A Rússia “bárbara” e o Ocidente “civilizado”

Supõe-se que foi o filósofo francês Voltaire que escreveu a célebre frase: “Eu desaprovo o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-lo”. Se foi ele ou não quem realmente as pronunciou, essas palavras são frequentemente citadas para descrever o princípio da liberdade de expressão.

A liberdade de expressão e, por extensão, a liberdade de imprensa, é sempre considerada como uma das pedras angulares da democracia. É o que separa, como se diz, os orgulhosos cidadãos do mundo ocidental dos de todas as outras nações menos afortunadas. Supõe-se que seja uma linha vermelha que diferencia a civilização da barbárie. Acima de tudo, no presente momento da história mundial, nos dizem para nos diferenciarmos, nós os povos civilizados e amantes da liberdade, da barbárie despótica russa.

Pois o Oriente é Oriente…

Dediquemos um momento para considerar a triste situação do sofrido povo da Rússia. No Reino das Trevas e do Mal, que é o Reino do czar Vladimir, o Sangrento, a essas pessoas infelizes é negada a essência mais maravilhosa de toda verdadeira democracia: uma imprensa livre.

Ao contrário de nós, eles são incapazes de ler, ver ou ouvir qualquer coisa que difira mesmo remotamente da Linha Oficial. Todos os meios de comunicação de oposição ou semioposição são fechados sem contemplação. E todos os outros meios de comunicação estão sujeitos ao escrutínio e censura mais rigorosos.

Consequentemente, nunca se pode confiar que os pobres russos tenham quaisquer opiniões, além das opiniões ditadas a eles pelo Homem do Kremlin. Ou é nisso que somos levados a acreditar.

Na realidade, porém, o poder da mídia, embora muito grande, nunca é invencível e, mais cedo ou mais tarde, as pessoas suspeitarão que seu governo não está dizendo a verdade e que a mídia oficial está apenas dizendo o que considera bom para sua própria saúde.

As manifestações antiguerra que eclodiram em muitas cidades russas e que foram submetidas à pesada repressão das forças estatais são uma indicação clara de que muitas pessoas não confiam no czar Vladimir ou em sua mídia oficial. Essa desconfiança e o clima de rebelião, sem dúvida, aumentarão se a guerra se prolongar.

… E o Ocidente é Ocidente

O contraste com o Ocidente civilizado não poderia ser mais evidente. Aqui, não se lê sobre as manifestações em massa contra o governo e a Otan. De fato, muito pelo contrário. A opinião pública parece estar firmemente unida por trás da linha do governo. Pode ser expresso de maneira muito simples da seguinte maneira: Rússia ruim, Ucrânia boa. Fim da história.

Esta notável demonstração de unidade nacional é, naturalmente, uma expressão do fato de que, ao contrário dos infelizes russos, nós, cidadãos da democracia ocidental, possuímos amplas informações das mais variadas fontes que nos convencem de que nossos líderes estão certos e nossos inimigos estão errados.

Tomemos como exemplo a Grã-Bretanha democrática. Ligo a televisão a tempo do noticiário das seis horas. O locutor me informa em detalhes que a ofensiva militar russa foi interrompida pela ação heroica do exército ucraniano, com a ajuda desinteressada da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos. Logo descrevem em grande detalhe as últimas atrocidades – reais e imaginárias – cometidas pelos bárbaros invasores russos, seguidas por uma litania de condenações indignadas por uma série de líderes ocidentais.

O segmento de notícias termina com cenas de sofrimento humano aterrador, grande número de refugiados e algumas entrevistas calculadas para produzir um sentimento natural de simpatia e solidariedade humana por quem sofre os horrores da guerra. Até agora tudo bem.

Mudei então para o ITV, onde se repete exatamente a mesma notícia, com exatamente as mesmas entrevistas e declarações. Depois disso, desejoso de obter notícias sólidas, ao invés de opiniões, recorri a uma fonte de notícias supostamente séria, o Channel 4 News. Mas, em vez de aprender algo novo, sou presenteado exatamente com a mesma história, apoiada exatamente nas mesmas fontes.

Algumas semanas atrás, ainda era possível acessar o Russia Today – o único meio de comunicação que colocava um caso diferente. Agora, qualquer pessoa instruída entenderá prontamente de onde vem o Russia Today. Não é preciso acreditar em nada do que ele diz – assim como não é preciso acreditar no que está em todos os outros canais. Mas, pelo menos, fornecia opiniões diferentes, o que permitia que se começasse a formar algo parecido com um ponto de vista objetivo.

Acabou, não mais! Nossos campeões da democracia, no governo desse Boris, o Trapalhão, não perderam tempo em uivar e berrar para que essa única voz dissidente solitária fosse calada sem demora. Essa demanda foi atendida com admirável entusiasmo, para o aplauso geral de todos os amantes da democracia na Câmara dos Comuns, e em escala ainda mais alta de Sir Keir Starmer e da bancada ultradireitista do Partido Trabalhista, que agora é completamente indistinguível dos Tories em todos os aspectos, exceto que exige constantemente uma ação cada vez mais beligerante contra a Rússia – até, inclusive, a Terceira Guerra Mundial.

Assim, tendo efetivamente silenciado toda a oposição, nossos defensores da democracia agora podem ter certeza de que a unidade nacional foi alcançada e podem continuar com sua campanha de propaganda bélica, livres de qualquer risco de contradição.

Mas espere um minuto! Isso não deveria ser uma diferença fundamental entre o Ocidente democrático e o regime tirânico de Putin? E a liberdade de imprensa não deveria ser uma dessas diferenças? Se é verdade que na Rússia as pessoas são obrigadas a ouvir apenas uma linha sobre a guerra – a linha oficial – então também é verdade que as pessoas no Ocidente também estão sujeitas à mesma coisa.

Almas simples podem concluir que não há absolutamente nenhuma diferença entre os dois. Mas isso seria um equívoco extremamente ingênuo. Há, é claro, uma diferença muito fundamental. E é esta: na Rússia as pessoas são forçadas a seguir a Linha Oficial, enquanto na democrática Grã-Bretanha e em outros países livres, nós escolhemos, por nossa própria vontade, ouvir as únicas fontes de notícias disponíveis para nós.

O fato de essas fontes serem apenas um reflexo da Linha Oficial, ditada por nossos governantes e cinicamente manipulada por eles é outra questão.

Vamos considerar isso agora.

O estranho caso da maternidade

Em 9 de março, foi relatado que um ataque russo havia atingido uma maternidade e um hospital infantil na cidade de Mariupol.

Como uma máquina perfeitamente lubrificada, o departamento de propaganda imediatamente entrou em ação. Todos os meios de comunicação se concentraram em uma questão: o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky imediatamente chamou o ataque de crime de guerra. Ele chamou o ataque de “a prova definitiva de genocídio”.

Mas havia uma série de coisas que não se encaixavam. Ele também postou imagens aparentemente do interior do hospital, que parecia ser um desastre total. Se fosse esse o caso, o número de mortos e feridos certamente seria considerável.

Pavlo Kyrylenko, chefe da administração regional de Donetsk, que inclui a cidade portuária de Mariupol, disse que nenhuma morte foi confirmada e afirmou especificamente que não houve feridos confirmados entre as crianças.

O Conselho da cidade de Mariupol disse que o ataque causou “danos colossais” e publicou imagens mostrando prédios queimados, carros destruídos e uma enorme cratera do lado de fora do hospital. A BBC verificou a localização dos vídeos, mas não o número exato de vítimas.

Esperei por alguma informação concreta. Mas as notícias pareciam estranhamente vagas, assim como as imagens mostradas na televisão. Elas mostraram várias mulheres claramente perturbadas tentando confortar seus bebês chorando. Era o suficiente para despertar as simpatias e a indignação de qualquer pessoa normal.

Dmitry Gurin, um parlamentar ucraniano, disse à BBC que o complexo foi bombardeado.

É todo um complexo – uma maternidade e um hospital infantil”, disse ele. “Muitas mulheres mortas e feridas. Ainda não sabemos sobre crianças e recém-nascidos.

O coro de justa indignação se intensificou em um crescendo. “Imprudente”, “bárbaro”, “abominável”, “mau”, são alguns dos epítetos mais moderados empregados.

A retórica era bastante previsível. A Casa Branca condenou o uso “bárbaro” da força contra civis inocentes. Boris Johnson tuitou “há poucas coisas mais depravadas do que atacar os vulneráveis e indefesos”. E assim por diante.

Mas os relatórios iniciais permaneceram muito vagos e, estranhamente, não se referiam a nenhuma morte. Dezessete pessoas ficaram feridas, incluindo funcionários e pacientes, disseram autoridades locais. Mas essa era apenas uma estimativa inicial, e também foi afirmado que as pessoas estavam presas sob os destroços.

Certamente, os números de mortos e feridos aumentariam significativamente…?

Mas não foi assim. Mais tarde, a história inicial foi alterada. Eles agora diziam que três pessoas, incluindo uma criança, foram mortas. Perguntei a mim mesmo: como era possível que um prédio tão grande pudesse ser completamente devastado e ainda assim relatar números de vítimas tão baixos? Apenas uma explicação é possível: que no momento do bombardeio, o prédio estava vazio, ou quase vazio.

Por que os russos bombardeariam um prédio vazio? Os russos responderam afirmando que os ucranianos têm usado a tática de esvaziar prédios como os hospitais de seus pacientes, que são então ocupados por nacionalistas de extrema-direita, neste caso do Batalhão Azov, que dispararam contra os russos, provocando deliberadamente um ataque. De fato, reportagens da mídia russa anteriores ao ataque indicavam que as forças de Azov já haviam se posicionado neste hospital em particular. Isso não é algo plausível que deveria pelo menos ser levado em consideração?

O argumento foi, é claro, imediatamente descartado pelos ucranianos e seus aliados americanos e britânicos como propaganda. Nenhuma consideração real às diferentes explicações possíveis é dada em nossa chamada mídia livre. Não deveria ser papel do jornalismo investigar os fatos sob todos os pontos de vista e depois reportá-los? Mas como um jornalista disse uma vez: “por que deixar os fatos estragarem uma boa história?

Muitas vozes se levantaram exigindo que a Rússia fosse julgada por supostos crimes de guerra e até genocídio. Sejamos claros sobre isso. Um general americano disse uma vez que a guerra é um inferno. A guerra, por definição, é matar pessoas. E em uma guerra, muitos civis inocentes morrerão, intencionalmente ou não.

Portanto, não se deve dar o menor crédito à repugnante avalanche de propaganda, que cheira a insinceridade, cinismo e hipocrisia da pior espécie, como agora me proponho demonstrar com fatos.

O crime de guerra americano que nunca existiu

Em 3 de outubro de 2015, ataques aéreos dos EUA destruíram o hospital de trauma da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), em Kunduz, Afeganistão. Este é um fato bem documentado que não pode ser contrariado.

Naquela noite, um canhão dos EUA disparou 211 projéteis contra o prédio principal do hospital, um ataque que durou cerca de uma hora, apesar das equipes da MSF pedirem desesperadamente que as autoridades militares cessassem o fogo.

Os americanos sabiam perfeitamente que o alvo previsto era um hospital. A MSF forneceu suas coordenadas de GPS ao Departamento de Defesa dos EUA, ao Ministério do Interior e Defesa afegão e ao Exército dos EUA em Cabul dias antes.

Pelo menos 42 pessoas morreram, incluindo 24 pacientes, 14 funcionários e 4 cuidadores, e 37 ficaram feridos.

A MSF relatou mais tarde:

“Nossos pacientes morreram queimados em suas camas, nossa equipe médica foi decapitada ou perdeu membros. Outros foram baleados do ar enquanto fugiam do prédio em chamas, disse uma testemunha ocular.

“A visão do interior do hospital é que este ataque foi realizado com o objetivo de matar e destruir. Mas não sabemos por quê.”

Mais tarde, os militares dos EUA alegaram ter recebido relatos de que o prédio do hospital estava mantendo milicianos ativos do Talibã. Mas a equipe da MSF não relatou combatentes armados ou combates no complexo antes do ataque aéreo.

No final, o general Votel, chefe do Comando Central dos EUA, explicou o ataque como um “erro” e disse que o fato de o ataque não ter sido intencional “o tira do reino de se tornar um crime de guerra deliberado.

Então tudo bem então. Se os americanos atacam hospitais e matam pessoas inocentes, isso é um acidente infeliz e, portanto, não é um crime de guerra. Mas se os russos fizerem a mesma coisa, é um crime de guerra.

George Orwell entenderia essa lógica distorcida, direto do Ministério da Verdade. E como todas as nossas informações vêm dessa mesma fonte, devemos acreditar nelas. Pois não temos razão para acreditar em outra coisa…

De heróis e vilões de guerra

O ministro das Forças Armadas do Reino Unido, James Heappey, falando no café da manhã da BBC, não tem dúvidas de que o bombardeio de um hospital constitui um crime de guerra, pelo qual Putin deveria ser levado a um tribunal. Quem exatamente vai fazer o arresto permanece um mistério.

A mesma história já foi repetida com tediosa regularidade por outros, muito mais significativos do que Heappey.

Mas mesmo o olhar mais superficial do registro histórico é suficiente para expor o vazio dessa indignação artificial, dado o registro verdadeiramente horrível do imperialismo britânico.

No topo da lista de crimes ​​da Grã-Bretanha está a aniquilação da cidade de Dresden por bombardeios de carpete durante a Segunda Guerra Mundial, que foram completamente indiscriminados e que causaram uma terrível tempestade de fogo que devastou a cidade. O historiador Donald Miller descreve o inferno desencadeado:

“Os sapatos das pessoas derretiam no asfalto quente das ruas e o fogo se movia tão rapidamente que muitos foram reduzidos a átomos antes que tivessem tempo de tirar os sapatos. O fogo derreteu ferro e aço, transformou pedra em pó e fez as árvores explodirem com o calor de sua própria resina. As pessoas que fugiam do fogo podiam sentir o calor nas costas, queimando os pulmões.”

Uma cidade inteira foi consumida pelas chamas. Hospitais, escolas, jardins de infância, igrejas, bibliotecas, museus, áreas residenciais, milhares de homens, mulheres e crianças – todos pereceram naquela orgia de destruição deliberada.

Dresden, um centro cultural mundialmente famoso, não tinha valor como alvo militar. O único objetivo era causar terror na população civil, quebrar sua vontade de resistir. Mas isso provou ser um erro de cálculo. O bombardeio aéreo sozinho nunca pode vencer uma guerra. Depois de Dresden, os alemães continuaram a lutar ferozmente até o amargo fim. O bombardeio de civis serviu apenas para empurrá-los ainda mais para os braços de seus governantes.

Pensa-se que cerca de 25 a 35 mil civis morreram em Dresden, embora isso possa ser uma estimativa subestimada. Outros cálculos chegam a 250 mil, dado o influxo de refugiados indocumentados que fugiram para Dresden da Frente Oriental. A maioria das vítimas eram mulheres, crianças e idosos.

Eles sofreram uma morte horrível, não apenas por serem queimados vivos, mas também por asfixia. Miller aponta que 70% das vítimas realmente sufocaram com monóxido de carbono liberado pela combustão. Não é surpresa que o autor alemão, Jörg Friedrich, tenha escolhido intitular seu controverso livro sobre o bombardeio aliado de Dresden e outras cidades simplesmente como Der Brand (O Incêndio).

Isso foi um acidente? De modo algum, foi uma política deliberada. Foi um crime de guerra? Não há absolutamente nenhuma dúvida sobre isso. E quem foi o responsável por esse crime? Basicamente, dois homens: Sir Arthur Travers Harris, 1º Baronete, chefe da Royal Air Force, conhecido como “Bomber Harris”; e Sir Winston Churchill, o então primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

Esses dois homens foram processados por crimes de guerra? Claro que não. Eles foram mesmo investigados? Eles não foram. Os crimes foram convenientemente apagados do registro histórico. Ninguém mais fala sobre isso, e seus estudos podem ser encontrados ocupando um lugar de destaque na Parliament Square, Westminster: o coração vivo e pulsante do que é conhecido como democracia britânica.

Então, isso está bem claro. Não há moralidade absoluta aqui. A verdade é relativa e deve ser torcida e transformada em seu oposto, de acordo com os interesses dos poderes constituídos. George Orwell acertou de novo. O criminoso de guerra de um homem é o herói de guerra de outro. QED [Quos erat demonstrandum].

Lembram de Hiroshima e Nagasaki?

Quanto à lista de crimes de guerra dos EUA, é muito longa para catalogar aqui. Pergunte ao povo do Vietnã, a quem os americanos apresentaram os encantos do napalm, do bombardeio de carpete e do agente laranja: o produto químico venenoso que ainda hoje causa dor e sofrimento sem fim.

Mas esqueçamos esses pequenos detalhes e tratemos de um evento muito mais significativo, que, lamentavelmente, tende a ser esquecido. Refiro-me à destruição total de duas cidades japonesas em 1945 por bombas atômicas lançadas por aviões americanos.

Um total estimado de 199 mil pessoas foram mortas pelas bombas nucleares lançadas em Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945. Milhares mais morreriam horrivelmente devido aos efeitos persistentes da radiação deixada pelas bombas nos anos seguintes.

Aqui, novamente, a perda de muitas vidas civis, a destruição arbitrária de hospitais (incluindo maternidades), escolas, asilos para idosos etc., nem sequer foram objetos do menor interesse para Washington e o Pentágono.

A razão frequentemente dada para esse ato abominável de barbárie foi que “acelerou o fim da guerra e salvou muitas vidas (americanas)”. Mas isso é uma mentira. Naquela época, o Japão já havia perdido a guerra e estava pedindo a paz.

A verdadeira razão pela qual o presidente Truman ordenou a aniquilação nuclear de Hiroshima e Nagasaki foi a de demonstrar a Moscou que os EUA agora possuíam uma nova e aterrorizante arma de destruição em massa, capaz de explodir cidades inteiras com uma única bomba. Foi o início oficial da Guerra Fria entre os EUA e a URSS que durou décadas.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, o imperialismo norte-americano continuou a perseguir uma política externa agressiva, travando guerras em solo estrangeiro, bombardeando e massacrando inúmeras pessoas inocentes.

Nos 20 anos de 2001 a 2021, somente os Estados Unidos lançaram 326 mil bombas e mísseis contra pessoas em outros países, incluindo, mas não se limitando, mais de 152 mil no Iraque e na Síria. Só no Afeganistão e no Paquistão, as operações da Otan mataram 241 mil pessoas. Os números oficiais estimam o número de civis entre esses em mais de 71 mil.

No Iêmen, o regime saudita, com apoio direto dos EUA e da Grã-Bretanha, vem conduzindo uma brutal guerra unilateral que mantém mais de 10 milhões de pessoas à beira da fome há anos.

De acordo com as últimas estimativas, em 2020, esse aliado do ocidente havia realizado mais de 20 mil bombardeios, com até 300 ataques aéreos por dia em alguns períodos. Um relatório das Nações Unidas, publicado em novembro de 2021, estimou que o número de mortos na guerra do Iêmen chegaria a 377 mil até o final de 2021.

Durante os 78 dias de bombardeio da Otan à Iugoslávia em 1999, 2.300 mísseis foram lançados e 14 mil bombas foram lançadas, incluindo bombas de urânio e munições de fragmentação. Além de milhares de vidas perdidas, os ataques da Otan atingiram escolas, bibliotecas, hospitais e dezenas de milhares de casas. Em um incidente, a coalizão bombardeou uma coluna de refugiados, supostamente matando mais de 60. Tais eventos foram meramente explicados como erros e “danos colaterais”.

Não há necessidade de dizer mais nada sobre o histórico sangrento do imperialismo dos EUA – a força contrarrevolucionária mais cruel da face da terra.

“Ombro a ombro com a Ucrânia”

Vamos agora desviar nossa atenção do calor da batalha para a calma da câmara de debates da Câmara dos Comuns em Londres.

Na noite de 8 de março, os parlamentares lotaram todos os cantos da câmara. Membros da Câmara dos Lordes lotaram as galerias públicas. A equipe parlamentar se amontoou por perto, a fim de espiar através dos arcos de pedra, quase até o telhado, para assistir ao show. Deve ter sido como ir ao cinema, ou melhor, às barracas da frente do circo. Pois isso, afinal, era o que era.

Após alguns minutos de conversa, os parlamentares mexendo em seus fones de ouvido para garantir que pudessem ouvir a tradução do discurso, houve um silêncio quando uma visão apareceu, como um homem falando de outro planeta.

Ali, sozinho em sua mesa, apenas uma bandeira ucraniana por companhia, o presidente Volodymyr Zelensky apareceu nas telas para falar aos parlamentares e, claro, ao público em casa. Foi a primeira vez que um líder estrangeiro se dirigiu diretamente à Câmara dos Comuns.

Como um golpe de teatro, foi perfeito. Como um movimento político e diplomático, nem tanto. Mas ora! Quando todos os presentes esperavam receber o efeito catártico que só uma boa tragédia pode evocar, quem iria reclamar?

O líder da Ucrânia gentilmente tocou as cordas do coração das fileiras reunidas de mentirosos endurecidos e cínicos profissionais – pessoas geralmente não conhecidas por qualquer tipo de sentimento. Ele falou comoventemente da dor de seu país, pois a cada dia, uma guerra “que não começamos” progredia.

Foi tudo perfeitamente ensaiado e habilmente apresentado. Tudo estava presente e de acordo: bombas caindo nas escolas, igrejas destruídas, hospitais infantis atacados, comida e água acabando em alguns lugares.

Mas, disse ele, que o ânimo estava alto, e que o povo tinha vontade de lutar até o fim: “vamos lutar nas praias, nas ruas, nas matas”, proclamou, com mais de um aceno de cabeça visando Churchill, ficando ligeiramente empolgado com sua própria retórica. Ele até fez uma pergunta de Shakespeare: “Ser ou não ser?

A Ucrânia, disse ele, decidiu “ser livre.

Coisas boas! Mas agora veio o desfecho.

Zelensky agradeceu ao Reino Unido por seu apoio, mas estragou tudo ao insinuar que, bem, não era realmente o suficiente. Ele instou o governo de Sua Majestade a apertar ainda mais as sanções. (Mas, meu Deus, não fizemos o suficiente? Nossa economia está caminhando para uma queda e há limites para todas as coisas!)

Acima de tudo, ele insistiu, é preciso proteger os céus da Ucrânia, “mesmo que impor uma zona de exclusão aérea seja um passo – um risco – que o Reino Unido e seus aliados ainda não estão dispostos a dar.

(Ah, sim, isso… Bem, haveria um pequeno risco se tentássemos impor uma zona de exclusão aérea. Isso significaria derrubar aviões russos. Isso significaria confronto militar direto com a Rússia. Isso significaria iniciar uma terceira guerra mundial. Isso significaria a aniquilação nuclear e a destruição da civilização como a conhecemos.)

Neste ponto, os deputados começaram a se mexer em seus assentos. Todos eles sabem que, quando passam pela entrada do Commons, estão caminhando pelo arco reconstruído com pedras danificadas pelas bombas da Segunda Guerra Mundial. Felizmente, o discurso estava prestes a terminar – e bem na hora!

No final do discurso, deputados e senhores nas galerias levantaram-se novamente para aplaudir. O presidente tocou o peito com a palma da mão para agradecer seu apoio sincero, depois se afundou por um momento em seu assento. Então sua compostura voltou. O Sr. Zelensky ergueu o punho em desafio, levantou-se e saiu da mesa.

Suas palavras afetaram visivelmente muitos parlamentares, alguns com olhos brilhantes, alguns concordando fervorosamente. Assim, eles premiaram sua atuação com duas ovações de pé: uma antes, outra depois. E eles lhe teriam dado uma terceira ou quarta, se ele quisesse.

O que eles não lhe dariam – e nunca lhe darão – é o que ele realmente queria, que é uma ajuda militar significativa, na forma de uma zona de exclusão aérea. Aplausos – o quanto você quiser, mas nada de ir mais longe. Zelensky deve ter terminado o dia com o ego inflado, mas com as mãos vazias. Não é um balanço muito satisfatório do ponto de vista prático.

Se forem necessárias mais provas da flagrante desonestidade e hipocrisia dos Srs. Johnson e companhia, pode-se citar seu vergonhoso histórico sobre a questão dos refugiados ucranianos. Até o momento, cerca de dois milhões de pessoas fugiram da guerra. Destes, mais da metade foi recebida pela Polônia, um grande número está na Hungria e em outros países vizinhos.

A ONU diz que, a partir de 9 de março:

  • A Polônia acolheu 1.412.502 refugiados
  • A Hungria, 214.160
  • A Eslováquia, 165.199
  • A Rússia, 97.098
  • A Romênia, 84.671
  • A Moldávia, 82.762
  • A Bielorrússia, 765

Mais de 255 mil pessoas foram para outros países europeus.

Mas e a Grã-Bretanha? O número de refugiados ucranianos que receberam vistos para entrar no Reino Unido sob o novo esquema familiar aumentou de miseráveis 50 para ainda miseráveis 300.

Refugiados ucranianos que apareceram em Calais, na esperança de alcançar parentes no Reino Unido, foram devolvidos. A ministra do Interior Priti Patel mentiu descaradamente para a Câmara dos Comuns alegando que ela havia estabelecido um escritório de vistos em Calais, o que era falso. Descobriu-se que o escritório “ampliado” consistia em uma mesa dobrável composta por três homens distribuindo pacotes de batatas fritas salgadas prontas… mas os pedidos de visto não estavam sendo recebidos.

Então, os refugiados ucranianos foram informados de que poderiam embarcar em um trem Eurostar de Calais para Lille, onde seus pedidos de visto seriam processados. Outra mentira cínica. Na verdade, não há serviços Eurostar de Calais para Lille e também não há escritório de vistos no Reino Unido em Lille! De fato, descobriu-se que o escritório de vistos deveria estar localizado em Arras, a 30 milhas de Lille, e que ainda não havia sido aberto. Então, é isso. A Grã-Bretanha está lado a lado com a Ucrânia – desde que os ucranianos permaneçam do seu lado do canal. Essa é a verdadeira natureza do apoio à Ucrânia pela classe dominante da Grã-Bretanha e seu governo.

Como o Ocidente atiça as chamas da guerra

É verdade que o Ocidente está fornecendo armas à Ucrânia. Estas podem ser suficientes para prolongar a guerra por um tempo, mas não para criar condições para uma vitória ucraniana decisiva. Este não é enfaticamente o tipo de “ajuda” que aliviará as massas sofredoras da Ucrânia. O oposto é a verdade.

Quanto mais o conflito atual na Ucrânia continuar, mais homens, mulheres e crianças inocentes perderão suas vidas inutilmente.

Foi a Otan – especialmente os americanos e britânicos – que empurrou a Ucrânia para o atual conflito com a Rússia para seus próprios fins, e então cinicamente recuou e viu o povo ucraniano se afogar em um mar de sangue. Eles foram responsáveis ​​por essa guerra desnecessária – e agora são responsáveis ​​por prolongá-la deliberadamente para seus próprios interesses. O que eles querem é atolar a Rússia e adiar o inevitável resultado final, que será uma vitória russa, ao custo de prolongar a agonia dos ucranianos.

Nossas simpatias estão inteiramente do lado do sofredor povo ucraniano, que são as vítimas inocentes deste jogo cínico de grandes potências políticas. Mas o sofrimento só terminará quando a própria guerra terminar. Aqueles que continuamente os pressionam a continuar lutando, quando sabem perfeitamente como isso vai acabar e não têm a menor intenção de levantar um dedo para ajudar militarmente, não são amigos do povo ucraniano. Eles são seus piores inimigos.

Londres, 11 de março de 2022

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário