parciais e outros procedimentos ginecológicos medicamente desnecessários nas mulheres imigrantes, sem a tradução adequada ou uma explicação completa do que estava acontecendo com seus corpos. Wooten chamou o ginecologista de “coletor de útero“.

Depois que a notícia começou a se espalhar, vários advogados ligados à imigração revelaram que conseguiram rastrear 17 ou 18 de seus clientes que haviam sido submetidos a essas operações. No entanto, devido à natureza da detenção de imigrantes nos Estados Unidos, é provável que muito mais mulheres tenham sido submetidas a esses procedimentos, considerando que muitos imigrantes não têm representação legal em seus casos de asilo ou deportação.

A enfermeira denunciante também revelou um padrão de negligência flagrante e desrespeito pela saúde dos imigrantes em meio à pandemia. Em entrevistas com jornalistas no The Intercept e em uma queixa apresentada ao Congresso dos Estados Unidos, ela revelou que a equipe se recusava rotineiramente a testar imigrantes sintomáticos de Covid-19, destruía evidências e negligenciava a proteção de imigrantes e trabalhadores da Covid-19 nas instalações.

O ICE e as empresas prisionais privadas que contrata continuaram, de forma repetida, a mostrar uma evidente falta de cuidados nas suas instalações. Não surpreende que o ICE realize a esterilização de forma oculta e desnecessária de mulheres imigrantes, ao mesmo tempo em que negligencia o preenchimento de receitas de respiradores, a realização de cirurgias que salvam vidas e o fornecimento de proteções contra a Covid-19, tudo enquanto espanca e brutaliza migrantes dentro das paredes de suas prisões secretas.

As histerectomias e os atalhos observados nas precauções da Covid-19 são um símbolo do sistema de detenção de imigrantes com fins lucrativos nos EUA. As prisões de imigrantes, espalhadas por todo o país, são frequentemente administradas por empresas privadas, com os contribuintes pagando a conta inflacionada de lucros para encarcerar solicitantes de asilo e imigrantes da classe trabalhadora submetidos a processos de deportação. Conforme explicou a enfermeira Wooten, os imigrantes detidos são “vistos como um cifrão. Suas cabeças não são contadas como seres humanos, mas como dólares”.

Para aumentar o horror, muitas dessas prisões estão localizadas em comunidades rurais no sul, em estados como Louisiana e Geórgia, onde a classe trabalhadora tem pouca opção além de trabalhar para essas enormes instalações. A crise de 2008 atingiu essas áreas de maneira particularmente dura e, em muitos condados, praticamente as únicas opções de emprego são as cadeias privadas e prisões com baixos salários.

Embora muitos tenham comparado as alegações de histerectomias forçadas à Alemanha nazista, não precisamos olhar além dos EUA para efeitos de comparação. A “terra dos livres” tem uma longa e sórdida história de esterilizações forçadas impostas pelo Estado. No século 19, J. Marion Sims – o homem chamado de “pai da ginecologia moderna” – conduziu experimentos ginecológicos em mulheres negras escravizadas sem anestesia. No século 20, até a década de 1970, o estado da Carolina do Norte realizou mais de 7.600 esterilizações em mulheres, a grande maioria delas negras. E o Asexualization Act de 1909, que levou à esterilização de 20.000 pessoas apenas no estado da Califórnia, foi uma inspiração direta para os eugenistas nazistas. Ainda na última década, pelo menos 148 mulheres encarceradas na Califórnia foram esterilizadas pelo estado entre 2006 e 2010.

Devido à natureza do Estado capitalista, a pessoa que será mais demonizada por essas revelações é o denunciante – não o ICE ou o CEO da LaSalle Corrections e das outras empresas prisionais privadas que colhem lucros colossais com o encarceramento e esterilização de migrantes. É pouco consolador que o Gabinete do Inspetor Geral e o Congresso do Departamento de Segurança Interna tenham lançado uma investigação. Mas, no final das contas, os malfeitores só vão receber umas palmadas leves pelos abusos.

Sem surpresa, a campanha de Biden e de outros democratas aproveitaram os relatórios da maneira mais oportunista, como outro ângulo de ataque contra a administração Trump na preparação para as eleições de novembro. Mas, como marxistas, entendemos que a indignação dos políticos burgueses é meramente um caso de lágrimas de crocodilo – há uma razão pela qual os ativistas imigrantes chamaram Obama de “Deporter in Chief” [Chefe dos Deportadores].

A realidade é que, mesmo sob a presidência de Biden, a situação não melhorará significativamente. O sistema de detenção de imigrantes e de tratamento cruel de imigrantes sob custódia federal não é novidade para Trump. Quer queiram ou não admitir os apologistas liberais do capitalismo, a infraestrutura para a realização desses atos terríveis já existia desde Obama, e até mesmo antes.

Na verdade, alguns dos ataques mais monstruosos contra imigrantes foram realizados durante a administração Clinton, levando a um número desconhecido de imigrantes mortos nos desertos do sudoeste. E embora o ICE e sua agência controladora – o Departamento de Segurança Interna – tenham sido estabelecidos sob o governo Bush depois de 11 de setembro, o governo Obama apenas encorajou e fortaleceu seus ataques a imigrantes indocumentados.

Donald Trump e companhia meramente se apoderaram do aparato à disposição – eles não reinventaram a roda. Embora alguns possam ter ilusões de que Biden vai melhorar a situação dos imigrantes indocumentados, quando se trata de colocar crianças em jaulas e brutalizar imigrantes indocumentados e solicitantes de asilo, Biden “esteve lá, fez isso”.

E tudo isso pode ser apenas a ponta do iceberg quando se trata das brutalidades desumanas que estão sendo cometidas nessas prisões secretas. Com dezenas de milhares de detidos nessas instalações, muitos dos abusos que estão ocorrendo podem nunca ver a luz do dia.

A longa história de esterilizações forçadas de mulheres negras e pardas, e sua prática contínua, são horríveis lembretes da brutalidade racista que está embutida no sistema capitalista. Como marxistas, vemos qualquer ataque às mulheres imigrantes da classe trabalhadora como um ataque à classe trabalhadora como um todo. Rejeitamos a ideia de que a classe trabalhadora mais ampla deva ser meros “aliados” de nossos irmãos e irmãs imigrantes. Toda a classe trabalhadora deve estar ombro a ombro na luta contra esses abusos. Uma ofensa a um é uma ofensa a todos!

Quanto aos dirigentes sindicais, que representam milhões de trabalhadores em setores-chave da economia, eles devem deixar de lado seus interesses mesquinhos e sua covardia e permanecer na vanguarda da luta contra esses ataques à nossa classe, não apenas em palavras, mas em ações .

Em última análise, a única maneira de acabar com este pesadelo vivo é lutando contra o sistema capitalista como um todo. A grande maioria das pessoas sob custódia do ICE são imigrantes da classe trabalhadora e solicitantes de asilo. As linhas de classe são claras e o revide precisa ser realizado em uma base de classe.

Mas para lutar contra o sistema capitalista, devemos estar organizados. Precisamos de uma organização revolucionária, com um programa claro, que possa ajudar a levar a classe trabalhadora ao poder. Somente com uma organização grande e disciplinada, com raízes profundas na classe trabalhadora e uma base teórica sólida, podemos acabar com esses abusos repugnantes e com o sistema que os originou.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM SOCIALIST.NET

Deixe Seu Comentário