O marxismo em marcha em todo o mundo: Congresso da CMI 2021

Entre 24 e 27 de julho, mais de 2.800 marxistas de mais de 50 países se reuniram online para o Congresso Mundial da Corrente Marxista Internacional (CMI). Este congresso havia sido originalmente programado para ocorrer em 2020, mas foi adiado devido a eclosão da pandemia da Covid-19.

Embora a pandemia tenha impossibilitado um congresso presencial, por ser transmitido online, milhares de camaradas puderam participar pela primeira vez de um congresso da CMI. O congresso esteve tomado de entusiasmo e confiança. Durante os quatro dias, houve o sentimento de estarmos intimamente ligados como uma organização revolucionária internacional unida, apesar das distâncias que nos separavam.

Enquanto os camaradas acordaram às 5 da manhã para participar na costa oeste dos Estados Unidos, o congresso começou tarde da noite para camaradas sintonizados da Indonésia. Estavam presentes camaradas de: Argentina, Austrália, Áustria, Bangladesh, Bélgica, Bolívia, Brasil, Grã-Bretanha, Canadá, Chile, El Salvador, Guatemala, Costa Rica, Honduras, Colômbia, Tchecoslováquia, Dinamarca, Holanda, França, Alemanha, Geórgia, Grécia, Haiti, Hungria, Índia, Indonésia, Irlanda, Itália, Libéria, Mauritânia, México, Marrocos, Mianmar, Nepal, Nigéria, Noruega, Paquistão, Peru, Polônia, Portugal, Rússia, África do Sul, Espanha, Sri Lanka, Sudão, Suécia, Suíça, Taiwan, EUA, Venezuela e Iugoslávia.

A contribuição do camarada Kazeem, delegado da seção nigeriana da CMI, foi um momento particularmente comovente. Os regulamentos racistas de vistos impediram qualquer delegado da Nigéria de participar diretamente de um congresso até este momento. Agora, pela primeira vez, toda a Internacional pode ouvir com orgulho um relato em primeira mão do trabalho maravilhoso de nossos camaradas.

O evento foi um grande feito de organização, com equipes trabalhando duro nos bastidores para garantir que tudo ocorresse sem problemas, apesar de seu escopo. Particularmente produtivas foram as equipes que traduziram todo o congresso em dez idiomas.

O resultado foi um sucesso retumbante. A evidência do estado de ânimo do congresso foi divulgada em todas as redes sociais com a hashtag #IMTCongress21. As imagens foram transmitidas de Edmonton, no Canadá, a Karachi, no Paquistão, de Leningrado, na Rússia, a Manchester, na Grã-Bretanha, de grupos de observação de camaradas reunidos em todos os continentes e em todos os cantos do globo.

O mundo virou de cabeça para baixo

A expectativa do congresso foi alcançada com uma discussão rica e animada de alto nível político que não pode ser encontrada em nenhuma outra organização.

Alan Woods abriu o congresso dando um panorama da crise histórica – a pior do mundo em 300 anos – que se desenrolou no último ano e meio. Embora a praga do coronavírus não tenha causado a crise – que já vinha se formando há décadas –, as duas coisas estão agora indissoluvelmente ligadas.

Alan Woods abriu a enriquecedora discussão sobre Perspectivas Mundiais, dando um panorama da profunda crise pela qual o capitalismo está atravessando – Imagem: @marxistjorge, Twitter
Não é a primeira vez que a podridão de um sistema social é exposta por um evento imprevisível como uma pandemia. Citando as linhas dos próprios estrategistas da classe dominante, Alan mostrou como os patrões estão bastante cientes do ajuste de contas que a crise lhes reserva. E, no entanto, assim como Maria Antonieta e a aristocracia francesa antes da Grande Revolução Francesa, a classe capitalista hoje continua a se deleitar em sua opulência obscena, apesar do sofrimento sem paralelo da massa da humanidade.

Enquanto os cadáveres das vítimas desta pandemia permanecem insepultos nas ruas das cidades indianas, os super-ricos do mundo desfrutaram de um aumento de US$ 5 trilhões em suas fortunas desde 2020.

E enquanto os trabalhadores da Amazon entram em colapso físico devido à exaustão nos andares dos depósitos de Jeff Bezos, seu patrão viajava até a borda do espaço para se tornar o primeiro “turista espacial” do mundo. Como Alan explicou, nenhuma dessas obscenidades passará despercebida. A pandemia expôs a podridão, corrupção e incompetência da classe dominante, que não sabe como acabar com o pesadelo. Isso deixou uma raiva profunda e fulminante fermentando nos corações de centenas de milhões de pessoas.

Mas, como Alan explicou, apenas uma revolução pode varrer seu sistema da face da Terra. E para isso é necessário um partido revolucionário da classe operária baseado nas ideias claras do marxismo.

Um clima de ira revolucionária em formação

O terreno para a revolução foi totalmente arado e suas sementes já estão começando a brotar. Em 2019, vimos desenvolvimentos revolucionários no Equador, Chile, Iraque, Líbano e em outros lugares. E este ano vimos novos desenvolvimentos no Chile; uma histórica greve nacional na Colômbia; a explosão do movimento anti-Bolsonaro no Brasil – que estava em andamento no momento do congresso; a eleição de um militante sindical para presidente do Peru; um movimento insurrecional dos camponeses indianos; um movimento explosivo contra os generais em Mianmar; a captura da liderança pela esquerda no maior sindicato da Grã-Bretanha e muitos outros eventos portentosos.

Esses diversos eventos são todos sintomas do mesmo processo de despertar revolucionário. Dado o clima de ira que existe na sociedade, mesmo uma recuperação instável e temporária poderia dar um grande impulso a novos movimentos industriais, o que sacudirá o movimento operário.

Após a introdução de Alan, os camaradas deram informes de todo o mundo e abordaram uma série de questões decorrentes da crise atual: da derrota do imperialismo dos EUA no Afeganistão ao colapso da social-democracia escandinava e ao papel dos sindicatos, e como os marxistas podem melhor defender as conquistas da Revolução Cubana.

O congresso teve uma discussão ampla e vibrante sobre as Perspectivas Mundiais, o que levantou a visão de todos os camaradas às tarefas da época e às oportunidades de construir uma tendência marxista capaz de intervir decisivamente no curso desses grandes eventos.

Em defesa da teoria revolucionária

Mas para construir uma tendência marxista que possa lutar pela liderança do movimento dos trabalhadores em todo o mundo, devemos construir uma organização baseada em ideias claras e em milhares de quadros marxistas disciplinados que tenham absorvido essas ideias e métodos.

O lema do congresso, extraído da obra-prima de Lenin, O que fazer?, resumiu o foco do congresso: “Sem teoria revolucionária, não pode haver partido revolucionário”. Com este fim, o congresso dedicou uma sessão especial sobre “A luta pela filosofia marxista”.

A sessão foi aberta por Fred Weston da liderança internacional da CMI.

Como o rei Canuto que tentou conter a maré, a classe dominante tenta hoje conter a luta de classes espalhando todo tipo de confusão e ideias falsas. Este é o principal objetivo da filosofia burguesa hoje. Em última instância, embora seus esforços devam ser em vão, como Fred explicou.

Fred Weston apresentou uma sessão especificamente dedicada à defesa da teoria marxista – Imagem: @ yaar.yousufzai, Twitter
As ideias marxistas, ao contrário, derivam sua força do fato de serem verdadeiras, e é precisamente porque oferecem uma explicação e uma saída para a crise que a CMI, com uma atitude séria para com a teoria, tem sido capaz de realizar os avanços que realizou nos últimos anos.

Fred observou que todas as outras organizações que se autodenominam de “esquerda” tendem a desprezar a teoria, vendo-a talvez como um extra opcional, ou então como um passatempo estéril conduzido por “teóricos” a partir de suas poltronas. Na realidade, a teoria revolucionária é tudo menos estéril quando combinada com a ação revolucionária. Citando as palavras de Marx de 1843, Fred explicou que:

“A arma da crítica não pode, é claro, substituir a crítica da arma, a força material deve ser derrubada pela força material; mas a teoria também se torna uma força material tão logo se apodera das massas”.

O marxismo é, em primeira instância, uma perspectiva filosófica: a filosofia do materialismo dialético, cujas características essenciais Fred descreveu. Mas essa filosofia não caiu do céu por si mesma. É o maior produto de milênios de desenvolvimento humano e do desenvolvimento do pensamento e da filosofia.

No congresso foi anunciado que a CMI publicará, neste outono, um livro de Alan Woods, The History of Philosophy [A História da Filosofia], traçando o desenvolvimento da filosofia até a chegada de Marx e Engels com uma clara perspectiva científica.

Este livro, por sua vez, definirá o cenário para outro livro que está sendo escrito por Alan sobre a filosofia do próprio marxismo. Uma vez publicados, esses livros serão armas poderosas no arsenal de uma nova geração de revolucionários.

Longe de ser uma “teoria árida” e de pouco interesse para a juventude, as publicações da CMI estão sendo devoradas por camadas crescentes de trabalhadores revolucionários e jovens que estão se juntando às nossas fileiras. Um índice dessa sede de teoria foi dado pelas cifras que demonstram os avanços feitos pela livraria da CMI, WellRed Books. Só nos últimos 12 meses, as vendas de livros mais do que dobraram, com mais de 10.300 livros vendidos em 2020, feito repetido por outras livrarias da CMI em todo o mundo.

Essa sede de teoria também se refletiu em um enorme entusiasmo pela recém-relançada revista In Defense of Marxism como um jornal teórico trimestral internacional. Mais de 6 mil exemplares foram impressos até agora em inglês, alemão, espanhol e sueco, com previsão de futuras traduções para o indonésio, português e outras línguas.

Este congresso representa o ponto de partida de uma campanha contínua da CMI para combater o absurdo místico e idealista que se passa por “filosofia” na sociedade burguesa de hoje – uma campanha em curso que continuará nos próximos anos e lançará as bases para a construção de uma poderosa tendência marxista.

Construindo a organização revolucionária

Após a sessão sobre a teoria marxista, os camaradas discutiram os avanços que foram realizados em todo o mundo na construção da Corrente Marxista Internacional. Em escala mundial, a CMI cresceu 43% apenas desde o início de 2020. Em algumas seções, como a seção dos EUA, crescemos até 87%; e na Indonésia, no mesmo período, o setor cresceu 150%!

Embora estivessem presentes camaradas de mais de 50 países, a CMI reconheceu seções e grupos em 32 desses países. Mas onde temos contatos individuais e camaradas, estamos agora estabelecendo novos grupos, e onde temos grupos, estamos construindo as bases sólidas de novas seções. Os pedidos de filiação de duas dessas novas seções – na Iugoslávia e na Polônia – foram entusiástica e unanimemente aceitos no congresso. Em mais de uma dezena de outros países onde grupos de apoiadores da CMI estão se consolidando, as bases estão, sem dúvida, sendo lançadas para novas seções importantes em um futuro não muito distante.

A vontade de construir uma poderosa tendência marxista que pode alterar o curso da história foi talvez melhor expressa na incrível resposta ao apelo financeiro do congresso.

Ao apelar aos camaradas para doar generosamente, John Peterson descreveu as perspectivas que se abriam para a construção de uma força marxista no ventre da própria besta. Ao longo de alguns anos, a quantidade de pessoas que se manifestam no site da seção dos EUA da CMI para se unirem a nós aumentou de três a quatro vezes. O crescimento numérico, o entusiasmo e o entusiasmo de nossos camaradas americanos se refletiram na duplicação de sua contribuição para a coleção.

Adam Pal, da seção paquistanesa da CMI, fez um apelo emocionante em nome do internacionalismo para que todos os camaradas dessem o que pudessem. Nos últimos anos, os camaradas da CMI em todo o mundo ajudaram a garantir a libertação de camaradas presos no Paquistão, demonstrando o poder da solidariedade internacional.

Para os camaradas no Paquistão, o sofrimento e a dor que esta crise inflige a milhões de pessoas nas nações capitalistas “subdesenvolvidas” significam que doar para a construção da Internacional pode implicar em ter que perder uma refeição, deixar de pagar as taxas de educação ou medicamentos importantes. E no entanto, como Adam explicou, a vitória do socialismo no subcontinente é uma questão de vida ou morte para milhões de pessoas, razão porque centenas de camaradas estão preparados para fazer exatamente esses sacrifícios.

Neste espírito de sacrifício pessoal, a coleta arrecadou uma cifra surpreendente de mais de 370 mil euros – um aumento de mais de 130 mil sobre o total arrecadado na Escola Mundial organizada há apenas um ano pela CMI.

Em um canto do mundo após o outro – enquanto as outras tendências estão em crise e gotejando pessimismo – a Corrente Marxista Internacional avança, confiante no futuro e firmemente comprometida com a luta pela revolução socialista.

As apostas não poderiam ser maiores. Como Alan Woods explicou em suas observações finais ao congresso:

“Qual é o verdadeiro objetivo da revolução socialista? Não se trata apenas de obter melhores condições de vida. É muito mais importante do que isso. É tornar real o que sempre foi mero potencial. O grande livro da cultura será aberto para todos os homens e mulheres lerem – estamos falando sobre o salto da humanidade do reino da necessidade para o reino da liberdade real. É por isso que lutamos. É o único objetivo pelo qual vale a pena lutar e se sacrificar neste momento crítico da história humana.”

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário