EUA: censura capitalista e tirania do Twitter – como não lutar contra o trumpismo

Trump foi sumariamente banido do Twitter e de uma série de outras plataformas de mídia social depois que encorajou seus apoiadores a invadir o prédio do Capitólio na semana passada. Embora haja uma ironia gratificante nisso, os marxistas devem considerar seriamente as implicações desse movimento dos capitalistas da Big Tech.

Dois dias depois do tumulto no Capitólio, na décima primeira hora do governo Trump, os CEOs do Twitter e do Facebook tomaram a medida sem precedentes de desativar as contas do presidente dos Estados Unidos. Como disse o New York Times, “no final, foram dois bilionários da Califórnia que desligaram o presidente Trump, [dando uma] lição esclarecedora sobre onde reside o poder em nossa sociedade digital“. Poucos dias depois, o YouTube fez o mesmo e suspendeu a conta de Trump indefinidamente.

Esses atos excepcionais de censura são particularmente simbólicos para um presidente que passou os últimos quatro anos menosprezando a mídia de massa e se comunicando com sua base diretamente pelo Twitter. Enquanto muitos sem dúvida irão se deliciar com a ironia e celebrar o silenciamento do “Comandante no Tweet”, os socialistas devem considerar as reais consequências dessas ações de bilionários do Vale do Silício – e suas implicações para a luta de classes.

Mídia social e polarização

Nos últimos anos, os liberais culparam os algoritmos da mídia social por “radicalizar” as pessoas e fazer proliferar a desinformação. No entanto, como explicamos em artigos anteriores, a mídia social não é a causa da intensa polarização que se apodera da sociedade. O fato de uma parcela significativa da população passar a desconfiar de instituições como a mídia, do sistema político e do governo federal não é resultado da sequência de artigos e postagens que aparecem em seus feeds de mídia social. Em vez disso, é a crise do capitalismo, e o profundo descontentamento que ela está gerando em dezenas de milhões de pessoas, que as leva a rejeitar o status quo. Devemos lembrar que polarização, revolução e contrarrevolução destroçaram sociedades humanas muito antes do advento da internet ou da mídia social.

Dois dias após a rebelião no Capitólio, os CEOs do Twitter e do Facebook deram um passo sem precedentes de desativar as contas de Trump Foto: Blink OFanaye, Flickr
Há uma sensação generalizada de que a sociedade chegou a um impasse e entrou em declínio terminal, enquanto um punhado de membros das elites se enriquece às custas da vasta maioria – uma avaliação precisa e um instinto saudável! No entanto, dada a falta de um partido de massas da classe trabalhadora, Trump cinicamente se aproveitou desse clima anti-establishment com sua demagogia reacionária, que só se vê fortalecida pelo desprezo dos políticos liberais e da mídia. Longe de minar o trumpismo, esses constantes ataques serviram apenas para fortalecê-lo, ao convencer sua base de que “seu” presidente está desafiando sozinho os “poderes constituídos”.

É por isso que o trumpismo não se dissipará ao ser afastado das principais mídias sociais para plataformas mais obscuras. O Facebook e o Twitter removeram dezenas de milhares de contas de extrema direita. Amazon, Google e outros tomaram medidas semelhantes. Mas, enquanto houver dezenas de milhões com uma conexão à Internet e uma devoção fervorosa a Donald Trump, eles encontrarão formas alternativas de rede. As tentativas de censura falham completamente em atacar o trumpismo nas raízes.

Parler, um aplicativo que cultivou uma base de usuários entre a maior faixa de reacionários, mais que dobrou para 10 milhões de usuários desde a eleição de novembro. Agora ele foi removido dos serviços de hospedagem na web da Amazon e das duas principais lojas de aplicativos que têm controle monopólico. Está causando uma hemorragia de anunciantes e está encontrando muita dificuldade para comprar hospedagem. Aplicativos e fóruns online semelhantes surgiram para substituir o Twitter e o Facebook, assim como novas plataformas de streaming forneceram uma alternativa ao YouTube, e sites de “notícias alternativas” como Newsmax e outros “Trump Media” substituíram a Fox News como fonte de informação de escolha para grande parte da base de Trump.

A ameaça de “terrorismo” e a ameaça ao movimento trabalhista

Os socialistas se opõem aos métodos de censura capitalista, não apenas porque são totalmente ineficazes em conter o crescimento da extrema direita, mas também porque esses métodos representam uma clara ameaça à esquerda e à classe trabalhadora em geral. O precedente de bloquear pontos de vista considerados pelos bilionários liberais como “radicais” e “extremistas” significará uma repressão ainda mais dura aos ativistas, trabalhistas e socialistas do Black Lives Matter no futuro.

Na verdade, nos meses que se seguiram à histórica rebelião de George Floyd, e logo depois que Trump prometeu designar “Antifa” como uma organização terrorista nacional, o Facebook sistematicamente apontou e removeu páginas que postavam vídeos e atualizações de protestos e violência policial. Em setembro, o Facebook anunciou que eliminou quase mil desses grupos e mais de 500 páginas, além de restringir as hashtags. Contas como It’s Going Down, o CrimethInc Ex-Workers Collective, a Pacific Northwest Youth Liberation Front e Enough is Enough, e muitas outras contas de ativistas, anarquistas e antifascistas foram removidas sem cerimônia.

O trumpismo não será derrotado por se excluído das mídias sociais Foto: Michael Candelori
Simultaneamente, centenas de páginas e grupos de extrema direita ligados à conspiração QAnon foram retirados, como parte de uma campanha que agrupava fascistas e antifascistas, com a alegação de que ambos tinham “seguidores com padrões de comportamento violento”. Uma reminiscência da resposta de Trump “culpe os dois lados” no comício de extrema direita de 2018 em Charlottesville, esta atitude equipara anarquistas e socialistas a racistas e neonazistas, condenando-os todos como “extremistas violentos”. Não importa que a extrema direita seja a responsável pela vasta maioria dos incidentes de violência política e terror nos Estados Unidos.

Depois que Joe Biden se referiu à turba do Capitólio como “terroristas domésticos”, os democratas, incluindo os que se autodenominam socialistas, estão pressionando pela classificação dos eventos de 6 de janeiro como um ato terrorista doméstico, a fim de perseguir os envolvidos com mais rigor, e para implicar o próprio Trump por seu papel em instigá-lo. Eles têm a ilusão de que o poder do Estado pode acabar com o trumpismo para sempre.

Mais uma vez, só precisamos olhar para trás, para o movimento de massa em 2020, para ver como o Estado pode cinicamente manejar o “terrorismo” em qualquer direção que a classe dominante desejar. Ativistas e manifestantes do Black Lives Matter foram acusados ​​de terrorismo e condenados a sentenças de prisão absurdas por organizarem e participarem de manifestações pacíficas. E, depois dos ataques de 11 de setembro e do Patriot Act, defendido por Biden, muçulmanos inocentes e suas organizações foram acusados ​​de terrorismo e submetidos à vigilância e intimidação do Estado. Enquanto isso, extremistas de extrema direita raramente enfrentavam consequências semelhantes por atos abertamente racistas de assassinato em massa, como o tiroteio em Charleston.

Embora Biden tenha prometido tomar medidas contra os “extremistas domésticos”, as imagens de policiais permitindo a entrada dos manifestantes no Capitólio e de policiais fora de serviço participando da própria turba dificilmente inspiram confiança na capacidade do Estado capitalista de agir contra esses elementos. Entre as fileiras da polícia de Washington DC estavam aqueles que espancaram, lançaram gás lacrimogêneo e prenderam manifestantes no verão passado – manifestantes que não mataram ninguém ou atacaram o Capitólio.

É claro que os democratas no poder usarão a invasão do Capitólio por uma turba reacionária como desculpa para aprovar uma nova legislação contra o “terrorismo doméstico”, dando ao Estado capitalista e suas forças de segurança poderes adicionais de vigilância e restringindo os direitos democráticos básicos. Há precedentes para isso. Depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, o governo Bush trouxe a Lei de Segurança Interna, que abriu o caminho para a vigilância em massa de indivíduos que não haviam cometido nenhum crime. O Departamento de Segurança Interna, sob a desculpa de tornar o país seguro do terrorismo, tem sido usado para monitorar e reprimir as atividades de ativistas anti-guerra e, mais recentemente, contra ativistas Black Lives Matter.

A classe capitalista possui e controla a mídia

Mesmo que as ondas de rádio sejam “gratuitas”, o capitalismo transformou isso em propriedade privada. Das grandes redes, sistemas de TV a cabo e estações de rádio, aos monopólios da Big Tech como Google, Twitter e Facebook, a mídia em todas as suas formas está firmemente nas mãos da classe capitalista. Em sua proibição de Trump, a questão de quem possui e controla a mídia está agora na frente e no centro para todos verem.

Depois que Trump rotulou “Antifa” de organização terrorista, o Facebook removeu páginas que postavam vídeos de protestos e violência policial Foto: Joe Piette, Flickr
A ascensão do capitalismo foi caracterizada por uma produção cada vez mais social associada à apropriação privada do excedente de riqueza criado pela classe trabalhadora. A história recente das mídias sociais traz essa contradição a um novo nível. Nunca antes a humanidade esteve tão conectada globalmente – estima-se que pelo menos metade da população mundial tenha uma conta de mídia social – e, ainda assim, essas plataformas totalmente sociais permanecem sob propriedade e controle privados.

Apesar de sua onipresença na vida cotidiana, as grandes empresas de tecnologia são empresas capitalistas, movidas por lucros e responsáveis ​​apenas perante seus acionistas. Por serem empresas privadas, os usuários das mídias sociais não são protegidos pelos direitos da Primeira Emenda. Na verdade, muito pelo contrário! A Constituição, um documento que defende a propriedade privada dos meios de produção acima de tudo, protege os direitos de liberdade de expressão das empresas, bem como seu direito de não se associarem à expressão de determinados usuários se assim preferirem – mesmo que o usuário em questão seja o próprio presidente.

Na era das “fake news” [notícias falsas], isso também significa que os capitalistas do Vale do Silício se tornaram os juízes todo-poderosos e irresponsáveis ​​que determinam o que constitui “desinformação” – incluindo as perspectivas políticas que desafiam o capitalismo e aquelas críticas aos contos de fadas da política externa do imperialismo dos EUA. Nos últimos anos, milhares de contas do Twitter de apoio ao governo venezuelano foram suspensas sem aviso prévio, incluindo inúmeras contas de funcionários do governo. Em janeiro passado, o Twitter também suspendeu a conta dos camaradas da Corrente Marxista Internacional (CMI) na Venezuela, Lucha de Clases, que vinha apresentando um consistente programa socialista de expropriação de indústrias fundamentais e da democracia operária.

Não é difícil ver as implicações desse padrão para as futuras batalhas da luta de classes. Hoje, Trump e seus apoiadores reacionários que estão sendo “barrados” – não por causa das demandas ou por pressão da classe trabalhadora, mas porque Trump passou a ser percebido como uma ameaça intolerável à estabilidade do sistema e de suas instituições. Mas amanhã, os bilionários do Vale do Silício podem facilmente decidir eliminar os relatos de trabalhadores em greve, dos ativistas que coordenam protestos ou das páginas que fornecem notícias e informações sobre os movimentos da classe trabalhadora internacionalmente.

Na era das “fake news”, os capitalistas do Vale do Silício determinam o que é “desinformação” – incluindo perspectivas políticas que desafiam o capitalismo Foto: Anthony Quintano
À medida que a luta de classes se intensifica, o amplo rótulo de “desinformação” pode e será usado também contra as ideias socialistas revolucionárias. Na verdade, ativistas têm relatado a supressão de postagens nas mídias sociais condenando o sistema capitalista pela devastação da crise da Covid-19, sob o argumento de que essa visão constituía uma notícia falsa!

Por uma verdadeira liberdade de expressão e uma mídia democratizada!

O mito burguês hipócrita da “liberdade de expressão” soa particularmente vazio em um sistema de mídia tão abertamente monopolizado por um punhado de bilionários. Para a classe capitalista, a “liberdade de expressão” é tida como um princípio eterno e abstrato; na verdade, é uma fachada para esconder a ditadura da classe dominante por trás de uma cortina de fumaça de “objetividade” e valores “democráticos”.

Os marxistas são a favor da genuína liberdade de expressão, que, como todos os direitos democráticos básicos, deve ser defendida por meio da luta de classes. Isso não significa, no entanto, que somos a favor de que os fascistas possam se organizar e apresentar livremente seus pontos de vista. Mas de quem é a responsabilidade de calar esse lixo humano? As grandes empresas? O Estado capitalista? Não se pode confiar nessas entidades para cortar esse veneno pela raiz. Pelo contrário, a história mostra que, longe de conter a extrema direita, os capitalistas usarão os grupos reacionários como aríete contra a classe trabalhadora. Como último recurso, no contexto de uma ameaça existencial ao seu sistema e de uma séria derrota numa luta revolucionária pelo poder, a classe dominante sempre favorecerá uma ditadura militar de alguma forma antes de entregar o poder à classe trabalhadora.

Em um artigo sobre a situação no México em 1938, Trotsky escreveu sobre a questão da luta contra a imprensa reacionária e advertiu que essa questão não poderia ser tratada exigindo-se a intervenção do Estado capitalista, já que tais poderes seriam então usados ​​contra as organizações de trabalhadores:

É essencial travar uma batalha implacável contra a imprensa reacionária. Mas os trabalhadores não podem deixar uma tarefa, que devem realizar através de suas próprias organizações e sua própria imprensa, nas mãos repressivas do Estado burguês. Hoje o governo pode parecer bem intencionado com relação às organizações dos trabalhadores. Amanhã pode cair, e inevitavelmente cairá, nas mãos dos elementos mais reacionários da burguesia. Neste caso, as leis repressivas existentes serão usadas contra os trabalhadores. Somente aventureiros que não pensam em nada além das necessidades do momento podem deixar de se proteger contra tal perigo. A maneira mais eficiente de lutar contra a imprensa burguesa é desenvolver a imprensa operária. (Leon Trotsky – Liberdade de Imprensa e da Classe Trabalhadora – agosto de 1938)

Propomos métodos de classe para lutar contra a extrema direita: mobilizações de massa da classe trabalhadora para conter as manifestações de extrema direita e evitar que vomitem seu veneno. Em vez do Estado burguês e de leis seletivas de “guerra ao terror”, propomos a autodefesa dos trabalhadores contra a violência da direita e o terror de Estado da polícia racista. Os exemplos embrionários de patrulhas de bairro, como as que se desenvolveram organicamente no verão passado em Minneapolis, poderiam ter sido estendidos a todas as cidades e coordenados democraticamente pelas fileiras do movimento trabalhista. Os trabalhadores das empresas de tecnologia, como os de Google, que começaram a se sindicalizar, podem resolver o problema com as próprias mãos para deter a extrema direita, sem apelar aos patrões.

Em última análise, Amazon, Google, Twitter, Facebook e outros serviços relacionados devem ser nacionalizados e colocados sob o controle democrático da maioria da classe trabalhadora. Sob um governo dos trabalhadores, haveria muito mais diversidade na mídia do que sob a censura capitalista. Os caprichos dos lucros e da publicidade são uma maneira inadequada de atender às necessidades sociais indispensáveis que a mídia satisfaz ou de decidir quem tem acesso a ela. Sob um governo dos trabalhadores, a sociedade será capaz de decidir democraticamente como distribuir o acesso à mídia e como lidar com a propaganda violenta e reacionária. Só assim a “liberdade de expressão” pode ser mais do que a frase hipócrita e vazia que conhecemos agora, sendo realizada na vida real.

Isso foi claramente explicado no programa de 1919 do Partido Comunista Russo, logo após os trabalhadores tomarem o poder:

A democracia burguesa confinou-se à extensão formal dos direitos e liberdades políticas, como o direito de reunião, o direito de associação e a liberdade de imprensa, a todos os cidadãos. Mas, na realidade, a prática administrativa e, acima de tudo, a escravidão econômica dos trabalhadores sob a democracia burguesa, sempre tornou impossível aos trabalhadores fazer um amplo uso desses direitos e liberdades.

Pelo contrário, a democracia proletária, em vez de reivindicar formalmente direitos e liberdades, na verdade os concede primeira e principalmente às classes da população que foram oprimidas pelo capitalismo, ou seja, o proletariado e o campesinato. Para este fim, o governo soviético expropria a burguesia de prédios, gráficas, papelarias etc., e os coloca à completa disposição dos trabalhadores e de suas organizações.

A tarefa do Partido Comunista da União Soviética é atrair massas cada vez maiores da população trabalhadora para o gozo dos direitos e liberdades democráticas e ampliar as possibilidades materiais para isso”.

As “fábricas de impressão e lojas de papel” de hoje são os servidores da web, plataformas de mídia social e aplicativos, mas as ideias básicas neste programa permanecem válidas.

Combater o trumpismo com a luta de classes, não com a censura burguesa e o legalismo!

O crescente descontentamento na sociedade, em última análise uma consequência do esgotamento histórico do sistema capitalista, está alimentando a polarização tanto à direita quanto à esquerda. Enquanto os liberais e os porta-vozes da mídia do establishment burguês condenam o colapso do “centro moderado” e o fim da “civilidade” política e do consenso bipartidário, explicamos que o mesmo processo está levando muito mais pessoas ao socialismo, com a geração jovem de trabalhadores nas primeiras fileiras.

Ao mesmo tempo, a falta de uma oposição visível ao status quo, com independência de classe e de esquerda, dá temporariamente à direita um eco desproporcional como ponto de atração para a raiva na sociedade. Essa situação pode ser resumida como uma crise de liderança da classe trabalhadora.

A tarefa urgente dos socialistas é combater esse vácuo de duas maneiras. A primeira é exigir uma ruptura imediata e inequívoca com o Partido Democrata, que, mais claramente do que nunca, representa o partido de Wall Street e é inerentemente incapaz de servir como um veículo da luta da classe trabalhadora contra o trumpismo. A estratégia de apresentar candidatos “socialistas” nas urnas eleitorais do Partido Democrata, apenas para vê-los capitular perante o establishment, um depois do outro, fracassou de forma clara e total. O caminho a seguir é lutar contra os dois partidos da classe capitalista, trabalhando com os trabalhadores organizados para construir um partido socialista de massas, começando com candidatos socialistas independentes nas grandes cidades.

Os socialistas devem romper com a retórica de ambos os partidos e, de forma paciente e sistemática, defender a nacionalização dos grandes bancos e monopólios, a fim de elevar drasticamente os padrões de vida da classe trabalhadora. Colocando a Fortune 500 sob o controle democrático da classe trabalhadora e planejando conscientemente a economia, poderíamos garantir um salário-mínimo de US$ 1.000 por semana, eliminar a falta de moradia, resolver as crises de habitação, da saúde e da dívida estudantil, cortar as raízes da desigualdade e da opressão, adotar medidas transformadoras para enfrentar a crise climática e, ao mesmo tempo, proteger a subsistência dos trabalhadores.

O segundo elemento, igualmente indispensável na luta contra o trumpismo, é que tal partido deve estar armado com um programa ousado de políticas revolucionárias que atendam às necessidades prementes dos trabalhadores em uma base de classe. Esta é a única maneira de minar a aliança profana de uma porção significativa da classe trabalhadora com Trump e seus bajuladores no Partido Republicano. Esses reacionários cinicamente se apresentaram como “amigos do trabalhador”, como antielitistas – em contraste com os Democratas apoiados pelas corporações.

Em vez de celebrar a retirada da plataforma digital de Trump e seus seguidores da mídia social convencional – por mais reacionários que esses elementos possam ser – os socialistas devem explicar que a classe capitalista e suas instituições não constituem uma defesa contra a ameaça da extrema direita. Somente a classe trabalhadora organizada pode travar uma luta bem-sucedida contra essa ameaça.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM SOCIALISTREVOLUTION.ORG

Deixe Seu Comentário