Foto: TheMachineStops, Flickr

11 de setembro, vinte anos depois

Há vinte anos, os Estados Unidos testemunharam o maior e mais sangrento ataque a seu solo na história moderna. Pelo menos 2.977 homens e mulheres morreram e pelo menos 25.000 ficaram feridos depois que uma gangue de terroristas chocou uma série de aeronaves comerciais nas Torres Gêmeas do World Trade Center em Nova York, deixando o povo norte-americano em estado de choque e descrença. Em todo o mundo, milhões de pessoas assistiram com horror às cenas devastadoras de pessoas desesperadas presas nos andares superiores das torres, algumas das quais pularam para a morte para não serem queimadas vivas, pouco antes das torres desabarem, deixando milhares enterrados sob os escombros.

Mas o que se seguiu a esta tragédia foi uma vergonha à memória de todas aquelas pessoas inocentes que perderam a vida naquele dia. A poeira mal havia baixado e o sangue das vítimas mal havia secado quando os abutres começaram a circular. Aproveitando o clima de luto nacional, eles lançaram uma blitz de mentiras e propaganda para levar a população dos Estados Unidos a aceitar que os Estados Unidos fossem à guerra, supostamente para vingar o ataque. O Patriot Act e outras leis foram aprovados no Congresso, reduzindo severamente os direitos civis e expandindo dramaticamente os poderes de vigilância do Estado. Tudo isso em nome de uma suposta “Guerra ao Terror” e da “defesa da democracia”.

Um após o outro, por dias a fio, gente como o então presidente George W. Bush, Dick Cheney e um fluxo interminável de outros oficiais, comandantes militares e “eruditos” apareceram na televisão condenando o ataque à “liberdade” pelas “forças do mal” do Islã. O ex-secretário de Educação, William Bennett, e vários outros neoconservadores instaram o governo a “declarar guerra ao Islã militante”, afirmando que “os Estados Unidos devem proceder como se estivessem em guerra, porque é guerra”. Bennett e sua gangue pediram guerra ao Iraque, Irã, Síria e Líbia, apesar do fato de nenhum desses países ter qualquer vínculo com o ataque ou com a organização reacionária Al Qaeda por trás dele.

Dos dezenove sequestradores que realizaram os ataques, quinze eram cidadãos da Arábia Saudita, mas qualquer menção à Arábia Saudita esteve convenientemente ausente dessas declarações públicas. Na verdade, todos os esforços foram feitos para proteger os interesses sauditas, a ponto de se permitir que oito aviões fretados retirassem com segurança sauditas de alto escalão do país, a partir de 13 de setembro, apesar do espaço aéreo norte-americano ainda estar fechado. Entre os que estavam nos voos, encontrava-se o falecido príncipe Ahmed Salman, ligado à Al Qaeda e que, mais tarde, se descobriu ter conhecimento prévio de um ataque iminente. Enquanto uma campanha racista e frenética de assédio contra pessoas de origem do Oriente Médio estava sendo preparada, essas figuras sombrias ligadas a um dos regimes mais reacionários do mundo recebiam verdadeiros cartões de “saída grátis da prisão “.

Todas as evidências quanto à origem dos ataques apontam para a Arábia Saudita, que há muito é o principal patrocinador mundial do fundamentalismo islâmico. Na verdade, foi a monarquia saudita, em colaboração com a CIA, que originalmente alimentou a Al Qaeda como parte da insurgência islâmica contra os soviéticos no Afeganistão na década de 1980. Agora, o monstro Frankenstein do imperialismo escapou do controle e se tornou um problema sério para os EUA e o Ocidente. Nem um único canal de TV fez menção a esse fato, apesar de bater os tambores sobre a “Guerra ao Terror”, dia após dia. A classe dominante dos Estados Unidos estava tentando se reafirmar em todo o mundo e dar um exemplo a alguns de seus inimigos. O fato de ter incentivado tais inimigos era um pequeno detalhe.

Arrogância

Muitas vezes, algumas mentes superficiais da esquerda acreditam que a classe dominante é infalível e que todas as suas decisões correspondem a algum grande plano elaborado até o último detalhe nas salas de estar do poder. Mas não é esse o caso. Erros e acidentes têm um papel importante na história. Após o colapso da União Soviética no início da década de 1990, os Estados Unidos emergiram como a única superpotência no cenário mundial. Agora isso estava sendo exposto por uma pequena gangue de fanáticos religiosos reacionários. Isso não era algo que se tolerasse.

Aparecendo na Fox News na noite de 11 de setembro, um coronel, David Hunt, expressou sucintamente essa atitude quando disse a Bill O’Reilly que era hora de os EUA “libertarem os cães da guerra”. Espumando pela boca, os cães no topo do establishment militar estavam cheios de vontade de se verem soltos a fim de restaurar sua arrogância. Com a Arábia Saudita, a verdadeira fonte do ataque, estando muito próxima do cerne de seus interesses, esses excêntricos se fixaram no Afeganistão, imaginando que fosse um alvo fácil para uma demonstração brutal da vingança do imperialismo. Mas, como diz a Bíblia, “a arrogância vem antes da queda”.

Uma vez tomada, a decisão foi fatídica. A guerra no Afeganistão foi uma aventura fadada ao fracasso. Na véspera da queda de Cabul para as tropas norte-americanas em novembro de 2001, Alan Woods escreveu:

“Mais uma vez, vemos como os norte-americanos não pensaram em nada até o fim. Eles imaginaram que, depois de expulsar o Talibã de Cabul, o problema estaria resolvido. Mas não é esse o caso. (…) O Talibã perdeu o controle do poder, mas não seu potencial para fazer a guerra. Eles estão muito acostumados a travar uma guerra de guerrilha nas montanhas. Eles fizeram isso antes e podem fazer de novo. (…) Abre-se a perspectiva de uma longa campanha de guerrilha que pode durar anos. A primeira parte da campanha de guerra aliada foi a parte fácil. A segunda parte não será tão fácil.

“(…) Se o objetivo desse exercício era combater o terrorismo, eles vão descobrir que conseguiram o contrário. Antes desses eventos, os imperialistas podiam se dar ao luxo de manter uma distância relativamente segura das convulsões e guerras desta parte do mundo, mas agora estão completamente enredados nela. Por suas ações desde 11 de setembro, os EUA e a Grã-Bretanha foram arrastados para um atoleiro, do qual será difícil se livrar.”

Quão verdadeiras são essas palavras hoje. Não contente com os resultados no Afeganistão, Bush, Cheney e sua gangue, seguidos por seus leais cães de guarda britânicos, decidiram dobrar suas apostas e abrir uma nova frente no Iraque, alegando que este último estava abrigando fundamentalistas islâmicos e armas de destruição em massa. Claro, eram mentiras flagrantes. Não houve presença significativa do fundamentalismo islâmico no Iraque até depois da chegada dos imperialistas. Nem o regime de Saddam possuía armas de destruição em massa. O verdadeiro objetivo da guerra era acessar o petróleo iraquiano, aumentar a pressão sobre o regime iraniano e aprofundar-se em áreas que anteriormente estavam sob a esfera de influência soviética.

Os norte-americanos pensaram que seria um caso rápido. Novamente, eles calcularam mal. Ao destruir o exército iraquiano, que foi usado para manter o Irã sob controle por duas décadas, eles não apenas desestabilizaram o Iraque, mas toda a região. Por um lado, a invasão fortaleceu os iranianos, que construíram uma forte base de apoio entre a maioria xiita no Iraque. Por outro lado, criou a base para a ascensão do fundamentalismo islâmico sunita, no qual os próprios EUA se apoiaram em certa medida para conter a influência iraniana, cujo resultado gráfico vimos com a ascensão do ISIS em 2014.

Hoje em dia, políticos e supostos especialistas estão fazendo fila na mídia ocidental para criticar a situação enfrentada pelas mulheres afegãs após a ascensão do Talibã. Estas são lágrimas hipócritas de crocodilo. Não há clamor pelos direitos das mulheres na Arábia Saudita. O Afeganistão sob ocupação dos EUA estava longe de ser o paraíso na Terra que parece um dia ter sido. De acordo com o Airwars, os ataques de drones nos Estados Unidos desde o 11 de setembro mataram pelo menos 22.000 civis – e, talvez, até 48.000. Um relatório de 2015 da Physicians For Social Responsibility, estima que as campanhas no Iraque, Afeganistão e Paquistão levaram a 1,3 milhão de mortes! O relatório conclui que

“esta é apenas uma estimativa conservadora. O número total de mortes … também pode ser superior a 2 milhões, enquanto um número abaixo de 1 milhão é extremamente improvável”.

No Iraque, as mesmas pessoas “amantes da liberdade” que protestaram contra as supostas armas de destruição em massa não hesitaram em usar armas químicas, como fósforo branco, em bairros civis em Fallujah. Enquanto isso, tanto no Iraque quanto no Afeganistão, os estados criados pelos Estados Unidos estavam repletos de gângsteres e sectários dos mais corruptos e reacionários. O imperialismo não trouxe democracia e direitos humanos a esses países. Trouxe sectarismo, corrupção, morte e destruição em níveis sem precedentes.

O estado de ânimo muda

Embora houvesse grandes protestos anti-guerra nos EUA no início, como um todo, as massas norte-americanas foram inicialmente forçadas a aceitar as guerras após o choque dos ataques de 11 de setembro. Muito em breve, entretanto, esse clima mudou. De acordo com o Gallup, no auge, em 2002, o apoio à guerra do Afeganistão foi de 93%. A partir daqui, no entanto, os indicadores só pioraram. Em 2019, depois de 18 anos lutando ao custo de milhares de vidas norte-americanas e mais de um trilhão de dólares, 6 em cada 10 norte-americanos disseram que lutar contra o Afeganistão não valia a pena. Os trabalhadores norte-americanos hoje estão muito mais interessados ​​em melhorar suas próprias condições de vida do que em pagar a conta de guerras sem fim no exterior. Essa mudança de humor teve consequências políticas importantes.

Em 2012, a proposta do governo Obama de bombardear a Síria veio abaixo depois que o Congresso se recusou a apoiá-la, com apenas 9% da população dos EUA sendo a favor. Em 2016, quando Donald Trump foi eleito presidente, uma de suas promessas de campanha mais populares foi tirar os EUA das guerras no Oriente Médio. A oposição à guerra prejudicou severamente a capacidade do imperialismo de manobrar da maneira como estava acostumado. Qualquer grande campanha militar envolvendo tropas terrestres teria um grande custo político para qualquer administração e, como tal, foi descartada. Somado a isso estava o custo econômico das intervenções militares. Em 2019, o custo total das intervenções dos EUA no Oriente Médio foi estimado em US $ 6,4 trilhões – mais um obstáculo à disposição de embarcar em novas aventuras militares.

Crise do imperialismo

O resultado das guerras no Iraque e no Afeganistão foi claro desde o início, mas tanto os governos Obama quanto Trump continuaram adiando a decisão final, não querendo aceitar a humilhação da derrota. Mais cedo ou mais tarde, entretanto, algo teve que ceder. Joe Biden foi corretamente criticado pela execução da retirada do Afeganistão no mês passado. O rápido avanço do Talibã e a caótica evacuação de Cabul foram um resultado direto de sua incompetência e de seus colegas no topo do Exército. Mas, independentemente de como ocorresse, a derrota dos Estados Unidos era certa há muitos anos. A desistência foi apenas a admissão final desse fato. Isso terá consequências importantes.

O Iraque é o próximo da fila. Seja por meio de uma retirada caótica como no Afeganistão ou como parte de um acordo com o Irã, a presença dos EUA no Iraque atualmente é insustentável. Mas as coisas não param por aí. Ver a máquina militar dos EUA sendo destruída por um bando de fanáticos do Talibã com Kalashnikovs encorajará outros países a desafiar o domínio dos EUA, como a China, a Rússia e até regimes mais fracos como o Irã. O resultado é o oposto do que os generais entusiasmados pretendiam quando começaram a exibir seu poder após o 11 de setembro. Em vez de uma demonstração do poderio militar dos EUA, a incompetência, as limitações e as fraquezas do imperialismo ficaram expostas para todo o mundo ver. Os aliados dos EUA em todo o mundo agora terão sérias dúvidas sobre o quanto podem contar com o apoio de Washington.

O imperialismo dos EUA ainda é a força militar e econômica mais poderosa do planeta. No entanto, como explicamos, sua capacidade de manobra foi severamente reduzida. Como resultado, qualquer grande campanha militar dos EUA está descartada por enquanto. Em vez disso, estará mais inclinado a recorrer à guerra econômica, operações especiais limitadas e campanhas por procuração. Longe de tornar o mundo um lugar mais seguro, isso aumentará a instabilidade e as tensões nas relações mundiais. Como um bêbado no dia seguinte a uma farra, a classe dominante dos EUA agora é forçada a levar em conta os processos que iniciou.

Crise do regime dos EUA

As consequências desses eventos não se limitam às relações mundiais, mas também às relações entre as classes dentro dos Estados Unidos. Quase 800.000 soldados norte-americanos participaram da guerra no Afeganistão. A maioria deles voltou para casa com cicatrizes físicas e mentais profundas – isto é, os que voltaram para casa. Em uma entrevista a Vice, um ex-fuzileiro naval que lutou em algumas das batalhas mais difíceis do Afeganistão deu um vislumbre interessante do clima entre muitos nesta camada. Quando o entrevistador perguntou se ele acha que a guerra foi em vão, ele respondeu:

“Sim. Você sabe como alguém que sangrou naquela guerra como todos nós … os caras que não voltaram para casa … por quê? Por que eles não voltaram para casa? São crianças de 19 a 20 anos que nunca voltaram para casa. Nunca tiveram que começar suas vidas e nós os abandonamos. Abandonamos esses caras. E isso é doloroso”.

O sentimento de ser traído permeia cada palavra desta declaração. Não é difícil imaginar a raiva que deve invadir muitos dos norte-americanos comuns que apoiaram as guerras no Afeganistão e no Iraque, ao perceberem que foram enganados. Depois de vinte anos de guerra, nenhuma das promessas feitas a eles se cumpriu. Em vez de um mundo mais seguro e democrático, a violência do imperialismo deixou um rastro de barbárie e miséria.

O fundamentalismo islâmico não foi derrotado – em vez disso, com a ajuda dos EUA, encontrou portos seguros que nunca havia encontrado antes no Iraque, Síria e Líbia. O Iraque e o Afeganistão não estão um passo mais perto da democracia do que antes. Toda conversa sobre uma “nova ordem mundial” baseada nos chamados valores democráticos norte-americanos, na “Construção da nação”; na “Guerra ao Terror” e no excepcionalismo norte-americano têm se mostrado nada mais do que um balão de ar quente. Esses são problemas graves para o sistema, que é cada vez mais visto pelos norte-americanos como um bando de mentirosos, oportunistas e charlatães incompetentes. Falando no podcast de avaliação da rede, Christopher Preble, do conservador instituto Cato, deu o alarme:

“Temos esse padrão de mentiras enganosas, falsidades ou, em alguns casos, verdadeiras mentiras [nas] declarações relativas à eficácia das forças de segurança afegãs. … A lacuna de credibilidade era o problema da era do Vietnã de funcionários do governo dos EUA dizendo coisas sobre o progresso daquela guerra, por exemplo, sobre a durabilidade do governo do Vietnã do Sul ou sobre a eficácia de combate do exército da república do Vietnã, o que acabou por não ser verdade. Essa foi uma lacuna de credibilidade. E, portanto, as autoridades norte-americanas não eram confiáveis para dizer a verdade. … Meu ponto é que este problema de credibilidade não se limita a guerras estrangeiras. Temos um colapso da confiança nas instituições deste país agora. E milhões de norte-americanos não conseguem diferenciar o fato da ficção … Há um problema de credibilidade e está piorando. O povo norte-americano não acredita nos funcionários do governo”.

Essas são sérias palavras de advertência, vindas de um dos estrategistas mais inteligentes do capitalismo dos Estados Unidos. Embora a tragédia de 11 de setembro de 2001 e as guerras subsequentes no Iraque e no Afeganistão tenham inicialmente fortalecido o clima de patriotismo e de unidade nacional, as derrotas nessas guerras aumentaram o clima de ódio e suspeita em relação à classe dominante. A crise do imperialismo dos EUA no exterior é também uma crise do capitalismo dos EUA em casa. Junto com fatores como o tratamento criminoso da pandemia da Covid-19, padrões de vida em queda, incerteza econômica generalizada e o flagelo do racismo, ela alimentou o processo molecular da revolução que está ocorrendo sob a superfície. As galinhas estão voltando para o poleiro do imperialismo. As condições estão sendo preparadas para que a classe capitalista norte-americana enfrente a punição por seus crimes – não através dos loucos islâmicos que ela mesma criou, mas pelas massas revolucionárias.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Para saber mais:

Dez anos do 11 de setembro: como mudou o mundo? (Alan Woods, 10/09/2011)

O assassinato de Bin Laden: terrorismo e terrorismo de Estado (Alan Woods, 04/05/2011)

A arrogância imperial e o assassinato de Bin Laden (Alan Woods, 06/05/2011)

Deixe Seu Comentário