Foto: Tyler Merbler

A “insurreição” de Trump e o caos da democracia burguesa dos EUA

O ano de 2021 começou com uma explosão. Se alguém ainda tinha alguma dúvida, os eventos de ontem expuseram a profundidade da crise do capitalismo dos EUA – e é apenas o começo. Mesmo nos turbulentos anos antes e depois da Guerra Civil dos Estados Unidos, nunca vimos o prédio do Capitólio dos Estados Unidos ser violado por manifestantes – um ato encorajado pelo presidente em exercício! Os protocolos de emergência de ataques antiterroristas foram ativados quando o gás lacrimogêneo flutuou pelos corredores e pelo menos uma pessoa foi morta a tiros. Como disse o ex-presidente George W. Bush, essas são as cenas que se esperaria ver em uma “república das bananas” – não no bastião do imperialismo mundial.

O capitalismo americano e suas instituições são como uma casa infestada por cupins – e a decomposição está se espalhando rapidamente. Pode parecer estruturalmente forte na superfície, mas se você pisar nas tábuas da varanda, seu pé afundará até o chão. A dialética explica que as coisas se transformam em seu contrário. Durante décadas, os EUA foram o mais sólido e estável dos principais países capitalistas. Agora, o mundo inteiro observa os manifestantes de direita se rebelarem em um dos três prédios mais importantes do governo federal. Como uma aldeia Potemkin1, as instituições “todo-poderosas” do governo americano ficaram expostas como muito mais débeis do que aparentam.

A crise fundamental do modo de produção capitalista levou a uma tremenda instabilidade social e ao declínio da “cidadela” do imperialismo mundial. Isso se reflete em uma polarização aguda combinada a uma confusão política massiva. As divisões distorcidas dentro da classe trabalhadora resultam do impasse do capitalismo e da falta de uma liderança política e sindical ousada e independente de classe. Se a raiva da classe trabalhadora, reprimida durante décadas, tivesse sido direcionada à construção de um novo partido de massas e ao aproveitamento do poder dos sindicatos, para lutar pelos interesses de todos os trabalhadores em uma base de classe, 2020 e a situação de hoje seriam completamente diferentes.

Temos visto muitas mudanças bruscas e dramáticas nos últimos anos, e há muitas mais por vir. O caos, a confusão e a falta de liderança adequada à situação apresentam muitos obstáculos para a classe trabalhadora. Mas também abre muitas oportunidades. Lenin explicou que a primeira condição que indica que a sociedade está entrando em um período pré-revolucionário é que a classe dominante esteja dividida e não possa mais governar da maneira tradicional. Teríamos que voltar aos anos anteriores à guerra para encontrar um momento em que a classe dominante e seus políticos estavam tão divididos como estão hoje.

Repetidamente, nos últimos cem anos, vimos que, quando a classe dominante está paralisada e em desacordo, as massas percebem uma oportunidade e invadem a brecha na tentativa de realizar uma mudança fundamental. No entanto, o que vimos ontem não foram as massas trabalhadoras se levantando para tomar seus destinos em suas mãos e mudar a sociedade. Apesar de suas ilusões de grandeza revolucionária, os participantes que agitavam a bandeira confederada eram os que estavam mais longe de ser revolucionários. Esta foi uma turba contrarrevolucionária que sentiu a oportunidade de derrubar o carrinho das maçãs ao atacar uma instituição-chave da reação imperialista mundial em uma tentativa de empurrá-la ainda mais para a direita.

Caos no Capitólio

Era amplamente esperado que o dia 6 de janeiro, o dia que o Congresso havia agendado para certificar a votação do Colégio Eleitoral em sessão conjunta, seria um dia tenso em Washington. Esta foi a culminação da tentativa de Trump de enquadrar a eleição como fraudulenta, e o presidente organizou uma “Marcha Salve a América”, para coincidir com a votação do Colégio Eleitoral.

A manifestação trouxe vários milhares de seus mais fervorosos apoiadores, muitos dos quais viajaram de condados rurais de todo o país, incluindo centenas de milicianos armados, Proud Boys e outros elementos reacionários da extrema direita.

O mesmo Trump, que tão veementemente se opôs ao movimento Black Lives Matter e chegou ao ponto de exigir a repressão militar em junho, agora se dirigiu a um pequeno oceano de chapéus MAGA2, bandeiras americanas, estandartes de Trump, bandeiras confederadas e bandeiras Blue Lives Matter3. Ele convocou seus partidários a marchar na Avenida Pensilvânia e mostrar sua raiva ao Congresso dos Estados Unidos. O advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, pediu um “julgamento de guerra”.

Em vez das cenas militarizadas da tropa de choque e das tropas da Guarda Nacional patrulhando todos os prédios e esquinas de Washington durante os protestos do Black Lives Matter (BLM), a presença da polícia variou de totalmente desprevenida a abertamente simpática. Eles certamente não tinham os mesmos números e equipamentos que usaram contra os manifestantes do BLM, apesar do planejamento público de ações violentas em sites de direita nas semanas que antecederam a marcha.

Pouco antes das 14 horas, no momento em que membros pró-Trump do Congresso se opunham à certificação eleitoral do Arizona, a multidão do lado de fora do Capitólio passou pelas insignificantes barricadas da polícia e invadiu o prédio do governo, escalando paredes e quebrando janelas. As notícias de última hora inundaram as manchetes globais enquanto milhões assistiam a multidão pular pelas janelas e marchar pelos corredores do Capitólio, enquanto os senadores se agachavam no chão e eram levados às pressas para as salas protegidas.

Os manifestantes invadiram o prédio, interrompendo a sessão do Congresso. Eles ocuparam e saquearam os escritórios dos legisladores, incluindo o gabinete da presidente da Câmara, Pelosi, cuja correspondência e cartazes foram apreendidos como troféus. Gás lacrimogêneo foi usado, e o FBI e outros agentes armados foram chamados para retomar o prédio. Toda a Guarda Nacional de Washington DC, uma força de 2.700 soldados e 650 Guardas Nacionais da Virgínia foram mobilizados para restaurar a ordem. Várias horas depois, o governador de Nova York, Cuomo, despachou mil soldados adicionais da Guarda Nacional de Nova York para ajudar a acalmar o Capitólio. Também houve pequenas manifestações simpáticas a Trump e invasões de prédios do governo em um punhado de capitais de estado em todo o país, embora nada no nível dos protestos de Washington, DC.

Trump e seus partidários obstinados no Congresso quase certamente não planejaram que a multidão invadisse o Capitólio – mas estavam brincando com fogo. Trump encorajou calorosamente a extrema direita quando ela marchou por Charlottesville, Virgínia. No debate presidencial no outono, ele disse de forma infame aos Proud Boys para “voltar e aguardar”. Cansados ​​de ficar parados, os cães de guarda de Trump se livraram de suas coleiras e correram mordendo e rosnando para golpear os inimigos de seu amo.

Foi uma tentativa de golpe bonapartista?

Com certeza, esses são eventos dramáticos! Mas, como marxistas, devemos manter o senso das proporções. Este não foi um golpe insurrecional organizado a ponto de derrubar o governo dos Estados Unidos e de impor um regime fascista para esmagar os trabalhadores e a esquerda. Longe disso! A classe trabalhadora continua a ser a esmagadora maioria neste país e poderia varrer esse lixo com o dedo mínimo, uma vez mobilizada para lutar em seus próprios interesses.

O bonapartismo, que leva o nome de Napoleão Bonaparte, pode surgir na sociedade após um período de instabilidade profunda e prolongada, quando a luta de classes levou a um impasse e ao esgotamento mútuo. Nessas circunstâncias, podem surgir indivíduos que parecem se elevar acima das classes, manobrando e apoiando-se primeiro em uma classe ou camada e depois em outra, reimpondo a ordem e o “governo da espada” com o apoio do aparato estatal.

Devemos manter um senso de proporção. Esses eventos, embora dramáticos, não foram na escala de um golpe para derrubar o governo dos Estados Unidos Foto: Frypie
Para conseguir isso, o aspirante a bonapartista deve ter o apoio de setores significativos das forças armadas. Trump não tem isso. Apenas três dias antes, todos os dez ex-secretários de defesa vivos publicaram uma declaração conjunta no Washington Post defendendo os resultados da eleição e alertando que o envolvimento militar na eleição “nos levaria a um território perigoso, ilegal e inconstitucional”. Se os militares fossem chamados, seria para se livrar de Trump, não para instalá-lo como ditador!

Os Proud Boys, os teóricos da conspiração “QAnon” e o resto da extrema direita não são suficientes para estabelecer uma ditadura, nem fazem parte do aparelho de Estado (embora alguns membros individuais sejam certamente militares e policiais). Essas forças sociais numericamente insignificantes e mal organizadas poderiam ser sufocadas rapidamente por meio da ação em massa da classe trabalhadora – embora não haja dúvida de que podem causar danos reais em escala individual e que mesmo um pequeno câncer pode se transformar por metástase em mais mortal se não for tratado no início. No entanto, essa ameaça só se transformará em uma perspectiva realista se a classe trabalhadora deixar de assumir o poder nas próximas uma ou duas décadas, e somente após uma série de graves derrotas. Um movimento do “chicote da contrarrevolução” nessa direção, nesta fase, criaria ainda mais instabilidade e despertaria a classe trabalhadora.

Uma reação desigual e oposta está sendo preparada – desigual porque as forças do progresso social superam em muito os pogromistas retrógrados na sociedade americana. A maioria dos milhões que participaram diretamente do movimento George Floyd ou apoiaram suas demandas e ações em casa são o verdadeiro futuro revolucionário para este país. É apenas uma questão de tempo até que o movimento volte à ofensiva em um nível ainda mais alto.

O mundo selvagem e maravilhoso de Donald Trump e as divisões no Partido Republicano

O sistema educacional, os políticos burgueses, os principais meios de comunicação, a Igreja e outras instituições do governo capitalista nos entorpecem com o mantra de que os EUA são o país mais democrático que existe ou já existiu. Os marxistas não aceitam essas banalidades. Devemos examinar o mundo como ele realmente é.

Embora inadvertidamente, Trump realmente ajudou a expor a verdade. Deixando de lado os bilhões em doações de campanha corporativa e os exércitos de lobistas abastados, a “democracia” americana não se baseia no conceito de “uma pessoa, um voto”. Em última análise, o que a maioria das pessoas pensa e deseja não tem influência direta na política governamental. As decisões tomadas pelos três ramos do governo são, em última análise, tomadas em defesa do sistema capitalista e dentro dos limites do sistema capitalista. Em tempos de crise econômica e social, isso lhe dá o pouco, mas precioso espaço de manobra.

A classe capitalista está preocupada, acima de tudo, com os interesses do sistema como um todo, agora e no futuro. Eles entendem que, se as pessoas acreditarem que realmente têm uma palavra a dizer, é mais provável que aceitem os ditames das grandes empresas. Mas uma desconfiança profundamente arraigada no status quo está se infiltrando tanto à esquerda quanto à direita. À medida que mais e mais pessoas começam a ver como as coisas realmente são, menos estabilidade haverá para manter o capitalismo e maiores serão as perspectivas de uma mudança no sistema.

A determinação de Trump em lutar e permanecer na Casa Branca serviu para exacerbar as profundas divisões no Partido Republicano Foto: Gage Skidmore
Mas Trump se preocupa apenas com seu interesse próprio imediato. Seu comportamento egocêntrico está derrubando as cortinas que há muito escondiam da maioria a realidade da ditadura de classe. Esta é a raiz do conflito em curso entre Trump e a maioria da classe dominante a que ele próprio pertence.

Trump minou ativamente a legitimidade do sistema eleitoral dos EUA desde que anunciou sua candidatura presidencial. Apesar de ter ganho o voto do Colégio Eleitoral e a presidência em 2016, ele perdeu o voto popular por três milhões. Não contente em superar seus muitos adversários humilhados e se tornar o humano mais poderoso do planeta, ele insistiu que havia uma grande fraude eleitoral e alegou que também havia conquistado o voto popular. Na corrida para as eleições de 2020, ele afirmou que a única maneira de perder seria por meio de uma fraude maciça e se recusou a prometer que facilitaria uma transferência pacífica do poder.

Desde novembro, Trump se cercou de conselheiros que alimentam sua ilusão de fraude maciça. Depois que Chris Krebs, um republicano nomeado para monitorar a segurança tecnológica relacionada às eleições, atestou a validade dos resultados das eleições, ele foi demitido sem cerimônia. Até mesmo o procurador-geral William Barr – um soldado de Trump, se é que houve um – foi despedido quando declarou publicamente que não viu nenhuma evidência significativa de fraude.

O “respeito” de Trump pela vontade dos eleitores ficou evidente em seu recente telefonema para o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger. Apesar de ser um republicano de direita e apoiador de Trump, Raffensperger supervisionou a eleição presidencial na Geórgia e defendeu a contagem de votos, embora indicasse que Biden havia vencido. Trump exigiu que Raffensperger “recalculasse” e “encontrasse” os 11.780 votos de que precisava para fazer pender a balança.

A determinação de Trump em lutar e permanecer na Casa Branca serviu para exacerbar as profundas divisões no Partido Republicano. Essas divisões foram encobertas depois que ele destruiu o establishment do partido em 2016, e o partido se manteve unido e até mesmo se fortaleceu por sua força gravitacional avassaladora. Mesmo derrotado em 2020, ele manteve o partido escravizado. Mas sua raiva de mau perdedor finalmente forçou muitos a escolher um lado: a favor ou contra as instituições fundamentais do governo capitalista.

Quanto à classe capitalista, que geralmente nunca viu Trump como um representante confiável de seus interesses de classe, agora expressa sua desaprovação ao presidente com mais veemência do que nunca. Isso inclui a Câmara de Comércio dos Estados Unidos, historicamente a voz das grandes empresas, e a Associação Nacional de Fabricantes (NAM, em suas siglas em inglês), que representa 14 mil grandes corporações. A NAM pediu ao vice-presidente Mike Pence que “considerasse seriamente” o impeachment de Trump antes que ele pudesse completar as duas semanas finais de seu mandato. Até mesmo o New York Post – um porta-voz de Rupert Murdoch – que apoiou Trump em todos os momentos, acabou pedindo-lhe para aceitar os resultados da eleição.

O caminho a seguir

Em meio a uma crise pandêmica e econômica, não podemos perder de vista o imenso poder potencial dos trabalhadores. A classe trabalhadora é a esmagadora maioria do país e, sem ela, nada é produzido ou transportado. Ela não só é capaz de paralisar a economia capitalista, também é a única força social que pode derrotar o trumpismo e transformar fundamentalmente a sociedade.

Somente a classe trabalhadora é capaz de paralisar a economia capitalista, derrotando o trumpismo e transformando fundamentalmente a sociedade Foto: ILWU
A classe trabalhadora deve ser mobilizada para lutar por um programa de ousadas demandas sociais, incluindo um salário-mínimo garantido de US$ 1.000 por semana, o fim dos despejos e um teto para o aluguel de não mais que 10% da renda. Dada a profundidade da crise, essas demandas eletrizariam milhões e ganhariam um eco massivo se impulsionadas seriamente por milhões de trabalhadores sindicalizados. Isso também minaria os esforços cínicos de Trump de se passar por um “amigo da classe trabalhadora“.

Um movimento de massa lutando por essas demandas atravessaria a polarização partidária reacionária e uniria os trabalhadores em uma base de classe. Isso não pode acontecer sem liderança. Os atuais líderes sindicais não apresentam tal perspectiva, apesar do clima de descontentamento e da crescente consciência de classe entre a jovem geração de trabalhadores. Os marxistas devem trabalhar com aqueles atualmente engajados na construção de redes de oposição nos sindicatos, fermentando as lutas dos trabalhadores com as ideias marxistas revolucionárias. Milhões de trabalhadores estão se movendo na direção da luta de classes, como evidenciado pelas centenas de greves selvagens que eclodiram desde a pandemia e pelas tentativas de se organizarem novos sindicatos em locais de trabalho importantes como o Google.

Embora ainda faltem alguns dias para o término do mandato de Trump, fala-se amplamente de impeachment ou da invocação à 25a Emenda, que prevê a destituição de um presidente incapaz de “exercer os poderes” do cargo. A Covid-19 continua a grassar, com recordes de mortes quase todos os dias. Após sua vitória tardia na Geórgia, os democratas agora controlam as casas do Congresso e a presidência. Com a iminência de uma depressão econômica, eles serão colocados à prova agora, quando não há desculpas sérias para não aprovar medidas que alcancem mais do que apenas oferecer alívio paliativo para milhões de trabalhadores em dificuldades.

Os eventos estão acontecendo rapidamente. Forneceremos atualizações e análises adicionais nos próximos dias e semanas. Mas uma coisa é certa: apenas a independência de classe e a ação militante podem mostrar o caminho a seguir. A fraqueza da esquerda americana está diretamente ligada ao fato de que a maior parte dela tenta se acomodar e colaborar com os democratas. Esta é a abordagem que levou ao desastre atual. Ainda não é tarde para mudar de rumo! Armada com uma perspectiva revolucionária e programa e organização independentes de classe, a classe trabalhadora pode construir a liderança de que precisa para acabar com os horrores presentes e futuros do capitalismo dos EUA. Lute por um governo operário! Só o socialismo revolucionário vence o trumpismo!

Estamos testemunhando a prolongada agonia de morte da democracia burguesa americana e do capitalismo mundial como um todo. Tudo isso está acontecendo sob a sombra existencial da aceleração da mudança climática. A tarefa histórica dos marxistas é construir o fator subjetivo que possa catalisar a classe trabalhadora em sua missão de substituir o cadáver fedorento do capitalismo por um mundo de democracia revolucionária e superabundância material. O processo molecular de revolução e de transformação da consciência está empurrando milhões de pessoas nessa direção. Se você concorda com essas ideias, nós o convidamos a ingressar na CMI.

1 O termo “Aldeias de Potemkin” é utilizado para qualquer construção enganosa ou falsa destinada a enganar as pessoas, para que pensem que a situação atual é muito melhor do que é na realidade.

2 Chapéus de beisebol com o slogan Make America Great Again (MAGA).

3 Blue Lives Matter (em português: “Vidas Azuis Importam”) é um contramovimento nos Estados Unidos que defende que aqueles que são condenados por matar policiais devem ser condenados sob estatutos de crime de ódio. O movimento começou em resposta ao Black Lives Matter após os assassinatos dos policiais Rafael Ramos e Wenjian Liu no Brooklyn, em Nova Iorque, no dia 20 de dezembro de 2014.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário