Os comunistas na internet e a criatividade militante (Parte 1)

Artigo publicado no jornal Foice&Martelo Especial nº 04, de 16 de abril de 2020. Confira a edição completa

Diante da conjuntura que se abriu, decorrente da pandemia do novo coronavírus, a criatividade dos comunistas está sendo diariamente posta à prova na internet. Diversas iniciativas, como os comitês online Fora Bolsonaro, os cursos  temáticos online, as páginas do Facebook e perfis no Instagram, entre outras, são maneiras de levar ao público geral o materialismo dialético, mostrando seu potencial para organizar a classe trabalhadora e prepará-la para que se torne a classe dominante. Extinguir a exploração do homem pelo homem e organizar uma democracia real e fraterna, de massas, passa, neste momento, pelo trabalho militante nas redes. Este artigo, dividido em duas partes, visa desenvolver questões que envolvem o trabalho dos comunistas na internet.

Organizando a juventude pela internet

 Em qualquer conjuntura, seja em períodos de calmaria, de intensificação da repressão, de greves de massas ou nos variados tipos de governo, o apego aos velhos hábitos e às fórmulas prontas são venenos dentro da organização marxista. O engessamento da tática ou a soberba de dirigentes que se consideram iluminados acima do conjunto da organização mata a criatividade dos militantes, principalmente os mais jovens. A atitude inflexível ou conservadora afasta os melhores trabalhadores interessados no comunismo. Os mais dispostos estão ávidos por transformar e imprimir no mundo a sua marca. E por que não imprimir essa marca coletivamente?

Nesse momento em que a juventude não encontra mais expectativas de emprego, educação, saúde, vida digna, moradia própria ou quando se depara com milhares de infectados ou mortos pelo novo coronavírus, algo inevitavelmente se transforma nela.

A situação de crise tem revelado as promessas mentirosas de democratização da sociedade pelo combate à corrupção, pela flexibilização das relações trabalhistas, pelo ensino à distância, pela utopia da ascensão social e de emprego para todos sob este sistema. Nada foi democratizado, pelo contrário. Os meios de produção e sua gestão continuam na mão de cada vez menos capitalistas.

A organização política dos comunistas, por meio de suas células, comitês regionais e comitê central, mídia (jornal, revista, website) e eventos públicos, precisa, para responder a esta frustração crescente, ser o lugar por excelência para o exercício da energia humana inventiva. Se ela não for aproveitada para os trabalhadores, as organizações políticas burguesas e pequeno-burguesas o farão para o capital. E estão fazendo, mesmo com todos os limites colocados pela nova época às antigas estratégias de influência e organização reacionárias. A experiência da burguesia no trabalho pela internet é enorme, por isso precisamos estudar seus sucessos e fracassos. Afinal, como a criatividade da juventude tem sido até agora aproveitada por meio das redes, instituições e partidos criados para defender a sociedade de classes? Nossos adversários têm muito a nos ensinar. O bom general aprende a combater estudando também o exército inimigo.

Antes do aprofundamento da crise, a burguesia, através de suas empresas e instituições, tinha sucesso em canalizar grande parte da energia e do pouco tempo livre dos trabalhadores e jovens para entretenimento nas redes sociais, blockbusters, conteúdos pornográficos ou para vínculos sociais conservadores; além de fornecer poderosas gratificações substitutivas com drogas de todos os tipos e custos e de fácil acesso, legais e ilegais. 

Se os marxistas não conseguirem apresentar à juventude interessada em se organizar a possibilidade de crescimento pessoal, integração social e expressão criativa para transformar o mundo junto à classe trabalhadora, as organizações reacionárias ou conservadoras, cedo ou tarde, encontrarão meios para crescer e proteger os capitalistas. 

A burguesia tem muito dinheiro e domínio da técnica moderna, sabemos. Ela pode investir nas mais variadas soluções “náuticas” para convencer os trabalhadores de que é mais seguro navegar contra a corrente junto à classe dominante do que a favor da corrente de transformação social com os comunistas. Mas as soluções ideológicas da burguesia ainda não estão prontas no novo período que se abriu.

Uma organização marxista com influência de massas se constrói, então, desde agora, com flexibilidade, com seus dirigentes mais experientes aprendendo junto às novas gerações de trabalhadores e futuros trabalhadores como conquistar corações e mentes. Os jovens militantes precisam perceber que ganharão junto aos comunistas ampla liberdade de crítica e de exercício da sua criatividade, como nunca imaginariam ter dentro das instituições burguesas.

Neste momento, a Esquerda Marxista constrói as seguintes atividades pela internet:

Conheça também as páginas dos Comitês Fora Bolsonaro:

 

Deixe Seu Comentário