Ilustração: Evandro Colzani

Trotsky e a guerra civil na Espanha

Quando se desata o levantamento dos generais, em 19 de julho de 1936, nem Trotsky nem os dirigentes do POUM, Partido Operário de Unificação Marxista, são surpreendidos. O governo da Frente Popular, uma emanação da maioria operário-republicana, levado ao poder pelas eleições de fevereiro, não pôde e nem quis se comprometer na luta contra os preparativos do complô e do levantamento, e agiu como fiador da “lealdade” – de um exército que preparava a contrarrevolução. Mas esta tentativa de contrarrevolução preventiva fracassa frente a resistência dos trabalhadores, que improvisam em algumas horas o armamento e a resistência armada: vencem, depois de encarniçados combates, os marinheiros da frota de guerra, os trabalhadores em todos os grandes centros da Catalunha, de Astúrias – exceto Oviedo, onde se deixam enganar pelos dirigentes da Frente Popular – em Levante e na própria Madrid. Ao mesmo tempo, os trabalhadores criam as organizações de seu combate: milícias operárias, patrulhas de controle, comitês com diversos nomes que unem todas as organizações operárias e aos quais também se unem, de boa ou má vontade, os restos das organizações republicanas.

Mas os partidos e sindicatos, incluída a CNT, permanecem prisioneiros da orientação da Frente Popular de colaboração de classes: como um fantasma do passado e da lei, subsiste um governo “republicano”, constituído no coração da insurreição, o governo Giral. Em toda a Espanha republicana cria-se uma situação de duplo poder, onde, de forma desigual segundo as regiões e seu mapa político, as massas, no próprio movimento que as leva ao combate, liquidam os problemas da sociedade espanhola, oferecendo suas soluções, acabando com as forças da repressão, corpos policiais, exército, autoridades tradicionais – a igreja em primeiro lugar –, apoderam-se das fábricas e das terras e começam a exercer diretamente o poder através de seus comitês.

Estes acontecimentos constituem, aos olhos de Trotsky, uma brilhante confirmação de suas análises sobre a sociedade espanhola em crise, sua saída revolucionária: só o proletariado, agrupado em suas próprias organizações, pode encontrar a resposta aos problemas históricos que há por diante, começar realizando as tarefas “democráticas”, a transformação “socialista”: abater o fascismo na Espanha e acabar em toda a Europa com o reino do capitalismo, começando pelo fascismo dos países que, como a Itália e a Alemanha, se colocaram do lado dos generais espanhóis. A história se encontra de novo em um desses momentos privilegiados nos quais a ação consciente do movimento operário pode dar a volta à situação, deter a marcha em direção à guerra mundial, impedir os preparativos de guerra imperialista por uma nova repartição do mundo, caminhar com o espírito de 1917 para a revolução mundial. Mas, nas condições dadas, depois que os partidos pequeno-burgueses e conciliadores tinham explodido literalmente em pedaços no encontro armado, o obstáculo principal se encontra à cabeça do movimento operário, na direção dos partidos e sindicatos tradicionais que, arrastados pelo movimento de massas, se preocupam sobretudo por controlá-lo e freá-lo, por limitá-lo ao marco parlamentar, reformista e legalista da Frente Popular. No seio desta coalizão1 contra a revolução, selada na aliança eleitoral de janeiro, o stalinismo constitui o fator essencial, e será de fato, o principal agente da empresa contrarrevolucionária. Efetivamente, a União Soviética tenta por sua vez conciliar com o imperialismo franco-britânico (as “democracias”) para a conclusão de uma aliança militar contra a Alemanha nazista e seus aliados, e evitar que um movimento revolucionário vitorioso na Espanha possa colocar em questão a hegemonia de seu próprio aparato, as próprias bases da dominação burocrática da União Soviética. No momento em que a sangrenta farsa do primeiro processo de Moscou concretiza a vontade de Stalin de eliminar, ao mesmo tempo que os companheiros de Lênin, empurrados a confissões desonrosas por métodos policiais, todo laço com o bolchevismo, suas lições e suas experiências, com a corrente revolucionária de Outubro de 1917, o stalinismo não pode fazer mais do que lutar com toda a sua força na Espanha a fim de evitar uma vitória proletária, que significaria o fim de sua dominação. O caminho da vitória na Espanha, a ruptura dos partidos operários com a burguesia e seus partidos, isto é, com a direção política da Frente Popular, a constituição de um governo operário e camponês, a consolidação e a transformação dos comitês operários e camponeses em verdadeiros sovietes, sua transformação de organismos de coordenação entre partidos e sindicatos em organismos que saiam das próprias massas e que exerçam todo o poder, não se pode impor mais que ao preço de um feroz combate contra todos os partidários da colaboração de classes, em primeiro lugar o aparato stalinista internacional, que desempenha um papel decisivo na Espanha e está decidido a pagar qualquer que seja o preço.

Militantes seguram a bandeira da Segunda República Espanhola, em Madrid
Contudo, a luta pelo poder dos “comitês-governos”, dos comitês transformados em sovietes, a batalha pela eliminação do governo conciliador da Frente Popular e a criação de um governo operário e camponês, a constituição, em plena guerra civil, do instrumento decisivo que constitui, na base do modelo russo, o exército vermelho, a luta consciente por ampliar a toda a Europa o incêndio revolucionário que acaba de explodir na Espanha; tudo isto, não pode ser realizado sem a existência de um partido revolucionário, que seja como o foi o Partido Bolchevique, o partido da ditadura do proletariado, o partido do “poder dos sovietes”, o partido do exército vermelho. O POUM, tal como é, pode chegar a ser este partido? Em que condições? Isto é o que Trotsky se pergunta, e o mesmo parece haver achado uma resposta de forma positiva, antes de que os acontecimentos desmintam esta análise e o obriguem a um novo giro radical, e a esta desesperada empresa: a construção, em plena guerra civil e a partir do nada, do partido revolucionário que é a condição da vitória.

O POUM de agosto de 1936 não é muito diferente ao de seus primeiros meses de existência. Seu dirigente indiscutível, Joaquin Maurin, falta à chamada, surpreendido na Galícia pelo levantamento, e é feito prisioneiro pelos insurretos fascistas: uma ausência que pesará sobre a história do partido, já que deixa o POUM sob a direção de Nin, seu “secretário político” frente ao que Andrade chamava de “reflexo da defesa preventiva”, por parte dos “ex-dirigentes bloquistas”, “contra os dirigentes originários da ICE”, aos que atribuem a intenção de “apoderar-se do POUM” e de “impor o trotskismo”2. Por outro lado, o levantamento militar o golpeou nas regiões nas quais a Esquerda Comunista exercia maior influência no seio do POUM: Manuel Fernández Sendón em La Coruña, Luis Rastrollo, secretário geral do POUM na Galícia, Luis Fernández Vigo, um de seus organizadores na Andaluzia e muitos outros quadros e militantes provenientes da Esquerda Comunista, serão fuzilados nos primeiros momentos da insurreição militar. O resultado é que a organização catalã, saída quase totalmente do Bloc, adquire na organização unificada um peso ainda mais considerável.

No entanto, as transformações dos partidos operários revolucionários – lentas em períodos de estabilidade política e social – podem adquirir um ritmo acelerado em períodos de lutas de massas e guerra civil. Os militantes do POUM, através das suas iniciativas, desempenharam um papel importante na organização da luta armada, na constituição das organizações de combate do proletariado, e a sua organização adquiriu um novo peso. O POUM tornou-se um partido de massas, não só pelo aumento do número de membros, que passou de 6.000 para mais de 30.000 membros3, mas porque seus membros, reconhecidos como organizadores, estão prestes a se tornarem quadros de sua própria classe e de sua juventude, especialmente nas milícias. Por outro lado, possui os meios materiais que lhes valeu a sua ação e o público adquirido durante os dias revolucionários: jornais de Barcelona, ​​Madrid, Lérida, semanários do partido e da JCI4, grupos de pioneiros, grupos de mulheres, grupos locais, possibilidade de organizar atividades públicas de massa, comícios, desfiles etc. A este respeito, o POUM, transformado devido ao impulso revolucionário das massas operárias e camponesas espanholas, priva-se de sua tendência ao particularismo e surge a necessidade de responder aos problemas em escala mundial. O ex-líder do bloco, Juan Farré, escreve no jornal JCI de Lleida: “O triunfo da revolução espanhola é o início de um poderoso movimento revolucionário mundial. O triunfo da revolução espanhola moverá o meridiano de origem de Moscou para Barcelona. O partido bolchevique degenerou, e é o POUM que ergue a bandeira de sua tradição e a exibe em todo o mundo5. Trotsky não esquece as diferenças do passado, os incidentes com Nin, a assinatura do programa eleitoral da esquerda. Mas a situação revolucionária que acaba de se criar na Espanha exige audácia e grandes esforços para avançar no caminho da organização revolucionária. Em sua opinião, o POUM, tal como está, pode ser ganho, desde que seja ajudado, tornando-se um fator poderoso tanto para a vitória da revolução proletária na Espanha como para a construção da Quarta Internacional. No dia seguinte ao encerramento da conferência de Genebra do movimento pela Quarta Internacional, realizada no final de julho, Jean Rous, membro do Secretariado Internacional (SI), segue para Barcelona, ​​onde chegará no dia 5 de agosto. Os primeiros contatos com as lideranças do POUM, especialmente com Andrés Nin, que se tornou secretário político na ausência de Maurín, são cordiais. O POUM quer que Trotsky seja bem-vindo na Catalunha e diz isso oficialmente a Rous. Ele aceita de bom grado a colaboração, o “apoio político, material e técnico” que lhe é oferecido pelo B-L [abreviatura de Bolcheviques-Leninistas] e declara-se pronto para aceitar a colaboração regular de Trotsky em La Batalla. Trotsky responde ao telegrama de Rous informando-o de suas propostas com uma carta – que não chegará ao seu destinatário – na qual ele insiste na necessidade de “esquecer as diferenças do passado”: enfrentando a tarefa que os revolucionários na Espanha devem enfrentar e em outros lugares, velhas queixas têm que ser enterradas e buscar sinceramente trabalhar juntos. Ele estende a mão para Nin e Andrade, aconselhando-os a buscar acima de tudo o apoio dos lutadores anarquistas, cujo papel é decisivo na guerra e na revolução. Porém, muito em breve, as pressões do governo de Stalin sobre os noruegueses, as ameaças dos nazistas, o início do primeiro Processo de Moscou, a falta de confirmação das propostas para ficar na Catalunha, privaram-no das esperanças, acalentadas por um momento, de intervir pessoalmente no desenvolvimento da revolução espanhola: praticamente um prisioneiro na Noruega, ele foi forçado ao silêncio a partir de 26 de agosto.

No momento em que suas relações com Nin e seus ex-companheiros da Esquerda Comunista, que haviam se tornado líderes do POUM, deveriam tomar sua forma definitiva, em um momento em que a menor iniciativa política poderia ter consequências de incalculável significado, Trotsky se vê reduzido à impotência, incapaz até de intervir de longe, por meio de cartas, como fizera até então. É em Barcelona – e sem ele – que o futuro está em jogo. Jean Rous – “Clart” na organização B-L – foi escolhido em nome do SI, especialmente pelo seu conhecimento de línguas, embora seja competente, hábil, prudente e um bom negociador. As dificuldades se acumulam em seus passos. Contava com o apoio em Barcelona de um militante italiano, Di Bartolomeo – Fosco –, um veterano da “nova oposição italiana”, expulso da França na primavera, refugiando-se na Espanha, onde fora preso e posteriormente libertado como resultado de uma campanha do POUM. Os dirigentes do POUM, desbordados, confiaram-lhe a responsabilidade de receber e organizar os militantes estrangeiros que chegassem. Foi ele quem abriu as primeiras portas a Rous, que o acompanhou ao encontro no bosque, no qual Nin leu para vários milhares de trabalhadores a “saudação” da Quarta Internacional6. Mas as boas relações não duraram muito. Fosco desempenha um papel pessoal, se corresponde com Molinier, que em breve chegará a Barcelona. Rous o aconselha a fazê-lo voltar imediatamente, para não comprometer definitivamente a reaproximação entre Trotsky e Nin. Foi Fosco quem aconselhou Nin e Andrade a trazer Landau, que logo se revelará um feroz anti-trotskista; foi ele quem aconselhou Nin a não trazer Leon Sedov, filho de Trotsky, que estava pronto a “colocar-se à disposição do trabalho militar do POUM”. Elementos B-L vindos do exterior complicam a tarefa do representante do SI, muitas vezes sectário. Eles fazem julgamentos sumários sobre o POUM, repetem as severas avaliações de Trotsky, reiteradas em uma carta de julho à SI, publicada pela primeira vez em agosto em La Lutte Ouvriere, aprendem a lição com os militantes do POUM, orgulhosos de seu combate e de sua luta. Um deles, o italiano Stellio (pseudônimo de Renato Metteo Pistone) rouba uma carta de Molinier do gabinete de Fosco, conta que Blasco a mandou para vigiar Rous e reclama que os dirigentes do POUM ameaçaram matá-lo. Os belgas, todos chegando com cartas de recomendação de Victor Serge, desprezam os franceses do POI, e os italianos ensurdecem seus camaradas com o barulho de suas brigas de facções.

Milícia a caminho do front na Guerra Civil Espanhola
Barcelona tende a se tornar um reduto fechado dos chamados grupos de extrema esquerda que gravitam em torno do POUM e que disputam o acesso às suas instalações, como o hotel Falcón. Os alemães do KPO e do SAP reivindicam o Bureau de Londres, mas inclinam-se para a Frente Popular e são muito anti-trotskistas. Michel Collinet, o braço direito de Marceau Pivert na esquerda revolucionária do SFIO, coloca os líderes do POUM em guarda contra as ações trotskistas. A direita do POUM – os antigos bloquistas, gabava-se da sua possível influência, da possível fraqueza de Nin em relação a eles, das relações que Andrade continua a ter com eles. Será dito e repetido que “os trotskistas” assumiram a estação de rádio do POUM em Madrid, onde de fato alguns militantes são contratados para transmissões em línguas estrangeiras. O primeiro artigo de Trotsky para La Batalla é amputado por Gorkin de uma curta frase que ataca Marceau Pivert e Maurice Paz, chefes do SFIO, o partido que patrocina a não intervenção. No funeral de Robert de Fauconnet, morto no front, Rous é autorizado a falar, mas o serviço de ordens do POUM impede que a bandeira da Quarta Internacional seja exposta sobre o círculo.

O governo da Generalitat não concorda em conceder visto de entrada a Trotsky: os líderes anarquistas estão longe de desejar sua presença. Por outro lado, Trotsky não dava sinais de vida desde que Rous transmitiu as propostas do POUM por telegrama; perdeu-se toda a esperança de uma explicação direta, e os incidentes que se multiplicam são significativos de um fenômeno muito mais profundo, do qual testemunham as cartas e os relatórios de Rous de Barcelona, ​​bem como os de Moulin de Madri: a entrada do POUM no Conselho Económico, a progressiva integração do Comité Central das milícias nos mecanismos do governo da Generalitat, parecem-lhes indicadores perturbadores de uma orientação que se dirigia para a política da Frente Popular, ressurgindo a velha desconfiança e as antigas reclamações. De imediato, fica claro que se prepara uma virada política na Catalunha e que a direção do POUM se prepara para seguir uma linha que não conseguiu a aprovação de Trotsky: a partir do momento em que os anarquistas consideram a possibilidade de entrar em um governo que iria reunir todas as forças “antifascistas”, os principais dirigentes do POUM acreditam que nada podem fazer a não ser segui-los. Pensando que essa orientação significaria o rompimento definitivo com Trotsky, Andrade tentaem vão organizar uma discussão com o Secretário Internacional. Outros, ao contrário, estão pressionando para que esses laços comprometedores sejam rompidos o mais rápido possível.

E o fato é que o POUM não é apenas centrista por causa de sua história, das posições adotadas por seu congresso de unificação, sua heterogeneidade, o caráter muitas vezes contraditório de suas posições de uma semana para a outra, as dúvidas e divisões de seus dirigentes e assessores. É também pelas oposições e contrastes que surgem entre as suas diferentes federações: de fato, são vários POUMs.

Em Madrid, sua sede é decorada com um imenso retrato de Trotsky. O núcleo do POUM na capital – onde existiam apenas alguns ex-dirigentes do Grupo Autônomo que aderiram ao Bloco após a saída de Portela, que se fixou em Valência por incompatibilidade de gênio com os demais dirigentes madrilenos – é constituído pelos veteranos da esquerda comunista, velha e jovem guarda, desde o veterano Luis García Palacios, – logo desmoralizado -, aos jovens recrutados na zona sul, como Jesús Blanco, passando por Enrique Rodríguez ou Eugenio Fernández Granell, recrutados também no período de “oposição” nas fileiras do Partido Comunista. No início de 1936, contava com mais ou menos 150 militantes, todos sentimentalmente ligados à Quarta Internacional e a Trotsky, bem como ao POUM onde decidiram constituir a Esquerda Comunista. Este punhado de homens foi muito importante na luta contra a insurreição militar de julho. O papel dos militantes madrilenhos do POUM no assalto ao quartel da Montanha, que atacavam gritando “Viva Trotsky!”, bem como nas lutas dos primeiros dias, o seu ardor e dinamismo, ganharam imediatamente apreço e inegável público, especialmente entre os jovens trabalhadores7. Tanto é que, em 20 de julho, o POUM de Madrid constitui uma “coluna motorizada” – cem homens chefiados pelo comunista franco-argentino Hipólito Etchebèhére (Juan Rústico) – que será a ponta de lança do “batalhão de voluntários dos trabalhadores. 20 de julho”, sob o comando de um oficial de carreira, grande leitor e admirador de Trotsky, o herói da batalha pelo quartel da Montanha, onde o capitão Santiago Martínez Vicente fora feito prisioneiro pelos fascistas8. No início de setembro, o “Batalhão Lênin”, constituído em Madrid pelo POUM, conta com mais de 500 milicianos, e dobrará seu efetivo nas próximas semanas.

No entanto, esta jovem organização, que cresce no coração da maior batalha da guerra civil, está profundamente marcada pelos laços de seus dirigentes com Trotsky e com o movimento bolchevique-leninista internacional. Suas instalações não são apenas decoradas com retratos de Trotsky, mas com faixas comemorativas de seu papel na revolução russa. A sua estação de rádio conta com a colaboração dos militantes BL da Suíça, Moulin, Paul e Clara Thalmann, que lançam apelos inspirados no internacionalismo proletário de tradição de 1917. A sua imprensa, o semanário POUM, o diário miliciano, El Combatiente Rojo e o semanário JCI La Torcha tem tons propriamente “bolchevique-leninistas”.

Várias centenas de jovens operários estão atrás das bandeiras do POUM e da JCI na manifestação organizada para celebrar o restabelecimento das relações com a União Soviética: eles apresentam um retrato de Trotsky, a quem aplaudem ao passar pelo Embaixador Rosenberg. O Combatente Vermelho convoca a eleição, nas colunas da milícia, de “comitês combatentes”, e reproduz um panfleto do “Comitê Central dos refugiados antifascistas italianos”, apelando à “confraternização”, apresentado como aplicação dos ensinamentos de Lênin e Trotsky9. O mesmo jornal dedica um lugar importante à denúncia dos Julgamentos de Moscou, às reações e condenações que suscita no movimento operário e reproduz um artigo de Trotsky sobre o terrorismo individual10. Em resposta aos ataques do Mundo Obrero, órgão do Partido Comunista, afirma que “os bolcheviques-leninistas existem e estão a crescer em todo o mundo11. Em cada edição, um lugar importante é dedicado a Trotsky, à memória do papel que desempenhou na fundação do Exército Vermelho e na defesa de Petrogrado, de cuja perseguição é vítima no momento em que caem os camaradas de Lenin. As palavras de ordem dos madrilenhos do POUM trazem a mesma marca: afirmação de que a revolução proletária está na ordem do dia, denúncia do caráter burguês dos governos Giral e Largo Caballero, constituição de comitês análogos aos soviéticos, referências ao internacionalismo proletário e a denúncia do papel contra-revolucionário do stalinismo. A Tocha explica que a JCI está de acordo com a tradição dos jovens bolcheviques “exibindo a bandeira de Lênin e Trotsky“, lutando “pela revolução proletária, pela constituição de um governo operário com base nos comitês da milícia, trabalhadores e camponeses12. O enorme sucesso de seu primeiro grande comício, realizado em 11 de outubro no teatro María Isabel, provocou a resposta da JSU, que o acusou de “dividir” e organizar a “cisão” dos jovens, assim como do Mundo Obrero, que acusa o “grupo trotskista” em Madrid de usurpar o nome de “comunista” e recorda a este respeito a descoberta na URSS do “centro de espionagem e traição” liderado por Zinoviev, Kamenev e Trotsky. No dia 21 de outubro, eclodiram os primeiros incidentes que esses ataques verbais haviam preparado: a invasão e saque das instalações da JCI em Madrid por um grupo de sessenta membros da JSU, determinados a silenciar pela força aqueles que tratavam como divisionistas e como “agentes do fascismo”. Este será o sinal da campanha geral de extermínio realizada contra o POUM.

A orientação da federação do Levante é muito diferente, dirigida, já poucas semanas depois do início da guerra civil, por Luís Portela, que não hesitou em afirmar em Dezembro de 1936 perante o Comité Central ampliado: “No nosso partido existe uma corrente que carrega uma política que não é realmente nossa. Esta corrente, que funciona fundamentalmente como fracção, é representada sobretudo pela seção de Madrid13. A orientação do jornal El Comunista é estranha para quem leu El Combatiente Rojo e até La Batalla. O órgão levantino do POUM não hesita em conceder o seu apoio sem reservas ao governo do Largo Caballero, escrevendo: “O governo da República é a expressão da vontade das massas populares, personificadas pelos seus partidos e organizações14. Apesar de os primeiros atos de violência terem ocorrido contra membros de seu próprio partido em Madrid, e de até mesmo seu próprio direito de expressão estar em questão, ele escreve que os militantes levantinos do POUM se orgulham de “não ter causado nenhum incidente15. Multiplica os ataques contra aqueles que chama de “os inimigos dentro de nossas próprias fileiras“, denuncia os “aventureiros políticos”, os “intelectuais pequeno-burgueses”, a “frivolidade” dos “irresponsáveis”, aos que há de principalmente responsabilizar pelos ataques stalinistas. Ele lança uma campanha para que “todo” pretexto “de ataque de outros partidos operários seja” cortado “pela raiz”, o que, segundo ele, só pode ser alcançado com a eliminação radical do POUM de “qualquer trotskista ou tendência trotskista16, visando tanto a seção de Madrid como a JCI como um todo, em particular o seu Secretário-Geral, Solano, mas tentando chegar a Nin e Andrade. Portela reprova o Comitê Executivo e La Batalla por terem criticado publicamente a União Soviética. O comunista recusa-se a defender os acusados ​​dos julgamentos de Moscou, sublinhando que “nem eles próprios se defendem!17.

Com relação à orientação, as divergências não são menores. O alemão Landsmann, da SAP, apoia a Portela no congresso da Federação do Levante, afirmando: “Nin criticou a Frente Popular. O que teríamos feito se o movimento fosse dirigido contra um governo diferente da Frente Popular?” O comunista desaprova as críticas que têm sido feitas às Cortes, bem como a exigência de sua dissolução18. Os dirigentes comunistas do Levante se opõem à palavra de ordem dos “comitês”, que consideram “desacreditados”, assumindo, em fevereiro de 1937, em meio à ofensiva stalinista contra o POUM, a questão da “unificação dos marxistas”, necessária, em sua opinião, para a purificação de cada partido – fazendo seu o POUM pela esquerda – protestando contra os caprichos da direção na tentativa de tirar do governo os partidos republicanos pequeno-burgueses, cuja presença eles consideram indispensável, opondo-se também ao slogan de “governo operário” e à ruptura da coligação com os partidos burgueses, que, em princípio, estão no centro das palavras de ordem do governo geral do seu partido ao longo deste período19. Ao lado do POUM “vermelho” de Madrid, quase bolchevique-leninista, o POUM de Levante surge rosa claro, como a ala deste partido é mais abertamente favorável a uma política de alinhamento com a Frente Popular.

Agora entende-se melhor como, nessas condições, Andrade pôde escrever hoje que o POUM “viveu desde o início da revolução em estado de crise oculta permanente“, e que Nin, imposto por “sua autoridade moral, seu talento, seu prestígio e as necessidades da realidade”, foi um “secretário político reduzido em suas funções”, constantemente “sujeito aos vexames de dirigentes maurinistas veteranos”, que constantemente lutam contra ele, obrigando-o a uma luta permanente num partido em que ele não representa mais do que uma “fração minoritária” e na qual só pode contar com “o amadurecimento político que estava ocorrendo na base20. A linha do POUM, sob o peso dessas dificuldades, se traduziria em grande quantidade de dúvidas e incertezas, e alimentaria a ruptura após a acirrada polêmica com Trotsky, a partir da entrada do POUM no governo da Generalitat.

A liquidação do levante militar na Catalunha havia criado mais claramente ainda que no restante da Espanha uma situação de duplo poder entre as autoridades da Generalitat – o presidente Companys – e os comitês construídos pelos militantes operários, essencialmente da CNT, nas cidades, nos povoados e nos bairros de Barcelona21. As dúvidas dos anarquistas, enfrentados ao problema do poder, haviam conduzido já imediatamente depois da insurreição a uma solução intermediária, à constituição de um Comitê Central das Milícias Antifascistas da Catalunha, formado por representantes dos partidos operários e republicanos e dos sindicatos operários e camponeses. “Eram já um organismo de Frente Popular”, mas nos quais “as forças operárias eram fundamentalmente determinantes”, como sublinha Andrade22, o comitê central tinha pois a possibilidade de se converter – pela ampliação de sua base de comitês milicianos, por sua transformação em comitês eleitos de tipo soviético e pela eliminação dos partidos republicanos e burgueses – em um verdadeiro governo operário. Esta era, em agosto de 1936, a posição do POUM e seguramente a de Trotsky. Mas a pequena burguesia vigiava através do presidente Companys, separado em julho e aparentemente reduzido a um papel decorativo: foi ele quem, a partir de setembro, se dedicou a convencer aos elementos dirigentes da CNT-FAI da inutilidade desta “dualidade de poderes” e de seu caráter nefasto para a organização da luta, assim como da necessidade de dar um fim a esta situação, reconstruindo um “governo” da Generalitat, de composição idêntica à do Comitê de Milícias, o que pressupunha a dissolução deste último. A discussão chega até o Comitê Central, onde o POUM está representado. Andrade conta:

“Nosso delegado se bateu até o último momento, sustentado por todo o partido e seu órgão La Batalla, contra este propósito, propondo, em troca, uma melhor estruturação do Comitê de Milícias e uma representação mais fiel das massas revolucionárias (…) Nossa opinião era muito minoritária, a CNT-FAI dispunha de uma força ativa hegemônica, e sua decisão foi adotada”23

O POUM, da mesma forma que durante a decisão sobre as alianças eleitorais, encontrava-se ante uma alternativa decisiva: continuar sozinho na via defendida até agora ou inclinar-se ante a maioria das organizações operárias, em nome da unidade e da eficácia, entrar no governo e aceitar uma carteira ministerial. Uma alternativa de grandes consequências e que questionava o seu futuro. Juan Andrade, recordando isto24, insiste sobretudo nas consequências que ocasionaria, segundo a sua opinião, a negativa à colaboração governamental: o isolamento do POUM, favorecendo as esforços stalinistas em favor de sua proibição, a perda de direitos e vantagens materiais para suas milícias – o comando de milícias era o critério para o “reconhecimento” de um partido como antifascista –, assim como o perigo de se ver no curto prazo obrigado a cair na ilegalidade, numa situação que o POUM estimava que era fundamental para ele e para a revolução, poder se dirigir às massas. Aqui não terminavam os perigos que os dirigentes do POUM entreviam: era provável que uma decisão negativa teria como consequência a cisão por parte dos elementos direitistas do partido. Andrade, que mais tarde escreveria que a participação havia sido “contraproducente e até nefasta25, hoje se contenta por fazer notar que a forma com que Trotsky expressa sua crítica estava “quase formulada nos termos de como se houvesse tratado da colaboração clássica dos socialdemocratas em um governo parlamentar burguês, ou seja, de Andrés Nin seguindo a trilha de Millerand26. As consequências da participação apareceram rapidamente: uma das primeiras decisões do governo em que Nin havia entrado como ministro (“conseller”) da Justiça, será precisamente a dissolução dos comitês nascidos nas jornadas revolucionárias de julho, a instalação de juntas feitas à imagem e semelhança das da Frente Popular, a restauração, da mesma forma que no restante da Espanha sob o governo de Largo Caballero, de um governo burguês tradicional, simplesmente “rejuvenescido” pelo aporte e pela colaboração das organizações operárias, mas que terá a tarefa de restabelecer uma “situação normal”, o que ocorrerá no espaço de alguns meses, a participação do POUM foi preciosa para pôr no lugar o dispositivo de contra-ataque a partir da restauração da autoridade governamental.

A decisão de entrar no governo Tarradellas da Generalitat foi tomada por unanimidade? Certamente se pode duvidar, e numerosos testemunhos revelam profundas dúvidas, pelo menos entre os dirigentes do POUM. Os líderes da JCI estão relutantes, e as explicações dadas em um comício em Barcelona por seu secretário-geral, Wilebaldo Solano, vão provocar a fúria dos mais fervorosos defensores da colaboração. Molins y Fábrega luta contra a posição que considera um grave erro. Enrique Rodríguez, de Madri, convidado para o Comitê Central a título consultivo, vota contra. Andrade também parece ter lutado contra uma decisão para a qual não vê claras as consequências, e ter pedido em vão uma consulta aos militantes, o que é rejeitado por falta de tempo, dizem, porque é preciso decidir rapidamente. Em todo caso, oficialmente, a decisão foi tomada pelo Comitê Central por unanimidade: nenhum dos oponentes à entrada questiona se a expressão de uma oposição significaria obviamente, nessas condições, uma cisão.

É assim que aparecem as raízes das diferenças que vão arruinar qualquer esperança de reaproximação entre Nin e Trotsky. Como em janeiro, diante da conclusão da aliança eleitoral, o POUM se compromete a se curvar a uma política que não é sua, que não quis, ou até que lutou contra: recusa-se a ir contra a corrente e a se isolar das outras organizações. Minoria dentro da classe trabalhadora, acredita que deve se curvar, na Catalunha, aos anarquistas, como fizera em janeiro aos socialistas, aliando-se aos republicanos no programa destes. A concepção “unificadora” que prevaleceu na própria constituição do POUM constitui, sem dúvida, um fator poderoso na tomada desta decisão. Mas há outras razões ainda mais decisivas. A recusa em colaborar, do interior, no governo da Generalitat, a luta para defender, com unhas e dentes, os comitês, transformando-os em órgãos das massas revolucionárias no poder, significaria obviamente voltar-se para a ditadura do proletariado sob o modelo “soviético”: o POUM, por causa do Bloco, considera que esta política é estranha à tradição do movimento operário espanhol. Se o órgão de poder segundo o POUM foi, nos primeiros seis meses de 1936, a Aliança dos Trabalhadores, formada por delegados dos partidos operários e sindicais, a coalizão que prevalece no Comitê Central das Milícias – e que se transfere para o novo governo – que se estende segundo as mesmas propostas às novas câmaras municipais, é muito diferente qualitativamente, tendo em conta o papel que as organizações republicanas desempenham neste momento, reduzidas à sua expressão mais simples e que estão a reboque das organizações de trabalhadores? Finalmente, intimamente ligada a essas concepções de princípio, há uma análise até mesmo pelos dirigentes do POUM da situação no verão de 1936: em 6 de setembro, Nin afirmou que “hoje existe uma ditadura do proletariado na Catalunha27: ao entrar no governo de Companys, os dirigentes do POUM não poderiam contribuir para a liquidação de um segundo poder, pois não há dualidade de poderes, nesse caso, a dissolução do Comitê de Milícias, não pareceu mais do que uma simples reorganização, uma mudança, certamente digna de ser levada em conta, mas não qualitativa, visto que o governo catalão tinha, como explicam os militantes do POUM madrileno, um “caráter revolucionário”, sendo expressão, até pela sua composição, das tarefas “democrático-socialista” da revolução. Nin, no Conselho da Generalitat, lutou contra a dissolução dos comitês locais, mas se consolou com a derrota e com o fato de o POUM deixar de ser hegemônico em alguns comitês locais, como o de Lérida, devido ao fato de que doravante está representado em localidades onde até agora esteve afastado … Walter Held, secretário, e seguramente porta-voz de Trotsky sobre este problema, escreverá:

“O POUM aqui cometeu o trágico engano que consiste em considerar seu próprio partido como um objeto morto, ao invés de considerá-lo como um fator vivo da revolução. Essas meias medidas, essa autocastração, não são elas que preparam o terreno para as medidas hipócritas dos stalinistas?”28

A entrada de Nin no governo catalão, a dissolução dos comitês na Catalunha, em todo caso, abortou o início da colaboração traçada em agosto entre os trotskistas e os veteranos da esquerda comunista que estavam à frente do POUM, uma colaboração que tinha encontrado alguns obstáculos, tanto dos “bloquistas” e seus aliados dos partidos estrangeiros do Bureau de Londres, e dos “voluntários BL” estrangeiros, que desconheciam tudo sobre a Espanha, mas eram pródigos na hora de dar lições. Após a instauração do governo de Tarradellas, com Nin como ministro da Justiça, Rous saiu no dia 7 de outubro, após uma última entrevista com Andrade. Ele deixou para trás seu secretário, o poeta Benjamin Péret, que se alistará nas milícias na frente de Aragão, bem como algumas dezenas de militantes espalhados. Após o colapso do grupo Fersen, não há mais B-Ls espanhóis. Os remanescentes do grupo Fersen, com exceção de Esteban Bilbao, que estava isolado, foram integrados ao Partido Socialista, ou, como Jesús Blanco, ao POUM. Dos militantes estrangeiros presentes na Espanha antes do início da guerra civil, um, Robert de Fauconnet, morreu, e o outro, Fersen, trabalha para sua própria facção internacional, a de Molinier. Munis ainda não voltou do México. Na verdade, alinham-se dois grupos, um em torno de Fosco, o outro em torno de outro militante italiano, Carlini. A publicação por este último do relatório de Rous sobre a Espanha provoca a primeira reação violenta, a de El Comunista de Valência, porta-voz do anti-trotskismo no POUM. Expulsos por sua atividade fracionária do POUM e de suas instalações em Barcelona, ​​os militantes do grupo “oficial” – Adolfo Carlini, Lionello Guido – pedem a adesão a este partido, com direito a constituir sua própria facção: recebem um recusa brutal, assinada pessoalmente por Nin, em nome do Comitê Executivo, exigindo da sua parte a desaprovação prévia dos ataques da Quarta Internacional. Após cinco anos de revolução, Trotsky não tem, para especificar sua política, nem mesmo um grupo, mesmo que pequeno, de militantes espanhóis …

Vimos como, durante meses, Trotsky não dedicou uma única linha à revolução espanhola: isolado em sua prisão norueguesa, privado de qualquer colaborador, unido apenas ao resto do mundo por seu rádio, ele dedica todas as suas forças para demolir a assembléia policial maquiavélica dos julgamentos de Moscou, e para tentar esclarecer, para o movimento operário mundial, a provocação stalinista que permite o massacre dos velhos camaradas bolcheviques de Lênin, ao mesmo tempo que prepara seu próprio assassinato. Quando finalmente foi recebido em um refúgio mais acolhedor, saindo da Noruega para se instalar no México, voltou a falar da revolução espanhola, já se passaram muitos meses, e são justamente os meses em que o POUM concordou em colaborar com o governo, apesar do fato de que a conspiração da intervenção ítalo-alemã e a de “não intervenção” das outras potências estavam sendo tramadas sobre o país. Trotsky voltou a assumir o papel de censor e se expressou de acordo com as decisões do Bureau ampliado do movimento pela Quarta Internacional em janeiro de 1937: o POUM é alvo dos ataques stalinistas, merece receber apoio material e moral, por parte dos revolucionários, embora já não possa ser concedido apoio político.

As desavenças não param de se agravar, e a disputa vai tomando, aos olhos de qualquer pessoa, um caráter acadêmico. A decisão da União Soviética – inicialmente co-signatária do pacto de não intervenção – de dar ajuda material à Espanha teve consequências políticas. O Pravda não o esconde: na Espanha já não se trata de uma revolução “socialista”, nem mesmo de uma revolução “camponesa-operária”, mas sim de uma “revolução democrática” e da “luta contra o fascismo”29. É precisamente na Espanha onde se pode soldar a aliança que o governo Stalin busca desde 1934 com a Grã-Bretanha e a França e da qual o pacto Laval-Stalin de 1935 foi apenas um primeiro passo, do seu ponto de vista, insuficiente. Trata-se de demonstrar às duas potências “democráticas” ocidentais que não só a aliança russa não constitui um perigo para elas em termos de subversão e revolução social, mas também que o governo russo – bem como as forças que apoiam incondicionalmente na Espanha , PCE-PSUC, JSU – são os defensores mais eficazes da legalidade, da propriedade e da ordem. As análises teóricas justificam o combate a uma “revolução intempestiva”, que não é nem mais nem menos que um combate contra-revolucionário. O PCE e o PSUC tornaram-se os defensores da pequena burguesia, do “pequeno industrial”, do “pequeno comerciante”, do “pequeno camponês”, que se apavoram com o coletivismo sumário dos operários e camponeses anarquistas. Em nome da necessidade de eficiência na luta contra as forças de Franco e seus aliados Hitler e Mussolini, os porta-vozes espanhóis de Stalin lutam politicamente pela reconstrução de um “Estado forte”, rebatizado de “popular” para as necessidades da causa, com um “exército regular”, uma força policial e uma administração que estão fora do controle dos “comitês”. O inimigo é denunciado através dos “descontrolados” – certamente muito numerosos – termo que, para os Hernández, José Díaz, Pasionaria, Comorera e outros dirigentes do PCE, serve para designar a atividade laboral que escapa ao seu controle. A aliança do PCE e do PSUC com a direita do partido socialista e os partidos republicanos burgueses dá a estes a segurança moral de ser o único poder que ajuda militarmente a República e que goza, entre os trabalhadores, do prestígio da Revolução de Outubro. É no governo de Largo Caballero – no qual há dois ministros comunistas e quatro ministros anarquistas – que se dá essa restauração do Estado burguês espanhol, em um quadro essencialmente militar. Ao mesmo tempo, o governo Stalin não esconde que sua ajuda é condicional, subordinada à execução de uma política “moderada”, tranquilizadora para Londres e Paris, e que assessora o governo republicano.

O POUM acreditava estar situado na Generalitat da Catalunha, à esquerda de uma coalizão a reboque dos partidos burgueses tradicionais. Mas a aliança destes últimos com o PSUC na Catalunha, a constituição, a coberto da Frente Popular, de uma coligação “stalinista-burguesa” por um Estado forte, inverteu a correlação de forças. De repente, era o POUM que se via a reboque de uma coalizão que ia eliminando sucessivamente todas as conquistas de julho dos operários e camponeses. Depois, as ameaças do Pravda, a campanha de assassinatos lançada logo após os Julgamentos de Moscou, a orquestração, por Mundo Obrero, Treball, Frente Rojo, Ahora, da denúncia dos “trotskistas” como “divisores”, “agentes de Franco, HitIer e Mussolini”, “espiões fascistas” etc., fazem-no temer pela sua própria existência, e numa situação que se deteriora a cada dia, a direção do POUM apega-se fortemente aos dirigentes da CNT -FAI, à organização que parece-lhes a única força capaz de deter esse processo contra-revolucionário. Mas os líderes anarquistas, profundamente desorientados, incapazes de opor a menor perspectiva ao programa “antifascista” de restauração da ordem, só podem retroceder passo a passo, arrastando o POUM com eles.

Em novembro, há um pedido – em forma de ultimato – do embaixador da URSS, Marcel Rosenberg, para que o POUM seja expulso do Conselho de Defesa de Madrid, que assegura a defesa político-militar da capital nestes meses decisivos que, graças à união dos delegados do PCE, da UGT e das JSU, se tornará, sob a batuta do ultraconservador General Miaja, o instrumento decisivo da tomada stalinista da Espanha republicana, especialmente por meio dos postos decisivos de comando do exército e da polícia. Ao mesmo tempo, dentro do POUM, a pressão da frente popular sobre os elementos de direita – homens como Portela, os “caciques do ex-bloco”, como diz Andrade – é tamanha que a imprensa censura antecipadamente seus próprios protestos a fim de evitar qualquer ataque e qualquer acusação de “divisão dos combatentes” ou de “ataque à unidade antifascista”. La Batalla, comentando o voto russo, contrário à entrada do POUM no Conselho de Madrid, escreve: “É intolerável que, ao mesmo tempo que recebemos alguma ajuda, se pretenda impor certas normas políticas, emitir vetos e de fato dirigir a política espanhola30; o mesmo jornal, em 28 de janeiro de 1937, reproduziu esse trecho para que seus leitores pudessem apreciar a moderação dos termos utilizados31. A crise ministerial e a eliminação do POUM do conselho da Generalitat deveu-se a um ultimato do cônsul geral da URSS em Barcelona, ​​Antonov-Ovseenko. O POUM protesta veementemente, mas não aponta outra perspectiva que não seja a de seu retorno ao governo de coalizão, sua própria reintegração ao Conselho. Recusando-se a reconhecer que o processo contrarrevolucionário liderado pelo governo, agora abertamente realizado, começou em setembro com a dissolução dos comitês, e que foi facilitado por sua própria política colaborativa, o POUM, cujo progresso numérico estagnou e em face das grandes dificuldades materiais acumuladas, não pode esperar, nesta linha, mais do que uma mudança na política de colaboração dos anarquistas. É assim como Nin explica em seu relatório ao Comitê Central do POUM em dezembro. Toda a sua política repousa na necessidade de convencer os dirigentes da CNT, até agora manipulados pelos stalinistas e seus aliados, de que devem proteger o POUM, para se preservarem, e o secretário político do POUM até falaria à portas fechadas do “pacto secreto” de seu partido com a CNT32, pacto que seria tornado público, para começar a reverter a situação.

Na verdade, a rápida deterioração da situação política, o aumento dos ataques contra o POUM em Madrid, que em breve serão proibidos de qualquer ação pública, incluindo todos os tipos de organização, o ataque cada vez mais aberto, tanto do governo de Madrid quanto o de Barcelona e da ala correspondente ao PCE-PSUC, fazem nascer cada vez mais relutâncias, não só no POUM, mas mesmo nas fileiras dos grupos juvenis unificados, entre os veteranos da Juventude Socialista, na UGT e no PSOE , na CNT, e particularmente entre a Juventude Libertária. Foi o representante de Terrassa no Comité Central em Dezembro no qual assinalou que as relações com a CNT assentavam na diplomacia secreta dos acordos da cimeira, visto que, devido à política sindical do POUM, os militantes deste partido não estão em contato direto com as massas de militantes da CNT. O madrilenho Enrique Rodríguez evoca em La Batalla a dissolução dos comitês, dizendo que através deles “a classe operária teria podido exercer o seu próprio poder” e que a sua dissolução – endossada na Catalunha por Nin – “conseguiu evitar a intervenção das massas na vida do país33. Juan Andrade, evocando a discussão do próximo congresso do POUM, diz que deveria ter julgado sua “experiência de colaboração”, mas isso sem esquecer as condições particulares em que foi decidido e “que poderiam ter sido altamente favoráveis ​​para a classe trabalhadora. A experiência foi totalmente negativa e até prejudicial do ponto de vista do desenvolvimento do processo revolucionário34. O órgão da JCI, Juventude Comunista, assim como a organização dessa juventude, lançou uma campanha para organizar uma “Frente Juvenil Revolucionária”, que começou a arrastar alguns elementos das JSU que se rebelavam abertamente contra a orientação pró-stalinista de Santiago Carrillo.

No entanto, demorará muitas semanas para que se desenhe uma virada por parte da direção do POUM, que denuncia abertamente o empreendimento contrarrevolucionário e a ofensiva stalinista baseada em posições governamentais, lançando novamente os slogans de “governo operário e camponês”, dos “Comitês de trabalhadores, camponeses e combatentes”, dos quais afirma que constituem a base de uma“assembleia constituinte”que refletiria apenas a vontade das massas e permitiria a criação do “governo forte, que todos consideram necessário”. Nesta campanha, em que o aspecto mais evidente é a tentativa dos dirigentes do POUM de pressionar os dirigentes da CNT-FAI através dos seus militantes e dos seus incansáveis ​​quadros antes do relançamento da contrarrevolução, a perspetiva de Nin é a de uma transição pacífica, e os artigos e discursos desse período insistem na possibilidade de a classe trabalhadora retomar a iniciativa e, posteriormente, o poder, sem a necessidade de recorrer à violência. Trotsky, de sua nova residência mexicana, onde tem mais informações do que na Noruega – La Batalla, e não apenas o boletim francês do POUM, La Révolution Espagnole – reabre diretamente a polêmica contra seu ex-companheiro de armas, sublinhando que de seu ponto de vista , a Espanha republicana está à beira da guerra civil, e fazer a classe trabalhadora acreditar que pode tomar o poder sem usar a força significa simplesmente desarmá-la.

A greve e os combates de rua que se desenvolvem em Barcelona nos primeiros dias de maio confirmam esta análise de Trotsky e desautorizam a perspectiva demasiado otimista desenhada agora por Nin. O movimento espontâneo da classe operária de Barcelona e de toda a Catalunha, seu levantamento frente à provocação organizada contra ela pelos serviços de polícia da Generalitat, se situam muito acima das reações das organizações. Desta vez o POUM compreende o objetivo desta batalha e se esforça mais uma vez por convencer os dirigentes da CNT para não deporem as armas sem antes haver obtido as mais sólidas garantias. Mas os grupos de militantes cenetistas hostis à colaboração de classes não são suficientemente coerentes nem estão suficientemente organizados para provocar uma virada na política de colaboração dos dirigentes da central anarcosindicalista. Só um pequeno grupo de antigos faístas, animados por Jaime Balius, Pablo Ruiz e Francisco Carreño, faz coerentemente o balanço da experiência anarquista de colaboração governamental e se pronuncia por uma junta revolucionária. Andrade acaba de escrever em La Batalla:

“Os Amigos de Durruti formularam seus pontos programáticos em cartazes fixados em todas as ruas de Barcelona. Estamos absolutamente de acordo com as palavras de ordem que Os Amigos de Durruti lançam ante a situação atual. É um programa que aceitamos e na base do qual estamos dispostos a chegar a quantos acordos nos proponham. Há dois pontos em tais palavras de ordem que também são fundamentais para nós. Todo o poder à classe trabalhadora e aos órgãos democráticos dos operários, camponeses e combatentes, como expressão do poder proletário”35

Moulin, que agora dirige o minúsculo grupo dos fiéis a Trotsky, com Munis e Carlini, compreendeu também a importância que poderia fortalecer o grupo dos Amigos de Durruti, anarquistas a ponto de revisar sua posição teórica sobre a questão do Estado e do poder revolucionário: da mesma forma que a oposição destes últimos não modifica em nada o resoluto conservadorismo dos dirigentes da CNT, a aliança entre os bolcheviques-leninistas e os Amigos de Durruti não pesará nas decisões do POUM. Uma vez mais, seus dirigentes renunciam a seguir o caminho que eles consideram justo a partir do momento em que a CNT o rejeita. O POUM – depois de um silêncio de vários dias nos momentos decisivos – aceita seguir o apelo de abandonar as barricadas feito pelos dirigentes nacionais e regionais da CNT-FAI. O movimento de massas – desorientado, desprovido de toda perspectiva depois do fracasso da solução que via – perde intensidade. Para Trotsky, esta é a última capitulação, que assinala o destino histórico do partido de Maurín e de Nin36.

Dentro do POUM, a crise está aberta. A direita, e em particular Portela, considera arriscada a posição do partido durante as jornadas de maio e algumas organizações chegam mesmo a condenar – com todo o coro da Frente Popular – os militantes de Barcelona. Mas o descontentamento se manifesta sobretudo na esquerda, em torno da “célula 72”, inspirada por um membro do Comitê Central, José Rebull. Seu grupo, que já havia elaborado uma “contra-tese” política em abril, na qual se opunha fortemente à atitude seguidista dos dirigentes em relação à CNT, condenando de passagem, como Andrade, a colaboração com o governo da Generalitat, fustiga a atenção e a capitulação de seus líderes à traição dos líderes anarquistas. Parece estar arrastando a maioria dos militantes em Barcelona e de seu Comitê Local atrás dele. A seção de Madrid adota posições semelhantes às dos trotskistas, especialmente no que diz respeito à perspectiva de reconstrução de uma Internacional Comunista. Os artigos de Juan Andrade deixam cair preocupações precisas sobre as consequências das jornadas de maio, mas a posição oficial do partido é muito mais otimista: o Executivo começa um grande trabalho para abrir uma sala de projeção em sua sede em Barcelona e Julian Gorkin diz a seu correspondente estrangeiro que pensa que em seguida o POUM será chamado a retornar ao seio do governo catalão37.

A proibição do POUM e a prisão de seus dirigentes – o que Trotsky chamou de “fim” muitas semanas antes – recaíram sobre um partido profundamente dividido, no qual pelo menos boa parte dos dirigentes não entendia o que estava acontecendo. Mesmo que o testemunho de George Orwell38 não seja tomado literalmente, segundo o qual o POUM estava destituído, no dia da repressão, de qualquer aparato, material e instalações clandestinas, é claro que não saberá como proteger seus principais dirigentes, presos em suas próprias instalações, ou, naquela mesma tarde, no primeiro refúgio clandestino, lembramos que foi apenas nos últimos momentos que seu Executivo, ao desencadear uma campanha inédita de ódio e assassinato contra o POUM , decidiu excluir das suas fileiras a Portela e ao grupo valenciano, cúmplices incoerentes desta provocação. Sem dúvida isso se deve tanto à preparação do congresso – que nunca aconteceu – quanto às contradições sociais e políticas, à multiplicação durante essas semanas de expulsões de militantes trotskistas, apesar de Landau – sob o pseudônimo de Espectador – e Julián Gorkin, polemizarem contra Trotsky e os trotskistas nas colunas de La Batalla.

A partir de agora, a polêmica sobre a Espanha não terá o objetivo de convencer os dirigentes ou militantes espanhóis: os textos de Trotsky não podem alcançá-los nas prisões ou na clandestinidade, em um país onde, após a queda do governo de Largo Caballero, substituído pelo socialista de direita Juan Negrín, a GPU goza de total impunidade, abatendo confusamente os homens do POUM, anarquistas dissidentes, socialistas de esquerda e trotskistas. Andrés Nin é a vítima mais ilustre, detido pela polícia oficial, no entanto foi detido, torturado e posteriormente assassinado em uma prisão particular administrada por policiais russos. Mas outros caem, vítimas da colaboração mal disfarçada pela polícia “republicana” e pelos assassinos da GPU: Kurt Landau, Moulin, organizador do grupo Bolchevique-Leninista, mais tarde Erwin Wolf, que chegou no final de maio à “linha de frente” na Espanha … No final de 1938, a GPU montou uma formidável provocação contra os remanescentes do pequeno núcleo trotskista na Espanha: os últimos líderes do BL, o italiano Adolfo Carlini, os espanhóis Jaime Fernández e Francisco Rodríguez são acusados ​​de terem assassinado um agente da GPU39, detidos em ondas sucessivas, entre 1937 e 1938, condenados a pesadas penas de prisão, conseguiram fugir das suas prisões e mais tarde da Espanha, momentos antes da ocupação de toda a Catalunha pelas tropas de Franco.

No entanto, Trotsky considera que o exemplo espanhol é rico em ensinamentos para os militantes de todos os países, e especialmente para aqueles que estão determinados a construir a Quarta Internacional.

Trotsky luta à esquerda e à direita contra os anarquistas, cujas frases revolucionárias não os impediram de se tornar a “quinta roda” da carruagem da burguesia contra os socialistas de esquerda, que também capitularam, mesmo sem frases. Ele insiste no papel do stalinismo, desmonta o mecanismo de sua política na Espanha, pede a mobilização contra ele, contra seus crimes que continuam a ser cometidos na Espanha e, a partir daí, no resto do mundo: León Sedov, Rudolf Klement e Ignace Reiss, por sua vez, caem sob os golpes dos assassinos. Mas Trotsky também tem que argumentar com seus próprios camaradas, contra aqueles que são obcecados pela necessidade da luta militar, aqueles que, se fossem espanhóis, votariam nos créditos de guerra do governo Negrín, ou pelo contrário, aqueles que se inclinam para uma postura derrotista em uma guerra na qual eles vêem apenas dois “exércitos burgueses” presentes. Acima de tudo, a questão do POUM só agravou as divergências, já sérias, entre aqueles que se tornaram seus defensores, Victor Serge em primeiro lugar, mas também Sneevliet na Holanda, Vereecken na Bélgica: contra este último será contra quem ele que dirige várias vezes uma polêmica acirrada, que considera necessária para a formação de quadros revolucionários sólidos. Em sua opinião, a revolução espanhola constituiu uma prova, o campo de experiência que permitiu a verificação dos homens e de sua política, um fruto que deve ser colhido com amargura, já que seu suco é amargo, enquanto a esperança de uma vitória revolucionária se perde no horizonte.

Os homens que foram seus companheiros na Espanha durante este grande empreendimento, a revolução, a elevação da Internacional Comunista, e depois a construção da Quarta Internacional, estão espalhados ou mortos: Andrés Nin, assassinado, Andrade, prisioneiro, José Luis Arenillas, enforcado pelos algozes de Franco. Outros morreram apenas no nível da ação política: Fersen, transformado em um carabineiro, Lacroix, que a vingança stalinista esperará para enforcá-lo, a poucas dezenas de metros da fronteira francesa. Seus ex-camaradas que apodrecem nas prisões republicanas, nem todos sobreviverão. Muitos dos que esperam nas masmorras de Franco encontrarão a morte ali mesmo, outros irão embora, vinte anos depois. Os antigos dirigentes da Juventude Socialista, os Santiago Carrillos, os Federico Melchors, que em 1934, flertaram com a ideia de construir uma Quarta Internacional, tornaram-se responsáveis ​​pelo PCE, e ascenderam no aparelho. Somente depois de trinta anos – após o discurso de Khrushchev – eles “descobrirão” os crimes de Stalin.

Notas:

1 De fato, em 15 de janeiro de 1936, foi assinado em Madri o pacto eleitoral que serviu de base a uma conciliação de esquerda (estes foram os termos empregados) sob o princípio de liberar todos os presos  depois dos acontecimentos de outubro de 1934.

2 J. Andrade, prefácio de A. Nin, Os problemas da revolução espanhola.

3 Segundo Nin, em seu informe ao CC, Boletim Interno do POUM, no 1, janeiro de 1937.

4 Além dos jornais de Barcelona, La Batalla e o vespertino L’Hora, os de Lérida, Adelante e Combat das JCI, Juventud Comunista, a revista teórica do POUM, A Nueva Era, bem como os jornais menos regulares e os semanários do POUM, El Combatiente Rojo, La Antorcha de Madri, El Comunista de Valencia, e numerosos jornais em catalão, Front, de Terassa, El Pla de Bages, de Manresa, Acció, de Tarragona, Front, de Sitges, Avantguarda, de Puig Alt de Ter, Avant, de Figueres, Alerta, da frente de Aragón, L’Antorxa, de Reus, Lluita, de Barcelona, Impuls, de Sabadell etc.

5 Citado por La Batalla, 24 de diciembre de 1936.

6 La Batalla, 7 de agosto de 1936.

7 La Lutte ouvriere, 19 de septiembre de 1936.

8 El Combatiente Rojo, 24 de agosto de 1936, e o artigo necrológico sobre Vicente Martínez em La Batalla, 3 de noviembre de. 1936.

9 El Combatiente Rojo, 24 de agosto de 1936.

10 Ibidem., 20 de setembro de 1936.

11 Ibidem., 20 de setembro de 1936

12 La Antorcha, 10 de outubro de 1936.

13 Boletin interior del POUM, nº. 1, janeiro de 1937, p. 5.

14 El Comunista, 5 de dezembro de 1936.

15 Ibidem., artigo de Sixto Rabinad.

16 Ibidem.

17 Ibidem., 30 de janeiro de 1937.

18 Ibidem., 25 de janeiro de 1937.

19 Ibidem.

20 Andrade, op. cit. p. 8.

21 É indubitável que particularmente a mobilização cenetista impediu em julho de 1936 o triunfo do “levantamento nacional” na Catalunha; embora se possa falar de uma situação de duplo poder (o oficial, nas mãos da Generalitat e o real, o das ruas, na CNT), de fato, a Generalitat foi ultrapassada, e unicamente… o condicionamento de toda uma série de princípios ideológicos anarquistas que rejeitavam precisamente “o poder político”, sua própria debilidade política, impediu à CNT aproveitar uma situação na qual não soube o que fazer com o poder que tinha nas mãos.

22 Andrade, op. cit. p. 29

23 Ibidem., 29-30.

24 Ibidem., p. 30.

25 La Batalla, 13 de abril de 1937.

26 Andrade, op. cit., p. 29.

27 Nin, Los problemas…, p. 182.

28 W. Held, ”El Estalinismo y el POUM en la revolución” en Quatrième Internationale, n.º 3, 1937, Anexo, p. 438.

29 Pravda, 17 de dezembro de 1936.

30 La Batalla, 24 de novembro.

31 Ibidem , 28 de janeiro de 1937

32 Boletín Interno del POUM, nº 1, janeiro de 1937.

33 La Batalla, 7 de março de 1937.

34 Ibidem., 13 de abril de 1937.

35 Ibidem., 1 de maio de 1937.

36 A única obra recente relativa aos fatos de maio apareceu em Barcelona: trata-se de M, Cruels, Mayo Sangriento, Els fets de maig Barcelona 1937 (Ed. Juventud, Barcelona, 1970).

37 Mencionado por Paul Thalmann em seu manuscrito inédito, Moskau, Madrid, Paris.

38 G. Orwell, Catalogne Libre, p. 206. Edição castelana e catalã, Homenatge a Catalunya, Ed. Ariel, Barcelona 1969. También editado em castellano.

39 Se tratava do capitão León Narvitch, de origen russa, capitão das Brigadas Internacionais. Parece que na realidade havia sido assassinado por militantes do POUM que haviam descoberto seu papel de espião e de provocador.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXISTS.ORG

Deixe Seu Comentário