Foto: own work

Protestos em massa nos EUA: marxistas na linha de frente

Os protestos Black Lives Matter (BLM) estouraram em todos os 50 estados dos EUA após o assassinato pela polícia de George Floyd em Minneapolis. Os camaradas de Socialist Revolution, a seção americana da Corrente Marxista Internacional (CMI), intervêm em muitos desses protestos, lutando na linha de frente ao lado de trabalhadores e jovens contra o sistema capitalista opressivo e seu Estado assassino. Somente a revolução socialista pode acabar com o racismo para sempre! Continuaremos publicando relatórios das atividades de nossos companheiros sobre esse movimento nos próximos dias.

Cidade de Nova York

Em Nova York, os camaradas participaram de uma manifestação na terça-feira em Bay Ridge, tomando o cuidado de observar as precauções de segurança contra a polícia e a Covid-19. Quando chegaram, a polícia já havia montado barricadas e estava se preparando para confinar a multidão de 200 pessoas. No entanto, a pequena manifestação pacífica marchou para o norte pela 5a Avenida. A manifestação principal foi igualmente disciplinada e não houve confrontos com a polícia.

Outro comício ocorreu na Union Square por volta das 19h. A marcha inteira tomou as ruas, mas foi pacífica. Periodicamente, alguns manifestantes faziam uma pausa e grafitavam os edifícios. Sempre que passavam por um ônibus, os motoristas, sem falta, buzinavam em solidariedade. Alguns condutores de automóveis também buzinavam, embora houve um deles, que dirigia uma BMW, que provocou os manifestantes.

Os camaradas também intervieram em uma manifestação na Praça Foley, onde, no auge, aproximadamente 3 mil pessoas estavam presentes. A ativista da Marcha das Mulheres, Linda Sarsour, falou à multidão, seguida por Carlene Pinto, que pediu às pessoas que rompessem o toque de recolher da polícia. Representantes do BLM da Grande NY também se dirigiram ao encontro. Além disso, houve uma forte presença de grupos de ajuda mútua distribuindo Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e água. À tarde, o protesto foi para o sul para protestar na Police Plaza. A multidão estava energizada e as pessoas foram muito receptivas aos materiais e ideias revolucionárias marxistas.

No Queens, os camaradas assistiram a um protesto em Jackson Heights. Embora o protesto estivesse marcado para começar às 15h, naquele momento havia poucas pessoas no perímetro da praça. Muitos, vendo o curral que a polícia havia montado, tinham receio de se deixarem cercar. Além disso, parece que muitos dos manifestantes tiveram que se deslocar para a área, o que pode ter contribuído para o início lento. Eventualmente, mais pessoas chegaram, mas não foi até o protesto deixar a praça que começou a se formar uma massa.

Depois que cerca de 200 a 300 pessoas se reuniram, o protesto começou a circular pelo bairro, chegando finalmente à 115ª Delegacia de Polícia, que já estava barricada. Uma vez lá, o protesto de forma organizada começou a usar slogans que tentavam dividir a polícia em linhas de raça e classe: “você é negro ou é azul?“, dirigido especificamente aos policiais negros; e “abandone o seu emprego enquanto ainda pode!“, dirigido à polícia como um todo.

Houve poucos ou nenhum conflito com a polícia e a segurança parecia ser a prioridade. A comunidade, que não tinha conhecimento prévio do protesto, ficou agradavelmente surpreendida ao ver a multidão. Muitos trabalhadores observavam de dentro de seus locais de trabalho, enquanto outros, de dentro de suas casas, batiam em panelas através das janelas, como apoio, com alguns até se juntando ao protesto. Nossos camaradas venderam facilmente seu material, o que revela a fome de uma solução revolucionária para a violência e o racismo em Nova York.

Louisville

As manifestações em Louisville nos dias 28 e 29 de maio serão registradas na história local como um ponto em que todas as décadas de construção de contradições explodiram à superfície. Foram as maiores manifestações em Louisville em muitos anos, juntamente com a greve climática de 2019. Cerca de 2 mil pessoas participaram.

Os protestos foram relativamente espontâneos, e nenhum deles foi planejado com mais de 24 horas de antecedência. Os camaradas compareceram com uma faixa dizendo “Junte-se à luta pelo socialismo agora“. Ao contrário de Nova York, a polícia assaltou a multidão. Muitos foram feridos e presos. Na manhã seguinte, pelo menos quatro pessoas estavam desaparecidas, não registradas em nenhuma prisão. Tiros foram relatados dentro de cinco milhas do centro da cidade, tanto por residentes quanto por policiais. Sete pessoas foram baleadas com munição real por um agressor desconhecido no primeiro dos dois protestos, e alguns dos camaradas foram expostos a gás lacrimogêneo.

Antes de iniciar o ataque, a polícia cercou a barraca médica e a isolou dos manifestantes. Isso é uma violação da neutralidade médica e da Convenção de Genebra: um crime de guerra. Também apareceu um vídeo mostrando a polícia de Louisville destruindo água e leite (para tratar os efeitos do gás lacrimogêneo) trazidos pelos manifestantes.

A imprensa burguesa e os políticos de Louisville estão tentando caluniar os manifestantes e fazer com que os trabalhadores aceitem que uma repressão policial adicional é justificada. O prefeito democrata Greg Fischer publicou uma série de tweets durante um período de 12 horas, mostrando sua intenção de seguir essa linha delicada, culpando “forasteiros e anarquistas” de “pretenderem destruir nossa cidade”, levando-o a solicitar a “ajuda da Guarda Nacional”. Isso foi seguido por um aviso de “ficar em casa” devido à Covid-19, antes de agradecer àqueles que “protestaram pacificamente, expressando suas preocupações sobre a trágica morte de Breonna Taylor” (que foi morta a tiros pela polícia em sua própria casa).

Em relação à alegação de que “muitos dos manifestantes são de fora da cidade“, apenas dois dos 30 ou 40 manifestantes com quem os camaradas conversaram na manifestação afirmaram ser de fora da cidade. Esta é claramente uma mentira infundada por parte dos jornalistas burgueses, usada para desacreditar os manifestantes que buscam justiça.

Atualmente, a BLM Louisville está apresentando demandas, como a de exigir ao prefeito Greg Fischer que peça desculpas públicas à família de Taylor e a toda a cidade, juntamente com um plano de ação para “o que vem a seguir“, que obviamente está aquém do que é necessário. No entanto, e apesar das dificuldades, houve muita simpatia com os nossos slogans e perspectivas por parte dos manifestantes, muitos dos quais manifestaram interesse em saber mais sobre a CMI.

Minneapolis

Em Minneapolis, que continua sendo o epicentro dos protestos, os camaradas chegaram com luvas e máscaras, e com o número do telefone da Associação dos Advogados Nacionais colado nos braços, só por precaução. Um toque de recolher deveria ser implementado às 20h. Os camaradas descobriram, no final da manifestação, que estavam fechando as rodovias às 19h, e que também alguns grupos de extrema direita e de supremacistas brancos supostamente planejavam “um enfrentamento” no final da noite. Felizmente, o protesto, enquanto nossos camaradas estavam lá, foi plenamente seguro e pacífico.

Havia talvez cerca de mil pessoas presentes no auge do protesto, que foi muito pacífico. Havia um contingente de trabalhadores organizados no Facebook por meio da página “Membros do sindicato por #JusticeForGeorgeFloyd“. Esse contingente incluía o enfermeiro Cliff, que havia sido demitido por agitar por mais EPIs no United Hospital, o que provocou um piquete e uma marcha ao Capitólio apenas duas semanas atrás. Ele falou com nossos companheiros e foi muito solidário com o nosso programa.

A polícia e a Guarda Nacional não compareceram. A multidão marchou em um grande círculo em torno de um departamento de polícia a cerca de 5 km da 3ª delegacia, antes de acampar no cruzamento fora do departamento com alto-falantes, cantos, algumas atuações e momentos periódicos de silêncio. Havia lugares por toda parte com doações acumuladas de comida e água, pessoas andando e distribuindo água, barras de granola e máscaras, e incentivando qualquer pessoa sem elas a usar uma. Equipes de limpeza foram organizadas nos bairros. Algumas pequenos negócios estavam distribuindo refeições gratuitas, como burritos e sanduíches. No caminho para o protesto, os camaradas viram proprietários de um salão de manicure de propriedade asiática grafitando os cartazes nas vitrines de sua própria loja em apoio aos protestos.

Havia muitos prédios queimados em Lake Street, muitos dos quais ainda estavam em chamas desde a noite anterior. Quase todas os pequenos negócios no sul de Minneapolis foram abordados, alguns dos quais pintados com spray pelos proprietários com slogans de solidariedade a BLM e George Floyd. Isso pode ter acontecido porque os proprietários realmente acreditavam nisso, ou porque estavam com medo de suas lojas serem saqueadas ou queimadas.

O estado de ânimo era enérgico. Tudo o que os camaradas precisavam fazer era segurar seus papéis e panfletos, junto a placas chamativas que os tornavam visíveis a uma distância maior, e as pessoas os procuravam pedindo uma cópia. Por causa da prisão do repórter da CNN, houve cânticos para defender a imprensa livre, e isso pode ter contribuído para o entusiasmo com o nosso jornal.

A sede de ideias ficou claramente demonstrada a um quarteirão do protesto, onde um jornalista local discursou para uma audiência de 20 ou mais pessoas, argumentando por mais organização de protestos e pedindo a “mudança do sistema”. Alguns dos cânticos foram “prender os quatro”, “sem justiça, sem paz, sem polícia racista” e “algumas maçãs podres estragam o cesto”. Diríamos que não existem boas maçãs! Sem polícia! “Prender todos os quatro” se tornou a principal demanda do movimento, com alguns oradores até dizendo que só iremos para casa quando os quatro policiais envolvidos no assassinato de George Floyd forem presos. Mas por que parar aí? Se o movimento recuar, os policiais assassinos podem obter clemência. E até que o sistema capitalista caia, o racismo continuará.

Camaradas e simpatizantes relatam que ativistas locais se encarregaram de manter suas comunidades seguras. No caminho de volta dos protestos, os camaradas viram grafitados em um restaurante o aviso “patrulha comunitária pela nossa segurança”. A ideia de comitês de defesa do bairro está começando a se levantar. Da repressão policial, da ameaça da extrema-direita e dos agentes provocadores, as massas estão aprendendo que só podem depender de suas próprias forças para manter a si e a suas comunidades em segurança.

Esses órgãos espontâneos reagiram a dois carros colidindo com uma barricada; impediram as pessoas de invadir bancos, shoppings e pequenas empresas; checaram vizinhos vulneráveis e os transferiram para hotéis, se necessário; limparam as ruas; e varreram os bandidos de extrema direita para fora da cidade.

Esses órgãos devem ser recrutados e mobilizados numa base organizada, tornando-se comitês oficiais de defesa do bairro responsáveis perante o povo trabalhador de Minneapolis. Uma rede de tais comitês deve ser estabelecida nos Estados Unidos, para planejar democraticamente a direção do movimento.

Carolina do Norte

Os camaradas intervieram em uma demonstração em Raleigh / Durham, em 30 de maio, na qual foram o único grupo presente a levantar slogans explicitamente anticapitalistas. As sinalizações dos camaradas foram muito bem recebidas, principalmente: “Você não pode ter capitalismo sem racismo”. Em várias ocasiões, ouvimos pessoas lendo nossas sinalizações em voz alta e dizendo “Está certo!“, ou “É Verdade!” A multidão gritou de volta coisas como: “O capitalismo é o problema!“, “Capitalistas americanos matam“, “Foda-se o sistema monetário racista!“.

A certa altura, os policiais começaram a lançar gás lacrimogêneo em todos. Nossos camaradas se afastaram para as ruas laterais, mas mesmo lá a polícia gaseava os camaradas em retirada. Depois do gás lacrimogêneo, o clima mudou. Equipes de policiais vieram correndo com cassetetes e nossos camaradas se viram forçados a abandonar o protesto.

Los Angeles

O protesto começou em Pan Pacific Park e marchou pela 3ª rua, até Burton Way, até Rexford Dr. (passando pela Delegacia de Polícia de Beverly Hills), e depois de Sunset até Rodeo. A marcha continuou de Wilshire, de volta a Sunset, e seguiu aproximadamente a mesma rota de volta. Os detalhes da rota da marcha são importantes porque não eram ruas ou parques previamente fechados e cercados do centro de Los Angeles. Essas eram algumas das ruas mais movimentadas da cidade, em alguns dos bairros mais ricos da cidade, e foram fechadas por quase 6 horas enquanto os manifestantes marcharam um total de 11 quilômetros. Esta é uma distância muito maior do que os aproximadamente 1,5 km da Pershing Square até a prefeitura, o local e a rota mais comuns de marcha que foram usados pela Marcha das Mulheres desde 2017.

Existem várias observações que os camaradas assinalaram sobre a marcha e a violenta repressão que ela enfrentou no final da noite. Ao longo de todo o percurso da marcha, as formas mais importantes de dano que foram notadas foram simplesmente algumas marcações de grafite. Geralmente essas tags diziam “BLM”, “FTP”, “ACAB”, “FUCK 12”, “FUCK KKKOPS” etc., etc. No entanto, havia várias tags de caráter mais revolucionário, como “Fuck Profit“, “As Guilhotinas estão chegando”, “Amerikkka deve pagar por seus crimes contra as vidas negras” e outros. A Foice e o Martelo e o símbolo anarquista também frequentemente estavam marcados. Embora a saída mais direta da raiva tenha sido dirigida especificamente à polícia e à injustiça racial praticada contra americanos negros e pardos, havia uma camada definida de sentimento inerente de que não se trata apenas de policiais racistas, mas de uma sistema capitalista profundamente falho e ultrapassado protegido pela polícia. Isso foi mostrado com mais clareza em um dos pontos mais significativos da marcha, em Rodeo Dr., no coração absoluto de Beverly Hills. A multidão explodiu espontaneamente em gritos de “Eat The Rich“.

Nossas ideias foram recebidas com entusiasmo e os camaradas foram capazes de distribuir todos os folhetos com facilidade. Infelizmente, as pessoas se mostraram compreensivelmente hesitantes em lhes dar informações. Acredita-se que isso tenha sido parcialmente o resultado do medo de potenciais agentes policiais infiltrados no meio da multidão, bem como dos fortes lemas sendo constantemente gritados e da natureza acelerada da marcha.

Quando a marcha chegou perto de seu ponto de partida, o Pan Pacific Park, o DPLA (que esteve ausente em grande parte nessa marcha, exceto pela circulação de helicópteros) montou falanges de policiais de choque que levaram os manifestantes para um estacionamento próximo ao Grove Mall (um shopping grande e caro) e um Whole Foods. Antes deste ponto, antes que a multidão chegasse ao cruzamento da 3a Rua e Fairfax, um total acumulado de 11 quilômetros e 6 horas de marcha haviam passado com poucos incidentes de violência dos manifestantes. Houve um caso de tentativa de saque, que foi rapidamente denunciado e condenado pela multidão nas proximidades, ao ponto da tentativa do saqueador ser frustrada e ele se afastar de mãos vazias. Na esquina da 3ª Rua com Fairfax, um impasse com a polícia começou a se formar, um impasse em que a esmagadora maioria da multidão estava determinada a manter a paz e a não-violência, pelo menos do lado dos manifestantes. Uma ocasional garrafa de água foi jogada na direção dos policiais, mas isso foi rapidamente reprimido e as tensões reduzidas. Ficou claro que, por quase 30 minutos, a multidão, com as mãos levantadas, gritando “Mãos ao alto, não atire“, manteve os policiais recuados.

Infelizmente, devido à combinação de uma variedade de fatores, incluindo a crescente raiva em relação a policiais provocadores e agentes policiais infiltrados; as tensões começaram a crescer até um ponto de ruptura. A polícia pressionou os manifestantes a leste, pela 3a Rua, e em direção ao Grove Mall. Finalmente, quando as janelas do Whole Foods foram quebradas, os policiais entraram e começaram a disparar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, empurrando os manifestantes para fora do estacionamento e para a 3Rua. Mesmo assim, os manifestantes da 3ª Rua estavam determinados a manter uma linha pacífica e tiveram sucesso durante um tempo. Mas a polícia continuou a entrar na 3a Rua com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, causando a dispersão da multidão. Embora as especificidades da localização da rua e a direção da polícia possam não parecer significativas a princípio, é importante observar que a disposição da polícia e dos manifestantes no terreno significava que a única maneira de os manifestantes se dispersarem era no The Grove. Nesse ponto, os saques começaram a ocorrer.

É claro que a classe trabalhadora, especialmente os jovens, está farta da opressão sistêmica que prevalece nesse sistema. A marcha também mostrou a força da classe trabalhadora, principalmente quando atua de maneira unificada e organizada. As ruas utilizadas na marcha nunca teriam sido aprovadas para serem fechadas pela cidade, mas os manifestantes o fizeram de qualquer maneira, e o fizeram por mais de um quarto do dia. A violência que ocorreu neste protesto é de responsabilidade direta da polícia. Eles agiram de maneira orquestrada para obter o resultado exato que desejavam. Eles poderiam facilmente ter recebido os manifestantes que estavam voltando ao nos bloquear no Grove, mas escolheram nos dispersar, levando aos saques. Se a polícia nunca tivesse aparecido, o protesto quase certamente retornaria ao Pan Pacific Park e se dispersaria pacificamente a partir daí.

Sabemos disso porque, mesmo quando o protesto marchou por algumas das ruas mais ricas do mundo, ninguém tentou quebrar as vitrines ou saquear as lojas. Enquanto o vandalismo continuava ocorrendo, acontecia exclusivamente nas vitrines de empresas ricas ou em veículos públicos, como os do serviço postal ou de ônibus, e só tomava a forma de grafite. Ninguém tocou nos carros particulares que ocasionalmente pontilhavam a rota da marcha, incluindo um motorista zangado de Beverly Hills que conduziu o carro através da multidão sem avisar, na Burton Way (ninguém ficou ferido). A polícia, e somente a polícia, é a responsável pelos danos que ocorreram.

Ferguson

Algumas centenas de pessoas se reuniram em Ferguson, Missouri, para um protesto em 30 de maio. Os manifestantes estavam programados para se reunir nas proximidades do Departamento de Polícia de Ferguson às 18h. No início do dia, o capitão da polícia conseguiu que a multidão se ajoelhasse com ele. Essa foi uma manobra cínica e oportunista típica por parte do capitão da polícia para convencer as pessoas a tocarem “Simon Says” com a polícia, enquanto aludia ao fato de Kapernick se ajoelhar em protesto contra a brutalidade policial contra negros americanos durante o Hino Nacional. O líder (com o alto-falante) assumiu a liderança do capitão da polícia, pedindo às pessoas para se sentarem e se ajoelharem durante as primeiras duas horas do protesto. A certa altura, algumas pessoas na multidão gritaram “por que você continua nos pedindo para nos sentarmos? Ficamos sentados o dia todo. Estamos cansados de ficar sentados …“ Estava claro que a liderança não estava apenas sendo inútil. Eles estavam realmente segurando as pessoas; inclusive se submetendo à liderança da polícia!

Finalmente, todos se levantaram, e então um sujeito correu pelo estacionamento (provavelmente apenas uma coincidência de que essas coisas aconteciam ao mesmo tempo, mas é difícil dizer) e pulou a cerca, entrando no estacionamento da polícia. Todo mundo estava aplaudindo e era difícil dizer o que estava acontecendo.

Da estação, começando por volta das 7h30, a multidão marchou pela rua e bloqueou um cruzamento durante um tempo. Enquanto estiveram lá, receberam sinais de solidariedade de muitos motoristas (por exemplo, sinais manuais, aplausos e buzinas), incluindo um exemplo notável de um motorista de ônibus que bateu palmas e buzinou para a multidão. Os manifestantes também abriam espaço para os motoristas ocasionalmente, quando necessário. Tudo isso foi conduzido de maneira relativamente organizada. Então os manifestantes voltaram para a delegacia. Depois que o protesto oficial foi declarado terminado, as coisas esquentaram. As pessoas batiam nas janelas e disparavam muitos fogos de artifício no estacionamento onde a polícia estava posicionada. A certa altura, um manifestante apontou os fogos de artifício para o prédio da polícia, onde uma das janelas foi quebrada. Nesse ponto, foram enviados policiais de choque que revidaram com granadas de gás lacrimogêneo.

Durante os protestos, esses foram os cânticos mais populares:

Quem fecha a merda? Fechamos a merda!

“Eu não consigo respirar!”

“FTP!” “Foda-se a polícia!”

E algumas vezes: “Todo o poder para o povo!

Colorado Springs

Os manifestantes marcharam da prefeitura para a delegacia. Lá, a polícia foi questionada por que já estava com equipes antimotim, não havendo resposta. A multidão então pediu à polícia que se ajoelhasse com eles enquanto todos se ajoelhavam, em solidariedade com aqueles que foram assassinados por policiais. Eles recusaram. Uma policial observou que desejava poder se juntar … um sinal de que o moral da polícia está caindo, mas depois do pedido de que ela se juntasse aos manifestantes, ela se acalmou. A multidão pediu uma escolta policial depois que um policial alegou que eles estavam ali para mantê-los seguros, eles se negaram a isso também. Isso criou alguma tensão com os manifestantes que decidiram marchar de volta à prefeitura. Durante todo o tempo, os drones voavam acima, capturando fotos e atiradores da polícia alinhavam-se nos telhados.

Ao chegar à prefeitura, a multidão fechou o cruzamento principal nas proximidades, redirecionando o tráfego, o que era mais seguro, exceto por um motorista irritado e agressivo que quase atropelou alguns manifestantes.

Eles então marcharam de volta pelas ruas do centro de Colorado Springs até a delegacia. Os manifestantes finalmente ultrapassaram a barricada durante um impasse. Eles pediram novamente à polícia que se ajoelhasse, cantando “FICA DE JOELHOS E NÓS IREMOS EMBORA”, ao que os policiais se recusaram novamente por “razões de segurança”. As coisas permaneceram em paz por um tempo até que alguém jogasse fogos de artifício na polícia, o que levou um oficial a atirar no rosto de um jovem negro desarmado com uma bala de borracha, deixando-o inconsciente em uma poça de sangue. A linha quebrou por um tempo e foi refeita. Médicos, com guardas armados (não estatais), levaram a vítima a um local seguro, prisões foram feitas e mais fogos de artifício e garrafas de água foram jogados antes que os camaradas se retirassem.

Denver

Finalmente, em Denver, na sexta-feira, os camaradas intervieram em um comício às 12h no prédio do Capitólio. Imediatamente, um funcionário da cidade de Denver lhes falou para que parassem, então decidiram distribuir cartazes. Os protestos foram pacíficos. Cerca de 200 pessoas se reuniram, marcharam para o Civic Center e depois para o tribunal da cidade antes de marchar para o shopping da 16a Rua. Quando possível, os organizadores impediam os manifestantes de bloquear as ruas. Depois de marcharem até o final do shopping, os manifestantes se viraram e voltaram para a capital, quando a multidão já dobrava de tamanho. Os camaradas abordaram pessoas perguntando: “você quer um partido dos trabalhadores?“, o que foi bem recebido.

No sábado, houve outro protesto na capital, e as pessoas se reuniram em grupos, totalizando cerca de 600 pessoas em todo o parque da cidade. Os camaradas começaram a perguntar às pessoas se elas queriam uma revolução. Todas responderam que sim. Os jovens e os adolescentes em particular estavam extremamente entusiasmados com o marxismo. Por volta das 16h30, começou uma marcha, com a multidão cantando o slogan: “queremos justiça, foda-se seu toque de recolher!” Houve alguma interrupção e confusão, com fortes golpes e grupos diferentes correndo em direções diferentes, mas o protesto foi principalmente disciplinado.

No domingo, uma multidão se reuniu em frente aos degraus do edifício do Capitólio. Os camaradas montaram uma mesa a aproximadamente 10 metros dos degraus na frente do prédio.

No geral, as pessoas pareciam convencidas do que queriam, mas confusas sobre como consegui-lo. Falta organização, mas a vontade de ação revolucionária é palpável!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário