Foto: Socialist Revolution (CMI EUA)

EUA: Construindo um partido socialista de massas – independência de classe vs. estratégia do “partido substituto”

“O primeiro grande passo importante para cada país recém-ingressado no movimento é sempre a organização dos trabalhadores como um partido político independente, não importa como, desde que seja um partido operário distinto”. Friedrich Engels, 1886

O debate sobre “a questão do partido” na esquerda dos EUA existe desde os primeiros dias do movimento operário. Marx e Engels sempre consideraram que a tarefa vital da classe trabalhadora norte-americana era a formação de um partido próprio distinto, independente e oposto aos partidos da classe dominante. Não é por acaso que o debate está ganhando força várias gerações depois. A criação de um partido de massa da classe trabalhadora continua a ser a tarefa mais urgente para os trabalhadores norte-americanos – que realizará ou arruinará as perspectivas de alcançar o socialismo. O resultado de todas as outras batalhas depende, em última análise, da capacidade da classe trabalhadora de conquistar o Estado e o poder econômico, algo impensável sem um partido político de massas independente de classe.

Considere como 2020 teria sido diferente se houvesse um partido de massas da classe trabalhadora intervindo nos eventos com um programa que transcendesse os limites do capitalismo. A pandemia expôs a disposição dos capitalistas de sacrificar vidas humanas no altar dos lucros, provocando uma onda de greves em várias indústrias na primavera passada. Um partido socialista de massas poderia ter dado uma expressão coordenada a essas lutas e unificá-las em torno de um programa de reivindicações para derrotar o vírus e salvar inúmeras vidas.

Um partido de massas da classe trabalhadora, pela classe trabalhadora e para a classe trabalhadora teria atalhado a ascensão do trumpismo e sua distorcida polarização de classe, explorando o profundo descontentamento na sociedade e canalizando-o contra o capitalismo.

E durante a revolta histórica após o assassinato de George Floyd no verão passado, um partido de massas dos trabalhadores poderia ter mobilizado a imensa energia das massas em uma greve geral total. Isso poderia ter escalado o movimento, convocando e organizando comitês de defesa dos trabalhadores para se proteger contra o terrorismo policial em cada cidade, dando início a um genuíno poder dual de costa a costa. Em vez disso, os democratas cinicamente cooptaram e desviaram o movimento para canais seguros antes de traí-lo sem cerimônia e fingir que nunca aconteceu.

Cada grande contradição na política dos Estados Unidos hoje decorre do fato de que a classe trabalhadora não tem partido próprio. O vácuo político resultante foi preenchido com todo tipo de confusão e engano – tudo de natureza colaboracionista de classe. Apesar do apoio sem precedentes ao rótulo socialista na sociedade e de uma rejeição esmagadora dos dois partidos governantes, esse sentimento de massa não tem um ponto de referência claro no cenário político, especialmente após a capitulação total de Bernie Sanders. Por essas razões, o debate sobre a “questão partidária” veio para ficar e só crescerá em relevância nos próximos anos.

Durante a histórica revolta Black Lives Matter no verão passado, um partido de massas dos trabalhadores poderia ter mobilizado a imensa energia das massas em uma greve geral total Foto: Ken Fager, Flickr

O debate de estratégia na DSA

Dado que a política americana é dominada por dois grandes partidos capitalistas, a maior parte do debate na esquerda se concentrou em como os socialistas deveriam se relacionar com o Partido Democrata. Dentro da organização política Socialistas Democráticos da América (DSA, na sigla em inglês), as principais tendências formularam a questão aproximadamente nas seguintes linhas:

1. O movimento socialista deve usar a linha eleitoral do Partido Democrata para eleger seus candidatos e, então, em um ponto indefinido no futuro, se separar para criar um novo partido? Isso é frequentemente referido como a estratégia de “ruptura suja”.

2. Os socialistas deveriam usar a cédula do Partido Democrata para eleger os candidatos e simplesmente desistir da exigência de um partido separado? Isso tem sido referido como uma estratégia de “substituto do partido”, embora alguns proponentes prefiram chamá-la de “estadia suja” para se distinguir daqueles que propõem isso como um passo em direção a um “intervalo sujo”.

3. O movimento socialista deve cortar imediatamente seus laços com o Partido Democrata e estabelecer um partido de massas independente de classe?

4. Ou os socialistas deveriam desconsiderar a arena eleitoral completamente e se concentrar na “construção de bases”? Embora relacionado, este é, em última análise, um debate separado no domínio da estratégia socialista, que abordamos em outro lugar.

No contexto acima, surgiram recentemente dois artigos que vinculam ou se referem explicitamente à Corrente Marxista Internacional (CMI) como os representantes mais proeminentes da estratégia de “ruptura limpa”. Em um artigo recente na Jacobin, Eric Blanc retoma a pré-história do Partido Trabalhista britânico em uma longa tentativa de justificar a estratégia de “ruptura suja”. E em um artigo no The Organizer, produzido pela Collective Power Network Caucus, Brad C. argumenta que o caminho para o “socialism in our lifetime” (algo como “socialismo em nossa vida”) está em abraçar firmemente a linha eleitoral do Partido Democrata e desistir da “obsessão prejudicial por um partido independente dos trabalhadores”.

Cada grande contradição na política dos EUA hoje decorre do fato de que a classe trabalhadora não tem partido próprio. É por isso que o debate na DSA sobre a “questão do partido” veio para ficar Foto: DSA
Infelizmente, ambos os artigos tiveram sucesso apenas em aumentar a confusão neste debate crítico. Embora os autores tirem conclusões diferentes – “não devemos nos apressar em romper com os democratas” vs. “nunca devemos romper com os democratas” – ambos começam aceitando a estrutura política estabelecida pela classe dominante. Embora ambos os autores se refiram aos interesses da classe trabalhadora – e até mesmo se liguem a textos de Lenin para sustentar seus argumentos – seu método e perspectiva são de pragmatismo empírico e impressionista. Ambos cedem o campo de batalha ao inimigo de classe, apoiando-se nos pressupostos políticos e parâmetros tradicionais da burguesia liberal.

A história do Partido Trabalhista britânico é, sem dúvida, rica em lições e é um assunto para um artigo separado. Aqui, retomaremos alguns dos argumentos levantados em The Organizer e contrastaremos seu método com a perspectiva revolucionária do marxismo, que parte do ponto de vista da classe trabalhadora e de suas tarefas históricas. Veremos que, no fundo, a “questão do partido” é uma variação do antigo debate socialista entre reformismo e revolução.

Por onde começar nossa discussão

Quem só reconhece a luta de classes não é ainda marxista e pode muito bem não sair dos quadros do pensamento burguês e da política burguesa. Limitar o marxismo à luta de classes é truncá-lo, reduzi-lo ao que é aceitável para a burguesia. Só é marxista aquele que estende o reconhecimento da luta de classes ao reconhecimento da ditadura do proletariado. A diferença mais profunda entre o marxista e o pequeno (ou grande) burguês ordinário está aí. É sobre essa pedra de toque que é preciso experimentar a compreensão efetiva do marxismo e a adesão ao marxismo. (Lenin, O Estado e a Revolução).

A questão de como os socialistas devem se relacionar com o Partido Democrata não deve ser o ponto de partida para uma discussão séria sobre estratégia. Devemos começar por reconhecer o conflito central diante de nós: que os trabalhadores e os capitalistas têm interesses diametralmente opostos e estão presos em “uma luta ininterrupta, ora oculta, ora aberta” (Manifesto Comunista) pelo excedente de riqueza produzido pela classe trabalhadora. Para os socialistas revolucionários, este conflito não encontrará solução até que a classe trabalhadora, coletivamente, assuma as rédeas da sociedade.

A “justificativa” histórica para a ascensão do capitalismo foi que ele criou a base material para a abundância global, desenvolvendo as forças produtivas em um grau até então inimaginável. No entanto, seu papel progressista expirou há muito tempo. Por mais de um século, a humanidade teve a capacidade técnica para começar a construir um mundo livre de pobreza, fome e carências materiais básicas. Agora é tarefa histórica da classe trabalhadora liberar o potencial produtivo desenvolvido sob o capitalismo com base em uma economia mundialmente planejada democraticamente. Isso só pode ser alcançado se os trabalhadores conquistarem o poder estatal e econômico.

O estabelecimento de um partido operário independente não é, portanto, um objetivo final em si mesmo. Em vez disso, é um instrumento crucial necessário para a tarefa mais significativa de se criar um Estado dos trabalhadores que possa estabelecer a propriedade pública dos bancos, monopólios e indústrias-chave, para garantir a produção e distribuição racional e democrática das necessidades vitais.

Para os marxistas, esse é o objetivo estratégico do movimento socialista. Nosso papel é ajudar a classe trabalhadora a obter um reconhecimento consciente de seu potencial coletivo para transformar a sociedade. Acontece que a vida sob o capitalismo está fazendo a maior parte desse trabalho por nós. A crise de 2008 e suas consequências moldaram a perspectiva de toda uma geração, que agora está passando pelos terremotos das várias crises que caracterizaram a década de 2020. Há mais raiva de classe na sociedade hoje, uma percepção mais flagrante de que os bilionários estão lucrando obscenamente enquanto milhões de trabalhadores caem na miséria abjeta, do que em qualquer momento na memória viva.

Os socialistas devem intervir neste processo de uma forma que aumente a unidade, a confiança e a consciência da classe trabalhadora em seu próprio papel central – como classe – na resolução dos problemas da sociedade. O movimento socialista deve ser uma força que, de forma paciente e sistemática, explique que as crises e deformações sociais de nosso tempo resultam do impasse do sistema capitalista, e que sua solução está na construção de um partido operário de massas e um governo operário. Esta é uma mensagem significativamente diferente da que é transmitida atualmente nas campanhas eleitorais até dos mais “progressistas” dos candidatos democratas, que equivale a: “vote nestes candidatos, eles aprovarão uma reforma que tornará sua vida melhor”. Voilà! Nenhuma luta de classes é necessária!

A luta de classes não é uma metáfora abstrata

Em seu artigo, “Breaking Bad: How Obsession with a Independent Workers ‘Party Hurts the Socialist Electoral Project”, Brad C. do Metro DC DSA argumenta que “Não há atalhos para organizar a classe trabalhadora, e uma ruptura limpa ou suja nada mais é que um atalho”.

Concordamos totalmente com a primeira parte desta frase – que não existem atalhos para organizar a classe trabalhadora. Também concordamos que a estratégia de “ruptura suja” pertence à categoria de “atalho”. Mas o mesmo vale para a estratégia sem rupturas do camarada Brad, que afirma que conseguir que candidatos socialistas sejam eleitos – sob qualquer linha eleitoral – representa vitórias para a classe trabalhadora. Essa afirmação é feita sem nenhuma indicação de como essas eleições se relacionam com a luta de classes mais ampla ou com mudanças na consciência de classe – questões aparentemente triviais que a Rede de Poder Coletiva sumariamente rejeita como “objetivos abstratos e simbólicos” e “referências fenomenológicas imateriais“.

No decorrer de seu artigo, Brad usa as palavras “material” ou “imaterial” nove vezes, como se dissesse: “Estamos vencendo as eleições e isso justifica nossa estratégia”. Enquanto isso ele escreve:

O projeto eleitoral socialista é o mais bem-sucedido em quase um século porque os socialistas estão disputando o poder usando a linha eleitoral democrata… Quando nos engajamos na política eleitoral em qualquer nível, nosso objetivo deve ser a vitória. Não vitórias simbólicas, nem vitórias morais, mas vitórias materiais para a classe trabalhadora. O exercício de se saber qual linha de voto é utilizada para se alcançar essas vitórias é irrelevante. A insistência em uma nova linha eleitoral é um projeto individual de vaidade que não traz resultados para ninguém. Não temos tempo, recursos e energia para gastar em tal projeto.

Ao longo do artigo, há 30 referências completas a “vitória” e “poder”, mas nenhuma dessas ocorrências se refere à derrubada do capitalismo, ao estabelecimento de um governo dos trabalhadores ou mesmo a uma escalada da luta de classes. Em todos os casos, é claro que o termo “vitória” se refere a uma coisa e apenas a uma coisa: fazer com que os candidatos sejam eleitos – como democratas – ponto final. Não importa que nenhum desses autointitulados socialistas apresente uma única demanda de luta de classes, ou mesmo uma menção séria aos objetivos socialistas, como expropriar os capitalistas – muito menos acabar com o capitalismo. A maioria de seus sites de campanha nem mesmo contém uma única palavra sobre socialismo – ou qualquer menção da DSA nesse sentido – além de um logotipo indicando endosso.

Por outro lado, o camarada Brad faz uma única referência ao sistema capitalista em seu artigo, para argumentar que: “os socialistas podem exercer o poder mesmo em um sistema capitalista, desde limitar os custos da insulina até construir moradias populares e desviar dinheiro da polícia para os bens públicos”. O socialismo não apenas desapareceu deste horizonte, mas também demandas modestas, como a saúde universal! Essas são as aspirações lamentáveis ​​e truncadas daqueles que se acomodaram inteiramente ao capitalismo – mas insistem em se intitular socialistas.

Para os marxistas, a luta por reformas sob o capitalismo não pode ser separada do conflito subjacente na sociedade sobre a mais-valia criada coletivamente pelo trabalho da classe trabalhadora. Longe de ser uma questão teórica “imaterial”, a questão é claramente ilustrada no fato de que os bilionários do mundo ficaram US$ 3,9 trilhões mais ricos em 2020, enquanto a classe trabalhadora mundial perdeu US$ 3,7 trilhões em ganhos. Em uma sociedade em que uma classe vive do trabalho de outras, vitórias materiais substanciais seriam reformas que afetassem diretamente os lucros da classe dominante e aumentassem o padrão de vida da classe trabalhadora.

Considere a questão da saúde pública universal – uma reforma que tem apoio público esmagador, mas parece que nunca consegue qualquer tração legislativa. Além de salvar inúmeras vidas e bilhões de dólares, a saúde socializada também liquidaria um dos maiores e mais lucrativos setores capitalistas. Depois que os lucros do seguro saúde dispararam 66% para quase atingir um trilhão de dólares em 2019, muitas seguradoras viram sua receita dobrar novamente em 2020. O setor de seguros dos EUA, que inclui cerca de 6 mil empresas e ativos combinados de mais de US$ 10 trilhões, gastou US$ 150 bilhões no ano passado em lobby e contribuições eleitorais.

A dimensão desse monstruoso obstáculo para algo tão básico como um sistema de saúde universal de qualidade deve nos dar uma ideia do alcance da luta de classes que será necessária para derrotá-lo. A eliminação deste enorme mercado capitalista e a expropriação desses ativos exigirão uma batalha feroz e decidida – e só pode ser possível no contexto de uma situação revolucionária absoluta nos Estados Unidos. Nenhuma quantidade de “pressão pública” ou negociações legislativas pode levar a essa reforma.

Quando a questão das reformas é divorciada da luta de classes, ficamos com o tipo de “reformas” que os democratas oferecem: programas financiados colocando o fardo sobre a classe trabalhadora, como a Previdência Social e o Medicare. Longe de serem concessões da classe capitalista, esses programas são sustentados por impostos regressivos FI-CA, que se aplicam apenas aos salários – e não afetam os lucros capitalistas ou as fontes de renda, como juros ou ganhos de capital. Este arranjo, por sua vez, divide a classe trabalhadora e abre caminho para que a direita coloque os trabalhadores mais bem pagos contra o resto da classe.

A história mostra que, na medida em que a classe trabalhadora obtém vitórias reais – salários mais altos, melhores benefícios e condições de trabalho, seguro-desemprego, saúde universal etc. – estas são um subproduto da luta de massas nos locais de trabalho e nas ruas. Uma das armas mais essenciais no arsenal da luta da classe trabalhadora – ao lado de outras como a greve geral e a criação de comitês de trabalho – é o ato político de construir um partido de massas dos trabalhadores.

Os socialistas deveriam intervir no movimento operário apresentando um programa e política independentes de classe Foto: Socialist Revolution, Connecticut
Podemos ver um exemplo claro disso no Canadá, que também tem um sistema eleitoral do tipo “First Past the Post” (o nome do sistema eleitoral utilizado para eleger membros do Parlamento), dominado pelo conhecido arranjo bipartidário de liberais e conservadores durante o primeiro meio século após a Confederação. Durante a Grande Depressão, a socialista Cooperative Commonwealth Federation (CCF) foi organizada como um partido da classe trabalhadora com o objetivo de erradicar o capitalismo. Ao vencer as eleições provinciais de 1944 em Saskatchewan, a CCF estabeleceu um sistema público de saúde naquela província. Em 1961, a CCF uniu-se ao Congresso do Trabalho Canadense para formar o Novo Partido Democrático (NDP). Cinco anos após a fundação do novo partido, os capitalistas foram forçados a implementar um sistema de saúde socializado nacionalmente. Os EUA não têm esse partido dos trabalhadores e os resultados falam por si.

É importante notar que os partidos da classe dominante tiveram muito mais deputados do que o NDP em muitas eleições, mas ainda assim tiveram que fazer concessões para cortar o potencial de crescimento do NDP. Embora nunca tenha existido um governo nacional do NDP, a própria existência do novo partido e a ameaça de que pode ganhar o poder mudaram o equilíbrio de forças no cenário político.

Durante o boom do pós-Segunda Guerra Mundial, os capitalistas podiam se dar ao luxo de oferecer maiores migalhas para a classe trabalhadora. No período atual de declínio prolongado e instabilidade, os capitalistas oferecerão uma resistência mais amarga antes de fazer qualquer concessão. Essas condições tornam ainda mais urgente para os socialistas vincular as lutas do cotidiano ao impasse do próprio sistema capitalista. É pelo efeito cumulativo dessas experiências que os trabalhadores, mais cedo ou mais tarde, chegarão à conclusão de que podem e devem transformar a sociedade.

É realmente uma “estratégia comprovada”?

Brad C. afirma que não há necessidade de romper com os democratas na arena eleitoral, desde que a esquerda estabeleça um “partido dentro do partido”, que é o argumento central da estratégia de “substituto do partido”:

O substituto do partido é uma organização de filiação, como a DSA, que se comporta da maneira que um partido dos trabalhadores se comportaria e deveria, operando organizacionalmente de forma independente de qualquer um dos partidos principais. Esse substituto conduziria as campanhas eleitorais em cada etapa do caminho: encontrando e recrutando candidatos, liderando e formando coalizões locais e fazendo o bloqueio e enfrentamento diário das eleições, desde a transmissão de mensagens até a coleta de dados. Esse substituto se tornaria, por meio de crescimento e desenvolvimento intencionais, grande e poderoso o suficiente para libertar nossos candidatos da rede de doadores, consultores, grupos de reflexão e elites que controlam o Partido Democrata. Essa organização operaria usando a linha eleitoral democrata onde é estratégica, bem como se candidataria a cadeiras não partidárias, como conselhos escolares ou conselhos municipais.

O camarada Brad argumenta que a DSA está no caminho certo por permanecer agnóstico na questão da votação e “jogar para ganhar o jogo”, como ele colocou durante um recente debate sobre a questão do partido na DSA. Sua defesa de uma abordagem pragmática foi expressa nos seguintes termos:

Se estamos elegendo socialistas de bons princípios que vão levar o poder do Estado a nossos fins, então não importa se os elegemos na linha eleitoral do Partido Democrata, na linha eleitoral do Partido Verde, em um partido de trabalhadores independente, ou na linha eleitoral do Partido Whig. O que importa é que mostramos o que os socialistas democráticos pretendem fazer com o poder quando o conquistamos.

Deixando de lado sua confusão quando trata dos termos “estratégico” e “poder estatal”, sua lógica levanta a seguinte questão. Visto que seu leque de linhas eleitorais possíveis inclui um partido que foi dissolvido em 1856, por que não incluir o Partido Republicano na lista? Se compartilhar uma cédula de partido com Joe Biden não é um problema, por que não fazer o mesmo com o partido de Donald Trump? Talvez porque Brad – que se apresentou como organizador eleitoral profissional em Washington – percebe que a “marca” do Partido Republicano carrega certas associações na mente de milhões de pessoas, que são, na verdade, mais do que uma preocupação “imaterial”. Isso vale para os socialistas que se associam ao partido principal de Wall Street.

O verdadeiro poder do Partido Democrata não reside na linha eleitoral ou mesmo no aparato formal do partido”, argumenta Brad, baseando-se em sua visão como um insider de Washington. “O verdadeiro poder do Partido Democrata reside na complexa rede de consultores, doadores, lobistas e instituições que constituem cooperativamente o establishment do partido”.

A realidade é que os candidatos endossados ​​pela DSA, que tomaram seus assentos no Congresso, estão mais sob o domínio de Nancy Pelosi do que sob o domínio de suas responsabilidades perante qualquer estrutura da DSA – e estão muito longe de “levar o poder do Estado a nossos fins“.

Crescimento e desenvolvimento intencionais” dos recursos independentes da DSA é um plano pouco convincente para superar o peso do “establishment do partido” – que no final das contas não é apenas um punhado de doadores ricos, mas abrange as primeiras fileiras da burguesia dos EUA em si.

Na verdade, a estratégia que Brad C. defende não é nada nova. Os líderes sindicais há muito se comportam como apenas mais um grupo de pressão sobre os Democratas. O trabalho organizado conta com PACs e consultores políticos. Eles saem às ruas e trabalham nos telefones para os candidatos que apoiam. Apesar dos recursos maciços da AFL-CIO e de seus quase 13 milhões de membros, sua influência política no Partido Democrata não conseguiu garantir nem mesmo as concessões mais modestas para a classe trabalhadora. A estratégia de atrelar o vagão dos trabalhadores ao partido principal do grande capital é a culpada pelo fato de que tantos membros do sindicato estão começando a ver o Partido Republicano como uma alternativa viável!

A questão maior é que, aos olhos de milhões, esses candidatos autodeclarados socialistas são indistinguíveis do resto do Partido Democrata como força governante. Como resultado, eles são incapazes de atuar como um sério polo de atração para canalizar e mobilizar de maneira útil o descontentamento que agora fervilha na sociedade. Como tal, é uma estratégia que pode alcançar apenas “vitórias” de Pirro à custa da preparação da classe trabalhadora para derrubar o capitalismo.

DSA e CMI

Brad C. também escreveu o seguinte sobre a CMI e a DSA:

“Talvez o exemplo mais extremo da estratégia de ruptura limpa para se ganhar qualquer quantidade de relevância dentro da DSA seja a resolução: Por uma Estratégia Genuinamente Independente de Classe nas Eleições Presidenciais de 2020, introduzida na DSA de Phoenix por autodenominados entristas da seita trotskista Corrente Marxista Internacional, procurando evitar o chamado ‘mal menor’ nas eleições”.

Por uma questão de clareza e para que fique bem registrado em ata, a Corrente Marxista Internacional (CMI) não é uma seita nem um “intrometido” – seja autodenominado ou não. Somos uma parte estabelecida e legítima da esquerda socialista, parte de uma internacional marxista com uma presença crescente em mais de 40 países e 70 cidades nos Estados Unidos. Acreditamos que a independência de classe política e organizacional é o único caminho a seguir para a classe trabalhadora e que lutar pela clareza neste ponto é dever de todo socialista e marxista.

Ao contrário das calúnias contra nós, a CMI está extremamente feliz em ver o crescimento da DSA e, em particular, o desenvolvimento de uma ala esquerda dentro dela, que busca afastar a organização da política anticomunista e liberal de esquerda dos seguidores do falecido Michael Harrington. Francamente, Brad C. parece estar voltando à fórmula de Harrington, sob o disfarce de uma organização chamada “substituta”.

A CMI copatrocinou, participou e liderou vários grupos de estudo marxistas, que foram muito populares e ajudaram a introduzir muitos camaradas da DSA nos clássicos da teoria marxista. Há alguns anos, um pequeno número de membros da CMI decidiu ingressar na DSA como indivíduos, pois consideravam ser a melhor maneira de trabalhar em conjunto com camaradas que compartilham os objetivos do socialismo revolucionário. Muitos membros da DSA, que concordaram com as ideias que apresentamos, procuraram ingressar na CMI, levando a uma presença crescente de marxistas na DSA – que se orgulha de ser uma organização de múltiplas tendências, uma “grande tenda”.

Alguns indivíduos da ala direita da DSA – que não querem lidar com as ideias do marxismo – afirmam que a CMI “caça furtivamente membros da DSA”. No entanto, nenhuma vez encorajamos qualquer membro da DSA a deixar essa organização. Em vez disso, queremos ajudar a construir a DSA, com base em ideias que fortalecerão a luta pelo socialismo. E, ao contrário dos proponentes da estratégia “suja” ou “sem interrupção”, não incentivamos a DSA a canalizar o dinheiro, a energia e os recursos de seus membros para um partido cuja única razão de existir é defender e perpetuar o capitalismo.

Foto: Socialist Revolution, NYC

Como podemos avançar na luta pelo socialismo

Em vez de confundir a linha de classe semeando ilusões em um partido de, por e para nossos inimigos de classe, os socialistas deveriam lutar para esclarecer a divisão de classes na sociedade. Dados os vastos recursos do movimento operário, não há razão para equiparar a independência de classe com a “marginalização permanente do projeto eleitoral socialista”. O que é necessário é uma mudança fundamental de abordagem: afastar-se do que é permissível à burguesia e ao seu sistema eleitoral, e na direção da luta de classes militante.

Ao contrário da afirmação de Brad, não é a “obsessão por um partido independente dos trabalhadores” que está freando a luta de classes, mas sim a obsessão de se adaptar ao estreito cálculo eleitoral do sistema bipartidário. Se olharmos para além desses parâmetros estreitos, podemos ver que existe uma força social poderosa que atualmente não tem expressão eleitoral própria – mas pode virar toda a política de cabeça para baixo assim que alcançá-la: as dezenas de milhões que inundaram as ruas contra o terror policial no verão passado; as dezenas de milhões que rejeitam os dois principais partidos e aspiram a uma alternativa massiva de terceiros; e as dezenas de milhões que já estão convencidos de que o capitalismo deve ser eliminado.

Cabe aos socialistas ganhar esses milhões para um partido e um programa de transformação da sociedade. Não apenas devemos romper qualquer associação com um partido que, mais do que qualquer outro na face do planeta, representa os interesses da classe capitalista, devemos erguer uma bandeira de independência de classe em seu lugar. O número de filiados, os recursos e a visibilidade da DSA dão a ele o potencial de contribuir imensamente para essa causa.

Em vez de realizar campanhas que fomentam ilusões na colaboração de classe e no reformismo, a DSA deveria defender sistematicamente um partido de massas da classe trabalhadora. Poderíamos levar esta mensagem a todos os piquetes, campanhas de organização e lutas dos trabalhadores, a todos os locais de trabalho, campi e sindicatos onde haja jovens e trabalhadores fartos do status quo. A cada manifestação contra as infindáveis injustiças do capitalismo, os socialistas poderiam explicar que a luta contra o racismo, o machismo, a brutalidade policial e todas as formas de opressão – sem falar na luta contra a catástrofe climática – deve estar ligada à luta da classe trabalhadora para estabelecer o controle democrático sobre a economia e a sociedade como um todo.

O caminho para um partido de massa independente de classe não será rápido, fácil ou linear, mas se quisermos ter êxito em realmente alcançar o socialismo, este é precisamente o desafio que devemos aceitar.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário