Afeganistão: a traição cínica do imperialismo dos EUA

A guerra mais longa da América terminou em vergonha e humilhação abjeta para o imperialismo dos EUA. Vinte anos após a invasão do Afeganistão, a força militar mais poderosa que o mundo já conheceu sofreu uma derrota total nas mãos de um bando de fanáticos religiosos primitivos.

A queda de Cabul marcou o fim de uma blitz de sete dias em que as forças do Talibã ocuparam uma área que abrange mais da metade do país, incluindo suas cidades mais populosas. Eles agora controlam todos os distritos do país.

No entanto, não faz muito tempo, o presidente dos EUA, Joe Biden, garantiu a todos que o Talibã não tomaria Cabul; nem assumiriam o controle de todo o país; que haveria um governo de reconciliação nacional, conforme acordado com o Talibã. E assim por diante.

Um mês atrás, ele declarou com segurança que:

A probabilidade de o Talibã invadir tudo e ocupar todo o país é altamente improvável. Fornecemos aos nossos parceiros afegãos todas as ferramentas – deixe-me enfatizar: todas as ferramentas, treinamento e equipamento de qualquer exército moderno”.

Agora, todas essas promessas se tornaram palavras ao vento. As tropas americanas nem mesmo haviam concluído a retirada planejada, quando o Talibã atacou como um tigre à espreita. A velocidade do ataque colocou o governo já desordenado de Cabul em pânico.

De acordo com autoridades americanas, o regime afegão, seu exército e sua polícia deveriam assumir o controle do país quando os EUA se retirassem. Mas o regime não era visto por nenhum lado. O exército afegão, treinado e armado pelos militares dos EUA e com 300 mil soldados, derreteu diante dos islâmicos simplesmente equipados, que, mesmo pelas estimativas mais generosas, compreendem não mais do que 75 mil combatentes em tempo integral.

Na última semana, houve um contraste forte entre o linguajar corajoso dos comandantes do exército e dos políticos – com todos jurando lutar até o amargo fim – e seu fracasso completo e traiçoeiro em oferecer qualquer resistência quando chegasse a hora de fazê-lo. Em uma cidade após a outra, as mesmas pessoas que estavam batendo no peito poucos dias antes, entregaram o poder ao Talibã e fugiram do país ou, em alguns casos, mudaram de lado e ofereceram seus serviços ao novo regime.

O exército afegão caiu rapidamente em estado de dissolução. Cidade após cidade caía enquanto os soldados do governo se rendiam em massa, entregando suas armas ao Talibã em troca de dinheiro.

Quando a frente de batalha se aproximou de Cabul, o governo anunciou que negociaria uma transferência pacífica de poder, que garantiria os direitos básicos dos afegãos. O presidente Ashraf Ghani chegou a anunciar que um acordo foi firmado para formar um governo de transição composto por representantes do Talibã e do antigo regime.

Antes que qualquer detalhe desse acordo fosse anunciado, chegou a notícia de que Ghani havia fugido do país. O regime corrupto e reacionário de Ashraf Ghani ruiu como um castelo de cartas. Ghani fez uma última transmissão de TV para sua nação, exortando-os a lutar até o fim, então prontamente fez as malas e fugiu em um avião particular para o Tajiquistão, onde pode ter certeza de um exílio confortável, enquanto seu povo é mais uma vez confrontado com todas as delícias do governo Talibã.

O mesmo padrão foi observado em todo o país. Enquanto as massas estavam sendo enganadas por uma falsa sensação de segurança a partir das declarações oficiais, acordos eram feitos nos bastidores entre funcionários do antigo regime e o Talibã. Alguns especularam que os imperialistas norte-americanos também participaram desse acordo no final, em um exercício de salvamento para garantir uma saída de Cabul sem derramamento de sangue e evitar uma humilhação ainda maior.

Enquanto Ghani e seus parceiros estavam ocupados cuidando deles próprios, enxames de combatentes do Talibã invadiram a capital sem qualquer resistência. Agora as massas afegãs, que tanto sofreram nas mãos do imperialismo dos EUA, estão se preparando para o retorno do governo teocrático. O retorno dos fundamentalistas islâmicos lançou terror nos corações do povo afegão. Conforme as forças insurgentes se aproximavam de Cabul, o pânico explodiu na capital.

Enquanto os trabalhadores, os pobres, as mulheres e todos os outros que sofreram nas mãos do Talibã eram deixados por conta própria, os ricos estavam ocupados em se salvar. Dezenas de membros da elite foram vistos fugindo do país. Outros mudaram de lado e se juntaram ao Talibã. O ministro da Defesa, Bismillah Mohammadi, teria fugido para os Emirados Árabes Unidos com seus filhos. Humayoon Humayoon, o ex-vice-presidente e anteriormente um aliado próximo de Ghani, disse que foi nomeado chefe de polícia de Cabul pelo Talibã.

Nas horas em que Cabul estava caindo, uma delegação composta por senhores da guerra e empresários do norte do país, que era a base mais forte do antigo regime, foi vista em uma viagem ao Paquistão – principal financiador do Talibã. Presumivelmente, o objetivo da visita era negociar seu futuro papel na nova ordem. Enquanto isso, os pobres e oprimidos eram deixados à própria sorte.

Apesar das proclamações oficiais do Talibã de que respeitará os direitos das mulheres e concederá anistia a todos aqueles que não resistirem, estão surgindo relatos de intelectuais e mulheres sendo assassinadas. Ontem, em Herat, as alunas foram rejeitadas na universidade e as funcionárias do banco foram orientadas a voltar para casa. Em Kandahar, houve relatos de buscas porta a porta de jornalistas que trabalharam com veículos estrangeiros. Nos próximos dias e semanas, esse terror continuará enquanto o Talibã tenta consolidar seu governo.

Os porta-vozes públicos do Talibã estão dando uma demonstração de doce razoabilidade em frente às câmeras de TV. “Não somos os mesmos de antes”, dizem eles. “Aprendemos muitas lições”. E assim por diante. Mas absolutamente nenhuma credibilidade pode ser atribuída a essas declarações. Seu único objetivo é acalmar os nervos da “comunidade internacional” e, assim, eles esperam, diminuir o perigo de intervenção militar estrangeira.

A renovação da intervenção estrangeira é uma perspectiva distante. Joe Biden fez sua escolha e não há como voltar atrás. Seus oponentes políticos aproveitarão a oportunidade para denegrir seu nome como “o homem que traiu os afegãos”. Ele protestou em vão que foi seu antecessor, Donald Trump, quem tomou a decisão fatídica de retirar as tropas americanas do Afeganistão.

Isso não vai satisfazer ninguém. Em qualquer caso, não muda nada, uma vez que nem os Republicanos nem mais ninguém está propondo seriamente uma nova intervenção militar. É verdade que, ao longo de uma semana, o número de tropas americanas posicionadas no Afeganistão aumentou de mil para três mil, depois para cinco mil e um pouco mais tarde para seis mil.

Mas a intenção de enviar tropas para Cabul não é lutar contra o Talibã, mas facilitar a evacuação de até 20 mil cidadãos norte-americanos e outro pessoal cercados em Cabul. Mas mesmo isso provou ser complicado. À medida que a semana avançava, ficou claro que os EUA não farão muito pela maioria dos que serão alvos da repressão do Talibã.

Milhares de afegãos foram aos serviços consulares dos EUA para garantir um visto e um voo para fora do país – sem dúvida para a grande maioria, o esforço foi em vão. A partir de sábado, o aeroporto de Cabul foi inundado com pessoas desesperadas tentando deixar o país no último minuto antes que o Talibã assumisse o controle.

Outros tentaram sair de carro, resultando em um congestionamento e paralisação total do trânsito na cidade. O Talibã disse que permitiria que as pessoas saíssem de Cabul, mas para onde elas podem ir, onde estarão seguras? A ideia sugerida pelo governo dos Estados Unidos, de que o Talibã pode de alguma forma ser controlado por meio de negociações, já se provou uma ilusão irremediavelmente ingênua.

Em meio a cenas de caos e pânico no Aeroporto Internacional, milhares de afegãos desesperados tentaram fugir antes que os EUA terminassem de evacuar todos os seus civis e militares. Nesse ponto, seus “amigos” e “aliados” afegãos seriam deixados à própria sorte em um ato de cínica traição e covardia.

Isso era exatamente o que não deveria acontecer. A retirada dos EUA do Afeganistão deveria ser um assunto ordeiro. De acordo com Biden, não haveria repetição da evacuação de Saigon pelos Estados Unidos em 1975 – aquele desastre humilhante que marcou o fim da Guerra do Vietnã:

“O Talibã não é o exército norte-vietnamita. Eles não são – eles não são nem remotamente comparáveis em termos de capacidade. Não haverá nenhuma circunstância em que se vejam pessoas sendo resgatadas do telhado de uma embaixada dos Estados Unidos vindas do Afeganistão. Em absoluto, não se pode comparar”.

Na verdade, o que estamos vendo é precisamente uma repetição do cenário de Saigon, até as cenas de helicópteros militares transportando pessoas para fora da embaixada dos Estados Unidos são similares. No entanto, o cenário atual é pior. A desordem é tanta que o Talibã, na maioria dos casos, marchava de distrito em distrito praticamente sem oposição.

Há apenas alguns meses, ao anunciar a retirada dos EUA do Afeganistão, Biden prometeu que garantiria a sobrevivência do regime afegão, que impediria o ressurgimento do regime islâmico absoluto e que protegeria os direitos das mulheres. Ele iria conseguir isso, de alguma forma, enquanto as tropas eram removidas para uma distância segura. Mas rapidamente ficou claro que os EUA mal podiam garantir a segurança de seu próprio pessoal, muito menos a segurança do povo afegão.

Mesmo muitos daqueles que tinham meios financeiros para garantir passagens aéreas para o exterior não puderam embarcar em seus aviões. Os militares dos EUA fecharam o aeroporto de Cabul para dar lugar aos seus próprios voos. Claro, esse foi o destino de algumas pessoas abastadas e de classe média. A maioria dos afegãos não consegue nem mesmo pagar uma corrida de táxi até o aeroporto. Para eles, há pouco a fazer agora, a não ser esperar e se preparar para enfrentar novos e mais intoleráveis níveis de adversidade.

Eventualmente, as enormes multidões que se reuniram no aeroporto desde que o Talibã assumiu o controle da capital, invadiram as pistas em tentativas desesperadas de escapar do país. Eles sabiam agora que suas vidas estavam em risco apenas por serem vistos voltando para casa do aeroporto. Mas, em vez de recebê-los, as forças dos EUA supostamente atiraram para o ar para dispersar as multidões que tentavam entrar nos aviões. Na segunda-feira, dois homens foram mortos por soldados americanos, enquanto três teriam morrido após cair da parte inferior da fuselagem de um avião a que tentaram se agarrar logo após a decolagem. Esta é uma medida de como o imperialismo dos EUA vê seus “aliados” – eles são bucha de canhão, desde que sejam úteis. Então, uma vez perdida sua utilidade, são descartados como lixo inútil.

Como o Talibã venceu?

O governo Biden foi rápido em apontar o dedo ao povo afegão, conclamando-o a “lutar por si mesmo”. Mas a maneira como lidou com a retirada dos Estados Unidos fez com que a balança de forças oscilasse a favor do Talibã. Ao indicar a data para uma retirada completa dos EUA, com meses de antecedência, ele deu ao Talibã luz verde para atacar, bem como todo o tempo de que precisava para preparar sua ofensiva final.

Mas a traição foi muito mais profunda do que isso. Nas negociações de fevereiro, os Estados Unidos cederam a todas as demandas apresentadas pelo Talibã, sem obter nenhuma concessão em troca. Por si só, isso serviu para levantar o moral dos islamitas, ao enviar um sinal claro ao exército afegão de que os EUA estavam puxando o tapete debaixo de seus pés. Um efeito dominó foi posto em movimento, no qual comandantes e políticos afegãos lutaram para fazer acordos com o Talibã.

Então, apesar de vários avisos do Pentágono, Biden não conseguiu acelerar os planos de retirada dos EUA, imaginando que faltariam meses para o conflito chegar ao fim. Isso ampliou ainda mais a sensação de caos e desordem – para o benefício dos jihadistas. A cada passo, a incompetência e despreparo dos EUA, e sua disposição de ceder a qualquer demanda do Talibã, acelerou a rápida desintegração do exército afegão e do aparelho de Estado.

O Estado afegão sempre foi um mero fantoche do imperialismo norte-americano. Foi uma ferramenta da ocupação americana do Afeganistão, que custou centenas de milhares de vidas e causou miséria e sofrimento incomensuráveis para as massas. Era, portanto, um aparelho repressivo e odiado. Era composto pelos oportunistas mais reacionários que venderiam voluntariamente seu país pelo preço ajustado – uma coalizão de ex-tecnocratas expatriados, senhores da guerra locais e patrões para os quais o regime e o Estado eram pouco mais do que um meio de enriquecimento pessoal. Sob seu governo, as pessoas – a maioria das quais vive em profunda pobreza – não tinham acesso até mesmo aos serviços públicos mais básicos sem um suborno.

O exército afegão, oficialmente composto por 300 mil soldados, estava cheio de “soldados fantasmas”; isto é, soldados que existem apenas no papel como meio de canalizar dinheiro para os bolsos dos comandantes e das elites locais. No final, sua função real nunca foi mais do que a de um manto para o imperialismo americano. Onde conseguiu operar, foi visto com muito mais frequência como uma força de ocupação do que como um exército nacional. Não é de se admirar que tal prédio podre, uma vez abandonado pelo imperialismo dos EUA, desabaria com um único pontapé.

O exército afegão estava cheio de “soldados fantasmas”, isto é, soldados que existem apenas no papel como meio de canalizar dinheiro para os bolsos dos comandantes e das elites locais.

As massas afegãs odeiam o Talibã. Mas, por outro lado, ninguém acredita no regime corrupto imposto pelos EUA e, certamente, ninguém está disposto a arriscar suas vidas para salvá-lo. Em contraste, as forças do Talibã são compostas por fundamentalistas islâmicos endurecidos e fanáticos, para os quais morrer como um mártir é o maior prêmio.

Este movimento reacionário foi apoiado e nutrido ao longo de décadas pela classe dominante do Paquistão, que historicamente desejou dominar o Afeganistão. Recentemente, porém, também obteve apoio crescente do Irã, China e Rússia, todos os quais estão preocupados com a crescente instabilidade implícita na retirada do poder dos EUA.

Isso ajudou o Talibã a ganhar mais impulso. Essas potências visam de alguma forma domar os islâmicos, oferecendo-lhes incentivos econômicos e políticos para restringir suas atividades dentro das fronteiras do Afeganistão. Mas isso não será necessariamente uma façanha simples. O Talibã não é um movimento centralizado; nem é dirigido por homens racionais que podem ser facilmente controlados. O imperialismo dos EUA teve várias experiências de primeira mão para convencê-los desse fato.

Quem pode ser confiável?

O cinismo do imperialismo ocidental está exposto para todo o mundo ver. As mesmas pessoas que falam todos os dias sobre os chamados “valores ocidentais”, como “democracia” e “direitos humanos”, agora estão saindo do Afeganistão e deixando seus ajudantes locais à mercê de uma gangue de bárbaros atrasados. O secretário de Defesa do Reino Unido expressou tristeza porque “algumas pessoas não vão voltar” enquanto a Grã-Bretanha tenta evacuar seus próprios cidadãos e alguns dos afegãos que colaboraram com suas forças. Enquanto “ajudar as pessoas” significasse bombardear e invadir uma nação pobre, nenhum recurso foi poupado. Mas uma linha é traçada quando “ajudar as pessoas” significa proteger a vida das pessoas, ajudando-as a fugir de um regime assassino.

O imperialismo norte-americano e as forças da Otan que o apoiam invadiram o Afeganistão prometendo erradicar o fundamentalismo islâmico e construir uma nação moderna e democrática. Vinte anos mais tarde, depois que trilhões de dólares foram gastos, centenas de milhares de vidas foram perdidas e uma geração inteira foi devastada, o Afeganistão não está nem um centímetro mais perto dessas promessas. Depois de terem devastado o país por 20 anos, esses covardes agora estão finalmente fugindo como cães com o rabo entre as pernas, deixando o povo afegão à mercê dos alucinados do Talibã. Por isso, eles merecem ser amaldiçoados eternamente pelas massas trabalhadoras em todos os lugares.

As massas afegãs não podem depender de nenhuma dessas potências. Nem podem depender das classes dominantes da China, Rússia, Irã ou qualquer outra potência que se esconda nas sombras tentando influenciar a situação no país hoje. Eles só podem depender de suas próprias forças, que, uma vez mobilizadas, são muito maiores do que qualquer exército. Isso foi comprovado ao longo de sua história.

O povo afegão viveu os tempos mais difíceis, mas, vez após vez, ele se levantou ante as adversidades mais terríveis. Temos plena confiança de que ele se levantará mais uma vez e limpará seu país de toda sombra de obscurantismo, reação e imperialismo.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário