Imagem: In defence of Marxism

O conflito ucraniano: este é o início da Terceira Guerra Mundial?

Alan Woods (editor de marxist.com) fornece uma atualização sobre a situação na Ucrânia. Desde a invasão da Rússia, uma enxurrada de propaganda foi lançada pela mídia ocidental, contribuindo para uma atmosfera de total histeria, com os jornais agora gritando sobre a ameaça de uma Terceira Guerra Mundial. Enquanto isso, os líderes imperialistas continuam a exibir uma hipocrisia repugnante em sua condenação à “violação da soberania nacional da Ucrânia” por Putin, nunca tendo evitado a guerra em busca de seus próprios interesses no passado. Os marxistas devem rejeitar a mensagem cínica de “patriotismo” e “unidade nacional”, enquanto continuamos a nos opor às nossas próprias classes dominantes em todos os países.

Costuma-se dizer que a primeira vítima da guerra é a verdade. Em meio a essa névoa venenosa de propaganda, mentiras e meias verdades, é extremamente difícil fazer uma avaliação precisa da situação militar no terreno.

A invasão da Ucrânia foi recebida por um coro ensurdecedor de condenação dos imperialistas. Há uma avalanche de propaganda destinada a colocar toda a culpa na Rússia e mostrar que a ofensiva militar de Putin fracassou por causa da resistência heroica do exército ucraniano.

Afirmações repetidas de que a ofensiva russa parou, que o exército ucraniano se reagrupou e forçou o inimigo à defensiva, devem ser tratadas com muita cautela. Qualquer outra coisa que eles pretendam fazer, certamente, não é apresentar uma imagem precisa e verdadeira da situação.

Mas o objetivo de um coro ensurdecedor não é encorajar as pessoas a pensar racionalmente. Muito pelo contrário, é precisamente o de torná-las surdas a todos os argumentos racionais e a deixar de pensar completamente. Essa enxurrada de propaganda sem precedentes foi projetada para criar uma atmosfera de histeria e, nisso, eles alcançaram um sucesso considerável – pelo menos nos estágios iniciais.

O objetivo central é convencer as populações do Ocidente da necessidade de cerrar fileiras, de “unir-se contra a ameaça de agressão russa” em nome da unidade nacional. Mas unidade com quem? Ora, unidade com seus líderes e governos existentes, com os americanos e a OTAN – em uma palavra, com sua própria classe dominante e as forças imperialistas mais agressivas e reacionárias.

Samuel Johnstone disse uma vez: “O patriotismo é o último refúgio de um canalha”. Isso foi muito dito no século 18, e não é menos verdade hoje. Arranhe-se o verniz de qualquer uma dessas damas e cavalheiros “patrióticos” e sempre se encontrará por baixo os bandidos mais cínicos, mentirosos e cruéis que se pode imaginar.

O papel mais repulsivo em tudo isso foi desempenhado pelos líderes reformistas de direita da social-democracia e dos sindicatos na Europa, que não perderam tempo em se juntar aos capitalistas e imperialistas em sua histérica campanha anti-russa. Eles se revelaram como os lacaios mais servis dos inimigos da classe trabalhadora em todos os países.

Por sua vez, a conduta dos reformistas de esquerda não tem sido muito melhor. Em maior ou menor grau, deixaram-se arrastar pelo coro de “salve a pobre e pequena Ucrânia”, sem nunca se preocupar em analisar os interesses de classe que estão por trás do conflito atual.

Terceira guerra mundial?

O humor predominante entre as massas no Ocidente é uma mistura confusa de simpatia natural pelo sofrimento do povo ucraniano e dos refugiados, e medo pelas consequências de um conflito, que muitas pessoas ameaçam espalhar, que levaria à Terceira Guerra Mundial, com indizíveis consequências para o mundo.

Esses temores foram exacerbados pelas últimas declarações do presidente russo Vladimir Putin, colocando as forças nucleares da Rússia em ação. No entanto, eles são totalmente infundados. Vamos deixar bem claro: não haverá guerra entre os Estados Unidos e a Rússia, nem agora nem em futuro próximo.

Os capitalistas não fazem guerra por patriotismo, democracia ou quaisquer outros princípios pomposos. Eles fazem guerra pelo lucro / Imagem: In defence of Marxism
Vamos repetir coisas que deveriam ser o ABC para qualquer marxista. Os capitalistas não fazem guerra por patriotismo, democracia ou quaisquer outros princípios pomposos. Eles fazem guerra pelo lucro, para capturar mercados estrangeiros, fontes de matéria-prima (como petróleo) e expandir esferas de influência.

Essa proposição elementar não é absolutamente clara? E também não está muito claro que uma guerra nuclear não significaria nenhuma dessas coisas, mas apenas a destruição mútua de ambos os lados. Eles até cunharam uma frase para descrever isso: MAD (Destruição Mutuamente Assegurada).

Que tal guerra não seria do interesse dos banqueiros e capitalistas será evidente mesmo para uma criança de seis anos não muito inteligente, embora aparentemente não seja evidente para algumas pessoas que, por razões mais conhecidas por si mesmas, se dizem marxistas.

Outro fator decisivo é a oposição em massa à guerra, particularmente (mas não exclusivamente) nos Estados Unidos da América. Uma pesquisa recente indica que apenas 25% da população dos EUA estaria a favor de uma intervenção militar direta na Ucrânia, o que significa que a esmagadora maioria seria contra.

Isso dificilmente pode surpreender, dadas as derrotas humilhantes sofridas no Iraque e no Afeganistão, um fato que está gravado a fogo na consciência do povo dos Estados Unidos. Isso já foi demonstrado quando Obama tentou – e fracassou – obter permissão para intervir militarmente na Síria.

O povo dos EUA está farto de intervenções e guerras estrangeiras, e esse é um fator poderoso que limita o espaço de manobra de Biden e do Pentágono. É isso, e não qualquer medo à Terceira Guerra Mundial, que os impediu de enviar tropas para um confronto direto com o exército russo na Ucrânia.

O fato de Putin ter feito declarações demagógicas sobre colocar suas forças nucleares em plataformas de lançamento não tem a menor importância. Isso é totalmente compreendido pelos estrategistas do capital e do Pentágono, que o veem pelo que é – como uma tentativa desajeitada de guerra psicológica.

Aliás, os próprios EUA são culpados justamente por tentativa semelhante em 1973, durante a guerra do Yom Kippur entre Israel e Egito, quando também anunciaram que sua dissuasão nuclear seria colocada no nível III (o nível I seria a guerra).

Essas manobras podem causar nervosismo em Berlim e Bruxelas, mas não terão qualquer efeito sobre o atual conflito na Ucrânia, nem sobre os cálculos dos estrategistas sérios do capital.

As sanções funcionarão?

Tendo já descartado a possibilidade de enviar tropas para a Ucrânia – o único passo sério que poderia afetar o desfecho do conflito –, os imperialistas devem se contentar em ganhar pontos baratos de propaganda através de uma campanha histérica de insultos dirigidos a Moscou, juntamente com novas sanções contra os bancos e empresas russos e o envio de uma certa quantia de ajuda militar a Kiev.

Nada disso terá o menor efeito no resultado da guerra.

As tão alardeadas sanções fracassarão, primeiro porque as sanções nunca tiveram sucesso no passado e Putin já introduziu uma série de medidas especificamente projetadas para reduzir a dependência da Rússia em transações comerciais e financeiras com o Ocidente. De qualquer forma, os efeitos das sanções econômicas levarão tempo para funcionar – meses, senão anos – quando o conflito ucraniano já estará resolvido há muito tempo.

Mas há outra razão, que deve ser clara para qualquer pessoa medianamente inteligente. Neste momento, eles estão se gabando como fanfarrões da expulsão de bancos russos da Swift, a instituição financeira que lida com transações no comércio internacional. Mas, em primeiro lugar, apenas alguns bancos devem ser excluídos. Está perfeitamente claro que os principais bancos que lidam com a exportação de petróleo e gás russos para a Europa não serão afetados.

Depois de arrastar os pés por algum tempo, a Alemanha disse que estava suspendendo a certificação do gasoduto Nord Stream-2. Para sermos exatos, não exatamente parando, mas apenas suspendendo, o que não é a mesma coisa. E podemos prever com confiança que no momento em que o conflito atual terminar (como, de uma forma ou de outra, deve acontecer), essa sanção, e muitas outras, serão discretamente retiradas, já que o efeito nocivo sobre a economia europeia, em primeiro lugar, a da Alemanha, seria muito doloroso de suportar.

Apesar de todas as alegações em contrário, a Alemanha não consegue encontrar fontes alternativas adequadas ao petróleo e ao gás, e preços sustentáveis. E, como sabemos, princípios são princípios, mas negócios são negócios. A decisão repentina de enviar armas para a Ucrânia – algo que os alemães em particular sempre rejeitaram – é uma ação particularmente cínica. É muito pouco e muito tarde para deter o avanço russo, mas pode ajudar a prolongar o doloroso e sangrento conflito aumentando o sofrimento do povo, que o Ocidente afirma ser sua única preocupação.

Não há razão para duvidar do sincero sentimento de solidariedade com o sofrimento do povo ucraniano sentido pelos trabalhadores em todos os lugares. Quando um trabalhador russo, alemão, francês ou americano expressa simpatia pelos ucranianos, podemos acreditar neles. Mas quando Biden, Johnson, Macron ou Scholz dizem a mesma coisa, pessoas honestas só podem se afastar repugnadas.

A vil hipocrisia dos imperialistas não conhece limites.

A ofensiva falhou?

A máquina de propaganda imperialista insiste em que Putin falhou em seu objetivo e que o avanço do exército russo foi interrompido pela resistência heroica do exército ucraniano. Dada a falta de qualquer informação confiável, é difícil verificar os fatos. Mas tais declarações não podem ser tomadas pelo seu valor nominal.

O primeiro fato a notar é que apenas uma minoria dos 190.000 soldados que estavam estacionados nas fronteiras da Ucrânia até agora foram mobilizados. O ritmo relativamente lento pode ser explicado pela necessidade de aumentar o abastecimento de combustível, munição, alimentos etc., e evitar que as linhas de abastecimento com a Rússia sejam esticadas a um nível perigoso. Afinal, a Ucrânia é um país muito grande.

Deve-se notar também que, em cada etapa em que o exército parou, Putin se ofereceu para negociar. Esta parece ter sido uma estratégia deliberada. Ele claramente esperava que o fato de uma invasão fosse suficiente para forçar os ucranianos à mesa de negociações, onde suas demandas pudessem ser atendidas. Havia certas indicações de que essa estratégia estava, de fato, dando certo.

Na noite de sexta-feira, havia indicações claras de que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, estava preparado para negociar. Ele estava claramente em estado de pânico. No entanto, a pressão combinada dos elementos de extrema direita, da OTAN e dos americanos foi suficiente para fazê-lo mudar de ideia. Ele posteriormente adotou uma atitude desafiadora. Isso significava que a guerra continuaria.

É claro que é perfeitamente possível que o exército russo tenha sofrido alguns reveses, que pelo menos parte do exército ucraniano tenha se recuperado do choque inicial e se recuperado na medida em que está oferecendo uma resistência mais eficaz.

Isso é perfeitamente possível. A equação da guerra é extremamente complicada, as derrotas podem ser rapidamente seguidas por novos avanços e vice-versa. Mas não é suficiente citar casos individuais como prova de que a campanha geral está se movendo em uma direção ou outra. Em última análise, é o equilíbrio de forças que determinará o resultado. E este é esmagadoramente a favor da Rússia.

Longe de recuar, tudo aponta para o fato de o exército russo avançar ininterruptamente por etapas, capturando um ponto-chave após o outro. As forças russas estão cercando a capital Kiev de diferentes lados e também cercaram a segunda cidade, Kharkiv. Eles estão avançando da Crimeia para o norte e noroeste, chegando a Mykolaiv, e também para o nordeste, ao longo da costa do mar de Azov, onde conquistaram Melitopol e Berdiansk, e quase conseguiram cercar a cidade-chave de Mariupol, ligando-se assim com as forças que vêm do sul de Donetsk.

Mas, ao mesmo tempo, os russos ainda estão pressionando por negociações. Isso era claramente parte de um plano. Não foi por acaso que os ucranianos rejeitaram a oferta de um encontro em Minsk, protestando que a Bielorrússia é aliada da Rússia e está ajudando na invasão. Posteriormente, tanto Israel quanto o Azerbaijão ofereceram seus serviços, que Putin rapidamente aceitou. Mais cedo ou mais tarde, as negociações devem começar. A questão é se podem ter êxito.

A verdadeira razão da relutância de Zelensky em ir à mesa de negociações é óbvia. Dada a situação no terreno, qualquer negociação colocaria o governo ucraniano em extrema desvantagem. A primeira pergunta que deve ser feita é: o que Zelensky tem para negociar? Ele será como um jogador que se senta à mesa sem cartas para jogar. Desse ponto de vista, as negociações serão muito parecidas ao prelúdio da capitulação. No entanto, instigado por Washington e Berlim, Zelensky não parece disposto a capitular.

O resultado das negociações será, portanto, um fracasso total. A questão será decidida – como ficou claro desde o início – não por negociações, mas no campo de batalha. E lá, os ucranianos se encontrarão irremediavelmente desarmados. Alguns carregamentos de armas de Berlim farão pouca diferença.

Como os imperialistas traíram a Ucrânia

Os imperialistas, assim como o governo de Kiev, parecem estar contando com mudanças dentro da Rússia para atrapalhar os cálculos de Putin. Em uma manobra completamente cínica, eles estão fazendo apelos demagógicos ao povo russo para se voltar contra seus amos no Kremlin.

Escusado será dizer que Putin e a oligarquia a que ele serve são os inimigos dos trabalhadores russos. E sua base de apoio tem diminuído constantemente, o que obviamente foi uma das razões pelas quais ele decidiu jogar a cartada de invadir a Ucrânia. Também é verdade que esse movimento pode sair pela culatra em um certo estágio.

O povo ucraniano descobriu quanto valia a ajuda prometida da OTAN quando chegou o momento decisivo – eles veem o povo ucraniano como meros peões em seu jogo cínico / Imagem: president.gov.ua
No entanto, qualquer sugestão de que os imperialistas reacionários podem, de alguma forma, defender os interesses dos povos da Rússia, da Ucrânia ou de qualquer outro país é uma mentira desprezível.

O povo ucraniano descobriu quanto valia a ajuda e a solidariedade prometidas da OTAN e do Ocidente quando chegou o momento decisivo. Eles veem o povo ucraniano como meros peões em um jogo cínico, como bucha de canhão que pode ser utilmente sacrificada para trazer descrédito à Rússia, sem lhes custar a vida de um só de seus soldados.

Nenhuma confiança deve ser depositada nesses gângsteres. E isso é particularmente verdadeiro para os trabalhadores e socialistas no Ocidente. A tarefa de lutar contra a gangue reacionária no Kremlin é tarefa apenas dos trabalhadores russos. Nossa tarefa é lutar contra nossa burguesia, contra a OTAN e contra o imperialismo americano – a força mais contrarrevolucionária do planeta.

É difícil avaliar a psicologia das massas russas neste momento. Mas a esmagadora maioria do povo russo deve detestar a ideia de lutar contra seus irmãos e irmãs na Ucrânia, que sempre ocupou um lugar especial em seus corações. Eles entendem que o imperialismo da OTAN e dos EUA são seus inimigos e estariam preparados para combatê-los. Mas eles não veem o povo da Ucrânia da mesma maneira, e isso é um instinto correto e saudável.

Se eles aceitam a guerra de Putin (e muitos não o fazem) é com relutância, por causa da conduta desprezível do governo de Kiev, de sua colaboração com fascistas reacionários e com seguidores do colaborador nazista Stepan Bandera, sua opressão do povo de língua russa em Donbass, e outros atos corruptos e opressivos. E, por trás do governo de Kiev, eles veem a mão sangrenta do imperialismo.

Os camaradas russos da CMI estão cumprindo seu dever a esse respeito. Cabe a nós seguir o exemplo deles e sair com ousadia e clareza contra a classe dominante e os imperialistas em nosso próprio país. Nenhuma outra política é permitida para revolucionários genuínos e internacionalistas proletários.

Não podemos apoiar nenhum dos lados nesta guerra, porque é uma guerra reacionária de ambos os lados. Em última análise, trata-se de um conflito entre dois grupos de imperialistas. Não apoiamos nenhum deles. As pessoas da pobre e sangrada Ucrânia são as vítimas deste conflito, que não criaram e não desejam.

Ninguém pode prever exatamente o resultado desta guerra, mas não será positivo para a classe trabalhadora na Ucrânia, na Rússia ou internacionalmente. O efeito imediato será a queda dos padrões de vida e o aumento dos preços em todos os lugares. As massas serão informadas de que este foi um preço necessário a pagar pela defesa da “paz e democracia”. Isso será um conforto frio para milhões de pessoas que enfrentam pobreza, desemprego e sofrimento.

O deslocamento causado pela guerra, agravado pelas sanções que perturbarão ainda mais o comércio mundial, preparará o caminho para um colapso econômico em um futuro não muito distante. O resultado será uma recessão mundial. Essa seria a base para uma enorme instabilidade social e política e uma intensificação sem precedentes da luta de classes.

No início de cada guerra, a consciência das massas é confusa e embotada pela névoa da propaganda, que cria uma histeria sensacionalista, semelhante ao estupor de um ébrio. Sob tais condições, os setores mais reacionários da burguesia podem conseguir estabelecer uma ilusão de “unidade nacional”.

“Devemos todos ficar juntos contra o inimigo externo! Todos nós devemos fazer sacrifícios para pagar por uma defesa nacional melhorada!” E assim por diante. Mas, como em todos os casos de orgias embriagadoras, a névoa acaba desaparecendo. A propaganda perde seu valor pela repetição sem fim. A mensagem de patriotismo e unidade nacional soará vazia, pois homens e mulheres perdem seus empregos, suas casas e suas esperanças.

A história mostra que a guerra, esse terrível caso sangrento, muitas vezes pode levar diretamente a consequências revolucionárias. E a história ainda não entregou sua conta final.

  • Abaixo o capitalismo e o imperialismo!
  • Viva a revolução socialista mundial!
  • Viva a Corrente Marxista Internacional! Trabalhadores do mundo uni-vos!

Londres, 28 de fevereiro de 2022

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário