Imagem: Pixabay

Feliz aniversário, Lenin! O grande lutador e mestre do marxismo

Hoje, 22 de abril, comemora-se o 150º aniversário de Vladimir Lenin, o grande líder revolucionário. Enquanto os historiadores e liberais burgueses o criticam, celebramos a vida e as ideias de Lenin – ideias que são mais relevantes agora do que nunca.

Em 22 de abril de 1870, Vladimir Ilyich Ulyanov – conhecido popularmente como Lenin – nasceu em Simbirsk, no Volga.

Hoje, exatamente há 150 anos, marca o nascimento desse notável revolucionário, o maior revolucionário do século 20. Ele foi o chefe do primeiro estado dos trabalhadores na história, e seu nome é corretamente sinônimo da revolução socialista mundial. Suas ações mudaram o curso da história do mundo.

Mentiras e calúnias

Ironicamente, hoje, enquanto o capitalismo está em colapso, também há temores renovados na classe dominante de que as ideias de Lenin sobre a revolução mundial estejam se tornando cada vez mais populares. É por isso que as calúnias contra Lenin e os bolcheviques ultimamente aumentaram em intensidade.

Durante a vida dos grandes revolucionários“, escreveu Lenin em Estado e Revolução, “as classes opressoras invariavelmente os perseguiam incansavelmente e recebiam seus ensinamentos com a hostilidade mais selvagem, o ódio mais furioso e uma campanha implacável de mentiras e calúnias“. Esse foi o destino de Lenin – não apenas durante sua vida, mas também em sua morte.

Nunca houve nenhuma figura na história que tenha sofrido tantas calúnias e ódio por parte das classes dominantes como Lenin. Ele personificou o bolchevismo e a revolução socialista.

Ao contrário de outros socialistas, os bolcheviques de Lenin ousaram colocar o socialismo em prática. Em contraste, em agosto de 1914, os líderes da Internacional Socialista traíram a classe trabalhadora ao apoiar a guerra imperialista.

Lenin deu vida às verdadeiras ideias revolucionárias do marxismo. Para ele, o marxismo era um guia para a ação. Por isso, por causa da Revolução de Outubro, os capitalistas nunca o perdoarão.

O próprio sucesso da Revolução de Outubro na Rússia inspirou milhões que estavam morrendo nas trincheiras da guerra imperialista.

Victor Serge era um anarquista na Espanha em 1917, mas chegou ao bolchevismo. Serge relata uma conversa interessante com um amigo, Salvador Segui:

“O bolchevismo”, disse Serge, “é a unidade da palavra e da ação. Todo o mérito de Lenin consiste em sua vontade de realizar seu programa … Terra para os camponeses, fábricas para os trabalhadores, poder para aqueles que trabalham. Essas palavras foram pronunciadas com frequência, mas ninguém jamais pensou seriamente em passar da teoria para a prática. Lenin parece estar a caminho … ”

“Você quer dizer”, respondeu Segui, zombando e incrédulo, “que os socialistas vão aplicar seu programa? Tal coisa nunca se viu …” (De Lenin a Stalin, p.9).

Terror, tragédia ou triunfo?

Hoje, Lenin é caluniado não apenas pela burguesia, mas também por liberais, reformistas (esquerda e direita), anarquistas e todas as outras tendências pseudo-radicais.

Com a terrível crise de hoje, a revolução está mais uma vez na agenda. Os escritos de Lenin são mais relevantes do que nunca. Eles são um tesouro de estratégia, teoria e táticas revolucionárias.

Certamente, as calúnias a Lenin são muitas. Existe uma verdadeira indústria artesanal produzindo livros – ano após ano – para atacar Lenin e os bolcheviques. Existem literalmente centenas deles, todos fazendo o mesmo escarcéu.

Lenin é caluniado não apenas pela burguesia, mas também por liberais, reformistas (esquerda e direita) e anarquistas Foto: Domínio público

Sem exceção, todos esses “historiadores” rangem os dentes ao lidar com esse grande homem. “O problema do historiador é que é difícil lidar desapaixonadamente“, diz o professor Pipes (Revolução Russa, p.23), em um eufemismo. Essa é uma ótima desculpa para atacar Lenin, usando todos os tipos de mentiras e distorções.

O historiador Robert Service tem a mesma dificuldade. Em sua diatribe sobre Lenin, ele diz: “embora este volume seja concebido como um relato equilibrado [!] e multifacetado [!], ninguém pode escrever desinteressadamente sobre Lenin. Sua intolerância e repressão continuam me assustando”. (Service, Lenin: uma vida política, vol.3, p.19).

Lenin é descrito como um fanático; um personagem extremamente desagradável que, segundo eles, planejava desde a infância colocar as mãos no poder. Tinha, como afirmam, todos os traços de Robespierre.

Aqui estão os germes do governo pelo terror, pela aspiração totalitária de controlar completamente a vida e a opinião pública“, observa Pipes, em um conto para assustar criancinhas (Pipes, p.349). O professor Robert Service também diz que Lenin “se deleitava com o terror“.

Lenin tinha uma forte tendência à crueldade. É um fato demonstrável que ele defendia o terror por princípio, emitia decretos que condenavam à morte inúmeras pessoas inocentes por qualquer irregularidade e não mostravam remorso pela perda de vidas das quais era responsável”, afirma Pipes (Pipes, p.350).

Orlando Figes, outro “especialista”, afirma o mesmo ponto: “está claro que muitas das características que ele exibiu no poder já eram visíveis nesta fase inicial” (A tragédia do Povo, p.144). Para ser sincero, seu livro A tragédia do Povo se parece mais com a tragédia de Orlando.

Claramente, o homem Lenin era um monstro, um Genghis Khan! Quão estúpidas as massas russas foram ao apoiá-lo.

“Conspirações” e “golpes”

Ah, sim, não vamos esquecer que “o outro lado da crueldade de Lenin era a covardia“, de acordo com o nosso professor Pipes, pois ele teria fugido quando perseguido pela cavalaria armada (Pipes, p.351). Claramente, nosso corajoso professor teria se mantido firme durante a carga dos cossacos a cavalo.

A alegação de que Lenin era a favor do “terror” é completamente equivocada. Ele se opôs aos atos individuais de terror, que eram o método, não de Lenin e dos bolcheviques, mas dos Narodniks e social-revolucionários.

Lenin era marxista e trabalhou pela mobilização em massa da classe trabalhadora e dos camponeses pobres contra o czarismo para derrubar o capitalismo.

Essa ideia de que a revolução é uma “conspiração” de uma minoria não é de Lenin, mas de Blanqui e Bakunin. Os bolcheviques usaram agitação e propaganda para conquistar as massas. Em 1917, eles trabalharam para conquistar a maioria dos sovietes, o que conseguiram fazer. O socialismo não pode ser imposto por uma minoria, e sim deve vir da vontade da maioria.

Os historiadores burgueses vinculam essa ideia de uma “conspiração” da minoria aos eventos de 1917, o que é completamente falso. Para eles, a Revolução Russa não foi uma revolução popular com apoio de massa, mas simplesmente um “golpe” ou uma conspiração secreta.

“Que levantamento de trabalhadores e soldados?” pergunta Pipes surpreso, apesar do fato de os sovietes, representando milhões de pessoas, tomarem o poder em suas mãos. Ele descreve as massas como “uma multidão“, ansiosa por “saquear e vandalizar“, o que é uma completa ficção. O Congresso soviético, para ele, não passava de “uma fachada“.

Figes repete o mesmo argumento, é claro, como todos os historiadores burgueses. A Revolução Russa “não passou de um golpe militar” (Figes, p.484).

Mas Pipes é forçado a admitir que “a queda do governo provisório causou poucos desgostos: testemunhas oculares relatam que a população reagiu a isso com total indiferença. Isso era verdade mesmo em Moscou … aqui se diz que o desaparecimento do governo passou despercebido” (A Revolução Russa 1899-1919, p.505). Em outras palavras, o governo provisório não tinha nenhum apoio.

Até Figes teve que dizer: “deve-se ter em mente que não se necessitava de muitas pessoas para realizar a tarefa, dada a quase total ausência de forças militares na capital preparadas para defender o governo provisório” (Figes, p.492).

Então, mesmo esses críticos são forçados a se contradizer.

Teoria revolucionária

Defendemos Lenin e suas ideias não porque somos adoradores de heróis. Não estamos interessados no culto da personalidade, totalmente alheio ao marxismo.

Lenin foi um gênio na compreensão e aplicação das ideias do marxismo

Lenin foi um gênio na compreensão e na aplicação das ideias do marxismo. Mais do que isso, ele desenvolveu o marxismo – como, por exemplo, com sua grande obra Estado e Revolução. Ao longo de sua vida, ele aplicou o marxismo à situação concreta que enfrentava o movimento revolucionário.

Mas, como Trotsky explicou uma vez, Lenin não nasceu Lenin. Lenin se fez a si mesmo, aprendendo com suas experiências e dominando as ideias do marxismo.

Lenin ficou profundamente afetado pelo enforcamento de seu irmão, Alexander, por sua participação na tentativa de assassinato do czar. Seu irmão, juntamente com os jovens de sua geração, foram influenciados pelos Narodniks, que tentaram destruir o regime czarista.

No entanto, Lenin viu a fragilidade dessa abordagem: por cada representante czarista morto, eles seriam substituídos por outros. Lenin, em vez disso, foi atraído pelo marxismo, que dependia da participação ativa da classe trabalhadora para mudar a sociedade.

Como jovem ativista, ele organizou círculos marxistas de estudo e acabou preso e exilado na Sibéria, como aconteceu com tantos outros que lutaram contra o regime czarista.

Depois disso, ele foi para o exterior para se juntar ao círculo marxista liderado por Plekhanov, que ficou conhecido como o pai do marxismo russo. Eles estabeleceram um jornal inteiramente russo, Iskra, em torno do qual se prepararam para a criação do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR).

Em 1902, Lenin editou o jornal em Londres. Ele aprendeu a importância de organização e teoria. No mesmo ano, ele produziu seu panfleto Que Fazer?, que defendia revolucionários profissionais e um partido. “Sem teoria revolucionária, não pode haver movimento revolucionário“, escreveu ele.

Bolchevismo vs Menchevismo

A alegação de Lenin ser “ditador” é um completo disparate. Lenin certamente tinha autoridade – mas isso não veio por ele ter acenado com um grande porrete. O que ele possuía era algo mais poderoso: autoridade política e moral. Ele possuía o poder das ideias, nada mais.

Lenin é atacado por ter exibido a suposta “crueldade” no Segundo Congresso da POSDR (na realidade, o congresso fundador) em 1903, em que ocorreu uma divisão entre os “duros” e os “moles”, os bolcheviques e os mencheviques, respectivamente.

Essa divisão foi sobre as regras e a composição do conselho editorial da Iskra. Lenin não queria uma separação, visto que não havia diferenças políticas. No entanto, a separação pressagiou – antecipou – as futuras diferenças políticas entre revolução e reformismo.

Poucos, se é que os houve, perceberam seu significado na época. Basicamente, foi uma tentativa de Lenin e seus partidários de estabelecer um partido mais profissional, em oposição à mentalidade frouxa e introspectiva de um pequeno círculo ou grupo.

Lenin tentou várias vezes fechar a brecha entre as duas alas do POSDR, mas havia diferenças políticas definidas.

O ano de 1905 foi um ponto de virada. Os eventos de 1905 revelaram a Lenin a importância dos “sovietes”, ou conselhos de trabalhadores, que surgiram. Ele viu neles a base do autogoverno dos trabalhadores.

A revolução também permitiu o abandono dos velhos métodos de trabalho clandestinos e a necessidade de abrir o partido para novas camadas. Lenin viu a revolução de 1905 como um “ensaio geral” para a Revolução de Outubro de 1917.

Mas, após a derrota da revolução de 1905, as diferenças políticas entre bolcheviques e mencheviques se ampliaram – especialmente no que respeita às perspectivas para a Revolução Russa. Ambos os grupos sabiam que a Rússia enfrentava uma revolução democrática burguesa. Mas que classe a lideraria?

Os mencheviques disseram que seria a burguesia e que a jovem classe trabalhadora russa deveria desempenhar um papel subordinado. Lenin, pelo contrário, argumentou que os capitalistas russos se opunham à revolução e somente a classe trabalhadora poderia liderá-la.

Lenin, portanto, apelou por uma “ditadura democrática do proletariado e do campesinato“. Para ele, uma revolução burguesa bem-sucedida na Rússia daria um impulso à revolução socialista na Europa, que, por sua vez, afetaria os desenvolvimentos na Rússia.

Trotsky ocupava outra posição, chamada de teoria da Revolução Permanente. Ele acreditava, como Lenin, que apenas a classe trabalhadora poderia liderar a revolução. No entanto, Trotsky disse que os trabalhadores – uma vez no poder – não se deteriam nas demandas democráticas burguesas, mas passariam imediatamente às demandas socialistas. Essa revolução “burguesa” se converteria em uma revolução “socialista” e se tornaria “permanente”. Ela se espalharia a outros países, pois a base material do socialismo só existia em escala mundial.

Enquanto Lenin continuou a construir a facção bolchevique, Trotsky permaneceu fora das duas facções, mas estava muito mais próximo politicamente de Lenin.

Os princípios e o partido

Nesses anos, Lenin argumentou contra o liquidacionismo – a diluição do partido em um movimento amorfo mais amplo. Ele também lutou contra aqueles que argumentavam por boicotes políticos. Foi uma tentativa ultraesquerdista de desprezar as oportunidades legais. Tanto o oportunismo quanto o ultra-esquerdismo, explicou Lenin, eram as duas faces da mesma moeda.

Lenin era um marxista ortodoxo e lutou contra todas as tentativas de revisá-lo. Nisso, ele era – certamente – muito duro.

Ele liderou uma luta para defender o materialismo dialético dentro do partido, contra Bogdanov e Lunacharsky, que tentaram promover “novas” ideias e uma nova filosofia. Em 1908, escreveu Materialismo e Empiriocriticismo como resposta.

Lenin forneceu a âncora teórica aos bolcheviques. Todas as perguntas, todas as diferenças foram utilizadas para elevar o nível político e teórico do partido para as tarefas que se apresentavam. Suas obras coletadas de 45 volumes são a prova de seus esforços.

É um absurdo supor que Lenin criou um regime autoritário entre os bolcheviques. Os bolcheviques eram muito democráticos, como o foi o partido mais tarde. Havia muitos debates e diferenças.

Havia facções reconhecidas; e até Lenin poderia encontrar-se em minoria. Bukharin liderou uma facção contra o Tratado de Brest-Litovsk em 1918 e até teve seu próprio jornal diário! Tudo o que ele tinha era o poder das ideias e da persuasão.

A divisão entre bolcheviques e mencheviques não ocorreu formalmente até 1912. Isso ocorreu dois anos antes da divisão na Internacional.

A divisão, em 1914, se deveu à traição dos líderes da Internacional que apoiaram a Guerra Mundial imperialista. Lenin e os internacionalistas ficaram reduzidos a um punhado. Lenin denunciou os antigos líderes nos termos mais agudos por seu “patriotismo social”. Mesmo nesta fase, Lenin pediu abertamente uma nova Terceira Internacional baseada em princípios revolucionários claros.

Guerra e revolução

Os anos de guerra foram particularmente difíceis, dada a traição e o isolamento. No entanto, a guerra também produziu a revolução.

Esta última eclodiu na Rússia em fevereiro de 1917. Os sovietes foram novamente criados e o regime czarista foi derrubado. Todos os revolucionários retornaram do exílio.

Mas Lenin havia chegado, de forma independente, a novas conclusões, que coincidiam com as de Trotsky: que não precisava haver uma revolução burguesa, mas uma nova revolução, uma revolução socialista, na Rússia. Essa revolução não poderia se conter no “socialismo em um só país”, mas devia ser o início da revolução socialista mundial.

Ouvimos dizer que Lenin era a favor do terror. Mas em 1917, sua abordagem foi: “explicar pacientemente!”

Quando Lenin defendeu essa mudança, em abril de 1917, estava em minoria. Suas ideias foram publicadas em suas Teses de Abril, que abandonaram a velha perspectiva em favor da “revolução permanente“.

Temos toda essa conversa maluca de que Lenin era a favor do terror, com citações arrancadas do tempo e do contexto. Mas em 1917, toda a sua abordagem pode ser resumida no seu lema: “explicar pacientemente!

Em vez de um “golpe”, Lenin defendeu que os mencheviques e social-revolucionários – que tinham a maioria nos sovietes na época – deveriam tomar o poder. Lenin defendia uma revolução pacífica. Uma vez derrubada a velha ordem, Lênin defendia uma luta pacífica dentro dos sovietes quanto ao programa a ser adotado.

Mas os líderes dos sovietes se opuseram a isso e tomaram medidas para reprimir os bolcheviques em julho. Isso encorajou os militares, liderados por Kornilov, a se mover contra o governo provisório. Os bolcheviques se uniram para combater a contrarrevolução. Seus slogans “Pão, Paz e Terra!” e “Todo o poder aos Sovietes!” estavam ganhando terreno.

Eventualmente, os bolcheviques ganharam a maioria nos sovietes, que prepararam o caminho para a Revolução de Outubro. Tudo isso foi feito sob a orientação de Lenin.

Trotsky foi encarregado da própria insurreição. A revolução foi um assunto totalmente incruento, pelo menos em Petrogrado. Foi de fato uma revolução pacífica, apesar das insinuações dos historiadores burgueses. Não foi um golpe e ninguém levantou um dedo para defender o governo provisório.

Esta foi a primeira revolução socialista com êxito na história – deixando de lado o breve episódio da Comuna de Paris. O Partido Bolchevique, Lenin e Trotsky lideraram a revolução e estabeleceram um estado operário. No entanto, este foi apenas o primeiro tiro da revolução mundial. Logo estabeleceram a Terceira Internacional, como o partido da revolução mundial.

Guerra civil

É claro que os capitalistas não podiam tolerar isso! Eles enviaram 21 exércitos estrangeiros para derrubar o governo soviético. Os trabalhadores não tinham alternativa senão defender-se contra a intervenção e a contrarrevolução dos generais “brancos”.

Foram os imperialistas que promoveram a Guerra Civil. Eles são os culpados pelas mortes e misérias causadas. Eles massacraram, estupraram e esfolaram vivos aqueles que apoiavam os bolcheviques, como foi testemunhado na Finlândia em 1918.

Foi uma luta até a morte, não um tea party da classe média. Certamente não era uma questão de dar a outra face. Se os bolcheviques tivessem perdido, haveria rios de sangue e incontáveis mortes. A contrarrevolução não teria mostrado nenhuma piedade. Os imperialistas alemães já haviam tomado grandes quantidades de território russo.

Os bolcheviques, de fato, foram muito brandos no período inicial, permitindo que generais contrarrevolucionários fossem soltos! Estes últimos quebraram suas promessas e novamente travaram a guerra contra os vermelhos. Lenin foi baleado em 1918 e o trem de Trotsky quase foi explodido.

Foi isso que forçou os soviéticos a revidarem e a lançarem o “terror vermelho”, como uma questão de autodefesa. Eles foram forçados a introduzir o “comunismo de guerra”, onde os grãos eram requisitados para alimentar as cidades famintas.

A Guerra Civil durou de 1918 a 1920, causando terríveis mortes e destruição. Foi durante a Guerra Civil que os partidos burgueses, incluindo os mencheviques e os social-revolucionários, foram banidos. O motivo foi que eles apoiaram abertamente a contrarrevolução. Do mesmo modo, na Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha proibiu a União Britânica de Fascistas e prendeu Oswald Mosley.

Ascensão do stalinismo

Infelizmente, a onda revolucionária de 1917-21 foi derrotada. A República Soviética foi isolada em um país atrasado e devastado. Isso reforçou o crescimento da burocracia. Milhões de trabalhadores comunistas foram mortos em ação. Sob o bloqueio imperialista, a fome abundava.

A única coisa que os bolcheviques podiam fazer era esperar até que a ajuda chegasse na forma de revolução no Ocidente. Lenin até disse que estava preparado para sacrificar a Revolução Russa por uma revolução bem-sucedida na Alemanha.

Com o crescimento do burocratismo e das terríveis condições econômicas, a classe trabalhadora foi espremida. Stalin tornou-se cada vez mais a figura de proa dessa burocracia.

A luta final de Lenin antes de sua morte foi por meio de um bloco com Trotsky contra Stalin e a crescente burocracia. Lenin, no leito de morte, rompeu todas as relações com Stalin. Em seu último testamento, ele pediu que Stalin fosse destituído como secretário geral.

Com a morte de Lenin e a derrota da revolução europeia, Stalin passou à consolidação de seu poder. Trotsky – que lutou pelas ideias de Lenin – foi expulso, juntamente com a Oposição de Esquerda. Isso levou à degeneração burocrática da Revolução Russa e à ascensão do stalinismo.

As ideias de Lenin foram abandonadas ou distorcidas para justificar os crimes de Stalin e da burocracia.

Os historiadores burgueses, é claro, se atropelam para equiparar o bolchevismo aos crimes posteriores do stalinismo. “Dedico uma atenção considerável a esses … antecedentes do stalinismo, que, mesmo que imperfeitamente realizados sob Lenin, desde o início estavam no coração da Revolução Russa.” (Pipes, p.22).

O professor Figes também comenta: “está claro que os elementos básicos do regime stalinista – o estado de partido único, o sistema de terror e o culto à personalidade – estavam em seu lugar em 1924” (Figes, p.807). E, novamente, “podemos traçar uma linha direta desde essa cultura servil até o despotismo dos bolcheviques” (Figes, p.809).

Nosso professor conservador  e presunçoso vê a revolução como “uma expressão da barbárie russa” (Figes., P.812). Ele não pode compreender a ideia de que os trabalhadores tomem o poder!

Mais uma vez, Service acrescenta seu valor de dois centavos: “Sem Lenin, além disso, o stalinismo na União Soviética teria sido impossível …” (Service, p.19).

A piedade de Lenin, o político, dificilmente está em perspectiva“, afirma Service. “Ele era um polemista impiedoso, um terrorista implacável e um defensor impenitente de praticamente tudo o que ele e seu partido fizeram“.

Em seu leito de morte, ele não imaginou uma estratégia de liquidação de milhões de camponeses inocentes e trabalhadores. Nem pretendeu exterminar seus inimigos, reais e imaginários, no partido. Mas ele não revisou fundamentalmente sua atitude em relação aos horrores que ele havia cometido entre 1917 e 1922” (Service, p.322).

O tema do trabalho de Richard Pipe é claro: retratar Lenin como um psicopata, para quem as ideias não importavam e cuja principal motivação era dominar e matar.

Figes exorta seus alunos a dar as costas à revolução e a aprender as lições de seu livro magistral!

Depois de um século dominado pelos totalitarismos gêmeos do comunismo e do fascismo, só podemos esperar que esta lição tenha sido aprendida“, diz Figes. Ele continua para nos avisar: “Os fantasmas de 1917 não foram enterrados” (Figes, p.824).

Revolução socialista mundial

Poderíamos escrever muito mais, expondo as montanhas de calúnias escritas sobre Lenin por um exército de historiadores burgueses, todos interessados em minar sua autoridade da maneira que puderem.

Obviamente, o estoque do comércio desses “historiadores” é interpretar a história para seus próprios fins. Eles odeiam a Revolução Russa, como a todas as revoluções, e exibem um veneno particular em relação a Lenin e ao bolchevismo. Isso quanto as suas “histórias”.

Seria necessário mais de um artigo para responder a todas essas mentiras e distorções. De fato, seriam necessários vários livros. Por isso, exortamos você, acima de tudo, a ler o livro de Alan Woods, Bolchevismo, o Caminho da Revolução; o livro de Ted Grant, Rússia, da Revolução à Contrarrevolução; e Lenin e Trotsky, O que Eles Realmente Defenderam, do qual os dois foram coautores.

Os historiadores burgueses – como Service, Pipes, Figes, et al. – existem apenas para difamar Lenin e justificar a contínua escravização da classe trabalhadora. Cabe a nós recuperar essas ideias e resgatar o verdadeiro Lenin. O leninismo é o oposto direto do stalinismo, com todos os seus crimes.

Por outro lado, Lenin e suas ideias representam uma bandeira revolucionária limpa que oferece aos trabalhadores e jovens de hoje o caminho para a revolução socialista mundial. Essa é a mensagem que devemos enfatizar e lembrar no 150º aniversário do nascimento deste grande homem.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário