O espectro que assombra a internet na China: o retorno do socialismo entre os jovens

Recebemos o seguinte informe de eventos que ocorrem em fóruns chineses na Internet e nas redes sociais. Mostra que, apesar do regime totalitário do Partido Comunista Chinês (PCCh), a crise do capitalismo continua radicalizando a juventude chinesa, que expressa seu descontentamento online de maneiras criativas. Acreditamos ser valioso publicá-lo para nossos leitores internacionais, mostrando um processo que não é facilmente visível por meio de estatísticas e relatórios oficiais.

Desde o final de 2019, uma série de fenômenos da internet tem demonstrado que muitos jovens chineses estão fartos do capitalismo chinês. A pandemia e suas consequências econômicas alimentaram ainda mais o aumento dessa fermentação. Uma nova geração de jovens chineses está buscando o marxismo para aprender como se livrar de suas algemas.

Entre janeiro e maio deste ano, um ânimo anticapitalista começou a se expressar na internet chinesa, principalmente nas plataformas de mídia social como Bilibili e Zhihu, que são populares entre os jovens instruídos.

No artigo abaixo, examinarei as controvérsias e os notáveis desenvolvimentos na Internet que mostram a profundidade e a amplitude desses sentimentos. Devido à censura estatal, alguns dos dados e informações citados aqui estão indisponíveis ou perdidos. Portanto, só pude estimar alguns números de acordo com minha memória quando os testemunhei online.

“996”, “251” e a raiva em massa contra as más condições de trabalho

Um incidente notável no ano passado viu os usuários da Internet se levantando contra as horas de trabalho extremamente longas que prevalecem na China, especialmente dentro dos conglomerados de tecnologia. O regime de trabalho é coloquialmente conhecido como “996”, referindo-se às jornadas de trabalho que vão das 9h às 21h (12 horas), 6 dias por semana, e muitas vezes com salários injustos. Isso foi implementado em muitas empresas de internet chinesas como JD.com, Alibaba, Huawei, Xiaomi, NetEase Game, Suning etc. Embora essas horas de trabalho estejam em vigor desde 2016, a raiva acumulada do público contra elas encontrou sua primeira expressão em massa no “Incidente Jack Ma 996”, de 2019.

No dia 20 de março de 2019, surgiu na internet o site 996.icu com o slogan: “996 trabalhando, UTI aguardando”, sugerindo que as tenebrosas jornadas de trabalho iam internar as pessoas. Seis dias depois, um programa de computador chamado 996.icu (cujo nome vem do slogan) apareceu na popular página de desenvolvedores de software Github. Este foi um sinal codificado de protesto, com pessoas tentando encontrar maneiras criativas de contornar as leis de censura da China. O surgimento desses fenômenos online se tornou um assunto quente em questão de dias, dentro e fora da China. Então, em 12 de abril de 2019, no exato momento em que esta polêmica estava no auge, transpareceu que Jack Ma (bilionário em tecnologia, fundador do Grupo Alibaba e uma figura pública conhecida na China) era um defensor entusiasta das horas de trabalho de sistema 996. Isso foi revelado em uma gravação vazada de uma reunião interna da empresa, onde ele disse:

“Seria uma grande bênção ter o 996; muitas empresas e pessoas queriam trabalhar com a jornada do sistema 996 horas (a fim de ganhar mais dinheiro), mas não tinham oportunidade (de fazer isso) … grandes corporações como Baidu, Tencent e Alibaba se esforçaram pelo 996, e foi uma sorte fazermos isso … não apenas o 996, eu trabalharia em um ‘horário 12 vezes 12′ (12 horas por dia, 12 meses por ano)”.

Esses comentários sarcásticos não só ampliaram o insulto aos trabalhadores, mas também revelaram as pretensões repugnantes de Jack Ma. Ao contrário de outros capitalistas chineses, como Richard Liu ou Wang Jianlin, que conhecem seu lugar e mantêm a cabeça baixa, Ma se considera uma figura prometeica que está levando o evangelho do trabalho árduo às massas preguiçosas e ignorantes. Por um tempo, suas aventuras megalomaníacas atraíram um culto de bajuladores zelosos que até mesmo reverenciavam Ma como o “Pai da Nação”. Com o vazamento daquele fragmento de áudio, no entanto, Ma perdeu rapidamente seu brilho. Muitas pessoas não se referem mais a Ma e seus colegas magnatas como veneráveis “empreendedores”, mas simplesmente como o que são: capitalistas.

Uma foto do curta-metragem “Gong Shou Dao” de 2017, em que Jack Ma interpretou o papel principal ao lado de vários atores famosos, demonstrando seu ego inflado /Imagem: Domínio público

A raiva contra as longas horas de trabalho mais tarde convergiu para uma dimensão de divulgação mais alta de que o Estado havia se aliado aos patrões para reprimir os trabalhadores. O ex-funcionário da Huawei Li Hongyuan, que trabalhou para a empresa por 12 anos, foi preso por 251 dias depois que a polícia o acusou de tentar extorquir a Huawei. Isso porque ele decidiu sair da empresa e tentou negociar um bônus de despedida, que é uma prática padrão nas grandes corporações chinesas. Ele foi preso em 2018 e finalmente solto em agosto de 2019. Notavelmente, esta pena de prisão não foi pelo crime de extorsão, mas por causa do demorado processo legal de apelação, durante o qual a polícia de Shenzhen o manteve detido, junto com outros seis ex-funcionários da Huawey.

Esse episódio bizarro e irritante levou ao surgimento de um novo meme popular da internet, representado pelos números 985, 996, 035, 251 e 404, que significa: “Você frequenta uma das 985 universidades de elite, você trabalha com base no Sistema de 996 horas de trabalho, você trabalha duro até os 35 anos, por isso você recebe 251 dias de prisão e quando tenta proteger seus direitos, você perde tudo – 404 (como o código de erro de uma página web perdida)”. A prisão de Hongyuan e a forma como foram tratados os seus colegas simboliza o fato de que, apesar de estudar muito e trabalhar muitas horas por dia, os trabalhadores chineses são tratados como criminosos por seus patrões se pedirem um tratamento justo no final do emprego.

Embora a maior parte da atenção do público estivesse focada nos eventos específicos em torno do tratamento deste caso pela Huawei, o clamor online, no entanto, revela as contradições e o descontentamento que estão crescendo abaixo da superfície na sociedade chinesa.

O “bilionário do povo”

Poucos meses depois, em abril de 2020, uma série de eventos ocorreram, aparentemente motivados pelo desejo da burguesia de acelerar e enfatizar a recuperação da economia chinesa, que teve o efeito indesejado de aumentar a raiva das massas contra a condescendência da classe dominante.

O primeiro desses eventos foi o “Incidente do Bilionário do Povo (人民 富豪)”. No final de março/início de abril, Zisi, um jornalista da Guancha.cn (uma publicação liberal pró-governo) publicou uma série de artigos que elogiavam Jack Ma como um “Bilionário do Povo”, “Bilionário Socialista” e “Bilionário Membro do Partido”. Esse pronunciamento bajulador rapidamente provocou uma reação do público.

Zisi afirma que “os empresários chineses são diferentes dos burgueses ocidentais”, porque “esses empresários são da RPC (República Popular da China), onde não podem controlar o governo (na verdade, Jack Ma é um membro do PCC); portanto, eles são economicamente ricos, mas, politicamente, representam o povo – e participam da política como (parte do) povo”.

Esta avaliação absurda é uma tentativa de lançar um véu fino sobre a exploração brutal que Jack Ma e sua turma impõem aos trabalhadores chineses, e os jovens não têm mais medo de denunciar isso online:

O vídeo em que Jack Ma proclama que “o comércio em si é o maior interesse público”, republicado por Guancha.cn, foi rapidamente parodiado na internet. A captura de tela mostra o vídeo sendo sobreposto com “Não enche”, “Vergonha!”, “Luta de classes” e “Trabalhadores do mundo, uni-vos!” /Imagem: domínio público
Um vídeo mais antigo feito por Jack Ma, intitulado “Jack’s Home Video With His Wise Words” também foi parodiado, novamente sobreposto com palavras de ordem de esquerda

As duas capturas de tela mostradas acima fornecem uma visualização clara de como os jovens veem Jack Ma. Mais evidências podem ser vistas em um tópico de Zhihu discutindo a questão “Qual é sua opinião sobre Guancha.cn chamando Jack Ma de Bilionário do Povo?“, que tem quase 10 milhões de visualizações, com os comentários mais populares sendo fervorosamente contra Jack Ma e Guancha.cn. É claro que a juventude está se radicalizando à esquerda. Não faz muito tempo que Jack Ma era uma figura pública adorada na China. Agora, quando o povo chinês comum o vê, geralmente entoa espontaneamente: “enforque o capitalista“.

A classe dominante fora de alcance

Outro incidente instigante ocorreu no aniversário, este ano, do renomado movimento Quatro de Maio: uma luta militante histórica liderada pela juventude chinesa em 1919 contra o imperialismo. Foi postado um vídeo na conta corporativa de Bilibili, intitulado Um discurso de Bilibili para a nova geração, que imediatamente causou controvérsia. No vídeo, um homem com traje a rigor ensina ao espectador como a “nova geração” deve aspirar a ser rica e ter sucesso. Ao lado de sua narrativa profundamente pequeno-burguesa sobre “alcançar o sucesso”, o vídeo mostra imagens da vida glamorosa de jovens de famílias ricas. Os jovens que aparecem no vídeo viajam livremente pelo mundo, aprendem novos idiomas, praticam esportes radicais, mergulham … coisas que a maioria dos chineses nunca experimentará.

O estilo de vida retratado no vídeo é um mundo distante da realidade enfrentada pela grande maioria dos jovens na China. Mais de 1,1 bilhão de chineses nunca viajou de avião e apenas 120 milhões de pessoas têm passaporte chinês (de uma população de 1,4 bilhão). O tempo médio de trabalho semanal, em maio de 2019, era de 46 horas, apesar das leis trabalhistas estipularem que “não deveria haver mais de 44 horas semanais de trabalho”. Uma família típica na China teria que economizar toda a sua renda disponível durante 17 anos para pagar por uma casa de tamanho médio em 2020. Em 2017, a proficiência em inglês na China foi classificada como “baixa”, no posto no 36 no mundo. E o coeficiente de Gini real atingiu 0,67 nesse mesmo ano, indicando níveis muito elevados de desigualdade de renda. Como era de se esperar, nem um único operário de fábrica, entregador, motorista, zelador, soldado ou engenheiro de computação aparece no vídeo. Mesmo com a propagação da pandemia, a equipe médica apareceu por apenas dois segundos.

Anteriormente, essa demonstração de como o governo chinês está fora de contato com a realidade resultaria em uma vaga exclamação de desdém ou inveja, e normalmente não resultaria em uma enorme onda de repulsa. Mas, desta vez, foi diferente: as pessoas acharam essa arrogância intolerável.

Em Zhihu, um tópico levantou a pergunta: “Como podemos entender a reação negativa de alguns jovens ao vídeo da Nova Geração?” Um usuário de Zhihu respondeu à pergunta com a letra em russo de Whirlwinds of Danger: uma velha canção socialista revolucionária, popular na Polônia, Rússia e Espanha. Esta resposta ganhou 4.600 “concordâncias” (semelhante a um “voto positivo” ou um “curtir” em plataformas de mídia social ocidentais, como Reddit e Facebook).

Outra resposta (com 22 mil votos de “concordância”) simplesmente sobrepõe o título do vídeo original “Discurso para a Nova Geração” sobre fotos que retratam trabalhadores ou crianças pobres, como uma sátira indireta aos temas do vídeo original de se alcançar luxo e sucesso.

A notoriedade deste vídeo entre os jovens demonstra sua crescente consciência política. Eles percebem que o “sonho chinês” defendido pelo presidente Xi Jinping é na verdade apenas um sonho impossível. Eles estão cansados ​​e insatisfeitos com a exploração cruel que enfrentam em seus empregos. Como resultado, esses tipos de gafes dos ricos provocaram a fúria das massas. Isso foi expresso em milhares de comentários zombeteiros e desdenhosos online, e até mesmo em apelos radicais à ação. Os jovens estão testemunhando, e alguns estão participando ativamente do renascimento dos movimentos de protesto de massa, à medida que começam a reconhecer um sentimento comum de insatisfação entre os outros.

Houve muitos outros eventos que revelaram as agudas tensões de classe durante 2020, com muitas discussões online entusiasmadas estourando sobre várias lutas lançadas por trabalhadores de restaurantes, de entregas e de serviços contra capitalistas gananciosos. Está além do escopo deste artigo explorar cada um deles, mas os dois citados acima são os mais ilustrativos do estado de ânimo da juventude na China neste momento.

Ressurgimento do interesse pela esquerda: Let Bullets Fly e Mao

Dados os eventos mencionados acima, o filme de 2010, Let Bullets Fly, do diretor maoísta Jiang Wen, teve um ressurgimento de popularidade por suas alusões nostálgicas a Mao e à Revolução Cultural. Em um nível superficial, é sobre um grupo fictício de bandidos virtuosos, no estilo Robin Hood, chamados “Pocky Bandits” (batizado em homenagem a seu líder Pocky Zhang), que derrubaram proprietários opressores em nome dos pobres na década de 1920.

Este filme pretendia ser o primeiro episódio de uma trilogia de Jiang sobre a era da República da China nas décadas de 1920-30. No entanto, também pode ser interpretado como uma crítica de como a República Popular da China se desenvolveu após a Revolução Chinesa de 1949. Pocky Zhang é claramente um substituto de Mao, enquanto sua gangue de bandidos, que no final das contas o traiu, representa a classe dominante que herdou a China após a morte de Mao. Isso tocou na fibra sensível de muitas pessoas, que veem o atual regime capitalista como diretamente oposto ao estado operário de Mao. Dadas as condições insuportáveis ​​criadas pela sociedade capitalista da China hoje, muitos estão compreensivelmente olhando para os “bons velhos tempos” da economia planejada.

Durante o período caótico entre janeiro e março deste ano, após o início da pandemia, quando milhões de chineses ficaram presos em casa e dispensados do trabalho em condições de confinamento, este filme lançado há 10 anos recebeu atenção renovada. A partir de fevereiro, muitos comentários sobre Let Bullets Fly começaram a surgir online, muitas vezes contendo fortes sentimentos de esquerda:

 “Quando eu era pequeno, achava esse filme ridículo e encantador, mas só entendi o significado mais profundo dele quando cresci … Ele (Mao) se foi. A geração futura terá que juntar as peças de quem ele realmente era e, mais ainda, de suas ideias

Aqui está outro comentário de 16 de fevereiro:

“Eu costumava pensar que (Zhang/Mao) era ignorantemente ditatorial, enquanto os bandidos que o traíram tinham a mente mais aberta. E agora eu acho que o primeiro estava abnegadamente comprometido com seus ideais, enquanto os últimos buscavam lucros”

Conforme aumentava o interesse no filme, a discussão online em torno dele tornava-se cada vez mais radical, conforme observado nestes comentários de 2-3 de março:

“Não sinta minha falta todos os dias. Não espere pelo meu retorno. Quando eu partir, serei todos vocês. Viva o povo. ” (Esta citação é comumente atribuída à Mao, mas na verdade vem de um usuário da Internet comemorando o aniversário de Mao em 26 de dezembro de 2019)

Filho de quem lutou e morreu no campo de batalha e filho que é tão rico quanto uma nação inteira?!” (O filho de Mao morreu no campo de batalha na Coreia, enquanto muitos outros líderes do PCCh têm descendentes ricos)

Também começaram a surgir vídeos carinhosos de paródias de Let Bullets Fly, com alguns obtendo dezenas de milhões de visualizações.

Discussões no Zhihu com títulos de assuntos como “Quais são alguns subtextos por trás de Let Bullets Fly?”, “Quem traiu Pocky Zhang entre os bandidos?”, “Por que Let Bullets Fly se tornou tão popular novamente?”, ganharam milhões de visualizações. Outra questão relacionada, “Quem é a maior figura da história chinesa moderna?” recebeu 47 milhões de visualizações, e a maioria das 12 mil respostas respondeu: Mao. Tudo isso reflete uma mudança para a esquerda e um ressurgimento das ideias de revolução, socialismo e comunismo.

A mudança para a esquerda dos jovens chineses também é demonstrada pela extensão e sucesso de seu trabalho espontâneo de propaganda online, com muitos de seus vídeos obtendo milhões de visualizações. O vídeo de esquerda mais visto trata do conflito entre a URSS e a Alemanha na Segunda Guerra Mundial: “Ei camarada, você sabe onde Stalingrado está? Não consigo encontrar no mapa” (14,81 milhões de visualizações). Vídeos sobre revolucionários na história também são populares, com exemplos que incluem: “Por que eles estudaram o marxismo tão jovem?” (1,95 milhão de visualizações) e “Levante-se, não se ajoelhe” (1,21 milhão de visualizações). Críticas da sociedade capitalista também tiveram um bom desempenho, como: “Como refutar os Jingzis?” (精 资, jing zi: abreviatura para trabalhadores explorados que acreditam ser capitalistas), 1,45 milhão de visualizações), “Explique-me, Como o trabalho duro me tornará rico?” (447 mil visualizações). Significativamente, os vídeos educacionais marxistas atraíram muita atenção, incluindo: “União Soviética: Socialismo ou Capitalismo de Estado?” (155 mil visualizações), “O que é o fascismo?” (131 mil visualizações), “The Haunting Specter of the Indian Government: Indian Maoist Partisans” (112 mil visualizações). A velocidade com que essas postagens e vídeos se espalham às vezes sobrecarrega os censores, que não conseguem suprimir todos de uma só vez.

Mas qual é a fonte de toda essa radicalização? A pandemia, que agravou muitas questões socioeconômicas no país, é parcialmente responsável. Além disso, devido ao bloqueio, as pessoas passaram a ter mais tempo para ficar na internet. Pesquisa em março de 2020 mostra que o número anual de vídeos enviados para Bilibili aumentou cerca de 70% em três meses, e durante os primeiros meses da pandemia, os uploads de vídeo foram pelo menos o dobro em comparação com o mesmo período em 2019. No entanto, dado que a China controlou a pandemia com relativa rapidez e o bloqueio agora acabou, a verdadeira fonte da radicalização e da mudança para a esquerda na consciência é mais profunda. O ressurgimento de Let Bullets Fly e o entusiasmo por vídeos de esquerda estão ligados aos incidentes mencionados em abril e maio. Todos esses desenvolvimentos demonstram uma crescente insatisfação com o estado da sociedade chinesa entre os jovens.

Para onde vamos a partir daqui?

Os acontecimentos de janeiro a setembro deste ano indicam um fato claro: os jovens chineses estão sendo cada vez mais repelidos pelo sistema capitalista, e o tempo livre que lhes foi concedido durante a pandemia criou um terreno fértil para o crescimento de sua radicalização. Mais importante: mais e mais pessoas estão começando a entender a natureza opressora da classe dominante. Deste ponto em diante, os jovens chineses sempre duvidarão das credenciais socialistas do PCCh; afinal, que Estado socialista tolera uma jornada de trabalho de 12 horas? Alguns desses jovens continuarão a estudar as ideias de esquerda com mais detalhes e alguns se tornarão revolucionários, buscando um futuro alternativo para a sociedade humana.

Embora o nível geral de radicalização entre os jovens chineses esteja atingindo novos patamares, esses sentimentos inevitavelmente passam por períodos de refluxo, especialmente sob um poderoso regime autoritário. Após cerca de seis meses de crescimento, de março a setembro, quando os alunos começaram a voltar para a escola, vimos um declínio no número de vídeos radicais enviados e uma queda em suas visualizações. Isso se deveu em parte à escola e em parte ao aumento dos níveis de repressão, a partir de agosto. A classe dominante chinesa entende que qualquer movimento de protesto deve ser reprimido enquanto estiver mais fraco. No momento em que escrevemos, muitos vídeos e as contas de seus remetentes estão desaparecendo.

Conforme aprendemos com a história, apenas a força dos estudantes e jovens trabalhadores não é suficiente para transformar a sociedade. O fermento dentro da China está radicalizando uma nova geração de jovens e os levando a buscar as ideias do marxismo genuíno. Nos últimos tempos, tem havido tentativas de organização em torno das ideias de Mao, o que é compreensível, dadas as tradições específicas da China. Os marxistas se solidarizarão com os lutadores de classe genuínos, enquanto apresentam ideias que esclareçam as deficiências do stalinismo e do maoísmo, para oferecer a uma nova geração de militantes de classe chineses as ideias de que precisam para derrubar o capitalismo.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário