Foto: Jonathan Rashad

10 anos depois: lições da Revolução Egípcia (parte 2)

PARTE 1

O que é o Estado egípcio?

Muitas discussões sobre a Revolução Egípcia se concentram na natureza burocrática militar do Estado egípcio. Embora seja uma questão importante, muitas vezes é confundida com discussões sobre o conteúdo de classe fundamental do Estado. A classe dominante egípcia – e o Estado que a defende – possui, em grande parte, caráter militar burocrático. Mas é, fundamentalmente, burguês em conteúdo.

Para explicar a natureza do regime egípcio, é necessário explicar como ele surgiu. Em 1952, um grupo de suboficiais do Exército egípcio derrubou o antigo Estado, cujos monarca e governo eram fantoches do imperialismo britânico e do francês. Até aquele ponto, a economia egípcia vinha apodrecendo no atraso feudal, sem uma classe capitalista própria, além dos que sugavam a pilhagem imperialista dos recursos do país. Para cumprir as tarefas da revolução burguesa, o líder da Revolução de 1952, Gamal Abdel Nasser, teve que se apoiar na classe trabalhadora e no campesinato pobre egípcio. A indústria foi revolucionada com base na nacionalização e no planejamento, e profundas reformas agrárias foram realizadas contra os grandes latifundiários. Nasser também contou com a ajuda externa da União Soviética stalinista, após a vitória em uma guerra com as potências imperialistas pelo controle do Canal de Suez.

O Estado de Nasser foi modelado, tanto na casta de oficiais do Exército egípcio – cujas patentes mais baixas lideraram a revolução e a derrota do imperialismo – quanto na burocracia stalinista. Nasser era um Bonaparte que surgiu na ausência de uma classe capitalista egípcia que não era inteiramente subserviente ao capital estrangeiro, e de uma classe trabalhadora forte o suficiente para liderar um movimento revolucionário em si. Como seu regime não tinha uma base social orgânica em nenhum dos dois campos principais da sociedade, ele precisava das massas para sustentar seu governo, mas também as temia. É por isso que ele misturou reforma social com repressão política brutal. A máquina repressiva do Estado de Nasser provaria ser uma arma mais do que útil na ofensiva da classe dominante contra os trabalhadores e os pobres, depois que ele partisse.

Os enormes saltos nos padrões de vida da maioria dos egípcios, como resultado da reforma econômica e da libertação do imperialismo, tornaram o nasserismo enormemente popular. Isso explica por que as bandeiras egípcias e as imagens de Nasser eram comuns na Revolução Egípcia. As tradições revolucionárias do Egito identificam-se com uma luta pela libertação nacional que trouxe ganhos sociais para as massas junto dela.

Apesar das reformas que foram alcançadas com base no planejamento da economia, Nasser nunca rompeu com o capitalismo. Isso significava que, quando a economia estagnou em meados dos anos 1960, os ganhos das massas começaram a se reverter. Esse processo exacerbou-se devido à humilhante derrota militar que o Egito sofreu nas mãos de Israel, em 1967, e a morte de Nasser, após a qual o pivô do presidente Anwar Sadat, longe da influência soviética em direção aos Estados Unidos, levou a economia egípcia a ser aberta à intervenção do capital estrangeiro. A abertura continuou ao longo dos anos 1980 e 1990, não apenas consolidando o domínio econômico do imperialismo, mas também enriquecendo uma nova geração de capitalistas egípcios que saquearam recursos do Estado e receberam grandes contratos privados do regime e de empresas estrangeiras. Esse processo foi acelerado pelo regime de Mubarak, na década de 2000, sob os ditames do FMI, que levou ao primeiro conflito aberto em escala de massa entre os capitalistas egípcios e a classe trabalhadora.

A reação da burguesia egípcia à revolução deixa claro que a função última do atual regime no Egito é defender os interesses do capital. “Ser rico é um crime agora”, disse o multimilionário Naguib Sawiris ao Wall Street Journal em março de 2011. A executiva de marketing Nathalie Atalla explicou isso de forma ainda mais clara:

“Dê-me os nomes das 100 maiores empresas do Egito e mostre-me a empresa que não estava de alguma forma envolvida com [o regime de Mubarak]. A caça às bruxas que temos visto mudou muito. Qualquer pessoa que seja alguém está começando a ficar preocupada. ”5

A “caça às bruxas” em questão foi uma onda de insurreições no local de trabalho em fevereiro de 2011, nas quais chefes e gerentes opressores e exploradores em todo o Egito foram expulsos de seus cargos pelos trabalhadores. Essa onda penetrou profundamente no coração do próprio estado egípcio, à medida que escritórios do serviço público, empresas de mídia estatais e fábricas administradas pelo exército foram expurgados de partidários de Mubarak. Acima de qualquer demanda salarial ou contratual, o apelo número um, que uniu todo o movimento grevista em todo o país, em setembro de 2011, foi pela Tathir – a limpeza do Estado.

O problema era que, enquanto os trabalhadores realizavam milhares de insurreições individuais bem-sucedidas – todas pelas mesmas razões básicas – não havia partido político em nível nacional capaz de vincular essas lutas únicas e elevá-las ao nível do poder estatal. Os trabalhadores nunca penetraram diretamente nos escalões superiores do Estado. A Revolução Egípcia abalou o Estado a ponto de começar a rachar e desmoronar, e indivíduos foram derrubados de seus pontos mais altos. Mas a revolução ainda não conseguiu arrancar o Estado de seus próprios alicerces e fazer para si um órgão do poder político, capaz de substituí-lo.

O povo e o exército

Um elemento crítico do Estado, predominante nas discussões sobre a Revolução Egípcia, é o exército. Os grupos de esquerda no Egito frequentemente ridicularizam o “mito” de que “o povo e o exército são uma mão” (slogan ouvido regularmente nas ruas durante a revolução). Muitos usam isso como uma desculpa para descartar o potencial revolucionário dos trabalhadores egípcios comuns (!). Outros – como os Socialistas Revolucionários (SR) – agitam contra ele da maneira mais superficial e ultra esquerdista, sem se importar em explicar o que exatamente o exército é.

Na mente de milhões de egípcios, o exército personifica sua própria história revolucionária, devido ao seu papel de unir as lutas pela libertação nacional e pelo fortalecimento social. Claro, o regime burocrático-militar burguês joga com essa ideia para pacificar as massas. Isso foi enfatizado por Sisi durante sua ascensão ao poder em julho de 2013. A questão não é demitir ou condescender com os trabalhadores por suas ilusões “no exército”, mas oferecer uma análise de classe de seu papel na revolução.

Em certo sentido, “o povo” e “o exército” são a mesma coisa – e no capitalismo egípcio eles são feitos para servir ao mesmo mestre opressor. Se os soldados rasos das Forças Armadas egípcias não são jovens da classe trabalhadora recrutados à força pelo Estado, eles são constituintes dos pobres urbanos e rurais, sem nenhum outro meio de emprego estável. Essas camadas constituem a grande maioria das forças armadas. Por outro lado, no topo do exército, está o coração da contrarrevolução, que se opõe diretamente aos interesses das massas, incluindo os soldados comuns.

Desde o início da revolução, os soldados compartilharam um respeito mútuo com os trabalhadores e os jovens nas ruas, o que deu um grande relevo às batalhas com as forças de segurança do Estado. A confraternização entre as tropas estacionadas em manifestações e protestos ocorreu durante todo o período de dois anos e meio, entre o fim de Mubarak e a ascensão de Sisi. Em janeiro de 2011, os manifestantes na Praça Tahrir perguntaram a um comandante de tanque se ele atiraria neles por ordem de seu superior. Ele respondeu: “Não, nunca farei isso. Nem mesmo se eu receber a ordem.6 Durante protestos contra a presidência de Morsi, em frente ao Palácio Presidencial, os manifestantes imploraram aos guardas presidenciais de baixo escalão para deixarem seus postos e se juntarem a eles. Um soldado apontou para o palácio e gritou de volta: “Tire esse cara e coloque quem você quiser dentro!7

Na verdade, em muitos casos, os soldados aderiram à revolução, incluindo pelo menos um exemplo de manifestação de oficiais subalternos na Praça Tahrir em 2011. Foi a ameaça iminente de sua casta de oficiais se dividir ao longo de linhas de classe (não os protestos da Irmandade Muçulmana em que alguns grupos de esquerda vergonhosamente se dissolveram) que impediu o general Mohamed Tantawi, na época presidente do Conselho de Segurança das Forças Armadas (SCAF), de tentativa de golpe de estado em junho de 2012.

A Revolução Egípcia poderia facilmente ter causado uma ruptura entre a massa proletária de soldados e oficiais inferiores e os chefes militares burgueses. Lamentavelmente, faltou uma organização com a posição de classe correta e orientação para a base do exército com exigências como a eleição de todos os oficiais com pleno direito de revogação. Se a revolução tivesse ganhado, o exército com base na classe, teria se armado e desarmado o regime. Isso teria facilitado a tomada do poder.

Sem colaboração com a contrarrevolução!

Nos estágios iniciais de uma revolução, é normal que o movimento assuma a forma de uma massa heterogênea contendo várias camadas – e até mesmo interesses de classe concorrentes – que entrarão em conflito em um estágio posterior. O curso da revolução separa o joio do trigo. Veja o exemplo de Mohamed El-Baradei, um funcionário liberal burguês das Nações Unidas, que era a grande esperança para muitos jovens egípcios e camadas de classe média antes de 2011. Ele passou a maior parte da Revolução escondido em seu apartamento de luxo, apavorado com a visão da luta de classes, antes de capitular ao antigo regime, no final de 2012. Terminado o trabalho sujo, ele fugiu do país e de sua nova posição como vice-presidente, com poucos tristes por vê-lo partir. Ou observe Wael Ghonim, o executivo do Google que a mídia internacional falsamente credita como um dos principais líderes da revolução. Em meados de 2011, ele estava dando apoio quase acrítico ao SCAF enquanto tentavam impor um novo Mubarak.

“O Egito permanecerá apenas islâmico” é o que diz na pichação de partidários da Irmandade Muçulmana após a revolução Foto: Elagamytarek
Em contraste, os trabalhadores e jovens egípcios comuns avançaram para um nível mais alto de consciência de classe em cada estágio da revolução, aprendendo com os erros de seus “líderes” fracassados. Um exemplo particularmente comovente do alto nível de consciência de classe da revolução foi a solidariedade de classe entre cristãos e muçulmanos no movimento de massa. O slogan “Muçulmanos e Cristãos são uma mão” cortou a divisão sectária fomentada pelas classes dominantes egípcias durante séculos. A religião, em si, nunca foi um problema para lutar durante a revolução, apesar de seu impacto generalizado como uma força conservadora na sociedade egípcia. Os muçulmanos defendiam os cristãos da segurança do Estado e das milícias islâmicas e vice-versa. Em primeiro lugar, todos eram revolucionários e trabalhadores.

Claro, a infiltração da Irmandade Muçulmana – uma força da reação burguesa religiosa com uma base ativista pequeno-burguesa – no movimento revolucionário, complicou esta questão. A Irmandade foi uma força contrarrevolucionária agindo para suprimir o papel da classe trabalhadora na revolução. É por isso que as ações de alguns grupos de esquerda, como os Socialistas Revolucionários, de marchar ao lado da Irmandade em defesa de seus direitos constitucionais e de dar apoio crítico a Mohamed Morsi como o mal menor nas eleições de 2012, são tão escandalosas. Esses grupos serviram para diluir as diferenças de classe na revolução, semeando ilusões em uma força contrarrevolucionária como forma legítima de oposição ao regime militar-burocrático.

Os SR ganharam muita autoridade por meio de seu pequeno papel no crescimento do movimento grevista antes da revolução. Essa autoridade foi, no entanto, completamente desperdiçada quando eles alinharam atrás da Irmandade em 2012. Eles ficaram do lado errado das barricadas, espalhando confusão entre as camadas avançadas da classe trabalhadora.

Se os SR não conseguiram entender a natureza de classe da Irmandade Muçulmana de antemão – e seu trabalho anterior com os islâmicos em coalizões de protesto sugere que sim –, durante a própria revolução, os sinais de alerta estavam lá. A Irmandade recusou-se a se mobilizar de qualquer forma em 25 de janeiro e se manifestou contra o desenvolvimento da revolução em cada etapa do caminho. Eles colaboraram com o SCAF na manipulação do formato das eleições parlamentares em 2011 para garantir a maioria. Eles denunciaram publicamente a convocação de uma greve geral em 11 de fevereiro de 2012 e desempenharam um papel importante em impedi-la de ir em frente, impossibilitando ativamente a participação dos trabalhadores. Um trabalhador do sindicato independente do Transporte Público, que mobilizou o voto de Morsi para a eleição presidencial em junho de 2012, descreveu seu desgosto com a Irmandade poucos meses depois, após funcionários do partido o prenderem por fazer greve: “Não vou votar a favor a Irmandade Muçulmana novamente; eles querem fazer um novo Faraó e não vamos deixá-los fazer isso.8

A esquerda revolucionária deveria estar em posição de fazer ganhos massivos, enquanto os trabalhadores passavam pela escola da presidência da Fraternidade. Nos doze meses de Morsi no cargo, a economia mergulhou ainda mais na crise, o desemprego continuou a aumentar e as privatizações aumentaram. Os mesmos acordos corruptos para vender ativos do Estado e obter favores da classe dominante ocorreram, só que agora uma ala diferente da burguesia estava na frente da fila. A Irmandade usou tanto a segurança do Estado, quanto as milícias islâmicas, para levar a cabo um regime de terror, incluindo a repressão brutal dos protestos em novembro de 2012 e a imposição de toques de recolher repressivos em Port Said, Alexandria e outras cidades, em janeiro de 2013. Mas não foi apenas porque o oportunismo anterior enfraqueceu a autoridade política dos SR e de outros da esquerda. Eles continuaram a defender os direitos democráticos da Irmandade Muçulmana, mesmo quando os bandidos da organização estavam aterrorizando trabalhadores e jovens nas ruas!

A classe, o partido e a direção

O caso da Frente de Salvação Nacional (NSF) não foi melhor. Kamal Abu Aita emergiu como uma figura notável nas greves dos coletores de impostos sobre a propriedade no final dos anos 2000, para liderar o primeiro sindicato independente no Egito, não muito antes de liderar a primeira federação sindical independente egípcia (EFITU). Em janeiro de 2012, essa federação reivindicou sindicatos nacionais filiados em todos os setores-chave da economia, 24 sindicatos gerais e 1,4 milhão de membros. Abu Aita comandou com imenso poder e autoridade na vanguarda da Revolução Egípcia.

Infelizmente, como todos os outros grandes líderes da revolução, ele era um reformista. Abu Aita acreditava que as lutas políticas e econômicas dos trabalhadores deveriam ser mantidas separadas, um erro que refletia a baixa consciência política dos líderes dos trabalhadores após décadas de repressão do regime. É uma desculpa frequentemente repetida em relatórios de lutas trabalhistas egípcias, de que os trabalhadores não têm interesse em política. Bem, é claro – eles, com razão, não têm interesse nas políticas de Mubarak, Morsi ou Sisi! É papel de uma liderança convencê-los de que podem ter uma política própria. Com pouca fé na capacidade dos trabalhadores de assumirem a liderança no plano político, mesmo durante a revolução, Abu Aita não fez nenhum esforço para convocar ou organizar um partido independente de massas da classe trabalhadora, ligando as milhares de lutas locais de trabalho a uma luta geral pelo poder político. Quando ele foi eleito para o parlamento, em novembro de 2011, ele estava em uma lista liderada pela Irmandade Muçulmana.

Da mesma forma, o nasserista de esquerda Hamdeen Sabahi entrou na revolução com enorme autoridade política. Mesmo assim, ele falhou em transformar o apoio popular de massa nas eleições presidenciais de 2012 em uma organização política de massa para a classe trabalhadora. Sabahi executou um programa de trabalhadores, pedindo nacionalizações generalizadas, o salário-mínimo de EGP 1.200 e um salário máximo, e um imposto sobre a riqueza de 1%. Ele ganhou a votação no Cairo, Alexandria, Luxor, Sinai e praticamente todos os centros industriais nas regiões do Delta e do canal. Na verdade, ele deveria ter enfrentado Morsi (e vencido) no segundo turno da eleição, mas a classe dominante fraudou a votação para garantir que seu candidato preferido, Ahmed Shafik, fosse mantido na disputa. Sabahi corretamente pediu um boicote à eleição, mas se recusou a usar sua plataforma para mobilizar as massas, alegando que isso seria antidemocrático!

Em vez disso, menos de seis meses depois, Abu Aita, Sabahi e outros fizeram um acordo com figuras do antigo regime e liberais como El-Baradei para formar uma frente popular de oposição à Irmandade Muçulmana. Não há dúvida de que os interesses imediatos das massas e da ala dominante da classe dominante convergiram quando Morsi tentou consolidar o poder em suas mãos em novembro de 2012. Mas por não conseguir ficar em independente oposição em uma base de classe, os líderes dos trabalhadores estavam colocando a revolução em perigo de ser desviada da tomada do poder e seguir um caminho seguro para a classe dominante. Foi exatamente isso que aconteceu.

Em cada momento crítico da revolução anterior a esse ponto – por exemplo, nos grandes levantes de novembro de 2011, novembro de 2012 e janeiro de 2013 – Sabahi, junto a Abu Aita e oposicionistas liberais como El-Baradei, fez todos os esforços para manter o movimento de volta, impedindo-o de derrubar o regime. Se eles tivessem colocado metade da mesma energia e determinação para realmente construir um movimento revolucionário organizado, as coisas teriam sido completamente diferentes.

Mesmo com esses erros, se durante ou após 30 de junho de 2013, Sabahi e outros líderes tivessem assumido uma posição de classe independente, camadas avançadas da classe trabalhadora, no mínimo, teriam ido com ele. O desafio teria sido lançado para a classe dominante, e as massas teriam visto uma clara diferenciação entre a revolução e a contrarrevolução potencial. Os soldados rasos do exército teriam uma decisão clara a tomar e estariam prontos para partir com a revolução.

Ao contrário, Sabahi endossou totalmente a ditadura de Sisi depois de 30 de junho, e Abu Aita aceitou um cargo no governo como ministro do Trabalho. Ele permaneceu em silêncio enquanto o Estado tentava reprimir as greves, usando a repressão contra a Irmandade Muçulmana como pretexto, e apoiou medidas formais tomadas contra organizações de trabalhadores independentes posteriormente. Como Trotsky disse uma vez, a possibilidade de traição está sempre contida no reformismo.9 Depois de aceitar os limites do sistema, você terá que seguir seus ditames. Abu Aita foi apenas um dos muitos líderes da revolução subornados pelo novo regime. Desorientado e desmoralizado por tais traições, após três anos de luta infrutífera, o movimento de massas começou a declinar.

Agora, esses chamados líderes operários estão longe de ser encontrados. Apenas o candidato menor à presidência de 2012, Khaled Ali – que, apesar de suas ilusões reformistas, manteve sua posição independente do regime – se destacou como potencial polo de atração para as massas nas eleições presidenciais de 2018. Ali desistiu da corrida após sua prisão sob uma acusação forjada de obscenidade. A disputa eleitoral foi suprimida quase inteiramente sem muito protesto público, com até mesmo potenciais rivais de Sisi da velha guarda de Mubarak sendo impedidos de entrar. Por enquanto, os trabalhadores egípcios estão tendo que pagar caro por uma crise de liderança revolucionária. Eles aprenderam da maneira mais difícil que a única unidade pela qual vale a pena defender é a unidade de sua classe.

As questões do pão e da liberdade são inseparáveis

Para a mídia liberal internacional, a Revolução Egípcia começa e termina com a questão da democracia. Mas o que significa democracia?

Certamente, o sair às ruas de milhões de pessoas em face de um monstruoso Estado policial para lutar por suas demandas coletivas é um ato profundamente democrático, que vai além da imaginação mais selvagem de qualquer comentarista liberal burguês. Direitos democráticos como liberdade de expressão, responsabilidade política e liberdade de imprensa são as principais forças motrizes da revolução egípcia.

Um problema central da revolução foi que as lutas democráticas e econômicas foram apresentadas como duas lutas separadas. Na realidade, elas estão completamente interligadas Foto: Jonathan Rashad
A repressão do Estado e a ausência de direitos democráticos básicos foram as questões que desencadearam a primeira onda de revolução que então abriu as comportas para que as queixas, esperanças e aspirações de milhões de pessoas aparecessem abertamente. Claro, também houve um movimento de trabalhadores com demandas sociais se desenvolvendo antes de 2011, conforme já discutido.

A questão é que a experiência da Revolução Egípcia provou que mesmo as tarefas democráticas burguesas básicas não podem ser realizadas com base no capitalismo egípcio. Todas as demandas democráticas iniciais de janeiro de 2011 foram atendidas pelo regime em um ano, mas nenhuma foi consolidada de forma significativa. Hoje, 10 anos depois, as massas ainda se encontram sem os mesmos direitos democráticos básicos. Algum egípcio poderia dizer honestamente que vive em uma democracia? O primeiro turno das eleições parlamentares em 2015 teve uma participação de 2%, demonstrando o desprezo do povo egípcio por todo o processo fraudulento. Enquanto isso, o atual regime passou os últimos quatro anos fazendo tudo o que pode para suprimir vozes políticas dissidentes, bem como jornais e editoras independentes.

Os melhores exemplos de democracia na prática que a Revolução Egípcia (temporariamente) alcançou foram nos locais de trabalho, na forma de comitês de greve independentes. Esses comitês eram imediata e totalmente responsáveis perante o corpo de trabalhadores que realizava ações coletivas. Isso não tem nada a ver com as elevadas abstrações de El-Baradei e outros sobre a democracia burguesa de estilo ocidental sendo aplicada no Egito aos mesmos padrões dos Estados Unidos.

O problema é que a democracia no local de trabalho nunca teve uma expressão política nacional generalizada, devido à ausência de um partido revolucionário da classe trabalhadora. Em nível local, ele só poderia realmente existir para servir ao propósito desta ou daquela luta por salários, contratos de trabalho, demitir este ou aquele patrão e outras demandas sociais. Essas demandas sociais precisavam estar vinculadas à ação política em nível nacional, visto que só poderiam ser alcançadas integralmente pelos trabalhadores egípcios, conquistando o poder político para si próprios.

Assim como as questões de democracia colocadas pela revolução não foram respondidas, as reformas sociais graduais que os trabalhadores conquistaram com a luta durante a revolução, foram revertidas. Isso ocorre em grande parte porque o custo de vida relativo no Egito saiu de controle nos últimos cinco anos devido à crise contínua do capitalismo egípcio. Também demonstra a natureza temporária das reformas dentro da estrutura do sistema capitalista. Os salários relativos estão agora muito mais baixos do que há dez anos, os contratos temporários e o emprego informal ainda prevalecem em todos os setores da economia e os fantoches do regime voltaram a ocupar cargos de gestão em todos os setores.

Infelizmente, entre alguns setores da juventude revolucionária havia até certa condescendência para com a classe trabalhadora e total ignorância de suas demandas sociais. Isso permitiu que a classe dominante pacificasse o movimento com promessas vazias sobre questões democráticas formais, enquanto a questão do pão – isto é, democracia econômica – foi deixada de lado. Como o ativista Hisham Kassem coloca, “Se em alguns anos, a pessoa que estava varrendo minha rua e foi tão instrumental quanto eu nessa coisa toda, descobriria que ‘Bem … ainda estou varrendo a rua e vivendo com US$ 2 por dia, eles vão se reerguer novamente.10 E a classe trabalhadora começou a crescer de novo – desde os distúrbios do pão em 2017, aos protestos de Mohamed Ali em 2019.

Um problema central da revolução foi que as lutas democráticas e econômicas foram apresentadas como duas lutas separadas. Na realidade, elas estão completamente interligadas. Os marxistas são totalmente a favor da luta pelos direitos democráticos das massas. Mas o capitalismo egípcio não pode se dar ao luxo de conceder tais direitos, porque eles abririam o caminho para que as massas apresentassem suas demandas econômicas que o sistema não pode satisfazer. Portanto, a luta por direitos democráticos e padrões de vida mais elevados são uma e a mesma: ambas implicam na luta contra o capitalismo. A juventude egípcia deve estudar sua revolução de uma perspectiva de classe a fim de tirar essa conclusão necessária e direcionar seu entusiasmo revolucionário na direção dos trabalhadores. Só assim o verdadeiro poder democrático da Revolução Egípcia pode ser realizado.

Você não pode parar uma revolução no meio do caminho

O fracasso da revolução em remover o regime burguês e desenraizar o Estado teve terríveis consequências sociais e políticas. O capitalismo egípcio continua cambaleando de uma crise para a outra: do colapso da moeda em 2016 à última crise econômica desencadeada pela Covid-19, que está afetando fortemente a economia. Além de seus efeitos econômicos, o vírus está fora de controle no Egito, espalhando-se como um incêndio pelo sistema prisional no início deste ano. O regime removeu virtualmente todas as restrições que havia imposto ao acaso, permitindo que a doença se propagasse pela população, ao esconder a infecção real e as taxas de mortalidade.

Mesmo antes da pandemia, os níveis de pobreza e o custo de vida estavam aumentando, à medida que os subsídios aos combustíveis diminuíam. Cinco anos atrás, foi relatado que mais de 50% dos egípcios estavam em uma situação de moradia insustentável. Desde então, mais congelamentos de aluguel de décadas foram removidos. Ao mesmo tempo, os gângsteres da construção aumentam seus bilhões com resorts de luxo meio vazios.

A presidência de Sisi foi marcada por um aumento nos ataques terroristas islâmicos, enquanto o Exército egípcio continua a se intrometer nas bárbaras guerras civis da Líbia e do Iêmen.

E agora, Sisi parece ter estendido sua ditadura indefinidamente, quebrando sua única promessa restante para a revolução. Durante seu governo, a classe dominante decretou uma vingança brutal pela revolução contra os jovens ativistas em particular. No entanto, não tem sido capaz de usar a repressão violenta contra a classe trabalhadora diretamente, pois os trabalhadores provaram decisivamente, durante a revolução, que o equilíbrio de poder na sociedade está a seu favor.

A consequência mais desastrosa da revolução ser desviada pela metade, entretanto, é o efeito que teve sobre a consciência de classe. O aumento da luta de classes antes de 2011 e os explosivos movimentos revolucionários de massa que se seguiram deixaram um vácuo de poder. O aparato estatal preencheu devidamente esse vácuo com uma figura de proa do mesmo antigo regime, apropriando-se das credenciais do movimento revolucionário para justificar esse ato. Por causa da falta de uma liderança revolucionária agindo independentemente do regime da época, esse processo confundiu as massas. Para muitos, é como se nada tivesse mudado ou as coisas tivessem piorado.

No entanto, não é verdade que nada mudou. Embora a curto prazo a consciência de classe possa ter ficado desorientada, a experiência inestimável adquirida em anos de luta revolucionária, quando as massas foram forçadas a frequentar as escolas do SCAF e da Irmandade Muçulmana, não se perdeu. Trabalhadores e jovens egípcios têm a chance de tirar as conclusões necessárias dessa riqueza de experiência, bem como da escola de Abdel Fattah El-Sisi. Já vimos algumas dessas conclusões colocadas em prática nos últimos dois anos, quando os trabalhadores organizaram manifestações contra a Sisi, apesar das intimidações e pressões de seus patrões e da segurança do Estado.

Mas a ausência de um partido revolucionário da classe trabalhadora ainda é grande no Egito hoje. A Revolução Egípcia nunca foi derrotada em luta aberta; a responsabilidade de seu fracasso recai exclusivamente sobre os ombros de seus líderes. A lição aqui é: preparar um partido revolucionário enraizado na classe trabalhadora antes do próximo movimento revolucionário, na base teórica correta. Isso começa agora, com o aprendizado das lições de 2011-14 para aplicar as conclusões corretas na prática. É assim que se constrói uma organização revolucionária digna desse nome.

Certamente, a força, a criatividade e a vontade das massas egípcias de transformar a sociedade nunca estiveram em questão. Tudo o que faltava era o fator subjetivo. É tarefa dos revolucionários hoje preparar precisamente este fator. Então, a próxima explosão revolucionária pode ser canalizada para a conquista do poder para a classe trabalhadora.

5 Liberation Square, Ashraf Khalil, St Martin’s Press (2011), p.300

6 Circling the Square, Wendall Steavenson, Harper Collins (2015), p. 18

7 Ibid., p. 318

8 Bread, Freedom, Social Justice: Workers and the Egyptian Revolution, Anne Alexander & Mostafa Bassiouny, Zed Books (2014), p. 273

9 Writings on Britain, Leon Trotsky, marxists.org (1931)

10 Liberation Square, Ashraf Khalil, St Martin’s Press (2011), p.309

TRADUÇÃO DE LUCIANA LEAL.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário