Imagem: kremlin.ru

Não à guerra com a Ucrânia! Contra a intervenção militar russa!

A seguir, uma declaração dos camaradas russos da Corrente Marxista Internacional (CMI) denunciando a invasão da Ucrânia que começou nas primeiras horas de hoje. Contra a intervenção militar! Contra o chauvinismo! Nem guerra entre os povos, nem paz entre as classes!

No início da manhã de hoje, 24 de fevereiro, o exército russo lançou uma operação militar contra a Ucrânia, infligindo ataques aéreos a unidades militares, sistemas de defesa aérea e depósitos de munição. Em uma mensagem de vídeo à nação, o presidente russo Vladimir Putin justificou a operação citando um apelo das repúblicas populares do Donbass solicitando proteção militar. Ele disse que o objetivo da operação não é a ocupação da Ucrânia, mas sua desmilitarização e desnazificação. Ele pediu aos militares das Forças Armadas da Ucrânia que deponham suas armas e não obedeçam à “junta antipopular que está roubando o povo”.

Em nossos artigos anteriores, nós, a Corrente Marxista Internacional (CMI), avaliamos como extremamente pequena a probabilidade de um confronto militar direto entre a Rússia e a Ucrânia. Isso se deve ao fato de que nossa análise se concentrou nos interesses do imperialismo russo, em suas capacidades e comportamento passado. Uma guerra em grande escala na Ucrânia foi então vista como uma aventura extremamente perigosa para o regime de Putin, com um resultado incerto, que seria acompanhado de enormes custos para a Rússia. A situação, no entanto, evoluiu consistentemente de mal a pior e, eventualmente, espiralou para esse cenário catastrófico. Putin escolheu a aventura, aparentemente contando com que o Estado ucraniano desmoronasse sob seus primeiros golpes, após o que seria apenas necessário realizar uma blitzkrieg e colocar um novo governo leal no poder. Tal como aconteceu com o reconhecimento das repúblicas populares do Donbass, não se pode mais falar em “decisão de última hora com base nas circunstâncias”, porque a mensagem de vídeo sobre o início da operação, como se viu, foi gravada em 21 de fevereiro.

Uma parte significativa da sociedade e da esquerda russas justificou tanto o reconhecimento das repúblicas quanto a entrada de tropas russas no território da Ucrânia, dizendo que isso interromperia o bombardeio do Donbass e acabaria com o inferno de oito anos de bombardeios para milhões de pessoas. Isso continha uma certa dose de verdade, embora na nossa declaração anterior sublinhássemos as consequências negativas do reconhecimento da independência, condenando tanto o reconhecimento como a intervenção. Mas agora que os mísseis voaram para a Ucrânia, não será possível falar em trazer tropas para “acabar com a guerra”.

É difícil encontrar algo mais hipócrita do que as declarações emitidas por Putin e outras autoridades russas sobre a “desnazificação”. Contrariamente ao seu apelo retórico à memória da Grande Guerra Patriótica de 1941-1945 e aos sacrifícios do povo soviético na luta contra o nazismo, o modelo histórico do regime de Putin não é a União Soviética. Em vez disso, o modelo de Putin é o Império Russo, como ele explicou direta e repetidamente. Seu longo discurso em 21 de fevereiro sobre a introdução de tropas na República Popular de Lugansk (LPR) e na República Popular de Donetsk (DPR) foi enfaticamente anticomunista. Baseava-se na postura do chauvinismo russo, e não no internacionalismo soviético. Na Rússia, os colaboradores nazistas também são regularmente homenageados, embora não na mesma escala que na Ucrânia. O movimento dos brancos [refere-se ao exército branco na guerra civil russa] é glorificado e os comunistas são perseguidos, incluindo funcionários do Partido Comunista. Os partidos comunistas nas repúblicas populares do Donbass ainda operam ilegalmente. A política das autoridades russas é de chauvinismo nacional, anticomunismo, antidemocracia e roubo dos trabalhadores. Sob tais condições, apenas pessoas extremamente ingênuas podem perceber a Rússia como uma força “antifascista”.

Mesmo que a blitzkrieg de Putin seja bem-sucedida e o atual governo da Ucrânia seja disperso, o que quer que seja substituído pela força das baionetas russas será igualmente reacionário, apenas com uma coloração diferente. Não pode ser de outra forma. Precisamos apenas considerar as forças que o regime russo nutriu no Donbass nos últimos oito anos; como matou comandantes de campo indesejáveis; e as motivações que guiaram os políticos ucranianos no mesmo período. Dado o cerceamento da democracia burguesa na própria Rússia, não se pode esperar que Putin contribua para sua construção na Ucrânia. Não veremos “desnazificação”, mas “nazificação” sob outra bandeira.

A guerra é o assunto mais difícil de analisar. É claro que não podemos prever o resultado de uma operação militar. Mas, apesar da enorme superioridade material e tecnológica do Exército russo sobre as Forças Armadas da Ucrânia, há uma chance de que o exército e o Estado ucranianos não sejam simplesmente derrotados em alguns dias. Nessas circunstâncias, o cenário mais assustador para os trabalhadores da Rússia e da Ucrânia ganhará vida: um matadouro prolongado e sangrento, no qual os trabalhadores são o gado. Mas, independentemente do resultado da guerra, o chauvinismo ucraniano e russo atingirá novos patamares e uma ferida profunda terá sido infligida às relações entre os trabalhadores ucranianos e russos que durarão muitas décadas. Portanto, a luta pela reconciliação dos povos, a luta feroz contra o chauvinismo de todos os matizes, é hoje o dever e a tarefa urgente dos internacionalistas comunistas.

A tarefa mais importante dos comunistas russos honestos é se opor diretamente à intervenção militar da Rússia. A sanção desta operação sob o pretexto de “proteger a população russa”, “lutar contra o nazismo” e assim por diante é uma traição direta aos princípios do internacionalismo. A posição da liderança do Partido Comunista da Federação Russa, que ofereceu formalmente a Putin o reconhecimento das repúblicas populares do Donbass, e depois aprovou a introdução de tropas e a operação militar, causou o maior dano a esse respeito. Vale ressaltar que isso está acontecendo no exato momento em que membros do próprio Partido Comunista, de Moscou a Vladivostok, enfrentam a repressão. Acreditamos que os comunistas consistentes nas fileiras deste partido devem protestar fortemente contra o fato de que a liderança não apenas capitulou ao chauvinismo russo, mas está liderando sua procissão. Chegou a hora de todos os comunistas leais se lembrarem das lições do colapso da Segunda Internacional; lembrar a luta de Lenin contra os social-chauvinistas e os princípios sobre os quais a Internacional Comunista foi fundada!

Apelamos a todos os comunistas na Ucrânia, Rússia e Donbass para se oporem à guerra. Instamos os militares da Federação Russa a não cumprir ordens criminosas. Apelamos à luta contra o chauvinismo de todos os matizes – pela fraternidade internacional dos povos.

  • Contra a intervenção militar!
  • Contra o imperialismo russo!
  • Contra o chauvinismo de todos os tipos!
  • Nem guerra entre os povos, nem paz entre as classes!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

 

 

Deixe Seu Comentário