Sri Lanka: lições da luta

Há pouco mais de um mês, em 9 de julho, as massas insurrecionais do Sri Lanka invadiram a residência do presidente Gotabaya Rajapaksa, em Colombo. Este foi o ponto culminante dos protestos em toda a ilha e que estavam em andamento desde março. Eles já haviam derrubado três gabinetes do governo, o governador do Banco Central e os próprios irmãos de Gota: o ministro das Finanças Basil Rajapaksa e o poderoso então primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, que foi forçado a renunciar em 9 de maio.

Quando o movimento culminou em uma revolta em 9 de julho, uma breve janela de oportunidade se abriu. As massas avançaram confiantes, enquanto a classe dominante entrava em estado de pânico e as divisões se abriam no exército e na força policial. O poder estava ali à mão para tomá-lo.

Mas a janela de oportunidade não poderia permanecer aberta indefinidamente. Ou as massas tomariam o poder, ou então voltariam para casa e a iniciativa passaria temporariamente para as forças da reação. Na ausência de uma direção revolucionária decisiva da classe trabalhadora, foi precisamente isso que aconteceu.

A história é cruel com aqueles que não aproveitam as oportunidades que ela apresenta. Em 9 de julho, as massas derrubaram Gota Rajapaksa. Mas quando saíram das ruas, seu fantoche, Ranil Wickremesinghe – ou Ranil Rajapaksa, como as massas agora se referem a ele com desprezo – simplesmente tomou seu lugar. Ranil não perdeu tempo em aproveitar a vazante do movimento para desencadear a repressão.

A revolução no Sri Lanka está longe de terminar, mas o encerramento deste capítulo de abertura contém importantes lições de advertência para a vanguarda da classe trabalhadora, no Sri Lanka e além.

A classe dominante sabe qual é a ameaça real

O movimento no Sri Lanka – conhecido como aragalaya ou “luta” – eclodiu espontaneamente na primavera em resposta ao aumento dos preços, escassez e apagões que tornaram insuportável a vida de todos, exceto dos mais ricos do Sri Lanka. Se os sindicatos, no curso desse movimento, tivessem convocado a formação de comitês de trabalhadores e camponeses e convocado uma greve geral total, a classe trabalhadora teria saltado ao primeiro plano. A revolução socialista poderia ter sido colocada na agenda do Sri Lanka.

Mas os líderes sindicais “moderados” não conseguiram dar a liderança. Nos meses em que as massas se mobilizaram, ocupando Galle Face Green e outros locais, os sindicatos não conseguiram convocar mais de um dia de greve de protesto. Como resultado, outras camadas avançaram para preencher o vácuo da liderança. No local de ocupação em Colombo, “Gota Go Gama”, foram as camadas da classe média que vieram à tona. Enquanto isso, grupos como a Ordem dos Advogados do Sri Lanka (BASL) conseguiram se apresentar como a voz do movimento, apresentando demandas mansas e brandas que ganharam força por falta de qualquer outro conjunto de demandas originárias de um órgão com maior legitimidade no movimento.

A proeminência de elementos da classe média e a falta de liderança da luta de classes nos sindicatos fizeram com que o movimento sofresse de confusão. Essa confusão foi expressa em ilusões constitucionais; ilusões no sistema jurídico; afirma que o aragalaya é “nem à direita nem à esquerda”; ilusões na “comunidade internacional”; e até ilusões de que instituições imperialistas como o FMI possam ajudar benevolentemente o Sri Lanka a sair de seu mal-estar econômico.

Essa confusão reflete o estágio inicial do movimento. A experiência vai e já está eliminando essa ingenuidade. Mas a classe dominante não sofre de tal confusão. Eles entendem que esta é uma guerra de classes e sabem o que precisam fazer para ter uma chance de vencê-la. Eles podem ter suas diferenças internas, mas instintivamente se alinham quando confrontados com uma ameaça das massas revolucionárias. Como os marxistas, eles entendem que a maior ameaça ao seu governo vem da classe trabalhadora organizada.

E assim – apesar da falta de clareza ideológica no movimento e da mansidão dos líderes sindicais – toda a força da repressão de Wickremesinghe caiu sobre a esquerda e os sindicatos.

Repressão

Mesmo antes de ser empossado como novo presidente pelo parlamento, como presidente interino, Wickremesinghe preparava o terreno para a repressão. Ele acusou o aragalaya de estar infiltrado por “extremistas”, “fascistas” e “insurgentes”. Demasiado débil para lançar uma repressão em massa, ele prometeu “identificar a diferença entre os insurgentes e os manifestantes”.

Esta é a tática clássica da contrarrevolução: ludibriar, desmoralizar, confundir e desgastar a massa do movimento, enquanto desfere golpes repressivos em sua camada mais avançada e irreconciliável.

Em 21 de julho, o parlamento “elegeu” Ranil como o novo presidente. Na realidade, este fantoche é pouco mais do que um substituto para os Rajapaksas. Embora suas credenciais “democráticas” tenham sido construídas pela mídia, elas são uma farsa. Ele serviu sob seu tio, J.R. Jayewardene, como ministro nas décadas de 1970 e 1980. Foi sob este governo – um regime sangrento, responsável pela repressão e pogroms – que a atual e notória constituição bonapartista e seu sistema presidencialista executivo foram desenhados.

O mandato popular de Ranil é nulo. Em 2020, foi o único deputado do UNP, selecionado na lista nacional por ter conquistado míseros dois por cento dos votos. Na realidade, porém, seu mandato não vem do povo, mas da classe dominante, que o designou para um só trabalho: a repressão.

Assim que o parlamento o elevou a presidente, a repressão começou. Tropas foram enviadas para “Gota Go Gama”, jornalistas foram presos e suas imagens apreendidas. Foi declarado estado de emergência.

Então começaram as prisões e desaparecimentos de esquerdistas e sindicalistas.

Em 28 de julho, um mandado de prisão foi emitido para Tampitiye Sugathananda Thero, secretário-geral do Sindicato Conjunto dos Trabalhadores da Saúde. Em 8 de agosto, Mangala Maddumage, ex-organizador nacional da Federação Interuniversitária de Estudantes (IUSF – o maior sindicato estudantil do Sri Lanka, que está na vanguarda do movimento e é liderado pelo Partido Socialista da Linha de Frente de esquerda) foi detido do lado de fora da Biblioteca Pública de Colombo.

Em 3 de agosto, o sindicalista sênior Joseph Stalin, secretário do Sindicato dos Professores do Sri Lanka, foi preso – o mandado afirmava que sua prisão era por violação de uma ordem judicial que proibia uma marcha em 28 de março. Piyath Nikeshala, um líder da juventude, foi preso por suposta violação da mesma ordem judicial.

E em 4 de agosto, Palitha Etampawala e Dananjaya Siriwardena, ativistas do Sindicato dos Empregados do Banco do Ceilão, foram presos.

No caso de Joseph Stalin, ironicamente, apenas um ano antes, Ranil Wickremesinghe se manifestou contra a prisão do mesmo ativista pelos Rajapaksas! E agora, estão circulando fotos nas mídias sociais do próprio conselheiro sindical de Ranil Wickremesinghe, comparecendo ao mesmo protesto de 28 de março em que Joseph Stalin foi preso!

É claro que Ranil está violando as leis de seu próprio governo. Mas o que mais devemos esperar? A lei é um pedaço de papel para a classe dominante, que eles pisam alegremente quando lhes convém. A classe dominante não nutre ilusões na constituição ou no “estado de direito”, e nós também não.

Os tribunais servem aos interesses da classe dominante. Emitem os mandados de prisão que melhor atendem à reação de Ranil. Para incutir o máximo de medo, os mandados são executados por policiais à paisana, em veículos não identificados, e as vítimas são mantidas incomunicáveis ​​durante dias. A mensagem é clara: “Nós podemos fazer você desaparecer, e da próxima vez você pode não reaparecer”.

Esta não é uma ameaça ociosa. De fato, a campanha das famílias tâmeis pelo retorno de seus entes queridos – desaparecidos no final da guerra civil em 2009 – marcou seu 2.000º dia este mês. E ao longo da praia de Colombo, uma enxurrada de corpos apareceu recentemente na praia, alguns com as mãos amarradas nas costas.

Esta é a realidade da classe dominante do Sri Lanka e de todas as suas tradições manchadas de sangue. Ao lado de seus muitos meios “legais” de repressão, possui amplos métodos ilegais e terroristas.

Seria lamentável para os ativistas revolucionários implorar a esse inimigo reacionário – temporariamente vitorioso – para cortar suas próprias asas e se curvar às demandas de advogados e defensores dos direitos humanos.

Em vez disso, os elementos revolucionários mais avançados dos trabalhadores e jovens do Sri Lanka devem aprender a lição principal desta primeira fase da revolução. A revolução só pode terminar de duas maneiras. Ou a classe trabalhadora, com um partido revolucionário à sua frente, aprende a tempo que deve tomar o poder, esmagar o velho estado capitalista e criar um novo estado operário democrático em seu lugar; ou então a classe dominante conseguirá esperar a revolução com seu Estado intacto, e então procederá a desencadear a força total e violenta do Estado contra as massas e sua guarda avançada.

Não há meio termo nesta luta de vida ou morte, por mais sinceros que sejam os desejos dos liberais, reformistas e pacifistas.

Wickremesinghe: um fraco “homem forte”

Ranil Wickremesinghe tem que andar com cuidado. A vitória da reação está longe de ser estável e a revolução do Sri Lanka não acabou. O que acabou foi apenas seu primeiro e mais inocente capítulo. O regime de Ranil existe por conta de um recuo temporário do movimento, e se baseia em ilusões construídas nele pelos liberais. Isso afetou uma camada fina e abastada da classe média, que agora anseia por algum retorno à “ordem” e espera que um governo estável desbloqueie um resgate do FMI e leve a uma espécie de normalidade. Esta é uma base fraca, de fato. Os imperialistas certamente não se deixam enganar pela força externa do novo regime. Como explica a agência internacional de classificação de crédito, Fitch Ratings:

“O novo presidente foi confirmado por uma grande maioria no parlamento, e seu governo atraiu alguns membros da oposição. Isso dá alguma esperança de que terá apoio suficiente para negociar e realizar reformas difíceis como parte dos esforços para restaurar a estabilidade macroeconômica e a sustentabilidade da dívida. Essas reformas podem desbloquear o apoio financeiro do FMI, que consideramos importante para a saída do Sri Lanka da inadimplência.

“A posição parlamentar do governo parece forte, mas o apoio público ao governo é mais fraco. O presidente Wickremesinghe foi primeiro-ministro no governo anterior do presidente Gotabaya Rajapaksa, que foi derrubado por protestos. O Parlamento e o governo também continuam dominados por políticos da Aliança da Liberdade do Povo do Sri Lanka, que é estreitamente afiliada à família Rajapaksa. Isso pode aumentar o risco de mais protestos desestabilizadores se as condições econômicas não melhorarem e/ou as reformas gerarem oposição pública”.

É só uma questão de tempo até que o movimento entre em erupção mais uma vez. Nas últimas 24 horas, novos protestos de pescadores eclodiram em Chilaw, na costa oeste, exigindo querosene. As condições no Sri Lanka são tais que as massas não têm escolha a não ser entrar na luta uma e outra vez.

Este governo, como o anterior, não é capaz nem está interessado em resolver os problemas que as massas enfrentam. Uma classe ou outra na sociedade deve pagar por esta crise. E este governo, servo do capital, se esforçará para restaurar a estabilidade econômica e a “capacidade de crédito” do país às custas dos trabalhadores e dos pobres: através da desvalorização da moeda, austeridade, sucateamento dos direitos dos trabalhadores etc. Nesta base, os credores imperialistas como o FMI intervirão com um resgate.

A cada dia que passa, ficará mais claro para os trabalhadores e jovens avançados que a vitória da revolução do Sri Lanka significa a derrubada do capitalismo na ilha, como parte da revolução socialista em todo o sul da Ásia e no mundo.

O revés temporário que o aragalaya sofreu terá provado ser uma experiência valiosa. Neste momento, o próprio Ranil está dando às massas do Sri Lanka uma lição sobre a crueldade da guerra de classes. Se o desejo de unidade mascarou o verdadeiro conteúdo de classe do movimento em seu avanço, a violência repressiva seletiva da contrarrevolução expôs seu verdadeiro conteúdo em seu retrocesso.

Como Marx explicou em As lutas de classes na França, em referência aos reveses sofridos pela revolução francesa de 1848:

“Com exceção de apenas alguns capítulos, todas as partes importantes dos anais revolucionários de 1848 a 1849 trazem o título: Derrota da revolução!

“O que sucumbiu nessas derrotas não foi a revolução. Foram os apêndices tradicionais pré-revolucionários, resultados de relações sociais que ainda não haviam chegado ao ponto de agudos antagonismos de classe – pessoas, ilusões, concepções, projetos dos quais o partido revolucionário antes da Revolução de Fevereiro não estava livre, dos quais poderia ser libertado não pela vitória de fevereiro, mas apenas por uma série de derrotas.

“Em uma palavra: a revolução avançou, forjada, não por suas conquistas tragicômicas imediatas, mas, ao contrário, pelo surgimento de uma contrarrevolução poderosa e unida, pelo surgimento de um oponente em combate com o qual amadureceu o partido da derrubada em direção a um partido realmente revolucionário”.

_____________________________

Traduzido por Fabiano Leite

Deixe Seu Comentário