Imagem: Kees torn, wikimedia

Escassez e gargalos expõem a anarquia do sistema capitalista

Nos últimos meses, a economia mundial deslizou para uma situação de desordem. As lojas estão ficando sem mercadorias, os postos de gasolina estão ficando sem gasolina, os preços da energia dispararam e os principais portos ocidentais ficaram completamente congestionados com enxames de navios enfileirados, às vezes tendo que esperar semanas para descarregar. Assim como nos disseram que a crise da Covid havia passado e que a vida estava voltando ao normal, o mercado mundial está sofrendo o peso de uma série de crises convergentes.

De cadeias de suprimentos e mercados de trabalho ao setor de energia e transporte, têm proliferado gargalos no mercado mundial, deixando os estrategistas do capital preocupados e coçando a cabeça. Coisas que eram tidas como certas, como o fato de que um determinado produto estará disponível ou produzido e que, além disso, será entregue dentro de um prazo razoável, não podem mais ser consideradas como garantidas.

Mas pergunte aos chamados especialistas e eles terão dificuldade em explicar o que está acontecendo fundamentalmente. Para eles, tudo isso parece uma concatenação peculiar de acidentes, todos ocorrendo coincidentemente ao mesmo tempo. Isso prova que acumular pilhas de fatos é inútil se não se compreende o processo subjacente que eles refletem. As violentas oscilações que estamos assistindo na economia mundial expõem um sistema que está imobilizado e incapaz de responder às necessidades da humanidade.

Linhas de abastecimento tensionadas

No ano passado, vimos os primeiros sinais da crise no setor de semicondutores. A mudança para o trabalho doméstico, o aumento das vendas de carros elétricos e o lançamento de consoles de jogos populares impulsionaram a produção de microchip à capacidade máxima, levando a atrasos, que foram particularmente sentidos nas vendas de consoles Playstation e Xbox. Naquela época, isso foi explicado como nada mais do que um pequeno soluço temporário em uma economia em marcha progressiva.

Mas foi precisamente essa economia em expansão que exacerbou o problema, ao não deixar capacidade sobressalente para compensar o crescente acúmulo da produção. Consequentemente, a situação se tornou um sério impasse no mercado mundial, afetando todos os setores possíveis, desde telefones celulares, fornos de micro-ondas e geladeiras a máquinas-ferramentas, peças sobressalentes e carros, todos os quais precisam de chips para funcionar.

Imagem: Brian Snelson
A Toyota, maior produtora de automóveis do mundo, disse que vai cortar a produção em 40%. Em julho, as vendas de carros novos na França caíram 35%, enquanto as vendas na Grã-Bretanha, Espanha, Alemanha e Itália caíram 30%, 29%, 25% e 19%, respectivamente, tudo devido à falta de microchips. Como resultado da escassez de veículos novos, temos a situação absurda em lugares como a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, onde os carros usados frequentemente têm preços mais altos do que os novos.

Outras indústrias enfrentam escassez semelhante. O preço do etileno, por exemplo, o petroquímico mais importante do mundo, aumentou 43% e outros plásticos, como PVC e epóxi, tiveram aumentos de 70% a 170%. Isso ocorre porque um declínio na produção – interrompida pela crise da Covid-19 – não consegue acompanhar a demanda, que está em níveis recordes. Consequentemente, itens como tintas estão em falta, enquanto os preços das embalagens plásticas para alimentos e outros bens sobem vertiginosamente. Tudo isso é exacerbado quando grandes empresas, ansiosas por garantir seu próprio abastecimento, começam a acumular mercadorias e a fazer pedidos antecipados, congestionando ainda mais as cadeias de suprimentos e elevando os preços.

Frete e transporte

Mesmo que as empresas consigam assegurar seus produtos, fazer com que sejam entregues é uma questão totalmente diferente. Todos os navios de carga que vão da China para a Europa – a rota de transporte mais importante do mundo – são reservados com meses e semanas de antecedência, com pouca ou nenhuma capacidade excedente. A demanda por embarques ao longo dessas rotas é tão alta que os portos estão ficando sobrecarregados.

Um número sem precedentes de grandes navios porta-contêineres – quase 500 – está esperando para atracar em portos na Ásia, Europa e América do Norte e alguns deles têm que esperar até duas semanas para descarregar. Tudo isso está elevando os custos de remessa, que estão de quatro a cinco vezes mais altas do que as de um ano atrás. Há um mês, a pressa para garantir as entregas de Natal aumentou o preço para cerca de dez vezes o de um ano atrás.

No último ano e meio, a capacidade de transporte marítimo foi afetada pela pandemia e por uma série de acidentes, como o bloqueio do Canal de Suez pelo navio Evergreen. Ao mesmo tempo, a demanda explodiu como resultado de um boom de gastos no Ocidente. Vendo os gargalos se espalhando como ondas sobre a água, as grandes empresas tentam garantir o máximo de mercadorias e a maior capacidade de transporte possível, dificultando a vida das empresas menores.

As empresas de navegação, por sua vez, estão diminuindo seus serviços para rotas de e para a África e América Latina, bem como a rota do Ocidente de volta à China, concentrando-se nas rotas mais lucrativas da China para a Europa e os EUA. Assim, a quantidade total de contêineres no mercado é reduzida ainda mais, agravando a desproporção entre oferta e demanda e alimentando as forças inflacionárias em jogo.

Escassez de mão de obra

Mesmo além do transporte marítimo, o setor de transporte luta para acompanhar o mercado. Junto com uma demanda sem precedentes, existe uma escassez de mão de obra. Na União Europeia (UE) e na Grã-Bretanha, por exemplo, faltam 500 mil e 100 mil caminhoneiros, respectivamente.

A Covid-19 levou a uma grande mudança em direção às compras online, significando um aumento na demanda por motoristas de caminhão e outros empregos relacionados ao transporte. No entanto, depois de anos de queda nos salários e piora nas condições de trabalho, muitas pessoas não estão mais dispostas a aceitar esses empregos. E na Grã-Bretanha, o impacto do Brexit levou a um déficit de trabalhadores europeus, que representam uma grande parte dessa força de trabalho.

Na verdade, devido à enorme pressão exercida sobre esses trabalhadores durante a pandemia, muitos deixaram o setor de vez, ajudados pelo fato de que as licenças remuneradas e outros benefícios do Estado costumam ser maiores do que os magros salários dos caminhoneiros. Agora, alguns patrões estão tentando atrair trabalhadores com promessas de salários mais altos, mas, devido à falta de motoristas licenciados, isso levará algum tempo para ser filtrado. Esta situação foi agravada ainda mais pela falta de testes para licenças de condução de veículos pesados ​​durante a pandemia. Em outras áreas, como o varejo e a agricultura, processos semelhantes ocorreram entre trabalhadores de baixa remuneração.

No outro extremo do espectro, milhões de empregos de colarinho branco também permanecem desocupados devido a uma demanda crescente e à falta de pessoal qualificado. Tudo isso significa que, enquanto alguns setores, como o da hotelaria, têm enfrentado o aumento do desemprego, outros setores estão enfrentando uma escassez de mão de obra, o que está causando sérios problemas em toda a economia. Só nos Estados Unidos, 5 milhões de empregos permanecem vagos, enquanto na Grã-Bretanha o número é de 1 milhão. A escassez de mão de obra, por sua vez, afeta as linhas de abastecimento e o transporte marítimo.

Crise de energia

A recuperação da economia após a vazante durante o auge da pandemia também teve um grande impacto no setor de energia. Com fábricas, navios e lojas funcionando a todo vapor, os preços do petróleo, gás e carvão aumentaram. Desde janeiro, o preço do petróleo bruto Brent mais do que dobrou, atingindo a maior alta em três anos, a US$ 83,67 por barril. Os preços do carvão também dispararam, levando a cortes de energia e interrupções em mais da metade de todas as instalações de produção na China.

Embora o fornecimento tenha sido interrompido, a economia em expansão levou a um aumento na demanda. Isso fez com que os preços disparassem, principalmente os preços da energia, que começam a se refletir em números crescentes de inflação / Imagem: Financial Times
O padrão a esta altura já deve ser familiar: o fornecimento de carvão foi limitado ou interrompido devido a fatores externos, como as medidas relacionadas à Covid-19 nas minas, a guerra comercial entre a China e a Austrália, bem como as tentativas dos governos para diminuir a dependência de combustíveis não fósseis. Nesse ínterim, a demanda disparou, empurrando os preços para cima.

Assim que o processo começou, novos fatores entraram em cena. O Estado chinês declarou que não pouparia recursos para garantir carvão para a produção, levando a uma corrida para garantir carvão tanto por produtores quanto por especuladores.

A busca por alternativas mais baratas à eletricidade movida a carvão – especialmente na Ásia – levou ao aumento dos preços do gás natural, exatamente quando a Europa estava testemunhando reservas de gás muito baixas no inverno. Consequentemente, os preços do gás explodiram, com os preços a granel chegando a quase 116 euros por megawatt-hora na semana passada, em comparação com 16 euros no início de janeiro. O fato de grandes quantidades de petróleo, carvão e gás natural estarem retidas em navios de contêineres nos oceanos do mundo acrescenta um problema adicional que alimenta a mesma tendência geral: preços crescentes e escassez.

Inflação

Todos as questões acima estão gradualmente se refletindo nos preços, que estão subindo em toda a linha. A inflação na Grã-Bretanha passou de menos de 1% no início deste ano para 3,2% em agosto, a maior em 10 anos. Nos EUA, a medida de inflação PCE, que exclui alimentos e energia, subiu 3,62% em relação ao ano anterior. Esse é o valor mais alto desde 1991. Na UE, a inflação atingiu 3,4%, o nível mais alto em 13 anos. Esses números ainda são relativamente baixos historicamente, mas há potencial para que as coisas piorem. Na Europa, a inflação de energia este ano está em 17%, com os preços do gás devendo subir até 30% neste inverno. Em outros setores, os aumentos de preços levarão mais tempo para serem filtrados, mas estão chegando. Isso terá um impacto profundo na luta de classes.

Depois de quase dois anos de má gestão da pandemia, a legitimidade do establishment está em seu nível mais baixo. Nesse período, a classe trabalhadora manteve a cabeça baixa e aceitou o que estava por vir. Mas, agora, a sociedade está se abrindo, o trabalho está em demanda e a inflação está consumindo rapidamente os salários e as condições de vida. Esta é uma receita pronta e acabada para a luta de classes.

Já há sinais de um ligeiro aumento nas greves. Nos Estados Unidos, dezenas de milhares de trabalhadores entraram em greve ou votaram pela greve, incluindo os carpinteiros do estado de Washington, trabalhadores da saúde e da educação, trabalhadores da John Deere e da Kellog’s etc. Na Grã-Bretanha, as fileiras dos sindicatos Unite e GMB rejeitaram de forma esmagadora um aumento salarial de 1,75% para funcionários dos conselhos municipais na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte, e agora estão convidando os trabalhadores a votar por uma ação de greve. Na Alemanha, onde a inflação atingiu 4,1%, vários setores estão apresentando ousadas reivindicações salariais e ameaçando greves, incluindo a ameaça de uma greve nacional dos trabalhadores da construção.

À medida que a situação piora, outras camadas se unem para defender seus padrões de vida. A classe dominante está claramente preocupada com o potencial para tais desenvolvimentos. Um deputado conservador, David Morris, alertou sobre um novo “inverno de descontentamento” como nos anos 1970, com greves selvagens em massa e agitação social. Devemos lembrar que o inverno de descontentamento na Grã-Bretanha ocorreu precisamente após um choque inflacionário causado pela crise do petróleo, com os preços do petróleo disparando e levando a uma inflação generalizada.

Acidente ou necessidade?

Para onde quer que você olhe, há uma crise se formando e cada crise alimenta a seguinte, construindo o que poderia se tornar uma tempestade perfeita, com consequências dramáticas. Em sua maioria, os comentaristas burgueses não entendem nada do que está acontecendo. Em todos os lugares, eles não veem nada além de uma série de eventos infelizes; um efeito borboleta de proporções colossais, com acidente após acidente levando à escassez e a gargalos que estão abalando o mercado mundial. No entanto, porquê tantos acidentes acontecem ao mesmo tempo e em esferas tão diferentes, eles não podem explicar.

Mas há uma tendência clara por trás de tudo isso. A pandemia deslocou toda a sociedade. Os hábitos mudaram, o consumo mudou e a produção mudou. Gastos com turismo e transporte, por exemplo, diminuíram maciçamente, enquanto produtos como computadores, decoração para casa e geladeiras tiveram maior demanda. A mudança para as compras online foi acelerada, enquanto a prestação de serviços físicos estagnaram. Isso significa que a pressão aumentou em certas partes da economia mundial.

Enquanto isso, a produção em geral foi severamente restringida devido à pandemia. Fábricas, minas e portos foram temporariamente fechados ou operados com capacidade limitada. Em muitas partes do mundo, isso ainda acontece.

Diante dessa situação, as classes dominantes, com o objetivo de evitar uma crise mais profunda e o potencial retrocesso social ocasionado por tal crise, lançaram uma série de grandes pacotes de estímulo econômico. Só nos Estados Unidos, US$ 9,5 trilhões em estímulos foram injetados na economia, grande parte diretamente nas mãos da classe trabalhadora comum, que em grande parte os gastou em bens de consumo comuns. A maioria dos outros governos seguiu uma linha semelhante. Mas, como explicamos na época, não se pode sair de uma crise imprimindo dinheiro.

Onde a produção é restringida e o dinheiro é despejado no sistema, o resultado inevitável é uma situação em que a demanda supera a oferta, criando uma enorme pressão inflacionária. Isso é exatamente o que está acontecendo. A demanda por bens de consumo, embora uma demanda artificial criada pela classe dominante, nunca foi tão alta como hoje. Em uma situação tão carregada de tensões, com a pressão sobre os produtos mais procurados atingindo seu ponto máximo, qualquer acidente pode se tornar um sério gargalo, trazendo à tona as contradições subjacentes.

Essa é uma crise que estava esperando para acontecer. Com a grande maioria das empresas trabalhando agora de acordo com a produção “just-in-time“, qualquer choque como este irá imediatamente enviar ondas de impacto por toda a economia. Por décadas, os burgueses têm extraído lucros da minimização de seus estoques e maximizado de sua circulação de capital: agora isso está se transformando em seu oposto. Assim, o entesouramento repentinamente se tornou a nova tendência. Correndo para garantir seus estoques no futuro, grandes empresas como Walmart, Apple e Target fizeram enormes pedidos antecipados e reservaram capacidade de remessa, aumentando assim a crise geral.

Nacionalismo econômico

Tudo isso é agravado pela ascensão do nacionalismo econômico. No ano passado, a China impôs uma proibição de importação de carvão australiano. Isso teve um impacto significativo no aumento dos preços do carvão em todo o mundo. Os EUA estão agora pressionando cada vez mais a UE para que não conclua o gasoduto Nord Stream 2 que vai da Rússia para a Europa, embora isso pudesse aliviar parte da pressão sobre os preços do gás na Europa. Vladimir Putin, por outro lado, está usando a crise atual para agilizar a aprovação legal do gasoduto Nord Stream 2, embora ele pudesse aliviar rapidamente os problemas da Europa por meio de gasodutos alternativos. Da mesma forma, o Brexit piorou dramaticamente o impacto da crise atual na Grã-Bretanha – uma crise que ameaça empurrar a Grã-Bretanha para uma recessão.

A crise, desde o ano passado, foi agravada pelo aumento das tensões nacionais e do nacionalismo econômico / Imagem: Philfaebuckie
À medida que a insegurança geral aumenta, mais e mais empresas estão pensando duas vezes antes de confiar no comércio internacional. Muitas empresas europeias estão procurando transferir a produção para a Turquia ou Europa Oriental, que seria mais perto de casa e menos afetada por choques repentinos, crises de transporte e guerras comerciais. Vendo sua dependência excessiva dos fabricantes de chips asiáticos, a China, a UE e os EUA estão construindo fábricas de produção de semicondutores.

Na Coreia, a escassez de chips não parece estar afetando as montadoras coreanas tanto quanto as americanas, o que implica que os fabricantes de chips coreanos estão dando tratamento preferencial às empresas nacionais. Na China, o Estado está fazendo de tudo para garantir carvão para suas usinas. Quanto mais tempo durar a escassez, mais a questão do entesouramento e garantia da produção se tornará um assunto nacional, com as classes dominantes de cada país correndo para defender sua própria posição. Em todo o mundo, a crise geral do sistema está levando a um aumento da tensão entre as nações. Isso agora ameaça toda a frágil teia do comércio mundial, que foi a força motriz fundamental do crescimento em todo o período passado.

Forças cegas do mercado

À medida que a crise se desenvolve, o humor jubiloso dos mercados de ações, aquecido pela bonança de estímulos, aos poucos dá lugar a uma atitude mais cautelosa. Com base na escassez e nos gargalos do mercado, o FMI disse que vai rebaixar sua previsão de crescimento econômico mundial. O Financial Times publicou um editorial alertando os bancos centrais para “estarem alertas à estagflação” (a perigosa combinação de declínio econômico com inflação persistente).

Essa perspectiva não está assegurada, mas é claramente uma possibilidade. Existe uma quantidade colossal de material tóxico na economia mundial. De enormes dívidas públicas (US$ 28 trilhões apenas no caso dos Estados Unidos) e dívidas privadas a bolhas nos mercados de ações e imobiliários, qualquer grande choque ou inadimplência pode desencadear um efeito dominó, levando todo o sistema econômico a uma espiral descendente.

No ano passado, trilhões de dólares foram despejados na economia para evitar uma explosão social. Mas se o dinheiro é despejado e começa a circular na economia sem nenhuma expansão da produção, o resultado lógico é a inflação / Imagem: Joint Congressional Committee on Inaugural Ceremoniess
Mas qual é a solução do ponto de vista capitalista? Ao aumento da inflação, se seguirá o aumento das taxas de juros, necessariamente. Mas o aumento das taxas de juros poderia levar a economia mundial a uma depressão. Milhares de empresas “zumbis”, que valem trilhões de dólares no Ocidente, são completamente dependentes de crédito barato para se manterem à tona. O mesmo se aplica a centenas de milhões de famílias, em particular no Ocidente, que só podem ficar com suas casas com base em taxas de juros próximas de zero. Cada aumento nas taxas de juros empurra essas camadas para mais perto da falência.

Mas manter aberto o portão do crédito barato e dos estímulos econômicos pioraria a situação que vemos hoje, levando a uma inflação ainda mais alta; além disso, terminaria em recessão de qualquer maneira. Com base no sistema atual, não há solução. A humanidade é deixada à mercê das forças cegas do mercado, que não dão atenção ao bem-estar da sociedade como um todo.

Mas não deveria o próprio mercado se autorregular e criar o melhor de todos os mundos possíveis? Muito pelo contrário. O capitalismo é incapaz de se ajustar e reagir a grandes choques. Em uma situação como a de hoje, as forças de mercado estão exacerbando as coisas, aprofundando as contradições que se acumulam. Este fato foi reconhecido por Takeshi Hashimoto, presidente da empresa de navios porta-contêineres Mitsui OSK Lines, que disse ao Financial Times:

“Se deixados inteiramente para a economia de mercado, as empresas individuais e os indivíduos, todos fazendo o máximo para encontrar a melhor solução para si mesmos, resultarão em mais e mais turbulência e uma situação fora de controle …”

Como sempre acontece, quando as circunstâncias se agravam, os capitalistas são forçados a admitir os limites de seu sistema. Na verdade, na Grã-Bretanha, a classe dominante teve que introduzir elementos de planejamento, suspendendo temporariamente o direito de concorrência (competition laws) para permitir que grandes varejistas colaborassem para aliviar a escassez de produtos. O mesmo vale para o reabastecimento de combustível para os postos, que agora é organizado de forma coletiva entre as grandes empresas e até mesmo o exército precisou ser convocado para ajudar na tarefa.

O capitalismo é um sistema anárquico. Baseia-se na propriedade privada e na competição pelo lucro. Por mais que o capitalista individual queira resolver os problemas da sociedade, seu objetivo principal é seguir seus próprios interesses privados. Esse sistema é incapaz de lidar com os problemas que a humanidade enfrenta. É precisamente aqui que se torna mais claro do que nunca que ele está em oposição direta aos interesses dos trabalhadores comuns; e que, para que a sociedade prospere, o capitalismo deve ser derrubado.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário