Imagem: Los Pañuelos Rojos, Facebook

Cuba: protestos reacionários fracassam enquanto os “lenços vermelhos” se manifestam para defender a revolução

A tão esperada manifestação da oposição do 15 de novembro (15N) em Cuba não se concretizou. Os laços dos organizadores com Washington e com elementos contrarrevolucionários e terroristas retiraram qualquer legitimidade de seu apelo à mobilização.

A repressão policial seletiva fez o resto. Depois de cancelar a manifestação, a face pública do 15N, o dramaturgo Yunior García, acabou se mudando para Madrid. Mas talvez o desenvolvimento mais significativo nestes poucos dias – sobre o qual a mídia capitalista ocidental tem se calado – foi a ascensão do movimento dos lenços vermelhos.

O fracasso total do 15N desferiu um golpe severo em todos aqueles que esperavam e prepararam o terreno para grandes manifestações antigovernamentais, repressão policial e mudança de regime. Os Estados Unidos emitiram duras advertências sobre mais sanções, caso o governo cubano realizasse uma repressão, no típico padrão duplo do imperialismo, que fecha os olhos para a repressão brutal de manifestantes pacíficos e assassinatos policiais em seu próprio país. Os eurodeputados da União Europeia (UE) tentaram desembarcar na ilha a gritar: “Queremos para Cuba o mesmo que temos na Europa”. Eles estavam se referindo aos chamados “direitos humanos” – direitos sobre os quais a polícia polonesa, na própria UE capitalista, mostra uma consideração muito diferente quando usa gás lacrimogêneo, arame farpado e canhões de água contra refugiados em sua fronteira em busca de asilo e proteção humanitária.

Mas todos eles cometeram um grave erro: subestimaram o sentimento e os instintos anti-imperialistas arraigados do povo cubano. Em 11 de julho, alguns milhares protestaram em várias cidades da ilha. Suas motivações foram várias: muitos protestaram contra a deterioração das condições de vida e as adversidades diárias que sofrem. O bloqueio dos EUA (que Trump apertou substancialmente e Biden deixou intacto) é acima de tudo responsável por esta deterioração, que foi gravemente agravada pela pandemia (que eliminou receitas turísticas vitais) e agravada pelo pacote de medidas do Ordenamiento aplicado pelo governo desde 1º de janeiro. Somam-se a tudo isso os problemas crônicos causados pela má gestão burocrática da economia planejada e o impacto negativo das medidas de abertura ao mercado capitalista.

Entre aqueles que protestaram contra o governo em 11 de julho (11J), havia também uma camada de jovens insatisfeitos com a arbitrariedade, a censura e o burocratismo sufocante do Estado. Finalmente, camadas abertamente contrarrevolucionárias e anexionistas também se fizeram presentes. Por serem os únicos participantes realmente organizados e com ideias claras e um programa, foram estes que dominaram politicamente os protestos.

O fracasso do 15N foi um duro golpe para todos aqueles que esperavam e prepararam o terreno para grandes manifestações / Imagem: Archipélago, Facebook
No entanto, esta conjunção de fontes distintas de descontentamento não se repetiu antes de 15 de novembro. Os organizadores, a chamada “plataforma Archipélago”, fizeram o seu apelo exclusivamente em relação aos direitos democráticos dos presos e indiciados em resultado dos protestos do 11J. Os organizadores não fizeram referência ao estado de dificuldade econômica e nenhuma tentativa de se conectar com os setores mais afetados pela crise econômica, alguns dos quais manifestaram sua frustração no 11J.

Pior do que isso, enquanto “Archipélago” tentava enquadrar o seu apelo em termos de “não violência face à repressão do Estado”, de “diálogo e consenso face à imposição”, na realidade, muitos daqueles que se manifestaram para apoiar publicamente o apelo eram abertamente elementos contrarrevolucionários e até terroristas. Nem Yunior García, nem “Archipélago”, jamais se distanciaram de tais elementos. Ao contrário, toda a sua estratégia se baseava em criar a mais ampla unidade de ação contra o governo cubano. Na prática, seu argumento sobre não ser “nem de direita, nem de centro, nem de esquerda”, como de costume, acabou por significar “uma frente única com as camadas reacionárias mais repulsivas contra a revolução”.

O que acabou desinflando a convocação para uma marcha no 15N foram as ligações comprovadas de Yunior García com os esforços multimilionários de Washington para provocar uma “transição” em Cuba – ou seja, a mudança de regime e a restauração do capitalismo, um plano que também tem um claro componente anexionista.

O povo cubano faz muitas críticas à situação que está enfrentando, com razão, e muitas delas são dirigidas, com razão, ao governo e ao Estado. Estas críticas não são exclusividade daqueles que se consideram parte da “oposição”, mas também são difundidas entre aqueles que apoiam abertamente a revolução. Mas, em Cuba, qualquer protesto ou movimento crítico parece estar vinculado ao imperialismo norte-americano representando o beijo da morte.

Quando essas ligações se tornaram conhecidas e entraram em domínio público, o protesto do 15N passou a ter chance zero de êxito. O próprio Yunior García, percebendo que seria um fiasco, decidiu cancelar o evento alguns dias antes. Alegando o potencial de repressão policial, ele aconselhou seus seguidores a não saírem no 15N. Para salvar as aparências o máximo que podia, anunciou que sairia sozinho no dia 14 de novembro, marchando até a estátua do herói da independência de Cuba, José Martí, no Parque Central de Havana, para fazer a oferenda de uma flor branca. Ele convidou todos os cubanos a darem um passeio, individualmente, no dia 15, vestidos de branco e a organizarem panelaços batendo e aplaudindo de suas varandas. Nada disso aconteceu.

A repressão seletiva, com medidas como a prisão de conhecidos ativistas nos dias anteriores, sem dúvida teve um papel importante. Mas o mais importante de tudo foi o fato de que os organizadores foram politicamente desacreditados e, além disso, passaram de desafiadores a obedientes ao governo. Em 14 de novembro, Yunior García não saiu de casa, conforme havia anunciado. Seu prédio foi cercado por um “ato de repúdio” formado principalmente por mulheres e policiais à paisana. É importante notar que estes atos de repúdio encontraram oposição e rejeição de muitos dos que apoiam a revolução, que consideram que deve ser dada uma resposta política e não de assédio pessoal, que remonta aos piores tempos da Repressão stalinista do Quinquenio Gris (os cinco anos cinzentos de 1971-76).

Imagem: Yunior García ficou em casa / Imagem: Archipélago, Facebook
Diante dessa situação, o homem que se mostra como a cópia de Vaclav Havel em Cuba [o dramaturgo tcheco que liderou a chamada “Revolução de Veludo” que levou à restauração capitalista], ficou em casa em vez de sair sozinho, como havia anunciado ser sua intenção aos seus seguidores. Se tivesse tentado sair de casa, provavelmente teria enfrentado a prisão, o que teria causado um incidente que a mídia internacional, Washington e Bruxelas, teriam usado para redobrar sua campanha contra a Revolução Cubana. Mas, posteriormente, tornou-se claro que ele já havia decidido deixar a ilha alguns dias depois, mostrando o verdadeiro calibre de sua “liderança” e o grau em que está preparado para se sacrificar pela causa em que acredita. Obviamente, na segunda-feira, 15 de novembro, as massas vestidas de branco não se materializaram nas ruas.

Outro fator significativo para o fracasso do 15N foi o fato de coincidir com o fim de todas as restrições ao turismo e com o retorno das crianças às aulas presenciais após muitos meses de medidas de bloqueio para conter a pandemia. O fim das restrições foi possível devido à impressionante campanha de vacinação em massa, com vacinas de fabricação cubana, que levou Cuba, em curto espaço de tempo, a se tornar um dos países com as maiores taxas de vacinação do mundo, incluindo crianças com mais de dois anos.

Em outras palavras, a possibilidade de protestos de rua foi contraposta diretamente ao seu potencial impacto negativo sobre o turismo, que todos entendem ser crucial para a economia cubana; e sobre a educação, uma das conquistas mais caras da revolução.

Quem acredita que o principal fator para o fracasso do 15N foi a proibição oficial do protesto e as medidas policiais tomadas para implementá-la não entendeu nada. Basta olhar para outros países latino-americanos (por exemplo, Chile, Equador, Colômbia, para citar apenas alguns exemplos recentes) onde a repressão policial mais brutal não só resultou em prisões, mas deixou pessoas mortas e mutiladas, e ainda assim falhou em evitar protestos populares massivos.

A Revolução Cubana enfrenta dificuldades gravíssimas e é evidente que existe um clima crítico entre amplos setores da população. Mas isso não quer dizer que os críticos se juntem a uma manifestação claramente contrarrevolucionária, que se opõe abertamente às conquistas da revolução e que está ligada à própria potência imperialista que durante 60 anos utilizou todos os meios em sua tentativa de esmagar a vontade do povo cubano de decidir seu próprio futuro.

Por outro lado, o fracasso do 15N não significa que tudo voltou ao normal em Cuba. Os problemas que a revolução enfrenta (a agressão imperialista, as relações de troca desiguais que Cuba sofre no mercado mundial, a existência da burocracia etc.) persistem. Eles são sérios e devem ser abordados.

Os lenços vermelhos

Por esta razão, talvez o elemento mais significativo da evolução em Cuba nos últimos dias tenha sido o surgimento dos lenços vermelhos. Não por causa de sua importância numérica, mas sim por sua importância política. E, claro, nenhuma mídia internacional deu qualquer atenção às atividades dos lenços vermelhos. Abutres que são, só vieram à ilha em busca de imagens de violência, repressão e “queda do regime”.

Pouco depois dos protestos de 11 de julho, um grupo de jovens revolucionários cubanos decidiu organizar uma ação pública contra o bloqueio e em defesa da revolução, mas fora das instituições oficiais. Finalmente, após atrasos na obtenção da permissão, foi convocada uma concentração de 48 horas junto à estátua de José Martí no centro de Havana, desde sexta-feira, dia 12, ao domingo, dia 14 de novembro. Os organizadores decidiram se autodenominar “os lenços vermelhos”. Participaram ativistas de vários grupos – do Centro Martin Luther King, Cimarronas, La Tizza, do Projeto Nossa América, ativistas LGBT, que lutam pelo novo Código da Família, artistas e estudantes universitários etc.

Talvez o elemento mais significativo dos acontecimentos em Cuba nos últimos dias tenha sido a mobilização dos lenços vermelhos / Imagem: Gerardo Hdez Nordelo, Twitter
O ato reuniu dezenas de revolucionários durante dois dias de cultura, arte, música e discussões políticas, enfrentando o mau tempo. O caráter da manifestação foi análogo ao do Tángana no Trillo, o comício em defesa da revolução que foi organizado após a reunião em frente ao Ministério da Cultura em 27 de novembro de 2020, e de fato, alguns dos participantes eram os mesmos indivíduos, embora o núcleo organizador inicial fosse diferente.

Naquele momento, um grupo de jovens revolucionários lançou a convocação de um comício revolucionário no parque de Trillo, onde se encontra a estátua do patriota negro cubano Quintin Bandera. Rapidamente, as instituições oficiais (UJC, FEU etc.) tentaram cooptar o evento, polindo os seus contornos mais críticos para transformá-lo num simples festival de música, embora não tenham conseguido sufocar completamente o seu conteúdo político.

A mobilização do lenço vermelho incluiu um conjunto de tendências políticas, mas o fio condutor foi a oposição clara ao bloqueio imperialista e a defesa de Cuba e da revolução, ao mesmo tempo em que adotava uma postura crítica de esquerda. Isso se refletiu nas discussões políticas que ocorreram paralelamente às atividades artístico-culturais.

Uma das canções que o trovador cubano Tony Ávila interpretou durante o protesto resume bem o espírito político da atividade. Em “Mi casa.cu”, Ávila fala sobre as mudanças que sua casa necessita, mas avisa que essas mudanças não devem de forma alguma danificar os alicerces da casa. Mais do que isso, não se trata apenas de que a revolução precise de algumas mudanças mantendo as conquistas básicas (que se baseiam na propriedade estatal dos meios de produção), mas que a revolução e seus alicerces só podem ser defendidos com essas mudanças.

Durante o protesto houve um discurso político muito significativo proferido por Luís Emilio Aybar, do Proyecto Nuestra América e La Tizza, em que voltou a sublinhar uma série de ideias contidas nos seus artigos recentes:

Aqueles de nós que somos revolucionários, os comunistas, os anti-imperialistas, estão cientes de tudo o que está errado, porque somos parte do povo e sofremos esses males, males que não se explicam só pelo bloqueio, mas também porque muitas vezes erramos, e também queremos combater isso”.

Aybar alertou claramente contra as “falsas soluções e falsas promessas”:

Se as empresas estatais não funcionam, dizem-nos que devem ser privatizadas. Se eles introduzirem um bloqueio contra nós, somos informados de que temos que render o país para que eles não nos bloqueiem”.

Mencionando as recentes declarações do presidente Díaz-Canel sobre o poder das pessoas, Aybar destacou:

O problema é que as coisas não podem pertencer a todos se não tivermos poder sobre elas, o poder de mudá-las. Socialismo é sinônimo de gente com poder, gente com capacidade de transformar sua realidade, e não de gente sem poder”.

Obviamente, essas são questões cruciais e apontam na direção certa. A economia planejada precisa da democracia dos trabalhadores da mesma forma que o corpo humano precisa de oxigênio. O planejamento burocrático leva ao desperdício, ao privilégio, à corrupção e à preguiça. As conquistas da revolução só podem ser defendidas com a participação real e decisiva da classe trabalhadora na gestão do Estado e da economia.

A melhor forma de combater a contrarrevolução é fazer a revolução”, disse Aybar, que encerrou seu discurso com uma série de slogans muito significativos, entoados pelo público, que incluíam: “Abaixo o burocratismo, abaixo a corrupção, abaixo a desigualdade, abaixo o capitalismo, abaixo o machismo, abaixo a homofobia” e seu equivalente: “viva a revolução, viva Fidel e viva o socialismo!”.

Ainda mais agudo e contundente foi Ariel Cabrera, um estudante comunista de Santa Clara que não pôde viajar para Havana, mas que deixou uma mensagem de apoio aos lenços vermelhos. A sua declaração foi claramente anti-imperialista, mas ao mesmo tempo contra a burocracia, contra qualquer tentativa de restauração capitalista (“sejam elas de inimigos declarados ou daqueles que se dizem amigos”) e a favor dos trabalhadores com poder real “nos locais de trabalho e bairros” e a favor de “mecanismos de gestão democrática do trabalhador nas empresas estatais”.

O que Cabrera levanta aqui é absolutamente correto. Estas são precisamente as mudanças que a “casa” da Revolução Cubana, parafraseando a canção de Ávila, requer se é para lutar contra os ataques dos imperialistas e o perigo da restauração capitalista: controle operário e democracia operária.

Como era de se esperar, ao final do protesto apareceu o presidente Díaz-Canel, justamente quando Tony Ávila cantava sobre as reformas necessárias para sua casa. Houve uma clara tentativa do funcionalismo de cooptar politicamente o evento. Fotos e reportagens sobre o protesto dos lenços vermelhos e a presença do presidente apareceram em todos os meios de comunicação oficiais. No entanto, nenhum deles mencionou os discursos e as discussões mais ásperas que aconteceram lá. Nenhuma menção foi feita sobre o combate ao burocratismo. Não houve referência ao controle dos trabalhadores ou à tomada de decisão pelos trabalhadores. Isso também levanta outra questão que deve necessariamente ser abordada para defender a Revolução cubana: a mídia estatal deve estar aberta a todas as correntes de opinião revolucionária.

A criação dos “lenços vermelhos” é significativa em dois aspectos muito importantes: como um passo à frente na organização autônoma dos jovens comunistas revolucionários e como um fomento à discussão de ideias mais avançadas sobre como defender a Revolução Cubana. Acolhemos essa iniciativa e nos comprometemos a apoiá-la, e nos oferecemos para participar dela de todas as formas que pudermos, como um processo absolutamente necessário de discussão e esclarecimento político já iniciado.

A posição da Corrente Marxista Internacional é clara: Devemos defender a Revolução Cubana. Isso significa, antes de tudo, se opor ao bloqueio imperialista e à agressão a que está submetida a Revolução Cubana, e a defesa do caráter nacionalizado dos meios de produção em que se baseiam suas conquistas. Nós nos opomos à restauração capitalista e ao controle da burocracia sobre a economia e o Estado, o que mina a revolução. A economia planejada requer a democracia dos trabalhadores, a participação democrática da classe trabalhadora em todas as decisões. A luta pela defesa da Revolução Cubana é travada também no campo da luta de classes internacional. A democracia operária tem seu corolário no internacionalismo proletário, a luta pelo socialismo internacional que romperia o isolamento da revolução.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário