Sindicalismo e democracia operária

“Quando os senhores burgueses e seus repetidores sem senso crítico, os socialistas reformistas, falam com tanta petulância da “educação” das massas, isto é geralmente entendido como algo escolástico e formalista, algo que desmoraliza as massas e instila nelas os preconceitos burgueses.

A verdadeira educação das massas nunca pode ser separada da luta política independente, e sobretudo, da luta revolucionária das próprias massas, só a luta educa a classe explorada, só a luta descobre a magnitude da sua força, alarga o seu horizonte, eleva a sua capacidade, clarifica a sua inteligência e forja a sua vontade”. (Informe sobre a revolução de 1905, Lenin)

Uma das maiores dificuldades e obstáculos que a classe trabalhadora tem perante as exigências de melhores condições de trabalho, salários e ocupação são os chefes das centrais sindicais. Em tempos passados, frente a uma certa estabilidade do capitalismo, uma relativa paz social era alcançada sem muitos problemas. Parecia que os métodos da classe trabalhadora nas assembleias de base, a mobilização, a ocupação das fábricas e a greve geral, ou a luta para remover a liderança conciliadora dos sindicatos não eram necessárias, uma vez que, através de um ou outro canal ou caminho as reivindicações eram alcançadas. Devemos recordar a crise capitalista mundial que  teve como resolução o início da Segunda Guerra Mundial e que levou a uma política econômica na Argentina e nos outros países de substituição de importações, favorecendo, não só uma concentração de trabalhadores, mas também, através desta substituição de importações, a conquista de uma série de exigências.

Em países como a Argentina essa paz relativa nunca foi muito duradoura, o desenvolvimento do capitalismo atrasado argentino forjou uma classe dominante intimamente ligada, inicialmente, ao capitalismo inglês e, mais tarde, ao imperialismo americano, deixando como resultado uma burguesia raquítica que, desde o seu nascimento, expressa a sua fraqueza.

Pelo contrário, para a classe trabalhadora implicou, desde o início, o fortalecimento como classe, e esteve ligada, desde as suas origens, às grandes imigrações, fundamentalmente da Europa.

Já afirmamos em outros materiais a composição da classe trabalhadora no final do século 19 e início do século 20, a importância da imigração na constituição de um proletariado forte e concentrado no país, recebendo, não só trabalhadores e operários da Europa, mas com eles vieram também diferentes correntes ideológicas.

A riqueza desses anos de luta foi enorme e a encontraram nas primeiras e últimas imigrações anarquistas e socialistas, desempenhando um papel fundamental nas lutas e na organização da classe.

Afirmando essa impossibilidade de uma paz social prolongada na história do país, o que convoca esta nota é que atualmente não estamos numa situação em que se possa falar de uma paz social relativa, estamos perante uma época de crise estrutural do capitalismo que começou com as hipotecas  em 2008, replicando-se com a falência dos Estados nacionais em 2010.

Atualmente, após uma década em que o capitalismo injetou milhares de milhões de euros e dólares no sistema, longe de estarmos melhores e agravado pela Covid-19, estamos enfrentando a degradação do emprego e da vida.

Em face  dessa realidade, se não nos encontramos numa luta generalizada dos trabalhadores contra a miséria e a desvalorização da vida e do emprego, isso deve-se, entre outras coisas, à irrupção da pandemia da Covid-19  e ao confinamento social. E se a calamidade da epidemia não tivesse eclodido, é muito provável que houvesse expressões de luta empurradas pelas bases sindicais.

Logicamente, isto não seria apresentado em termos puros, uma vez que os chefes sindicais das centrais sindicais, incluindo os chamados gordos [apelido dado aos líderes sindicais], mantêm ainda uma certa prega em relação às bases.  Mas a luta de classes varre todos os produtos da crise e o horror sem fim que o capitalismo representa; o que, no final, tornará possível, num futuro não tão distante, o surgimento de uma verdadeira alternativa política revolucionária que tenha expressão nas organizações de massas.

Os líderes sindicais ou os gordos da CGT ainda representam uma mediação que é um obstáculo ao surgimento de uma corrente ou tendência com independência de classe dentro da classe trabalhadora. No mesmo sentido, podemos apontar para a Corrente Federal dos Trabalhadores da CGT, que se encontra alinhada com a Fernández & Fernández.

Ambos encontram em um lugar-comum, a defesa da governabilidade e o salvamento das instituições do sistema capitalista.

Em que contexto nos encontramos?

“O comércio internacional na América Latina e Caribe cairá acentuadamente em 23% em 2020, mais do que o registrado durante a crise financeira de 2009 – quando caiu 21% – como resultado dos efeitos econômicos da pandemia do coronavírus (Covid-19), informa hoje a CEPAL num novo relatório. “O valor das exportações regionais deverá contrair-se -23% este ano e as importações -25%, também acima dos -24% registados durante a crise financeira de 2008-2009. “O declínio ocorre num contexto global em que o comércio mundial acumula uma queda de 17% em volume entre janeiro e maio de 2020.  América Latina e o Caribe é a região em desenvolvimento mais afetada por esta situação e será marcada principalmente por retrocesso no envio de manufaturas, exploração mineira e transporte de combustíveis”. “O colapso do turismo (-50%) arrastará as exportações de serviços, especialmente do Caribe, enquanto o comércio inter-regional mostrará também uma contração acentuada de -23,9%, especialmente na indústria de manufaturas, capacidades industriais e uma reprimenda do cabaz de exportação da região, adverte o relatório”. (CEPAL Informe de 6 de agosto)

Esse breve relatório ilustra o momento político, econômico e social em que a Argentina e a região se encontram. As consequências são óbvias em termos de desemprego, precarização do emprego e perda do poder de compra para a grande maioria dos trabalhadores.

Este aumento sem precedentes da taxa de desemprego regional implica um recorde histórico de 41 milhões de desempregados, o que terá um impacto na estabilidade econômica e social dos nossos países”. explicou o Diretor do Escritório da OIT para a América Latina e Caribe, Vinícius PinEl. Salienta que a mais recente previsão do Banco Mundial estima uma queda no crescimento econômico de -7,2%, o que elevaria a taxa de desemprego para 12,3%, enquanto que, se forem considerados os últimos dados do FMI de uma contração de -9,4%, os níveis de desemprego atingiriam até 13% (ElPaís.cr 19 de agosto de 2020). O número total de pessoas afetadas por algum tipo de ataque às suas condições de vida, desde o início do Isolamento Social Preventivo Obrigatório até 16 de agosto, é de 5.507.972 trabalhadores. Desse total, 750.541 são trabalhadores que foram despedidos e 1.806.996 foram suspensos (dos quais 1.740.859 também receberam uma redução salarial); enquanto 2.950.435 sofreram ataques aos seus salários nas suas várias dimensões”.  (Observatório de Demissões durante a Pandemia, 16 de agosto de 2020)

Os chefes sindicais das centrais operárias

“O capitalismo monopolista não se baseia na concorrência ou na livre iniciativa privada, mas no controle centralizado. Os cliques capitalistas à frente de poderosos trustes, cartéis, consórcios financeiros etc., veem a vida econômica das mesmas alturas que o poder estatal; e para cada passo que dão, exigem a colaboração destes últimos. Por sua vez, os sindicatos dos ramos mais importantes da indústria são privados da possibilidade de tirar partido da concorrência entre as diferentes empresas. São forçados a enfrentar um adversário capitalista centralizado, intimamente ligado ao poder do Estado. Daí surge a necessidade de os sindicatos se adaptarem ao Estado capitalista e competirem pela sua cooperação, mantendo-se em posições reformistas, ou seja, em posições de adaptação à propriedade privada. Aos olhos da burocracia do movimento sindical a principal tarefa é “libertar” o Estado da influência do capitalismo, enfraquecer a sua dependência dos trustes e atraí-lo para o seu lado.

“Esta posição está em completa harmonia com a posição social da aristocracia e das burocracias operárias, que lutam por uma migalha na distribuição dos superlucros do capitalismo imperialista.” (Os sindicatos na época do Imperialismo, Leon Trotsky,1940).

Vamos dar um descanso às estatísticas e vamos às propostas feitas pelos dirigentes das centrais obreiras argentinas.

O comportamento dos líderes dos dois sindicatos tem sido o de acompanhar o governo de Fernandez & Fernandez na crise que o país e a região estão atravessando. No período anterior, durante o governo de Mauricio Macri, desempenharam, de um modo geral, um papel de colaboradores, conciliando os interesses dos grandes patrões com os interesses dos trabalhadores. Parando todo o tipo de lutas, apelando às autoridades dos Ministérios do Trabalho. Abdicando o trabalho de base, renunciando  aos métodos de luta da nossa classe, colocando  panos de água fria para descomprimir o agravamento dos conflitos pelo trabalho e melhorias salariais que atravessaram os anos de macrismo.

A burguesia está plenamente consciente do valor dos sindicatos se a sua liderança for hostil aos seus interesses, elevando os interesses dos que estão na base e, pelo contrário, se forem simpáticos às suas táticas e lucros, valorizam muito os seus serviços, mesmo aqueles que aparecem com um discurso um pouco mais radicalizado. A burguesia e seu Estado se infiltraram através de seus vasos comunicantes, às organizações de terceiro grau em última instância, as incorporou ao estado capitalista nos anos 40, e um de seus instrumentos tem sido os planos de saúde sindicais.

É assim que os patrões sindicais gordos e magros, conciliadores e “combativos” se habituam às suas confortáveis cadeiras durante anos, perdem a atmosfera das fábricas e a pressão que ocorre sobre os trabalhadores, a ritmos de trabalho na produção e a pressão dos escritórios nas empresas. Sentam-se nas suas confortáveis poltronas e definem as vidas de centenas de milhares de trabalhadores, longe da coerção de patrões e capatazes que impõem ritmos de trabalho na condição de serem sancionados se estes não forem cumpridos, os famosos objetivos empresariais.

Colaboram, como é o caso atualmente, com os grandes patrões. Devido à crise capitalista que o país atravessa,  os patrões sindicais, o Estado, através dos seus ministérios, e os patrões, formam uma tríade que tenta colocar a classe trabalhadora e a juventude na caixa, desde que a bendita propriedade privada dos meios de produção não seja “violada” pela resistência dos trabalhadores, já que, nesse caso, entram em jogo as forças da “ordem”.

A crítica dos apoiantes de Fernandez & Fernandez aos dirigentes sindicais dos sindicatos mais importantes, é que eles não têm um programa claro da CGT, e os gordos correm atrás dos empresários

Esses dirigentes, Hugo Yaski, Sergio Palazzo e os Moyano, são os que afirmam irem atrás da Associação Empresária da Argentina (AEA), integrada pela flor e a nata, o grupo mais seleto do empresariado  Carlos Blaquier (Ledesma); Alejandro Bulgheroni (Bridas Corporation); Eduardo Costantini; (Consultatio); Marcos Galperín (Mercado Libre); Martín Migoya (Globant) y Luis Perez Companc (Grupo Perez Companc); Teófilo Lacroze, CEO de Raizen; Martín Brandi, presidente da Petroquímica Comodoro Rivadavia; Daniel Herrero, presidente e CEO da Toyota; Sergio Kaufman, presidente da Accenture; Mariano Bosch, CEO e Cofundador de AdecoAgro; e Alec Oxenford, presidente da Letgo & OLX. O empresariado Argentino tem a sorte de ser escoltado pelos gordos sindicais da CGT.

O setor sindical, alinhado com Alberto Fernández, exige um programa dos cegos gordos e, tendo isto em mente, lutam pela unidade das centrais dos trabalhadores, um programa que, em termos de segurança social, emprego, salários e habitação,  certamente compartilhamos com esse setor, uma vez que a central de trabalhadores mais importante e influente do país deve ter um programa que expresse os interesses históricos da classe trabalhadora e dos setores populares e que, desta forma, responda às  exigências mais sentidas dos que se encontram na base. Este é o único programa possível, uma vez que os outros são uma utopia reacionária, como o absurdo Plano Marshall crioulo ou o Plano de Desenvolvimento Humano Integral, para repovoar a Argentina.

O caminho da unidade com base num programa deve apontar, entre outras coisas, aos métodos da classe para alcançar essas conquistas. Os  sindicalistas da Corrente Federal dos Trabalhadores da CGT, junto a Hugo Yasky, Roberto Braradel e os  Moyano, justificam a sua atitude passiva face à crise econômica e social, argumentando que este é o melhor governo – Fernandez & Fernandez – e que no atual contexto político e social, é o melhor e que pode ser benéfico para os mais desfavorecidos. As linhas escritas por Victorio Paulón na publicação de “Rocket to the Moon” em 23 de agosto, relatando um encontro virtual de líderes sindicais, são risíveis, mas deixemo-los falar!

O deputado Hugo Yasky (CTA dos Trabalhadores), Daniel Yofra (Federação dos Trabalhadores do Petróleo), Héctor Amichetti (Gráfica e representante da Corrente Federal dos Trabalhadores CGT) e Pablo Moyano (Camionistas CGT) acompanharam os grevistas oferecendo o seu apoio e comprometendo-se a acompanhá-los até alcançarem a vitória. Yasky ofereceu todo o seu apoio à greve em nome do CTA e comprometeu-se a formar, juntamente com Moyano e Amichetti, um fundo de greve de solidariedade para sustentar o conflito”, fazendo referência ao piquete dos trabalhadores em frente à Algodonera Avellaneda pelo não pagamento de salários durante um mês e meio. Parece que nunca se deve fazer uma greve geral para derrotar as políticas antitrabalhistas face à ofensiva dos grandes empregadores contra os trabalhadores.

Por outro lado, para os revolucionários, os sindicatos e as organizações de massas são o lugar onde se deve trabalhar com uma ótica revolucionária:

“O Segundo Congresso da Internacional Comunista definiu que os partidos comunistas, no que diz respeito aos sindicatos, “devem ingressar neles para transformá-los  em formações de combate contra o capitalismo, e escolas de comunistas. A saída dos comunistas dos sindicatos teria como resultado que as massas ficassem nas mãos de patrões oportunistas a colaborar com a burguesia. Foram adotadas outras resoluções sobre o problema dos conselhos de trabalhadores e conselhos de fábrica, sobre o parlamentarismo, sobre a questão agrária e colonial.” (Os quatro primeiros congressos da Internacional comunista).

Entendemos que a classe obreira argentina parte de enormes experiências na luta de classes, mostrou inúmeras vezes a capacidade revolucionária frente ao seu inimigo, a burguesia, a oligarquia financeira, os latifundiários e os seus representantes políticos.

As experiências de lutas  das primeiras décadas do século 20, enfrentando a mal chamada revolução libertadora que massacrou centenas de trabalhadores  e encontrou resistência com as greves nos anos 1955, 56, 57, a luta frente o Oganiato, o Cordobazo e Rosariazo e os demais que foram acontecendo no país, os programas de La Falda e Huerta Grande, a CGT dos argentinos e os coordenadores classistas de 1970 e 1971, mostram a combatividade revolucionária da classe trabalhadora.

Os trabalhadores voltam-se instintivamente para posições mais radicalizadas na sua experiência diária e em defesa do emprego e de outras exigências. Em tempos de profunda crise capitalista, devemos enfatizar que a única classe moderna da sociedade, a única capaz de levar a cabo uma luta consistente contra os capitalistas e o seu estado, são os trabalhadores.

Nós, trabalhadores, precisamos de um partido que represente os nossos interesses de classe. Os chefes sindicais, por uma razão ou outra, arrastam-se em opções policlassistas que tentam reconciliar o irreconciliável.

Os gordos da CGT são vendidos ao licitante mais alto, os chefes das diferentes variantes da CTA renunciaram à independência política e um dos princípios fundamentais e slogans históricos da Central “Independência dos partidos políticos, do Estado e dos patrões“, demonstrando já a sua incapacidade de fornecer à classe um partido em 2009.

A incorporação dos sindicatos no Estado significava afogar a democracia dentro deles e submetê-los, através dos seus líderes, a instituições burguesas. A tarefa de criar um Partido dos Trabalhadores está nas mãos das organizações de primeiro e segundo grau, tais como os conselhos internos e os órgãos delegados, nos sindicatos classistas e combativos.

Precisamos de um partido próprio, que arranque a influência burguesa e a conciliação de classes do interior do movimento obreiro. A situação política que se abre no país e no mundo requer uma sacudida radical nos sindicatos existentes.

Devemos levantar bandeiras por:

  • Unidade dos trabalhadores ocupados e desocupados!
  • Desconhecimento dos acordos alcançados com credores externos cuja totalidade é ilegítima, fraudulenta, ilegal ou baseada em usura!
  • Nacionalização sem compensação de todas as empresas privatizadas, sob o controlo dos trabalhadores!
  • Estabelecer o monopólio estatal do comércio exterior!
  • Estatização sem compensação, e sob o controle dos trabalhadores, de todas as empresas que fecham ou despedem trabalhadores!
  • Para um plano de obras públicas que responda às necessidades de habitação e infraestrutura e, assim, proporcione empregos para os desempregados!
  • Nacionalização dos grandes depósitos e nacionalização dos bancos, monopólios, multinacionais e grandes propriedades sob o controle dos trabalhadores e sem compensação, a fim de planificar os recursos produtivos em benefício da maioria da sociedade!
  • Nenhum pacto social entre o governo e as centrais dos trabalhadores para parar a luta por salários, demissões e emprego decente!
  • Salário médio equivalente ao custo da canasta familiar!
  • Assembleias com o devido cuidado pela Covid-19  em empresas, fábricas, escolas, universidades que definam democraticamente um plano de luta!
  • Distribuição das horas de trabalho sem afetar o salário, a fim de acabar com o desemprego! Pelo cumprimento efetivo e imediato da jornada de trabalho de 8 horas e a sua redução progressiva para 6 horas!
  • Não ao emprego precário. Efetivação e contratação imediata dos trabalhadores contratados e “em negro”!
  • Não à discriminação contra as mulheres trabalhadoras. Trabalho igual, salário igual! Direito ao aborto seguro, legal e gratuito no hospital!
  • Escala móvel de preço-salário. Indexar os salários aos preços de acordo com a inflação!
  • Aposentadoria com 100% do salário!
  • Pelas liberdades democráticas, não pela acusação por protesto. Fim do processo e libertação de todos os combatentes populares que tenham sido acusados e presos. Liberdade para Milagro Sala e Luis D’Elia, liberdade para Sebastián Romero. Julgamento e punição dos responsáveis pelos assassinatos de Luciano Arruga, Rafael Nahuel, Santiago Maldonado e o desaparecimento de Facundo Castro. Onde está Julio Lopez?
  • Por um governo dos trabalhadores!

TRADUÇÃO DE ARIELE EFTING.
PUBLICADO EM ARGENTINAMILITANTE.ORG

Deixe Seu Comentário