Imagem: EFF/Twitter

África do Sul: a política xenofóbica dos Combatentes da Liberdade Econômica

A recente campanha dos Combatentes da Liberdade Econômica (EFF, sigla em inglês) de “inspeções trabalhistas” em restaurantes em Gauteng é uma descida reacionária à política xenofóbica dos partidos de direita como ActionSA e a Patriotic Alliance. Esses grupos de direita são muito pequenos em escala nacional, mas sua mensagem foi amplificada por elementos oportunistas nos partidos maiores, como a DA (Aliança Democrática) e o ANC (Congresso Nacional Africano). Agora, escandalosamente, os EFF entraram na briga.

De acordo com os EFF, o objetivo da campanha é buscar uma relação de 60 a 40 por cento entre o emprego de trabalhadores migrantes e trabalhadores sul-africanos no setor de hotelaria e turismo. Essa é uma maneira perigosa de colocar a questão, particularmente no contexto do sentimento anti-imigrante estimulado por políticos de direita em todos os setores. Em vez de enfrentar isso, os EFF estão se rendendo a essa demagogia de direita abertamente.

Aderindo à ala direita

Pela forma pública e teatral como os EFF fizeram suas travessuras, encorajarão aqueles que já culpam os migrantes por seu sofrimento em um país onde o desemprego juvenil é superior a 60%. No contexto de empobrecimento e desespero em massa, isso cria uma situação perigosa. Em vez de promover a unidade dos trabalhadores, criará mais barreiras entre eles.

Isso também legitima a posição de partidos reacionários como a ActionSA e a Patriotic Alliance sobre esta questão. Para ilustrar esse ponto, após a campanha dos EFF, a Patriotic Alliance aumentou a aposta em sua xenofobia ao realizar “inspeções” próprias em pequenas empresas de propriedade de migrantes no Eldorado Park, em Joanesburgo. Para não ficar atrás, o Partido da Liberdade Inkatha, um partido reacionário que defende o nacionalismo zulu, anunciou que havia apresentado um projeto de lei de Membros Privados ao parlamento pedindo uma regulamentação estrita do trabalho migrante em toda a economia.

As ações dos EFF ocorrem em um contexto em que os partidos políticos estão assumindo posições perigosas de direita sobre migração, com a ActionSA e a Patriotic Alliance entre as mais brutas. Organizações xenofóbicas pequenas, mas vociferantes, como os autoproclamados ‘veteranos de Umkhonto weSizwe’ [Nota: Umkhonto weSizwe era o braço armado do ANC], que destruiu barracas de migrantes em Durban, e a All Truck Drivers Foundation, se envolvem em violência xenofóbica impunemente. Esses elementos são usados ​​para desviar a atenção da verdadeira causa da crise do desemprego, ou seja, o sistema capitalista. É usado pelos agentes da classe dominante para atravessar a raiva crescente na sociedade. Consciente ou inconscientemente, os EFF estão facilitando isso.

Alimentando as chamas

À medida que a crise do capitalismo se aprofunda, políticos de todo o espectro alimentaram as chamas da xenofobia na África do Sul. Políticos sem escrúpulos, como Herman Mashaba, que se separou da Aliança Democrática para formar a Action SA; Gayton McKenzie, da Patriotic Alliance, e o ministro do governo do ANC, Aaron Motsoaledi, usaram essa tática para vestir seu chauvinismo na linguagem da legalidade e da “restauração da ordem”.

Políticos sem escrúpulos, como Herman Mashaba, que se separou da Aliança Democrática para formar a ActionSA, usaram táticas de xenofobia para vestir seu chauvinismo com a linguagem da legalidade e da ‘restauração da ordem’. / Imagem: domínio público.

Foi durante o mandato de Mashaba como prefeito de Joanesburgo pela Aliança Democrática que ele mostrou abertamente sua xenofobia em nível nacional. Mashaba, ex-presidente da Free Market Foundation, encenou um golpe publicitário infame ao prender um comerciante de rua que empurrava um carrinho de cabeças de vaca em Joanesburgo em 2018, alegando que o fez por razões de saúde e segurança, mas acrescentou que é não “vai sentar e permitir que pessoas como você nos tragam o Ebola em nome dos pequenos negócios”.

Apesar de sua xenofobia e do fato dele ser capitalista, os EFF não viram nada de errado em manter relações amistosas com Mashaba durante seu mandato como prefeito de Joanesburgo. Após a recente campanha dos EFF, Mashaba não conseguiu conter sua alegria quando declarou: “Primeiro eles te ignoram, depois riem de você, depois brigam com você… e depois copiam você. Alguns políticos neste país!.

Mas isto não é tudo. Os EFF fizeram de Vusi Khoza seu presidente provincial de Kwazulu-Natal, apesar de sua condenação por participar de ataques anti-migrantes enquanto era conselheiro do ANC em 2009. Esses são os tipos de reacionários com os quais os EFF se associaram!

O cinismo do governo do ANC, e especificamente do Ministro do Interior, Motsoaledi, é particularmente espantoso. Motsoaledi tornou impossível para solicitantes de refúgio requerer asilo ou renovar suas permissões por quase dois anos por causa das restrições de bloqueio. Apenas nos últimos meses o departamento disponibilizou renovações online – mas muitos solicitantes de refúgio ainda lutam para renovar suas autorizações.

Há também uma ligação entre o uso crescente de linguagem xenofóbica e estereótipos por políticos burgueses e os grupos de vigilantes organizados que saem às ruas, ameaçando e intimidando os migrantes. O grupo de vigilantes ‘Operação Dudula’ tomou as ruas de Soweto, confiscando mercadorias de vendedores ambulantes e expulsando-os do ponto de táxi em frente ao hospital Chris Hani Baragwanath. O grupo então divulgou uma carta dizendo aos migrantes em empregos de baixa qualificação e que trabalham como vendedores ambulantes e artesãos para cessar as atividades.

A Operação Dudula é apenas a mais recente de uma série desses grupos. Um dos líderes da Operação Dudula, Nhlanhla Lux, postou um vídeo em sua página do Instagram vestindo um uniforme de camuflagem e declarando… “Nós somos o povo da África do Sul. Estamos aqui sem espírito de negociação de nada. Estamos aqui para recuperar nosso país e é isso. Nós chegaremos e vamos limpar a África do Sul porque isso não pode ser normalizado”, disse ele. Acrescentou que ele e os que o rodeiam estão dispostos a “morrer por este país” para o livrar “dos estrangeiros ilegais que continuam a participar no crime”.

O Fórum Popular de Sisonke foi um dos grupos por trás dos ataques xenofóbicos de 2019 em Joanesburgo, nos quais pelo menos 10 pessoas foram mortas. O fórum disse estar irritado com os jovens perdendo suas vidas para as drogas que os migrantes supostamente lhes venderam, e porque os migrantes tiveram preferência por certos empregos à frente dos sul-africanos. A reacionária All Truck Drivers Foundation (ADTF) fez afirmações semelhantes. Apesar de negarem qualquer envolvimento na violência, foram feitas ligações entre a ADTF e os mais de 200 motoristas de caminhão que foram mortos em ataques à indústria de frete na África do Sul.

A hipocrisia do maior partido burguês, a Aliança Democrática, estava em plena exibição, pois alegava “se manifestar” contra a recente intimidação dos EFF aos trabalhadores de restaurantes. O porta-voz da Aliança Democrática para o trabalho, Michael Cardo, rotulou isso de “terrorismo no local de trabalho”. Este é o mesmo partido que fez uma campanha racista e xenofóbica para “segurar nossas fronteiras” durante as últimas eleições nacionais. Em vez de lidar com a corrupção e as ineficiências nos assuntos internos para processar e emitir autorizações de asilo e refugiados, os políticos usaram como bodes expiatórios migrantes negros empobrecidos, transformando-os em alvos de grupos hostis.

Mesmo antes da pandemia, gangues organizadas assediaram, atacaram e expulsaram migrantes de suas casas no município de Alexandra, em Joanesburgo, e no subúrbio de Orange Grove. Nenhum desses grupos foi preso, com poucos perpetradores de violência xenofóbica presos e condenados ao longo dos anos. De fato, agências estatais como o Departamento de Polícia do Metrô de Joanesburgo têm sido ativamente cúmplices em marginalizar ainda mais os migrantes com sua campanha Buya Mthetho. Lançada ostensivamente para “criar comunidades seguras para nossos moradores” no centro da cidade, a campanha vitimizou principalmente os migrantes. A polícia do metrô twittou uma foto de dois policiais prendendo uma pessoa sem documentos em 25 de janeiro. Um emoji do diabo foi colocado sobre o rosto do migrante.

É neste contexto que os EFF estão realizando uma campanha imprudente de acrobacias de inspeção em restaurantes para “expor” o uso de mão de obra migrante e exigir o emprego de mais trabalhadores nascidos na África do Sul. Em vez de ajudar a organizar os trabalhadores em sindicatos e exigir melhores condições para os trabalhadores em geral e se opor à política anti-imigrante com a mobilização revolucionária da classe trabalhadora, o partido está jogando gasolina nas chamas ao favorecer a direita.

A violência está cada vez mais organizada e, em algumas partes do país, cada vez mais institucionalizada na política partidária. Em muitos distritos de Durban, as estruturas locais do ANC agora incluem “fóruns de negócios”, geralmente organizações abertamente armadas que, no estilo clássico da máfia, exigem acesso a licitações e negócios privados, muitas vezes sob ameaças abertas de violência.

A conduta dos EFF dificilmente poderia ser mais imprudente e sem princípios. Visitas intimidadoras a restaurantes para exigir cotas de emprego de migrantes é a política dos reacionários de direita. Isso não tem nada em comum com a política revolucionária. É um meio de dividir os trabalhadores em linhas nacionais; algo que só beneficia os patrões.

Os trabalhadores de restaurantes estão entre os mais explorados. Eles também estão entre os menos sindicalizados. É agora imperativo que os trabalhadores de restaurantes em toda a África do Sul se sindicalizem, independentemente do país de origem, para melhorar as suas condições de trabalho e, na grande tradição do sindicalismo, afirmar que um prejuízo para um é um prejuízo para todos.

É necessário que todos os trabalhadores e todos os sindicalistas tomem uma posição clara contra isso e condenem essa xenofobia. Durante os ataques de 2008 aos migrantes, foram os sindicalistas e ativistas da classe trabalhadora que puseram fim à violência. No entanto, não basta apenas marchar contra esses desenvolvimentos reacionários. Os sindicatos precisam organizar todos os trabalhadores migrantes em sindicatos de luta para melhorar as condições de todos os trabalhadores em geral. A resposta à política de divisões da direita deve ser respondida com a unidade da classe trabalhadora!

Desilusão com o establishment político

Há um profundo sentimento de raiva, frustração e desilusão em geral na sociedade sul-africana. Isto é particularmente verdadeiro para os eleitores tradicionais do ANC. Na última eleição do governo local, o partido ficou pela primeira vez abaixo da marca de 50%. Se isso se repetir nas eleições nacionais de 2024, o partido perderá a maioria no parlamento. No entanto, essa desilusão com o ANC não se correlaciona com a ascensão de nenhum dos principais partidos da oposição. O segundo maior partido, a Aliança Democrática, também perdeu terreno em relação à última eleição do governo local. De fato, apesar da profunda crise, o ANC ainda é duas vezes maior que a Aliança Democrática. E o terceiro maior partido, os EFF, obtiveram ganhos apenas moderados ao aumentar sua votação de 8% para 10,3%. Os votos foram distribuídos por uma parcela muito maior de pequenos partidos da oposição.

Há um profundo sentimento de raiva, frustração e desilusão em geral na sociedade sul-africana. / Imagem: Marcopieterse.

A maior característica da última eleição é a taxa de abstenção. Apenas um terço dos eleitores compareceu. Não apenas eles estão se afastando das pesquisas, mas menos eleitores estão registrados agora do que em 2019. Mas nos subúrbios, onde os eleitores da oposição tendem a viver, a queda foi pequena em comparação com os municípios onde vivem a classe trabalhadora e a população pobre. Em outras palavras, a menor taxa de participação e registro não foi uma declaração de todos os eleitores – foi uma mensagem dos apoiadores do ANC. Em vez de mudar seus votos para o principal partido burguês ou para os EFF, milhões estão simplesmente ficando de fora. Nem a Aliança Democrática à direita nem os EFF à esquerda são vistos como uma alternativa real. Nos últimos anos, o crescimento dos EFF desacelerou em comparação com os primeiros cinco anos de sua existência, quando conseguiu atrair uma camada de trabalhadores e jovens radicalizados.

Essa abstenção em massa do processo eleitoral não é “apatia política”, como sugerem alguns comentaristas. É um sinal de desilusão. É também um sinal de que os trabalhadores foram bloqueados no campo eleitoral e podem voltar a se voltar para o campo industrial. No próximo período, poderíamos, portanto, ver mais uma vez um aumento acentuado de greves e ações em indústrias semelhantes ao período entre 2009 e 2013.

O problema é o capitalismo!

A raiz dessa violência bárbara está na profunda crise do capitalismo. Uma certa camada da liderança do ANC agora vive vidas completamente diferentes e desconectadas da maioria do povo. A xenofobia que vemos é o produto direto das políticas capitalistas criminosas impostas à sociedade pelo governo e pelos capitalistas. Em um país com imensa riqueza, muitas pessoas vivem em condições terríveis. Desemprego, pobreza, falta de moradia e racismo formam um peso esmagador sobre os ombros da maioria dos trabalhadores.

A diferença entre ricos e pobres é maior do que era nos dias sombrios do Apartheid – e está aumentando a cada dia. Na África do Sul, os 10% mais ricos da população possuem mais de 85% da riqueza familiar. O 0,01% mais rico possui mais riqueza do que 32 milhões de pessoas. Uma pequena minoria, que possui e controla a imensa riqueza do país, está reduzindo ainda mais os padrões de vida por causa da crise do capitalismo.

O descontentamento está crescendo entre a maioria cujas perspectivas econômicas estão se tornando mais sombrias. A taxa de desemprego é agora superior a 30%. Para a maioria das pessoas, a vida foi reduzida a uma batalha diária pela sobrevivência. Seus sonhos foram esmagados por este sistema capitalista explorador, que está revertendo diariamente os ganhos que foram conquistados por sacrifícios no passado.

Nesse contexto, alguns setores da sociedade não encontraram uma saída para sua raiva e frustração. Estes são principalmente pequenos lojistas, pessoas de classe média baixa e desempregados, elementos lumpen e jovens desvalidos e descontentes que perderam toda a esperança no futuro. Após décadas de aprofundamento da pobreza, desemprego e agravamento das condições, movidos pelo desespero e pela raiva, e sem perspectiva de melhorias, é fácil para essas camadas caírem sob a influência dos reacionários. As camadas mais pobres da sociedade sul-africana estão sendo incitadas contra pessoas igualmente pobres, enquanto os ricos e poderosos responsáveis ​​pela bagunça não são afetados.

O que estamos vendo são explosões reacionárias de elementos descontentes e insatisfeitos na sociedade que foram descartados e que encontraram temporariamente uma maneira de expressar sua raiva. No final, é apenas a luta pela derrubada desse monstruoso sistema capitalista que pode resolver as questões de pobreza e miséria e as tendências reacionárias que elas geram.

TRADUÇÃO DE MICHELLE VASCONCELLOS.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário