Protestos na Áustria: não à divisão e à demagogia, os burgueses são os culpados!

Nos dias 21 a 22 de novembro, houve manifestações em massa em Viena, Linz, Salzburg, Bregenz e outras cidades austríacas, envolvendo dezenas de milhares de pessoas. Esses protestos foram uma resposta ao anúncio recente de um quarto bloqueio nacional devido a uma explosão de casos de Covid-19. Isso será seguido pela vacinação obrigatória no próximo ano. O apodrecido sistema austríaco estragou totalmente sua resposta à pandemia da Covid-19. Dividir a classe trabalhadora culpando indivíduos “estúpidos” por prolongar a crise não oferece solução, nem negar a importância da vacinação. Só uma análise de classe pode explicar o que está acontecendo e colocar a culpa por este desastre onde deve estar: com a classe dominante e suas políticas criminosas.

A maioria das manifestações da semana passada foram convocadas pelo FPÖ de extrema-direita, e uma delas por um grupo reacionário “anti-corona” que chegou ao parlamento regional. Seu caráter político era abertamente reacionário. O protesto vienense foi liderado por um grupo nazista. Seu banner principal dizia: “Controle as fronteiras, não seu povo”. Os principais símbolos nessas demonstrações foram bandeiras nacionais: não apenas austríacas, mas de países vizinhos, principalmente dos Bálcãs e da Europa Oriental, onde o ceticismo sobre a vacina é alto. Houve também demonstrações chauvinistas das “tradições alpinas”, como o toque de sinos de vacas e assim por diante. Além disso, vimos símbolos religiosos de todos os tipos: do xamanismo ao catolicismo. Os grupos identificáveis ​​incluíam tudo, desde policiais e militares até enfermeiras.

No entanto, a massa das pessoas presentes, claramente, não estava acostumada a assistir às manifestações e não tinha nenhuma conexão organizada com a liderança reacionária. Para sublinhar isso: um apoiador da Corrente Marxista Internacional abordou o bloco de enfermeiras em uma das manifestações e começou a gritar que as pessoas podiam comprar um jornal comunista dele e vendeu uma dúzia em questão de minutos.

O caráter de massa das manifestações de 21 a 22 de novembro é o resultado dos esforços do governo para culpar o povo pelo curso da crise pandêmica. A oposição à vacinação obrigatória, o bloqueio, uma série de promessas quebradas, combinadas com os padrões duplos das medidas tomadas até agora, empurraram as pessoas para as ruas. Para encontrar um bode expiatório por seu fracasso constante, o governo finalmente se desculpou, não por sua má conduta, mas pela de indivíduos não vacinados.

A incompetência tacanha da burguesia conduziu o país a esta terrível crise política, social e de saúde. Para manter seu novo governo por mais alguns meses, o governo Conservador-Verde está tentando dividir a classe trabalhadora na questão da vacinação obrigatória. Isso faz parte de um rosário de fracassos abjetos em lidar com a pandemia.

Crise política constante

Desde junho, o governo declarou repetidamente que a pandemia “acabou”. Graças à sua liderança política, auto-declarada “superior”, “todos estaríamos nos divertindo muito agora”. Esse giro na mídia foi uma tentativa de reforçar a aprovação do ex-primeiro-ministro conservador Sebastian Kurz, cujo apoio popular entrou em declínio neste ano, e com isso o apoio do establishment também caiu, culminando em sua remoção por causa de uma investigação de corrupção.

No 21º mês de pandemia, vale ressaltar que um conselho de 60 consultores de relações públicas ainda está em funcionamento, trabalhando lado a lado com o primeiro-ministro, mas ainda não há um conselho governamental para supervisionar e neutralizar a pandemia. Não existe nem mesmo um banco de dados central nacional em funcionamento para coletar dados básicos da infecção. A quarta onda da pandemia pegou a sociedade totalmente despreparada. Até o jornal favorável ao governo, Profil, publicou uma manchete que dizia: “O Estado fracassou: covardia, negligência, premeditação. Do laissez-faire direto ao bloqueio e à vacinação obrigatória”.

A aguda crise de saúde nas últimas semanas não pode ser entendida isolando-a do contexto político mais amplo. Sebastian Kurz e uma gangue de seus amigos, comparsas e acólitos organizaram um golpe de Estado bem-sucedido no Partido Conservador Democrata Cristão (ÖVP) em 2017. Eles usaram esse impulso para conquistar a liderança do partido e vencer as duas eleições gerais que desencadearam em 2017 e 2019.

No curso de sua ascensão ao poder, eles causaram estragos nos sociais-democratas, provocaram uma divisão no FPÖ nacionalista e agora estão pressionando os verdes. Tudo isso foi acompanhado por uma liderança brutal e reacionária. Os centros de poder tradicionais do ÖVP (grupos de interesse e administrações regionais) deram um passo para trás e abraçaram avidamente a liderança de Kurz, contanto que ele pudesse ganhar as eleições e realizar algumas contrarreformas importantes contra a classe trabalhadora. Isso incluía uma jornada de trabalho de 12 horas e uma reforma da previdência social, bem como um aumento nos subsídios do Estado durante a pandemia para enriquecer os aproveitadores privados. Isso ajudou os patrões a aumentar seus lucros em € 5,5 bilhões em 2020 em comparação com o ano anterior. Enquanto isso, a repugnante demagogia racista era constantemente despejada por este governo para dividir a classe trabalhadora.

A liderança de Kurz levou a conflitos abertos e a divisões no aparelho de Estado: primeiro no serviço secreto, depois no judiciário. O gabinete do procurador do Estado coletou uma massa de evidências de que o regime de Kurz, além do clientelismo e nepotismo habituais, também usou mal o dinheiro público para promover uma agenda política pessoal. Uma parte do judiciário acredita que Kurz usou dinheiro público para pagar pela produção e publicação em massa de pesquisas falsas em meios de comunicação amigáveis ​​para aumentar sua popularidade.

Foi esse assunto, junto ao vazamento de suculentas mensagens de texto revelando o nível de corrupção no governo de Kurz, que o forçou a recuar em outubro deste ano. Kurz entregou a chancelaria ao ministro das Relações Exteriores, Schallenberg, mas manteve sua posição como parlamentar e líder do partido dos democratas-cristãos. Mas, agora, esses amigos dos bons tempos não desejam mais se conectar com seu antigo herói. Mesmo assim, Kurz está se mantendo obstinadamente em suas posições restantes e já está traçando um plano para um retorno como líder do governo.

Má gestão constante

Em janeiro, Kurz se autoproclamou o principal responsável pela campanha de vacinação da Áustria, acreditando que poderia facilmente ganhar alguns louros ao entregar a tão desejada e esperada vacina às pessoas. Ele fez muito barulho contra a União Europeia (EU), agrupando em torno dele chefes de Estado notoriamente incompetentes e corruptos como Janez Janša, da Eslovênia, e Bojko Borissow, da Bulgária, para culpar a UE por uma distribuição injusta de vacinas. Pouco depois, foi revelado que o governo austríaco se absteve de comprar a quantidade necessária de vacinas por razões de custos.

Ele então viajou a Israel para negociar o suprimento de vacinas e prometeu obter um suprimento de vacinas Sputnik da Rússia. Na verdade, ele estava simplesmente ocultando o despreparo de sua administração para lidar com a campanha de vacinação. Até agora, nenhum austríaco recebeu um convite pessoal para se vacinar. E bem no momento em que o governo conseguiu obter vacinas suficientes, em julho, Kurz inclusive decidiu deter a (francamente ridícula) campanha de vacinação na mídia e declarou que “a pandemia social havia terminado”.

A pandemia foi agora declarada um problema “pessoal” – e é precisamente assim como tem sido tratada nos últimos meses. Nem uma única precaução foi tomada no outono. Tardiamente, em setembro, o governo finalmente aprovou um “plano”, que foi imediatamente atropelado pelo surto de infecções. Em contraste com tudo o que o governo havia dito anteriormente, um quarto (e em algumas áreas, um quinto) bloqueio foi imposto ao país devido ao fato de que o sistema de saúde está entrando em colapso devido à falta de financiamento e de provisões do governo.

O agravamento constante das condições de trabalho, somado ao não cumprimento das gratificações prometidas (€ 500, um montante insultuoso em si), está a fazer com que cada vez mais enfermeiros e enfermeiras abandonem o setor – mais do que se encontra para os substituir. O novo bloqueio começou em 22 de novembro. Isto foi precedido por (a partir de 15 de novembro) e será seguido (a partir de 13 de dezembro) de um “bloqueio para pessoas não vacinadas”. A vacinação obrigatória está prevista para entrar em vigor a partir de 1º de fevereiro. Este foi o plano apresentado por uma reunião de emergência dos governadores regionais e do governo federal em 19 de novembro no Tirol.

O governo havia prometido repetidas vezes que não haveria mais bloqueios e, ao longo de vários meses, a vacinação obrigatória foi declarada “incompatível com a democracia”. Uma noite nas margens do lago Achensee aparentemente mudou tudo isso.

Existem muitas contradições e padrões duplos na aplicação dessas novas medidas. As aulas escolares, incluindo os exames escolares, devem continuar. No entanto, os alunos das escolas e os pais são aconselhados a ficar em casa, e nenhuma educação online está sendo fornecida. O argumento é que as famílias conhecem melhor as necessidades de seus filhos. Isso significa que, no primeiro dia de bloqueio, cerca de 70-80% dos alunos frequentaram a escola e, como tal, o “bloqueio” teve de ser “reajustado” pela administração. E, enquanto os jovens são informados de que suas atividades esportivas e de lazer serão canceladas para 2022, no dia 3 de dezembro a principal estação de esqui da Áustria, Ischgl, abre suas pistas e teleféricos como parte de uma isenção especial para a indústria do turismo. O lobby do turismo também defende a abertura dos bares de esqui, porque “os esquiadores precisam da proteção das cabanas quando as condições climáticas nas montanhas mudam rapidamente”.

Lançando uma ironia não intencional sobre o tratamento irresponsável geral da crise, os tribunais anunciaram esta semana que não aceitarão o caso de várias famílias enlutadas que perderam parentes para a Covid-19 nas estações de esqui. Queriam responsabilizar as autoridades do Tirol por mantê-los abertos, que até negaram que o vírus estivesse circulando na estação de esqui de Ischgl em março de 2020, apesar de já estar comprovado. A linha oficial, entretanto, é que o vírus entrou na Áustria apenas uma semana depois, por meio de dois trabalhadores migrantes italianos.

Ceticismo vacinal

Escândalos de corrupção constantes, uma resposta pandêmica inconsistente, campanhas de meias-verdades (e pura demagogia), políticas que sempre beneficiam os ricos e as estações de esqui, e a falta de provisões para as pessoas comuns minaram totalmente a confiança popular na política. 75% da população diz “Não confio no governo” e apenas um pouco menos rejeita todos os partidos permanentes e seus líderes. Este é o fator decisivo para a baixa taxa de vacinação na Áustria. O país entrou no outono com uma taxa de vacinação total de 62%. Dois meses depois, 70% das pessoas aceitaram pelo menos a primeira dose: uma das taxas mais baixas da UE. Apenas em alguns países do Leste Europeu e dos Balcãs, onde há um sentimento ainda mais profundo contra o sistema, há níveis mais baixos de absorção de vacinas na Europa. Como nos explicou uma pessoa da ex-Iugoslávia: “No decorrer dos últimos 30 anos, as pessoas simplesmente não conseguem entender a ideia de um político defendendo algo benéfico para a população”. Agora que o governo se apressa em tomar essas medidas, claramente como forma de minimizar o impacto da pandemia na economia e como manobra para dividir a classe trabalhadora, a situação não está melhor.

Em todo o país, a política está altamente polarizada devido à crise constante no ÖVP. Os níveis de infecções são mais altos em regiões onde o ÖVP governa. Na verdade, nessas regiões, o bloqueio parcial para pessoas não vacinadas entrou em colapso, porque não havia nenhuma infraestrutura de teste preparada. Os trabalhadores foram levados ao limite tentando obter seu “passe verde”. Os patrões deram então uma entrevista coletiva, dizendo que por haver tantos trabalhadores não testados e, ao mesmo tempo, tanto trabalho a fazer, eles não tinham escolha a não ser ignorar as regras.

Nos últimos meses, o FPÖ de direita foi o único partido que buscou uma política antigovernamental consistente. A ala moderada perdeu o congresso do partido em junho, e o novo líder do partido, Herbert Kickl, ex-ministro do Interior (2017-2019), é um demagogo. Ele vinculou os ataques políticos contra Kurz e seu governo a uma política cada vez mais obscurantista da Covid, começando com a rejeição do uso de máscaras e terminando (por enquanto) defendendo o uso do agente anti-vermes de cavalos, Ivermectina, para combater a Covid-19.

Ele está lucrando politicamente com a atitude cada vez mais desesperada e desconfiada em relação ao establishment entre todas as classes e camadas da população. Obviamente, a postura dura de Kickl aumenta o moral de uma pequena, mas vociferante quadrilha de charlatães, libertários, nazistas, hippies e crentes religiosos de todos os matizes.

Rejeitamos totalmente o mito criminoso da esquerda liberal de que é a “estupidez das pessoas” que leva ao aprofundamento desta crise. Uma sociedade que não consegue convencer as pessoas a proteger suas vidas e as de seus entes queridos com as vacinas está doente até a medula. E a responsabilidade por isso recai sobre a classe dominante, que dirige a sociedade em benefício do lucro, obscurecendo as coisas por meio de campanhas baseadas em meias-verdades e mentiras descaradas, que são veementemente disseminadas por seus meios de comunicação.

Antes das recentes manifestações, o desconforto em relação à política Covid do governo se expressou pela primeira vez em maio/junho, em grandes festas da juventude ao ar livre. Para colocar os jovens nos “espaços controlados e seguros de bares, cafés e discotecas”, a polícia tentou, sem sucesso, reprimir as celebrações do início do verão. Este movimento espontâneo não levantou slogans políticos e não se conectou com as lutas mais gerais da classe trabalhadora. Ainda assim, naquela época, as manifestações antivax eram pequenas e compostas em grande parte por indivíduos bizarros, oriundos principalmente da pequena burguesia.

Basicamente, existem agora dois campos burgueses, os quais afirmam representar os interesses da nação: o antivax FPÖ e a fracassada coligação Conservador-Verde, que tenta organizar o apoio na sociedade defendendo a vacinação obrigatória, enquanto ataca “os tolos que estão fazendo com que permaneçamos na crise”. A própria classe trabalhadora está politicamente dividida nessas linhas.

Rejeitamos totalmente essa manobra e nos recusamos a dar qualquer apoio ou a ficar do lado do governo de alguma forma. Os marxistas defendem desde o início o uso da vacina como o melhor instrumento de que dispomos para minimizar os danos mortais do vírus à saúde das pessoas. Acreditamos firmemente que uma sociedade racional e saudável pode facilmente convencer todos a observar um comportamento responsável. Nessas condições, estamos, portanto, firmemente contra a vacinação obrigatória, que só lança a culpa sobre as pessoas comuns. Visa atomizar e dividir a classe trabalhadora e absolver a burguesia das responsabilidades. Claro, pode haver locais de trabalho onde seja considerado necessário implementar medidas para proteger a saúde dos trabalhadores. No entanto, essa decisão deve ser colocada nas mãos dos próprios trabalhadores, que devem ser capazes de debater e decidir coletivamente sobre tais questões e, se necessário, exercer pressão sobre os não convencidos, em vez de permitir que os patrões ou o governo o façam sob ameaças de represálias.

Não há um pingo de conteúdo progressista em nenhum dos dois campos burgueses, e nenhum oferece uma saída. No entanto, nesta situação tumultuada, eventualmente veremos o ressurgimento da unidade da classe trabalhadora na luta contra o governo e os patrões.

A classe trabalhadora e suas organizações

Como Trotsky tão brilhantemente explicou: a crise da humanidade em última instância se resolve na crise da direção da classe trabalhadora.

O Partido Social-democrata nunca desenvolveu uma posição independente nesta crise. Toda a sua visão foi moldada pelo desejo de conseguir sua readmissão em um governo de coalizão, para co-administrar a crise. Isso assumiu várias formas. No início da crise, parou de atacar o chanceler Kurz em nome da “unidade nacional”. A cada momento em que a situação se agravava, eles vieram em auxílio do governo. Durante a luta pelo poder no Partido Conservador em outubro, quando o governo estava dividido, eles recusaram abertamente a convocação de novas eleições, mas tentaram formar um governo por meio de manobras parlamentares, em prol da “estabilidade”. Quando os conservadores alcançaram um novo equilíbrio ao expulsar Kurz, eles aceitaram ansiosamente a nova mudança no topo. Agora, com a situação mais uma vez desordenada, eles se esforçam mais uma vez para se envolver nas negociações para entrar no governo.

O Partido Comunista, fortalecido por sua histórica vitória eleitoral na cidade de Graz, também não se pronunciou sobre a crise da Covid.

A linha da direção sindical é basicamente a mesma, embora sob a pressão de um ânimo cada vez mais irado da classe trabalhadora. Este outono viu uma onda de protestos da classe trabalhadora não vistos há anos. Trabalhadores da saúde, trabalhadores de jardins de infância, metalúrgicos, trabalhadores de supermercados e outros saíram às ruas, enquanto as reuniões aconteciam nas fábricas e no chão de fábrica. Em alguns hospitais e creches em particular, a participação foi tão alta que o movimento teve, de fato, o caráter de uma greve.

Dadas as novas turbulências, as altas de preços e a instabilidade geral da economia mundial, fica claro que esse processo está apenas começando. Um professor resumiu a situação no diário Der Standard:

“Em geral, os professores são demasiadamente bonzinhos e estão bem adaptados. Sempre aceitamos tudo e acompanhamos o fluxo da política. Mas isso tem que acabar agora. Temos que falar alto, precisamos protestar. Os professores também estão decepcionados com o sindicato. Em tais situações extremas, todos sempre se escondem para se proteger. Se você, como professor, precisa de apoio, o sindicato se esconde”.

O desejo de protestar e contra-atacar está implícito nessas condições de caos, e a direção sindical deve compreender essa nova situação. Até agora, eles têm realizado protestos de tal forma que a classe trabalhadora tem sido impedida de compreender plenamente seu próprio papel como fator político independente. Dada a profundidade da crise e o mal-estar geral da sociedade, o reconhecimento do papel que a classe trabalhadora pode desempenhar como classe se desenvolverá mais cedo ou mais tarde. Na verdade, esse processo já começou, e os líderes da classe trabalhadora devem se antecipar ao novo clima de radicalização e oferecer liderança.

Os marxistas da CMI estão muito otimistas com a situação na Áustria. Entendemos que o atual processo de turbulências e polarizações é um sinal de que a velha estabilidade, que há décadas caracteriza este país, está se desintegrando, lançando as bases para uma intensificação da luta de classes e desenvolvimentos revolucionários no futuro.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário